• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Artes 03 gênesis 1º ano  mesopotâmia - egito - grécia e roma antiga
 

Artes 03 gênesis 1º ano mesopotâmia - egito - grécia e roma antiga

on

  • 7,504 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,504
Views on SlideShare
7,504
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
90
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Artes 03 gênesis 1º ano  mesopotâmia - egito - grécia e roma antiga Artes 03 gênesis 1º ano mesopotâmia - egito - grécia e roma antiga Presentation Transcript

    • Alguns exemplos de zigurate
    • Escultura
      • Representavam o corpo humano de forma rígida, sem expressão de movimento e sem detalhes anatômicos;
      • Pés, mãos e braços ficavam colados ao corpo, coberto com longos mantos; os olhos eram completados com esmalte brilhante;
      • As estátuas conservavam sempre uma postura estática ante a grandiosidade dos deuses.
    • Cerca de 2.750 a 2.600 a.C.
    • Friso de pedra de 3.000 a.C. Descoberto no atual Iraque no templo dedicado a Ninhursag , a deusa do nascimento; São figuras em calcário de sacerdotes sumérios, que parecem estar transformando leite em manteiga.  As figuras esculpidas em baixo-relevo se caracterizavam por um grande realismo.
    • Pintura
      • Na pintura, os artistas se utilizavam de cores claras e reproduziam caçadas, batalhas e cenas da vida dos reis e dos deuses;
      • Como era preciso colocar figuras de três dimensões numa superfície de apenas duas, a imagem sofria processo de distorção: cabeça, pernas e pés eram representados de perfil; o busto, de frente;
      • Essa dissociação recebeu o nome de "lei da frontalidade" e marca todas as épocas da arte mesopotâmica. Um dos raros testemunhos de sua pintura foi encontrado no palácio de Mari, descoberto entre 1933 e 1955.
    • Pinturas encontradas no palácio de Mari - entre 1.800 e 1.700 a.C. -
    • Os famosos jardins da Babilônia
      • Hamurabi, o mais importante rei da Babilônia, tornou-se famoso por ter elaborado o primeiro código de leis escritas de que se tem notícia, o Código de Hamurabi ;
      • As punições previstas pelos Código de Hamurabi variavam de acordo com condição social da vítima e do infrator.
      • Dele se extraiu a Lei de Talião: “Olho por olho, dente por dente...”
      • Trata-se de um monumento monolítico talhado em rocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiforme acádica, com 281 leis em 3.600 linhas;
      • Na parte superior do monolito, Hamurabi é mostrado em frente ao trono do rei Sol Schamasch . Logo abaixo estão escritos, em caracteres cuneiformes acadianos, os artigos regulando a vida cotidiana.
    • música
      • Nas ruínas das cidades desses povos, foram descobertos harpas de 3 a 20 cordas;
      • Na Assíria e na Babilônia, a música tinha importante significação social e expressiva atuação no culto religioso;
      • Foi decifrado por um historiador, um documento musical de Assur , escrito por volta de 800 a.C., em símbolos cuneiformes: era um acompanhamento de harpa, onde se revela uma forma de escrita a duas e três vozes, com base num sistema pentatônico.
      • O canto também tinha ligações com a magia;
      • Há cantos a favor ou contra um nascimento feliz, cantos de amor, de ódio, de guerra, cantos de caça, de evocação dos mortos, cantos para favorecer, entre os viajantes, o estado de transe.
    • Dança
      • A dança também se apoia na magia;
      • Ela é mímica, aplica-se a todas as coisas: há danças para fazer chover, para guerra, de caça, de amor etc;
      • As danças rituais, reproduzidas em cacos de pinturas, mostram filas de mulheres nuas, dando-se as mãos, cabelos ao vento, executando uma dança.
    • Egito
    • Arte egípcia: simbólica por excelência
      • A arquitetura, a pintura e as outras artes, no Egito Antigo, não foram apenas inspiradas pela religião – eram inseparáveis dela.
      • A arte egípcia era, por isso, profundamente simbólica. Todas as representações eram repletas de significados que ajudavam a caracterizar as figuras, a estabelecer níveis hierárquicos e a descrever melhor as situações.
      • A hierarquia social e religiosa traduziu-se, na representação artística, ao serem atribuídos variados tamanhos às diferentes personagens, conforme sua importância na escala social: o faraó, portanto, era sempre aquele representado com a figura maior, dentro de uma cena.
      • Na arte egípcia não havia representação de perspectiva, como concebemos hoje: as figuras eram representadas em duas dimensões e as imagens apareciam em camadas enfileiradas ou então rebatidas para os lados.
      http://www.bepeli.com.br/artes/arte_egipcia/pintura_gravura/agricultura.jpg http://bp2.blogger.com/_SU0ZR2O12OE/Ry8tGRxgWDI/AAAAAAAAADE/e8MGuO9dUFU/s1600-h/jardim+de+nebamun.jpg
    • Leis rigorosas usadas na representação do corpo humano O corpo humano, especialmente o de figuras importantes, era representado utilizando dois pontos de vista simultâneos, de modo a oferecer maior informação e mostrar a dignidade da personagem: os olhos, ombros e tórax eram colocados vistos de frente; a cabeça e as pernas, vistos de perfil. Na arte egípcia, a representação por inteiro da figura humana organizava-se segundo a chamada “regra de proporção”, um rígido quadriculado com dezoito unidades, sendo cada quadro com a medida do seu lado igual à do dedo anular, o que garantia uma repetição rigorosa da forma ideal egípcia, em quaisquer escalas e posições. O artista egípcio apreciava muito as cores. As estátuas, os afrescos, o interior do templos e dos túmulos eram extremamente coloridos. As cores não cumpriam apenas a sua função primária de decoração, mas encontravam-se carregadas de simbolismo. http://www.geocities.com/templosalomao/egito001.jpg http://www.bepeli.com.br/artes/arte_egipcia/pintura_gravura/egipto-2.jpg
    • Arquitetura era monumental
      • Os egípcios foram grandes construtores. Construíram palácios monumentais, templos e túmulos.
      • Para eles o túmulo era o seu castelo para a eternidade e deveria durar para sempre. Por isso usavam, nessas construções, materiais de extrema duração, como a pedra.
      • Já o mesmo não acontecia com suas casas, pois eram feitas de tijolos e precisariam durar apenas uma vida.
      • Até hoje a arquitetura do Egito Antigo – com suas pirâmides e templos – é admirada, pelas dimensões, engenhosidade, criatividade e beleza.
      http://www.bepeli.com.br/artes/arte_egipcia/monumentos_escultura/templo-de-isis.jpg http://www.bepeli.com.br/artes/arte_egipcia/monumentos_escultura/Gize-piramides.jpg
    • A mulher em situação de igualdade com o homem A civilização egípcia , ao contrário de muitas outras civilizações, não via suas mulheres como cidadãs de segunda classe, seres inferiores, ou meros objetos de propriedade dos pais e maridos. Na sociedade egípcia a mulher possuía um status que só foi recuperado muito recentemente na História, sendo tratadas com respeito e igualdade em relação aos homens. http://1.bp.blogspot.com/__d2B9sUpUVU/SR7qL4pVG_I/AAAAAAAABrQ/-y4BiJShjGo/s320/15.bmp http://www.bepeli.com.br/artes/arte_egipcia/pintura_gravura/Djeser-pintura-em-tebas.jpg
    • O artista – s-ankh: o que dá vida
      • Os criadores da Arte egípcia chegam aos dias atuais, em sua maioria, anônimos. O artista egípcio não impunha um sentido de individualidade em sua obra, pois efetuava o trabalho de acordo com a encomenda, raramente assinava o trabalho final e sempre cumpria com as limitações de criatividade impostas pelas regras estéticas.
      • Entretanto, o artista era visto como um indivíduo com uma tarefa divina importante a executar. Para tanto necessitava de contato com o mundo divino para poder receber sua força criadora. Sem isso não seria possível tornar visível, através de sua arte, o conteúdo espiritual, o invisível.
      • O próprio termo para designar este executor, s-ankh , significava, para os egípcios, “aquele que dá vida”!
      http://www.bepeli.com.br/artes/arte_egipcia/deuses.jpg http://www.deborahegito.hpg.ig.com.br/artes.jpg
      • No Antigo Egito, a música e os músicos gozavam de grande prestígio dentro da comunidade. Tanto na música religiosa, quanto na de guerra , assim como na recreativa, os egípcios davam preferência às expressões elevadas e serenas, dando-lhes destaque no culto aos deuses, nos banquetes e cerimônias.
      • A música era praticada em coletividade, inclusive, com a participação feminina.
      • No Egito, a religião exerceu grande influencia na dança, na música como em todas as demais artes. Vinte séculos antes da era cristã, já se realizavam, danças em homenagem ao deus Osíris, deus da agricultura e da fertilidade.
      http://images.uncyc.org/pt/d/d2/Afrescos_Tebas_Egito.jpg Música e dança acompanhavam as cerimônias http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/civilizacao-egipcia/imagens/egito10.jpg
    • http://www.fascinioegito.sh06.com/lutas.jpg No Egito Antigo, a escrita ( hieroglífica ) tinha grande importância no desenvolvimento de atividades de cunho sagrado e no registro do cotidiano. A figura do escriba ocupava uma posição respeitável ao lado de altos funcionários, sacerdotes e generais. Os jovens egípcios, bem cedo, eram introduzidos no conhecimento da escrita e da leitura. Embora se acredite que o povo grego tenha sido o primeiro a praticar e organizar competições físicas, no entanto, as representações de cenas esportivas que aparecem nas paredes das tumbas, templos, obeliscos e vasos, provam que foram os antigos egípcios os precursores de muitos dos esportes praticados atualmente. http://www.brasilescola.com/upload/e/Escrita%20Egipcia%20-%20BRESCOLA.jpg Prática de leitura, escrita e atividade física entre os jovens http://resistir.info/financas/imagens/cuneiform.jpg
    • Higiene e cuidado com o corpo http://www.fascinioegito.sh06.com/barbeiro.jpg Tanto os homens quanto as mulheres do Antigo Egito davam grande valor à aparência física. Hábitos de higiene e cuidados com a aparência ocupavam boa parte do tempo de homens e mulheres. As pinturas nos túmulos mostram o seu cuidado com a moda: perucas, maquilagem e vestuário. Os cosméticos não eram considerados supérfluos, mas uma necessidade do dia a dia e até mesmo profiláticos. O barbear e o depilar eram cuidados frequentes. As mulheres mantinham os cabelos curtos, muitas vezes raspados como os dos homens. Havia também o hábito do banho, e, apesar de os antigos egípcios não conhecerem o sabão, o substituíam por uma solução sódica. A hena era utilizada para escurecer o cabelo, tingir as unhas e pintar o corpo. Damas abastadas possuíam servas que auxiliavam nesses cuidados diários. A nudez não era considerada um tabu, por isso tanto homens quanto mulheres poderiam ser retratados nus, sendo que a nudez parcial revelava nas pinturas, o status social as pessoa. http://www.fatimamarchi.com.br/templates/midia/egito07.jpg
    • Principais deuses Osíris Deus do céu e da terra Ísis A deusa mais popular Anúbis Deus dos mortos Hórus Filho de Osíris Julgava as almas Rá Deus do sol
      • A arte do antigo Egito serve, acima de tudo, a objetivos políticos e religiosos;
      • Para compreender a que nível se expressa a arte egípcia, é necessário ter em conta a figura do soberano absoluto, o faraó;
      • Ele é o representante de Deus na Terra e, é este seu aspecto divino que vai vincar profundamente a manifestação artística.
    • Escultura
      • Os escultores egípcios representavam os faraós e os deuses em posição serena, quase sempre de frente, sem demonstrar nenhuma emoção;
      • Pretendiam com isso traduzir, na pedra, uma ilusão de imortalidade;
      • Com esse objetivo ainda, exageravam freqüentemente as proporções do corpo humano, dando às figuras representadas uma impressão de força e de majestade;
      • Os Usciabtis eram figuras funerárias em miniatura, geralmente esmaltadas de azul e verde, destinadas a substituir o faraó morto nos trabalhos mais ingratos no além, muitas vezes coberto de inscrições.
    • Estátua Ka , uma espécie de alma que os egípcios acreditavam que existia, tanto nos homens, como nos deuses.
    • Rei Quéfren Estátua de Menkauré e Khamerernebti II
    • Um casal com o seu filho (IV Dinastia).
    • A rainha Nefertiti, juntamente com o marido, o faraó Akhenaton, governaram o Egito de 1353 a 1336 a. C, durante a XVIII dinastia. “ com seu esbelto colo e peito radiante tem por cabelos verdadeiro lápis-lazúli; seus braços superam os da deusa do amor e seus dedos são como cálices de lótus. Ela “a de nobres andares” quando pisa a terra faz com que todos se voltem para contemplá-la e é como se contemplassem aquela que é a Única...” Fragmento de um papiro da XVIII Dinastia
    • Tutancâmon Pintura mural no túmulo de Tutancâmon Morreu por volta de 18 anos de idade, em 1352 a.C.
    • Trono de ouro: uma das 5000 peças encontradas na tumba do faraó Tutancâmon
    • GRÉCIA ANTIGA
    • Grécia antiga: Culto ao corpo
      • Entender a corporeidade na Grécia Antiga implica no fazer a leitura do modo de vida dos gregos.
      • O homem grego dava grande importância ao corpo forte e sadio, requisito importante tanto para suas atividades de guerra, quanto para os fazeres de subsistência – a agricultura, e, posteriormente, nas atividades do desportista.
      • Mas o médico grego, Hipócrates (pai da medicina) foi mais além em seus escritos, disseminando a idéia de que os exercícios físicos eram não só benéficos para a saúde dos músculos, mas também para a saúde mental.
      • Esta idéia foi semeada, primeiro entre os gregos e depois entre os romanos, de onde vem “ Mens sana in corpore sano ” (Mente sã em corpo são), frase atribuída ao poeta romano Juvenal, que remonta aos primeiros séculos da era cristã e quase sempre é usada em apologia ao corpo.
      •  
      Figura do atleta - “O discóbolo”
    • Os deuses
      • Os gregos eram politeístas (acreditavam em vários deuses). Seus deuses eram poderosos e imortais, embora tivessem a forma e os sentimentos humanos.
      • Zeus , o filho caçula do Titã Chronos, deus do tempo, destronou o pai e libertou seus irmãos, os quais Chronos havia devorado.
      • Montou então seu domínio, dividindo-o em “setores”, com: Hera sua esposa e deusa dos lares; Demeter, deusa da Terra e agricultura; Apolo, o deus do Sol e da saúde; Artemis - deusa da caça e da Lua (irmã gêmea de Apolo); Atena, símbolo da inteligência e da guerra justa; Hermes, mensageiro dos deuses; Afrodite, deusa do amor e da beleza; Hefesto, deus do fogo e das habilidades manuais; Hades - senhor dos infernos e do mundo subterrâneo; Posidon, deus do mar e das águas; Ares, deus da guerra; Dioniso, deus do vinho, do teatro e da fertilidade; Perséfone, filha de Deméter e esposa de Hades, deusa das colheitas.
      Zeus http://www.myastrologybook.com/Zeus-Jupiter-Jove-Wotan-Thor.jpg Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses. (inscrição do Templo de Delfos)
    • As musas A imagem das musas como inspiradoras das artes mostra a força do legado grego à cultura ocidental. Da palavra μοῦσα ( musa ), derivam as palavras museu (templo consagrado às musas), música e músico. Cada musas era ligada a uma das atividades: Clio (à história); Euterpe (música); Tália (Comédia); Melpômene (Tragédia); Terpsícore (dança); Urânia (astronomia); Érato (poesia lírica); Polímnia (retórica); Calíope (poesia épica). As musas eram filhas de Mnemosine - deusa da memória - e Zeus - deus dos raios e o mais poderoso de todos os deuses gregos. Elas eram representadas como belas e jovens, com vestes esvoaçantes e, cada qual, com um atributo característico nas mãos: uma máscara de tragédia e da comédia (Melpômene e Tália), um instrumento musical (Calíope, Erato ou Terpsícore), um pergaminho (Clio), um globo (Urânia).
    • A música e a dança
      • Os pensadores gregos construíram teorias musicais mais elaboradas do que qualquer outro povo da Antigüidade. Pitágoras, um grego que viveu no século VI a.C., achava que a Música e a Matemática poderiam fornecer a chave para os segredos do mundo. Ele acreditava que os planetas produziam diferentes tonalidades harmônicas e que o próprio universo cantava. Essa crença demonstra a importância da música no culto grego, assim como na dança e nas tragédias.
      • Os gregos usavam as letras do alfabeto para representar notas musicais. Agrupavam essas notas em tetracordes (sucessão de quatro sons). Combinando esses tetracordes de várias maneiras, os gregos criaram grupos de notas chamados modos . Os modos gregos até hoje são usados pelos músicos: Jônico ou Jônio; Dórico; Frígio, Lídeo, Mixolídeo; Eólio; Lócrio.
      • A Grécia representou, na dança, um meio caminho entre as primitivas danças da Pré-história e as da Roma Imperial.
      • A dança coral era parte integrante do teatro, na tragédia e do drama satírico, e se mostrava em filas. Provavelmente, na transição para o espetáculo de dança tenha-se desenhado em uma ligeira marcação circular.
    • O teatro
      • O teatro surgiu na Grécia como decorrência das manifestações que aconteciam a cada nova safra de uva, em forma de procissões, conhecidas na época com o nome de ditirambos , em homenagem ao deus do vinho, Dioniso .
      • Téspis, um dos primeiros organizadores desses ditirambos, introduziu o uso de máscaras nessas manifestações para que, através delas, todas os espectadores pudessem “visualizar” a emoção da cena. Os gregos usavam dois tipos de máscaras em seu teatro: uma para representar a comédia e outra, a tragédia.
      • Os teatros aconteciam em grandes anfiteatros ao ar livre e sempre aconteciam ao amanhecer. O teatro fazia parte da educação de um grego e tinha, para eles, também um efeito catártico (purificação da alma através da arte).
      • Foram os gregos que criaram, no teatro, a Tragédia Grega, que descreve realidades e mitos: histórias de heróis em luta contra o próprio destino e histórias dos deuses, sempre prontos a recompensar a coragem e punir a rebeldia.
      Máscaras gregas da comédia e da tragédia Os trabalhos do herói Perseu com a cabeça da Medusa
    • A arquitetura Parthenon, o mais emblemático dos templos da Acrópole, dedicado à deusa Atena. Ictino e Calícrates foram seus arquitetos e Fídias, escultor e diretor da obra. O período considerado mais importante da cultura e da arquitetura grega é aquele que se desenvolve entre o séculos VII a.C. e IV a.C. Concentra-se na arquitetura religiosa – construção de templos – com grande rigor nas proporções matematicamente precisas, baseadas no número de ouro estudado pelos pitagóricos. As construções foram feitas de mármore. O Parthenon, templo dedicado à deusa Atena, na Acrópole de Atenas, erguido entre 447 a.C. e 438 a.C . , no governo de Péricles, é uma das mais conhecidas e admiradas construções do período. Um traço marcante da arquitetura grega é o uso de colunas, estabelecendo as "ordens" características: dórica, jônica e coríntia. A razão entre a largura e o comprimento do retângulo de ouro foi considerada a proporção mais agradável à visão Esta razão recebeu o nome Número de Ouro dos Gregos, mais especificamente do escultor grego Fidias .
      • Arquitetura como escultura
      • O templo possui valores escultóricos, preocupação como o exterior.
      • Ordens clássicas – dórica, jônica e coríntia.
      • Templos – templos construídos em pedras mas buscando leveza de ornamentos.
      • O fato de serem politeístas e de acreditarem na semelhança entre deuses e homens, criou uma expressão religiosa singular no Mundo Grego, sendo que os templos dos mais variados deuses se espalharam por todas as cidades gregas.
      • Os edifícios públicos também têm importância arquitetônica e refletem as transformações políticas vividas pelas principais cidades gregas, como Atenas.
      • A utilização de colunas de pedra é uma das características marcantes da arquitetrua grega, sendo responsável pelo aspecto monumental das construções.
    • Templo de Atena Niké. Fins do século V a.C. Atenas. É de certa forma a antítese do Partenon. Em seu tamanho diminuto, impõem-se as formas do delicado jônico, a elegância de suas colunas, o primoroso acabamento dos elementos arquitetônicos e de sua ornamentação escultórica. A ordem jônica representa a graça e o feminino.
      • Paternon de Atenas
      • Os templos gregos eram sempre construídos sobre uma base de 4 degraus.
      • Simetria entre o pórtico de entrada e dos fundos.
      • Totalmente em mármore – séc. V a.C.
      A ordem dórica traduz a forma do homem – o masculino
    • Coluna Dórica Coluna Jônica Coluna Coríntia
    • Teatros, que eram construídos em lugares abertos (encosta) Um exemplo típico é o Teatro de Epidauro, construído, no séc. IV a.C., ao ar livre, composto por 55 degraus divididos em duas ordens O teatro grego surgiu a partir da evolução das artes e cerimônias gregas como, por exemplo, a festa em homenagem ao deus Dionísio (deus do vinho e das festas). Nesta festa, os jovens dançavam e cantavam dentro do templo deste deus, oferecendo-lhe vinho. Com o tempo, esta festa começou a ganhar uma certa organização, sendo representada para diversas pessoas. A tragédia e a comédia. Ésquilo e Sófocles são os dramaturgos de maior importância desta época. A ação, diversos personagens e temas cotidianos foram representados nos teatros gregos desta época.
    • Ginásios, edifícios destinados à cultura física – culto ao corpo Olimpíadas: Realizavam-se em Olímpia, cada 4 anos, em honra a Zeus. Os primeiros jogos começaram em 776 a.C. As festas olímpicas serviam de base para marcar o tempo. Praça - Ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos, entre eles; filosofia – democracia.
    • O que mais sobressai da arquitetura grega é:   a ordem (a que cada edifício pertence);   a harmonia das suas proporções: os edifícios não são excessivamente grandes; são construídos à dimensão humana;   o equilíbrio do conjunto apesar da natureza geométrica da planta;   a delicadeza da decoração: presente no canelado das colunas, no adorno dos capitéis, nos relevos dos frisos e do frontão, assim como na utilização de cores garridas que dão luz, brilho e alegria ao conjunto.
    • A escultura
      • Os gregos introduziram o nu na escultura. As proporções ideais das estátuas representavam também a perfeição do corpo humano: a cabeça deveria medir 1/8 da altura do corpo todo.
      • Os gregos b uscaram na vida estabelecer um equilíbrio entre dois pólos do comportamento humano – emoção e razão. Os artistas, por sua vez, procuraram reproduzir em suas obras toda a beleza e o vigor do corpo humano.
      • As estátuas gregas eram policromadas (pintadas com várias cores). Entretanto, hoje, as conhecemos sem suas cores originais, que não resistiram à ação do tempo.
      • E ainda, muitas das estátuas que existem hoje, são apenas réplicas das originais, feitas pelos romanos.
      Afrodite de Milo ( 130 - 100 d.C,) http://bohemianalien.files.wordpress.com/2007/11/venus_de_milo.jpg “ Essa era a maneira de entender daquele povo; eles só puderam conceber o invisível através do visível, sentir e criar a beleza a partir daquela que viam ao redor de si e que abstraíam mediante a luz da mente”.
    • Os períodos da Escultura Período Arcaico
      • Período Arcaico - quando a estatuária ainda mostra muita semelhança com o estilo da estatuária egípcia, com figuras estáticas (sem movimento), geometrizadas, rígidas, e simétricas em relação a um eixo central.
      • Período Clássico - quando a estatuária grega alcança o máximo de sua exuberância e beleza, com figuras apresentando mais movimento, assimetria e maior equilíbrio no conjunto, embora seguindo leis rigorosas de proporção .
      • Período Helenístico - quando a estatuária demonstra mais movimento na representação do corpo, aliando efeitos de panejamento (movimento dos panos da roupa) que dão idéia de transparência e leveza, com o objetivo de despertar emoção no observador.
      Período Helenístico
      • A Escultura Grega
      • O apogeu da escultura também ocorreu no período clássico – século V a.C.
      • As obras ganharam mais realismo
      • A escultura foi largamente desenvolvida na período clássico tanto que posteriormente os romanos dedicaram-se a reproduzí-las.
      • Naturalismo e organicidade – não se trata de realismo – não reproduz totalmente a natureza mas parte dela procurando enobrecê-la, “aperfeiçoá-la”.
      • Mobilidade – suprimindo a rígida frontalidade inicial corpo em repouso com uma virtual mobilidade.
    • Em mármore eram coloridas “ sorriso arcaico”. Ponto de Partida de uma cuidadosa investigação sobre a conformação do nu, a postura, as proporções, as relações entre os diferentes membros e entre a estátua e o ambiente. Inicialmente – Kouros (homem jovem) – influencia da escultura egípcia.
    • Discóbulo de Miron – século V a.C.
    • Evoluindo para a liberdade total de representação do corpo e da anatomia.
      • Escultura Feminina
      • Estilo dos “panos molhados.”
      Representação do homem forte – poder Corpo quente Corpo em movimento Krítios e Nesiotes: Grupo dos Tiranicidas. Cerca de 477-476 a.C. Cópia romana. Nápoles. Museu Nacional Afrodite
      • Grupos escultóricos e relevos
      • ornamentação de templos e outros edifícios religiosos.
      • No Paternon – decoração escultórica.
    •  
    • A pintura
      • Os gregos tinham amplo conhecimento de pintura. E, com ela, os artistas atingiram o ápice dos efeitos realistas, os chamados tromp l’oeil.
      • Entretanto as habilidades gregas na pintura chegaram aos dias de hoje apenas através dos escritos e das pinturas em vasos e objetos domésticos, pois as obras não suportaram os efeitos do tempo e das invasões.
      • Os gregos, através das pinturas nas cerâmicas contaram a história dos seus deuses e heróis e registraram eventos do cotidiano, como as festas, as danças, as conquistas, as guerras, e seus costumes.
      A vida é breve, a arte é perene. Hipócrates
    • O vestuário
      • As roupas usadas pelos gregos eram simples e confeccionadas com linho (para o verão) e lã (para o inverno). Geralmente eram as esposas, filhas ou escravas quem as faziam, quase sempre mantendo a cor original dos fios, mas já adotavam um processo de tingimento dos tecidos.
      • A vestimenta principal dos gregos - o quiton - era um retângulo de tecido semelhante a uma túnica, colocada sobre o corpo, presa nos ombros com broches ou agulhas – fíbulas - e debaixo dos braços, por um cordão. Nos adultos essa vestimenta era longa, até a altura dos tornozelos; já nos jovens, o quiton cobria apenas os joelhos.
      • A vestimenta feminina era ligeiramente diferente da masculina, apresentando cordões e correntes na altura da cintura, e decote acentuado. As mulheres usavam também uma outra roupa como proteção contra o frio - o himation - que cobria o corpo todo. Os filósofos gregos usavam o himation como traje básico.
      • Ornamentos que simbolizavam a cidade-estado de origem, eram aplicados nas roupas das pessoas para identificá-los. O uso de brincos, anéis, correntes, gargantilhas ou outra jóia era restrito às famílias mais ricas.
      Vestido da mulher grega
    • Os cuidados com o corpo
      • A beleza e o asseio do corpo eram, para os gregos antigos, dois requisitos importantes, mesmo a água sendo escassa e os banhos, públicos.
      • As mulheres usavam óleos perfumados e evitavam expor-se ao sol, visto o bronzeado não ser considerado belo na época. Tanto os homens quanto as mulheres gostavam de usar perfumes feitos à base de flores e ervas.
      • É possível que os gregos não tenham conhecido o sabão,  e então limpavam os seus corpos com blocos de barro, areia, pedra pomes e cinzas e, em seguida, os untavam com óleo, raspando seguidamente com um instrumento de metal, chamado strigil , para tirar a sujeira e o suor.
      • Os penteados eram bem diferenciados, com destaque para os cabelos encaracolados e arranjos feitos com ceras e loções. As mulheres mantinham os cabelos longos, adornados com presilhas de metal ou fitas coloridas. Já os homens mantinham os cabelos curtos e conservavam as barbas e os bigodes, se não pertencessem ao exército.
    • A arte romana , referente à época artística do Império romano do ocidente, foi muito influenciada pela cultura da grécia antiga e estende-se do século VIII a.C ao século IV d.C. difundindo-se por diversas expressões artísticas desde a construção de diversas tipologias de edifícios públicos, pintura afresco à escultura, etc
    • Representação de uma batalha em uma fonte romana
    • ARQUITETURA
      • As construção eram de cinco espécies, de acordo com as funções: 1) Religião 2) Comércio e civismo 3) Higiene
      • 4) Divertimentos 5) Monumentos decorativos
    • RELIGIÃO:TEMPLOS
      • Pouco se conhece deles. Os mais conhecidos são o templo de Júpiter , o de Saturno, o da Concórdia e o de César. O Panteão, construído em Roma durante o reinado do Imperador Adriano foi planejado para reunir a grande variedade de deuses existentes em todo o Império, esse templo romano, com sua planta circular fechada por uma cúpula, cria um local isolado do exterior onde o povo se reunia para o culto. 
    • Templos de Júpiter e de Saturno
    • Panteão Romano
    • COMÉRCIO E CIVISMO: BASÍLICA
      • A princípio destinada a operações comerciais e a atos judiciários, a “BASÍLICA”servia para reuniões da bolsa, para tribunal e leitura de editos. Mais tarde, já com o Cristianismo, passou a designar uma igreja com certos privilégios. A basílica apresenta uma característica inconfundível: a planta retangular, (de quatro a cinco mil metros) dividida em várias colunatas. Para citar uma, a basílica Julia, iniciada no governo de Júlio César, foi concluída no Império de Otávio Augusto.
    • Basílica Júlia
    • Higiene: Termas
      • Constituídas de ginásio, piscina, pórticos e jardins, as termas eram o centro social de Roma. As mais famosas são as termas de Caracala que, além de casas de banho, eram centro de reuniões sociais e esportes.
    • Termas
      • Termas romanas em Bath (palavra inglesa para banhos ), Inglaterra. E ruínas de Termas na cidade de
      • Roma.
    • Divertimentos:
      • Circo
      • Teatro
      • Anfiteatro
    • Circus Maximus
    • Teatro Romano
    • Anfiteatro: Coliseu
    • ELEMENTOS DECORATIVOS
      • Arco de Triunfo: pórtico monumental feito em homenagem aos imperadores e generais vitoriosos. O mais famoso deles é o arco de Tito, todo em mármore, construído no Forum Romano para comemorar a tomada de Jerusalém. b) Coluna Triunfal: a mais famosa é a coluna de Trajano, com seu característico friso em espiral que possui a narrativa histórica dos feitos do Imperador em baixos-relevos no fuste. Foi erguida por ordem do Senado para comemorar a vitória de Trajano sobre os dácios e os partos.
    • Arco do Triunfo Romano
    • PINTURA
      • O Mosaico foi muito utilizado na decoração dos muros e pisos da arquitetura em geral. A maior parte das pinturas romanas que conhecemos hoje provém das cidades de Pompéia e Herculano, que foram soterradas pela erupção do Vesúvio em 79 a.C. Os estudiosos da pintura existente em Pompéia classificam a decoração das paredes internas dos edifícios em quatro estilos. Primeiro estilo: recobrir as paredes de uma sala com uma camada de gesso pintado; que dava impressão de placas de mármore. Segundo estilo: Os artistas começaram então a pintar painéis que criavam a ilusão de janelas abertas por onde eram vistas paisagens com animais, aves e pessoas, formando um grande mural. Terceiro estilo: representações fiéis da realidade e valorizou a delicadeza dos pequenos detalhes. Quarto estilo: um painel de fundo vermelho, tendo ao centro uma pintura, geralmente cópia de obra grega, imitando um cenário teatral.
    • ESCULTURA
      • Os romanos eram grandes admiradores da arte grega, mas por temperamento, eram muito diferentes dos gregos. Por serem realistas e práticos, suas esculturas são uma representação fiel das pessoas e não a de um ideal de beleza humana, como fizeram os gregos. Retratavam os imperadores e os homens da sociedade. Mais realista que idealista, a estatuária romana teve seu maior êxito nos retratos.  Com a invasão dos bárbaros as preocupações com as artes diminuíram e poucos monumentos foram realizados pelo Estado. Era o começo da decadência do Império Romano que, no séc. V - precisamente no ano de 476 - perde o domínio do seu vasto território do Ocidente para os invasores germânicos.
    • MOSAICO
      • Partidários de um profundo respeito pelo ambiente arquitetônico, adotando soluções de clara matriz decorativa, os mosaístas chegaram a resultados onde existe uma certa parte de estudo direto da natureza. As cores vivas e a possibilidade de colocação sobre qualquer superfície e a duração dos materiais levaram a que os mosaicos viessem a prevalecer sobre a pintura. Nos séculos seguintes, tornar-se-ão essenciais para medir a ampliação das primeiras igrejas cristãs.