1.vanguardas historicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

1.vanguardas historicas

on

  • 3,094 views

Vanguardas históricas

Vanguardas históricas

Statistics

Views

Total Views
3,094
Views on SlideShare
3,094
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
34
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

1.vanguardas historicas 1.vanguardas historicas Presentation Transcript

  • Cap. I Vanguardas históricas 1. As pesquisas da expressão, da razão e da imaginação
  • IMPRESSIONISMO“O impressionismo afirmara o valor da sensação como fato absoluto e autônomo daexistência.” (ARGAN, 2010, p. 426)Deixa todatradição nacional,não para seruniversal, masinternacional,europeu.Arte pela arteLiberdade,individualidadeindependênciaBusca da própriapoética antes quesua própriaestética Claude Monet, Impressões ao entardecer, 1872
  • A fotografiaA fotografia reproduz mecanicamente osaspectos da realidade com uma objetividadeque é considerada científica e ainda introduz ageração de uma quantidade imensa de imagensque não requerem de um especialistaGustave Courbet, autoretrato, 1840 Henry Fox Talbot, 1843
  • Vontade de definir a relação entre a arte e a vida contemporânea:movido pela autenticidade das suas experiências. Berthe Morrisot, mulher pendurando roupa, 1881
  • Percepção  formaPaul Cézanne “Mont Saint Victoire” 1897
  • Sentimento expressãoVincent van Gogh "Ponte de Trinquetaille" 1888
  • Imaginação símbolo Paul Gauguin “A perda da Inocência” 1891
  • Vanguardas históricas• As vanguardas históricas geralmente tem programas de ação ou linhas de pensamento expressas nos “manifestos”• A liberdade é de rigor• Cultuam o novo• Cultuam à arte pela arte• Incorporam novas tecnologias• Revertem a estética sobre o objeto não artístico• Não mais representam a realidade, se constituem numa realidade por se• Se declaram independentes da estrutura real da sociedade (leis independentes do momento histórico).• As contradições da cultura e da vida e a participação da arte na vida é um problema central na arte moderna.
  • A) As pesquisas da expressão Matisse, A Dança, 1909 Se baseiam na Heckel, 1913 realidade• França – Fauves • Alemanha – Die Brücke• Arte de evasão, de Arte tenta resolver contradições • Arte engajada de simbolismo hermético comunicação históricas entre• Cultura latina e • Cultura germânico – clássico e romântico, mediterrânea entre mimese e nórdica• Deformação objetiva poesia • Deformação subjetiva Sociedade torna mais agudas as contradições, disputam hegemonia econômica e política caminho à I Guerra Mundial
  • Debate sobre a consciência da existênciao Fauves • Estrutura autônoma auto- suficiente do quadro como realidade em si • Unidade entre objeto e sujeito, entre o ser e o mundo • Civilização sem arte destituída de unidade fundamental do real • Primitivismo: criatividade que o progresso não permite, tem que começar de zero • não ha distinção entre belo e feio Henri Matisse, “A alegria de viver” 1906 Se existe música sem palavras porque não poderia existir pintura sem coisas?
  • o Expressionismo Alemão • O que o artista deixa ver antes que o que o artista vê • Temas existencialistas • Profundidade emocional e psicológica • Grupos “Die Brücke” e “Der Blau Rieter”o Características • Figuras distorcidas • Força emotiva • Contrastes • Gestualidade • Drama • Intensidade Ernst Ludwig Kirchner, ‘Auto retrato como soldado” , 1915
  • Arte degenerada 1 Arte degenerada 2 1937 Munique
  • Fritz Lang “Metrópole” 1927
  • Cinema do Expressionismo AlemãoMurnau “Nosferatus” 1922 Robert Wayme “O gabinete do Dr. Caligari” 1919 Para ver trechos de “Metrópole” de Fritz Lang “O Dr. Caligari” no Youtube Para ver Para ver “Fausto”de Murnau” 1926
  • B) As pesquisas da razão• As leis da arte são as leis da visibilidade• A arte é pura, não segue outras leis, ela tem suas próprias leis• Não cabe mais a representação, vale pelo que é e não por aquilo com o que se parece, são uma realidade concreta.• A forma depende da estrutura e não mais do que é exterior a ela• É fundamentada na razão• Se reconcilia com a máquina, vê nela a possibilidade de transformação da sociedade Kasimir Malevich “Branco sobre branco” 1918
  • As vanguardas abstracionistaso Abstração analítica Analisa as formas da natureza, mas analisa mais ainda as Picasso estruturas internas à arteo Abstração pura Pureza de formas e cores. Extremista e futurista de caráter construtivo, ideológico, social, racional.o Abstração lírica Mondrian Poética expressiva, corta toda relação entre imagem artística e imagem da realidade Klee
  • Entre o Cubismo e o Blaue Reiter se repetem os contrastes entre fauvistas e expressionistasJuan Gris, retrato de Picasso, 1912 Kandinsky, Na praia, 1909
  • Abstração analítica e sintética• CubismoAnalisa as formas da natureza e separa, extrai, reduz a formas essenciais e as arma de novo, independente da realidade que já não mais representaNasce como reação ao subjetivismo puro dos fauves.Aflora uma interpretação nova da arte africana: continuidade entre a coisa e o espaçoSuperação crítica das formas tradicionais. Pablo Picasso “Les Demoiselles D’Avignon” 1907
  • “O Cubismo [...] contrapôs à concepção de forma como transcendência, a concepção de forma como imanência absoluta. Atitude revolucionária mas não subversiva. (ARGAN, 2010, p. 528) Juan Gris “Fantomas” 1915Picasso "Retrato de Ambroise Vollard" 1910
  • Abstração Purao Construtivismo • Estruturas harmônicas através de formas El Lissitsky “Golpe no geométricas Blanco com a ponta Vermelha" 1920 • Vanguarda ideológica: utilidade social da arte • Forte influencia no design gráficoo Suprematismo • Expressão suprema do sentimento Kasimir Malevich, “Quadrado Negro" 1913
  • o De Stijl (Neoplasticismo) • Desnaturalizar a arte • Não se entrega a um programa político, conserva a independência da arte Piet Mondrian "Broadway Boogie Woogie" 1942-43
  • C) As pesquisas daimaginação • Não racional, fantasioso, imaginativo • Arte: atividade não programável numa sociedade totalmente programada • Uso do objeto encontrado • O imprevisível, o absurdo como principio estético. • Uso de materiais e técnicas da produção industrial (fotografia, cinema) • Ironia frente a utopia Marcel Duchamp, L.H.O.O.Q. 1919,
  • o Dadaísmo • Armory Show 1913 • Nonsense • leis do acaso • Repudio à arte como modo de produzir valor (mercadoria) • Não mais técnica o linguagem • O que determina um valor estético é o processo mental • Decidida a mostrar a impossibilidade de uma relação entre arte e sociedade • Negação de todo o sistema de valores, negação da arte: ação deliberadamente gratuita, insensata, Hugo Ball, Cabaret Voltaire 1916 absurda, imprevisível, livre
  • o Surrealismo • Transfere a arte da esfera do consciente à esfera do inconsciente • Inconsciente dimensão da existência estética • Dimensão metafísica – espacial e atemporal Hannah Hoech, desligada em relação à L’coquete II, vida 1923 • Técnicas psicologistas: automatismo • Experiência onírica: o jogo, o sonho • Não se pinta o sonhado, sonha-se pintando • Ambigüidade alógica da imagem Meret Openheim “Xícara, prato e colher de pele”1936
  • Webteca• Arte Moderna, Enciclopédia Itaú Cultural, Artes Plásticas• Museu de Arte Moderna• Acervo Virtual Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo• História Ilustrada da Arte (imagens e vídeos)• Metropolitan Museum of Art (inglês)• Modern Art History (inglês)• Art History, recursos da web (inglês)• Expressionismo, Enciclopédia Itaú Cultural• A questão das vanguardas• Manifesto dadaísta Hugo Ball• Manifesto dadaísta de Tristan Tzara, revista Dada Zurich No. 8• 1913 (espanhol)• Manifesto do Surrealismo, Andre Breton 1924 (espanhol)• Manifesto Cubismo (espanhol)• Manifesto Construtivista ou Realista (espanhol)• Cubismo – historiadaarte.com.brBibliografia• ARGAN, G.C. Arte Moderna na Europa, de Hogart a Picasso, 2010.• _____, __. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras. 1992. Capítulos 2, 4 e 5, 7.