1
Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena
DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR, 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO
RELATÓRI...
2
A origem cultural e social do grupo, bem como o historial de participação das famílias na vida escolar foi tida em
conta...
3
comunidade, designadamente na preparação de atividades (Associação de Pais e Encarregados de Educação) ou a
execução de ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Relatorio de Auto-avaliacao Docente

1,185

Published on

Reklatório de Auto-avaliação de Desempenho Docente

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,185
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
87
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Relatorio de Auto-avaliacao Docente"

  1. 1. 1 Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR, 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Nome do avaliado: Henrique Filipe Henriques dos Santos Número de docente: _________________________ NIF: 192677730 Situação profissional: QZP Grupo de recrutamento: 100 Departamento curricular: Departamento de Educação Pré-Escolar Funções: Educador de Infância na EB1/JI de S. Miguel – Enxara do Bispo Período em avaliação: de 01/09/2013 a 31/08/2014 (de acordo com o Dec. Reg. nº 26/2012) a) Científica e Pedagógica O trabalho científico, didático e pedagógico desenvolvido ao longo do ano letivo 2013/2014, de que se apresenta uma síntese neste relatório, foi fundamentado na organização e execução do Plano de Turma construído a partir da leitura, análise e interpretação dos dados pessoais, culturais e contextuais dos alunos e do estabelecimento de ensino que os acolhe e no qual se orientou. A procura e dinamização de atividades congruentes com a especificidade do nível etário dos alunos, da estrutura da sala e das condições logísticas motivou um conjunto de objetivos comuns a todos os intervenientes (alunos, famílias, docentes, técnicos e demais envolvidos), para que existisse uma efetiva devolução das práticas no âmbito do desenvolvimento integral e das aprendizagens dos alunos. Das análises feitas nas Reuniões de Avaliação (quer de Estabelecimento quer de avaliação do PT - quatro ao longo do ano letivo - com Encarregados de Educação) às atividades realizadas ao longo do ano letivo resultou uma avaliação de elevado nível (Excelente 1 ) para todas as atividades desenvolvidas, com especial relevo para os espaços de articulação educativa (escola/família) e de articulação educativo (níveis de ensino). O envolvimento e partilha entre docentes titulares de turma, com a Associação de Pais, com os docentes das Atividades de Enriquecimento Curricular e com os técnicos da AAAF, bem como a participação ativa de pais e familiares nas dinâmicas e estratégias da sala de atividades foram importantes espaços de promoção de aprendizagens e de articulação educativa, reconhecidos como de grande importância para o desenvolvimento escolar e educativo dos alunos. Nos espaços de avaliação com encarregados de educação foram destacadas a validade, pertinência e adequação das práticas (ver atas das reuniões), bem como a implicação das opções metodológicas e educativas, que produziram resultados visíveis no desenvolvimento das crianças. As atividades realizadas no âmbito do PNL (e outras em articulação com a Biblioteca Escolar), bem como as enquadráveis no Plano de Educação para a Saúde, tendo sido, em termos de planeamento, alvo de organização específica no âmbito da coordenação pedagógica do estabelecimento destacaram-se pela colaboração e a cooperação atingida, tendo sido alvo de referências bastante positivas por parte de todos os envolvidos. A conceção e a posterior dinamização de atividades motivadoras e inovadoras nas quais o adulto é parte do grupo e não, necessariamente, líder ou dirigente da ação educativa, como definido no PT, pressupuseram o conhecimento da história individual de cada criança, de cada família e de cada elemento comunitário e tornaram- se, efetivamente, peças chave na promoção de aprendizagens congruentes e de forte implicação no desenvolvimento de competências técnicas, sociais e culturais para as crianças. 1 Ver “Fichas de Avaliação de Atividades do PAA 2013/2014” da EB1/JI de S. Miguel
  2. 2. 2 A origem cultural e social do grupo, bem como o historial de participação das famílias na vida escolar foi tida em conta e aumentou consideravelmente a realização dos objetivos estratégicos do Plano de Turma e, especificamente, aqueles que se cruzaram com o Plano Anual de Atividades do estabelecimento. Nesse sentido, a dinamização das atividades, a partir de dinâmicas específicas da Sala Amarela realizou, por essa via, o objetivo proposto de “tornar mais lato o espaço de influência dos alunos e do educador na “vida da escola”. A escolha de atividades e estratégias que potenciaram a apropriação dos valores fundamentais de desenvolvimento humano: Solidariedade, Partilha, Promoção do Bem-estar e Reciprocidade, bem como de atividades curriculares e extra-curriculares adequadas e congruentes com o Projeto Educativo do Agrupamento são também uma nota a valorizar, com especial destaque para atividades de forte envolvimento comunitário (“Piscina”) ou aquelas desenvolvidas em parceria pedagógica com a Biblioteca Escolar (“A Manta”, Semana da Leitura, etc.) ou no âmbito do Agrupamento (Atividades de Departamento, PES, etc.), nas quais se fomentou a estruturação de conteúdos específicos com resultados evidentes no crescimento e desenvolvimento educativo das crianças. A página web do jardim-de-infância, desenvolvida, dinamizada e atualizada pelos alunos (em http://salamarela- enxara.blogspot.com) e onde é possível observar a descrição das atividades realizadas, continuou a servir como espaço comunicacional e de relação com famílias e colegas e funcionou também numa dinâmica de “portfólio” da turma que, utilizando as tecnologias à disposição, contribui para a promoção e reflexão de dinâmicas pedagógicas, designadamente em fóruns alargados de reflexão pedagógica. Dessa forma motivaram‐se, em sala, estratégias de reflexão científica, de experimentação e análise, ligadas a conteúdos sociais e culturais, de raciocínio lógico‐matemático e de aquisição da linguagem. Em reunião de avaliação final, foram destacadas as condições técnicas da escola bem como a liderança e o pragmatismo educativo do educador, que potenciou um espaço de comunicação eficaz entre todos os envolvidos. Por último, a colaboração e cooperação constante, conseguida entre todas as salas de atividade da escola, com especial relevância nas salas de jardim-de-infância, com um trabalho concertado e de envolvimento constante do educador, contribuíram para um evidente sucesso de estratégias de articulação e planeamento conjunto e da sua adequação aos grupos. b) Participação na escola e relação com a comunidade O contributo para os objetivos e metas fixados no Projeto Educativo do Agrupamento de escolas ou escola não agrupada Tal como descrito no Plano de Turma e nos restantes documentos de apoio à prática do educador, a ação educativa tem como objetivos gerais estimular a criança a conhecer‐se melhor, no seu todo, e conhecer o mundo em que vive, aprendendo a respeitá‐lo; conhecer as relações e das interdependências sociais e culturais e promover novas aprendizagens de forma a proporcionar à criança a tomada de consciência de que pertencemos a uma comunidade com igualdades e diferenças e com direitos e deveres. O objetivo destes parâmetros orientadores aponta para a exploração e para a promoção de novas aprendizagens, encontrando‐se a expressão de interrogação e de tomada de consciência, de compreensão e de responsabilização, bem como as de pesquisa e certificação, como necessárias para uma cabal compreensão das realidades vividas que fundamentam a pertença a um grupo e às suas regras. Nestes objetivos, que se cruzam com os objetivos definidos no Projeto Educativo do Agrupamento, valorizam-se as dinâmicas de participação das famílias e dos encarregados de educação, numa perspetiva de colaboração ativa e procura-se a construção de um espaço relacional eficaz com os outros agentes educativos da Escola, bem como os processos de efetiva articulação pedagógica com as turmas do 1º Ciclo, no qual são de destacar os projetos de ação e reflexão conjunta, designadamente os inseridos no Plano Anual de Atividades do estabelecimento. Nas reuniões com os Encarregados de Educação foram apresentadas propostas de colaboração e cooperação ativa que se saldaram por uma elevada participação destes nas atividades e estratégias didático-pedagógicas desenvolvidas na sala, na escola e na sua avaliação. No âmbito da avaliação feita (em reuniões formais com encarregados de educação, de estabelecimento, com os serviços municipais; através de questionários dirigidos aos encarregados de educação e com base nos instrumentos de avaliação individual dos alunos) além das considerações muito positivas sobre o desenvolvimento individual e coletivo dos alunos e das suas aprendizagens, as propostas pedagógicas e estratégias educativas desenvolvidas foram alvo de uma avaliação muito positiva, pela sua pertinência, adequação e modelo inovador. A participação do docente titular de turma nas reuniões de organização, planeamento e avaliação (Departamento de Educação Pré-Escolar), em reuniões de análise colaborativa e apoio educativo (Ensino Especial – Unidade de Apoio Educativo, Intervenção Precoce – ELI Mafra, Terapia da Fala, Psicologia Escolar) e em reuniões de coordenação e articulação pedagógica (Estabelecimento, Parceiros, Escola Segura, Proteção Civil, Junta de Freguesia), a dinamização e supervisão de atividades de complemento e apoio educativo (AAAF), a participação em atividades de organização escolar (aquisição de equipamentos, gestão de recursos, etc.) e ainda todo o espaço de atendimento e avaliação dos processos educativos e curriculares com famílias (Encarregados de Educação) e
  3. 3. 3 comunidade, designadamente na preparação de atividades (Associação de Pais e Encarregados de Educação) ou a execução de atividades no âmbito da articulação e cooperação educativa, de onde se destacam as atividades realizadas no âmbito do Projeto de Educação para a Saúde, com vista à execução do PT e também do PAA, foram dinâmicas e estratégias fundamentais para a realização dos objetivos pessoais e profissionais previamente definidos. Por tudo o exposto, e presumindo que o processo de avaliação comporta a interpretação da informação para uma posterior adaptação das práticas, é possível concluir que as práticas letivas, didáticas, pedagógicas e extracurriculares da Sala Amarela se situam num plano de elevada adequação às metas e objetivos superiormente definidos, tendo, inclusive, superado, em termos quantitativos e qualitativos os objetivos definidos para a EPE, em sede de Agrupamento. c) Formação contínua e desenvolvimento profissional A aposta em espaços de formação complementar, que assumem a forma de reflexão didático-pedagógica, de onde se destacam a participação em fóruns de debate e análise pedagógica conforme certificados apresentados oportunamente nos serviços administrativos do Agrupamento, mantém-se como uma dinâmica de melhoria e crescimento individual. A manutenção de espaços de colaboração com alunos do Curso de Educação Básica da Universidade do Minho, no âmbito de projetos de investigação decorrentes da frequência universitária (licenciaturas e mestrados) tornaram- se, também, espaços de atualização e reflexão técnico-profissional e didática. De destacar ainda as atividades desenvolvidas no âmbito das atividades de complemento educativo (Falar a Escola, na EB1/JI de S. Miguel e Semana da Infância 2014, do Departamento de Educação Pré-Escolar), executadas numa perspetiva de partilha e reflexão com a comunidade educativa. Também a dinamização de espaços de colaboração educativa, desenvolvidos através de fóruns e plataformas de formação on-line (E-Twinning, Plataforma moodle DGIDC e Portal das Escolas) - de onde se destaca a renovação do selo “BloguesEDU” ao sítio de internet da Sala Amarela (http://salamarela-enxara.blogspot.com) - e a preparação de um projeto E-Twinning para ser desenvolvido no próximo ano letivo, se mostraram excelentes espaços de formação pessoal. Uma referência à colaboração com diversos órgãos de comunicação social (“O Carrilhão”, “Cadernos de Educação de Infância” e “Boletim Informativo da União de Freguesias de Enxara do Bispo, Gradil e Vila Franca do Rosário”), na qual o espaço de reflexão, sobre Educação, se potencia também como um espaço de crescimento e reflexão pedagógica. Por último, o convite recebido para a participação no Congresso Internacional “Aprender para comprender, Comprender para aprender y poder empreender”, da Associação Mundial de educadores de Infância, em Novembro, em Madrid, é também evidência da aposta na dinamização de reflexão educativa generalizada. O avaliado: ________________________________ , em 05/07/2014 Recebi. O avaliador: ___________________________ , em ____/____/2014

×