Your SlideShare is downloading. ×
Uso de Normas Técnicas pelo Governo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Uso de Normas Técnicas pelo Governo

721
views

Published on

Published in: Business

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
721
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Uso de Normas Técnicas pelo Governo José Augusto A.K. Pinto de Abreu (Sócio-Diretor da Sextante Ltda.) & Guilherme A.Witte Cruz Machado (Líder de Projetos da Sextante Ltda.)Introdução Os governos implementam políticas públicas para atingir uma série de objetivos: assegurar um mercado justo e competitivo, proteger a saúde e garantir a segurança dos cidadãos, estimular a inovação e preservar o ambiente natural, dentre outros. Ao executar as políticas públicas e responder às expectativas dos cidadãos, os governos esforçam-se para fazer o melhor possível, procurando utilizar os mecanismos adequados para realizar a missão de que são incumbidos, maximizando os benefícios e minimizando os efeitos negativos. Neste contexto, a normalização aparece como um valioso instrumento de caráter técnico, potencialmente orientador e balizador para diversas ações governamentais nas esferas federal, estadual e municipal. A normalização pode ser definida, em termos tecnológicos, como o processo que busca traduzir as expectativas de diversas partes interessadas, em relação a um produto, serviço, processo, sistemas de gestão, competência de pessoas, etc., utilizando a linguagem da tecnologia e baseando-se na experiência e na ciência. Por sua vez, a norma técnica, fruto do processo de normalização, pode ser descrita como um documento elaborado por um organismo de normalização reconhecido pelo Estado, tendo como base o consenso, de uso voluntário, que estabelece requisitos de qualidade, de desempenho, de segurança, procedimentos, formas, dimensões, classificações ou terminologias e glossários. Generalizadamente utilizada pelo setor privado, a normalização é um elemento crucial para as relações econômicas, contribuindo para uma melhor convergência técnica nas trocas comerciais, facilitando o acesso a novos mercados (internos e externos), melhorando a qualidade e a segurança dos produtos e serviços, divulgando conhecimentos e tecnologia, e melhorando as boas práticas comerciais. No que diz respeito aos governos, a normalização apresenta uma gama de oportunidades para a melhor governança das políticas públicas, podendo ser utilizada em diversos momentos e formas. Alguns exemplos comuns da utilização da normalização e das normas técnicas pelo governo: como critério de compras governamentais de produtos e serviços, como balizamento para a obtenção de financiamento Uso de Normas Técnicas pelo Governo 1/8
  • 2. público pelas empresas, como instrumento de suporte à regulamentação técnica, como fundamentação técnica para a desregulamentação, como ferramenta de auto-regulação de setores econômicos, como infraestrutura tecnológica para o desenvolvimento de políticas públicas junto a setores econômicos (neste caso, a própria elaboração das normas é uma das ações de política pública), como referência e registro tecnológicos para as ações governamentais de fomento à inovação, etc. Ao se utilizar a normalização e as normas técnicas como uma das bases técnicas para as situações citadas acima, é importante que o Governo se assegure que estes instrumentos aportam as soluções apropriadas para atender às finalidades das políticas públicas, ou seja, em virtude das circunstâncias do problema que se pretende resolver (ou prevenir), se assegure que o processo de normalização e a utilização das normas técnicas são os mecanismos mais adequados O Sistema No Brasil, o Sistema Brasileiro de Normalização - SBN é o subsistema Brasileiro de destinado ao desenvolvimento e coordenação das atividades deNormalização normalização no País no âmbito do Sinmetro – o Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. O Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial é o seu órgão executivo. Informações sobre o Sinmetro podem ser obtidas no sítio www.inmetro.gov.br/inmetro/sinmetro.asp. A ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas exerce a função de organismo nacional de normalização, seguindo as boas práticas internacionais descritas nos guias e normas internacionais para o tema. Informações sobre a ABNT podem ser obtidas no sítio www.abnt.org.br. O órgão de política do SBN é o CBN – Comitê Brasileiro de Nomalização, órgão assessor do Conmetro, tendo como função a proposição das políticas e diretrizes de normalização ao Conmetro e o estabelecimento da Estratégia Brasileira de Normalização que contém as principais diretrizes estratégicas para o desenvolvimento e consolidação da normalização no país. Informações sobre o CBN podem ser obtidas no sítio www.inmetro.gov.br/qualidade/comites/cbn.asp Uso de Normas Técnicas pelo Governo 2/8
  • 3. O processo de Tipicamente, o processo de normalização tem 4 etapas: planejamento,Normalização elaboração, aprovação e publicação. Na etapa de planejamento é realizada a identificação e qualificação das demandas, a caracterização dos temas a serem abordados, o estabelecimento de prioridades e o estabelecimento de um plano de normalização de acordo com a vontade da sociedade. A etapa de elaboração é quando os textos são desenvolvidos. Nesta etapa procura-se assegurar que os projetos de norma: atendem às necessidades identificadas na fase de planejamento; apresentam soluções aceitáveis para todas as partes interessadas; apresentam soluções técnicas consistentes; e constituem-se em uma base efetiva para o desenvolvimento tecnológico do setor. Na etapa de aprovação, o texto proposto se converte formalmente numa norma técnica. Usualmente envolve uma consulta mais ampla a um público que não participou do desenvolvimento do projeto de norma, de modo a que se possa assegurar que houve oportunidade para conhecimento e apreciação pelos interessados. Na etapa de publicação a norma é disponibilizada para a sociedade. Note-se que a participação dos agentes públicos no processo de normalização é recomendável, principalmente quando as normas são usadas como uma das formas de fornecer a base técnica para a regulamentação técnica (ou desregulamentação) ou como fundamentação para uma auto- regulação ou infra-estrutura tecnológica para um setor econômico. Mesmo que não participe ativamente da elaboração das normas, é altamente recomendável que o agente público acompanhe o desenvolvimento e a manutenção destas Os níveis de A atividade de normalização é desenvolvida em diversos níveis, relacionadosnormalização com a abrangência da sua aplicação e da participação no seu desenvolvimento. Neste sentido, a normalização e as normas técnicas podem ser classificadas como internacionais, regionais ou nacionais. As normas internacionais são aquelas desenvolvidas por organismos internacionais de normalização, que são aqueles abertos à participação de Uso de Normas Técnicas pelo Governo 3/8
  • 4. todos os países. São as normas da ISO – Organização Internacional para aNormalização e da IEC – Comitê Eletrotécnico Internacional os exemplos maisconhecidos de normas internacionais, mas podem se mencionar ainda asnormas da ITU – União Internacional de Telecomunicações, ou do Comitê doCodex Alimentarius, que é um comitê conjunto da Organização Mundial daSaúde e da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação,dentre outras. Informações sobre a ISO e a IEC podem ser obtidas através dossítios www.iso.org e www.iec.ch, respectivamente.As normas regionais são aquelas desenvolvidas no âmbito dos organismosregionais de normalização. Normalmente, esses organismos regionais estãovinculados a uma área geográfica. As normas da AMN – Associação Mercosulde Normalização (países do Mercosul) e da Copant – Comissão Panamericanade Normas Técnicas (países das Américas) são exemplos de normas regionaiscom participação brasileira. Informações sobre a AMN e a Copant podem serobtidas através dos sítios www.amn.org.br e www.copant.org,respectivamente.As normas nacionais são aquelas produzidas pelos organismos nacionais denormalização. Normalmente, cada país possui somente um organismo denormalização com o reconhecimento oficial do Governo. As normaselaboradas pelos organismos nacionais de normalização dos outros paísessão denominadas normas estrangeiras.Tanto na normalização internacional quanto na normalização regional osrepresentantes dos países nos organismos internacionais e regionais denormalização são os organismos nacionais de normalização.O Brasil, por meio da ABNT, participa ativamente dos organismosinternacionais e regionais de normalização citados.A codificação quando uma norma internacional, ISO ou IEC, é adotada comonorma brasileira é ABNT NBR ISO ou ABNT NBR IEC, respectivamente, sendoque o número da norma permanece inalterado (ex. norma internacional ISO9001 adotada como norma brasileira recebe a codificação ABNT NBR ISO9001). A adoção de normas regionais como normas brasileiras segue a mesmalógica de codificação.Em certos campos, como no caso da regulamentação técnica de produtos, érecomendável que o Governo utilize como referência as normasinternacionais devido às obrigações estabelecidas em acordos internacionais,regionais, multilaterais ou bilaterais de que o país é signatário.De uma maneira geral, a fim de se evitar efeitos distorcidos no comércio e nacompetição, é recomendável que se promova, sempre que possível, o uso dasnormas internacionais e sua adoção como norma nacional. Uso de Normas Técnicas pelo Governo 4/8
  • 5. Evidentemente, na seleção das normas técnicas a utilizar é fundamental o agente público assegurar-se que as normas escolhidas fornecem a base técnica adequada considerada necessária. A ordem de preferência para o uso das normas técnicas é utilização de normas internacionais, utilização das normas regionais (dos organismos de que o Brasil faz parte), seguidas das normas brasileiras (publicadas pela ABNT), e, por fim, a utilização de normas estrangeiras. No caso de utilização de normas internacionais ou regionais, é recomendável que estas normas sejam adotadas como normas nacionais. Esta iniciativa cabe à ABNT com o apoio dos agentes públicos que vão adotá-las. Por vezes, o conteúdo de normas estrangeiras (isto é, normas nacionais de terceiros países) pode atender às necessidades do agente público e ser utilizado como suporte a uma política pública. Contudo, convém reconhecer que a capacidade de participação e, conseqüentemente, de interferir no conteúdo das normas estrangeiras é bastante limitado ou mesmo inexistente. Neste sentido, é conveniente elaborar as normas brasileiras equivalentes tendo como textos-base o conteúdo das normas estrangeiras. Desta forma o conteúdo técnico do interesse do agente público fica disponível para a sociedade brasileira e a gestão da sua evolução passa a ser nacional, isto é, qualquer revisão da norma passa a ser feita no Brasil de acordo com os interesses das partes interessadas nacionais. Existem ainda outros dois níveis de normalização, mas que não devem ser usadas em apoio à legislação. Trata-se das normas de empresa, ou seja normas estabelecidas por uma empresa para controlar os seus processos e atividades, e as normas setoriais, que são normas adotadas por entidades setoriais ou não-governamentais mas que não fazem parte dos sistemas institucionais de normalização e, portanto, não são formalmente reconhecidas pelo Estado. De maneira semelhante às normas estrangeiras, pela sua própria natureza, o agente público e as demais partes interessadas não tem assegurada a possibilidade de participação e de influenciar no seu conteúdoO uso das normas Partindo do princípio de que é adequado o uso das normas técnicas em apoio técnicas à regulamentação técnica, existem basicamente duas maneiras distintas de fazê-lo: referência às normas e incorporação parcial das normas A forma mais simples de utilizar as normas técnicas como base para as políticas públicas é fazer-se referência à norma (ou normas) que se pretende Uso de Normas Técnicas pelo Governo 5/8
  • 6. utilizar. Por este meio, fica estabelecido um vínculo objetivo com o conteúdoda norma, passando este a ser uma referência técnica para a açãogovernamental.Há duas maneiras de fazer referências às normas técnicas:  pode ser feita referência à norma técnica integralmente (por exemplo, o produto deve atender aos requisitos da norma ABNT NBR XXXX). Neste caso entende-se que a norma se aplica integralmente, sem nenhuma exceção dos seus requisitos;  pode ser feita referência a partes ou itens da norma (por exemplo, “os dispositivos do motor devem atender aos requisitos do item 3.2.5 da norma ABNT NBR XXYY”, ou ainda, “os mancais devem ser ensaiados segundo a norma ABNT NBR ISO XYYZ”). Neste caso, requer-se o atendimento unicamente aos requisitos mencionados.No que se refere à versão da norma em vigor, há também duaspossibilidades:  referências datadas. Neste caso, a data de publicação da norma deve constar da referência (normalmente isto é feito acrescentando-se o ano ao número da norma, por exemplo, ABNT NBR 15285:2006) e significa que, mesmo que tenha sido publicada uma versão mais recente da norma, os requisitos estabelecidos na versão referenciada é que devem ser atendidos. Esta solução é adotada quando há a preocupação de que revisões futuras da norma possam alterar de maneira crítica os requisitos técnicos estabelecidos na norma utilizada como base técnica. Há que se levar em conta a necessidade de se manter a disponibilidade e o acesso às normas originais e que continuam constituindo parâmetros vigentes. Em contrapartida, esta maneira de fazer referências às normas pode resultar em potenciais confusões no momento da implementação, especialmente quando as normas técnicas são revisadas. Por esta razão, recomenda-se cuidado no uso desta alternativa.  referências não datadas. Neste caso, não é feita referência à data de publicação da norma (por exemplo, ABNT NBR 15285), significando que a revisão em vigor é que deve ser utilizada. Desta maneira, há a possibilidade de se manter a atualidade tecnológica, o que potencializa a perenidade da ação governamental e previne-se que se converta num obstáculo ao comércio involuntariamente.Outra maneira de se utilizar normas técnicas como base técnica para políticaspúblicas é a sua incorporação no próprio corpo do documento de referênciada ação governamental, transcrevendo trechos da norma. Uso de Normas Técnicas pelo Governo 6/8
  • 7. As normas voluntárias podem conter requisitos relacionados com aspectos que não são essenciais para o atendimento dos objetivos da ação governamental que as referencia. Assim, neste caso, somente as partes da norma que representam o mínimo necessário para atender a estes objetivos devem ser incorporadas. Entretanto, convém que se tomem cuidados para acompanhar a evolução das normas voluntárias para se prevenir eventuais defasagens tecnológicas e confusão no mercado. Outro fator importante diz respeito à não gratuidade das normas técnicas. Estas, de uma maneira geral, necessitam ser adquiridas pelos usuários. Este fato pode, potencialmente, prejudicar o seu uso pelo Governo. Várias medidas podem ser tomadas para ultrapassar essa dificuldade. Uma delas é o agente público efetuar um acordo com o organismo de normalização nacional, detentor dos direitos sobre a norma, para a sua disponibilização gratuitaExemplos – uso da  Programa Aventura Segura normalização e A estruturação e o desenvolvimento do segmento de turismo de aventura das normas no Brasil tiveram como fundamentação técnica a elaboração de um técnicas pelo conjunto de normas técnicas com foco na segurança. Governo Esforços de capacitação, formalização e promoção da competitividade do setor tiveram como base as normas técnicas desenvolvidas. O setor mudou completamente de contexto e patamar de desenvolvimento. Todo o processo de normalização foi apoiado e financiado pelo Ministério do Turismo – MTur. As normas técnicas ligadas ao turismo de aventura, estão disponibilizadas, de forma gratuita, no sítio da ABNT www.abnt.org.br, fruto de um convênio celebrado entre MTur e ABNT. Informações sobre o Programa Aventura Segura podem ser obtidas na página http://www.abeta.com.br/aventura-segura/.  TV Digital A implementação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre – SBTVD-T, estabelecido pelo Decreto 5.820/2006 da Presidência da República, está fundamentado tecnicamente em um conjunto de 13 normas técnicas elaboradas e publicadas pela ABNT em convênio com o Ministério das Comunicações. As normas estão disponíveis gratuitamente no sítio da ABNT www.abnt.org.br. Uso de Normas Técnicas pelo Governo 7/8
  • 8.  AcessibilidadeA Secretaria Especial de Direitos Humanos, através da CoordenadoriaNacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – Corde,utiliza as normas técnicas elaboradas e publicadas pela ABNT, vinculadasao tema Acessibilidade, como instrumento técnico para oestabelecimento de políticas públicas de inclusão social das pessoas comdeficiência. As normas estão disponibilizadas gratuitamente no sítio daCorde http://www.mj.gov.br/corde/. PBQP-HO PBQP-H, Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat, éum instrumento do Governo Federal que tem como meta organizar osetor da construção civil em torno de duas questões principais: a melhoriada qualidade do habitat e a modernização produtiva. Uma das basestécnicas do Programa é a adoção das normas técnicas para o setor deconstrução civil publicadas pela ABNT, tanto para empresas construtorasquanto para os produtos utilizados. Informações sobre o PBQP-Hhttp://www2.cidades.gov.br/pbqp-h/index.php. Segurança de BrinquedosA regulamentação técnica de segurança de brinquedos emitida peloInmetro utiliza os requisitos da norma ABNT NBR NM 300, de formaintegral, para estabelecer as condições técnicas que os brinquedoscomercializados em todo o território nacional devem atender de formacompulsória. Informações sobre a regulamentação de brinquedoshttp://www.inmetro.gov.br/legislacao/. Cartão BNDESO BNDES estabelece como critério técnico de credenciamento defornecedores de materiais para construção civil no Portal de Operaçõesdo Cartão BNDES a comprovação de atendimento às normas técnicaspublicadas pela ABNT para o setor. Informações sobre o Cartão BNDESwww.cartaobndes.gov.br  __________________________ Uso de Normas Técnicas pelo Governo 8/8