Levante dos malês

  • 2,223 views
Uploaded on

Slide escolar sobre a Revolta dos Malês.

Slide escolar sobre a Revolta dos Malês.

More in: Education , Technology , Travel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,223
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
78
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
    Levante dos Malês (1835)
  • 2. Império
    Período Regencial
    Dom Pedro com 9 anos
    Panorama brasileiro em 1835
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 3. “Renascimento agrícola” vivido por Salvador
    Chegada muitos escravos vindos da baía de Benin (maioria muçulmana)
    Instabilidade causada por constantes revoltas
    Principais revoltas ocorridas em Salvador:
    Tentativa de levante Haussá – 1807
    Ogboni – 1809
    Armação pesqueira de Itapuã – 1814
    Escravos de Santo Amaro – 1816
    Quilombo Urubu – 1826
    Insurgência de escravos em Salvador - 1830
    Antecedentes
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 4. Tornar a Bahia um território só de africanos e abolir o catolicismo na Bahia.
    Libertar os escravos, eliminar os brancos e crioulos e escravizar os mulatos.
    Liberdade religiosa para o culto do islamismo.
    Objetivos
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 5. TOTAL DE ESCRAVOS: 27.500
    AFRICANOS: 17.325 NÃO AFRICANOS: 10.175
    Na Bahia haviam muitos escravos malês (seguidores da religião islâmica).
    Escravos baianos que em sua terra mátria eram estadistas, médicos, poetas, escritores...
    Maioria do grupo haussá.
    Diferenças entre o escravo africano e o escravo nascido no Brasil.
    População escrava de salvador
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 6. Preparação para revolta
    Instabilidade política.
    Frequente choque entre centralistas e federalistas.
    Divergência entre os senhores escravistas.
    Insatisfação dos homens livres e pobres.
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 7. Alguns libertos, e outros escravos.
    Essencialmente urbana.
    Movimento desencadeado no dia de Nossa Senhora da Guia (25 de janeiro) e durou aproximadamente 3 horas.
    Reunião na casa de Pacífico Licutã e tomada das ruas
    A Revolta
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 8. Guilhermina Rosa de Souza
    Foi contida rapidamente pelos soldados , sendo que 7 soldados e 70 revoltosos morreram .
    Resultados:
    77 mortos
    200 presos
    6 condenados à morte
    Final da Revolta
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 9. Constante receio das elites com
    futuras revoltas
    Temor em relação ao
    ocorrido no Haiti em 1805
    Os africanos foram proibidos de circular à noite pelas ruas da capital e de praticar as suas cerimônias religiosas típicas.
    Repercussão
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins
  • 10. Koshiba, Luiz
    História do Brasil no contexto da história ocidental : Ensino Médio
    Luiz Koshiba, Denise ManziFrayze Pereira. – 8 ed. rev., autal. e ampl. - São Paulo : Atual, 2003.
    Schimidt, Mario Furley
    Nova história crítica : ensino médio : volume único / Mário Furley Schmidt. – São Paulo : Nova Geração, 2005.
    História em curso : da Antiguidade à globalização / coordenação Armelle Enders, Marieta de Moraes, Renato Franco. 1 ed. – São Paulo : Editora do Brasil ; Rio de Janeiro : Fundação Getúlio Vargas, 2008.
    Referências
    A. Belluomini; G. Zanlorenssi; J. Martins