• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 

Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia

on

  • 4,064 views

Análise do curso histórico, filosófico e epistemológico da psicologia.

Análise do curso histórico, filosófico e epistemológico da psicologia.

Statistics

Views

Total Views
4,064
Views on SlideShare
4,064
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
142
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia Presentation Transcript

    • Fundamentos Epistemológicos e Históricos da Psicologia Roney Gusmão Leonardo Lopes
    • O que é conhecimento?  Na Grécia antiga, notava-se a mitologia como forma de explicar o mundo; entre tribos indígenas, explicações místicas; entre o conhecimento popular reina a superstição; na sociedade moderna, mitos sofisticados criados pela mídia, internet, horóscopo etc.  A mitologia perdeu credibilidade, solicitando o conhecimento científico para apoiar as ideias na sociedade.  O contexto histórico revela as formas encontradas pelo homem para leitura do mundo. 
    • Filosofia e Psicologia      O que de filosófico tem a psicologia? A subjetividade influenciando os fenômenos mentais. A tentativa inicial foi compreender a relação entre ESTÍMULO FÍSICO e a PERCEPÇÃO. Para Fechner, a quantidade de estímulos mentais depende da quantidade de estímulos físicos. Este estudo é designado PSICOFÍSICA. No início do século XIX, Kant afirmava que a psicologia jamais se tornaria ciência, pois os processos psicológicos não eram mensuráveis ou experimentáveis.
    • O método de estudo de Wundt era o da introspecção analítica: Considerava as sensações e os sentimentos formas da experiência.  A tentativa de consolidar a psicologia como ciência desencadeou em correntes, como: estruturalismo, funcionalismo, behaviorismo e gestalt. 
    • Psicologia: bases epistemológicas      O termo psicologia (Ψυχολογια), corresponde a psiqué (alma) + logos (lógica, estudo). Para os antigos, alma significa sopro (fôlego) derivado de uma força mística que deveria ser melhor entendida. Características comuns a maioria das religiões são: reconhecimento de uma força sobrenatural, a mediação sacerdotal, o uso de rituais para estabelecer uma relação com o sagrado e um senso comunitário. Consideraremos o pensamento grego por ter sido estruturante da concepção psicológica ocidental. Na ideia grega, corpo e alma eram entidades separadas.
    • A Grécia Antiga     Fatores que estimularam o surgimento da filosofia: a vida urbana (a pólis grega), o surgimento do calendário, da escrita, dos espaços públicos, das leis, da política e da democracia, da educação por meio do discurso. Essas características sociais despertaram o interesse por compreender o homem e sua inserção na sociedade. As riquezas geraram crescimento que exigiam organização social. Nesse contexto, as reflexões filosóficas introduzem o homem em suas reflexões, surgindo as primeiras tentativas de sistematizar a psicologia. Vídeo: Grécia Antiga – parte II
    • Filósofos Pré-socráticos Preocupavam-se em definir a relação do homem com o mundo através da percepção. Idealistas: a ideia forma o mundo. Materialistas: a matéria que forma o mundo já é dada para a percepção.  Os pré-socráticos se centravam nas manifestações físicas, enquanto que a alma (psiqué), sempre era transportada para um campo místico.  Pré-socráticos: Heráclito, Parmênides, Pitágoras, Demócrito 
    • O nascimento da subjetividade Pitágoras (480-410 a.C.) acreditava ser impossível a criação de verdades universais.  "o homem é a medida de todas as coisas, das que são enquanto são e das que não são enquanto não são”.  Para ele, o que é dito, é dito numa circunstância e o seu valor limita-se a este momento.  É importante mencionar os exageros do relativismo subjetivista dos sofistas. Estas posições levaram ao ceticismo, a indiferença total das coisas exteriores, desde que era impossível o conhecimento de sua verdadeira 
    • Período Cosmológico    Tales (640-540 a.C.): Preocupado com o movimento e transformação das coisas. Acreditava que a água era a substância elementar que nutre a vida. Heráclito (540-475 a.C.): Entendia que o mundo não poderia ser explicado de modo simplório. Observa que o mundo está em constante mudança e que o permanente era apenas ilusão dos sentidos. O conflito e a contradição eram forças essenciais do devenir. Pitágoras (570-496 a.C.): Os números são a essência permanente das coisas. Os conceitos matemáticos são imóveis e expressam a regularidade e ritmo que regem o mundo.
    • Anaxágoras (499-428 a. C.): Acreditava que “tudo está em tudo, pois em cada coisa há uma parte de todas as coisas”. A diversidade deriva da combinação dos elementos do todo. Influencia a psicologia na concepção acerca da complexidade das relações na formação dos sujeitos.  Demócrito (460-370 a. C.): Considerava o universo composto por átomos materiais indivisíveis. Considerava o pensamento humano como determinado por agentes externos (determinismo). 
    • Como uma onda Nada do que foi será De novo do jeito que já foi um dia Tudo passa, tudo sempre passará A vida vem em ondas como um mar Num indo e vindo infinito Tudo que se vê não é igual ao que a gente Viu há um segundo Tudo muda o tempo todo no mundo Não adianta fugir, nem mentir Pra si mesmo agora Há tanta vida lá fora Aqui dentro sempre Como uma onda no mar
    • Psique na mitologia grega Psiquê é uma personagem da mitologia grega, personificação da alma. Seu mito a cita como uma bela mortal por quem Eros, o deus do amor, se apaixonou. Tão bela que despertou a fúria de Afrodite, deusa da beleza e do amor, mãe de Eros . A deusa mandou seu filho atingir Psiquê com suas flechas, fazendo-a se apaixonar pelo ser mais monstruoso existente. Mas, ao contrário do esperado, Eros acaba se apaixonando pela moça - acredita-se que tenha sido espetado acidentalmente por uma de suas próprias setas. Com o próprio deus do Amor apaixonado por ela, suas setas não foram lançadas para ninguém. O tempo passava, Psiquê não gostara de ninguém, e nenhum de seus admiradores tornara-se seu pretendente.
    • Sócrates (469-399 a. C.)        Para Sócrates, o fim da filosofia é a educação moral do homem. Discutiu o limite que separa o homem dos animais. Entendeu a razão como principal característica humana. A razão permitia aos homens conterem os instintos. Para ele, o conhecimento fundamental era o “conhece-te a ti mesmo”. Para Sócrates todo o saber deve estar dirigido para o conhecimento da realidade do homem. Ele era capaz de achar problemas em qualquer situação e estava muito mais preocupado em questionar do que em solucionar. Por ser filho de uma parteira, dizia-se um parteiro
    • “Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância.” sócrates A morte de Sócrates por Jacques Louis David (1787).
    • Platão (427 – 347 a. C.) O mundo das ideias é fixo, situado num mundo mutável;  O ideal existe apenas na imaginação do sujeito;   O mundo material é apenas uma cópia imperfeita desse mundo ideal.  Platão conclui que o mundo das ideias é o mundo real. O mundo material é imperfeito, perecível e degenerável;  O homem seria um ser dualista composto de mente x corpo. O mundo real (sensível) é finito, enquanto que o mundo das ideias (suprassensível) transita entre gerações e se mantém dinâmico;  A concepção de bom x mau; belo x feio; digno x medíocre... Se mantém e perpassa gerações;  Esta concepção influenciou a moralidade cristã ocidental.  A alma (psiqué) está dissociada do corpo e, portanto, se eterniza, 
    • Essa divisão seria o que mais tarde foi chamada de faculdades da alma. Como consequência desse princípio, a sociedade ideal três categorias de homem: 1) a dos servos, ou escravos – onde estariam também incluídos os industriais, os comerciantes e os agricultores, responsáveis pelo sustento, ocupariam a parte inferior da sociedade, pois exerceria apenas funções ligadas à satisfação das necessidades orgânicas desse grupo seria a temperança; 2) a dos soldados homens da emoção, coração, ocuparia o segundo lugar na escala social o seu grande distintivo; 3) intelectual o homem das ideias esse é o que deveria governar, seria o soberano - para isso, deveria ter sabedoria e prudência, sem esquecer a justiça, pois é esta que vai assegurar a harmonia nas relações dos indivíduos e das classes. A tendência de supervalorizar o intelectual e desvalorizar o que ématerial trouxe repercussões muito sérias para toda a sociedade ocidental pelo dualismo: trabalho intelectual x
    • A Escola de Atenas (Scuola di Atenas ) foi pintada por Rafael entre 1509 e 1510.
    •      Houve cristianização das ideias platônicas: negatividade da carne, concepção de pecado, imaterialidade do espírito, fugacidade da matéria...; Em Platão, o homem tem três faculdades: a racional na cabeça, a passional ou colérica no coração e no baixo ventre como estomago que é a alma apetitiva ou concupiscível, que tem objetivo de suprir as necessidades primárias do homem; A razão deveria controlar toda a alma apetitiva, pelo controle racional, pode-se reprimir as paixões (deixar levar-se por...); Nesse sentido, o homem deveria se dedicar a tudo aquilo que valoriza o mundo racional e ético (Vídeo – mito das cavernas); Este ideário influencia a própria concepção de política em Platão, ao comparar o organismo social com o corpo humano.
    • Meghan Vogel, 17 anos, ficou em último lugar na corrida de 3200 metros quando ela alcançou a competidora Arden McMath, cujo corpo já não aguentava mais correr. AO invés de ultrapassá-la para não ficar em última, Vogel colocou o braço de McMath nos seus ombros, carregou 30 metros, e então empurrou-a para a linha de chegada antes de atravessá-la.
    • Aristóteles (384 – 322 a. C.)      Não acreditava na existência de idéias inatas e nem no mundo das idéias. A criança, ao nascer, não traz nenhuma bagagem de conhecimento. Vem como um papel em branco – onde nada foi escrito: uma "tabula rasa". Subordina tudo ao mundo sensível. Na ideia de Aristóteles “não há nada em nossa mente sem que antes tenha passado pelo sentido”; Assim a base epistemológica de Aristóteles advém do mundo sensível: Primeiro olho, capturo a ideia, depois abstraio (do latim, “isolar”, “separar”); Para ele, mente e corpo são indivisíveis. A alma (psiqué) e o corpo compõem uma unidade, portanto, ambos são finitos.
    • Epicuro (341 – 271 a. C.)       Para Epicuro, a felicidade é o prazer resultante da satisfação dos desejos; Transporta a essência para a meterialidade do ser humano; As angústias humanas se situam nas preocupações religiosas e as superstições; Todo o universo, inclusive o homem, é composto materialmente; Para alcance da felicidade, cabe alimentar certos desejos e moderar outros; Contentar-se com pouco seria o segredo para ser feliz.
    • Idade Média (Séc. V-XV)       Escassa produção filosófica e científica, devido ao caráter teocêntrico desta época; A fé cristã sempre tinha a última palavra; Perdeu-se a noção de individualidade do ser humano; Os servos eram considerados propriedade, vistos como um todo coletivo e não como indivíduo; A ética nesse período também adquiriu significado individualizante. Perderam-se reflexões coletivistas capazes de valorizar o homem como
    • A Patrística É a filosofia dos primeiros padres da Igreja. A preocupação central era aluta contra o paganismo, as heresias e a defesa dos dogmas cristãos. Faziam uso do platonismo para a elucidação dos dogmas.  Entre esses encontram-se: Santo Ambrósio (340-397), Trier - Alemanha; São Jerónimo 2 (347-419), Stribo Dalmácia; Santo Agostinho (354-430).  Destaca-se, aqui, Santo Agostinho, que distingue a presença do passado, a presença do presente e a presença do futuro. A presença do passado é coberta pela memória; a presença do presente é a própria percepção; a presença do futuro é a prospecção. No estudo da memória, fala, ainda, sobre o esquecimento, definindo-o como a "presença de uma ausência".  
    • A Escolástica Afirma que não pode haver contradição entre as verdades provenientes da experiência dos sentidos, porta de todo o conhecimento, e as verdades da fé, pois provêm da mesma fonte: Deus.  Quanto á educação, Tomás de Aquino entende que a alma possui cinco gêneros de potência ou faculdades: a negativa, a sensitiva, a apetitiva, a locomotiva e a intelectual. Põe em relevo o papel da vontade para dominar a natureza falível do homem. No entanto, sua vitória depende da ajuda da Providência Divina, e as regras estão estabelecidas na Sagrada Escritura. 
    •   A escolástica discorda de Platão, pois não concebe o conhecimento (ideias) como inatas ao ser. Porém, encontram-se, no início do cristianismo, adeptos de Platão, no que concerne a esse ponto. Assim, vê-se, em São Paulo - epístola aos romanos 2,14 - "Os pagãos, que não têm Lei, fazendo naturalmente as coisas que são da Lei, embora não tenham a Lei, a si mesmos servem de Lei: eles mostram que a obra da Lei está escrita em seus corações, dandolhes testemunho a sua consciência, bem como os seus julgamentos com os quais eles se escusam". Assim, São Paulo admite a existência das ideias inatas.
    •      Renascimento (Séc. XIIIXVII)classe em A burguesia, ascensão, discordava do teocentrismo, valorizando o antropocentrismo; Retoma-se elementos da cultura grega (quanto à racionalidade) e romana (no campo do direito); Surge a noção de individualidade; Isto não quer dizer que o cristianismo tenha sido extinto, ele perdura até os dias atuais, mas ocorre uma sobrevalorização da ótica racionalista; Há o surgimento de uma linha de investigação crítica.
    • O pensamento renascentista         A burguesia estimula a busca de novos caminhos ao conhecimento; No plano geográfico, houve a expansão geográfica, devido aos grandes descobrimentos. No plano espiritual, verificou-se a queda do dogmatismo. No plano religioso, deu-se a Reforma e Contra-Reforma. No plano das ciências, por exemplo, a biologia evoluiu com a dissecação dos cadáveres. No plano literário, houve a recuperação da estética grega. No plano da Astronomia, foi confirmado o sistema heliocêntrico. Houve ainda mudanças no sistema econômico, com a afirmação do mercantilismo, no sistema político, com a
    •      A ciência chegou à Idade Moderna num estágio primitivo de desenvolvimento. A causa desse atraso deveu-se, basicamente, porque todo o conhecimento foi, na Idade Média, tutelado pela Igreja e deveria estar de acordo com a Revelação Divina contida na Sagrada Escritura. O Renascimento veio, assim, despertar a consciência para a formação do espírito científico. A organização do método científico foi condição para desenvolvimento das ciências. Utilizava a observação, a experimentação e a quantificação, o que resultou na organização do método científico, cujo uso foi priorizado a partir de então. Diz-se, dos cientistas da época, que tiveram imensa paciência na observação e grande audácia na formulação das hipóteses. O despertar da Ciência
    •      O desvendar dos segredos da anatomia, até então desconhecida, deu incremento às pesquisas sobre as sensações, através do estudo dos órgãos dos sentidos. Os estudiosos do assunto chegaram à conclusão que seria impossível deixar de lado, por exemplo, o olho que vê e o objeto visto. Para eles, existem processos complexos que intervêm entre o objeto físico e a percepção psicológica do mesmo. Seria preciso, assim, estudar a natureza do organismo que reage, pois este está interposto entre a percepção e o seu estímulo externo. Com isto, teriam encontrado a resposta à grande questão do dualismo: mente x corpo, físico x psíquico, material x imaterial, que tanto preocupou os filósofos antigos como os da época. A Psicologia Científica
    •        A quantificação ocupou lugar de destaque e foi a novidade da época. O astrônomo mediu o curso das estrelas e dos planetas e estabeleceu o sistema heliocêntrico, etc.; o químico quantificou as reações químicas, o fisiologista mensurou as reações psicofísicas no animal e no homem, e assim por diante. A psicofísica tentou, entre outras coisas, determinar o tempo gasto entre um estímulo e a resposta. Procurou-se, ainda, medir qual a interferência de variáveis múltiplas (maior ou menor atenção, ambiente mais ou menos barulhento, maior ou menor quantidade de luz), no tempo de reação do indivíduo. Essas medidas são utilizadas, ainda, nos testes vocacionais, em que se mede a aptidão para determinadas profissões. Além da quantificação, a estatística colaborou com a ciência, no que concerne à comparação de dados e na eliminação de tendências pessoais ou subjetivas nas pesquisas, tornando os resultados mais objetivos e, portanto, mais confiáveis. O campo estava preparado para o desabrochar da psicologia científica, experimental. O seu aparecimento é um prolongamento do aparecimento do método científico.
    • O empirismo crítico Os filósofos do empirismo crítico possuíam as mesmas preocupações dos filósofos gregos: desejavam saber de que era feito o mundo e como era possível, ao homem, conhecê-lo.  Investigaram a natureza dos fenômenos psíquicos e como esses se relacionam com o mundo dos objetos.  O empirismo se baseia na experiência, contrastando com o racionalismo que se baseia na razão inata.
    •       Precursor do rompimento com o dogmatismo católico. Parte do princípio que, antes de se aceitar qualquer verdade, esta deve ser questionada. A dúvida era, portanto, usada como método de estudo, por isso foi chamada de dúvida metódica. Para ele, a ação do corpo tem função mecânica, no entanto, a alma pensante, que o homem possui, atua e modifica estes mecanismos. Descartes achava que somente as ideias matemáticas e religiosas são inatas. Descartes, filosoficamente, se mantém, entre os nativistas e empiristas, pois, ao mesmo tempo que aceita que algumas ideias René Descartes (1596-1650) “Penso, logo, existo”.
    •        Segue a tendência aristotélica no concernente à aquisição do conhecimento. O conhecimento é o resultado da sensação e se fundamenta na experiência sensível. Hobbes tem uma visão materialista do homem. O homem não seria livre, pois estaria condicionado por um determinismo natural. Hobbes era antiliberal, antidemocrata e a favor da monarquia absolutista. Justificava sua posição, afirmando que o egoísmo é natural ao homem, assim como a sua autopreservação, ou seja, a busca incessante daquilo que é necessário e cômodo à sua existência. Associa a ideia de amor ao prazer (epicurismo) e a do ódio ao desprazer. Tinha uma visão pessimista do homem. Acreditava, ainda, que, basicamente, a sua natureza era má e que agia motivado pela sede, medo, fome e amor-próprio. Thomas Hobbes (1588-1679) “O homem é lobo do homem, em guerra de todos contra todos".
    • A criança, ao nascer, é uma "tabula rasa" - papel em branco - todo conhecimento é adquirido através da experiência.  As sensações, imagens e idéias formam o conteúdo da mente.  A percepção sensorial consciente constitui, portanto, a base do conhecimento e recebe, quase que passivamente, a influência de estímulos externos.  Pode-se dizer que Locke foi filosoficamente empirista, isto  John Locke (1632-1704)
    •       Rousseau Para Rousseau, a causa dos problemas está no surgimento da (1712-1778) propriedade privada; A desigualdade corrompe o indivíduo; Fato que inibe a legitimidade do contrato social; O contrato social só é válido se o povo consentir na sua constituição: “respeitar as leis é obedecer à vontade geral e , ao mesmo tempo, a si mesmo...”; Vontade individual (egoísta) X Vontade coletiva; Defendeu a democracia direta.
    •      Reconhece que o homem não é só Immanuel Kant razão pura, mas também prática. Sua consciência moral é uma (1724-1804) realidade em que a razão atua sobre a ação. Kant afirma que não se pode conhecer a natureza e a alma a não ser através de suas manifestações (fenômenos) e, portanto de forma empírica Kant reconhece o poder do intelecto somente em relação à experiência, pois qualquer outro conhecimento fora dela é inválido, sem fundamento. “O homem não é nada além 0 conhecimento, para ser daquilo que a educação faz dele.” científico, tem que ser empírico. O conhecimento racional, do qual
    •      A organização econômica proposta pelo capitalismo altera o modo de inserção humana na sociedade. Diferente da sociedade feudal, que considerava o mundo como algo estático, agora o homem adquire status central. A busca por matérias-primas e a necessidade de maximizar a produção valorizou o racionalismo. O capitalismo tornou todos os seres humanos em potenciais consumidores. Para aquisição de lucro, era necessária uma apropriação da natureza potencializada pela ciencias. A era capitalista
    • Nesse contexto, as preocupações se voltam ao próprio homem. Hegel: valoriza a história para compreensão do homem; Darwin: entende a compreensão do homem por meio do evolucionismo; Rousseau: defendeu a democracia.  O surgimento da máquina gerou no homem a sensação de controle do ESPAÇO e do TEMPO.  Este fato gerou o desejo por entender também o homem numa ótica racionalista.  À medida que se torna possível mensurar os fenômenos 
    • Fez uso do materialismo já utilizado no período cosmológico da Grécia Clássica.  Percebe os efeitos nefastos do capitalismo que confisca o direito sociais e políticos dos cidadãos.  Propõe o socialismo como meio de viabilizar o acesso aos recursos necessários à vida.  Marca o pensamento moderno, inspirando muitos em reflexões e mobilizações contrárias ao modelo de organização desigual do sistema.  Entende que a base suficiente para a vida humana está na matéria, negligenciando aspectos subjetivos que são  Karl Marx (1818-1883)