Validação De Processos Farmacêuticos

48,513 views
48,148 views

Published on

Published in: Business, News & Politics
28 Comments
44 Likes
Statistics
Notes
  • Bom dia,
    tb achei mt boa a apresentação
    vc poderia me enviar?
    tb preciso para estudar para concurso.

    jonatasrflorencio@hotmail.com
    Obrigado!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Estou muito interessada em obter o material que apresentou. Estou implementando a validação de Productos Medicos e Producto para Diagnostico de Uso in Vitro na empresa onde trabalho, Se possível poderia encaminhar este artigo.

    O meu email e; parafino@gmail.com

    Desde já muito obrigado.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Olá, boa noite
    Primeiramente gostaria de parabeniza-la pelo trabalho e saber se vc poderia enviar o mesmo via email para fins de estudo.
    desde já agradeço
    gleyber.fernandes@gmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Boa tarde!
    Poderia me encaminhar o material? Ótima referência para meus estudos. Aguardo retorno. Desde já agradeço.

    patricia_farma@hotmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Boa tarde!

    Adorei o material, parabéns, você pode me enviar por e-mail por favor!
    É apenas para estudar para concurso!

    Obrigada,

    ariane.francisco@yahoo.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
48,513
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
290
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
28
Likes
44
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Validação De Processos Farmacêuticos

    1. 1. Validação de Processos Farmacêuticos Por: Helton MM Santos Dptº de Investigação & Desenvolvimento Labialfarma, Laboratorio de Produtos Farmacêuticos e Nutracêuticos, SA. Centro de Estudos Farmacêuticos da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.
    2. 2. Módulo I. Definições, aspectos regulamentares e orientadores Módulo II. Organização, Planeamento & Execução Módulo III. Casos práticos
    3. 3. Módulo I. Definições, aspectos regulamentares e orientadores
    4. 4. Validação de Processos Farmacêuticos Definições <ul><li>Validação é o acto de demonstrar e documentar que um processo funciona de forma efectiva. A validação de um processo consiste em garantir e fornecer evidências documentais de que o processo é capaz de produzir de forma consistente um produto final de acordo com a qualidade exigida. </li></ul><ul><li>CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 – Note For Guidance on Process Validation </li></ul><ul><li>A validação de um processo constitui o estabelecimento de evidências documentadas que fornecem um alto grau de garantia de que um determinado processo produzirá de forma consistente um produto de acordo com as especificações predefinidas e de qualidade. </li></ul><ul><li>FDA – Guidelines on General Principals of Process Validation </li></ul>
    5. 5. Validação de Processos Farmacêuticos Definições auxiliares <ul><li>Fabrico compra de materiais e de produtos, produção, controlo de qualidade, aprovação ou reprovação de lotes, armazenagem, distribuição do produto e controlos relacionados com estes actos. </li></ul><ul><li>Produção operações que envolvem a preparação de um medicamento, suplemento alimentar ou dispositivo médico, desde a recepção dos matérias ao processamento e embalagem até o produto acabado. </li></ul>
    6. 6. <ul><li>Produto intermédio produto parcialmente processado. </li></ul><ul><li>Produto semi-acabado produto que tenha completado todas as operações de fabrico e que está pronto para ser submetido à embalagem final. </li></ul><ul><li>Produto acabado produto já sujeito a todas as fases de produção, incluindo a de embalagem no seu recipiente final. </li></ul>Validação de Processos Farmacêuticos Definições auxiliares
    7. 7. <ul><li>Qualificação Conjunto de acções que se tomam para que o equipamento que se utiliza trabalhe correctamente e conduza aos resultados esperados. </li></ul><ul><li>Qualificação de instalação </li></ul><ul><li>Qualificação operacional </li></ul><ul><li>Protocolo de Validação plano escrito que estabelece como uma determinada validação de processo será conduzida e que inclui os parâmetros a serem testados, as características intrínsecas do produto, os equipamentos de produção, os pontos críticos do processo, e as especificações que definem as aceitações dos resultados obtidos. </li></ul>Validação de Processos Farmacêuticos Definições auxiliares
    8. 8. <ul><li>Constitui um dos requisitos das Práticas de Bom Fabrico de Medicamentos </li></ul><ul><li>Portugal requisito necessário em diversas situações previstas por lei. </li></ul><ul><li>Estatuto do Medicamento – Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto . </li></ul><ul><li>União Europeia CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 – Note For Guidance on Process Validation </li></ul><ul><li>EUA FDA – Guidelines on General Principals of Process Validation </li></ul>Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares
    9. 9. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Guia para o bom fabrico de medicamentos Decreto-Lei n.º 92/2005, de 7 de Junho (Revogado pelo Decreto-Lei 176/2006) Validação 5.21 Os estudos de validação devem reforçar as práticas de bom fabrico e devem ser conduzidos em conformidade com procedimentos predefinidos. Tanto os resultados como as conclusões devem ser registados. 5.22 Quando se adopta uma nova fórmula de fabrico ou um novo método de fabrico, deve demonstrar-se que são reproduzíveis. Um dado processo, usando um dado equipamento e os mesmos materiais, deve originar sempre um mesmo produto com a mesma qualidade.
    10. 10. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Guia para o bom fabrico de medicamentos Decreto-Lei n.º 92/2005, de 7 de Junho (Revogado pelo Decreto-Lei 176/2006) Validação 5.23 Qualquer alteração significativa que seja feita num processo de fabrico, incluindo a mudança de equipamento ou de materiais e que possa influir na qualidade do produto e ou na reprodutibilidade do processo, deve ser validada. 5.24 Todos os processos e procedimentos devem ser periodicamente sujeitos a uma revalidação, de modo a comprovar que estão aptos para alcançar os resultados previstos.
    11. 11. <ul><li>Operações de fabrico: produtos intermédios e a granel </li></ul><ul><li>5.37 Os processos críticos devem ser validados. </li></ul><ul><li>Notas suplementares > Fabrico de preparações estéreis > Processo de fabrico </li></ul><ul><li>38 Os processos assépticos ou modificações significativas têm de ser validados, usando meios nutritivos estéreis em simulação do processo que vai ser usado. Esta validação tem de ser repetida a intervalos definidos. </li></ul>Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Guia para o bom fabrico de medicamentos Decreto-Lei n.º 92/2005, de 7 de Junho (Revogado pelo Decreto-Lei 176/2006)
    12. 12. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Estatuto do Medicamento Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto Artigo 66.º Instalações e Equipamentos 3 As instalações e o equipamento previstos para os processos de fabrico e que sejam vitais para a qualidade dos produtos são submetidos a qualificação e validação adequadas, nos termos da lei. Artigo 122.º Conformidade de Fabrico 3 O processo de fabrico dos medicamentos experimentais é integralmente validado, tendo em conta a etapa de desenvolvimento do medicamento, envolvendo, necessariamente, a validação das fases críticas do processo, tais como a esterilização e, bem assim, a documentação das fases de concepção e de desenvolvimento do processo de fabrico.
    13. 13. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Estatuto do Medicamento Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto Anexo I Parte 1 Requisitos normalizados para os dossiês de Autorização de Introdução no Mercado Modulo 3 Informações químicas, farmacêuticas e biológicas relativas aos medicamentos que contêm substâncias químicas e/ou biológicas. 3.2.P.3.5 Validação e/ou avaliação do processo de fabrico do produto acabado Devem ser apresentados a descrição, a documentação e os resultados dos estudos de validação para os passos ou doseamentos críticos utilizados no processo de fabrico.
    14. 14. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Estatuto do Medicamento Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto <ul><li>Anexo III > Alterações Menores </li></ul><ul><li>7) Substituição ou adição de um local de fabrico em relação a uma parte ou à totalidade do processo de fabrico do produto acabado. </li></ul><ul><li>Alteração Tipo IB </li></ul><ul><li>b,3) Local de acondicionamento primário de formas farmacêuticas líquidas </li></ul><ul><li>c) Todos os restantes processos de fabrico, excepto libertação de lote </li></ul><ul><li>Condições </li></ul><ul><li>4) Existência de um plano de validação, ou realização bem sucedida de uma validação do processo de fabrico no novo local, de acordo com o protocolo aprovado, com pelo menos três lotes constituídos à escala de produção. </li></ul>
    15. 15. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Estatuto do Medicamento Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto <ul><li>Anexo III > Alterações Menores </li></ul><ul><li>32) Alteração da dimensão dos lotes do produto acabado. </li></ul><ul><li>Alterações Tipo IA e IB </li></ul><ul><li>a) Aumento de 10 vezes, no máximo, da dimensão original do lote, aprovada aquando da concessão da autorização de introdução no mercado; </li></ul><ul><li>b) Redução de escala até 10 vezes </li></ul><ul><li>c) Outras situações </li></ul><ul><li>Condições </li></ul><ul><li>4) Existência de um plano de validação ou realização bem sucedida de uma validação do processo de fabrico de acordo com o protocolo aprovado, com pelo menos três lotes da nova dimensão proposta, em conformidade com as normas orientadoras aplicáveis. </li></ul>
    16. 16. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Estatuto do Medicamento Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto <ul><li>Anexo III > Alterações Menores </li></ul><ul><li>33) Alteração menor do fabrico do produto acabado </li></ul><ul><li>Alteração Tipo IB </li></ul><ul><li>Condições </li></ul><ul><li>5) No caso de uma alteração ao processo de esterilização devem ser apresentados resultados da validação efectuada. </li></ul>
    17. 17. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 Desenvolvimento Processo de produção Especificações Validação do Processo
    18. 18. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 <ul><li>Desenvolvimento farmacêutico Validação de processo </li></ul><ul><li>Note for Guidance on Pharmaceutical Development </li></ul><ul><li>(EMEA/CHMP/167068/2004) </li></ul><ul><li>Informações do comportamento e das propriedades físicas e químicas da substância activa, da composição do produto e do processo de produção. </li></ul><ul><li>Identificação dos parâmetros críticos do produto. </li></ul><ul><li>Identificação e avaliação dos parâmetros críticos do processo </li></ul><ul><li>Demonstração da robustez e definição dos limites de tolerância. </li></ul>
    19. 19. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 <ul><li>Processo de produção Validação de processo </li></ul><ul><li>Note for Guidance on Manufacture of the Finished Dosage Form </li></ul><ul><li>(CPMP/QWP/486/95) </li></ul><ul><li>Descrição pormenorizada do processo de produção previamente definido e justificado. </li></ul><ul><li>Necessidade e valor de IPC s. </li></ul><ul><li>Provas da adequabilidade do processo de produção em escala industrial. </li></ul>
    20. 20. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos regulamentares Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 <ul><li>Especificações do produto Validação de processo </li></ul><ul><li>Specifications: Test Procedures and Acceptance Criteria for New Drug Substances and New Drug Products: Chemical Substances </li></ul><ul><li>(CPMP/ICH/ 367/96-ICH Q6A) </li></ul><ul><li>Os dados gerados numa validação de processo podem justificar a não realização em rotina de determinados testes no produto acabado. </li></ul><ul><li>3.2.P.5 Controlo do produto </li></ul><ul><li>3.2.P.3 Fabrico </li></ul>
    21. 21. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 <ul><li>Submissão dos resultados de validação de um processo </li></ul><ul><li>Dependente da natureza e complexidade do produto e da substância activa e também da complexidade, tipo e estágio em que se encontra o processo de produção. </li></ul><ul><li>Padronizado </li></ul><ul><li>Devem ser mantidos no local de fabrico e devem estar disponíveis para eventual verificação pela Autoridade Reguladora. </li></ul><ul><li>Não-padronizado </li></ul><ul><li>Devem ser submetidos no dossiê de AIM. </li></ul>
    22. 22. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 <ul><li>Submissão dos resultados de validação de um processo </li></ul><ul><li>Os dados de validação são gerados para diferentes escalas de produção. São elas: </li></ul><ul><li>Laboratorial 100 a 1000x menor que o tamanho de um lote em escala industrial. </li></ul><ul><li>Piloto 10 % do tamanho de um lote em escala industrial ou 100 mil unidades. </li></ul><ul><li>Industrial Tamanho do lote da rotina de comercialização do produto. </li></ul>
    23. 23. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 Protocolo de validação de processo 1 Descrição do processo de produção e sumário dos passos críticos ou parâmetros críticos a serem monitorizados 2 Especificações de libertação do produto acabado 3 Metódos analíticos 4 IPC proposto e critérios de aceitação 5 Plano de amostragem 6 Registo e avaliação dos resultados 7 Períodos de execução
    24. 24. Validação de Processos Farmacêuticos Aspectos orientadores Note For Guidance on Process Validation CPMP/QWP/846/96; EMEA/CVMP/598/99 Relatório de validação de processo 1 Dados analíticos para cada um dos lotes 2 Certificados de análises 3 Ordens de produção de cada um dos lotes 4 Acontecimentos e alterações justificadas 5 Conclusão
    25. 25. Módulo II. Organização, planeamento e execução
    26. 26. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estructuras de organização <ul><li>Consultoria empresa externa contratada para a prestação do serviço de validação de um processo. </li></ul><ul><li>Força-tarefa formação de um grupo a partir de especialistas de diferentes secções da empresa (e.g., produção, engenharia, garantia de qualidade, investigação e desenvolvimento) aquando da necessidade de validação de um processo. </li></ul><ul><li>Grupo dedicado secção dentro da estrutura da empresa formada por pessoal de diferentes áreas de especialidade que se dedicam à validação. </li></ul>
    27. 27. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estruturas de organização <ul><li>A opção e o controlo de um estrutura da organização da validação de processos serão dependentes de factores, são eles: </li></ul><ul><li>Circunstâncias </li></ul><ul><li>Estrutura organizacional da empresa </li></ul><ul><li>Personalidade do pessoal </li></ul>
    28. 28. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estruturas de organização Consultoria Vantagens e desvantagens comuns à contratação de um consultor ou empresa de consultoria para a realização de qualquer outro serviço dentro da empresa. Deve-se ter a capacidade de rever um processo e imediatamente apresentar um protocolo de validação. Trabalha-se num projecto específico sob regime contratual com custos e tempos de execução definidos.
    29. 29. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estruturas de organização Força-tarefa Aquando da necessidade de validação de um processo farmacêutico, forma-se um comité com representações das diversas secções da empresa envolvidas no processo. O chefe deste comité deve ser o especialista responsável pelo trabalho e documentação da validação. Tem a tarefa de designar as responsabilidades de cada um dos membros do comité. Vantagens cada um dos membros do comité trazer experiências da sua área de aplicação, os membros do comité podem variar consoante o processo a ser validado. Desvantagem cada membro do comité tem uma dupla tarefa dentro da organização da empresa.
    30. 30. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estruturas de organização Grupo dedicado Departamento ou secção dedicada exclusivamente aos trabalhos de validação. Vantagens cada um dos membros dedica-se exclusivamente ao propósito, permite melhor compreensão da situação e elimina o sistema de dupla prestação de contas que pode levar a um conflito de interesses. Desvantagem se não se reporta à produção ou a garantia de qualidade, pode ter influência limitada quando uma acção correctiva deve ser tomada.
    31. 31. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Responsabilidades Produção Pode ser definido como uma organização do tipo força-tarefa. Impõe uma estrutura secundária sobre outros departamentos (produção, engenharia, garantia de qualidade e investigação e desenvolvimento). Vantagens produção ininterrupta, facilidades na comunicação inter-departamental, centralização da responsabilidade sobre uma única entidade, consistência do conceito técnico e na linha de acção. Modelo Sandoz (1980).
    32. 32. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Responsabilidades Garantia da qualidade O interesse fundamental centra-se na implementação e execução de políticas de garantia da qualidade. Contudo, as acções são respondidas através do departamento de produção apesar de se considerar acções de controlo de qualidade. Modelo Eli Lilly (1980).
    33. 33. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Responsabilidades Engenharia <ul><li>O processo de validação é organizado por um comité coordenado por um membro do departamento de engenharia. Justifica-se por assumir responsabilidades de transposição de escala de novos produtos, produção de lotes para estudos clínicos, manutenção de registos de produção de lotes, e tomada de acções correctivas. </li></ul><ul><li>Subdivisão em 3 outros comités: </li></ul><ul><li>Identificação de produtos e processos aptos a validação. </li></ul><ul><li>Avaliação de infra-estruturas e equipamentos. </li></ul><ul><li>Execução da validação. </li></ul><ul><li>Modelo Mead Johnson (1980). </li></ul>
    34. 34. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Responsabilidades Investigação & Desenvolvimento O processo de validação é organizado por um comité coordenado por um membro do departamento de investigação e desenvolvimento. Justifica-se por assumir responsabilidades de optimização de produtos e processos, e transposição de escala de produção de novos produtos. Requer a cooperação de outros sectores (e.g., garantia da qualidade, engenharia, e produção). Modelo Wyeth Laboratories.
    35. 35. Validação de Processos Farmacêuticos Organização (âmbito) Pessoal* Qualificações e responsabilidades Infra-estructuras* Design e construção Serviços Água, electricidade, calefacção e refrigeração, iluminação, limpeza, ventilação, descarga de resíduos, sanitização, etc. Equipamentos Design , tamanho, localização, materiais de construção, manutenção, operação, limpeza, etc. Matérias-primas Controlo, testes, armazenagem, auditorias, etc Procedimentos Procedimento padrão de operação, amostragem, cálculos de rendimento, tempo de processamento, contaminação microbiana, etc. Embalamento e rotulagem Materiais, parâmetros de rotulagem, data de validade. Armazenamento e distribruição* Procedimentos gerais. Controlo laboratorial Testes, libertação, estudos de estabilidade, testes específicos, amostrateca, etc. Registos Uso e limpeza de equipamentos, contentores, rótulos, controlo de produção de lotes, etc.
    36. 36. Validação de Processos Farmacêuticos Organização (âmbito) Qualificação de equipamentos Qualificação de instalação adequação do local de instalação, disponibilidade de serviços (e.g., água e ar comprimido), material de composição do equipamento, e adequação, posicionamento, precisão e calibração dos instrumentos. Qualificação de operação investigação das variáveis de qualquer equipamento.
    37. 37. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Prioridades Arumbolo, 1979; Nash, 1981. Parenterais Grande volume Parenterais Pequeno volume Oftalmicos e biológicos Sólidos Estéreis Sólidos orais Baixa dose/alta potência Sólidos orais Comprimidos e cápsulas (outros) Líquidos e semi-sólidos Orais e tópicos
    38. 38. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Prioridades <ul><li>Ordenação por volume de vendas prioridade aos produtos no topo da lista de vendas. </li></ul><ul><li>Validação prospectiva novos produtos e produtos de grande volume de venda. </li></ul><ul><li>Validação retrospectiva produtos já existentes. </li></ul>
    39. 39. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estratégias de validação Validação prospectiva Parte integral de um programa de desenvolvimento de um produto/processo logicamente pensado e planeado. A organização deve claramente estabelecer as autoridades e responsabilidades. Deve ainda ser estruturada de acordo com as necessidades da empresa. Compreende toda a documentação desde a fase inicial de desenvolvimento do produto até a produção de lotes industriais (e.g., relatórios, procedimentos, protocolos, especificações, metodologias analíticas, etc.).
    40. 40. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estratégias de validação Validação retrospectiva Captação de toda a informação disponível acumulada acerca de um determinado processo de produção com o propósito de demonstrar a sua validade. Utilização de informações já disponíveis: registos de produção e registos de controlo de qualidade. São outras fontes de informação: registos de instalação e manutenção de equipamentos, controlo de qualidade das matérias-primas. É válida para um processo que tenha permanecido inalterado por um longo período de tempo. Selecção dos últimos 20 lotes produzidos.*
    41. 41. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estratégias de validação Validação retrospectiva <ul><li>Quando são observadas alterações do processo ao longo do tempo de produção (e.g., últimos 20 lotes): </li></ul><ul><li>Deve-se avaliar o impacto das alterações sobre a qualidade e desempenho do produto. </li></ul><ul><li>Alterações da formulação. </li></ul><ul><li>Utilização de um novo equipamento não equivalente. </li></ul><ul><li>Alteração de métodos de controlo da qualidade do produto. </li></ul><ul><li>Alteração do processo de produção. </li></ul>
    42. 42. Validação de Processos Farmacêuticos Organização Estratégias de validação Validação retrospectiva Processo não validado anteriormente Histórico de processamento estável (20 últimos lotes) Produto a ser comercializado ou descontinuado? Alterações significativas? Tempo de execução é uma preocupação? Captação dos últimos 20 lotes produzidos Validação retrospectiva Sim Sim Sim Não Não Não Baixa prioridade para validação Sim Não
    43. 43. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Documento que descreve detalhadamente o processo de produção, suas fases críticas, os parâmetros que devem ser avaliados e os seus limites de aceitação, e a forma como o processo será testado. Definição e descrição das responsabilidades de cada departamento. Deve ainda definir e descrever o tipo de avaliação a que o processo será sujeito e o número de lotes necessários para o propósito.
    44. 44. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Basicamente, deve conter os seguintes elementos: 1 Descrição do processo de produção e sumário dos passos críticos ou parâmetros críticos a serem monitorizados 2 Especificações de libertação do produto acabado 3 Métodos analíticos 4 IPC proposto e critérios de aceitação 5 Plano de amostragem 6 Registo e avaliação dos resultados 7 Períodos de execução
    45. 45. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Documentos auxiliares na elaboração: 1 Relatório de desenvolvimento 2 Relatório de transposição de escala 3 Relatório da definição das especificações do produto 4 Relatório de validação do processo durante a transposição de escala
    46. 46. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Relatório de desenvolvimento Trabalho de suporte que deve ser considerado para os trabalhos de validação do processo. Elaborado pela secção de I&D. Historial do desenvolvimento do produto: desenvolvimento da formulação e o desenvolvimento do processo.
    47. 47. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Relatório de desenvolvimento Desenvolvimento da formulação: 1 Estudos de pré-formulação 2 Estudos de formulação 3 Estudos dos efeitos das variáveis da formulação 4 Testes específicos para avaliação 5 Especificações iniciais para o produto 6 Definição da formulação
    48. 48. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Relatório de desenvolvimento Desenvolvimento do processo: <ul><li>Pode ser dividida em: </li></ul><ul><li>Plano </li></ul><ul><li>Ajuste </li></ul><ul><li>Caracterização </li></ul><ul><li>Verificação </li></ul>1 Desenvolvimento de um processo específico 2 Identificação dos pontos críticos 3 Identificação das especificações durante o processo e os testes para avaliação 4 Identificação dos equipamentos que serão necessários
    49. 49. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Relatório de desenvolvimento 1 Relato do ajuste e caracterização do processo 2 Registos dos lotes de desenvolvimento 3 Especificações das matérias-primas 4 Lista dos equipamentos 5 Diagrama do processo 6 Limites de aceitação das variáveis do processo 7 Controlo de qualidade durante o processo 8 Especificações finais do produto 9 Avaliação de riscos 10 Requisitos para instalações de produção 11 Perfil de estabilidade 12 Especificações para o material de embalamento primário
    50. 50. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação Protocolo de validação Relatório de transposição de escala Detalha a experiência ganha durante a transposição de escala incluindo a validação do processo. Fornece a fórmula, o modo de preparação e os teste que pretendem ser utilizados numa produção em escala completa. A definição das especificações do produto deve ser discutida entre os departamentos de I&D, garantia da qualidade e a produção.
    51. 51. Validação de Processos Farmacêuticos Planificação A validação do processo em escala industrial é realizada para os primeiros lotes produzidos para comercialização. O número de lotes é variável, portanto dependente da complexidade do processo de produção. É senso comum que os trabalhos de validação de processo de produção devem ser conduzidos, minimamente, em três (3) lotes industriais.
    52. 52. Módulo III. Casos práticos
    53. 53. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Sólidos orais Mistura I Misturador/granuladora de alta velocidade Granulação Misturador/granuladora de alta velocidade Secagem Câmara de leito fluido Calibração Oscilante Mistura II Misturador em V Compressão Compressora rotativa Pesagem Adição dos componentes Fase interna Adição dos componentes Fase externa
    54. 54. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Sólidos Orais Caracterização do processo Operação unitária Variáveis Controlo 1 Pesagem 2 Adição fase interna Ordem de adição 3 Mistura I Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Uniformidade de teor 4 Granulação Carga de granulação Quantidade de líquido de granulação Taxa de adição do líquido de granulação Tempo de granulação Densidade Rendimento 5 Secagem Temperatura de secagem Carga de secagem Fluxo de ar Tempo de secagem Tempo de arrefecimento Densidade Teor de humidade Rendimento 6 Calibração Configuração da rede de calibração Taxa de alimentação Granulometria Massa volúmica em bruto Massa volúmica após compactação
    55. 55. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Sólidos Orais Caracterização do processo Operação unitária Variáveis Controlo 7 Adição fase externa Ordem de adição 8 Mistura II Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Uniformidade de teor Características de escoamento 9 Compressão Taxa de compressão Taxa de alimentação Força de pré-compressão Força de compressão Variação de massa Friabilidade Dureza Altura Tempo de desagregação Dissolução Uniformidade de teor
    56. 56. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Sólidos Orais Análise das variáveis do processo F – Forte f – Fraca M – Moderada N – Nenhuma Operação unitária Variáveis de processo Uniformidade mistura I Teor de humidade Granulometria Uniformidade Dureza Friabilidade Uniformidade Mistura I Rpm Tempo F F - - N N f f N N N N f f Granulação Rpm Quantidade de solvente Tempo - - - N f N f M M f f f f f f N f f f f f Secagem Carga Temperatura Tempo - - - M F F M - M N N N N N N N N Calibração Abertura de malha - - F f N M f Mistura II Rpm Tempo - - - - - - F F M N F F Compressão Taxa Força - - - - - - - - f F f F f f
    57. 57. Validação de Processos Farmacêuticos casos práticos: sólidos orais Validação Mistura I Não necessária Granulação Não necessária Calibração Distribuição de tamanhos Mistura II Uniformidade de teor Compressão Uniformidade de massa Dureza Altura Friabilidade Desagregação Dissolução
    58. 58. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: sólidos orais Mistura de pós A amostragem é realizada apenas em misturas contendo todos os componentes da formulação. As amostras são colhidas primeiramente no topo da coluna de pós, seguido pelo meio e por fim no fundo da coluna de pós. Identificar cuidadosamente os pontos de amostragem no recipiente de mistura que representam áreas potenciais de baixa homogeneidade. O tamanho da amostra para a determinação do conteúdo de substância activa é no mínimo três vezes maior que o tamanho da forma farmacêutica pretendida. Colher três amostras em cada um dos pontos de amostragem para cada período de amostragem. Sempre utilizar a mesma técnica de amostragem e a mesma orientação da sonda. Realizar as amostragens ao mesmo nível da coluna de pós para cada ponto e tempo de amostragem utilizando o mesmo ângulo de entrada da sonda de amostragem. Não retornar a amostra colhida para o recipiente de mistura após a realização do ensaio de conteúdo.
    59. 59. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: sólidos orais Mistura de pós Contentor (vista frontal) Topo Meio Fundo 1 2 3 4 6 5 7 8 9 10 Contentor (vista superior) 1 2 3 4 6 5 7 8 9 10
    60. 60. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: sólidos orais Mistura de pós A homogeneidade da mistura seca de pós é determinada a partir de ensaios de conteúdo da substância activa em amostras individuais. O teste para o controlo durante o processo é realizado para todas as réplicas 1. Critérios de aceitação (FPVIII: 2.9.6 modificado) A mistura satisfaz ao ensaio se nenhuma determinação é fora dos limites de 90 a 110 % do teor nominal e não mais que uma determinação individual de teor se afasta dos limites de 95 a 105 % do teor nominal. Se duas ou três amostras afastam-se dos limites de 95 a 105 % do teor nominal, mas não estão fora do intervalo de 90 a 110 % do teor nominal, deve-se testar as réplicas 2 e 3. A mistura satisfaz ao ensaio se os teores individuais de não mais de três unidades em 30 réplicas se afastarem do limite de 95 a 105 % do teor nominal e se nenhum se afastar dos limites de 90 a 110 % do teor nominal .
    61. 61. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: sólidos orais Mistura de pós Critério de aceitação (USP28 <905> modificado) A mistura satisfaz ao ensaio se nenhuma determinação é fora dos limites de 90 a 110 % do teor nominal e não mais que uma determinação individual de teor se afasta dos limites de 95 a 105 % do teor nominal e o desvio padrão relativo (DPR) é menor ou igual a 6,0 %. Se duas ou três amostras afastam-se dos limites de 95 a 105 % do teor nominal, mas não estão fora do intervalo de 90 a 110 % do teor nominal ou se o DPR é maior que 6,0 %, ou se ambas as condições prevalecem , deve-se testar as réplicas 2 e 3. A mistura satisfaz ao ensaio se os teores individuais de não mais de três unidades em 30 réplicas se afastarem do limite de 95 a 105 % do teor nominal e se nenhum se afastar dos limites de 90 a 110 % do teor nominal e o DPR das 30 determinações não excede 7,8 %.
    62. 62. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: sólidos orais Compressão Realizar amostragem periodicamente e verificar: mínimo Início, Meio e Fim do processo. Uniformidade de massa (FVII 2.9.5) Pese individualmente 20 unidades retiradas ao acaso e determine a massa média. Não mais do que 2 das 20 unidades poderão diferir da massa média encontrada em percentagem superior à especificada e em nenhum caso poderá a diferença exceder o dobro dessa percentagem. Dureza (FPVIII 2.9.8) Retire 10 unidades ao acaso e determine a dureza (N). Apresentar valores médio, máximo, mínimo, e DPR (<10 %). Altura Determinar a espessura de 20 unidades. Friabilidade (FPVIII 2.9.7) Retire amostras ao acaso e determine a friabilidade de 20 unidades (se massa unitária inferior ou igual a 650 mg) ou 10 unidades (se massa unitária superior a 650 mg). Valor aceitável inferior a 1 %. Desagregação (FPVIII 2.9.1) Retire 6 unidades ao acaso e Determine se há desagregação (Aparelho A) após tempo especificado. Dissolução (FPVIII 2.9.3, USP28 <711>) Retire 6 unidades ao acaso e determine o teor de substância activa libertado no tempo especificado.
    63. 63. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: sólidos orais <ul><li>Compressão </li></ul><ul><li>Realizar amostragem periodicamente e verificar: </li></ul><ul><li>Uniformidade de teor periodicamente tome 7 unidades a cada período de tempo. A amostragem deve incluir eventos significativos durante o processo (mudança do alimentador, paragem do processo, início e fim do processo). Deve haver pelo menos 20 pontos de amostragem perfazendo 140 unidades amostradas. Analisar pelo menos 3 das 7 amostras. </li></ul><ul><li>Critérios de aceitação </li></ul><ul><li>Amostras prontamente aprovadas: RSD ≤ 4,0 para cada lote (n≥60), para cada período a média do teor deve estar entre 90 % e 110 % do teor nominal, todos os resultados individuais devem estar entre 75 % e 125 % do teor nominal. </li></ul><ul><li>Amostras marginalmente aprovadas: se os resultados não são prontamente aprovados, analisar as restantes amostras (todas as 7 amostras para cada período), RSD ≤ 6,0 para cada lote (n≥140), para cada período a média do teor deve estar entre 90 % e 110 % do teor nominal, todos os resultados individuais devem estar entre 75 % e 125 % do teor nominal. </li></ul>
    64. 64. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Líquidos oral ou tópicos Enchimento de frascos Pesagem Adição I Reactor Adição II Reactor Adição III Reactor Adição IV Reactor Adição V Reactor Filtração Sistema de filtração
    65. 65. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Líquidos oral ou tópicos Caracterização do processo Operação unitária Variáveis Controlo 1 Pesagem 2 Adição I Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Temperatura Uniformidade de teor pH Densidade 3 Adição II Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Temperatura Uniformidade de teor pH Densidade 4 Adição III Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Temperatura Uniformidade de teor pH Densidade 5 Adição IV Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Temperatura Uniformidade de teor pH Densidade 6 Adição V Carga de mistura Velocidade de mistura Tempo de mistura Temperatura Uniformidade de teor pH Densidade
    66. 66. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Líquidos oral ou tópicos Caracterização do processo Operação unitária Variáveis Controlo 7 Filtração Volume de filtração Pressão de entrada Meio de filtração Uniformidade de teor pH Densidade 8 Enchimento Volume de enchimento Taxa de enchimento Uniformidade de teor pH Densidade
    67. 67. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: Líquidos oral ou tópicos Caracterização do processo <ul><li>Antes da Filtração </li></ul><ul><li>Sumariamente, o controlo durante o processo é realizado após a dissolução e homogeneização de todos os componentes da formulação. </li></ul><ul><li>Os testes a serem realizados para o controlo durante o processo são: </li></ul><ul><li>pH </li></ul><ul><li>Teor de substância activa em diferentes pontos </li></ul><ul><li>Os pontos de amostragem devem ser localizados no topo, meio e fundo do reactor. </li></ul><ul><li>Após a Filtração </li></ul><ul><li>Sumariamente, o controlo durante o processo é realizado durante a operação de filtração da solução. </li></ul><ul><li>Os testes a serem realizados para o controlo durante o processo são: </li></ul><ul><li>pH </li></ul><ul><li>Teor de substância activa em diferentes níveis </li></ul><ul><li>Os níveis de amostragem devem ser localizados no início, meio e fim da filtração. </li></ul>
    68. 68. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: validação retrospectiva Solido oral (compressão) <ul><li>Comprimidos (84 % substância activa) </li></ul><ul><li>Análise do registo de lote: </li></ul><ul><li>Mistura da substância activa e excipientes num misturador duplo cone (passo 1) </li></ul><ul><li>Compressão para formação de slugs (passo 2) </li></ul><ul><li>Conversão dos slugs em granulado numa oscilante (passo 3) </li></ul><ul><li>Compressão do granulado resultante numa compressõra rotativa (passo 4) </li></ul><ul><li>Mistura (passo 1) registo do tempo de mistura, carga de mistura não registada. </li></ul><ul><li>Compressão (passo 2) espessura de 0,9525 cm, não muito duro (não há registos de controlo durante o processo). </li></ul><ul><li>Granulação seca (passo 3) usar rede de granulação de 10, 12 ou 14 mesh, carga de granulação não especificada mas constante, distribuição do tamanho das partículas não especificada e não registada, registo do tamanho da abertura de malha da rede de granulação. </li></ul><ul><li>Compressão (passo 4) registo da massa média (10 comprimidos), dureza e desagregação. Análise dos resultados de controlo de qualidade do produto acabado. </li></ul><ul><li>Passos críticos: </li></ul><ul><li>Processo: tempo de mistura e abertura de malha da rede de granulação. </li></ul><ul><li>Controlo de qualidade do produto acabado: tempo de desagregação, dureza, massa média, teor e dissolução. </li></ul>
    69. 69. Validação de Processos Farmacêuticos Casos Práticos: validação retrospectiva Solido oral (compressão) Colecta de dados relativos aos últimos 20 lotes produzidos. Mistura (passo 1) Tempo de mistura de 14 lotes: 15 min. Tempo de mistura de 6 lotes: 20 min. Granulação seca (passo 3) Rede de granulação 12 mesh: 17 lotes Rede de granulação 14 mesh: 3 lotes

    ×