APRESENTAÇÃO UNISINOS

 A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
    E A MICROECONOMIA DA
            FIRMA
Agregando Valor com Inovações ao longo da Cadeia de Valor
                                                                ...
Aspectos Estratégicos
Relacionados com os Materiais


 Análise do impacto de materiais no Lucro
 Potencial da Empresa atra...
Perfil financeiro típico de uma empresa
        industrial metal-mecânica
                   metal-

        8%

  11%    ...
Relação dos Elementos Básicos com Influência no
           Retorno Sobre Investimento – RSI
Custos de Operação

          ...
Relação dos Elementos Básicos com Influência no
       Retorno Sobre Investimento – RSI
Ativos
                           ...
Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre
                     Investimento – RSI
                    ...
Relação dos Elementos Básicos com Influência no
        Retorno Sobre Investimento – RSI

     Materiais
   $ 3.500.000,00...
Relação dos Elementos Básicos com Influência no
        Retorno Sobre Investimento – RSI

 Cada “centavo” salvo nas ativid...
Relação dos Elementos Básicos com Influência no
        Retorno Sobre Investimento – RSI
 Porém, um “centavo” adicional pr...
Simulação de Cenários
              Participação dos Materiais nos Custos

              60%

Compensação   55%
 em Vendas...
Materiais
                                                                                                                ...
Conceitos Básicos para aplicação da

Matriz de Posicionamento Estratégico
         de Materiais - MPEM
MPEM – Conceitos Básicos

•   Objetivo: melhorar a competitividade da empresa a partir
    de diretrizes estratégicas para...
MERCADO
          COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS

                                         PRODUTOS
EMPRESA




            ...
Dimensões competitivas:
                  • Custo;
 Influência na    • Prazo;
Competitividade   • Qualidade;
             ...
Risco de Suprimento
                         Barreiras à entrada
                                     5




              ...
MPEM – Conceitos Básicos

                                                   Componentes                     Componentes
I...
MPEM – Exemplo de aplicação na indústria de Petróleo
MPEM – Exemplo de aplicação para definição de Modalidades de
                     Compra e decisões Verticalizar x Terceir...
COMPREENDENDO OS FATORES
     QUE INFLUENCIAM NA
     MICROECONOMIA DA
  FIRMA/EMPRESA NO BRASIL
Escala de produção da Indústria Automobilística Nacional
Produção – 1957-2006 (unidades)




                             ...
Indústria Automobilística Nacional
 FATURAMENTO LÍQUIDO: 1966 – 2006 (US$ milhões)




                                   ...
Indústria Automobilística Nacional
Faturamento da indústria de auto-peças


              Ano     Faturamento (US$ milhões)
              1990            12....
Produção de Veículos
                 Em 2006

1º -            Japão            11,5 milhões


2º -     EUA               ...
Produção mundial de veículos
Produção mundial de veículos
Produção mundial de veículos por Continente
Indústria Automotiva no Brasil
                Produção de veículos automotores no Brasil em unidades
                Vend...
Porque a realidade de cada país e ou região é
  diferente ? Porque inovações de sucesso em
algum local, normalmente, exige...
Custos da Mão-de-Obra


                 País                   $.Hora
                 Brasil                    3.31
   ...
Análise Comparativa dos Custos de uma Célula
              de Manufatura


        País          Brasil         EUA       ...
O GPT tem como base conceitual as modernas
tecnologias de gestão que atualmente são adotadas
nas intituladas “Empresas de ...
A possibilidade melhorias contínuas nos processos
produtivos das Organizações pode ser realizada –
 dentro da lógica geral...
Entre as dimensões da competitividade, a
FLEXIBILIDADE se torna um diferencial.
   Hoje, as empresas se vêem obrigadas a

...
As alternativas para esta
FLEXIBILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO
     são de três ordens gerais:


             Aquisição de
         ...
As alternativas para esta
FLEXIBILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO
     são de três ordens gerais:

             Aumento da Eficiência
 ...
As alternativas para esta
FLEXIBILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO
     são de três ordens gerais:


              Melhoria dos sistemas...
No entanto, existe uma diferença econômica
fundamental da Indústria Brasileira em relação às
Indústrias de Primeiro Mundo:...
Podemos então pensar:

                            Produzir Elevada
                            Variedade com
            ...
Embora constitua em uma alternativa real, a
     aquisição de novos equipamentos que
flexibilizam a produção – nas empresa...
Ou seja...

  Aumento das                            Melhor
  medições do       Ações de baixo
                           ...
UNIDADES DE NEGÓCIOS
                                              Unidade de           Unidade de           Unidade de   ...
CAEMP - XII SEMANA ACADÊMICA DOS CURSOS DE ENG MECANICA E DE PRODUÇÃO - 27/10/08
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

CAEMP - XII SEMANA ACADÊMICA DOS CURSOS DE ENG MECANICA E DE PRODUÇÃO - 27/10/08

820

Published on

Palestra proferida pelo Professor Junico - 27/10/08

Published in: Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
820
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

CAEMP - XII SEMANA ACADÊMICA DOS CURSOS DE ENG MECANICA E DE PRODUÇÃO - 27/10/08

  1. 1. APRESENTAÇÃO UNISINOS A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E A MICROECONOMIA DA FIRMA
  2. 2. Agregando Valor com Inovações ao longo da Cadeia de Valor Financiamento da Inovação Inovação Gestão da Inovação de mercado Inovação Valor agregado Inovação de produto de mercado Inovação de materiais Inovação de processo Inovação na Gestão Estágios das atividades na Empresa Gestão de Logística Desenvolvimento Desenvolvimento Logística de Marketing e Serviço pós- marca e de Produção de produto de processo distribuição comercialização venda design materiais
  3. 3. Aspectos Estratégicos Relacionados com os Materiais Análise do impacto de materiais no Lucro Potencial da Empresa através do Retorno Sobre Investimento – RSI
  4. 4. Perfil financeiro típico de uma empresa industrial metal-mecânica metal- 8% 11% Materiais Comprados Salários e Benefícios 11% Outras Despesas Lucro após 70% Impostos
  5. 5. Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre Investimento – RSI Custos de Operação Vendas Mão-de-Obra $ 5.000.000,00 Lucro Líquido $ 550.000,00 $ 400.000,00 - Margem de Materiais Custos de Mercadorias Vendidas - CMV ÷ Lucro 8% Vendas $ 3.500.000,00 $ 4.540.000,00 $ 5.000.000,00 + Despesas Gerais Outros Custos $ 490.000,00 $ 60.000,00
  6. 6. Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre Investimento – RSI Ativos Vendas $ 5.000.000,00 Inventários Ativos Correntes Taxa de Turnover $ 500.000,00 $ 1.100.000,00 ÷ de Ativos 1,25 Ativos Totais Contas à + $ 4.000.000,00 Receber Ativos Fixos $ 300.000,00 $ 2.900.000,00 Fluxo de Caixa $ 300.000,00
  7. 7. Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre Investimento – RSI Vendas $ 5.000.000,00 Lucro Líquido Mão-de-Obra - $ $ 400.000,00 575.000,00 $ 550.000,00 Margem de Lucro Custos de ÷ 8% Materiais Mercadorias 11,5% Vendidas - CMV $ 3.500.000,00 Vendas $ 3.325.000,00 $$4.365.000,00 4.540.000,00 $ 5.000.000,00 Despesas + Gerais Outros Custos $ 490.000,00 $ 60.000,00 Retorno Sobre x Investimento 10.0% 14,5% Inventários $$475.000,00 500.000,00 Vendas $ 5.000.000,00 Contas à Ativos Taxa de Turnover de Ativos Receber Correntes ÷ $ 300.000,00 $ 1.100.000,00 1,25 1.26 $ 1.075.000,00 Ativos Totais + $ $ 4.000.000,00 3.975.000,00 Fluxo de Caixa Ativos Fixos $ 300.000,00 $ 2.900.000,00
  8. 8. Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre Investimento – RSI Materiais $ 3.500.000,00 - 5% $ 3.325.000,00 Retorno Sobre Investimento 10.0% Inventários $ 500.000,00 + 45% 14,5% $ 475.000,00 - 5%
  9. 9. Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre Investimento – RSI Cada “centavo” salvo nas atividades de compras é equivalente à um “centavo” a mais lucro da Empresa. Exemplo Anterior: Os 5% de redução nos custos de materiais ($175.000,00) produziram um aumento no lucro de $175.000,00: Situação Anterior = $5.000.000,00 x 0,08 = $400.000,00 Nova Situação = $5.000.000,00 x 0,115 = $575.000,00 Aumento no Lucro = $575.000,00 - $400.000,00 = $175.000,00
  10. 10. Relação dos Elementos Básicos com Influência no Retorno Sobre Investimento – RSI Porém, um “centavo” adicional proveniente do aumento das vendas não significa um “centavo” a mais no lucro da Empresa. Exemplo Anterior: Os 5% de redução nos custos de materiais ($175.000,00) produziram um aumento no lucro de $175.000,00. Porém, admitindo-se a margem de 8%: Aumento no Lucro = Novas Vendas x 0,08 $175.000,00 = Novas Vendas x 0,08 Novas Vendas = $2.187.500,00 ($2.187.500,00 / $5.000.000,00) X 100 = 43,8%
  11. 11. Simulação de Cenários Participação dos Materiais nos Custos 60% Compensação 55% em Vendas 50% 45% 40% 35% 30% 25% Participação 20% dos Materiais 40% 45% 50% 55% 60% 65% 70% 75% 80% 85% 90%
  12. 12. Materiais Pr Di ev G isã isp sp on on er o ib biil en de id cia Ve m da nd Pr ad P Pl og og dee en as to an rra am do do da os Pr de de aç aç od od P ão ão u utt Co Pr o o nf od od ig uç uç ur ão aç Quantidades ão Produzir ou Comprar Estimativas Exigências Vendas do Cliente Vendas Capabilidade Especificaç Especifica ções Produção Engenharia Fornecedor AV da Cadeia de Fornecedores Desenvolvimento Pr oc Re ed im M M cla en m ap t a aç In os d da da sp Inspeç õe Q s eç a Q Inspeção na Fonte ua qu ão ua liid li d Ex an da iig to ad ad dee e ên a Q c Pr ciia Pr ua s od sd o u lid e to Q o ad Qu e uaallii da de de do o Qualidade
  13. 13. Conceitos Básicos para aplicação da Matriz de Posicionamento Estratégico de Materiais - MPEM
  14. 14. MPEM – Conceitos Básicos • Objetivo: melhorar a competitividade da empresa a partir de diretrizes estratégicas para materiais e serviços. • Método: classificar os materiais produtivos, não produtivos e/ou serviços adquiridos e desenvolver planos de ação com vistas a: • melhorar a competitividade dos produtos no mercado; • minimizar os riscos de suprimentos; • definir políticas de relacionamento (modalidades de compras).
  15. 15. MERCADO COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS PRODUTOS EMPRESA MATERIAIS RISCO DE SUPRIMENTOS FORNECEDORES
  16. 16. Dimensões competitivas: • Custo; Influência na • Prazo; Competitividade • Qualidade; • Inovatividade. Forças competitivas: • Poder de barganha; Risco de • Substituição; Suprimentos • Rivalidade; • Novos entrantes.
  17. 17. Risco de Suprimento Barreiras à entrada 5 forte 4 3 2 1 fraca 1 2 3 4 5 suave intensa Poder de Rivalidade 5 4 3 2 1 fácil comprador fornecedor barganha 1 2 3 4 difícil 5 Substituição
  18. 18. MPEM – Conceitos Básicos Componentes Componentes Influência nos resultados Alavancadores Estratégicos Alto •Fazer uso da competição •Relacionamentos de longo- •Contratos de longo prazo prazo (parcerias) da empresa com os melhores • contratos de aliança Componentes Componentes de Não-Críticos Risco Baixo • Melhorar custos logísticos • Redesenhar/substituir • Melhorar custos produtos administrativos • Minimizar risco de suprimentos Baixo Alto Risco de compra
  19. 19. MPEM – Exemplo de aplicação na indústria de Petróleo
  20. 20. MPEM – Exemplo de aplicação para definição de Modalidades de Compra e decisões Verticalizar x Terceirizar x Comprar Alto Integração Consorcio Vertical Contrato Al ia Complexidade do Mercado Fornecedor Longo De nç Prazo se a n vo lv Terceirização im (Fatores Externos) en to Negociação Agressiva / Leilão Contrato Catálogo Eletrônico de Preços Mercado Spot Compras Descentralizadas Baixo Criticidade do Item (Fatores Internos) Alto Ano: 2002
  21. 21. COMPREENDENDO OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA MICROECONOMIA DA FIRMA/EMPRESA NO BRASIL
  22. 22. Escala de produção da Indústria Automobilística Nacional Produção – 1957-2006 (unidades) Crescimento lento e aumento de diversificação 7 novas montadoras
  23. 23. Indústria Automobilística Nacional FATURAMENTO LÍQUIDO: 1966 – 2006 (US$ milhões) Crescimento lento *Estimativa
  24. 24. Indústria Automobilística Nacional
  25. 25. Faturamento da indústria de auto-peças Ano Faturamento (US$ milhões) 1990 12.244 1991 9.848 1992 10.122 1993 13.222 1994 14.376 1995 16.584 1996 16.122 Crescimento lento 1997 17.458 1998 14.853 1999 11.213 2000 12.000 2001 11.903 2002 11.016 2003 13.300 2004 18.549 2005 25.263 2006* 29.800 *Previsão
  26. 26. Produção de Veículos Em 2006 1º - Japão 11,5 milhões 2º - EUA 11,3 milhões 3º - China 7,2 milhões Alemanha 5,8 milhões 4º - Brasil 2,6 milhões 8º - Total Mundial 69,2 milhões Fonte: Anfavea
  27. 27. Produção mundial de veículos
  28. 28. Produção mundial de veículos
  29. 29. Produção mundial de veículos por Continente
  30. 30. Indústria Automotiva no Brasil Produção de veículos automotores no Brasil em unidades Vendas no atacado do Brasil 2.210.741 2.069.703 1.817.116 1.791.530 1.827.791 1.586.291 1.691.240 1.943.458 1.356.714 1.601.282 1.578.775 1.534.952 1.489.481 1.478.619 1.428.610 1.256.953 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
  31. 31. Porque a realidade de cada país e ou região é diferente ? Porque inovações de sucesso em algum local, normalmente, exigem adequações para outros locais ? O caso da Indústria Metal-Mecânica: Custos de Aquisição de Equipamentos para a Montagem de uma Célula de Manufatura Brasil EUA/Japão Tornos CNC $ 100,000.00 $ 65,000.00 Tempera Indução $ 350,000.00 $ 228,000.00 Brochadeira de entalhado $ 500,000.00 $ 325,000.00 Balanceadora $ 80,000.00 $ 52,000.00 Fresadora $ 120,000.00 $ 78,000.00 Furadeira/rosqueadeira $ 60,000.00 $ 38,000.00 Retifica CNC $ 450,000.00 $ 293,000.00 Custo total $ 1,660,000.00 $ 1,079,000.00
  32. 32. Custos da Mão-de-Obra País $.Hora Brasil 3.31 EUA 30.33 Japão 25.00 Fontes: i) Brasil: sindicato do ABC paulista e fontes internas do setor metal- mecânico de São Paulo ii) Exterior: pesquisas internas em uma Empresa transnacional com matriz nos EUA e subsidiária em vários locais do mundo, incluindo o Japão
  33. 33. Análise Comparativa dos Custos de uma Célula de Manufatura País Brasil EUA Japão Mão de obra/mês $ 10.160,28 $ 96.085,44 $ 79.200,00 Equipamentos/mês $ 15,500.00 $ 10,075.00 $ 10,075.00 Custo/mês $ 25.660, 28 $ 106.159,44 $ 89.275,00
  34. 34. O GPT tem como base conceitual as modernas tecnologias de gestão que atualmente são adotadas nas intituladas “Empresas de Classe Mundial”, em particular, o STP-Sistema Toyota de STP- Produção ea TOC- TOC-Teoria das Restrições.
  35. 35. A possibilidade melhorias contínuas nos processos produtivos das Organizações pode ser realizada – dentro da lógica geral proposta neste projeto – adotando uma combinação: Elemento de TOC priorização das Teoria das restrições a serem Restrições melhoradas STP Medição das eficiências das Sistema restrições (TPM) Toyota de Produção
  36. 36. Entre as dimensões da competitividade, a FLEXIBILIDADE se torna um diferencial. Hoje, as empresas se vêem obrigadas a Produzir elevada variedade com baixos volumes dificultando as estratégias de produção a serem adotadas.
  37. 37. As alternativas para esta FLEXIBILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO são de três ordens gerais: Aquisição de equipamentos flexíveis
  38. 38. As alternativas para esta FLEXIBILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO são de três ordens gerais: Aumento da Eficiência dos atuais equipamentos através de técnicas do STP visando REDUZIR OS TEMPOS DE PREPARAÇÃO
  39. 39. As alternativas para esta FLEXIBILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO são de três ordens gerais: Melhoria dos sistemas de Planejamento e Controle da Produção (PCP)
  40. 40. No entanto, existe uma diferença econômica fundamental da Indústria Brasileira em relação às Indústrias de Primeiro Mundo: o CUSTO DE DEPRECIAÇÃO DA MÁQUINA em relação ao CUSTO DE MÃO DE OBRA. Brasil Primeiro 1:2 Mundo 1:10
  41. 41. Podemos então pensar: Produzir Elevada Variedade com Baixos Volumes (idéia central) FLEXIBILIZAR A PRODUÇÃO Adquirir Aumentar a Eficiência dos Melhorar o PCP Equipamentos Flexíves Equipamentos Atuais Custo elevado para Alternativa de padrões brasileiros médio/longo prazo
  42. 42. Embora constitua em uma alternativa real, a aquisição de novos equipamentos que flexibilizam a produção – nas empresas brasileiras – apresenta uma grande complexidade no prisma econômico- econômico-financeiro. Melhorar Comprar Eficiência Máquinas Atual Novas
  43. 43. Ou seja... Aumento das Melhor medições do Ações de baixo utilização dos Índice de custo ATIVOS FIXOS Eficiência Global das empresas
  44. 44. UNIDADES DE NEGÓCIOS Unidade de Unidade de Unidade de Unidade de Unidade de TOTAL % Negócio 1 Negócio 2 Negócio 3 Negócio 4 Negócio 5 1. FATURAMENTO BRUTO R$ 2.800.000,00 R$ 2.450.000,00 R$ 3.850.000,00 R$ 14.000.000,00 R$ 11.900.000,00 R$ 35.000.000,00 100,00% 2. DEDUÇÕES R$ 288.400,00 R$ 252.350,00 R$ 396.550,00 R$ 1.442.000,00 R$ 1.225.700,00 R$ 3.605.000,00 18,00% 3. FATURAMENTO LÍQUIDO R$ 2.511.600,00 R$ 2.197.650,00 R$ 3.453.450,00 R$ 12.558.000,00 R$ 10.674.300,00 R$ 31.395.000,00 89,70% % sobre Faturamento Global 89,70% 89,70% 89,70% 89,70% 89,70% R$ 4,49 89,70% 4. CUSTO VARIÁVEL DE PRODUÇÃO R$ 1.605.380,00 R$ 1.690.402,00 R$ 1.758.449,00 R$ 5.138.560,00 R$ 7.356.580,00 R$ 17.549.371,00 50,00% 4.1 Matéria-prima R$ 1.331.148,00 R$ 1.450.449,00 R$ 1.381.380,00 R$ 3.767.400,00 R$ 6.191.094,00 R$ 14.121.471,00 40,00% 4.2 Comissão de Venda R$ 50.232,00 R$ 43.953,00 R$ 69.069,00 R$ 251.160,00 R$ 213.486,00 R$ 627.900,00 2,00% 4.3 Fretes R$ 28.000,00 R$ 24.500,00 R$ 38.500,00 R$ 140.000,00 R$ 119.000,00 R$ 350.000,00 1,00% 4.4 Materiais de Consumo R$ 196.000,00 R$ 171.500,00 R$ 269.500,00 R$ 980.000,00 R$ 833.000,00 R$ 2.450.000,00 7,00% 5. REFUGO E/OU RETRABALHO R$ 84.000,00 R$ 147.000,00 R$ 385.000,00 R$ 280.000,00 R$ 714.000,00 R$ 1.610.000,00 5,00% 6. MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL R$ 906.220,00 R$ 507.248,00 R$ 1.695.001,00 R$ 7.419.440,00 R$ 3.317.720,00 R$ 13.845.629,00 40,00% % sobre o Faturamento Líquido da U.N. 36,08% 23,08% 49,08% 59,08% 31,08% 44,10% 44,10% 7. CUSTOS FIXOS DIRETOS R$ 252.000,00 R$ 171.500,00 R$ 308.000,00 R$ 1.120.000,00 R$ 2.142.000,00 R$ 3.993.500,00 11,00% 7.1 Mão-de-obra R$ 84.000,00 R$ 24.500,00 R$ 77.000,00 R$ 280.000,00 R$ 1.428.000,00 R$ 1.893.500,00 5,00% 7.2 Energia Elétrica R$ 28.000,00 R$ 24.500,00 R$ 38.500,00 R$ 140.000,00 R$ 119.000,00 R$ 350.000,00 1,00% 7.3 Depreciação R$ 140.000,00 R$ 122.500,00 R$ 192.500,00 R$ 700.000,00 R$ 595.000,00 R$ 1.750.000,00 5,00% 8. MARGEM FÁBRICA DIRETA R$ 654.220,00 R$ 335.748,00 R$ 1.387.001,00 R$ 6.299.440,00 R$ 1.175.720,00 R$ 9.852.129,00 28,00% % sobre o Faturamento Líquido da U.N. 26,05% 15,28% 40,16% 50,16% 11,01% 31,38% 28,00% 9. CUSTOS FIXOS INDIRETOS R$ 4.620.000,00 13,00% 9.1 Estamparia R$ 350.000,00 1,00% 9.2 Forja R$ 245.000,00 0,70% 9.3 Gastos Indiretos de Fabricação R$ 525.000,00 1,50% 9.4 Qualidade R$ 350.000,00 1,00% 9.5 Compras R$ 1.400.000,00 4,00% 9.6 Engenharia de Processos R$ 700.000,00 2,00% 9.7 Manutenção R$ 350.000,00 1,00% 9.8 Melhoria Contínua R$ 175.000,00 0,50% 10. MARGEM FÁBRICA TOTAL R$ 5.232.129,00 16,00% 11. DESPESAS COM ESTRUTURA R$ 2.625.000,00 8,00% 11.1 Controladoria/Finanças R$ 700.000,00 2,00% 11.2 Despesas RH R$ 350.000,00 1,00% 11.3 Exportação e Vendas Montadoras R$ 350.000,00 1,00% 11.4 Vendas & Marketing R$ 700.000,00 2,00% 11.5 Engenharia do Produto R$ 420.000,00 1,20% 11.6 Atendimento Montadoras R$ 45 105.000,00 0,30% 12. RESULTADO OPERACIONAL R$ 2.607.129,00 7,00%
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×