Powerpoint Sessao 3   Helia Pereira
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Powerpoint Sessao 3 Helia Pereira

on

  • 1,273 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,273
Views on SlideShare
1,273
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
21
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Powerpoint Sessao 3   Helia Pereira Powerpoint Sessao 3 Helia Pereira Presentation Transcript

  • A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto da escola/ agrupamento Apresentação ao Conselho Pedagógico
  • EVERYTHING IN LIFE THAT WE REALLY ACCEPT UNDERGOES A CHANGE KATHERINE MANSFIELD A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • Biblioteca Escolar A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nos alunos competências para a aprendizagem ao longo da vida e estimula a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos responsáveis. IFLA (2002) - Missão da Biblioteca Escolar A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • Sumário 1. O papel e mais valias de auto-avaliação da BE 2. O processo e o necessário envolvimento da escola/agrupamento 3. Domínios do modelo de auto-avaliação 4. A relação com o processo de planeamento 5. A integração dos resultados na auto-avaliação da Escola A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 1. O papel e mais valias de auto-avaliação da BE A ligação entre a biblioteca escolar, a escola e o sucesso educativo é hoje um facto assumido por Organizações e Associações Internacionais que a definem como nucleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola. É, no entanto, em primeiro lugar, importante reconhecer que o papel da biblioteca escolar está condicionado por uma série de factores inerentes à sua estrutura interna, às condições físicas e em termos de equipamentos e de recursos de informação que tem para oferecer, sendo ela própria um sistema integrado e aberto à influência de outros sistemas, a nível micro, meso e macro, com os quais interage. in texto da sessão A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 1. O papel e mais valias de auto-avaliação da BE Existem vários estudos internacionais, entre os quais os Manifestos da Unesco/IFLA e a declaração da IASL, que identificam alguns factores decisivos para o sucesso da missão da BE: Colaboração entre o professor bibliotecário e os restantes docentes na identificação de recursos e no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso dos alunos; A acessibilidade e a qualidade dos serviços prestados; A adequação da colecção e dos recursos tecnológicos. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 1. O papel e mais valias de auto-avaliação da BE Constituem mais valias: A existência de um Professor Bibliotecário e da respectiva equipa, i.e., “learningspecialist” (Ross Todd); Relação directa entre a missão da escola e o trabalho contínuo com professores e alunos, adequando o trabalho da BE aos objectivos educativos e ao sucesso dos alunos; Desenvolvimento de estratégias de cooperação com outras bibliotecas escolares, municipais, etc.; Integração das TIC na BE como suporte às actividades de ensino-aprendizagem. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 2. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento O modelo de auto-avaliação da BE permite: • Facultar um instrumento pedagógico e de melhoria contínua, que possibilite avaliar o trabalho da Biblioteca Escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola/agrupamento e nas aprendizagens dos alunos. • Identificar as áreas de sucesso e as áreas mais fracas, investindo nestas, a fim de obter melhores resultados. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 2. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento A auto-avaliação da BE implica um planeamento e uma estratégia clara e exequível, concretizada em objectivos, acções e metodologias de monitorização do processo, que permitam proceder aos reajustamentos necessários e medir o seu grau de cumprimento. A avaliação não é um fim em si mesma. É um processo que deve facultar informação de qualidade, capaz de apoiar a tomada de decisão. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 2. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento “We who truly believe libraries are central to learning and teaching know that libraries in school must be part of this process.” (Elspeth Scott, 2002) O processo de auto-avaliação deve enquadrar-se no contexto da escola e ter em conta as estruturas com as quais é necessário interagir: Director; Docentes; Alunos; Pais/Encarregados de Educação; Outros agentes. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 3. Domínios do modelo de auto-avaliação A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular B. Leitura e Literacias C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade Educativa D. Gestão da BE A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 4. A relação com o processo de planeamento Etapas do processo: 1. Escolha do domínio a avaliar De acordo com o contexto da escola/agrupamento Iniciativa do Professor Bibliotecário e da equipa Discussão com o Director Apresentação ao Conselho Pedagógico 2. Estabelecer prioridades, tendo em conta A selecção dos indicadores a avaliar A vontade expressa pelos docentes As necessidades dos alunos A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 4. A relação com o processo de planeamento 3. Aplicação de instrumentos de medida Questionários Grelhas de observação a alunos, professores e pais/Encarregados de Educação 4. Gestão de evidências Recolha da informação Gestão e interpretação da informação 5. Comunicação de resultados À escola/agrupamento (Conselho Pedagógico) À RBE (envio do relatório de auto-avaliação) A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 5. A integração dos resultados na auto-avaliação do agrupamento O relatório de auto-avaliação Sintetiza os resultados obtidos e aponta um caminho a seguir na melhoria da qualidade educativa; Origina a recolha de novas evidências; Abre caminho ao aperfeiçoamento de práticas pedagógicas e permite escolher outro domínio a ser trabalhado no ano seguinte. […] O relatório final de auto-avaliação é o instrumento que descreve os resultados da auto-avaliação e que delineia o conjunto de acções a ter em conta no planeamento de actuações futuras a desenvolver. in Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • 5. A integração dos resultados na auto-avaliação do agrupamento Apresentação do relatório de auto–avaliação e do plano de melhoria para discussão e aprovação em Conselho Pedagógico; Elaboração de uma síntese para ser integrada no relatório da avaliação interna, a qual irá permitir à inspecção avaliar o impacto da BE no Agrupamento. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • Conclusão Saber gerir a mudança é um dos maiores desafios que se apresenta à Biblioteca Escolar, assim como: Mostrar à comunidade educativa o valor da BE e qual o seu verdadeiro papel no processo de ensino/aprendizagem. Desenvolver uma cultura de avaliação; Saber elaborar, aplicar e recolher evidências no sentido de avaliar os pontos fortes e fracos. Tentar manter e melhorar as boas práticas bem como alterar o que está menos ajustado. O Modelo de Auto-avaliação constitui, sem dúvida, uma mais valia para a concretização destes grandes desafios. A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento
  • Referências bibliográficas • Texto da sessão.“O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da Escola/Agrupamento”. • Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August. <http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/028-097e.pdf> [17/11/2009] • McNicol, Sarah (2004) Incorporating library provision in school self-evaluation. Educational Review, 56 (3), 287-296. • Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005 <http://www.doug- johnson.com/dougwri/getting-the-most-from-your-school-library-media- program-1.html> [18/11/2009] • Todd, Ross (2002) “School Librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice” 68th IFLA Council and General Conference August, <http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?id=9593 >[12-11-2009] Formanda: Hélia Pereira A integração do processo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar no contexto do Agrupamento