• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
A.Apres.HidroeléTrica.Ppoint
 

A.Apres.HidroeléTrica.Ppoint

on

  • 1,018 views

Resumo sobre hidroelétricas.

Resumo sobre hidroelétricas.

Statistics

Views

Total Views
1,018
Views on SlideShare
1,018
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A.Apres.HidroeléTrica.Ppoint A.Apres.HidroeléTrica.Ppoint Presentation Transcript

    • 1
    • 2
    • 3
    • Colégio Flama. Ensino Fundamental 7ªSérie Componente curricular: Física. Professor: Maurício. 4
    • Componentes: Adriane Vieira Portela Adriano Valério de B. Dourado Allayne Campos Galardo Anna Catharinna da C. Novaes Carlos Magno F. da C. Sobrinho Caroline Cristina Dias 5
    • 6
    • 7
    • Breve relato: Depois da força muscular e dos ventos, em embarcações, a primeira fonte de energia explorada pelo homem para obter energia mecânica foi seguramente a força das quedas d’água. 8
    • Os primeiros usos da energia hidráulica vieram com a “Nora”, a roda d’água horizontal, com acionamento direto e a roda d’água com engrenagens. 9
    • Relatos históricos, ainda sem precisão de datas, informam com muita segurança, que o conhecimento da “Nora” movida à água e do moinho com engrenagens, já estava muito sedimentado no final do primeiro século antes de Cristo. 10
    • Um outro dispositivo primitivo e bem distinto, com poucas referências em relação a sua origem é o monjolo. Utilizado para socar milho, arroz, café e amendoim, o monjolo tem seu uso em nosso país desde a época colonial, sendo encontrado, principalmente, em regiões com disponibilidade de quedas d’água. 11
    • 12
    • 13
    • A importância das rodas d’água na revolução industrial e em todo o desenvolvimento tecnológico, foi um dos fatores que contribuíram essencialmente para o desenvolvimento da indústria, principalmente, a siderúrgica, um dos suportes da revolução industrial. 14
    • As turbinas hidráulicas A máquina a vapor representou grande impulso na revolução industrial. As industrias, antes quase que exclusivamente instaladas junto a quedas d’água, principal força motriz até então, passaram a contar com uma nova propulsão que não dependia mais da localização geográfica, podendo produzir energia em quantidades bem maiores que as que se obtinha até então. 15
    • É incontestável a grande ampliação de alcance que a máquina a vapor trouxe para a indústria, abrindo novos horizontes. Mas seu desenvolvimento não relegou o papel da roda d’água a segundo plano. 16
    • O fato de que as regiões que detinham a produção até então dispunham de importantes fontes de hidroenergia e nem sempre podiam dispor de carvão a preços razoáveis com facilidade, garantiu a continuidade do incentivo ao desenvolvimento dos motores hidráulicos. 17
    • Essa busca por máquinas mais eficientes resultou, por refinamento sucessivo, na turbina hidráulica por Fourneyron, em 1832. Em comparação com os modelos primitivos de roda d’água, a turbina trouxe novos parâmetros de eficiência energética, tamanho reduzido e maior capacidade de aproveitamento da energia potencial das quedas d’água. 18
    • O desenvolvimento das turbinas contribuiu para novas possibilidades de exploração da hidroenergia, permitindo se produzir energia em quantidades muitas vezes superiores com instalações bem menores, além de poder explorar potenciais antes adversos como as quedas de grande altura e baixa vazão. 19
    • A turbina hidráulica ampliou em muito os atrativos da hidroenergia, principalmente para a indústria, que passou a dispor de uma fonte barata e com oferta de grandes potências, sem requerer para isso grandes vazões de água, no caso de haver boa altura de queda. 20
    • Geradores elétricos Estes geradores da represa Bonneville, em Oregon (Estados Unidos), produzem eletricidade através de turbinas movidas a água. 21
    • As hidroelétricas, sistemas de conversão da hidroenergia em energia elétrica, representam grande rendimento e versatilidade. 22
    • 23
    • Usinas hidroelétricas : princípio básico Um corpo, ao cair, ganha velocidade à medida que for caindo, e, com o aumento da velocidade, o corpo vai ganhando energia. Mas não é preciso que a queda seja vertical para que haja ganho de energia, pois num plano inclinado também há aumento progressivo de energia. 24
    • Vertedouro de Itaipu 25
    • Com base neste princípio, o homem construiu as grandes usinas hidrelétricas, que constituem a utilização da energia dos planos inclinados dos rios para a posterior geração da eletricidade. 26
    • Mas, antes disso, e baseado no mesmo processo, os povos antigos construíram as rodas d’água. Atualmente, um quinto de toda energia elétrica do mundo é produzido pelo aproveitamento dos cursos de água. 27
    • Hidrelétrica de Itaipu 28
    • Usinas Hidrelétricas: bases de implementação. O fluxo das águas de um rio não se apresenta o mesmo durante o ano inteiro, sendo influenciado pelas chuvas: aumenta o volume na estação das águas e dá-se o inverso na estação das secas. 29
    • Diz-se, por isso, que a vazão dos rios se modifica de acordo com a estação do ano. Sendo assim, é necessário estudar muito bem o regime de um rio antes de começar a edificação de uma usina. 30
    • Se uma usina hidroelétrica for projetada para trabalhar com vazão mínima, nas cheias ela se inundará e desperdiçará muita água; se, ao contrário, for projetada para aproveitar as cheias, suas turbinas ficarão quase paralisadas no período das secas. 31
    • Os rios mais adequados para a construção de hidroelétricas são os dotados de maiores desvios, mas são justamente estes os mais sujeitos a grandes variações da vazão. Então, para o aproveitamento de rios desse tipo, é necessário regularizar a vazão, a fim de que a usina possa funcionar o ano inteiro, com toda potência instalada. 32
    • A regularização do regime de um rio só é possível com a construção de barragens sólidas, de modo a poder fechar o leito do rio. Nesse paredão as águas vão se acumulando, e, quando o rio está muito baixo ou quase seco, são abertas as comportas conforme a necessidade, obtendo-se dessa maneira uma vazão média constante o ano todo. 33
    • A construção de barragens é útil não só para as hidroelétricas, mas também para a irrigação da área em torno, para fornecimento de água para fins industriais, para alimentação de canais navegáveis e para a criação de peixes. As barragens servem ainda para atenuar as cheias mais violentas, impedindo o rio de alagar as regiões ribeirinhas. 34
    • Usinas Hidroelétricas: resumo do funcionamento. Conforme a entrada do volume de água, ela é desviada penetrando em tubos de grande diâmetro, denominados tubos de carga, através dos quais desce até chegar às turbinas, cujas paletas ela irá movimentar. 35
    • As turbinas em geral são montadas no mesmo eixo do dínamo, de forma que o movimento provocado pela energia mecânica de água no rotor da turbina resultará em eletricidade no gerador. A água depois volta ao rio, através de canais de descarga. 36
    • Usinas Hidroelétricas: impacto ambiental. Antes da uma implementação de um projeto envolvendo a implantação de uma usina, se faz necessário um estudo ambiental sobre o impacto na região. A preocupação com o ambiente vem concentrando atenções nessa fonte de energia renovável. 37
    • Bibliografia: Enciclopédia Barsa – CD ROM. Enciclopédia Encarta – CD ROM. Site: www.members.tripod.com 38
    • Clicar em “ESC” para sair. RETORNAR 39