EFEITO DO TRATAMENTO COM IVERMECTINA 2,25% + ABAMECTINA 1,25%
  (SOLUTION 3,5% LA®) PÓS-DESMAMA NO GANHO DE PESO E NA TAXA...
INTRODUÇÃO


       O Brasil possui um rebanho bovino comercial de aproximadamente 170 milhões
de cabeças (1). A bovinocul...
demonstram o maior ganho em peso de animais tratados com endectocidas em relação
aos não tratados (10).
      Os escassos ...
Um total de 470 fêmeas da raça Nelore, com idade média de oito meses e
recém desmamadas, foi dividido de forma equilibrada...
O modelo estatístico foi formado pelos efeitos de tratamento (Solution e
Ivermectina). A análise estatística foi realizada...
TABELA 1 – Peso das fêmeas Nelore (Bos indicus) em todo o período
              experimental de acordo com o grupo de trat...
Entretanto, a maior taxa de aproveitamento no Grupo SOL não afetou a taxa
de prenhez à IATF, ao repasse com touros e ao fi...
AGRADECIMENTOS


        A realização do presente experimento só foi possível devido ao apoio da
Intervet Schering-Plough ...
10. SOUTELLO, R.V.G. et al. Teste comparativo de ganho de peso em novilhos
utilizando diferentes tipos de endectocidas. Ci...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Efeito do tratamento com Ivermectina 2,25% + Abamectina 1,25%

4,218 views
4,040 views

Published on

Published in: Travel, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,218
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
33
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Efeito do tratamento com Ivermectina 2,25% + Abamectina 1,25%

  1. 1. EFEITO DO TRATAMENTO COM IVERMECTINA 2,25% + ABAMECTINA 1,25% (SOLUTION 3,5% LA®) PÓS-DESMAMA NO GANHO DE PESO E NA TAXA DE CICLICIDADE DE FÊMEAS NELORE (Bos indicus) Ribeiro Jr., M.1; Marques, M.O.1; Sales, J.N.S.2; Pinho, J.P.D.1; Crepaldi, G.A.2; Silva, R.C.P.1; Baruselli, P.S.2 1 Geraembryo, Cornélio Procópio, PR, Brasil. 2 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP, São Paulo, SP, Brasil. RESUMO O presente estudo foi realizado com o objetivo de avaliar o efeito da administração de Ivermectina 3,15% (Ivermectina comercial) ou associação contendo Ivermectina 2,25% e Abamectina 1,25% (Solution 3,5% LA®) nos meses de maio, julho e setembro em fêmeas Nelore, desde a sua desmama até o início de sua estação de monta (entre os 8 e 24 meses de idade). Um total de 470 bezerras Nelore foi dividido em dois grupos experimentais de acordo com o ganho de peso pré- experimento (2 avaliações com intervalo de 30 dias antes do início do experimento), análise de OPG e paternidade. Foram avaliados o peso das novilhas no momento das aplicações dos antiparasitários e a taxa de ciclicidade antes da estação de monta. A análise estatística foi realizada pelo programa estatístico do SAS. As variáveis contínuas foram avaliadas quanto à normalidade dos resíduos e a homogeneidade das variâncias. Os dados que não atenderam as primícias da análise de variância foram transformados. Observou-se que as fêmeas tratadas com a associação de princípios ativos apresentaram maior peso corporal em 4 das 6 avaliações realizadas. Além disso, observou-se também que tais fêmeas apresentaram maior taxa de ciclicidade antes da estação de monta (Ivermectina=42,9%; Solution=53,6%; P=0,02) e conseqüentemente maior aproveitamento para programas de IATF. Conclui-se que o emprego de Solution 3,5% LA foi eficaz em antecipar a puberdade em novilhas, provavelmente devido ao maior peso observado. Dessa forma, seu uso possibilitou que mais novilhas fossem submetidas ao protocolo de sincronização para IATF.
  2. 2. INTRODUÇÃO O Brasil possui um rebanho bovino comercial de aproximadamente 170 milhões de cabeças (1). A bovinocultura brasileira desempenha importante papel econômico, em divisas, pelas exportações, além de empregar milhares de pessoas diretamente no campo, o que caracteriza uma ótima performance em agronegócios. Neste contexto, o rebanho zebuíno nacional, um dos maiores do mundo, vem sendo considerado como referência, sobretudo os da raça Nelore, mantendo-se como padrão para as nossas condições climáticas e também como base para cruzamentos industriais (2). De um modo geral, para que a pecuária se mantenha eficiente e competitiva, deve estar alicerçada, sobretudo em três pontos importantes: genética dos animais, disponibilidade de alimentos de qualidade nutricional e um manejo sanitário estruturado. Atualmente, a exigência dos consumidores, quanto à qualidade da carne, tem motivado os pecuaristas a investirem na qualidade do rebanho, na melhoria das pastagens e em programas de controle de verminoses. Para este controle, é importante ressaltar a importância do conhecimento de certos aspectos da verminose, principalmente as formas subclínicas (3) que passam despercebidas pelos pecuaristas, impossibilitando maiores lucros, em decorrência da espoliação causada no rebanho (4). Nesses casos, animais parasitados deixam de expressar a potencialidade genética, mesmo tendo acesso a uma boa alimentação. Dependendo da susceptibilidade da raça e/ou cruzamentos, bovinos podem albergar várias espécies de parasitos, tornando-se vantajoso o uso de produtos que apresentam amplo espectro de ação, atuando contra endo e ectoparasitos. Como opção econômica, os endectocidas, sobretudo os de longa ação do grupo das lactonas macrocíclicas, podem constituir uma alternativa adequada para o controle das parasitoses, sobretudo pelo maior período de proteção, diminuindo, desta forma, o número de tratamentos (5). Por outro lado, o uso indiscriminado e muitas vezes errôneo de determinados compostos, principalmente as avermectinas, vem desencadeando um processo de resistência em algumas cepas de parasitos, tais como Boophilus microplus (6) e algumas espécies de helmintos (7). O controle dos parasitos é parte fundamental no processo produtivo de bovinos, uma vez que pode influenciar negativamente o ganho em peso dos animais e, dependendo da severidade, pode levar à morte (8). Diversos trabalhos na literatura relatam o efeito positivo do uso de anti-helmíntico no consumo e na conversão alimentar de animais mantidos em pastagens (9). Experimentos, realizados no Brasil,
  3. 3. demonstram o maior ganho em peso de animais tratados com endectocidas em relação aos não tratados (10). Os escassos conhecimentos sobre os mecanismos de sobrevivência dos parasitos e o decréscimo de investimentos na inovação de moléculas anti-parasitárias, pela indústria farmacêutica veterinária, diminuem as perspectivas de surgimento de novos grupos químicos eficazes no controle das parasitoses (11). A associação de princípios ativos pode constituir uma alternativa promissora (12). Além disso, há pouca informação relacionando o efeito do emprego de anti-parasitários no desempenho reprodutivo de fêmeas zebuínas em condições tropicais. Nesse contexto, a idade à puberdade é uma característica produtiva fundamental na pecuária de cria e está diretamente relacionada ao peso e composição corporal das novilhas (13). O atraso na ocorrência do primeiro parto irá acarretar importantes perdas econômicas. Santos e Sá Filho (14) avaliaram o peso vivo, a condição corporal e a ciclicidade de 617 novilhas Nelore com idade entre dois e três anos. Foi observada relação quadrática tanto para o escore de condição corporal quanto para o peso vivo na proporção de fêmeas pré-púberes, no qual o aumento da condição corporal ou do peso vivo reduziu a proporção de novilhas em anestro. Em novilhas zebuínas, o peso ao início da estação de monta deve estar em torno de 300 a 330 kg. Além disso, pesos inferiores no início da estação irão comprometer o desempenho reprodutivo dessas fêmeas, afetar o peso ao parto, trazer conseqüências negativas ao desempenho animal na primeira lactação e na fertilidade da estação de monta subseqüente (15) Assim, o presente estudo teve como objetivo comparar o desenvolvimento ponderal de bezerras recém-desmamadas, irmãs paternas, portadores de nematodioses, mantidas em pastagem de Brachiaria decumbens e submetidas ao controle estratégico de helmintos com a associação de Ivermectina 2,25% + Abamectina 1,25% LA ou com apenas Ivermectina 3,15% e correlacionar o efeito do ganho peso com a precocidade sexual (início da puberdade). MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi realizado de Maio de 2007 a Abril de 2009, nas Fazendas Santa Luzia e Nossa Senhora de Fátima, no município de Brasilândia, Mato Grosso do Sul, Brasil, onde os animais foram mantidos em pastagens de Brachiaria decumbens e com suplementação mineral durante todo o período experimental.
  4. 4. Um total de 470 fêmeas da raça Nelore, com idade média de oito meses e recém desmamadas, foi dividido de forma equilibrada em 2 grupos homogêneos quanto ao ganho de peso no período pré-experimental (30 dias antes do primeiro tratamento), a paternidade (bezerras oriundas de inseminação artificial do mesmo touro) e a contagem de ovos por grama de fezes (OPG). Um grupo (IV; n=235) foi tratado com Ivermectina 3,15% (630 mcg/Kg de peso vivo s.c., Ivomec Gold, Merial, Brasil) e o outro grupo (SOL; n=235) com a associação de Ivermectina 2,25% + Abamectina 1,25% (450 mcg + 250 mcg/Kg de peso vivo s.c., Solution 3,5% LA, Intervet Schering-Plough Animal Health, Brasil). O total de animais tratados (n=470), foi dividido em 3 lotes com número equilibrado de animais de cada um dos grupos, de maneira a se evitar efeito de pastagem e manejo. Os anti-parasitários foram administrados em 6 ocasiões, nos meses de maio, julho e setembro dos anos de 2007 e 2008. Para determinação do ganho de peso foram realizadas pesagens individuais 30 dias antes do início do experimento (abril de 2007) e nas administrações de anti- parasitários. Para padronização das pesagens, os animais foram mantidos em jejum alimentar e hídrico por 12 horas. O ganho em peso, em cada período, foi calculado considerando-se a diferença de peso entre as pesagens. As avaliações de ciclicidade foram realizadas nos meses de julho e outubro de 2008 pela ultrassonografia transretal (Aloka SSD 500, Tokyo, Japão) sempre pelo mesmo veterinário. As fêmeas foram consideradas cíclicas quando observada a presença de um Corpo Lúteo em um dos ovários. Nas fêmeas cíclicas foi procedida a inseminação artificial em tempo fixo (IATF) com protocolo utilizando implantes auriculares de Norgestomet (Crestar®, Intervet Schering-Plough Animal Health, Holanda) descrito por Sá Filho et al. (13) (Dia 0 – 2mg de Benzoato de Estradiol i.m. + inserção do implante de Norgestomet; Dia 8 – 150 mcg de Prostaglandina i.m. + 300 UI de eCG i.m. + 0,5mg de Cipionato de Estradiol i.m.; Dia 10 – IATF) em 10 de novembro de 2008. Após 15 dias da IATF, estas novilhas foram submetidas ao repasse por touros Nelore na proporção de 1:25 até o término da Estação de Monta, no dia 30 de janeiro de 2009. As fêmeas que não estavam cíclicas (pré-púberes) até a avaliação ultrassonográfica de outubro de 2008 foram excluídas do experimento. Os diagnósticos de gestação foram realizados por exame ultrassonográfico transretal em janeiro e abril de 2009, de modo a determinar se as gestações eram originadas da IATF ou Monta Natural, bem como estimar a data que a referida novilha emprenhou durante a Estação de Monta (EM).
  5. 5. O modelo estatístico foi formado pelos efeitos de tratamento (Solution e Ivermectina). A análise estatística foi realizada com auxílio do software Statistical Analysis System for Windows SAS®(16). As variáveis contínuas foram avaliadas quanto à normalidade dos resíduos pelo procedimento UNIVARIATE e submetida ao teste de Bartlett para analisar a homogeneidade das variâncias. Os dados que não atenderam as primícias da análise de variância foram transformados. Após essa avaliação, o procedimento GLM e o Teste de Tukey foram utilizados para análise de variância e para determinar diferença de médias entre os tratamentos, respectivamente. Os dados binomiais foram analisados por regressão logística pelo procedimento GLIMMIX do SAS. Considerou-se diferença significativa entre as variáveis testadas quando o P <0,05 e tendência P < 0.10. As variáveis dependentes paramétricas foram expressas em média e erro padrão da média (média ± EPM) e as de distribuição normal por porcentagem. RESULTADOS E DISCUSSÃO No presente estudo, observou-se maior peso nas fêmeas do Grupo SOL comparado ao Grupo IV entre Julho de 2007 e Julho de 2008, como demonstrado na Tabela 1. Deve-se ressaltar o efeito nematodicida da associação Ivermectina 2,25% com Abamectina 1,25% contra Haemonchus sp. e Cooperia spp., uma vez que é fato notório na literatura relatos de populações, destes gêneros, resistentes à ivermectina (17). Esta superioridade da associação em questão, sobre a ivermectina isoladamente, mesmo em alta concentração, deve-se provavelmente ao efeito da associação de princípios ativos (ivermectina + abamectina) e à presença da abamectina, que apresenta maior atividade anti-helmíntica do que a ivermectina (18). Com base nos resultados obtidos, podemos inferir que a associação de ivermectina + abamectina, constituiu numa alternativa promissora para o controle dessas verminoses e incremento do peso de fêmeas zebuínas.
  6. 6. TABELA 1 – Peso das fêmeas Nelore (Bos indicus) em todo o período experimental de acordo com o grupo de tratamento. Brasilândia, MS, 2009. PESO (KG) P IV SOL Mai/07 192,6±1,3 195,5±1,4 >0,05 Jul/07 193,1±1,3 197,1±1,4 0,02 Set/07 217,5±1,2 223,1±1,3 0,01 Mai/08 291,3±1,8 299,5±1,9 0,01 Jul/08 301,2±1,7 306,1±1,6 0,03 Set/08 303,2±1,7 306,8±1,5 0,12 Outro efeito observado no presente estudo foi em relação à taxa de ciclicidade. Observou-se que as novilhas do Grupo SOL apresentaram maior taxa de ciclicidade (presença do Corpo Lúteo) que as do Grupo IV nas duas avaliações ultrassonográficas (Tabela 2). Sá Filho et al (19) relataram maiores taxas de prenhez em novilhas cíclicas submetidas à IATF quando comparadas a novilhas não cíclicas. Tendo em vista esse aspecto, o emprego da associação ivermectina + abamectina aumentou a taxa de aproveitamento (percentual de novilhas aptas à IATF / total de novilhas avaliadas) permitindo que mais novilhas fossem submetidas ao protocolo de IATF. Esses resultados concordam com os de Santos e Sá Filho (14) no qual o aumento da condição corporal ou do peso vivo reduziu a proporção de novilhas em anestro. Dessa forma, o emprego da associação Ivermectina + Abamectina a partir da desmama pode beneficiar consideravelmente o desempenho reprodutivo dessas fêmeas. TABELA 2 – Taxa de Ciclicidade em novilhas Nelore (Bos indicus) previamente à Estação de Monta de acordo com o tratamento. Brasilândia, MS, 2009. Ciclicidade (%) IV SOL P 16,2 38,1 Julho/2008 0,05 (38/235) (55/235) 42,9 53,6 Outubro/2008 0,02 (101/235) (126/235)
  7. 7. Entretanto, a maior taxa de aproveitamento no Grupo SOL não afetou a taxa de prenhez à IATF, ao repasse com touros e ao final da estação de monta (Tabela 3). Não foi observado diferença entre os grupos para essas variáveis. Ainda, não foi observado diferença no intervalo de dias entre o início da estação de monta e a concepção nos diferentes grupos (SOL = 49,58 ± 3,7 dias e IV = 46,7 ± 3,9 dias; P = 0,59). TABELA 3 – Taxa de Prenhez de acordo com o tratamento em novilhas Nelore (Bos indicus) submetidas à IATF + Repasse com Touro na Estação de Monta. Brasilândia, MS, 2009. Taxa de Prenhez (%) IV SOL P IATF 54,5 55,6 0,90 (55/101) (70/126) Touro (Primeiro Repasse) 47,8 57,1 0,33 (22/46) (32/56) Final da Estação de Monta 93,1 91,3 0,61 (94/101) (115/126) CONCLUSÕES Concluímos que fêmeas Nelore (Bos indicus) tratadas com a associação de Ivermectina 2,25% + Abamectina 1,25% LA (Solution 3,5% LA®) desde a desmama até o início da Estação de Monta, com administrações nos meses de Maio, Julho e Setembro, apresentam aumento do peso médio e na taxa de ciclicidade, quando comparado a fêmeas tratadas apenas com Ivermectina 3,15%. Assim, a utilização daquela associação anti-parasitária pode ser vantajosa quando do emprego da IATF nas novilhas zebuínas de uma propriedade, por permitir que mais novilhas sejam submetidas aos protocolos de sincronização da ovulação para inseminação artificial em tempo fixo. Ainda, sugere-se que mais estudos devem ser destinados aos efeitos do emprego de anti-parasitários na puberdade e desempenho reprodutivo de fêmeas zebuínas.
  8. 8. AGRADECIMENTOS A realização do presente experimento só foi possível devido ao apoio da Intervet Schering-Plough Animal Health e da Höfig Ramos Agricultura e Pecuária – HoRa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ANUÁRIO DA PECUÁRIA BRASILEIRA (ANUALPEC), 2008. 2. RODRIGUES, A.A., CRUZ, G.M., BARBOSA,R.T.., ALENCAR, M.M., CORRÊA, L.A., OLIVEIRA, G.P. Performance of beef heifers of various genetic groups, supplemented or not, in coastcross pastures. In: INTERNATIONAL GRASSLAND CONGRESS, 19.,2001, Brasil. Proceedings. São Pedro: Brasil. Grassland Simposium, 2001. p.701- 702 3. COOP, R.L.; HOLMES, P.H. Nutrition and parasite interaction. International Journal of Parasitology, v. 26, p. 951-962, 1996. 4. OLIVEIRA, G.P. & FREITAS, A.R. Doramectin e levamizole no controle dos helmintos de bovinos no início da estação seca. Ciência Rural, v. 28, n.2, p. 277-281, 1998. 5. BORGES , F.A. Farmacocinética e atividade endectocida de uma nova formulação contendo avermectinas em bovinos.2003. 88f Dissertação (Mestrado em Patologia Veterinária)-Curso de Pós-graduação e Medicina Veterinária, FCAVJ – Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, São Paulo. 6. MARTINS, J.R.; FURLONG, J. Avermectin resistance of the cattle tick Boophilus microplus in Brazil. Veterinary Record, v. 149, n. 2, p. 64, 2001. 7. CARDOSO, J.M.S. et al. Identificação de Cooperia punctata (Linstow, 1907) resistente a ivermectin e doramectin em bovinos no Estado do Rio de Janeiro. XII Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária, Rio de Janeiro, 2002 – CD- ROM. 8. HAWKINS, J.A Economic benefits of parasite control in cattle, Veterinary Parasitology, v. 46, n. , p. 159-173, 1993. 9. LOYACANO, A.F.; WILLIAMS, J.C.; GURIE J.; DEROSA, A.A. Effect of gastrointestinal nematode and liver fluke infections on weight gain and reproductive performance of beef heifers, Veterinary Parasitology 107 (2002), pp. 227–234.
  9. 9. 10. SOUTELLO, R.V.G. et al. Teste comparativo de ganho de peso em novilhos utilizando diferentes tipos de endectocidas. Ciências Agrárias e da Saúde. V.1, n.2, p.37-40, 2001. 11. GEARY, T.G.; THOMPSON, D.P. Development of antiparasitic drugs in the 21st century. Veterinary Parasitology, v. 115, p. 167-184, 2003. 12. NASCIMENTO, A.A.et al. Atividade anti-helmíntica de uma nova formulação de longa ação contendo ivermectina 2,25% + abanectina 1,25%*, no tratamento de bovinos naturalmente infectados por nematódeos parasitos. A Hora Veterinária, Ano 23, Edição extra, p. 33-36, 2003 13. SÁ FILHO, M.F.; GIMENES, L.U.; SALES, J.N.S.; CREPALDI, G.A.; MEDALHA, A.G.; BARUSELLI, P.S. IATF em novilhas. Bovinos (3º Simpósio Internacional de Reprodução Animal Aplicada), Londrina, p. 54-67, 2008. 14. SANTOS, J.E.P; SA FILHO, M.F. Nutrição e reprodução em bovinos. Biotecnologias da Reprodução em Bovinos (2º Simpósio Internacional de Reprodução Animal Aplicada), Londrina, p. 30-54, 2006. 15. WILTBANK, J.N., S. ROBERTS, J. NIX E L. ROWDEN. Reproductive performance and profitability of heifers fed to weigh 272 or 318 kg at the start of the first breeding season. Journal Animal Science, v. 60, p. 25-34, 1985. 16. STATISTICAL ANALYSIS SYSTEM (SAS). SAS User’s Guide: Statistics. SAS Institute Inc., Cary, NC, USA, 2001. 17. BORGES, F.A.et al. Resistência de Haemonchus placei, Cooperia punctata e C. spatulata à ivermectina em bovinos no estado de Minas Gerais, Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PARASITOLOGIA VETERINÁRIA 13.; 2004, Ouro Preto, MG. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, v. 13, suplemento 1, p. 249, 2004. 18. SHOOP, W.; SOLL, M. Macrocyclic Lactones in Antiparasitic Therapy, CABI Publishing, New York (2002) pp. 1–29. 19. SÁ FILHO, M.F.; PENTEADO, L.; REIS, E.L.; GIMENES. L.U.; BARUSELLI, P.S. Efeito da ciclicidade e do tratamento com eCG na dinâmica folicular e na taxa de concepção de novilhas Nelore tratadas com implante auricular de norgestomet e benzoato de estradiol Reunião Sociedade Brasileira de Reprodução Animal, p. 291, 2005.

×