Bioclimatologia aves

3,120 views
2,869 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,120
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
200
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bioclimatologia aves

  1. 1. Zootecnia Geral CAMPUS SÃO JOÃO EVANGELISTA BACHARELADO EM AGRONOMIA AGRO 111 ANA CRISTINA BEATRIZ MARTINS CLÁUDIO VIEIRA ERMINDO GONÇALVES FLAVIA CRISTINA HÉVELYN MAGALHÃES LEILA DAVINA NELICE APARECIDA NATANIELLY RODRIGUES Alunos:
  2. 2. BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL
  3. 3. BIOCLIMATOLOGIA Ciência que estuda as relações entre o clima e a distribuição dos seres vivos na Terra. Tipologia bioclimática - combina de forma variada parâmetros de temperatura, umidade, insolação, etc., po r vezes também altitude e latitude.
  4. 4. APTIDÃO ECOLÓGICA FATORES BÁSICOS: • Climático • Edáfico Clima – mais importante dos fatores. Influencia de forma: • Direta – temperatura do ar, radiação solar, umidade. • Indireta – qualidade e quantidade de vegetais indispensáveis à criação animal; favorecimento ou não de doenças.
  5. 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A INFLUÊNCIA CLIMÁTICA NA AVICULTURA Maior concentração de avicultores no Brasil A morte de aves por stress térmico representa um prejuízo significativo para produtores. O calor ou frio excessivos provocam problemas de: •Baixa (C) ou alta (F) conversão alimentar; •Perda (C) ou ganho exagerado (F) de peso; •Redução da postura; •Redução da qualidade dos ovos.
  6. 6. Os problemas podem ser amenizados a partir do planejamento minucioso da construção do aviário.
  7. 7. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Localização das edificações •O ambiente de criação deve ser tranquilo e distante de outras criações ou plantéis avícolas e ainda se possível distante de estradas onde ocorra circulação de veículos e pedestres. •O criador deve aproveitar o relevo disponível. •O local deve ser escolhido de tal modo que se aproveitem as vantagens da circulação natural do ar. •O lado norte, mais ensolarado, deve ser sombreado com árvores e o lado sul mantidos sem obstáculos.
  8. 8. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Orientação •Por mais que se oriente adequadamente o aviário em relação ao sol, haverá incidência direta de radiação solar em seu interior em algumas horas do dia na face norte, no período de inverno. •As horas mais quentes do dia a sombra vai incidir embaixo da cobertura e a carga calorífica recebida pelo aviário será a menor possível.
  9. 9. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Largura, comprimento, piso e pé direito. •Recomenda-se largura até 10 m para clima quente e úmido e largura de 10 até 14 m para clima quente e seco. •O comprimento “ideal” é de 100 a 125 m. Ele não deve ultrapassar 200 m. É aconselhado divisórias internas removíveis com ao longo do aviário em lotes de até 2.000 aves para diminuir a competição e facilitar o manejo. Estas divisórias devem ser de tela, para não impedir a ventilação e com altura de 50 cm, para facilitar o deslocamento do avicultor.
  10. 10. O piso deve ser: •de material lavável; •de material impermeável; •de material não liso ; •com espessura de 6 a 8cm de concreto ; •revestido com 2cm de espessura de argamassa. Pode ser construído em tijolo deitado que apresenta boas condições de isolamento térmico. O piso de chão batido, não isola bem a umidade e é de difícil limpeza e desinfecção, no entanto, tem-se propagado por diminuir o custo de instalação do aviário.
  11. 11. *Pé-direito é uma expressão que indica a distância do pavimento ao teto. •O pé direito* mais recomendado deve ter 3 metros. •Quanto mais largo for o aviário, maior será a sua altura. Largura do Aviário (m) Pé direto mínimo em climas quentes (m) até 8 2,80 8 a 9 3,15 9 a 10 3,50 10 a 12 4,20 12 a 14 4,90
  12. 12. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Parede, altura da mureta •A parede é telada para favorecer a ventilação. •A altura da mureta deve ser de 20cm tem se mostrado satisfatória por permitir a entrada de ar ao nível das aves e não permitir a entrada de água da chuva e nem que a cama seja jogada para fora do aviário. • As muretas deverão ter a parte superior chanfrada, pois facilita a limpeza e não permite o empoleiramento de aves. • Entre a mureta e o telhado, deve ser colocado tela.
  13. 13. •As telhas francesas têm a vantagem de oferecer maior atraso na transmissão das ondas de calor, mas exigem encaixe perfeito e são mais difíceis de manejar na eventual necessidade de correções. •Já a cobertura de amianto é um material leve e facilita os reparos. Outros materiais: isopor entre duas lâminas de alumínio, sapê, madeirit, barro, alumínio, chapa zincada ou ferro galvanizado. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Telhado
  14. 14. •É recomendável para as ascorberturas: a) Uso de forros sob a cobertura b) Pinturas com cores claras e sempre limpas. Uma camada de tinta brilhante reduz a absorção do calor. c) Uso de materiais isolantes d) Materiais de grande inércia térmica e) Uso de aspersão de água sobre o telhado •Já a poeira, as folhas depositadas pelo vento e os fungos que se desenvolvem nas telhas transformam o telhado num coletor solar. •As camas, que recebem os dejetos das aves, funcionam como um isolante térmico no verão.
  15. 15. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Lanternim* *abertura na parte superior do telhado •Para o aviário ter boa ventilação, é preciso uma área maior de lanternim, associado à colocação de tubos sobre o telhado para a sua saída, produz efeitos muito positivos na renovação do ar no ambiente e ventilação de higiene. •Estes tubos devem ser instalados como chaminés, intercalando espaços lineares e protegidos com os chapéus contra chuva.
  16. 16. •Para o sombreamento, recomendam-se árvores de tronco liso e formação de copa em altura superior ao beiral. •Implantação de gramados em torno do aviário. O gramado absorve a radiação solar e produz umidade. INSTALAÇÕES DOS AVIÁRIOS Sombreamento* Gramado
  17. 17. A medida atual é de 17 a 18 aves por metro quadrado, porém o “ideal” parece ser 10 a 13 aves por metro quadrado. DENSIDADE DE AVES
  18. 18. PROGRAMA NUTRICIONAL PARA AVES EM CLIMAS QUENTES Conforto Témico: Adultas - 14 a 25 C Pintinhos - 32 C Stress calórico: •Respiração ofegante,consequente, alcalose respiratória. •Diminuição de o consumo alimentar. •Lesões no aparelho respiratório. •Maior pré-disposição das aves às infecções. •Poedeiras: - Redução na qualidade da casca do ovo. - Declínio do peso dos ovos. As rações oferecidas a: Poedeiras - devem conter de 2750 a 2850 Kcal EM/Kg Frangos de corte - 2800 a 3200 kcal Em/Kg Rações peletizadas resultam em melhor ganho de peso e consumo alimentar que as fareladas.
  19. 19. Recomendações: •Utilização de gorduras - as gorduras aumentam a palatabilidade das rações e propiciam menor incremento de calor. Quanto maior o peso corporal na maturidade sexual, maior o peso corporal durante a postura e, portanto, maior o potencial energético de reserva e maior o consumo de ração. •Redução das proteínas - alto incremento de calor gerado durante a digestibilidade e metabolização das proteínas.
  20. 20. •Dentre todas as vitaminas, o ácido ascórbico tem sido alvo de maior preocupação para aves sob condições de stress de calor. O funcionamento de processos básicos essenciais no organismo é dependente da presença de minerais. •Existe uma relação direta entre o nível de fósforo no plasma e a taxa de sobrevivência, mas inversa em relação ao cálcio. • O resfriamento da água tem sido sugerido como mecanismo adequado no combate ao stress de calor.
  21. 21. •A ração dos frangos deve ser retirada no mínimo 3 horas antes do stress de calor. Os animais devem ficar sem aceso a ração até que a temperatura ambiente retorne a termoneutralidade. Obs.: não deve ser utilizada para poedeiras, pois esta ave come pouco por hora e comerá menos ainda se for retirada a ração, podendo afetar seriamente o seu desempenho.
  22. 22. TECNOLOGIAS ARTIFICIAIS DE ACONDICIONAMENTO TÉRMICO •Ventilação Forçada VENTILADORES AVÍCOLAS: •Devem ser dispostos com o fluxo no sentido da largura do galpão, de formas a succionar ar fresco do exterior injetando-o para o interior e expulsando o ar viciado pelo lado posterior. •Devem estar à uma altura correspondente a metade do pé direito •Jato direcionado levemente para baixo
  23. 23. RESFRIAMENTO ADIABÁTICO EVAPORATIVO Pode ser obtido por vários processos, destacando-se: a)Resfriamento do ar interno, através de nebulização associada a ventilação. b) Pulverização de água, frontalmente a ventilador ou diretamente sobre a ave. c) Sistema de material poroso acoplado a ventilador e tubo de distribuição de ar.
  24. 24. •Objetivos da ventilação: ⇒ Eliminar o excesso de anidrido carbônico procedente do metabolismo das aves. ⇒ Impedir a acumulação de vapores amoniacais (amônia) procedentes do esterco. ⇒ Eliminar o excesso de umidade procedente da evaporação pulmonar, das fezes. •Objetivos do bebedouro: •⇒ Diminuir o calor excessivo.
  25. 25. ASPECTOS IMPORTANTES PARA AVES EM CLIMAS FRIOS Quebra-ventos Em regiões frias é necessária a utilização de quebra-ventos como barreira contra ventos fortes. Quando bem projetado, protege à distância de até 10 vezes a sua altura. Os exemplos mais comuns de quebra-ventos são o pinus, eucalipto, acácia.
  26. 26. Ventilação Para o período frio a ventilação se apresenta com um objetivo definido, sendo por razões higiênicas, exclusivamente. Essa condição vai se refletir na localização, área e forma de abrir dos dispositivos, de maneira que o fluxo de ar se desloque pela parte superior do aviário para evitar o efeito direto sobre as aves. Lanternim Os aviários que possuem lanternim devem ser providos de dispositivos de fácil fechamento para controle da ventilação.
  27. 27. Materiais isolantes O desempenho dos aviários no período do frio é melhorado com o uso de isolantes térmicos com a finalidade de diminuir os efeitos da temperatura externa no interior do aviário, com a inclusão destes materiais sobre as telhas (poliuretano) ou sob as telhas (poliuretano, poliestireno extrudado, Eucatex, lã de vidro ou similares).
  28. 28. Cortinas •Instalar cortinas nas laterais, pelo lado de fora, para evitar penetração de sol, chuva e controlar a ventilação no interior do aviário. •É ideal que seja fixada a dois terços da altura do pé-direito e que seja aberta das extremidades para o ponto de fixação. Sob condições de inverno deve ser aberta de cima para baixo e em condições de verão, de baixo para cima. •Nos primeiros dias de vida das aves, é comum o uso de sobre cortinas em regiões frias para auxiliar a cortina propriamente dita. A sobre cortina deve ser fixada na parte interna do aviário, de tal forma que sobreponha à tela •É também prática comum reservar 2/3 a partir do centro às extremidades do aviário para alojamento dos pintinhos, que são separados com divisórias de lona com o objetivo de diminuir o volume de ar a ser aquecido.
  29. 29. Aquecimento •Há grande variedade de modelos de campânulas a gás como o de placas aquecedoras metálicas ou de cerâmica, provido de campânula maior ou menor, entre outros. •O controle dos sistemas de aquecimento pode ser realizado manualmente, ou automaticamente com sistemas eletrônicos, e o melhor indicativo de conforto das aves está no seu comportamento.
  30. 30. •Tipos de Aquecedores Aquecedores a lenha oCampânulas oFornalha Aquecedores elétricos oCampânulas elétricas oLâmpadas infravermelhas oResistência embutida no piso Aquecedores a gás oCampânulas a gás oCampânulas de placa cerâmica oCampânulas infravermelhas oGeradores de ar quente Alternativos oAproveitamento de resíduos Fornalhas Biogás oCanalização de água quente no piso oAquecimento solar Campânula
  31. 31. Círculo de proteção Uma medida para facilitar o manejo, a identificação da fonte de calor e evitar correntes de ar diretas nas aves são a utilização de proteção. Quando o aviário não possuir sistema de alimentação em linha as divisórias utilizadas são os tradicionais círculos de proteção. Água A temperatura da água deve estar entre 15 a 20 C, lembrando que quanto menor o consumo de água menor o consumo de ração.
  32. 32. Luz •Os programas de luz têm sido propostos para melhorar o ganho de peso, a eficiência alimentar, as características da carcaça e o estado sanitário do plantel. •Tem sido recomendado um foto período decrescente-crescente, pois dias curtos no início do período de criação, reduz a ingestão de ração e a taxa de crescimento das aves, diminuindo os problemas associados ao crescimento acelerado. O fornecimento de foto períodos mais longos em fases mais adiantadas de crescimento dos frangos, resulta em ganho compensatório.
  33. 33. AVIÁRIO IFMG
  34. 34. CURIOSIDADES 1.EFEITOS DA TEMPERATURA SOBRE A PRODUÇÃO DE OVOS 2.PENA- ESTRUTURA HISTOLÓGICA E IMPORTÂNCIA
  35. 35. Obrigado(a) pela atenção!

×