Your SlideShare is downloading. ×
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13

533
views

Published on

Aula 02 - Processos de Fabricação I - Engenharia Mecânica - UMC

Aula 02 - Processos de Fabricação I - Engenharia Mecânica - UMC

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
533
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PROCESSOS DE FABRICAÇÃO I ENGENHARIA MECÂNICA AULA - 2 1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
  • 2. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2 O que veremos Hoje? 1 – Filme sobre a História das Máquinas Operatrizes; 2 – Tecnologia de Processamento de Materiais: a) Máquinas-ferramentas CNC; b) Robôs; c) Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles); d) Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems); e) Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer-integrated manufacturing). PróximaAula
  • 3. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3
  • 4. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4 Tecnologia de Processamento de Materiais Avanços na tecnologia fez com que naturalmente os processos de fabricação industriais melhorassem ao longo do tempo; Nesse contexto iremos abordar alguns conceitos importantes para entendermos a estrutura que envolve sistemas de processamentos modernos de materiais
  • 5. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) São máquinas-ferramentas (Tornos, Fresadoras, Retificas, etc.) que utilizam o computador para controlar suas ações ao invés de controle manual pelo homem.
  • 6. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) Essa substituição dá as máquinas: - Mais acurácia; - Mais precisão; - Mais repetitividade no processo. O uso de máquinas CNC pode também apresentar mais produtividade ao processo devido: - Eliminação de possíveis erros por parte do operador;
  • 7. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7 O uso de máquinas CNC pode também apresentar mais produtividade ao processo devido (continuação): - Melhor controle dos parâmetros de Corte por parte do computador; - Por causa da substituição da mão de obra cara e habilidosa para operação das máquinas-ferramentas; Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 8. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 8 ALGUMAS DESVANTAGENS DE MÁQUINAS CNC • Preferivelmente devem-se utilizar ferramentas com pastilhas intercambiáveis; • Custo elevado da máquina; • Alto custo de manutenção preventiva e corretiva; • Manutenção capacitada em eletromecânica (mão de obra e equipamentos); • Necessita de fundações especiais; • Necessita de instalações especiais com alimentação elétrica isenta de ruídos, alimentação pneumática, etc. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 9. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 9 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) Algumas máquinas-ferramentas CNC também possuem habilidade para armazenar ferramentas de corte dentro da sua própria estrutura. Dessa forma, quando um programa solicita uma mudança de ferramenta, a antiga é substituída no estoque e a nova ferramenta é instalada no cabeçote da máquina de maneira automática.
  • 10. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 10 Dispositivo para posicionamento dos suportes de ferramentas em linha, oferecendo flexibilidade de montagem de ferramentas para múltiplas aplicações. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS GANG TOOLS
  • 11. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 11 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) Neste sistema a troca automática de ferramentas é realizada através do giro da mesma que é comandado pelo programa CNC, deixando a ferramenta na posição de trabalho. DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS TORRE ELÉTRICA
  • 12. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 12 No sistema de revólver a troca é realizada com o giro do dispositivo, que também é comandado pelo programa CNC, até que a ferramenta desejada fique na posição de trabalho. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS REVÓLVER
  • 13. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 13 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE CALIBRAÇÃO DE DESGASTE E QUEBRA DE FERRAMENTAS
  • 14. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14 No sistema magazine as ferramentas são armazenadas em locais numerados. Um braço com duas garras tira: de um lado a nova ferramenta do magazine e do outro lado a ferramenta que estava operando na árvore principal da máquina. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS MAGAZINE / CARROSSEL
  • 15. 15 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO • Algumas máquinas apresentam sistemas onde o fluído refrigerante é conduzido através de canais no interior do suporte porta-ferramentas ou da própria ferramenta. • Outras utilizam mangueiras flexíveis. • Em alguns casos utiliza-se ar comprimido, evitando a contaminação pelos fluidos refrigerantes.
  • 16. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16 1000 .. nD Vc   D Vc n . 1000.   D=44mm n=868rpm Vc = 120m/min n=3472rpm D=11mm Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 17. 17 A maioria das máquinas CNC pode ser equipada com transportador automático de cavacos. O transportador pode ser de esteira mecânica, magnética ou rosca. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 18. Robôs (Manipuladores Industriais) “São manipuladores automáticos multifunção reprogramáveis, tendo diversos graus de liberdade, capazes de manusear materiais, peças, ferramentas ou dispositivos especializados.” (SALCK, 2009) Os robôs industriais são máquinas que apresentam características semelhantes as humanas. A mais obvia semelhança está nos braços mecânicos utilizados para desempenhar diversas atividades industriais. (GOOVER, 2011)
  • 19. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19 Robôs (Manipuladores Industriais) Os robôs industriais apresentam também a capacidade de reagir a estímulos sensoriais, de comunicar-se com outras máquinas e também de tomar decisões. (GOOVER, 2011). O desenvolvimento tecnológico dos robôs seguiu- se paralelamente ao desenvolvimento do controle numérico, e as duas tecnologias são bastante similares.
  • 20. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20 Robôs (Manipuladores Industriais) Tanto os robôs quanto as máquinas com comando número apresentam um controle coordenado de múltiplo eixos (no caso dos robôs chamados de articulações ou juntas em robótica). (GOOVER, 2011). Ambos utilizam computadores digitais dedicados como controladores. Enquanto máquinas CNC são projetadas para desempenhar processos específicos (usinagem, estampagem, corte térmico, etc) os robôs...
  • 21. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21 Robôs (Manipuladores Industriais) (GOOVER, 2011). ... Os robôs são projetados para uma gama mais ampla de tarefas, entre elas: - Solda Ponto; - Transferência de materiais; - Carga e descarga de máquinas; - Pintura pulverizada; - Montagem;
  • 22. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22 Robôs (Manipuladores Industriais) (GOOVER, 2011). Alguns aspectos que tornam os robôs industriais comercialmente e tecnologicamente importantes são: - Poder substituir pessoas em ambientes de trabalho perigosos e desconfortáveis; - Desempenhar o ciclo de trabalho com consistência e repetitividade que não podem ser alcançadas por pessoas; - São controlados por computadores e dessa maneira podem ser conectados a outros sistemas de computadores para chegar a manufatura integrada por computadores.
  • 23. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23 ROBÔS MANIPULADORES INDUSTRIAIS Robôs (Manipuladores Industriais)
  • 24. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24
  • 25. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) “São veículos pequenos e autônomos, que movem materiais de e para operações agregadoras de valor.” (SALCK, 2009) No contexto da manufatura, embora o transporte e materiais seja inevitável, essa atividade não agrega nenhum valor ao produto. Por esse motivo, muito gerentes de produção estão buscando a automatização dessa atividade.
  • 26. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) (SALCK, 2009) Os veículos guiados automaticamente (AGV) são um tipo de tecnologia com esse pretexto. Eles são geralmente guiados por cabos instalados sob o piso da fábrica e recebem instruções de um computador central. http://vercelsteel.com.br/agv.html
  • 27. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) Os AGV’s pode ser utilizados para: (SALCK, 2009) • Promover entregas de componentes e materiais no exato momento em que eles são necessários entre as etapas produtivas de uma fábrica; • Servir como estações de trabalho móveis como por exemplo em uma linha de montagem de motores de caminhão;
  • 28. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) Os AGV’s pode ser utilizados para (continuação): (SALCK, 2009) • Movimentação de materiais a serem estocados; • Mover correspondências em escritórios; • Transportar livros em bibliotecas; • Transportar amostras em laboratórios de hospitais.
  • 29. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) (GROOVER, 2011) AGV de Palete Carregador de Unidade de Carga Trem guiado automaticamente sem condutor TIPOS DE VEÍCULOS
  • 30. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 30 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) “São configurações controladas por computador de estações de trabalho semi-independentes, conectadas por manuseio de materiais e carregamento de máquinas automatizados.” (SALCK, 2009) Trata-se de um conjunto de tecnologias integradas como: - Estações de Trabalho CNC; - Instalações de carga/descarga; - Instalações de transporte e manuseio; - Sistema central de controle por computador.
  • 31. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 31 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) A principal particularidade do FMS está relacionada ao aspecto de que todo o sistema, trabalhando em conjunto, tem potencial para ser melhor que a soma das suas partes. (SALCK, 2009) O FMS é capaz de manufaturar um componente completo do inicio ao fim do seu processo produtivo.
  • 32. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 32 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) A flexibilidade das tecnologias individuais de um FMS combinam-se para esse sistema possa ser muito versátil. (SALCK, 2009) Dessa maneira uma sequência de produtos, todos diferentes mas dentro de um “pacote” de capacitações do sistema, pode ser processada no FMS em qualquer ordem e sem trocas demoradas.
  • 33. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 33 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) O conceito de “pacote” de capacitações é extremamente importante para o FMS. (SALCK, 2009) Tendo em vista que um conjunto de máquinas dentro de um FMS tem limitações de tamanho e forma dos materiais que pode processar.
  • 34. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 34 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) (AZEVEDO, 2013)
  • 35. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 35 http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero/doku.php/so:celula_flexivel_de_manufatura Compostos por Máquinas Ferramentas comandas por Comando Número Comutadorizados e Robôs trabalhando em conjunto para matérias-primas em peças manufaturadas (MAZIERO, 2013) Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems)
  • 36. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 36 http://rishivadher.blogspot.com.br/2011/03/importancia-das-automacao-das-coisas.html Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems)
  • 37. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 37 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) É a integração do monitoramento baseado em computador e controle de todos os aspectos dos processo de manufatura. (SALCK, 2009) Disponibilizando os dados em um banco de dados comum que se comunica entre todos os equipamentos (máquinas e computadores) por meio de uma rede.
  • 38. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 38 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) Enquanto o FMS integra aquelas atividades que dizem respeito diretamente ao processo de transformação mas não inclui atividade como: - projeto; - Programação. (SALCK, 2009)
  • 39. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 39 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) (SALCK, 2009) O CIM tem como objetivo atender um aspecto mais amplo de integração, envolvendo uma combinação de tecnologias: - CAD/CAM; - FMS; - AGV’s; - Robótica; - Softwares de programação
  • 40. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 40 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) (SALCK, 2009) Nos casos em que as atividades CIM da organização são integradas com outras funções, e muitas vezes até mesmo com fornecedores e clientes, elas são chamadas de “Empreendimento Integrado por Computador” (CIE – computer integrated enterprise);
  • 41. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 41 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Maquinas Ferramentas CNC: O que faz?  Desempenha os mesmos tipos de corte de metal e operações de forma que realizava antes, mas com controle por computador; Como Faz?  Instruções reprogramadas são lidas pelo computador que ativa o sistema de controle físico na máquina-ferramenta; Que vantagens oferece?  Precisão, acurácia, uso otimizado das ferramentas que maximizam sua vida útil e o aumento da produtividade do trabalho; Que restrições impõe?  Custo de capital maior que o de tecnologia manual. Requer funcionários capacitados para reprogramar as instruções de controle por computador.
  • 42. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 42 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Robô: O que faz?  Move e manipula, produtos, peças e ferramentas; Como Faz?  Opera por meio de um braço programável e controlado por computador (muitas vezes com múltiplas junções/articulações); Que vantagens oferece?  Pode ser usado em situações perigosas ou desconfortáveis para humanos, ou em tarefas extremamente repetitivas. Desempenha tarefas repetitivas a um custo menor que os humanos e oferece maior precisão e capacidade de repetição; Que restrições impõe?  Não pode executar funções que necessitem de resposta sensorial delicada ou julgamento sofisticado.
  • 43. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 43 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Veículo guiado automaticamente (AGV): O que faz?  Move material entre operações; Como Faz?  Veículos com energia independente guiados por cabos alternados e controlados por computador; Que vantagens oferece?  Movimento independente, flexibilidade de rota e flexibilidade de uso no longo prazo; Que restrições impõe?  Custo de capital consideravelmente maior que os sistemas alternativos (esteiras transportadoras).
  • 44. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 44 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Sistema flexível de manufatura (FMS): O que faz?  Produz completamente uma gama de componentes sem intervenção humana significativa no processo; Como Faz?  Integra tecnologias programáveis como máquinas- ferramentas, dispositivos de manuseio de materiais, AGV’s e robôs por meio de controle centralizado de computador ; Que vantagens oferece?  Tempos de atravessamento mais rápidos, maior utilização dos equipamentos, menores estoques em processo, maior consistência de qualidade, maior flexibilidade de produtos; Que restrições impõe?  Custo de capital muito elevados com retornos incertos; Requer habilidade de programação e pode ser vulnerável a quebras (o que pode fazer parar todo o sistema);
  • 45. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 45 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Manufatura Integrada por Computador (FMS): O que faz?  Coordena o processo de manufatura de uma peça, componente ou produto; Como Faz? Conecta e integra a tecnologia de informação que forma a fundação da tecnologia do projeto (CAD), tecnologia de manufatura (FMS), manuseio de materiais (AGV’s ou Robôs) e gestão imediata dessas atividades (programação, carregamento e monitoramento); Que vantagens oferece?  Tempos de atravessamento mais rápidos, flexibilidade quando comparados com outras tecnologias e potencial para uma produção não supervisionada pelo homem; Que restrições impõe?  Custo de capital extremamente altos, grandes problemas técnicos de comunicação entre as diferentes partes do sistema, além de alguma vulnerabilidade a falhas e quebras.
  • 46. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 46 AZEVEDO, D. F. O. CIM, FMS e CAM (Apresentação para Aula de Processos de Fabricação I). Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), 2013 GROOVER, M. Automação Industrial e Sistemas de Manufatura. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011 MAZIERO, C. A. Sistemas Operacionais: Células de Manufatura (Anotações de aula pela Internet: http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero/doku.php/so:celula_flexivel_de_manufatura (acesso em 19/08/13); SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009 Referências

×