Your SlideShare is downloading. ×
0
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula- O que é Espiritismo?

3,207

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,207
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
93
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PRECE INICIAL
    PAZ DO DIA – LORIVAL LOPES
    LEITURA DO DIA 02 DE ABRIL DE 2011.
    PONHA ORDEM EM SI MESMO.
    EM TUDO HÁ QUE SE TER ORDEM E DISCIPLINA. NO LAR, DEVE HAVER RESPEITO E AMOR; NA EMPRESA, DISCIPLINA, TRABALHO E ORGANIZAÇÃO; NA SOCIEDADE, LEIS DE ACORDO COM OS ANSEIOS DOS CIDADÃOS.
    DA MESMA FORMA CULTIVE A ORDEM NO SEU CAMPO INTERNO.
    SE VOCÊ DEIXA O PENSAMENTO SOLTO, SEM DIREÇÃO, ISSO TRAZ DESORDEM, CONFUSÃO, DESORIENTAÇÃO. PARA PRODUZIR-SE A ORDEM INTERNA, OBSERVE O QUE O É OU NÃO PRODUTIVO, O QUE É OU NÃO NOCIVO, O QUE SE PODE OU NÃO EMPREGAR. E TENHA SEMPRE ESPERANÇA DE FELICIDADE.
    A SUA ORDEM INTERNA DÁ ORDEM AO QUE LHE É EXTERNO.
  • 2. DINÂMICA 01
    PASSÁROS NO AR
    Objetivo: Revitalizador de atividade
    Salientar a necessidade de desenvolver a escuta, como instrumento efetivo de comunicação, favorecendo as relações de modo geral.
    Destacar a importância da concentração através da escuta, para melhor compreensão no recebimento e também transmissão de informações.
    Material: Não há.
    Tempo: 15 minutos
    Instruções: grupo em círculo, sentados;
    Método: Cada vez que mencionar o nome de um pássaro, todos devem erguer a mão direita e fazê-la flutuar, imitando um pássaro em vôo. Se mencionar um grupo de pássaros, ambas as mãos deverão flutuar. Se mencionar um animal que não voe, deverão ficar imóveis, com as mãos sobre os joelhos; quem errar sai do grupo e colabora com o facilitador na fiscalização
    Exemplo:
    “Esta manhã levantei-me cedo. O dia estava magnífico. O sol de primavera animava toda natureza e os pássaros (duas mãos) cantavam sem cessar.
    Ao abrir a janela do quarto, um pardal (mão direita), sem cerimônia, invadiu a casa, pondo o gato (mãos no joelho) em polvorosa.
    O papagaio (mão direita) que estava no jardim de inverno irritou-se com a correria do gato (mãos nos joelhos) e pôs-se a berrar, assustando os canários (duas mãos), que tranqüilamente cantavam em suas gaiolas. O pardal (mão direita) acabou saindo pela janela de onde entrou, deixando o gato (mãos nos joelhos) mais tranqüilo que foi brincar com o cachorro (mãos nos joelhos) já resignado com perda de seu pardal (mão direita) que planejava ter para o café da manhã. Sucessivamente acalmaram-se o papagaio (mão direita) e os canários (duas mãos). Continuando a contemplar a natureza, observei que se aproximou de um lindo vaso de flores um beija flor (mão direita). Ai pensei comigo, vai começar tudo de novo. O gato (mãos nos joelhos) felizmente, nesta altura se mantinha concentrado brincando com o cachorro (mãos nos joelhos) e não percebeu a aproximação do beija flor (mão direita). O papagaio (mão direita) se divertia com uma corrente pendurada em sua gaiola e os canários (duas mãos) cantarolavam mais tranqüilamente em suas gaiolas, saldando o lindo dia que iniciava...”
  • 3. AULA – DIVISÃO DOS GRUPOS
  • 4. TEXTO DO GRUPO 01
    Os precursores da Doutrina Espírita    
    Texto para leitura
     Os fenômenos cujos estudos resultaram na estruturação da Doutrina Espírita não eclodiram apenas numa data determinada. As interferências das forças exteriores inteligentes têm ocorrido desde os tempos imemoriais, durante todo o curso da História até o advento da 3a Revelação no Ocidente, com Kardec. Um fato, porém, que merece destaque, como um marco precursor, são os fenômenos ocorridos com sensitivos como o grande vidente Emmanuel Swedenborg e Andrew Jackson Davis.  
    Os fatos atinentes às revelações dos Espíritos ou fenômenos mediúnicos remontam à mais remota antiguidade, sendo tão velhos quanto o nosso mundo, e sempre ocorreram em todos os tempos e entre todos os povos. A História, a esse respeito, está pontilhada de fenômenos de intercomunicação espiritual. A Bíblia mesma nos mostra Saul conversando com o Espírito de Samuel e Jesus recepcionando as visitas dos Espíritos de Elias e Moisés materializados.  
    As evocações dos Espíritos não se situaram apenas entre os povos do Ocidente, ocorrendo com larga freqüência no Oriente, como se observa dos relatos do Código dos Vedas e do Código de Manu. Esclarece-nos Louis Jacolliot que, em épocas bastante recuadas no tempo, os padres iniciados nos mosteiros preparavam os faquires para evocação dos mortos, com a obtenção dos mais notáveis fenômenos. O missionário Huc refere-se a grande número de experiências de comunicações com os mortos registradas na China
    Na Idade Média destaca-se a figura admirável de Joana d'Arc, a grande médium, que se recusou a renegar as vozes espirituais e por isso foi supliciada e levada à fogueira.  
    O surgimento do Espiritismo foi predito por Davis em seu livro "Princípios da Natureza", de 1847. Conan Doyle assevera que, para nós, "o que é importante é o papel representado por Davis no começo da revelação espírita. Ele começou a preparar o terreno, antes que se iniciasse a revelação. Estava claramente fadado a associar-se intimamente com ela, de vez que conhecia a demonstração de Hydesville, desde o dia que ocorreu".  
     
    Questões para debate
    O Espiritismo sempre existiu?
    Há notícias de idéias espíritas antes de Kardec?
    Mencione dois fenômenos citados na Bíblia que se refiram a comunicações dos mortos.
  • 5. TEXTO DO GRUPO 02
    As três revelações
    1ª REVELAÇÃO:
    MOISÉS era um judeu criado na corte egípcia como príncipe. Certo dia, movido por incrível força interior, rompe com a sua corte e empreende longa e árdua luta para libertar seu povo do jugo egípcio. Levou então o seu povo para atravessar o deserto, demorando-se ali durante 40 anos. Durante esta travessia, ele recebeu Os 10 Mandamentos, um dos primeiros códigos morais da humanidade, conseguidos através de suas faculdades mediúnicas. No conjunto das leis implantadas por Moisés, é necessário distinguir duas partes distintas: a Lei de Deus, recebida no Monte Sinai e as leis civis e disciplinares. A Lei de Deus é eterna e imutável, perfeita; as outras leis eram apropriadas aos costumes e ao caráter do povo. Eram um conjunto de leis que deveriam servir apenas a uma época, pois o povo era muito indisciplinado, e precisava ser tratado com mais rigor. Por isso instituiu a “Lei de Talião”, conhecida como “olho por olho, dente por dente”, que impunha ao agressor a mesma pena que tinha feito o outro sofrer.
    Desta forma, Moisés e sua lei impuseram e fixaram, definitivamente o monoteísmo, a crença num Deus único e imaterial, noção que o povo custou a observar, mas que se manteve para sempre.
    2ª REVELAÇÃO:
    Jesus Cristo: “Eu não vim destruir a lei, mas apenas dar-lhe cumprimento”, disse Jesus”
    Jesus nasceu no meio de um povo orgulhoso e endurecido, hipócrita, mas que já tinha inteligência e capacidade de entender as coisas.
    Ele veio ensinar aos homens que a verdadeira vida não está na Terra, mas no Mundo Maior, que ele simbolizou como o Reino de Deus (“Meu reino não é deste mundo”)
    Entretanto, não disse tudo, limitando-se a lançar o gérmen de verdades que, segundo Ele próprio o declarou, ainda não podiam ser compreendidas.
    Ele prometia a bem-aventurança aos pacificadores e aos mansos. Recomendou que se perdoasse o inimigo não apenas sete vezes, mas setenta vezes sete.
    Entretanto, Jesus nos revelou um Pai diferente, um Pai de infinito amor e misericórdia, soberanamente justo e bom, que ama a todos sem distinção.
     
  • 6. 3ªREVELAÇÃO: O Espiritismo
    Jesus disse que não deixaria a Humanidade órfã, que enviaria o Consolador, o Espírito da Verdade, a fim de restabelecer, no seu devido tempo, todos os seus ensinamentos, quando o homem estivesse mais preparado para recebê-lo:
    “E eu rogarei a meu Pai e Ele vos enviará outro consolador a fim de que fique eternamente convosco”.
    “Porém, o consolador que é o Santo Espírito que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará recordar tudo que vos tenho dito”. (João 14:16 – 26)
    João 15:16
    “Quando vier porém aquele Espírito da Verdade, ele vos ensinará todas as verdades, porque não falará de si mesmo: mas dirá tudo o que tiver ouvido e anunciar-vos-á as coisas que estão para vir”.
     
    CARACTERÍSTICAS DA TERCEIRA REVELAÇÃO
     
    1. VERDADE:
    A verdade que a Doutrina Espírita traz:
    imortalidade da alma ,invididualidade(levamos para outras vidas nossas virtudes e imperfeições e vamos progredindo) gradação evolutiva : assim como a Natureza não dá saltos, nós também vamos nos melhorando aos poucos, passando do rudimentar ao sábio;
    mundo espiritual : os dois mundos se interpenetram
     
    2. ORIGEM DIVINA:
    A Doutrina Espírita é de origem divina.
     
  • 7. 3. IMPESSOAL:
    Não há uma figura central na terceira revelação. Na primeira foi Moisés; na segunda foi Jesus. Na terceira não é Kardec, ele apenas codificou o ensino dos Espíritos.
     
    4. INICIATIVA DOS ESPÍRITOS:
    Nós, os encarnados, não podemos provocar o fenômeno mediúnico (o telefone só toca de lá para cá)
     
    5. COLETIVA:
    Milhares de médiuns receberam as comunicações de vários Espíritos em várias partes do mundo. É a falange do Espírito de Verdade. Se fosse um único Espírito a se comunicar por um único médium, seria uma opinião própria.
     
    6. CONCORDÂNCIA:
    Todos os ensinamentos que chegaram das diferentes partes do mundo eram absolutamente concordantes, falavam a mesma coisa.
     
    7. PROGRESSIVIDADE:
    O Espiritismo caminha sempre com o progresso e jamais será ultrapassado. Segundo Kardec: “A Doutrina Espírita dá a primeira palavra, mas não a última”.
    A Doutrina Espírita vem, portanto nos responder as grandes questões filosóficas da humanidade por exemplo:
    De onde viemos? O que somos? Por que sofremos? Para onde vamos? O que estamos fazendo aqui?
  • 8. TEXTO DO GRUPO 03
    Irmãs Fox e Mesas Girantes
    FAMÍLIA FOX:Hydesville é um vilarejo próximo a cidade de Rochester no condado de Wayne; no Estado de Nova Iorque, Estados Unidos; é considerado como o berço do Novo Espiritualismo, ou seja, o Espiritismo dos povos de língua inglesa. Numa casa humilde, alugada em 11 de dezembro de 1847, vivia a família protestante composta de John Fox, sua mulher Margareth e suas filhas menores, Margareth de 14 anos e Caterine (Kate) 11 anos. Em 1848 foram surpreendidos por barulhos de arranhaduras e estes se intensificaram à medida que o tempo se passava, as crianças se assustavam de tal maneira que não queriam mais dormir sozinhas.
    Finalmente a 31 de março de 1848 houve grande invasão de sons e Kate resolve desafiar o mistério, travando um diálogo através de palmas. A cada palma de Kate era dada a resposta com pancada correspondente. A menina então perguntou se as pancadas estavam vindas de um Espírito; se fosse deveriam ser dadas duas batidas. A resposta foi afirmativa. Estabeleceu-se assim neste dia a telegrafia espiritual. Um vizinho dos Fox, de nome Duesler, usando o alfabeto para obter respostas mais rápidas consegue saber que ali houvera um crime.
    Entretanto, este episódio não teve como finalidade a punição do culpado, pois a finalidade destes fenômenos era convencer a todos da imortalidade da alma.
    Grande número de adeptos da nova crença fizeram realizar em Rochester a 1ª. Reunião Pública para investigar a veracidade dos fenômenos. Mas é preciso admitir a envergadura moral do casal Fox que, embora renegados pela igreja a que pertenciam, preferiram renunciar a negar os fenômenos espíritas, ou a abdicar da verdade de que foram testemunhas.
  • 9. AS MESAS GIRANTES:
    A publicidade que se formou em torno das irmãs Fox teve também o mérito de chamar a atenção para o grande número de médiuns que começaram a sair do anonimato e a revelar suas faculdades, estimulados pelos acontecimentos de Hydesville.
    Ocorreu assim, paulatinamente, a anunciada invasão dos Espíritos que se manifestavam em toda parte, pelos mais diferentes médiuns. Foi em fins de 1850 que os próprios Espíritos sugeriram a nova maneira de se comunicarem, em substituição ao processo moroso das pancadas. Esses fatos apresentados aos olhos de pesquisadores honestos, sugeriam de forma drástica e inquestionável a existência do Espírito.
    Mas, as respostas dos Espíritos às perguntas frívolas dos participantes movidos mais pela curiosidade do desconhecido, passaram a constituir motivo de grande interesse, mesmo porque as mesas moviam-se em todos os sentidos, giravam vertiginosamente ou se elevavam no ar alcançando o teto, produzindo os mais variados movimentos. Daí em diante as mesas girantes passaram a constituir a grande atração nos salões da sociedade parisiense, como se tais fenômenos fosse meros passatempos.
    Na verdade era uma determinação do Alto, despertando consciências para a imortalidade da alma e para o recebimento do Consolador, prometido por Jesus há muitos séculos e consubstanciado no Espiritismo que logo seria codificado, pois os tempos eram chegados.
  • 10. TEXTO DO GRUPO 04
    Allan Kardec
    Hiippolyte Leon DenizardRivail nasceu numa família de professores na cidade de Lião, na França, no dia 3 de outubro de 1804 . Iniciou seus estudos em Lião, e depois foi completa-los em Yverdun, na Suíça, no educandário do famoso Prof. Pestalozzi, que foi o criador de um sistema de educação revolucionário, que influiu enormemente na reforma do ensino na França e na Alemanha. Tornou-se professor nesta escola, substituindo o Professor Pestalozzi sempre que ele viajava para implantar seu método em outros países. Muito culto, formou-se em letras e doutorou-se em medicina. Falava corretamente alemão, inglês, italiano, espanhol e holandês. Casou-se com a senhorita AmélieBoudet, também professora, pertencentea rica e tradicional família, nove anos mais velha que ele. Publicou várias obras, que eram adotadas pela França, vendendo muitos livros e com isso conseguindo uma boa renda. Em 1854, Rivail ouviu falar pela primeira vez nas mesas girantes pelo Sr. Fortier, um velho conhecido que era magnetizador. Rivail não achou o fato impossível, porque “o fluido magnético, que é uma espécie de eletricidade, pode perfeitamente atuar sobre os corpos inertes e fazer que eles se movam”.
    Um dia, o Sr. Fortier lhe contou que estas mesas não apenas giravam, mas também falavam! “Isto agora, respondeu-lhe o Prof. Rivail, é outra questão. Só acreditarei quando vir e me provarem que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir e que possa tornar-se sonâmbula. Até lá, permita que eu não veja o caso mais do que um conto para fazer-nos dormir em pé “. No início do ano de 1855, Rivail encontra-se com um amigo de infância, Sr. Carlotti, que falou desses fenômenos com muito entusiasmo, contando-lhe sobre a intervenção dos espíritos. Muito impressionado, ele aceitou o convite para assistir as experiências que se realizavam em casa da Sra. Plainemaison. A reunião foi marcada para uma terça-feira de maio, às oito horas da noite. Ao testemunhar aqueles estranhos fenômenos, Rivail viu neles qualquer coisa de sério, que merecia ser estudado a fundo. Passou então a freqüentar as sessões experimentais da Sra. Plainemaison. Numa delas, travou conhecimento com o Sr. Baudin, que possuía duas filhas médiuns convidando-o a assistir às sessões semanais que se realizavam na sua casa.
  • 11. Foi nessas sessões, em que as duas jovens Baudin atuavam como médiuns, que o professor Rivail iniciou seus estudos sérios de Espiritismo, não se atendo exclusivamente às revelações dos Espíritos, mas estruturando essa nova ciência mediante a aplicação do método experimental, remontando dos efeitos às causas. Ele mesmo escreveu depois: “Das primeiras conclusões de minhas observações foi constatar que os espíritos, sendo apenas as almas dos homens, não possuíam nem a soberana sabedoria, nem a soberana ciência; seu saber era abstrato ao grau de sua evolução; e que a opinião que emitissem tinha apenas o valor de uma opinião pessoal.
    Somente o fato da comunicação com os espíritos já constituía um ponto capital, a chave de uma grande quantidade de fenômenos desconhecidos. Logo observei que cada Espírito, em virtude de sua posição pessoal de seu conhecimento, esclarecia-me uma fase desse mundo.”
     
    Durante cinco anos, Rivail compilou cinqüenta cadernos de diferentes comunicações, sem ordem. O editor Didier o convenceu a colocar todas as anotações em ordem.
    Um dia, seu espírito protetor lhe disse que o conheceu em uma vida anterior e que naquela época ele se chamava Allan Kardec, sugerindo-lhe que adotasse este nome na autoria dos seus trabalhos como o Codificador do Espiritismo.
    Allan Kardec faleceu com sessenta e cinco anos, em 31 de março de 1869, de aneurisma.
    Em seu túmulo, está inscrita a seguinte frase: “Nascer, morrer, renascer e progredir sempre. Esta é a lei”
     
    PRINCIPAIS OBRAS:
    O Livro dos Espíritos (18 abril 1857)
    O Livro dos Médiuns ( janeiro de 1861)
    O Evangelho segundo o Espiritismo ( 20 agosto 1864)
    O Céu e o Inferno (1º outubro 1865)
    A Gênese (janeiro de 1866)
    Revista Espírita – jornal de estudos psicológicos, publicação mensal iniciada em 1º de janeiro de 1858.
    Obras Póstumas (publicado após sua desencarnação)
     
    Allan Kardec fundou em Paris em 1º de abril de 1858 a primeira sociedade espírita regularmente constituída, sob o nome de Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, com o objetivo exclusivo do estudo de tudo o que pudesse contribuir para o progresso da nova doutrina.
     
  • 12. TEXTO DO GRUPO 05
    Doutrina Espírita ou Espiritismo
       O que é
    É o conjunto de princípios e leis, revelados pelos Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec que constituem a Codificação Espírita: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.
    “O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal.”   Allan Kardec (O que é o Espiritismo – Preâmbulo)
    “O Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: conhecimento das coisas, fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai para os verdadeiros princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança.”   Allan Kardec (O Evangelho segundo o Espiritismo – cap. VI – 4)
       O que revela
    Revela conceitos novos e mais aprofundados a respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos Espíritos e das Leis que regem a vida.
    Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde vamos, qual o objetivo da nossa existência e qual a razão da dor e do sofrimento.
       Sua abrangência
    Trazendo conceitos novos sobre o homem e tudo o que o cerca, o Espiritismo toca em todas as áreas do conhecimento, das atividades e do comportamento humanos, abrindo uma nova era para a regeneração da Humanidade.
    Pode e deve ser estudado, analisado e praticado em todos os aspectos fundamentais da vida, tais como: científico, filosófico, religioso, ético, moral, educacional, social.
  • 13. Seus ensinos fundamentais
    Os princípios Básicos do Espiritismo
     
    A existência de um Deus único, que é o criador, causa primaria de todas as coisas. A Suprema Inteligência do Universo, eterno, imutável, imaterial, onipotente, soberanamente bom e justo.
     
    A Imortalidade dos Espírito-A alma sobrevive ao corpo. Varias existências são necessárias para o aperfeiçoamento do Espírito. Esse processo evolutivo deve realizar-se individualmente, pelos seus próprios esforços. Como espíritos já existíamos antes do nascimento e continuaremos a existi depois da morte do corpo físico.
     
    Reencarnação-Criado sem nenhum conhecimento, o espírito reencarna para reaprender, o que não conseguiu na outra vida, ele é dotado de livre arbítrio, ou seja, capacidade de escolher entre o bem e o mal. Tem a possibilidade de desenvolver-se como um aluno na escola. Pelo mecanismo da reencarnação, aprendemos que Deus não castiga. Somos nós os causadores dos próprios sofrimentos pela lei de Ação e Reação ou Causa e Efeito.
     
    Lei de Causa e Efeito-Os bloqueios, as faltas cometidas em vidas passadas, retornam à vida presente, para que haja reparação e reformulação de atitudes e atos mais elevados.
     
    A comunicação dos espíritos-Os espíritos desencarnados continuam sendo como eram quando encarnados: Bons ou maus, sérios ou brincalhões, trabalhadores ou preguiçosos, cultos ou medíocres, verdadeiros ou mentirosos. Eles estão por toda parte. Através dos denominados médiuns, o espírito poderá comunicar-se conosco, se puder e permitir o médium.
     
    Evolução – O ponto de partida de todos os Espíritos é o mesmo: foram criados simples e ignorantes, mas, propensos à evolução. Essa evolução requer aprendizado e o espírito somente poderá alcançá-la encarnando várias vezes no mundo, quantas vezes forem necessárias, para adquirir mais conhecimentos, através das múltiplas experiências terrenas. O progresso adquirido pelo espírito não é apenas intelectual, mas, sobretudo moral.
    Todavia, nem todas as encarnações verificam-se na Terra. Existem mundos superiores e inferiores ao nosso. O planeta Terra é um Mundo de Provas e Expiação, porém está no momento passando para um planeta de Regeneração.
     
     
  • 14. DINÂMICA 02
    Guerra de valores
    Os jornais estão nas bancas. Em frente a eles, uma multidão de homens, interessada em saber as últimas noticias. Vamos a elas:
     
    Manchete I: três adolescentes matam professora por causa de repreensão na escola.
    Execução feita com arma de calibre grosso, acompanhada de pancadas na cabeça da vítima. A repreensão feita pela professora foi verbal, com a energia controlada pelo bom senso que deve caracterizar um educador.
     
    Manchete II: Aumentam casos de gravidez entre menores de 15 anos.
    Dura realidade, essa. De um lado a indústria da beleza construindo verdadeiras semideusas da perfeição estética, ainda que com 13, 14 anos, em plena imaturidade para tudo, entregando-as sem preparo ao mercado da moda, da vaidade e da sensualidade, e de outro, profundas vinculações de uma sociedade marcada pela cultura machista, que autoriza o homem a sair à caça, transformando a mulher em presa fácil da sedução.
     
  • 15. Manchete III: Vereadores são cassados por envolvimento com máfia da propina. Mais uma vez, o povo é prejudicado, pois os recursos da propina provêm do dinheiro pago pelo povo de impostos.
     
    Manchete IV: Presidentes dos países mais ricos não entram em acordo sobre ajuda às populações massacradas pelos bombardeios. (Para fugirem da guerra governo do país retira meninos de casa). Choraram ao ter que partir, deixando seus pais e casas para fugirem da guerra. Depois que a guerra acabou alguns que sobreviveram voltaram para casa e só encontraram destroços. Apenas alguns pedaços de brinquedo predileto, o retalho da roupa da irmã, estuprada e morta durante a faxina étnica, a parede da cozinha jogada ao chão por um míssil que errou o alvo.
    Não longe dali, no calor das duras horas do cotidiano, continua outra batalha, a dos anônimos cidadãos comuns, coautores da atmosfera psíquica coletiva, com seus sentimentos, pensamentos e atos.Todos contribuindo para o concerto ininterrupto da sinfonia ainda desafinada da Humanidade.
  • 16. ANEXO II
    Texto de Apoio – para o evangelizador
    O que a Doutrina dos Espíritos tem a dizer sobre estas Manchetes?
     
     
    Manchete I – reflexão espírita (reencarnação): a vida é um conjunto divino de experiências.
    Somente Deus dá a vida, somente ele pode tirar. A possibilidade de uma reencarnação não se conquista com facilidade. É resultado de longa busca de merecimento próprio, aliada às concessões generosas da misericórdia divina. Há mecanismos previstos na Lei que garantem a qualquer criatura o desempenho de uma encarnação vitoriosa, mesmo em situações socioeconômicas difíceis. Se assim não fosse, não encontraríamos grandes exemplos de superação e dignidade dentro de comunidades pobres. Por isso, aprender a valorizar a própria existência, respeitando integralmente a dos outros, é fundamental para o homem.
     
    Manchete II – reflexão espírita (o espírito não tem sexo): temos que respeitar o nosso próximo, seja ela do mesmo sexo que o nosso ou não, visto que o Espírito não tem sexo, podemos nascer como homem numa vida e numa outra como mulher. Portanto, que o(a) garoto(a) prestes a entrar na adolescência seja educado(a) a ver desde já o(a) garoto(a) bonitinha(o) da escola ou do shopping não como uma possível conquista, a fim de confirmar sua masculinidade (feminilidade) junto ao grupo de colegas, mas como uma bela oportunidade de viver o inicio de valiosas experiências afetivas. Que o rapaz/moça, no vigor de suas energias sexuais, consiga entender que a moça/rapaz, aparentemente sozinha na danceteria ou na festa, não deve ser vista como presa fácil, mas sobretudo como um ser, filho de Deus, que assim como ele também busca a felicidade.
  • 17.  
    Manchete III – reflexão espírita (livre-arbítrio): somos espíritos livres, podemos escolher que atitudes devemos tomar em nossas vidas. Temos, portanto o livre-arbítrio. Mas vamos ter que prestar contas das nossas atitudes. Se plantamos boas sementes, vamos colher bons frutos, senão, colheremos maus frutos, ou seja, dor e sofrimento.
     
    Manchete IV – reflexão espírita (somos todos irmãos e Fora da caridade não há salvação):ao ajudar o próximo, estamos ajudando a nós mesmos, senão nesta vida, na próxima. Pois colheremos no futuro o que plantamos hoje. Deu no jornal, que uma criança foi jogada de uma ponte em um rio, caindo de uma altura de 10 metros, um engraxate que estava passando no local naquele instante, pulou no rio e salvou a criança, ao ser entrevistado pela TV o engraxate disse: ―naquele instante só pensei em salvar aquela criança, que poderia ser a minha filha.
  • 18. REFLEXÃO
    “SE SEUS SONHOS ESTIVEREM NAS NUVENS,
    NÃO SE PREOCUPE,
    POIS ELES ESTÃO NO LUGAR CERTO;
    AGORA CONSTRUA OS ALICERCES.”
    GUSTAVO.
  • 19. PRECE FINAL
    ANGÉLICA

×