Caderno soja 2013 prova
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Caderno soja 2013 prova

on

  • 846 views

 

Statistics

Views

Total Views
846
Views on SlideShare
846
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
17
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Caderno soja 2013 prova Caderno soja 2013 prova Document Transcript

  • 6 ANO Especial INFORME COMERCIAL Sexta-feira, 23 de agosto de 2013
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL2 O português Pero Vaz de Cami- nha, em uma de suas cartas ao rei D. Manuel I, de Portugal, declarou so- bre o recém-encontrado solo brasilei- ro: “Nesta terra, em se plantando tudo dá”. Mais de cinco séculos depois da carta ter cruzado o oceano, este solo – através do agronegócio - continua sen- do a fonte maior de riqueza do Brasil. E a soja é o principal produto nesta lista. Segundo dados da Embrapa Soja, hoje o agronegócio brasileiro respon- de por 38% das exportações, 37% dos empregos gerados e 22% do Pro- duto Interno Bruto (PIB) do país. Em 40 anos, a produção nacional da ole- aginosa cresceu 43 vezes, sendo que o crescimento registrado da área plan- tada foi pouco acima de 18%. O grão se tornou “fator de integração nacio- nal”, ligando as diversas regiões do país graças as influências que exer- ce de forma direta e indireta na eco- nomia. Pesquisas observaram que re- giões consideradas importantes pólos de soja do país, apresentaram evolu- ção nos números do Índice de Desen- volvimento Humano (IDH). Além dis- so, a soja se tornou o grande cartaz brasileiro no exterior. A China, maior consumidor mun- dial do grão, é um dos grandes moto- res a impulsionar a soja brasileira no exterior. Os chineses já reconhecem a qualidade do produto, afirmando que o grão daqui tem maior teor de proteínas do que os demais. Ao mesmo tempo, problemas enfrentados pela soja no mercado norte-americano, tem eleva- Soja: a semente de integração nacional do o poder do grão brasileiro, levando o país a ascensão de maior produtor do mundo. A produção dos países do Merco- sul representa 53% da produção mun- dial de soja, no entanto, a região vem batendo recordes e aumentando as es- timativas de áreas de plantio. Segun- do números divulgados pelo informa- tivo Safras, a expectativa para a safra 2013714 é da colheita de uma área de 54.031 hectares. Isso representaria aumento de 4% com relação a safra anterior, além de um novo recorde ab- soluto para a região. Ao mesmo tempo que vive um bom momento produtivo, os produtores de soja brasileiros enfrentam também grandes desafios. O retorno de pragas recorrentes, como a ferrugem asiáti- ca, e o surgimento de novas espécies, como a lagarta helicoverpa armigera, tem assustado agricultores de norte a sul do país, causando grandes preju- ízos. A questão aponta também para outro grande problema, a morosidade burocrática que atrasa a aprovação e o registro de defensivos. A saída parece estar no desenvol- vimento das técnicas de agricultura de precisão e na tecnologia voltada para o campo, cada vez mais avançados e grandes aliados do produtor. A união entre campo e máquinas, o novo e a tradição agrícola, a força do produtor e da planta, são hoje as grandes vias de resposta para o futuro e a maior apos- ta de que o soja é fator de integração e desenvolvimento. Este Informativo Comercial circula encartado em Zero Hora, nos Centros de Distribuição de Passo Fundo, Erechim, Frederico Westphalen, Santo Ângelo, Santa Rosa, Cruz Alta e suas respectivas cidades. Para informações, sugestões e comercialização de anúncios, ligue para: RBS Jornais: Escritório Passo Fundo - Rua Princesa Isabel S/N Telefones (54) 3316-9291 / 3316-9292 - Passo Fundo - RS Jornalistas colaboradoras: Fernanda Canofre e Luciana Quétheman Diagramador colaborador: Hélio Gasparotti Jr. Produção: C. Abreu Expediente editorial
  • 3INFORME COMERCIAL Sexta-feira, 23 de agosto de 2013
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL4 Importante evento do setor agrícola, o II Encontro de Produtores de Semen- tes do RS e Treinamento de Responsá- veis Técnicos reuniu mais de 370 par- ticipantes entre os dias 7 e 9 de agosto, em Santana do Livramento. Durante a solenidade de abertura, realizada na noite de 7 de agosto, Antonio Eduardo Loureiro da Silva, presidente da CSM/ RS e diretor administrativo da APAS- SUL destacou a evolução do programa de sementes e o objetivo de continuar aprimorando normas, padrões e proce- dimentos do setor. Já o presidente da ABRASEM Narciso Barison Neto, disse que “a semente merece destaque espe- cial por ser o único organismo vivo do sistema produtivo mundial”. A palestra de abertura teve como tema o SIGEF. Trata-se de um sistema informatizado de recebimento e análise das inscrições de campos de produção de sementes que está sendo adotado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O palestrante, Fiscal Federal Agropecuário Glauco Bertoldo, esclareceu as dúvidas dos presentes em relação ao novo sistema. Em seguida, foram apresentados os sistemas de pro- dução de sementes do Brasil e do Uru- guai. O Fiscal Federal Agropecuário An- dré C. P. da Silva falou sobre o Registro Nacional de Cultivares (RNC), que trata dos padrões estabelecidos pelo Minis- tério da Agricultura para produção, be- neficiamento e comercialização de se- mentes, e também sobre o RENASEM cadastro de pessoas físicas ou jurídicas que exercem atividades ligadas ao setor. Ele também explicou o funcionamento do sistema de certificação no Brasil. O sistema uruguaio foi apresentado pelo gerente de certificação de sementes e plantas do INASE, Guillermo Sangui- netti. Dessa forma, o público constatou as diferenças entre os dois modelos, es- pecialmente no que se refere à certifica- ção de sementes. Já no dia 8 de agosto, Erlei de Melo Reis, da OR Melhoramen- to de Sementes Ltda., palestrou sobre a transmissão de pragas através de se- mentes. Ele apontou o plantio direto e a monocultura como ameaças a uma la- voura sadia. O engenheiro agrônomo da Fundação Pró-Sementes, Airton Lange, II Encontro de Produtores de Sementes Evento do setor agrícola já consolidado no meio abordou aspectos da legislação da pro- dução de sementes e explicou como são feitas as vistorias de campo no pro- cesso de certificação conduzido pela Fundação Pró-Sementes. O professor da UFPel, Geri Eduardo Meneghello, palestrou sobre os pontos críticos a se- rem considerados para a obtenção de sementes de qualidade superior. “A se- mente de qualidade foi um dos fatores responsáveis pelo aumento da produti- vidade das principais culturas nos últi- mos 30 anos”, disse. Coordenado pelo deputado estadu- al Frederico Antunes (PP/RS), o último dia do evento teve o painel sobre a ade- quação da logística frente ao incremen- to da produção reuniu representantes de órgãos públicos e privados ligados ao setor no último dia do evento. Re- presentantes da Secretaria de Logística e Infraestrutura do RS e da CCGL deba- teram soluções para o estado e o país. O painel seguinte iniciou com a apre- sentação da soja INTACTA RR2 PRO™. O gerente de marketing soja da MON- SANTO do Brasil LTDA, Marcelo Gatti, apresentou a política comercial da nova tecnologia, que custará, nas sementes certificadas, e também nas categorias S1 e S2, R$ 115,00 por hectare. As novas tecnologias para o arroz foram o tema do último painel do evento. Basf e Bayer apresentaram suas soluções para a cultura e o tema foi debatido por Fran- cisco Schardong, presidente da Câmara Setorial do Arroz do Ministério da Agri- cultua, Cláudio Pereira, presidente do Irga, Anderson Ricardo Belloli, diretor executivo da Federarroz, e Valdemir Si- mão, coordenador do núcleo de arrozei- ros da APASSUL. . evento
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL 5 Solidez esse é o nome certo para designarmos o Brasil como um dos grandes produtores mundiais de soja, juntamente com os EUA e a nossa querida hermana Argentina. Dados comprovam que a produção aumen- tou em uma proporção muito maior do que a área cultivada. A Conab afirma por meio de dados pesquisados que o Brasil deve colher uma safra recorde ou seja mais de 22% do que na sa- fra passada. Visto que nas principais praças de comércio de soja no Brasil houve uma valorização extraordinária da comomodity. E para explanar tudo isso o Presidente da Aprosoja do RS, Ireneo Orth fala ao Caderno Soja do Zero Hora. Expansão O Presidente da Aprosoja RS, Ire- neu Orth salienta que o principal mo- tivo que levaram a expansão de área cultivada de soja é o resultado eco- nômico para o produtor (preço). Visto que os altos preços praticados na co- mercialização desta commoditie tem reflexo no mercado interno e externo que são positivos. Para ele é a princi- pal razão do crescimento da cultura, o que comprova a eficiência do produto para o consumo da humanidade. Vis- to que a qualidade da semente tam- bém é uma das bases que sustenta o processo. Sementes Os processos envolvidos quando se refere ao sistema produtivo da semente são amplos. Para Orth a lavoura para a semente ter boa sanidade, deve ser acompanhada por técnicos. A colheita deve ser feita adequadamente, evitan- do misturas. “O Sistema de classifica- ção hoje com equipamentos moder- nos, separando as melhores sementes e, antes do próximo plantio, aplica- ção na semente dos melhores quí- micos que evitam doenças e ataques de pragas e que fortaleçam a semen- te na hora da germinação. ( fungicidas Semente de soja e sua grandeza e inseticidas, herbicidas, inoculantes, etc.)”, salienta. Estados e Produtividade Para Ireneu os estados que possui destaque na produção de soja em nos- so país em primeiro plano Mato Gros- so, segundo Paraná, Rio Grande do Sul e por último Bahia e Goiás. O que via- bilizou o cultivo de soja em regiões de latitude baixa foi a descoberta de varie- dades adaptáveis a essas regiões, as- sim como tecnologias de aplicações de insumos corretos, além de técnicas de manejo da cultura e solo. Os principais fatores que proporcionaram o aumento da produtividade das lavouras no Bra- sil para Orth foi O clima sendo que a criação de novas variedades pelos ór- gãos de pesquisa, como a Embrapa, manejo do solo ( plantio direto), entre outras atividades no solo como aplica- ção correta de fertilizantes, fungicidas ,inseticidas, equipamentos de precisão e colheita adequada. Utilidades Todos sabem que a soja é utiliza- da na alimentação animal e humana e também para a formação de biocom- bustível e ao indagarmos esse assun- to com o presidente ele comenta, “A soja é a mesma. O principal produ- to extraído da soja é o óleo, que tanto pode ser adaptado para o consumo hu- mano como para a transformação de bio combustível. Do subproduto onde saem, entre vários outros, o farelo, que é utilizado para consumo animal”. Revolução Verde Em analise aos acontecimen- tos históricos da agricultura mundial e brasileira, nos remete a chamada “Revolução Verde” que segundo Orth com o crescimento mundial da popu- lação, os hábitos alimentares foram se adaptando,saindo da forma primitiva para as alternativas de cultivos de plan- tas que produzem produtos comestí- veis que foram sendo transformados e adaptados com o passar dos anos e hoje vemos campos em várias regiões do planeta cultivadas com plantas de ciclo temporário que fazem a alimen- tação da humanidade. No Brasil este crescimento avançou a partir do final da década de 60 inicio de 70, quando até então o nosso país apesar de sua vasta extensão territorial era impor- tador de alimentos. Com a mudança ocorrida a partir daquele episódio cada vez mais os nossos campo,s até então improdutivos em sua grande maioria, passaram a ser cultivados com produ- tos alimentícios como é o caso da soja, milho, trigo, arroz e muitos outros. “Na época o Brasil produzia menos de 30 milhões de toneladas, sendo que hoje atingimos em torno de 185 milhões ton. com potencial de ultrapassarmos a barreira dos 300 milhões dentro de poucos anos com o aumento de pro- dutividades e aumento de área dentro das áreas possíveis e permitidas por lei que ainda podem ser exploradas” ex- plixa Orth. Revolução Biotecnológica No início do plantio da soja, na dé- cada de 60, produzíamos 15 a 20 sa- cas de soja por hectare, o que para a época era importante. Hoje com essa produtividade estaríamos inviabiliza- dos. “Então Revolução Biotecnologica nada mais é do que a mudança radi- cal na forma de se fazer a agricultura” diz Orth. A Lei de Biossegurança, cria- da em 2005 também se torna algo im- portante para agricultura segundo Orth essa lei faz certas exigências ao pro- dutor com relação a aplicabilidade de produtos, mas por outro lado, garante ao consumidor produtos sem agrotóxi- cos e ao meio ambiente sua estabilida- de. Todos os avanços da década de 60 até hoje, fizeram com que chegásse- mos gradativamente com melhoras na produtividade por área onde hoje che- gamos em áreas excepcionais a colher 80 a 90 sacas por hectar, sendo que já tivemos no ano de 2011 uma média nacional acima de 50 sacas por hec- tar. “Tornando a soja importante para o Brasil” salienta. Consumo E finalizando perguntei a ele sobre o consumo anual de sementes de soja no Brasil hoje e ele falou que em mé- dia nas lavouras tecnificadas o consu- mo é de 40 a 50 kg. por hectare., des- ta forma é só multiplicar pelo número de hectares no Brasil. mercado
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL6 De acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Agricultura, nos pri- meiros sete meses do ano as exporta- ções do agronegócio brasileiro atingi- ram a marca recorde de US$ 58,874 bilhões. Crescimento de 9,5% (US$ 5,12 bilhões), com relação ao mes- mo período do ano passado. O setor foi responsável por 44% das exporta- ções brasileiras, ajudando a atenuar o déficit da balança comercial. A soja li- dera a lista de produtos responsáveis pelo saldo positivo, representado mais de US$ 2,71 bilhões nas vendas ex- ternas. Segundo Cleber Bordignon, diretor da Agroinvvesti Corretora, a produção da safra 2012/2013 bateu a marca de 81 milhões de toneladas, aumento de 20% com relação ao ano passado. “A comercialização da safra vigente gira em torno de 80%, os produtores es- tão aproveitando a boas oportunidades de preços, que este ano está sendo be- Depois da passados efeitos da estiagem, safra se recupera na bolsa e aponta otimismo nos números Queda da soja nos EUA, aponta para crescimento das exportações brasileiras neficiada pela boa alta do dólar”, co- menta. A boa fase da soja brasileira no mercado deve-se especialmente por dois fatores. A demanda do mercado chinês, maior importador de soja do mundo, impulsionou as exportações do grão. As vendas cresceram 15,5%, e os preços registraram aumento de 3%. Além disso, como avalia Jean Ramplon, corretor de commodities da Agroinvvesti, na safra 2013/14, as im- portações chinesas devem alcançar 69 milhões de toneladas. Aliado a isso, a queda da produção da oleaginosa no mercado norte-americano, apontada em relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos EUA), divulgado no início de agosto, também deve alavan- car os números brasileiros. As estimati- vas apontam queda na produção de soja dos EUA de 93,08 milhões de toneladas para 88,59 milhões de toneladas, e re- dução da produtividade, de 50,45 sacas por hectare para 48,3 sc/ha. Ramplon lembra ainda que o “caos da logística” enfrentado na safra passa- da também teve reflexo direto nos pre- ços das commodities. “Devido à falta de estrutura portuárias no País, navios que fazem o transporte do grão para outros países, chegaram a ter atrasos superiores há 100 dias. Estes atra- sos fazem com que o prêmio portuá- rio (bonificação paga para equilibrar a oferta e demanda) recue ou trabalhe até negativo, refletindo diretamente no preço final do grão”, explica. Além dis- so, o alto valor do frete e os proble- mas do transporte rodoviário também acabaram por afetar os lucros finais do produtor. Ainda assim, as perspectivas para a próxima safra são otimistas. Aliado a retração do mercado norte-americano, Bordignon estima que a produção bra- sileira chegue a 85 milhões de tonela- das, com 20 a 30% dela tendo entre- ga negociada para o primeiro semestre de 2014. O que deve levar a fazer com que as cotações da oleaginosa operem em patamares ainda maiores. Cleber Bordignon, diretor da Agroinvvesti Corretora mercado
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL 7 A disparada do dólar americano, a partir de maio, teve reflexo direto na safra dos agricultores brasileiros. Como grande parte dos insumos e defensivos usados nas lavouras do país são produtos impor- tados, o valor depende do preço do dólar. Com a desvalorização do real diante da moeda americana, a tendência é de que os preços continuem aumentando. Até agora, estima-se que os gastos com agro- tóxicos já estão entre 10 e 20% maiores do que no ano anterior. Quem deixou para comprar insumos no segundo semestre, deve pagar ainda mais caro, com preços chegando a 30% a mais do que na safra passada. Estes preços devem atingir uma boa parte dos produtores. O engenheiro agrô- Alta da moeda americana, em maio, e ataques de pragas elevaram os custos do plantio na safra 2012/2013 Alta do dólar deixa safra pesada para o bolso do produtor safra nomo Moyses Martins Júnior, da Cia. da Terra, explica: “Quem teve a visão e viu que o dólar ia disparar e se adiantou nas compras dos seus insumos no primeiro semestre, quando o dólar ainda estava perto de R$ 2, sem dúvida terá uma mar- gem maior de lucro no final da safra. Seus custos de implantação das suas lavouras foram menores com a compra adiantada dos insumos. Porém, como é costume, os grandes negócios acontecerem entre os meses de agosto e novembro, quem deixou para comprar agora seus insumos deve pagar mais caro pelos produtos”. Além disso, o aumento de ocorrências de doenças fúngicas e novas pragas, como a lagarta helicoverpa armigera, exigiram maior aplicação de defensivos. Segundo dados divulgados pela Aprosoja Brasil (As- sociação dos Produtores de Soja), estima- -se que só as perdas e gastos provocados pela ferrugem asiática cheguem a US$ 2,5 bilhões para os produtores da região centro-oeste na safra 2013/2014. “O au- mento do preço dos insumos tem ligação direta com a rentabilidade final que terão nas suas lavouras. Assim sendo, com es- tes aumentos, o seu ganho final diminuirá e este é o grande peso de impacto no ne- gócio”, diz Moyses. A Aprosoja reclama ainda que os pro- dutos atualmente disponíveis no mercado tem apresentado pouca eficiência para o controle de doenças. Enquanto isso, no- vos produtos enfrentam anos de espera e burocracia para seresm registrados e mui- tas vezes não são aprovados. A cultura da soja é uma das mais afetadas por esta de- mora. Em texto publicado pelo site da as- sociação, o grupo contesta o fato de que carboxamidas que já foram registradas em países da Europa, Ásia, América Latina e do Norte, deveriam ter sido aprovados até julho de 2013, para que fossem dis- ponibilizados a tempo da safra no merca- do brasileiro. Como isso não aconteceu, a previsão é de que os prejuízos se agra- vem. No entanto, como lembra o enge- nheiro da Cia. da Terra, assim como se espera agilidade na aprovação e registro de novos insumos, também é importante que estes sejam aplicados corretamente e a tempo para que alcancem a eficiência desejada.
  • 8 INFORME COMERCIALSexta-feira, 23 de agosto de 2013
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL 9 Voltada a redução dos custos de pro- dução, diminuição da contaminação por agrotóxicos na natureza e aumento da produtividade, a prática da agricultura de precisão tem evoluído na mesma ve- locidade das atualizações tecnológicas. Utilizando-se de tecnologia e informa- ções que tem por base a variabilidade de solo e clima, a técnica parte da análise de dados georreferenciados para auxiliar o produtor, indicando a correta dosagem de adubos e agrotóxicos. Tendo em vista a otimização destes objetivos, a Agral Indústria de Equipa- mento Eletrônicos, com sede em Passo Fundo, focou sua pesquisa no desen- Novo produto da AGRAL, indústria especializada em equipamentos eletrônicos, promete economia e praticidade na lavoura Novidade no mercado, GPS oferece precisão e otimiza resultados no campo volvimento de um equipamento ca- paz de monitorar e acessar a atividade agrícola evitando desperdícios de insu- mos, produtos, área de cultivo e maqui- nários. Assim, surgiu o recém-lançado AG9000. Orientado por GPS (Sistema de Posicionamento Global), o aparelho funciona como um guia de precisão de leitura confiável, que maximiza a pre- cisão nas operações no campo pro- porcionando segurança em uma solu- ção completa do plantio à colheita. De acordo com o engenheiro responsável pelo desenvolvimento do produto, Da- niel Martins, “O AG9000 é um equi- pamento modular - o que significa que pode ter as funções ampliadas confor- me a necessidade – de fácil manuseio, e a interface ainda funciona com o mí- nimo de configurações possível, sem necessidades de fazer ajustes a cada operação”, explica. Facilidades que o colocam a frente dos concorrentes, e o tornam a opção mais prática para o pro- dutor. A tecnologia precisa, mas simples, oferecida pela Agral, tem ajudado a pro- jeção da empresa do norte do estado no mercado nacional e internacional. Hoje é possível encontrar produtos da marca em diversos países, entre eles Paraguai, Bolívia, Venezuela, Chile e Uruguai.AG9000 tecnologia
  • Especial 10 Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL A soja registrou recordes na safra brasileira no último ano, para a CONAB os investimentos em biotecnologia (me- lhoramento genético), fertilidade de so- los e a realização adequada do controle fitossanitário aumentaram o rendimen- to da cultura e tornaram-na adaptável em todo o território nacional. A soja é a lavoura de maior representatividade e importância econômica para o Brasil atualmente. Porém, a prática da mono- cultura nas plantações de soja favore- ceu o surgimento de doenças, pragas e plantas daninhas. Problemas As doenças são as principais cau- sadoras de perdas, e podem reduzir a produtividade, caso o sojicultor não fi- que atento ao controle e prevenção das doenças, pode ter perdas de até 100% . O pesquisador e Engenheiro Agrôno- mo Erlei Reis nos fala que existem dois tipos de doenças que podem afetar a soja, que são doenças bióticas e abi- Soja: A importância da sanidade vegetal óticas. Segundo ele as bióticas ou pa- rasitárias são causadas por microrga- nismos como fungos, bactérias, vírus e nematoides; e as abióticas ou não parasitárias a causa é a carência nutri- cional. Erlei comenta que hoje no Bra- sil ocorrem 40 doenças parasitárias na soja. “As mesmas doenças ocorrentes em soja nos Estados Unidos foram in- troduzidas no Brasil com as sementes, isso em 1982 por Gustavo Dutra. E as- sim, da mesma maneira, do Rio Gran- de do Sul para os demais estados bra- sileiros. Segundo ele os fatores externos como umidade, calor e frio também in- terferem no aparecimento de doenças. Hoje não tem lavoura sem doenças e da mesma forma, sementes sem doença”, explica o professor. Soluções Para Erlei a prevenção é o melhor a ser feito, mas faltando isso quando a instalação dá doença já é diagnosticada a solução é cuidar das sementes por- que depois das doenças serem introdu- zidas pelas sementes permanecem na palhada da soja. “A palhada demora 35 meses para apodrecer completamente e eliminar as doenças do resto cultural”, explica. Fazer rotação de culturas é im- portante pois elimina biologicamente os restos culturais, decomposição, minera- lização biológica. “Eliminando a palha elimina as doenças dos órgãos aéreos como manchas folhares, cancros e an- tracnose, diz. Lembrando que nas la- vouras em que se fez a rotação de cul- tuas se deve semear semente tratada com fungicidas, doses e cobertura efi- ciente da semente. E também segundo ele se deve fazer uso da aplicação de fungicidas, sendo que o momento da aplicação não é indicado pela ausência ou presença da doença, mas sim pela sua quantidade. “A quantidade é que determina o dano e assim justificando ou não sua aplicação” comenta. Portanto diz Erlei “o agricultor deve ter cuidado com a planta inteira pois a manifestação das doenças se dão em todos os órgãos”. Doenças ou podri- dões radiculares, como a podridão cin- zenta da raiz, podridão vermelha e etc. Doenças da folhagem, ferrugem, oídio, cercosporioses, manca parda, man- cha alvo; doenças da haste e da vagem como o cancro caulívora, cancro meri- dionalis, a seca da haste e da vagem e o mofo-branco da haste. Todos os que atacam folhas, hastes e vagens voltam a atacar a semente. Somente os neo- matóides que atacam somente as raí- zes, pois são vermes hidrofílicos que vi- vem no solo .”Os mais temíveis são o nematoide de galha e o de cisto” salien- ta o pesquisador. Devido à importância da cultura da soja no Brasil, são cultivados 24 mi- lhões de hectares e o preço da saca de 60 kg é de R$ 64,00, ela é a mais pes- quisa hoje termos de sanidade. “Prin- cipalmente o que se refere a ferrugem asiática, o mofo-branco e nematoses, comenta Erlei. sanidade
  • 11INFORME COMERCIAL Sexta-feira, 23 de agosto de 2013
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL12 O Diretor Presidente da BSBIOS Erasmo Carlos Battistella fala ao Caderno Soja sobre a historia, gestão, sustentabilidade e respinsabilidade social de uma empresa modelo e com apenas oito anos de existência. BSBios: gestão modelo em tecnologia verde gestão História A BSBIOS foi fundada por seu atual presidente Erasmo Carlos Battistella, e em seguida recebeu novos sócios como Antô- nio Roso, Arlindo Paludo, Mário Wagner e Paulo Montagner que juntos acreditaram na ideia lançada pelo fundador e transfor- maram o projeto em uma das maiores em- presa do segmento de biodiesel do Brasil. Nascida em 15 de abril de 2005 com finalidade de produzir biodiesel, a BS- BIOS instalou uma moderna planta loca- lizada estrategicamente em Passo Fundo/ RS, junto da produção de soja e canola suas matérias primas utilizadas para pro- dução de biodiesel, e em 12 de junho de 2007 teve inicio oficialmente a produção de biodiesel. A unidade tem capacidade de produção de 169 milhões de litros de biodiesel/ano. Em 2009 mais uma vez a BSBIOS demonstrou acreditar no progra- ma de Biodiesel e comprou a segunda unidade de produção de biodiesel, loca- lizada na cidade de Marialva, estado do Paraná, a qual foi inaugurada e iniciou a produção de biodiesel em maio de 2010. Esta unidade possui uma capacidade de produção de 183 milhões litros/ano de biodiesel e utiliza como mátrias primas soja, canola, gordura animal e óleo de al- godão. O ano de 2010 foi um ano mui- to importante na história da BSBIOS, pois além de iniciar a produção de biodiesel no estado do Paraná também inaugurou uma nova unidade de processamento de soja localizada junto a sua unidade produtora de biodiesel no município de Passo Fun- do. Esta unidade possui uma capacidade de processamento diário de 2.500 ton/dia de soja, que equivalem a 900 mil ton de soja/ ano processada. Dois grandes dife- renciais desta unidade são sua tecnologia de ponta e a sua grande capacidade de armazenagem de soja e de produtos aca- bados que supera as 200 mil toneladas. BSBios e Petrobrás Ainda em 2010 a BSBIOS construiu uma joint venture de destaque internacio- nal associando-se a Petrobrás Biocombus- tível (PBIO) firmando uma parceira muito importante para a produção de biodiesel. Esta parceria foi consolidada em duas eta- pas: em 2010 para a Unidade de Marial- va e Junho de 2011 para com toda com- panhia. Atualmente a estrutura societária é composta por 50% participação da Pe- trobrás e 50% de participação da BSPAR, holding dos sócios fundadores. A partir de 2011, a BSBIOS passa a ter também mais investimentos em unidade de recebi- mento de grãos ampliando sua capacida- de de recebimento e construindo um rela- cionamento comercial junto a agricultores, comercializando fertilizantes e defensivos e adquirindo toda a sua produção. Em fe- vereiro de 2013, a BSBIOS anunciou a aquisição de 14 unidades de recebimento de grãos, localizadas no norte do Estado do Rio Grande do Sul. Ainda foi adquiri- da uma unidade de produção de semen- tes, em Lagoa Vermelha (RS). Juntas as unidades tem capacidade estática para ar- mazenar 240 mil toneladas de grãos. Elas estão localizadas no Valinhos em Passo Fundo, Água Santa, Três Pinheiro em Sa- nanduva, Muitos Capões, Capão Bonito do Sul, Lagoa Vermelha, Esmeralda, Tape- jara, Capo-Erê em Erechim, Sertão, Char- rua, Rio Telha em Ibiaça, Engenho Grande em Água Santa e Vila Lângaro. “A usina também produz reflexos no campo, pelo menos 35% de toda a aqui- sição de grãos é fruto da produção de cer- ca de quinze mil agricultores familiares, produtores de soja e canola nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná”, comenta Battistella. Exportação Em 25 de junho de 2013, a BSBIOS tornou-se a primeira e única empresa do Brasil a exportar Biodiesel com destino final a Europa. Isto foi uma grande con- quista para essa jovem empresa, pois foi a BSBIOS de Passo Fundo que inseriu o Brasil no mercado internacional de Bio- diesel. “Um dos pontos chaves para essa conquista foi à qualidade do seu biodie- sel. Atualmente a companhia possui 600 colaboradores, gera mais 2.500 empregos indiretos e também compra produção de mais de 15 mil famílias de agricultura fa- miliar” salienta o Presidente. Diferencial “A BSBIOS é uma indústria que pri- ma pela qualidade dos seus produtos, por isso os processos empregados são de alta tecnologia, o que assegura elevado pa- drão em seus processos e produtos” sa- lienta Battistella. A BSBIOS possui um la- boratório de ponta, onde é feito o controle de qualidade de toda a matéria prima e dos insumos utilizados. Segundo Battis- tella nele é realizado o controle e moni- toramento de todos os parâmetros que in- terferem na qualidade do produto e seu rendimento durante o processo de produ- Erasmo Carlos Battistella, presidente da BSBios
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL 13 ção. O laboratório da BSBIOS, certificado pela ANP, é responsável pelo controle final que certifica a qualidade de toda a produ- ção. O biodiesel comercializado pela BS- BIOS possui certificado próprio que garan- te seu padrão. A empresa está preparada para atender os certificados das especi- ficações nacionais e internacionais. Em agosto de 2009, Curitiba/PR adotou a uti- lização de B100 em coletivos urbanos, o biocombustível é fornecido com exclusivi- dade pela BSBIOS. Os ônibus circulam no trecho urbano da BR-476, na capital Pa- ranaense. Esse é um de nossos projetos chamado “Linha Verde”, comenta Battis- tela. Esta foi à primeira iniciativa do Bra- sil operando 100% com biocombustível em ônibus urbanos. Em 2010 a BSBIOS buscou normas internacionais que forne- cessem diretrizes para assegurar a Segu- rança Alimentar do farelo de soja produ- zido, visando satisfazer os seus futuros clientes nesse novo mercado. No ano de 2011, a empresa recebeu a certificação GMP+B2 e GMP+B3, que atesta o atendimento dos requisitos inter- nacionais relacionados à Segurança Ali- mentar na sua cadeia de produção e co- mercialização. Destaque Inovação em Engenharia – Em outubro de 2012, a So- ciedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (SERGS) reconheceu através do Prê- mio Destaque Inovação em Engenharia 2012 as empresas empreendedoras que atuam como pioneiras em inovação sus- tentável, que tenham em seus processos sustentabilidade baseada no tripé econô- mico, ambiental e social. “A BSBIOS esti- mula a qualificação interna de seus pro- fissionais, principalmente nos processos produtivos da empresa, devido a espe- cificidade da tecnologia/informatização das plantas,”destaca Battistella. Segundo Erasmo a empresa recebeu o Prêmio Top Ser Humano – Em outubro de 2012, a BSBIOS foi agraciada com o prêmio Top Ser Humano promovido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos, seccio- nal Rio Grande do Sul (ABRH-RS), com case “A Implantação do Plano de Carreira com Foco em Competências”. Benefícios do Biodiesel “O biodiesel é um combustível menos poluente que os de origem fóssil (petróleo e derivados), produzido a partir de fontes renováveis, como óleos vegetais e gordu- ras animais. O biodiesel pode substituir total ou em partes o óleo diesel mineral em motores ciclo diesel automotivo (ca- minhões, tratores, caminhonetes, auto- móveis, etc) ou estacionários (geradores de eletricidade, calor, etc). Ao substituir o óleo diesel parcialmente, o biodiesel é empregado como combustível comple- mentar, que ajuda a reduzir as emissões de gases poluentes” explica Battistella. A mistura dos dois combustíveis é co- nhecida pela letra B seguida pelo número correspondente ao percentual de biodie- sel adicionado. Por exemplo, uma mistu- ra com 5% de biodiesel é chamada de B5, e assim sucessivamente, até o bio- diesel puro, denominado B100. Segun- do ele o biodiesel é um lubrificante muito melhor do que o diesel de petróleo, pois tem mais viscosidade e desgasta menos o motor. Ele também tem um índice de ce- tano mais alto o que significa que é um melhor combustível dando aos motores mais torque. “A produção do biodiesel se dá por meio de uma reação química denomina- da transesterificação de triglicerídeos com álcool metanol ou etanol. A glicerina é um subproduto do processo” comenta. Battistella explica que nesse proces- so o óleo vegetal é neutralizado ou pré- -tratado e, posteriormente, irá reagir na transesterificação, juntamente com o me- tanol e o metilato de sódio. A glicerina for- mada na reação é separada por decan- tação e purificada para retirar traços de metanol e umidade. Depois de separado do glicerol ou glicerina, o biodiesel é pu- rificado. Finalmente o biodiesel é filtra- do e está pronto para o uso, tanto puro como misturado ao óleo diesel, sem ne- cessidade de modificações no motor do veículo ou equipamento. Todo o proces- so de fabricação leva cerca de 15 horas. “A BSBIOS utiliza tecnologia americana da Crown Iron Company para a produção do biodiesel, o que garante atender as es- pecificações tanto nacionais quanto inter- nacionais (ANP, ASTM D 6751-06 e EM 14214). Além de produzir um biodiesel diferenciado, com alto padrão de qualida- de, essa tecnologia também garante aos subprodutos esse mesmo padrão”, espe- cifica Battistella. Sustentabilidade e Responsabilidade Social “Nosso negócio em si gira em torno da sustentabilidade. Além de produzir- mos um combustível que evita a emissão em 57% de gases de efeito estufa na at- mosfera, conforme estudos da FGV (Fun- dação Getúlio Vargas) e da Fipe e, com isso, gera redução de 11 mil internações hospitalares e 1,8 mil mortes por proble- mas respiratórios, também transforma- mos o sebo bovino – um antigo passivo ambiental – em matéria prima (unida- de Marialva) e ainda reaproveitamos ao máximo o que podemos dentro de nos- so processo industrial. Realizamos, por exemplo, na unidade de Marialva o plan- tio de árvores em nosso próprio terreno, e fazemos a irrigação por meio de um siste- ma que utiliza água do próprio processo industrial, após tratamento. Temos tam- bém lagoas específicas para o tratamen- to físico-químico e biológico dos resíduos gerados na indústria e uma equipe desti- nada para acompanhar os tratamentos de efluentes”, explica Battistella. Segundo ele os resíduos Aromáticos e Halogenados do Laboratório de Passo Fundo, são doados à empresa Recycling – Reciclagem Industrial Ltda, localizada em Caxias do Sul/RS, para recuperação de solvente. Reaproveitamento de madei- ra da indústria moveleira na geração de vapor. Com a produção do biocombustí- vel além de se gerar energia limpa e reno- vável também gera alimento e agrega va- lor na pauta de exportações de produtos industrializados. “A cadeia do biodiesel é ampla, pois resultante do processo de es- magamento das oleaginosas também pro- duzimos farelo, que é matéria prima para a fabricação de ração animal de bovinos, aves, suínos, entre outros. Assim, o seg- mento também contribui para a produção de proteína animal, o que possibilita ex- portar produto pronto e, não somente ma- téria prima aumentando emprego e ren- da em todo o Brasil”diz. Além disso, do ponto de vista social, a BSBIOS apoia fi- nanceiramente entidades que auxiliam a crianças, jovens e adultos. (APAE, Projeto Transformação em Arte, Lar Emiliano Lo- pes, Lar da Criança de Marialva, Institu- to Vicentino do Brasil e Projeto Som da Banda). BSBios e produtores rurais A BSBIOS é detentora do Selo Com- bustível Social e adquire no mínimo 35% de toda sua matéria prima de agricultu- ra familiar por meio de cooperativas que possuem a DAP Jurídica, que é o instru- mento que identifica as formas associa- tivas dos agricultores familiares organi- zadas em pessoas jurídicas devidamente formalizadas. Segundo dados publicados recentemente pelo Ministério do Desen- volvimento Agrário (MDA), a agricultura familiar faturou R$ 2 bilhões com a ven- da de matéria prima para a produção de biodiesel em 2012. A Região Sul é a área com mais participação da agricultura fa- miliar, representando 35% de toda capa- cidade nacional. Em seguida, estão as regiões Nordeste e Sudeste, com 30%, seguida por Centro-Oeste e Norte, com 15%. A soja e a canola estão entre as culturas mais adquiridas. Segundo Battis- tella a BSBIOS fomenta a cultura da ca- nola e garante a compra da produção a preço semelhante ao de soja. Atualmen- te são cerca de 15 mil hectares de cano- la cultivados pelo Programa de Fomento de Canola da BSBIOS e aproximadamen- te 250 produtores entre os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e sul de São Paulo. A expectativa era de que essa área fosse pelo menos 30% maior nesta safra, mas com a falta de sementes no mercado isso não foi possível, mesmo com produtores interessados. A expectativa da empre- sa é superar a casa dos 200.000 ha até 2020, o que permitiria a empresa atender a maior parte da demanda de óleo vegetal para produção de biodiesel desta cultura. Tendo em vista os volumes de grãos consumidos diariamente pelas unidades industriais da BSBIOS, a empresa ainda não utiliza canola para a produção de bio- diesel, pois não há quantidade suficien- te no mercado para abastecer a indústria. Quando avalia-se possibilidades de maté- ria-prima alternativa à soja, utilizada atu- almente, deve-se levar em conta um vo- lume mínimo para atender as demandas, e este volume mínimo ainda está sendo trabalhado pelo Departamento de Fomen- to da empresa para ser alcançado. O vo- lume que se tem hoje seria absorvido em uma semana, e esta utilização torna-se viável com um volume que seja suficien- te para abastecer de três a quatro meses a estrutura industrial, que seria pelo me- nos 50 a 60 mil hectares a mais do que temos hoje.
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL14 Decisões favoráveis aos autores da ação coletiva que segue tramitando na Justiça dão novo ânimo às entidades que cumprem o papel que é primor- dial, defender o produtor rural No dia 29 de setembro, durante a Expointer 2013, os Sindicatos Rurais de Passo Fundo, Sertão, Santiago, Ar- vorezinha e Giruá e a Fetag (Federa- ção dos Trabalhadores Rurais na Agri- cultura) receberão honraria concedida pela Aprosoja RS (Associação dos Pro- dutores de Soja do Rio Grande do Sul) homenageando a coragem de lutarem contra as cobranças abusivas de royal- ties sobre a soja transgênica na moe- ga, praticadas pela multinacional Mon- santo. A ação coletiva organizada por es- ses sindicatos, iniciada em 2009 e com decisões favoráveis aos produtores rurais no TJ-RS e no STF, segue tramitando após recursos da multinacional. Com ela os sindicatos buscam comprovar que a co- brança de royalties na moega é ilegal, indo direta- mente contra o que pressupõe a Lei de Cultivares brasileira. Além dessas entidades, receberão homenagens o presidente do Sindicato Rural de Soledade, Samir Lamaison representando todos os demais sindica- tos que apóiam a ação, o jornalista João Batista Oli- vi, a Rádio Voz do Campo, o advogado Néri Perin e o presidente da Associação de Produtores de Soja, Oleaginosas e Cereais (APS) do Paraguai, Karsten Friedrichsen. Segundo o presiden- te da Aprosoja RS, Ireneu Orth a homenagem foi ini- ciativa das próprias lideran- ças da associação. “Vimos a necessidade de chamar mais a atenção para essas lideranças que, com mui- ta coragem, enfrentam uma empresa multinacional que vem cobrando valores inde- vidos do produtor. Quere- mos novas tecnologias, mas também queremos pagar o que a lei brasileira determi- na”, destaca. O presidente obser- va ainda que a ação abriu os olhos dos produtores de todo o país para a questão. “A maioria dos agricul- tores não enxergava o problema. A lei de Cultivares precisa ser cumprida, onde o produtor paga pela tecnologia no momento em que adquire a semente, assim como funciona com todas as demais empre- sas de tecnologia que atuam no país. Não é justo que a empresa tenha uma participação em nossos resultados”, complementa. Orth destaca ainda que a Aprosoja não partici- pou da ação coletiva, por não estar constituída juri- dicamente na época. “Não conseguimos participar, mas apoiamos intensamente essa atitude de cora- gem, onde essas entidades cumpriram seu papel social, trabalhando em prol dos agricultores de todo o país”, frisa. Luta pelo fim do pagamento de royalties da soja na moega rende homenagem a sindicatos Presidente da Aprosoja RS, Ireneu Orth “É muito bom ter o reconhecimento por um trabalho ao qual nos dedicamos por um longo período, cujo o resultado, ainda que parcial, nos mostra um hori- zonte promissor, ter o apoio de entidades, de inúme- ros produtores tanto de nosso estado como de ou- tros estados, nos encorajam, nos animam, trabalhar cada vez mais pela classe, e principalmente em de- fesa de seus direitos. Os debates acalorados só nos engrandeceram, dos divergentes esperamos que te- nham visto a razão e a legalidade de nossas ações, e que isto resulte em crédito e motivação a todos que com dificuldade ou não tem ações em defesa da classe produtora. Devemos estar unidos e vigilantes em defesa da agricultura e do agricultor brasileiro. Esta homenagem deve ser extensiva a todos os que apoiaram e estiveram juntos na defesa de nossos di- reitos, tanto agricultores bem como a sociedade em geral. A lei de cultivares deve ser preservada e isso nos diz que devemos nos manter unidos e atentos.”. João Batista da Silveira Ex-presidente do Sindicato Rural de Passo Fundo “A nossa revolta surgiu porque cons- tatamos que a entidade que deve- ria lutar pelos nossos interesses, na nossa defesa, não estava fazendo nada e pior, ainda estava apoiando abertamente a multinacional. Isso nos obrigou a entrar com essa ação contra a cobrança indevida do soja na moega que mais tarde compro- vou que aquela cobrança era indevi- da e mais, examinando a lei do país verificou-se que os produtores foram lesados desde o início da cobranças até 2013, quando cessou a cobran- ça, tanto é que na ação original o magistrado decidiu que a multina- cional tem que nos devolver todos o valor que levou indevidamente pela TJLP mais 1%”. Luiz Fernando Benincá Produtor rural “Então presidente do Sin- dicato Rural de Passo Fun- do na época, me preocupei em assinar essa ação, pois víamos que algo de muito errado estava acontecen- do. Tínhamos o interesse de defender o produtor ru- ral como entidade, espe- cialmente porque parte de seus lucros com a produ- ção de soja era destinado à multinacional, o que já fa- zíamos antes, ao adquirir a semente. Temos consciência de que a Monsanto propor- cionou uma nova era na agricultura com a soja transgê- nica e concordamos em pagar por essa tecnologia, mas na semente como fazemos, por exemplo, com o milho desenvolvido por ela”. Jair Rodrigues Presidente da Aprosoja Planalto Médio. “Raras são as oportunidades em que ao advoga- do é dado defender causa tão nobre. Não somos contrários ao lucro e das estratégias das empre- sas para desenvolver seus negócios. Discordamos com o exagero e com as condutas que ferem leis e princípios de boa convivência social. No Brasil as leis estão sendo desobedecidas, padrões extra- legais são impostos pela força do dinheiro e pelo interesse escuso. Quem deveria defender, ataca, agride os interesses dos representados. Os Sindica- tos Rurais (Patronais e dos Trabalhadores) Autores Coletivos, praticaram a verdadeira defesa dos agri- cultores e da sociedade consumidora de alimen- tos. Merecem reconhecimento público, sem dúvi- da. Nós tivemos a honra de provocar a solução. Uma distinção é claro. Mas o mérito é todo do Ju- diciário que deixou o recado: a jurisdição pertence ao Estado e as leis são para serem cumpridas, não para serem adaptadas ao interesse próprio”. Neri Perin Advogado responsável pela ação. DEPOIMENTOS Entenda a história Indignados com as cobranças abusi- vas de royalty sobre a soja na moega que a multinacional Monsanto vinha pratican- do, os sindicatos rurais de Passo Fundo, Sertão e Santiago e posteriormente de Ar- vorezinha, Giruá e a Fetag RS (Federação dos Trabalhadores da Agricultura) entra- ram com uma ação coletiva solicitando a suspensão da cobrança, justificando que ela não cumpre determinações da Lei de Cultivares. Além disso, solicitaram que a empresa devolvesse todos os valores pa- gos nos últimos anos. Na ação, pediram liminar para possibilitar o depósito judicial das taxas tecnológicas e indenizações que foi concedida, mas no valor de 1% do pre- ço da soja adquirida. A Monsanto recor- reu ao TJRS que reconheceu o cabimento da ação coletiva e a legitimidade das en- tidades rurais para propor a demanda ju- dicial, mas negou o alcance nacional das decisões no processo. Também cassou a liminar quanto ao depósito judicial, por en- tender não existir risco de dano irrepará- vel até que o mérito da ação seja decidido. Tanto a Monsanto quanto os sindicatos re- correram ao STJ. O supremo decidiu que a decisão deve atingir todos os produto- res rurais do Brasil que usam a tecnologia. Dessa forma, o processo segue tramitando normalmente na 5ª Câmara Civil do Tribu- nal de Justiça do Rio Grande do Sul.
  • 15INFORME COMERCIAL Sexta-feira, 23 de agosto de 2013
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL16 O principal objetivo do evento: Amé- ricas: Conferência Internacional sobre Utilização de Soja é promover o amplo debate entre a comunidade científica e representantes dos diversos setores de Soja sobre as pesquisas realizadas e os avanços científicos sobre o uso da soja. Segundo Mercedes Concórdia Carrão Panizzi, pesquisadora Embrapa Trigo este evento é uma versão do “Interna- tional Soybean Processing and Utiliza- tion Conference (ISPUC)” que tem sido realizado, a cada 5 anos, em diferen- tes países do mundo (China, Tailândia, Brasil, Japão, India e Estados Unidos), porém o foco desta conferencia é vol- tado para as Américas, onde estão os principais países fornecedores de soja, Estados Unidos, Brasil e Argentina. Es- tivemos participando da organização desses eventos, e achamos que seria interessante organizarmos um evento regional (Américas), facilitando partici- pação de Latinos Americanos. Programação A programação que pode ser vista no site do evento www.icsu2013.com. br compreende todas as áreas de utili- zação de soja, no que se refere a produ- ção, melhoramento genético para melhor qualidade, processamento, alimentação animal, nutrição e saúde, alimentação institucional, e usos industriais não ali- mentares. Inclusive nessa área de usos não alimentares, há inúmeras formas de utilização que numa outra ocasião dis- cutimos por realização Do “Seminário Internacional de Soja - Recurso Renová- vel para Usos Industriais Não Alimenta- res”, no Rio de Janeiro em 2007, numa GPS Tecnologia na agricultura potencializando rendimentos para alcançar a excelência. Tecnologia na agricultura potencializando rendimentos para alcançar a excelência. Américas: Conferencia Internacional sobre a Utilização da Soja promoção da Embrapa Soja e da Ameri- can Oil Chemist´s Society -AOCS. Os países que participarão com pa- lestrantes no evento serão os Japone- ses, brasileiros, americanos e argenti- nos que detém informações e inovações técnicas da área de utilização de soja, comenta Mercedes. O evento será em Bento Gonçalves por questões de cus- tos de organização, e também, por ser a região do vale dos vinhedos poderia ser uma atração. Podem participar des- ta conferencia pesquisadores, professo- res, estudantes, produtores, industriais, ou seja, interessados em processamen- to e utilização de soja. “O evento será de 22 a 24 de outubro de 2013, no Dall´Onder Grande Hotel, em Ben- to Gonçalves, RS. Oportunidade única para interação acadêmica e empreen- dedora, principalmente para os buscam conhecimentos e tecnologias para utili- zação de soja com qualidade”, explica Mercedes. Organização Os organizadores do evento serão as Instituições:Embrapa Trigo, Embrapa Agroindústria de Alimentos e Embrapa Soja, com apoio da CAPES. Importan- te ressaltar que a Presidente do Evento – Mercedes Concórdia Carrão Panizzi, pesquisadora Embrapa Trigo; Vice Presi- dente – Ilana Felberg pesquisadora Em- brapa Agroindustria de Alimentos; Co- missão Técnica – José Marcos Gontijo Mandarino pesquisador Embrapa Soja. internacional
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL 17 Visite nosso estande na EXPOINTER 2013 Ind. de Máquinas Agrícolas ® Plantadeira N°2 Plantadeira N°3 e N°4 Plantadeira para Mudas de Fumo Plantadeira e Adubadeira Fone: (54) 3376-1198 www.fitarelli.com.br Plantadeira e Adubadeira Cabeçalho Longo para Bois Plantadeira e Adubadeira para Cavalos 2 Linhas Plantadeira e Adubadeira 3 Linhas Hidráulica ou Arrasto Plantadeira e Adubadeira 9 Linhas Múltipla Arrasto Plantadeira e Adubadeira 5 Linhas Hidráulica ou de Arrasto Plantadeira e Adubadeira 1 Linha para Micro Trator Máquina Sulcadora e Adubadora Plantio Direto 2 ou 3 Linhas Plantadeira Adubadeira Mecanizada para Pequenos Tratores - Plantio Direto Plantadeira e Adubadeira 5 Linhas Múltipla Hidráulica ou Arrasto Plantadeira e Adubadeira 7 Linhas de Arrasto Plantadeira e Adubadeira 11 Linhas Múltipla Arrasto Plantadeira e Adubadeira Roda Dianteira para Cavalos Plantadeira e Adubadeira para Bois 2 Linhas Plantadeira e Adubadeira 2 Linhas para Micro Trator Plantadeira e Adubadeira de Linhas Individuais Hidráulica ou Arrastão Consultada a Monsanto do Brasil informou que acaba de anunciar o lançamento comercial da nova tecnologia para soja INTACTA RR2 PRO, que combina três soluções em um único produto: resultados de produtividade sem precedentes; to- lerância ao herbicida glifosato proporcionada pela tecnologia Roundup Ready (RR); e controle con- tra as principais lagartas que atacam a cultura da soja que são a lagarta da soja, lagarta falsa medi- deira, broca das axilas, também conhecida como broca dos ponteiros e lagarta das maçãs e supres- são às lagartas do tipo elasmo e do gênero Helico- verpa. Segundo a assessoria de comunicação da Monsanto a tecnologia INTACTA RR2 PRO está sendo disponibilizada aos agricultores brasileiros agora, para o plantio na safra 2013/14. A tecno- logia INTACTA RR2 PRO será a nova plataforma da Monsanto para o lançamento de futuras tec- nologias para soja no Brasil e na América do Sul. Tecnologia RNAi Em fase inicial de pesquisas com RNAi. A Monsanto explica que ainda é cedo para se falar sobre que produtos terá no futuro, pois essa tecno- logia ainda está em fase de desenvolvimento. Se- gundo a assessoria de comunicação da Monsanto RNA significa interferência de RNA. Que é a ca- pacidade natural da célula de examinar as instru- ções contidas no interior da célula e, em seguida, “decidir” se processará as instruções ou não. Con- sequentemente, este processo de instrução pode parar a produção de uma proteína específica, ou rejeitar a produção, assim como um interruptor com uma luz. Duas novas tecnologias, duas novas soluções que com certeza ajudarão o agricultor no campo e na sua produção, informa Monsanto. Monsanto: novas tecnologias em soja tecnologia
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL18 APSUL América I Congresso Sul-Americano de Agricultura de Precisão e Máquinas Precisas Data: 24 a 26 de setembro de 2013 Local: Não-Me-Toque (RS) Informações e inscrições: www.apsulamerica.net www.apsulamerica.net (54) 3332.1621 (54) 3332.3177 Em sua segunda edição, encontro realizado em Não-Me-Toque, volta a debater pesquisa e experiências do campo no final de setembro Congresso reúne especialistas e produtores em torno da agricultura de precisão Terra da Expodireto Cotrijal, uma das maiores feiras de agronegócio da América Latina, Não-Me-Toque é também a capital da agricultura de precisão. A cidade é hoje referência nos assuntos que ligam pesquisa e tecnologias para aprimora- mento nas culturas de plantio. Foi com o objetivo de fortalecer essa relação que, em 2011, surgiu o APSul América – Con- gresso Sul-Americano de Agricultura de Precisão e Máquinas Precisas. Este ano, o evento terá sua segunda edição, a ser re- alizada entre os dias 24, 25 e 26 de setembro. Realizado em parceria com a Universidade Federal de San- ta Maria (UFSM), o Congresso tem entre os destaques de sua programação painéis sobre tecnologias no agronegócio bra- sileiro, produtividade na lavoura de grãos e precisão na dis- tribuição de fertilizantes e corretivos. Entre os palestrantes convidados estão especialistas da UFSM, de São Paulo, do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) da Ar- gentina, além de produtores da região. Os participantes tam- bém terão a oportunidade de participar de oficinas voltadas para manejo, plantio e maquinário, oferecidas durante o en- contro. Em sua primeira edição, o evento realizado no parque da Expodireto, superou as expectativas de público atraindo pes- quisadores, produtores e estudantes de todo o estado. Para a secretária de desenvolvimento de Não-Me-Toque, Margarete Lauxen, o Congresso é uma maneira de afirmar a cidade como referência em agricultura de precisão e na capacitação de pro- dutores. “Um dos maiores objetivos é poder mostrar ao peque- no produtor que ele também pode se utilizar desta tecnologia, que nós não queremos oferecer uma agricultura de precisão somente para o grande e o médio produtor. Para isso, fizemos um trabalho junto ao Sindicato Rural e a Cotrijal”, explica ela. As inscrições para a segunda edição do ApSul América são gratuitas e podem ser realizadas pelo site do evento, no ende- reço www.apsulamerica.net, ou no local. As oficinas, no en- tanto, tem vagas limitadas e necessitam de pré-inscrição no site. Mais informações podem ser obtidas através do e-mail www.apsulamerica.netou na página do congresso no Face- book, com o nome Congresso Sul-Americano de Agricultura de Precisão e Máquinas. Durante o encontro, ocorrerá ainda a formatura da primei- ra turma do Curso Técnico de Agricultura de Precisão, criado em parceria com o Instituto Farroupilha da UFSM, o primeiro da região a ser voltado para a área. pesquisa
  • Especial Sexta-feira, 23 de agosto de 2013 INFORME COMERCIAL 19 Organismos Geneticamente Modifi- cados (OGMs) hoje chega a mesa do consumidor sem maiores resistência. A dez anos legalizado no Brasil o soja transgênico ocupa a maior área em plan- tação, sendo esse dado próximo a 88% da safra em grãos. E para nos falar me- lhor sobre esse assunto Paulo Fernan- do Bertagnolli pesquisador da Embrapa explica que hoje a utilização de trans- gênicos no Brasil, de uma maneira ge- ral, já é aceita como normal, e a pene- tração de cada transgênico vai depender muito da característica que foi incorpo- rada na planta de soja. Segundo ele há uma legislação extremamente rigorosa a ser cumprida e a CNTBio é o órgão res- ponsável pela liberação de novos trans- gênicos. Em sua opinião os transgênicos são uma boa ferramenta de ação se bem estudados e que conferem uma qualida- de de alto valor, seja para o agricultor ou para o consumidor. “São de grande uti- lidade hoje e terão maior valor no futu- ro” diz. Novidades Logo existirá novidades no que se refere aos transgênicos no mercado de soja. A Embrapa pesquisa novos trans- gênicos e também desenvolve novas cultivares com transgênicos já existen- tes no mercado. A busca por novos es- tudos é constante. Segundo Bertagnolli existem muitas opções de transgênicos e cada vez aumentará o número de op- ções. “Hoje temos no mercado brasilei- ro de soja, transgênicos que conferem resistência a insetos e a herbicidas. Logo se terão transgênicos conferin- do resistência a fungos e a nematoides e, futuramente, se terão transgênicos conferindo resistência para uma série de outras características, melhorando a resistência a fatores ambientais ad- versos e com melhor qualidade das ca- racterísticas do grão para consumo hu- mano e animal” explica. Sanidade Novas linhagens de soja resistentes a doenças estão sendo pesquisadas e de- senvolvidas pela Embrapa. Paulo salien- ta que essas linhagens são resistentes a múltiplas doenças, mas principalmente sem serem transgênicos. “Possui variabi- lidade natural da soja”, diz. Por essa razão podemos dizer que a transgenia em uma década nos pro- porcionou uma agricultura mais lim- pa. Pois com ela foi possível diminuir o uso de defensivos agrícolas, trazen- do, portanto benefícios ao meio. Transgênicos: cada vez mais A transgênese ocupa um espaço gigantesco em nossa mesa hoje genética
  • 20 INFORME COMERCIALSexta-feira, 23 de agosto de 2013 Inscrições e informações acesse o site: www.apsulamerica.net Informações: SINDICATO RURAL DE NÃO-ME-TOQUE FONE: (54) 3332-1621 E-mail: apsul2013@hotmail.com Realização: SR Patrocínio: A CAPITAL NACIONAL DA AGRICULTURA DE PRECISÃO CONVIDA: 24, 25 e 26 de Setembro de 2013 Parque da Expodireto Cotrijal Não-Me-Toque Rio Grande do Sul - Brasil Ouro: Diamante: