1 web nova midia

613 views

Published on

Slide primeira aula - Web como uma nova mídia

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
613
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

1 web nova midia

  1. 1. WEB COMO UMA NOVA MÍDIA Janaina Nunes Facom / UFJF
  2. 2. - processo iniciado pela comunicação em rede - fortalecido pela ampliação do acesso ao ciberespaço - consolidado com o surgimento de um crescente número de usuários capazes de interagir, trocar conhecimento e modificar a própria plataforma de navegação da Internet WEB COMO UMA NOVA MÍDIA
  3. 3. Tim O’Reilly - Web 2.0 - segunda geração de comunidades e serviços baseados na plataforma Web, desencadeada pelos próprios usuários e desenvolvedores de softwares - programadores de softwares passam a desenvolver programas com “código aberto”, que vão se aperfeiçoando na medida em que são utilizados pelos usuários - a Web 2.0 não seria bem uma evolução técnica, apenas um novo entendimento da Internet como plataforma para desenvolvimento de aplicativos que possam aproveitar os efeitos da rede e se aperfeiçoar cada vez mais, explorando as potencialidades da inteligência coletiva (REILLY, 2005).
  4. 4. Características da Web 2.0 - novas possibilidades de escrever, compartilhar, comunicar e interagir - crescimento da transmissão de imagens, vídeos e músicas através da banda larga - formação potencial de uma inteligência coletiva com a soma de todo conhecimento disponível em rede
  5. 5. Jornalismo com "código aberto" - Nos sites de notícia em que o leitor avalia a matéria, ele também acaba colaborando para que os produtores possam elencar os fatos mais importantes do dia e oferecer uma lista das mais lidas e mais pontuadas. - Ao usuário é dada maior possibilidade de participação, organizando e gerando conteúdos, ou enriquecendo-os com comentários, avaliação e personalização.
  6. 6. Advento do “prosumidor&quot; <ul><li>- leitor-usuário-pesquisador-escritor-programador (para unir assim todas as suas funções) </li></ul><ul><li>- conhece as várias mídias e não se conforma com o que lhe dá apenas um veículo, procurando informações adicionais (principalmente em sites de busca) e forçando as empresas de comunicação a serem criativas para conquistar a audiência deste público, cada vez mais exigente. </li></ul>
  7. 7. Jornalismo 2.0 <ul><li>A principal lição tirada do sucesso de sites como YouTube e Wikipédia é a confirmação da existência de muitas pessoas que sabem produzir e publicar conteúdos on-line e estão interessadas em se informar por novas fontes. Para alcançar essas pessoas, os jornais devem formatar seus conteúdos para todo tipo de plataforma, buscando a audiência onde quer que ela esteja. (Francis Pisani, 2006) </li></ul>
  8. 8. E como fica o mercado? <ul><li>- produtores alternativos e independentes começam a se destacar, “roubando” a audiência e acirrando a concorrência entre os meios </li></ul><ul><li>- alguns blogs acabam pautando a grande impressa, com informações confiáveis, publicadas em primeira mão </li></ul><ul><li>- tradicionais empresas de comunicação tem se esforçado para acompanhar essas mudanças </li></ul>
  9. 9. O medo de inovar <ul><ul><li>Apesar do avanço de experiências inovadoras, os mais tradicionais sites de notícia, geralmente ligados a grandes empresas de comunicação, preferem a parcimônia à ousadia e ainda caminham lentamente em direção ao desenvolvimento de uma linguagem própria para a prática profissional do webjornalismo. </li></ul></ul><ul><ul><li>- A maior dificuldade é a mudança de hábitos para apreensão de novas formas de fazer contato, novas formas de apuração, de redação, de linguagem e de publicação de conteúdos. (Mark Briggs, 2007) </li></ul></ul>
  10. 10. JORNALISMO E INTERNET <ul><li>- jornalismo eletrônico: prática profissional que utiliza equipamentos e recursos eletrônicos em geral </li></ul><ul><li>- jornalismo digital ou multimídia: emprega tecnologia digital e implica no tratamento de dados em forma de bits. </li></ul><ul><li>- ciberjornalismo: praticado no ciberespaço com o auxílio de possibilidades tecnológicas oferecidas pela cibernética </li></ul><ul><li>- jornalismo on-line: se desenvolve a partir da transmissão de dados em rede e em tempo real </li></ul><ul><li>- webjornalismo: trabalha com uma parte específica da Internet, a Web, disponibilizando interfaces gráficas de forma amigável (MIELNICZUK, 2003: 44) </li></ul>
  11. 11. Estágios de desenvolvimento <ul><li>Fase 1: recodificação do material produzido pelo impresso para disponibilização no ambiente Web, predominando o aspecto de transposição. A periodicidade neste estágio também costuma ser a mesma do impresso, em geral diária, mantendo os mesmos critérios de pauta, apuração e redação utilizados na mídia tradicional </li></ul><ul><li>Fase 2: produção efetiva em rede, com utilização de hipertexto, publicação de notícias em tempo real, interatividade e multimídia, personalização de informações, com apresentação de alguns conteúdos originais e edição de outros para adequação ao meio. </li></ul><ul><li>Fase 3: realização de projetos editorais especificamente para Internet, com o reconhecimento da Web como um novo meio de comunicação. O aspecto mais importante dessa fase é a experimentação de narrativas imersivas, permitindo ao leitor navegar através da informação em multimídia (PAVLIK, 2001) </li></ul>
  12. 12. Características <ul><li>multimidialidade : expressa na convergência dos formatos de mídias tradicionais (imagem, texto e som), na narração do fato jornalístico e na disponibilização em múltiplas plataformas e suportes </li></ul><ul><li>interatividade : inicialmente possibilitada pela troca de e-mails entre leitores e jornalistas e pelas novas formas de leitura através da navegação por links </li></ul><ul><li>hipertextualidade : acontece quando o conteúdo aponta para textos complementares, sites ou materiais de arquivo que possam auxiliar na contextualização da informação e na produção de significados. </li></ul><ul><li>personalização ou customização de conteúdo: possibilita aos usuários configurar produtos jornalísticos de acordo com seus interesses e escolher o formato de apresentação visual </li></ul><ul><li>memória : viabilizada pela acumulação de informações hiperligadas </li></ul><ul><li>instantaneidade do acesso ou atualização contínua: proporcionada pela facilidade de produção e disponibilização da informação digital, que possibilita o acompanhamento contínuo dos assuntos jornalísticos de maior interesse. </li></ul>
  13. 13. Potencialidades <ul><li>- as características do jornalismo na Web, na verdade, podem ser vistas mais como continuidades e potencialidades do que como rupturas em relação ao jornalismo praticado em suportes anteriores </li></ul><ul><li>- cada site pode desenvolver mais uma das características do que outras </li></ul><ul><li>- os três estágios de desenvolvimento também não se tratam de categorias excludentes, pois numa mesma fase é possível verificar publicações jornalísticas para a Web que se enquadram em diferentes gerações e, até mesmo, encontrar aspectos que remetem às diferentes fases em uma mesma publicação. </li></ul><ul><li>- principal mudança: dissolução dos limites de espaço para disponibilização do material noticioso </li></ul>
  14. 14. Linguagem do webjornalismo <ul><li>- ainda não foi desenvolvida plenamente uma linguagem específica para o jornalismo na Web </li></ul><ul><li>- Pensar no usuário, receptor e produtor de conteúdos no ciberespaço deve ser a grande preocupação quando a questão é o desenvolvimento dessa linguagem </li></ul>
  15. 15. Criação colaborativa <ul><li>- Mark Briggs (2007) afirma que tem se tornado cada vez mais comum, em empresas jornalísticas norte-americanas, o desenvolvimento de bancos de dados e a adoção de métodos de reportagem com a participação do público. </li></ul>
  16. 16. Formação interdisciplinar <ul><li>- necessidade de uma formação técnica que capacite o profissional para tarefas como tratamento de imagem, criação de animação vetorial, edição de vídeo, som e HTML. </li></ul><ul><li>- Ao adquirir esses conhecimentos técnicos, o profissional estará mais apto a surpreender seu público, com criatividade e design gráfico convidativo, sabendo dispor uma agradável composição visual utilizando tipos de letras, cores, corte e edição de fotos, áudio e vídeo </li></ul>
  17. 17. <ul><li>- o texto para a Web deva se colocar entre a transmissão para a televisão e o impresso – mais objetivo e vigoroso do que o texto impresso, porém, mais bem escrito e detalhado do que o texto para televisão. </li></ul><ul><li>- A questão a se levar em conta ao escrever para os diversos meios vem a ser o público. É preciso entender como o internauta lê. </li></ul>Um bom texto
  18. 18. <ul><li>- Os primeiros estudos afirmavam que o texto na Internet deveria ser curto e direto, pois as pessoas não teriam paciência para ler na tela textos longos que exigissem grandes elucubrações. No entanto, parece que este paradigma vem sendo quebrado. </li></ul><ul><li>- Investigações recentes do Poynter Institute revelaram que a postura do leitor de notícias on-line não é tão dispersa como se pensava. Segundo a pesquisa EyeTrack07 – realizada em março de 2007 –, o leitor on-line costuma ler 77% do conteúdo por ele escolhido, ao passo que em um periódico de formato standard este percentual é de 62%, e, em tablóides, 57%. A pesquisa revela ainda que 66% dos que lêem notícias na Internet a lêem por completo, o que abre uma nova perspectiva para o mercado da informação. </li></ul>Poynter Institute - EyeTrack07
  19. 19. Busque escrever um texto com energia, use verbos e substantivos fortes. Escreva de um modo diferenciado para ajudar a identificar seu texto entre os múltiplos conteúdos da Internet. Use humor. Tente escrever num estilo leve, mas com firmeza. Estilo coloquial funciona muito bem na Web. O público on-line aceita mais os estilos não convencionais de escrever (DUBE, 2003 apud BRIGGS, 2007: 65).

×