Your SlideShare is downloading. ×
0
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Comportamento do Consumidor
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Comportamento do Consumidor

6,953

Published on

Published in: Business
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
6,953
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
197
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR
  • 2. É comum o problema de varejistas que ignoram quem compra em suas lojas. Por isso, conhecer o que querem os consumidores e como eles tomam suas decisões sobre a compra e a utilização de produtos é fundamental para que as organizações tenham êxito em seu mercado. SHETH; MITTAL; NEWMAN, 2001
  • 3. ENGEL; BLACKWELL; MINIARD, 2000
  • 4. Para Kotler e Keller (2006) , uma vez que o propósito do marketing centra-se em atender e satisfazer às necessidades e aos desejos dos consumidores, torna-se fundamental conhecer o seu comportamento de compra.
  • 5. O indivíduo, como consumidor, sofre influências psicológicas, pessoais, sociais e culturais. Fatores psicodinâmicos internos e externos que atuam sobre o consumidor: Kotler (1998, p.163), Solomon (2002), Schiffman e Kanuk (2000).
  • 6.  
  • 7. Propõem explorar a percepção sensorial dos consumidores para induzi-los a comprar, seduzindo-os através de mensagens que atinjam seu hemisfério direito (da emoção), em contraposição as mensagens que atingem o hemisfério esquerdo do cérebro (da razão). Bernd Schmitt (Colúmbia Business Scholl) e Alex Simonson (Georgetown University) (1998).
  • 8.  
  • 9.  
  • 10. Pesquisa POPAI Brasil - The Global Association for Marketing at Retail, 2004/2005 No Brasil, 81% das compras são decididas no ponto-de-venda. O mercado de Trade Marketing movimentou mais de R$ 2 bilhões em 2005.
  • 11. Hoje o consumidor tem poder de escolha muito maior. Ele vai fazer essa escolha a partir do momento que identificar o melhor ponto-de-relacionamento. O artifício de promoções no ponto-de-venda tende a cair, uma vez que pode fazer muitos consumidores efetuarem uma compra por impulso e depois se arrependerem , seja pela baixa qualidade do produto ou até mesmo pela falta de necessidade, o que pode acabar manchando a imagem daquele item e prejudicando futuras vendas.
  • 12. Apresentar e expor produtos e marcas com destaque no ponto de venda, certificando-se de que é dada ao consumidor a real oportunidade de comprá-los. <ul><li>Deve atrair, interessar, destacar os produtos e informar o consumo; </li></ul><ul><li>Deve ser o responsável pela ambientação da loja, alinhando-a ao posicionamento e estratégia de marketing; </li></ul><ul><li>Deve transformá-la num lugar maravilhoso e muito agradável de estar. </li></ul>
  • 13. Strong, E.K. (1925). “The Psychology of Selling&quot; Há mais de oitenta anos, E. K. Strong propôs o conceito AIDA para explicar os objetivos da comunicação em relação aos passos que levam a uma decisão de compra.
  • 14. Para colocar as perspectivas em um estado receptivo na mente do consumidor, os primeiros minutos da abordagem são cruciais . O promotor tem que ter uma razão, ou uma boa desculpa para realizar a abordagem. A atenção também pode se dar através de uma boa exposição do produto. Strong, E.K. (1925). &quot;Theories of Selling&quot;
  • 15. Strong, E.K. (1925). &quot;Theories of Selling&quot; Deve-se procurar o apelo de venda que é mais provável de ser eficaz. Algumas vezes o consumidor deixa escapar algum sinal onde é possível identificar os seus desejos de consumo , indicando o melhor caminho de uma conversa. Uma abordagem que atende os desejos do consumidor desperta grande interesse.
  • 16. Strong, E.K. (1925). &quot;Theories of Selling&quot; <ul><li>O próximo passo é despertar o desejo de compra que existe no consumidor. Ele até pode reconhecer que tem uma necessidade, porém ainda não é o desejo. </li></ul><ul><li>O desejo é como um incêndio, e pode ser provocado por vários métodos, tais como: </li></ul><ul><li>Mostrando como as outras pessoas aprovam o produto; </li></ul><ul><li>Mostrando-lhes como o que você tem para oferecer irá resolver alguns dos seus problemas. </li></ul>
  • 17. Strong, E.K. (1925). &quot;Theories of Selling&quot; O consumidor realiza a compra ou simplesmente concorda com todos os argumentos do promotor. O promotor deve identificar os sinais enviados, perguntas sobre o pós-venda ou formas de entrega são bons indicadores. Deve-se evitar perguntas do tipo “ sim ” ou “ não ”, isso pode bloquear a decisão de compra. São mais indicadas perguntas do tipo “ Você quer o vermelho ou o azul? ”.
  • 18. Strong, E.K. (1925). &quot;Theories of Selling&quot; Construir significa dar início ao processo de satisfação, agradecendo a decisão e acompanhando-o até o final do processo de venda. Em alguns casos uma simples ligação para o cliente, dias após a compra pode contribuir para o processo de construção da satisfação da compra.
  • 19. NOV 03 - 2009

×