Gustavo Adolfo di Cresci
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Gustavo Adolfo di Cresci

on

  • 4,704 views

Dissertação de Mestrado Ibmec

Dissertação de Mestrado Ibmec

Statistics

Views

Total Views
4,704
Views on SlideShare
4,671
Embed Views
33

Actions

Likes
0
Downloads
63
Comments
0

3 Embeds 33

http://www.linkedin.com 23
https://www.linkedin.com 6
http://www.lmodules.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Gustavo Adolfo di Cresci Document Transcript

  • 1. FACULDADES IBMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ADMINISTRAÇÃO ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO EM UMA EMPRESA DE ENERGIA Gustavo Adolfo de Cresci Silva Orientadora: Profª. Drª. Flávia Cavazotte Rio de Janeiro, 22 de Junho de 2004.
  • 2. 2 Estágios de Desenvolvimento da Gestão Estratégica de Recursos Humanos: Um Estudo Exploratório em uma Empresa Brasileira de Energia Gustavo Adolfo de Cresci Silva Dissertação de Mestrado Profissionalizante apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração e Economia das Faculdades Ibmec, como requisito parcial necessário para a obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Estratégia Aprovada em: 22 de junho de 2004. BANCA EXAMINADORA ______________________________________________________________________ Prof. Drª. Flávia Cavazotte – Orientador, Faculdades IBMEC ______________________________________________________________________ Profº. Drº. Valter Moreno - Faculdades IBMEC ______________________________________________________________________ Dr. Martius Rodríguez y Rodríguez - UFF
  • 3. 3 Lista de Abreviaturas MA– GERH – Modelo de Avaliação da Gestão Estratégica de Recursos Humanos GERH – Gestão Estratégica de Recursos Humanos GRH – Gestão de Recursos Humanos RH – Recursos Humanos DP – Departamento de Pessoal PNQ – Prêmio Nacional da Qualidade ABRH – Associação Brasileira de Recursos Humanos SEI – Software Engineering Institute PDCA – (Plan, Do, Check, Act) IDEAL – (Initiation, Diagnosing, Establishing, Acting, Leveraging) SA – CMM – (Software Acquisition Capability Model) SE – CMM – ( Systems Engineering CMM) IPD – CMM – (Integrated Product Development) CMMI – (Capability Maturity Model Integrated) P– CMM – (People Capability Maturity Model) BSC – Balance Scordcard GDP – Gerenciamento de Desempenho de Pessoas GDL – Gerenciamento de Desempenho do Líder IN – Identificação de Necessidades de Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas PDL – Plano de Desenvolvimento do Líder PDRH – Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos PDRHE – Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Exterior SIG – Sistema Integrado de Gestão
  • 4. 4 MBA – Master Business Administration GQT – Gestão da Qualidade Total PPRA – Programa de Prevenção e Riscos Ambientais SIGA – Sistema Integrado de Gestão de Anomalias CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional SMS – Segurança, Meio Ambiente e Saúde PEGASO – Programa de Excelência em Gestão Ambiental e Segurança Ocupacional SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho ISO 14 001 – Normas relativas à Sistema de Gestão Ambiental BS 88 00 – Normas relativas à Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional ISE – Índice de Satisfação dos Empregados
  • 5. 5 Lista de Figuras Figura 1 – Quadro relativo aos três estágios da GERH Figura 2 – Quadro relativo aos Papeis e Funções de RH (Ulrich) Figura 3 – Figura sobre os Níveis de Maturidade do P– CMM Figura 4 – Matriz referente aos processos chaves do P– CMM Figura 5 – Matriz referente aos processos chaves do MA – GERH Figura 6 – Organograma da Empresa Brasileira de Energia Figura 7 – Quadro demonstrativo do perfil da amostra estudada Figura 8 – Gráfico referente ao perfil por sexo Figura 9 – Gráfico referente à distribuição da amostra por faixa etária Figura 10 – Gráfico referente ao perfil da amostra por região Figura 11 – Gráfico referente à distribuição da amostra por nível hierárquico Figura 12 – Quadro relativos à Sistema de Trabalho Figura 13 – Gráfico relativo à Sistema de Trabalho Figura 14 – Organograma referente à área de Recursos Humanos Figura 15 – Quadro Sumário relativo à Sistema de Trabalho Figura 16 – Quadro que relativos à Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas Figura 17 – Gráfico relativo à Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas Figura 18 – Quadro relativos à Cultura Organizacional e Qualidade de Vida Figura 19 – Gráfico à Cultura Organizacional e Qualidade de Vida Figura 20 – Quadro referente a Resultados Relativos às Pessoas Figura 21 – Gráfico referente a Resultados Relativos às Pessoas Figura 22 – Agenda de mudanças da área de RH da Empresa Brasileira de Energia Figura 23 – Quadro Sumário Geral
  • 6. 6 Figura 24 – Gráfico comparativo entre o grau de desenvolvimento e o grau de importância dos itens pesquisados DEDICATÓRIA Liberalina Fernandes (avó) Gustavo Silva (pai) Regina Cresci (mãe) Vinícius e Ricardo (irmãos) Anderson Mattos (amigo de fé) “Sem vocês, este projeto seria impossível.”
  • 7. 7 AGRADECIMENTOS Prof. Flávia Cavazotte, mais do que orientadora, um sentido para continuar. Prof. Martius Rodrigues e equipe, que colaboraram com a pesquisa de campo, minha gratidão. Prof. Valter Moreno, pelas sugestões de melhoria e pelo incentivo. Àos meus sócios da T&G Consulting e AGREGARH, pela concessão de tempo à pesquisa e motivação. À Margarida Fernandes, pelo apoio e dedicação. À Deise Fayer, pela contribuição técnica, e força. A João Gilberto Codognotto, pelo aprendizado e incentivo em minha carreira executiva, meu reconhecimento e afeto. A Carlos Roberto, grande incentivador dos meus melhores projetos, minha gratidão. A Dilso Peres, pelo exemplo e pela confiança. À Norma Brandão, pelas oportunidades e parceria. À equipe gestora da ASDIN, pela diversidade de experiências em RH. À Empresa Brasileira de Energia, pelo apoio e pela referência em práticas de excelência em RH. À Fundação Dom Cabral, pelo apoio. Ao Prof. Autran e professores do Ibmec, pela experiência e referência em educação de
  • 8. 8 excelência, na formação de executivos no Brasil. RESUMO Este trabalho acadêmico discute a gestão estratégica de recursos humanos nas empresas brasileiras. A literatura sobre gestão de pessoas é revista, identificando como o setor evoluiu ao longo da história, bem como as ferramentas de avaliação hoje em uso, que procuram identificar o grau de desenvolvimento e excelência da gestão de pessoas nas organizações. Com base na literatura, foi desenvolvido um instrumento de avaliação alternativo, com vistas a diagnosticar o grau de desenvolvimento dos sistemas de gestão de recursos humanos em empresas Brasileiras. Em seguida, o instrumento foi aplicado na realização de um estudo de caso exploratório, juntamente com entrevistas de campo e análise documental, a fim de diagnosticar o estágio de desenvolvimento da gestão de recursos humanos de uma empresa brasileira da área de energia. Os resultados do estudo apontam para diversas iniciativas de gestão estratégica de pessoas em uso na empresa estudada, que podem servir como referência para outras empresas interessadas em incrementar suas próprias práticas. ABSTRACT This academic work talks about the strategic management of human resources in Brazilian Companies. The literature about people’s management is reviewed; identifying how the sector evolved along the history, as well as the evaluation tools in use today; which try to identify the degree of development and excellence in management of human resources in the companies. Based on this literature, it was developed an alternative evaluation instrument, with the objective of diagnosing the degree of development of human resources management systems in Brazilian Companies. After that the instrument was applied in an exploratory case study, together with field interviews and documental analysis, it intended to diagnose the level of development on the human resources management of a Brazilian Company from the energy area. The results of the study point to several initiatives of people strategic management used in the company, which was the subject of the studies. They can be used as reference for other companies interested in improving their own practices.
  • 9. 9 SUMÁRIO 1. Introdução.....................................................................................................................11 2. O Problema...................................................................................................................17 2.1. Contextualização do Problema..............................................................................17 2.2. Formulação do Problema: Pergunta da Pesquisa...................................................19 2.3. Objetivos................................................................................................................20 2.3.1.Objetivo Principal 20 2.3.2.Objetivos Intermediários 20 2.4. Relevância do Estudo............................................................................................21 3. Referencial Teórico.......................................................................................................23 3.1. Evolução da Área de Recursos Humanos..............................................................23 3.2. Gestão Estratégica de Recursos Humanos.............................................................30 3.3. O Modelo de Múltiplos Papéis em Recursos Humanos........................................35 3.4. Como Medir o Grau de Desenvolvimento?...........................................................39 3.4.1.Desenvolvimento Organizacional 39 3.4.2.Teoria dos Estágios de Crescimento 41 3.5. Modelos de Maturidade / Excelência....................................................................42 3.5.1.Capability Maturity Model – CMM 42 3.5.1.1.People Capability Maturity Model–P-CMM 43 3.5.2.Modelo de Avaliação de Gestão – PNQ 48 3.6. Modelo de Avaliação Proposto..............................................................................52 4. Metodologia..................................................................................................................57 4.1. Definição do Método.............................................................................................57 4.2. Empresa Escolhida.................................................................................................60 4.3. Coleta de Dados.....................................................................................................64 4.3.1.Dados Quantitativos 64 4.3.1.1.Perfil da Amostra Quantitativa 65 4.3.2.Dados Qualitativos 67 4.3.2.1.Entrevistas 67 4.3.2.2.Documentação Pesquisada 68 4.3.2.3.Registros em Arquivo 69 5. Estudo e Descrição do Caso da Empresa Brasileira de Energia...................................70 5.1. Análise do Tema Central – Sistemas de Trabalho.................................................71 5.1.1.Documentos Pesquisados 71 5.1.2.Análise Quantitativa 72 5.1.3.Análise Qualitativa 77 5.1.4.Sumário 86 5.2. Análise do Tema Central – Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas............88 5.2.1.Documentos Pesquisados 88 5.2.2.Análise Quantitativa 89 5.2.3.Análise Qualitativa 92
  • 10. 10 5.2.4.Sumário 96 5.3. Análise do Tema Central – Qualidade de Vida.....................................................99 5.3.1.Documentos Pesquisados 99 5.3.2.Análise Quantitativa 101 5.3.3.Análise Qualitativa 103 5.3.4.Sumário 111 5.4. Análise do Tema Central – Resultados Relativo à Pessoas.................................112 5.4.1.Documentos Pesquisados 112 5.4.2.Análise Quantitativa 112 5.4.3.Análise Qualitativa 113 5.4.4.Sumário 114 5.5. Análise da Direção Estratégica............................................................................115 5.5.1.Documentos Pesquisados 115 5.5.2.Delineamento Estratégico 115 6. Avaliação dos Resultados...........................................................................................124 7. Limitações do Método................................................................................................126 8. Conclusões e Recomendações....................................................................................127 9. Referências Bibliográficas..........................................................................................130 10. Anexos........................................................................................................................135
  • 11. 11 1- Introdução Novas fontes de vantagem competitiva e as novas correntes de negócio têm exigido mudanças cada vez mais rápidas, profundas e abrangentes nas organizações (Hamel e Prahalad, 1995). A velocidade no ritmo dessas mudanças, como a evolução acelerada das tecnologias de informação e o redimensionamento constante dos conceitos de espaço e tempo gerados pela crescente globalização de negócios, impõe que as empresas busquem o grau máximo de excelência em todas as suas áreas de atuação e em seus processos de trabalho. Nesse contexto, um dos principais ingredientes para gerar alto nível de desempenho e eficiência organizacional é o capital intelectual das empresas, em outras palavras, seu conhecimento, sua experiência e seu Know-how. Tratar do ‘capital intelectual’, ou ‘inteligência competitiva’, ou ainda da ‘gestão do conhecimento’, é na realidade fazer com que o conhecimento gerado pela empresa se transforme em vantagem competitiva. Segundo Stewart (2002), a economia do
  • 12. 12 conhecimento é uma nova economia baseada em novas regras, exigindo novas maneiras de fazer negócios, e está baseada em três pilares: 1. O conhecimento impregna tudo que compramos, vendemos, produzimos, e tornou-se o mais importante fator de produção; 2. Os ativos do conhecimento – isto é, o capital intelectual, passa a ser mais importante, para empresa do que os ativos físicos e financeiros; e 3. É necessário prosperar nesta nova economia, explorando esses novos ativos cruciais. Para aquele autor, o capital intelectual pode ser dividido em três grandes blocos: o capital humano, o capital estrutural e o capital do cliente. O capital humano é a fonte de inovação. O capital estrutural são ativos que transformam know-how individual em propriedade do grupo, como tecnologias, invenções, dados, publicações, processos patenteados, direitos autorais registrados, estratégias e procedimentos organizacionais. O capital do cliente é o valor dos relacionamentos de uma empresa com as pessoas com as quais ela faz negócios. Segundo Rodriguez (2002), as empresas começam a gerenciar não só seus ativos tangíveis, mas também os seus ativos intangíveis. Como exemplo, a inclusão de ativos intangíveis no balanço da organização. Logo, nesse novo cenário, as pessoas passam a ser a variável determinante na geração de novos conhecimentos, e a gestão de recursos humanos assume um papel fundamental para o sucesso empresarial. A área de Recursos Humanos passa a ser responsável por dar sustentabilidade às ações, políticas e estratégias empresariais, no que tange às pessoas, formando os alicerces necessários para o desenvolvimento do negócio. As competências e os conhecimentos que cada colaborador desenvolverá junto à empresa, ao longo do tempo, (ex: vantagem competitiva no ramo de negócio, processos organizacionais e novas tecnologias) influenciarão fortemente as decisões, tanto operacionais como estratégicas, e
  • 13. 13 podem definir o sucesso ou o fracasso de uma operação ou de um negócio. Para Oliveira (2004), a administração de recursos humanos, muito antes de ser função de um departamento, é função de qualquer grupo organizado que busca resultado. Para este autor a administração de recursos humanos, supera as possibilidades de um departamento, deve ser assunto de toda empresa e um compromisso gerencial. As pessoas, como fator crítico de sucesso, têm sido tema de pesquisa no trabalho de vários estudiosos em recursos humanos, como por exemplo, Jeffrey Pfeffer. Em sua obra, Pfeffer (1994) discutiu o papel das pessoas na competitividade global da empresa, e afirma que conseguir vantagens competitivas por meio de pessoas envolve, fundamentalmente, uma mudança na forma como se pensa sobre elas dentro das organizações. Alguns autores, (Wood Jr. 1995; e Almeida, Teixeira e Martinelli, 1993), observaram que há uma transformação em curso nas funções e nos objetivos da gestão de recursos humanos, de um papel mais funcional, responsável por atividades operacionais, para um papel mais estratégico (Silva, 1996; Boog, 1994; Miner & Crane, 1994; Toledo, 1986) ou de parceiro estratégico (Ulrich, 1998). Porém, apesar da importância da gestão estratégica de pessoas ter sido amplamente enfatizada na literatura acadêmica e principalmente gerencial, na prática, muitas empresas em todo o mundo ainda gerenciam seus recursos humanos dentro de um modelo de gestão conservador e ultrapassado, que poderia ser melhor caracterizado como o de “departamento de pessoal”, e estariam, portanto, longe da gestão estratégica de pessoas tal como esta vem sendo preconizada. No Brasil, o estudo mais recente sobre o assunto, compara dados sobre a gestão de recursos humanos em empresas da grande São Paulo, coletados em 1995, (Curado, Pereira Filho & Wood JR, 1995), com dados obtidos em 1999, (Curado, 1999). Ambos estudos utilizaram o mesmo universo e o mesmo instrumento de coleta de dados,
  • 14. 14 numa amostra de 100 empresas, analisando as estruturas, as funções exercidas pela área e a utilização de técnicas de recrutamento, seleção, treinamento & desenvolvimento e administração de carreiras. O autor concluiu que as empresas paulistas não apresentaram um grau de transformação significativo no desenvolvimento da área de recursos humanos. Na realidade, o que há, na maioria das empresas, é um departamento de pessoal mais especializado, que incorpora algumas funções relacionadas com desenvolvimento de pessoas. Inúmeros artigos técnicos, tais como os de Prahalad (1983), Dyer (1983), Barney (1995), Wright, P.M., McMahan, G.C. & McWilliams (1994), Kaplan, R.S. & Norton, D.P. (1996), sugeriram que a gestão estratégica de recursos humanos deveria ser uma prioridade, e deveria incluir a adoção de modelos e programas em perfeita sintonia com as estratégias corporativas, garantindo, desta forma, a eficiência organizacional. Um exemplo deste novo modelo de gestão estratégica de pessoas seria o modelo de competências. Segundo Prahalad e Hamel (1990), as competências essenciais são as “raízes da competitividade”. Segundo analogia utilizada por esses autores: “A corporação diversificada é uma grande árvore. O tronco e os galhos são os produtos essenciais, e os galhos menores, as unidades de negócio; as folhas, as flores e os frutos são os produtos finais. A raiz, que promove nutrição, a sustentação e a estabilidade, é a competência essencial”. (PRAHALAD; HAMMEL, 1990, p. 57). A inserção da administração estratégica de recursos humanos nesta lógica tem como objetivo primordial formar competências. Por exemplo, uma empresa terá a competência da inovação se dispuser de pessoas inovadoras; e as pessoas serão inovadoras se o sistema de gestão incentivá-las. Assim, reconhecer e alinhar as competências essenciais da organização às de seus colaboradores, desde a captação ao desenvolvimento de sua mão de obra
  • 15. 15 especializada, transformou-se num objetivo estratégico das organizações que buscam a realização de suas metas empresariais de médio e longo prazo. Observa-se na literatura, uma diversidade de modelos que propõem articulações das estratégias de negócio com a área de Recursos Humanos: Dutra (2001) defendeu um modelo de gestão baseado na associação das competências estratégicas da empresa à atuação da área de Recursos Humanos. Esse modelo usou conceitos de competência, complexidade, agregação de valor e espaço ocupacional, e propôs uma forma de integrar as práticas de RH a partir do referencial de competências. Parry (1996) também investigou o uso do conceito de competências para decisões sobre recrutamento, treinamento, promoção e outras práticas de recursos humanos. Fleury e Fleury (2000), procuraram articular os estudos de competências realizados no nível do indivíduo à competência organizacional, criando uma tipologia que integra o conceito de competência individual à competência de negócio e às estratégias competitivas da empresa. Um outro exemplo é o trabalho de Ulrich (2000). Ele afirmou que o sucesso de uma organização depende de suas decisões estratégicas. Porém, as estratégias, por mais brilhantes que sejam, não se convertem imediatamente em resultados. Pelo menos, duas instâncias intermediárias podem ser mencionadas: a geração de competências e as ações. Sem ações, não se obtêm resultados; sem competência, as ações perdem eficácia ou sequer chegam a ser realizadas. Ulrich propôs um modelo de múltiplos papéis, indicando como os profissionais e a gestão de recursos humanos podem adicionar valor às empresas. Segundo o modelo, quatro papéis principais devem ser desempenhados para converter uma parceria empresarial em realidade. Os papéis descritos no modelo são: Administração de Estratégias de Recursos Humanos; Administração de infra-estrutura da empresa; Administração da Contribuição dos funcionários; e Administração da transformação e da mudança.
  • 16. 16 Para Scott A. Snell, Mark A. Shadur, Patrick M. Wright (2001), a área de recursos humanos se modificou ao longo do tempo para melhor atender às demandas da modernidade. Os autores sugeriram três estágios na administração estratégica de recursos humanos, com crescente complexidade e sintonia com as estratégias organizacionais. Neste trabalho, a visão destes autores servirá como referencial teórico para a criação de critérios de avaliação dos estágios de desenvolvimento da área de recursos humanos nas empresas brasileiras hoje. O objetivo central do trabalho é, tendo como referência o modelo de Snell et. al., criar um instrumento que permita realizar um levantamento diagnóstico para descrever os estágios de desenvolvimento da gestão de recursos humanos em empresas brasileiras. O instrumento desenvolvido será também aplicado num estudo de caso, com vistas a avaliar os estágios de desenvolvimento de uma empresa em particular: “Empresa Brasileira de Energia”.
  • 17. 17 2. O Problema 2.1. Contextualização do Problema Embora o desenvolvimento da área de recursos humanos tenha alcançado níveis de importância estratégica para muitas organizações no mundo, as pesquisas mais recentes no Brasil (Curado, 1999) demonstram que a quantidade de empresas brasileiras que investem no desenvolvimento da área de recursos humanos ainda é inexpressiva, e que grande parte delas continua mantendo o modelo clássico de Departamento de Pessoal ou um Departamento de Pessoal aperfeiçoado. Observa-se, porém, que o desenvolvimento de novas práticas relativas à gestão de recursos humanos tem crescido gradativamente no Brasil. Essa mudança parece representar o início de uma transição na área de RH - de um papel mais funcional, responsável por atividades operacionais, para um papel mais estratégico (Silva, 1996; Boog, 1994; Miner & Crane, 1994; Toledo, 1986) ou de parceiro estratégico (Ulrich,
  • 18. 18 1998). Contudo, a falta de indicadores sobre tais estágios de desenvolvimento impede uma análise mais precisa. Este estudo pretende desenvolver, primeiramente, um instrumento capaz de verificar o nível de desenvolvimento da gestão de recursos humanos. A partir desse instrumento, será feito um estudo de caso, indicando o nível de desenvolvimento na GERH de uma Empresa Brasileira de Energia. O instrumento desenvolvido para a realização do levantamento diagnóstico dos níveis de desenvolvimento da gestão de recursos humanos terá como base os postulados teóricos de Scott A. Snell, Mark A. Shadur, Patrick M. Wright, (2001) sobre os Estágios de Recursos Humanos Estratégico também serão utilizadas, como referência, ferramentas já existentes com propósitos similares. Uma dessas ferramentas será o modelo de Maturidade de Gestão de Pessoas (People Capability Maturity Model – P-CMM), criado pelo Software Engineering Institute na Universidade Carnegie Mellon - EUA, cuja função é avaliar a maturidade da organização em seus processos de administração de recursos humanos no que se refere a recrutamento, seleção, treinamento & desenvolvimento e remuneração. Esse instrumento assume que por meio uma estrutura que demonstre como uma organização pode progredir seqüencialmente pelos níveis crescentes de desenvolvimento até alcançar um nível de excelência. Outra ferramenta de referência será o instrumento que avalia os níveis de excelência em gestão empresarial, o Prêmio Nacional da Qualidade – PNQ. Esse instrumento foi criado a partir do “Malcolm Baldrige National Quality Award” (Prêmio Nacional de Qualidade Americano), implantado nos Estados Unidos em 1988, diante da necessidade de melhorar a qualidade dos produtos e de aumentar a produtividade das empresas naquele país.
  • 19. 19 O instrumento de diagnóstico desenvolvido nesta pesquisa foi aplicado em diversos níveis da área de RH da Empresa Brasileira de Energia, e foi utilizado para classificar a GERH da empresa, em um dentre os cinco estágios de desenvolvimento propostos pelo autor, e indicará o nível de desenvolvimento que fortemente influencia sua gestão. O resultado da avaliação será um raio-X da GERH, fundamentado nos postulados teóricos de Snell at. al (2001). Os indicadores gerados pela pesquisa servirão como índices consistentes para a Empresa Brasileira de Energia, para a comunidade acadêmica e para o mercado, sobre o nível de desenvolvimento da gestão de recursos humanos em uma empresa brasileira. O instrumento desenvolvido poderá posteriormente ser utilizado para investigar os estágios de desenvolvimento em outras organizações. 2.2. Formulação do Problema: Pergunta da Pesquisa A pergunta que a pesquisa pretende responder é: Como é possível descrever os estágios de desenvolvimento da Empresa Brasileira de Energia quanto a suas práticas de GERH, e como esta se situa diante dos estágios de Recursos Humanos Estratégico, propostos por Snell at. al. (2001) ? A partir do desenvolvimento e aplicação de um questionário, pretende-se realizar um levantamento da situação atual da GRH da Empresa Brasileira de Energia, obtendo-se assim um “raio-X” de seu estágio de desenvolvimento, contribuindo para demarcar os avanços da área de Recursos Humanos na referida empresa.
  • 20. 20 2.3. Objetivos Realizar um estudo de caso, aplicando critérios contemporâneos de excelência e desenvolvimento na GERH, no qual o estágio de desenvolvimento de uma empresa Brasileira será verificado – a “Empresa Brasileira de Energia”. 2.3.1. Objetivo Principal Elaboração de um instrumento para avaliar os estágios de desenvolvimento da GERH, e aplicá-lo no diagnóstico do estágio de desenvolvimento da gestão de pessoas de uma Empresa Brasileira de Energia. 2.3.2. Objetivos Intermediários
  • 21. 21 1.Analisar os modelos e as teorias atuais de gestão estratégica de recursos humanos. 2.Analisar os instrumentos de diagnóstico existentes para avaliação dos níveis de excelência e desenvolvimento na gestão de recursos humanos, com vistas a: 2.1. Desenvolver uma medida alternativa para avaliação das práticas de gestão estratégica de recursos humanos em empresas brasileiras; 2.2. Desenvolver critérios que possam ser usados para classificar como a área de RH se apresenta, em uma determinada empresa, em termos de níveis crescentes de desenvolvimento. 2.4. Relevância do estudo Com o ambiente empresarial cada vez mais competitivo, exigindo a criação de tecnologias cada vez mais avançadas para a geração de novos produtos e melhoria dos processos, o desenvolvimento e a inovação gerenciais tornam-se as características essenciais para que se desfrute plenamente das vantagens de uma liderança tecnológica, (Stata, 1989). Essa inovação está intimamente relacionada a mudanças organizacionais: nas estratégias, nas estruturas, nos processos, nos sistemas, na cultura organizacional e, neste sentido, nos padrões de comportamento e no conhecimento de seus colaboradores. Articular essas transformações de forma sistêmica é um desafio para as empresas que desejam, mais que sobreviver, permanecer competitivas. Esse novo cenário exige um conjunto de práticas para selecionar e reter os talentos necessários, para capacitar as pessoas em novos conhecimentos e habilidades, para recompensar desempenhos e
  • 22. 22 comportamentos eficazes, para estimular o comprometimento das pessoas, enfim, necessitam estar, de fato, alinhadas às estratégias da empresa. Nesse contexto, a área de Recursos Humanos é convocada a assumir a responsabilidade de dar sustentabilidade às ações, políticas e estratégias das empresas e aos objetivos relacionados às pessoas que, na realidade, formarão os alicerces necessários para o seu desenvolvimento no novo contexto empresarial. A dificuldade de se ter visibilidade sobre o panorama real dos estágios de desenvolvimento da área de recursos humanos em empresas brasileiras coloca pesquisadores e executivos diante de uma questão fundamental: as empresas no Brasil estão ou não investindo no desenvolvimento de seu pessoal, como recomenda a bibliografia acadêmica e gerencial? As empresas têm buscado o alinhamento estratégico da área de recursos humanos e o desenvolvimento das práticas que são recomendadas? Esta pesquisa pretende dar início a esse tipo de levantamento, desenvolvendo um instrumento pautado em referências teóricas sólidas e, em seguida, aplicando-o na análise do desenvolvimento da GERH em uma empresa brasileira. A empresa escolhida para o estudo de caso foi a Empresa Brasileira de Energia. O resultado do levantamento diagnóstico realizado no estudo de caso permitirá que estudiosos da área, gerentes e executivos de empresas, analisem as práticas de gestão de recursos humanos de uma empresa bem posicionada no cenário brasileiro e internacional, contribuindo, desta forma, para o re-posicionamento de empresas que não definiram ou estão definindo o lugar ou a função da área de recursos humanos na estrutura de seus negócios. Entender o que acontece com o desenvolvimento da área de recursos humanos no cenário brasileiro é fundamental, na medida em que, histórica e culturalmente, a área de recursos humanos tem exercido, na grande maioria das empresas, o papel de
  • 23. 23 contenção e controle, com uma função mais operacional, representada pelo Departamento de Pessoal, e assume, aos poucos, a função de parceiro estratégico (Ulrich, 1998). A pesquisa permitirá acessar indicadores que traduzam o grau de desenvolvimento da área de recursos humanos da Empresa Brasileira de Energia, com os seguintes ganhos: 1.Raio X da GERH - práticas e tendências; 2.Análise das práticas atuais com vistas a elaboração de sugestões de áreas críticas cujas atividades possam ser futuramente aperfeiçoadas. 3 – Referencial Teórico 3.1. Evolução da Gestão de Recursos Humanos No estudo publicado no Manual de Gestão de Pessoas e Equipes – Estratégias e Tendências, (Gustavo e Magdalena Boog, 2002) da ABRH-NACIONAL, intitulado, “Desenvolvimento Histórico de Recursos Humanos no Brasil e no Mundo”, constatou-se que quatro grandes períodos marcaram, historicamente, o desenvolvimento da área de recursos humanos: 1.O primeiro, do fim do século XIX a I Guerra Mundial, marcado pela intensificação dos processos industriais e a mecanização do trabalho, refletiu na captação de mão de obra com o início da seleção científica taylorista, que antes era subjetiva, improvisada e personalista, realizada pelo capataz nas imensas filas que se formavam nas portas das fábricas.
  • 24. 24 2.O segundo, que considera os eventos durante as duas guerras mundiais, momento em que as empresas passam a estruturar a gestão de recursos humanos em torno do Departamento Pessoal (DP), responsável por recrutar, selecionar, remunerar e demitir funcionários com base nas idéias taylorista, (“a pessoa certa no lugar certo”). 3.O terceiro abrange do pós-guerra aos anos 80, quando as empresas iniciaram a passagem do clássico DP para a GRH. Os nomes e as atividades da área mudaram: foram chamados de Departamento de Recursos Humanos. As atividades desenvolvidas pela área passaram a ser: recrutamento, seleção, treinamento, desenvolvimento, avaliação de desempenho, remuneração e demissão. O treinamento e desenvolvimento de pessoal, bem como a avaliação de desempenho e de potencial, ganharam ênfase nesse período porque as tarefas ficaram mais complexas e a sofisticação tecnológica do trabalho tornou a substituição de funcionários mais cara, favorecendo a retenção das pessoas nas organizações. Nesse período cresce a importância e o escopo da função da área de recursos humanos; 4.O quarto, a década de 90, cujos efeitos são sentidos até o presente momento. A área de recursos humanos ganhou várias denominações: Gestão de Pessoas, Gestão de Talentos, Gestão Estratégica de Recursos Humanos. Tipicamente, seu foco passou a ser a gestão de competências. A construção de modelos de gestão de pessoas tornou-se mais flexível e orgânica. O modelo de Ulrich (1998) resumiu essa tendência, destacando quatro papéis fundamentais na área: o de agente de mudança, o de defensor dos funcionários, o de apoio administrativo e o de parceiro estratégico.
  • 25. 25 Observa-se então, que a função e as práticas de recursos humanos, tal qual as conhecemos hoje, derivam de diversos fatores contextuais que caracterizam o fim do século XIX e o início do século XX, evoluindo de forma crescente até alcançarem a gestão estratégica de recursos humanos. Destacam-se quatro grandes momentos históricos em sua evolução: I.O desenvolvimento do capital e da industrialização: Este período data do final do século XIX até a I guerra mundial, onde a figura do capataz personifica a 1ª função de RH. É o primórdio de um modelo de gestão de recursos humanos, que era responsável pela contratação e demissão de funcionários no contexto de uma produção quase artesanal. O fortalecimento do modelo da Revolução Industrial incluiu vários aspectos que interferiram na administração de RH, tais como: a estruturação das cidades; a abundância de uma mão-de-obra que favorecia o descarte das pessoas dentro das Indústrias; e as primeiras leis que regulariam as atividades de trabalho, que definiram o estabelecimento de horários e dias de trabalho, bem como a regulação do trabalho infantil e condições mínimas de segurança. O modelo de organização racional do trabalho de Frederick Taylor (1987) se consolidou, no início do século, como o primeiro modelo estruturado de GRH; Embora não fosse idealizado como tal, é derivado, na teoria e na prática, das primeiras noções de gestão de Taylor, em torno dos pressupostos de um “homem econômico”. Conforme mostrou Thompson e McHugh (1995), esse modelo incluía: − o desenvolvimento de uma ciência para cada elemento do trabalho; − seleção científica e o treinamento dos trabalhadores; − a cooperação entre gerentes e os trabalhadores de modo a garantir que o trabalho fosse feito de acordo com a ciência;
  • 26. 26 − a divisão do trabalho e das responsabilidades entre gerentes e trabalhadores, cada qual fazendo aquilo que lhe era mais apropriado. No Brasil, o processo de Industrialização, neste momento, era incipiente e a economia, predominantemente agrícola, o que promovia a manutenção de modelo de relação de trabalho próximo do sistema escravocrata. A GRH não era tema de interesse. II.A organização do trabalho: Período que data a fase entre as duas guerras mundiais, quando as empresas passaram a estruturar a gestão de recursos humanos em torno do Departamento Pessoal - DP, responsável por recrutar, selecionar, remunerar e demitir funcionários com base nas idéias taylorista (“a pessoa certa no lugar certo”). A partir da divulgação dos experimentos de Hawthorne, no início dos anos 30, o modelo prescritivo de RH se amplia, e passa a tratar de questões mais complexas, denominadas “relações humanas” ou “relações Industriais”. Temas como: Grupos, liderança, motivação, atitude, comunicação, são variáveis que passam a ser consideradas na análise da produtividade (Schultz e Schultz, 1994). As empresas, no período entre guerras, foram fortemente influenciadas pela escola de relações humanas, que começou a considerar os fatores psicológicos nas relações profissionais, junto à necessidade de gestão e controle para alcançar eficiência e produtividade (Baron, Dobbin e Jennings, 1986). Nas Indústrias americanas, as práticas burocráticas de controle de pessoal mais difundidas, nesta época, foram: Análise do cargo, avaliações, testes de seleção e recrutamento. Nesse mesmo período houve um crescimento significativo do movimento de sindicalização e das legislações para regular as atividades de trabalho, como: número de horas trabalhadas; segurança e condições de trabalho; regulamentação do trabalho e discussões sobre a identidade e a função profissional dos administradores de pessoal.
  • 27. 27 O desenvolvimento da industrialização brasileira no período entre as guerras acelerou o ritmo das mudanças, impulsionando transformações importantes nas condições de organização do trabalho e na gestão de RH. Com papel limitado e bastante burocrático, o surgimento do Departamento Pessoal no Brasil permitiu o início da separação e da centralização das atividades de recrutamento, seleção, remuneração e demissão. O DP foi então estruturado para adequar-se a tarefas e requisitos legais que começavam a ser exigidos pela legislação ou por práticas regulamentadas da gestão do trabalho. III.Da teoria organizacional: O período que data do pós-guerra à década de 1980 foi marcado por grandes avanços na área de gestão de RH. As empresas iniciaram a passagem do DP clássico para a Gestão de Recursos Humanos. Mudaram os nomes e as atividades da área, que passaram a ser chamados de “Departamento de Recursos Humanos”. As atividades desenvolvidas pela área passaram a ser: recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento, avaliação de desempenho, remuneração e demissão. O treinamento e desenvolvimento de pessoal, bem como a avaliação de desempenho e de potencial, ganharam ênfase nesse período, porque as tarefas mais complexas e a sofisticação tecnológica do trabalho tornaram a substituição de funcionários bem mais cara, o que favorecia a retenção das pessoas nas organizações. Nesse período, cresce a importância e o escopo da função de recursos humanos nas empresas. Neste momento, as políticas de gestão de pessoas passaram a tomar como base o coletivo dos trabalhadores, e foram sistematizadas. Os métodos de recrutamento e seleção foram aperfeiçoados, passando a se apoiar cada vez mais em testes e procedimentos formalizados. A política salarial passou a se estruturar em torno de descrições de cargos que relacionavam os deveres às responsabilidades. As estruturas
  • 28. 28 organizacionais foram extremamente hierarquizadas, com as ações de treinamento, na maioria dos casos, sendo direcionadas às movimentações entre os cargos. O pensamento que passou a ser predominante, a partir da década de 1950 foi a ênfase na produtividade e eficiência que, segundo os estudos da época, só seriam alcançadas com empregados motivados e satisfeitos. Neste momento, passou-se a difundir os treinamentos gerenciais que incluíam temas como motivação, liderança, participação nas decisões, resolução de conflitos, saúde e lazer. Neste mesmo período, surgem as teorias das hierarquias de necessidades, a teoria de McGregor sobre a natureza da atitude em relação ao trabalho, a teoria dos fatores de Herzberg, os trabalhos de Lawler sobre motivação, necessidades e recompensas, comportamento e satisfação, entre outros. Os estudos sobre liderança passaram a enfatizar mais as formas de atuação do líder (ex, a liderança transformacional) do que as características pessoais natas, o que sugeria que os líderes poderiam ser formados dentro de escolas ou das organizações. A área de recursos humanos, neste momento, ganha foco em treinamento e desenvolvimento, na tentativa de formar gestores mais atentos ao “lado humano da empresa”. Já entre os anos de 1960 a 1970, a administração de recursos humanos apresentou uma tendência à mudança. As incertezas políticas e econômicas e a multiplicação de teorias e abordagens de gestão de organizações nesta fase dão ênfase à necessidade de ampliação do papel da área de administração de pessoas dentro das organizações. Fumularo (1972), em seu “Handbook of modern personnel administration”, descreveu a evolução da área de administração de pessoas neste período: “De uma concentração anterior no emprego de operários e programas de bem-estar social, a área de pessoal evoluiu para uma função essencial e uma constelação de habilidades e talentos, cobrindo um amplo espectro de atividades relacionadas com recrutamento, seleção, colocação, desenvolvimento, avaliação, compensação, organização, conservação, do
  • 29. 29 negócio e de seu recurso mais crítico: as pessoas que fazem a organização produtiva” (FUMULARO, 1972, p.1-3). No Brasil, o período entre 1945 e 1964 caracterizou-se pela instalação de indústrias multinacionais, pelo crescimento das estatais, com a realização de grandes obras civis de infra-estrutura, e pelo aparecimento de grandes empresas privadas nacionais, que absorveram um grande contingente de trabalhadores vindos do meio rural, mão-de-obra, em geral não qualificada para a indústria. Nesse momento, a mola mestra do gerenciamento dos Departamentos de Pessoal era o cumprimento da legislação trabalhista, sendo as demais práticas de recursos humanos exercidas de maneira informal ou incipiente. Grande parte das empresas brasileiras contavam com o tradicional Departamento de Pessoal para gerenciar a vida funcional das pessoas, ainda que muitas empresas multinacionais tenham se instalado no país nesta época, procurando introduzir modelos de gestão de recursos humanos, a situação real das empresas no Brasil era bastante incipiente e legalista. IV.Das configurações organizacionais: Nos anos 1990, a área de recursos humanos teve várias denominações: Gestão de Pessoas, Gestão de Talentos, Gestão Estratégica de Recursos Humanos. Tipicamente, seu foco passou a ser a gestão de competências e a construção de modelos de gestão de pessoas mais flexíveis e orgânicos. Atualmente, o recrutamento, a seleção, o treinamento e a remuneração se baseiam em modelos de competências, em vez de se estabelecerem políticas gerais para todos na empresa. O modelo de Ulrich (1998) traduziu a tendência moderna de gestão estratégica de RH, destacando quatro papéis fundamentais dos profissionais da área: o de agente de mudança, o de defensor dos funcionários, o de apoio administrativo e o de parceiro estratégico.
  • 30. 30 3.2. Gestão Estratégica de Recursos Humanos Bartlett e Ghoshal (1987) observaram que, com o fenômeno da globalização, as organizações que competem internacionalmente passaram também a competir pelo recurso mais importante de todos – o talento. A diferença entre o sucesso e o fracasso empresarial passou a ser determinado pela forma com que as organizações selecionam, treinam e gerenciam seus empregados. Para Guest (1988), a necessidade de reformulação de planos de gerenciamento das pessoas e o despertar gerencial para a relevância da Administração Estratégica de Recursos Humanos possuem sólidas razões, tais como:
  • 31. 31 − a vantagem competitiva: obtida pela diferenciação ou focalização e pela qualidade (Porter, 1985 apud Guest, 1988). Essa vantagem é alcançada pela qualidade do serviço e depende da qualidade e do comprometimento do staff; − a minimização de custos: incluindo cuidadosa seleção e treinamento, menor turnover, absenteísmo e controles reduzidos; − a realização de mudança: exigindo um novo clima nas relações de trabalho, com redução do controle burocrático, o que é mais favorável à inovação; − a imagem da companhia: a posição de vanguarda na administração de recursos humanos pode fornecer à empresa vantagens no mercado, por meio de uma imagem de responsabilidade social e qualidade, assim como pode atrair candidatos de alta qualificação (ou com potencial para tal); − os modelos de excelência: a literatura sobre as melhores companhias mostra os impactos das práticas de Administração de recursos humanos para a competitividade destas; − o colapso da Administração de Pessoal: o fracasso da Administração dos Departamentos de Pessoal, incapazes de inovar na política de pessoal e de contribuir para a busca de vantagem competitiva. Scott Snell, Mark Shadur e Patrick Wright (2001) elaboraram recentemente um estudo de grande relevância sobre as características e as tendências da administração de GERH. Eles partem do princípio de que as pessoas estão entre os recursos disponíveis mais importantes de uma organização, e de que a gestão estratégica de recursos humanos deve estar no centro das discussões sobre como as empresas podem alcançar vantagens competitivas. De algum modo, segundo os autores, a máxima sempre anunciada de que as pessoas são os maiores ativos da organização se transformou numa afirmativa vazia e inócua. Tal constatação, é por que, historicamente, a maioria das empresas não investiram
  • 32. 32 grandes quantias de dinheiro no desenvolvimento de seu pessoal e que a área de recursos humanos quase sempre ocupou pouco espaço nas discussões sobre o negócio. Constata-se também que, em muitas organizações, as estratégias não consideravam as habilidades, competências e o comportamento de seus colaboradores. Snell, Youndt e Wright (1996) observaram que a maioria dos executivos não inclui os recursos humanos na equação estratégica, substituindo, sempre que possível, o capital pelo trabalho. Há uma tendência, por parte desses executivos, em administrar uma estrutura hierárquica, que quase sempre separa os que pensam, daqueles que efetivamente executam o trabalho. Logo, o novo contexto global aponta questões importantes em relação à gestão de recursos humanos: 1. O que há de diferente agora? 2. Por que as pessoas são mais importantes hoje? 3. Quais são os assuntos ou atividades de recursos humanos que correspondem às discussões sobre administração estratégica? Segundo Snell et. al. (2001), parte das respostas está relacionada com as novas perspectivas e prioridades sobre as vantagens competitivas das empresas. As teorias de administração estratégica indicam a necessidade da formação de competências para o atendimento da visão de longo prazo. Obter vantagem competitiva reside na habilidade que tem uma empresa em aprender, inovar e transformar, tornando o elemento humano o ingrediente mais importante na geração de valor econômico (Conner & Prahalad, 1996). Os autores ressaltaram que a diferença entre estratégia de recursos humanos e estratégia competitiva está se tornado cada vez mais tênue, na medida em que o potencial competitivo reside nas atividades intelectuais e de serviços, ou seja, o que as pessoas conhecem, pensam, e como elas se comportam, são condições sine qua non para uma administração estratégica.
  • 33. 33 A partir desta lógica, nem a formação, nem a implementação de estratégias podem estar desvinculadas à maneira como as pessoas são administradas, daí o aumento da importância das estratégias de RH. A partir do momento em que as pessoas não são vistas apenas como “pés e mãos”, em função da produção, mas como fontes de capacidade estratégica, mudam o foco e a forma de se fazer administração das pessoas. Um princípio fundamental entre os economistas é que, diferentemente de outros ativos, uma organização não pode adquirir capital intelectual, da mesma forma como adquire outros bens (Becker, 1964). Os funcionários de uma organização é que são capazes de compor e de gerar esse capital intelectual a partir gestão do conhecimento. Entretanto, a competitividade de uma empresa depende não só da administração do conhecimento, mas também da forma com que seus acionistas vêem o negócio e como essa visão é traduzida para o restante da organização. A cultura, as atitudes, os valores e o compromisso com os colaboradores são características essenciais. Esses elementos diferenciam as empresas prósperas das malsucedidas (O`Reilly & Pfeffer, 2000). Se por um lado, cresce a importância da administração estratégica de recursos humanos, por outro se observa o quanto está mais difícil administrar e ter sucesso. O objetivo fundamental de estratégia de RH é guiar o processo pelo qual as organizações desenvolvem seu capital humano, social e organizacional para aumentar a sua competitividade. Em sua análise, Snell e seus associados identificaram 3 estágios que definem as perspectivas de evolução na administração estratégica de recursos humanos. Esses estágios refletem conjuntos de princípios e perspectivas que conduzem à crescente sintonia entre a administração estratégica de recursos humanos e o alcance de vantagens competitivas. O quadro sintético abaixo demonstra a descrição dos três estágios propostos pelos autores.
  • 34. 34 TRÊS ESTÁGIOS DOS RECURSOS HUMANOS ESTRATÉGICO AJUSTE AJUSTE SISTÊMICO POTENCIAL COMPETITIVO PESSOA -TRABALHO −Competição baseada no −Globalização conhecimento −Integração Vertical DIREÇÃO −Diversificação −Inovação e mudança −Economia de Escala ESTRATÉGICA −Gestão da Qualidade −Fonte de informação e −Eficiência e produtividade −Reengenharia alianças − Rede de organizações −Formação de Estratégias −Implementação de −Competências −Administrativo estratégias ESTRATÉGIA DE −Conhecimento −Centrado no Trabalho −Visão sistêmica RH (aprendizagem −Foco nas tarefas −Foco em comportamentos organizacional) e cultura e papéis organizacional (valores) −Síntese do trabalho LÓGICA −Análise do trabalho −Generalista (integração) PREVALECENTE −Dedutivo −Indutivo −Dedutivo −O valor Estratégico do −Divisão do trabalho −Ajuste Interno (horizontal) capital −Trabalho padronizado −Ajuste Externo (vertical) −Especialidade PARÂMETROS −Emprego estável −Alta performance no −Criação, transferência e FUNDAMENTAIS −Eficiência (input/output) sistema de trabalho integração de Conhecimento. −Fácil substituição −Configurações sistêmicas −Agilidade (flexibilidade e −Mínimo investimento −Modelos de Contingências ajuste) − Múltiplos Sistemas de RH −Eficiência (custo por −Sinergia entre práticas −Capital Intelectual funcionário) −Consenso e confiança INDICADORES −Competências −Validade / Utilidade −Estratégia −Balance Scoredcard −Turn over e absenteísmo −Desempenho Figura 1 – Quadro relativo aos três estágios da GERH Durante a era de ajuste pessoa-trabalho, as atividades de RH estavam focadas no estabelecimento de níveis de eficiência e estabilidade de emprego requerido pelas empresas que perseguiam as estratégias de expansão e integração vertical. Durante o ajuste sistêmico, as estratégias de RH estiveram focadas na consistência entre as atividades internas de RH integradas às exigências do pensamento estratégico. Em vez de focar em práticas individuais e isoladas, este estágio propôs o desenvolvimento de sinergia e integração de RH ao sistema global do negócio. O paradigma de RH que está emergindo hoje reflete uma tendência da administração estratégica que valoriza o conhecimento fundamentado na competição. Os sistemas de RH estão começando a projetar, a desenvolver e a reforçar idéias relativas a capital intelectual e à gestão do conhecimento, que vão ao encontro da formação de estratégias. Da mesma maneira que as empresas estão estabelecendo redes de alianças e parcerias para complementar suas competências
  • 35. 35 essenciais, a arquitetura de RH passa a tratar das diferentes possibilidades de relações com os colaboradores, além de apoiar a gestão do conhecimento, a agilidade e a flexibilidade organizacional. 3.3. O Modelo de Múltiplos Papéis em Recursos Humanos Ulrich (1998) observou que o panorama competitivo está mudando, e que são necessários novos modelos de competitividade para lidar com os desafios futuros. Segundo o autor, para criar valor e obter resultados significativos, os profissionais de recursos humanos precisam repensar seus papéis, ajustando as estratégias e práticas de RH à estratégia empresarial. Ao desempenhar este papel, o profissional de RH torna-se um parceiro estratégico, aumentando a competitividade do negócio, e garantindo o sucesso empresarial. Ulrich definiu quatro papéis principais na GERH: o de agente de mudança, o de defensor dos funcionários, o de apoio administrativo, e o de parceiro estratégico, como demonstra o quadro abaixo:
  • 36. 36 OS PAPÉIS / FUNÇÃO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS PAPEL/FUNÇÃO RESULTADO METÁFORA ATIVIDADE Ajuste das estratégias de Administração de recursos humanos à Estratégias de recursos Execução da Estratégia Parceiro Estratégico estratégia empresarial: humanos ‘Diagnóstico organizacional" Reengenharia dos Administração da Infra- Construção de uma Especialista Processos de estrutura da empresa infra-estrutura eficiente Administrativo Organização: ‘Serviços em Comum’ Aumento do Ouvir e responder aos Administração da envolvimento e Defensor dos funcionários: ‘Prover Contribuição dos capacidade dos Funcionários recursos aos Funcionários funcionários funcionários’ Gerir a transformação e Administração da Criação de uma a mudança: ‘Assegurar Transformação e da Agente da Mudança organização renovada capacidade para Mudança mudança’ Figura 2 – Quadro relativo aos Papeis e Funções de RH –Ulrich (1998) Para a melhor compreensão desses papéis, ele considera três premissas: os resultados a serem atingidos, a metáfora característica ou imagem visual que acompanha cada papel, e as atividades que o profissional de recursos humanos deve executar. 1.Administração de estratégias de recursos humanos Para Ulrich (1998), traduzir estratégias empresariais em práticas de recursos humanos auxilia a empresa em três sentidos: "Em primeiro lugar, a empresa pode se adaptar à mudança devido à redução do tempo que vai da concepção à execução da estratégia. Em segundo, pode atender melhor às exigências do consumidor porque suas estratégias de atendimento foram traduzidas em políticas e práticas específicas. Em terceiro, pode obter desempenho financeiro mediante a execução mais eficaz de sua estratégia”.(op.cit.,p. 42)
  • 37. 37 Em relação à metáfora de parceiro estratégico, o autor considera que: "Os profissionais da área tornam-se parceiros estratégicos quando participam do processo de definição da estratégia empresarial, quando fazem perguntas que convertem a estratégia em ação e quando concebem práticas de recursos humanos que se ajustam à estratégia empresarial”.(idem, p.43) Já em relação à função de administração de estratégias, Ulrich propôs uma parceria estratégica na qual os profissionais de recursos humanos identificam as práticas que garantam que a estratégia seja implementada, e auxiliam a impulsioná-la. 2.Administração da infra-estrutura da empresa Para Ulrich (1998, p. 44), "o resultado da administração da infra-estrutura é a eficiência administrativa". O autor considerou que os profissionais de recursos humanos podem alcançar a eficiência administrativa de duas maneiras. A primeira, garantindo a eficiência dos processos de recursos humanos; e a segunda, aumentando a eficácia geral da empresa, pelo desenvolvimento dos executivos, desde a seleção, treinamento e remuneração/premiação de gerentes que aumentem a produtividade e reduzam as perdas. A metáfora dessa função é a de especialista administrativo. 3. Administração da contribuição dos funcionários Gerir a contribuição dos funcionários implica o envolvimento dos profissionais de recursos humanos nos problemas, nas preocupações e necessidades cotidianas daqueles que, particularmente, compõem o capital intelectual da empresa (Ulrich, 1998).
  • 38. 38 Como resultados da administração da contribuição dos funcionários, o autor defendeu o maior envolvimento, o comprometimento e a competência de maneira, a fim de que possam atuar como agentes empreendedores, parceiros e fornecedores. Como metáfora, é representado como defensor dos funcionários, pois “... dedicam tempo e presença pessoal aos funcionários, treinam e incentivam gerentes de outros departamentos a fazer o mesmo" (op. cit., p. 46). 4. Administração da transformação e da mudança Caracteriza a capacidade de mudar, renovar, inovar e criar. Nesse caso, os executivos de recursos humanos atuam em parceria com a empresa, ajudando os funcionários a se adaptarem a uma nova cultura organizacional (Ulrich, 1998). A metáfora é a do agente de mudança, atuando como parceiro estratégico. Suas atividades se referem à identificação e à estruturação de problemas, construção de relações de confiança, solução dos problemas e criação e execução de planos de ação. Dessa forma, os novos papéis da função recursos humanos sugerem tanto o suporte estratégico como o de prestador de serviços. Supõe-se, portanto, que a função recursos humanos, enquanto suporte estratégico, pode prover informações, know-how e atendimento aos tomadores de decisões. Como provedor de aconselhamento e serviço à organização de linha, a função recursos humanos pode assumir o papel de parceiro e apoiador do negócio. Enfim, gestão de recursos humanos pode preparar as pessoas para a mudança, dar suporte e apoio estratégico e operacional.
  • 39. 39 3.4. Como Medir o Grau de Desenvolvimento? Para que se possa verificar em que estágio de desenvolvimento a GERH de uma determinada empresa se encontra, foi necessário o auxílio de um instrumento de medida. Este capítulo fará uma breve revisão dos principais conceitos sobre desenvolvimento organizacional e sobre os instrumentos de medição existentes que servirão de referência para coleta de dados do estudo de caso que foi realizado. 3.4.1.Desenvolvimento Organizacional Sabe-se que o desenvolvimento organizacional é um processo lento e gradual, sendo obtido por via de um processo de mudança das políticas, estratégias, e práticas das organizações. A eficiência e a eficácia de uma organização dependem da sua
  • 40. 40 capacidade de aprendizagem e de adaptação/mudança. Dessa forma, as empresas dependem, sobretudo, de pessoas, do modo como estas se organizam e como se relacionam entre si. Blake e Mouton (1972) consideraram que uma organização pode desenvolver-se seguindo uma das três estratégias de mudança: I. Mudança evolucionária: quando a mudança de uma ação para outra, que a substitui, é pequena e dentro dos limites das expectativas e dos arranjos do estado atual. A mudança evolucionária é lenta, suave, não transgride as expectativas, e tende a repetir e reforçar as soluções passadas. II. Mudança revolucionária: quando a mudança de uma ação para outra, que a substitui, contradiz ou destrói os arranjos do estado atual. A mudança revolucionária é rápida, intensa, brutal, transgride e rejeita antigas expectativas, e introduz expectativas novas. Enquanto as mudanças evolucionárias, por ocorrerem aos poucos, não provocam forte resistência, as mudanças revolucionárias são súbitas e causadoras de impacto. III. Desenvolvimento sistemático: Os responsáveis pela mudança delineiam modelos do que a organização deveria ser, em comparação com que é, enquanto aqueles cujas ações serão afetadas pelo desenvolvimento sistemático estudam, avaliam e criticam o modelo de mudanças para recomendar alterações, baseadas nas suas próprias visões e compreensões. Assim, as mudanças resultantes traduzem-se por apoio e não por resistências ou ressentimentos.
  • 41. 41 3.4.2.Teoria de Estágios de Crescimento A teoria de estágios de crescimento fundamenta-se na premissa de que as pessoas, organizações, áreas funcionais, processos, etc. evoluem, por meio de um processo de crescimento ou maturação, em direção a uma maturidade mais avançada, atravessando um determinado número de estágios distintos. A teoria de estágios de crescimento tem sido utilizada em várias áreas (Burn, 1994; King e Teo, 1997). Modelos baseados na teoria de estágios de crescimento têm sido usados para investigar uma larga variedade de fenômenos – ciclo de vida das organizações, ciclo de vida dos produtos, crescimento biológico, maturidade de processos, etc. Esses modelos assumem que padrões predicáveis (conceitualizados em termos de estágios) existem no crescimento das organizações, nos estágios de vendas de produtos e no crescimento de organismos vivos (Greiner, 1972; Smith, 1985; Burn, 1994). Esses
  • 42. 42 estágios são (1) seqüenciais por natureza, (2) ocorrem como uma progressão hierárquica que não é facilmente reversível, e (3) envolvem um largo leque de estruturas e atividades organizacionais (Lavoie e Culbert, 1978). Vários modelos de desenvolvimento têm sido propostos ao longo do tempo, quer para evolução das pessoas, quer para a evolução geral das organizações. Estes modelos se diferenciam, sobretudo, quanto ao número de estágios, variáveis de evolução e áreas de foco. Cada um dos modelos identifica certas características que tipificam o alvo em diferentes estágios de crescimento ou maturidade. Os modelos de estágios de crescimento ou de desenvolvimento podem fornecer aos gestores uma poderosa ferramenta para que determinem em que estágios de desenvolvimento se encontram e, a partir daí, poderão planejar as ações necessárias para o progresso em direção a um estágio de desenvolvimento superior e, por conseqüência, o alcance de suas metas, bem como reconhecer e entender os indicadores de cada estágio. 3.5. Modelos de Maturidade e Excelência 3.5.1.1.Capability Maturity Model – CMM O Capability Maturity Model surgiu, durante a década de 1980, como um modelo que permitia a análise de risco na contratação de empresas de software pela Força Aérea Norte-Americana, a fim de avaliar os processos de desenvolvimento utilizados pelas empresas que concorriam em licitações, como um indicador previsor da qualidade, custos e prazos nos projetos contratados. Para desenvolver esse modelo, a Força Aérea constituiu, junto a Carnegie- Mellon University o SEI (Software Engineering Institute), o órgão responsável pelo desenvolvimento e criação do CMM. Na década de 1990, as pesquisas demonstravam que grande parte das empresas não possuía a organização, o gerenciamento e a eficiência
  • 43. 43 necessária para as atividades de desenvolvimento de software. Dessa forma, o CMM foi desenvolvido para auxiliar as organizações a conhecerem e melhorarem o processo de desenvolvimento e manutenção de software. De acordo com o SEI, a proposta de melhoria de processos incluía o ciclo de melhoria do PDCA (Plan, Do, Check, Act) e o modelo Ideal (Iniciation, Diagnosing, Establishing, Acting, Leveraging). O modelo CMM possui outros enfoques específicos, tendo sido utilizado para avaliar fenômenos, tais como: − SA-CMM (Software Acquisition Capability Model) – Tem a finalidade de avaliar a maturidade dos processos de uma empresa referente à seleção, compra e instalação de software desenvolvidos por terceiros. − SE-CMM (Systems Engineering CMM) – Tem a finalidade de avaliar a maturidade da organização em seus processos de engenharia de sistemas (hardware e software). − IPD-CMM (Integrated Product Development) – Tem a finalidade de avaliar a maturidade da organização em seus processos de engenharia de sistemas, assim como o SE-CMM, incluindo outros processos necessários à produção e do suporte do produto. − CMMI (Capability Maturity Model Integrated) – É o modelo que pretende substituir o CMM, possui o conceito multidisciplinar e pretende ter outras utilidades que não somente software. 3.5.1.2.P-CMM (People Capability Maturity Model)
  • 44. 44 Tem o objetivo de avaliar a maturidade da organização em seus processos de administração de recursos humanos, no que se refere ao recrutamento, seleção, treinamento e remuneração. O modelo P-CMM define o sucesso de uma organização a partir da maturidade de seus processos relacionados às pessoas. A estrutura do P-CMM demonstra como uma organização pode progredir seqüencialmente por meio de níveis crescentes da maturidade, até alcançar um nível de excelência, conduzindo a uma transformação em sua cultura. O P-CMM orienta, em cada nível de maturidade, práticas consistentes para atrair, desenvolver, organizar, motivar e reter as pessoas, estabelecendo um sistema integrado de práticas, que amadurecem, pelo crescente alinhamento com os objetivos do negócio, performance e mudanças de perfil da organização. O P-CMM enfoca o domínio do gerenciamento e o desenvolvimento da força de trabalho, e descreve um caminho de incremento evolutivo, a partir de um processo pragmático e imaturo, até um processo disciplinado e maduro com aumento de qualidade e eficiência. O P-CMM está estruturado em cinco níveis de maturidade. Um nível de maturidade é um degrau evolucionário no qual um ou mais domínios do processo organizacional foram transformados para alcançar um novo grau de capacitação organizacional. Então, uma organização atinge um novo nível de maturidade quando um conjunto de práticas foi estabelecido ou transformado a fim de prover capacitações e resultados que a organização não tinha no nível anterior. O método de transformação é diferente para cada nível, e requer as capacitações obtidas nos níveis anteriores. Conseqüentemente, cada nível de maturidade providencia os alicerces de práticas nos quais práticas dos níveis seguintes serão implementadas.
  • 45. 45 Cada um dos cinco níveis de maturidade do P-CMM, como demonstra a figura abaixo, representa um diferente nível de capacitação para o gerenciamento e desenvolvimento da força de trabalho. Cada nível de maturidade define regras e indicadores durante a contínua evolução, e fornece a organização ferramentas para o desenvolvimento de sua força de trabalho. NÍVEIS DE MATURIDADE DO P-CMM Fonte: People Capability Maturity Model® (P.CMM®) Version 2.0 CMU/SEI-2001-MM-01
  • 46. Nível Geren ciame nto 46 Prátic as/ pré- requis itos 1 Inconsi stente Não há requisit os 2 De pessoal Reprod utíveis 3 Da compet ência Basead as na Compet ência 4 Da capacit ação Mensur áveis / Melhor adas 5 Das mudan ças Continu amente Melhor adas Figura 3 – Figura sobre os Níveis de Maturidade do P– CMM
  • 47. 47 Os Temas Centrais A partir dos temas centrais, elencados abaixo, o modelo P-CMM relaciona 5 níveis crescentes de maturidade das práticas de recursos humanos. Os temas são: 1. Tornando-se Potente: Esta tendência começa com a identificação das necessidades de treinamento, progride para a identificação das competências centrais da organização, e evolui até que os indivíduos possam estabelecer seu próprio programa de desenvolvimento profissional, a partir da identificação de suas necessidades. 2. Construção e edificação de equipes e da cultura organizacional: Esta tendência começa com o estabelecimento de uma cultura organizacional centrada em equipes de trabalho. Ela está voltada para o desenvolvimento de habilidades de comunicação, para maior participação e para a melhoria contínua das potencialidades das equipes. 3. Controle da motivação e do desempenho: Esta tendência começa com o monitoramento da motivação e do desempenho, ligando os resultados ao sistema de remuneração. A evolução dessas práticas conduz ao desenvolvimento das competências das equipes e ao alinhamento de seu desempenho ao desempenho organizacional. 4. Dando forma a relação com a força de trabalho: Esta tendência começa com o estabelecimento de práticas básicas da administração de pessoal, evoluindo para o planejamento da força de trabalho e, em seguida, para um sistema integrado de gestão por competências. Os Processos Chaves:
  • 48. 48 Os processos-chave traduzem as tarefas e as atividades que devem ser executadas para que uma organização ganhe a maturidade e evolua no alcance de sua excelência. A matriz abaixo identifica os processos chave necessários a cada um dos quatro temas de avaliação, conduzindo a organização, pelos dos níveis crescentes de maturidade, até à excelência. NÍVEIS DE ÁREAS DE INTERESSE MATURIDADE TEMA 1: TEMA 2: TEMA 3: TEMA 4: Desenvolvimento Construindo Motivando e Dando forma a das Grupos de gerenciando a força de Competências Trabalho e performance trabalho Individuais Cultura Alinhamento da Inovação NÍVEL 5 Desenvolvimento Contínuo de Performance Contínua da Competências Organizacional Força de Trabalho OTIMIZADO Integração das Mentoring Gerenciamento Gerenciamento Competências NÍVEL 4 Quantitativo da Das Comportamento Performance Competências Equipes PREVISÍVEL Baseado em Metas Organizacionais Energizadas Desenvolvimento Desenvolvimento Práticas Baseadas em das Competências de Equipes Competências NÍVEL 3 Planejamento da Análise das força de trabalho Cultura Desenvolvimento De DEFINIDO competências Participativa Carreira Treinamento & Compensação Desenvolvimento NÍVEL 2 Comunicação Gerência do Administração de Ações de & Integração Desempenho Pessoal comunicação GERENCIADO Ambiente e Trabalho NÍVEL 1 Atividades Atividades Atividades Atividades inconsistentes inconsistentes inconsistentes inconsistentes INICIAL Fonte: People Capability Maturity Model® (P.CMM®) Version 2.0
  • 49. 49 Figura 4 – Matriz referente aos processos chaves do P– CMM Cada nível representa o grau de maturidade das funções e das práticas de recursos humanos, numa escala crescente, até alcançar a maturidade com a incorporação da melhoria continuada em todos os seus processos. 3.5.2. Modelo de Avaliação de Gestão - Prêmio Nacional da Qualidade Os critérios de excelência do PNQ (Prêmio Nacional de Qualidade) derivam do “Malcolm Baldrige National Quality Award” (Prêmio Nacional de Qualidade Americano), implantado nos Estados Unidos em 1988. O prêmio foi estabelecido em conseqüência de estudos desenvolvidos em meados dos anos 80, que apontaram para a necessidade de melhora da qualidade dos produtos e de aumento da produtividade das empresas americanas. Um grupo de especialistas analisou uma série de organizações bem sucedidas, consideradas até então como “ilhas de excelência”, em busca de características comuns que as diferenciassem das demais. As características identificadas eram compostas por fundamentos que podiam ser facilmente percebidos como parte da cultura das organizações, sendo praticados pelas pessoas que as compunham. Instituída em 1991, a Fundação para o Prêmio Nacional da Qualidade (FPNQ) implantou no Brasil o primeiro ciclo do PNQ, em 1992, adotando integralmente os critérios do “Malcolm Baldrige National Quality Award”. Todos os anos, o modelo é analisado e melhorado, refletindo a experiência nacional e internacional, o conhecimento e o trabalho de pesquisa de muitas
  • 50. 50 organizações e especialistas brasileiros, e incorporando melhorias de premiações internacionais. Segundo a FPNQ (2002), em função da sua flexibilidade, da simplicidade da linguagem utilizada e, principalmente, por não prescrever ferramentas e práticas de gestão especificadas, o seu modelo é útil para avaliação, diagnóstico e orientação de qualquer tipo de organização, no setor público ou privado, com ou sem finalidade de lucro e de porte pequeno, médio ou grande. Os setes critérios de excelência são os seguintes: 1. Liderança 2. Estratégias e Planos 3. Clientes e Sociedade 5. Informação e Conhecimento 6. Pessoas 7. Processos 8. Resultados da Organização Esses critérios constituem um modelo sistêmico de gestão, e são construídos sobre uma base de fundamentos essenciais para a obtenção da excelência do desempenho. Utilizando o modelo do PNQ como referência, uma organização pode modelar seu sistema de gestão, realizar uma auto-avaliação, e se candidatar ao PNQ. Para a FPNQ (2002), “realizando uma auto-avaliação com base nos Critérios de Excelência, a organização poderá: entender os requisitos para a excelência do desempenho; medir e identificar onde melhorar o seu desempenho; considerar e integrar as necessidades de todas as partes interessadas no seu sucesso; identificar e entender, de forma sistemática, os seus
  • 51. 51 pontos fortes e as suas oportunidades para melhoria; e promover a cooperação interna entre os setores, os processos e as pessoas da força de trabalho”.(pág. 7) A visão central do modelo é o Critério 3 – Clientes e Sociedade, pois os clientes são a razão de ser da organização e, em função disto, suas necessidades devem ser avaliadas para que os produtos sejam desenvolvidos, criando o valor necessário para conquistá-los e retê-los. Por outro lado, para que haja continuidade nas operações, deve-se apurar e satisfazer as necessidades da sociedade, cumprindo e superando os requisitos legais, preservando os ecossistemas e contribuindo para o desenvolvimento das comunidades vizinhas. Em conformidade com os requisitos do Critério 1 – Liderança, estabelece-se os valores e as diretrizes da organização, prática e vivência os mesmos, impulsionando, com seu exemplo, a disseminação da cultura da excelência. No Critério 2 – Estratégias e Planos, encontra-se os requisitos pelos quais formulam-se as estratégias para direcionamento do desempenho e posição competitiva, bem como desdobramento em planos de ação para curto e longo prazo. O conhecimento representa a inteligência da organização, e no Critério 4 – Informações e Conhecimento, estão os requisitos para a gestão das informações e desenvolvimento do capital intelectual. Conforme requisitos do Critério 5 – Pessoas, os componentes da força de trabalho são capacitados e desenvolvidos, atuando em um ambiente que propicia a iniciativa, criatividade, a cooperação e a qualidade de vida. A visão do processo está presente nas atividades diárias, sendo enfatizada pela estrutura de trabalho e práticas de gestão, conforme requisitos do Critério 6 – Processos.
  • 52. 52 Os resultados da organização são sistematicamente analisados no acompanhamento das tendências e do desempenho da empresa em relação aos clientes, nas finanças, nas pessoas, nos fornecedores e nos processos organizacionais. Os sete Critérios de Excelência estão subdivididos em vinte e seis itens, cada um deles possuindo seus requisitos específicos e sua pontuação máxima. De acordo com o PNQ, o ciclo de gestão de todos os processos possui três fases: 1. Planejamento (concepção) das práticas de gestão e dos padrões de trabalho, ou seja, “como” atende-se aos requisitos de cada Critério (quais as práticas de gestão e processos) e como estas devem ser realizadas, ou seja, seus “padrões de trabalho” (procedimentos, fluxogramas, rotinas, instruções, metas, etc.) 2. Ciclo de controle, onde devem ser apresentados os métodos de medição das práticas e como são feitas as comparações entre o que está sendo feito e os padrões de trabalho estabelecidos. 3. Ciclo de aprendizado, onde são solicitados os métodos de avaliação das práticas e dos padrões de trabalho, visando à introdução de melhorias e inovações.
  • 53. 53 3.6. O Modelo de Avaliação Proposto – MA - GERH Os temas centrais para avaliação do desenvolvimento na gestão de recursos humanos no presente estudo foram inspirados no modelo P-CMM e no modelo de Avaliação de Gestão do PNQ. Os temas centrais a serem pesquisados são: 1. Sistemas de Trabalho Refere-se a como a organização do trabalho, a estrutura de cargos, os métodos de seleção e contratação de pessoas, as práticas de avaliação de desempenho e as práticas de remuneração, reconhecimento e incentivos estimulam a contribuição da força de trabalho para atingir as metas de desempenho estipuladas, e consolidar a cultura da excelência na organização. 2. Capacitação e Desenvolvimento Refere-se a como as necessidades de capacitação e de desenvolvimento da força de trabalho são identificadas e como os métodos utilizados apóiam a obtenção das estratégias da organização, criando competências, e contribuindo para a melhoria do desempenho das pessoas e da organização.
  • 54. 54 3. Qualidade de Vida Refere-se a como os fatores relativos ao ambiente de trabalho e ao clima organizacional são identificados, avaliados e utilizados para assegurar o bem-estar, a satisfação e a motivação das pessoas que compõem a força de trabalho. 4. Resultados Relativos às Pessoas Refere-se aos resultados dos principais indicadores de desempenho relativos às pessoas. A matriz abaixo identifica os processos chave necessários a cada um dos quatro temas de avaliação, conduzindo a organização, por meio dos níveis crescentes de desenvolvimento, até à excelência. NÍVEIS DE ÁREAS DE INTERESSE DESENVOLVIMENTO TEMA 1: TEMA 2: TEMA 3: TEMA 4: Sistemas Capacitação Qualidade Resultados Relativos de & de às Pessoas Trabalho Desenvolvimento Vida NÍVEL 5 Desempenho de atividades sistêmicas com foco na melhoria contínua OTIMIZADO NÍVEL 4 Desempenho de atividades sistêmicas SISTEMATIZADO NÍVEL 3 Atividades em desenvolvimento com vistas à sistematização DESENVOLVIDO NÍVEL 2 Atividades em planejamento com vistas ao desenvolvimento PLANEJADO
  • 55. 55 NÍVEL 1 Desempenho inconsistente de atividades INICIAL Figura 5 – Matriz referente aos processos chaves do MA – GERH Os cinco níveis de desenvolvimento estão descritos a partir das seguintes características: Nível 1 Nível Inicial: A empresa possui práticas de recursos humanos inconsistentes. A área de RH não participa da formulação das estratégias do negócio, e não há também um orçamento definido para que se possa planejar suas ações; as atividades de estrutura de cargos não estão definidas, assim como não há um processo formalizado de recrutamento e seleção; as ações de comunicação são isoladas, e não há estímulo e compartilhamento de conhecimentos e habilidades; não há uma metodologia estabelecida para os assuntos: trabalho em equipe; avaliação de desempenho e plano de cargos e salários; as ações de capacitação e desenvolvimento não são identificadas, desenvolvidas ou avaliadas; assim como não há nenhum programa, ação ou atividade relacionada ao aprimoramento da cultura organizacional ou do sistema de qualidade de vida. Nível 2
  • 56. 56 Nível Planejado: Nesta fase, a empresa está preocupada em eliminar os problemas que impedem a força de trabalho de executar eficazmente suas responsabilidades. Apesar de não realizar atividades do sistema de RH, a empresa está avaliando a possibilidade de implementar ações como: estruturação de cargos, recrutamento e seleção, comunicação, avaliação de desempenho, recompensa e reconhecimento, capacitação e desenvolvimento e qualidade de vida. Há o despertar da organização em conhecer as práticas e funções de RH. Nível 3 Nível Desenvolvido: A empresa não está mais estudando a possibilidade de implantação de determinadas ações de RH, já decidiu pela mudança, onde um certo número de práticas já está sendo implementado pela organização. Tais como: definição da estrutura organizacional, estruturação de cargos, recrutamento e seleção, comunicação e integração, avaliação de desempenho, aconselhamento de carreira, avaliação e monitoramento do clima organizacional, política de benefícios, recompensa e reconhecimento, capacitação e desenvolvimento e qualidade de vida. Nível 4 Nível Sistematizado: As atividades de RH já estão implantadas e acontecem regularmente. Há uma estrutura dos cargos que proporcione flexibilidade, resposta rápida, aprendizado e cooperação entre os membros e a organização; o processo de recrutamento e seleção leva em conta os requisitos de desempenho e práticas de igualdade e justiça, e tem como base as competências essenciais da organização; a empresa
  • 57. 57 já possui um programa especial de integração de novos colaboradores; utiliza a metodologia do trabalho em equipe; possui formas de alinhar o sistema de remuneração ao sistema de avaliação de desempenho; avalia o desempenho da sua força de trabalho, regularmente baseado no rol de competências; identifica as necessidades de capacitação e desenvolvimento das pessoas; adota a prática de coaching e mentoring para desenvolvimento de sua liderança; existem áreas, grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo sobre a gestão do conhecimento; mantém o clima organizacional propício ao bem-estar; satisfação e motivação das pessoas; realiza a avaliação e monitoramento do clima organizacional; construiu uma política de benefícios e de qualidade de vida e mensura resultados relativo às pessoas no que se refere a Sistemas de Trabalho, Capacitação e Desenvolvimento e Qualidade de Vida. Nível 5 Nível Otimizado: Esta fase demonstra que a companhia escalou a "escada" da maturidade. Certamente, terá um foco contínuo na melhoria em todos os processos de RH, nas competências individuais e organizacionais, e será capaz de encontrar maneiras inovadoras de melhorar a eficiência e a motivação de sua força de trabalho. As práticas, as tecnologias e as ferramentas inovadoras são avaliadas, e as mais promissoras são experimentadas em projetos na própria companhia. Os projetos eficazes, após terem sido testados e validados, são implantados. A cultura da organização, nesta fase, demonstra que todos os membros se esforçam para melhorar o desempenho tanto individual como da equipe, assim como desenvolver novas habilidades, motivação e conhecimento para melhorar o desempenho global da organização.
  • 58. 58 4. Metodologia Com base na análise das práticas de GRH da “Empresa Brasileira de Energia”, pretende-se verificar o estágio de desenvolvimento de sua Gestão Estratégica de Recursos Humanos. Serão apresentados neste capítulo, a definição e a empresa selecionada para o estudo de caso. 4.1. Definição do Método Segundo Yin (2001, p.19), “Em geral os estudos de caso representam a estratégia preferida quando se colocam questões do tipo “como” e “por que”, quando o pesquisador tem pouco controle sobre os eventos e quando o foco se encontra em fenômenos contemporâneos inserido em algum contexto da vida real”. Para Yin (2001, p. 107-119), existem seis fontes de evidência para um estudo de caso: − Documentação – cartas, memorandos e outras correspondências; relatórios diversos; documentos administrativos e recortes de jornais e outros veículos impressos.
  • 59. 59 − Registros em arquivos – registros de serviços; registros organizacionais – como tabelas e orçamentos; mapas; listas de nomes; dados oriundos de levantamentos e registros pessoais – como diários, anotações e agendas de telefone. − Entrevistas − Observação direta – observação direta, dos acontecimentos realizada preferencialmente por mais de um observador. − Observação participante – observação direta onde o observador faz parte do contexto – ex: o observador é morador de um bairro que é objeto de um estudo de caso. − Artefatos Físicos – aparelhos, ferramentas ou instrumentos, obra de arte ou algumas evidências físicas que podem ser observados como parte de uma visita de campo. Num exemplo de estudo de caso, Yin (2001, p. 120) utilizou uma variedade de fontes de evidências. Trata-se de alguns eventos ocorridos numa escola. O estudo de caso incluiu levantamento estruturado, realizado com um grande número de professores, entrevistas espontâneas com um pequeno número de pessoas chave, um protocolo de observação para controlar o tempo que os estudantes levavam para executar as várias tarefas e uma revisão dos documentos da instituição. Tanto o levantamento, quanto os procedimentos de observação, levaram a informações quantitativas sobre as atitudes e o comportamento na escola, ao passo que as entrevistas espontâneas e as provas documentais levaram a informações qualitativas. Todas as fontes de evidência foram revisadas e analisadas em conjunto, de forma que as descobertas do estudo de caso basearam-se na convergência de informações oriundas de diferentes fontes, e não de dados quantitativos nem qualitativos em separado. Neste estudo, foi desenvolvido um instrumento alternativo para avaliar o nível de desenvolvimento da Gestão Estratégica de Recursos Humanos, onde foi analisada
  • 60. 60 a experiência da “Empresa Brasileira de Energia”, dentro de uma abordagem ampla de administração estratégica. Observou-se, durante a revisão da literatura, que os grandes teóricos, como por exemplo, Scott et. al. (2001) propuseram uma progressão no desenvolvimento estratégico da área de RH ao longo do tempo, apontando também para a necessidade cada vez maior de integrar a área de recursos humanos à gestão estratégica dos negócios de uma organização. Este estudo, de caráter exploratório, utilizou o método de estudo de caso para observar o estágio de desenvolvimento da gestão estratégica de recursos humanos numa empresa brasileira. A coleta dos dados foi efetuada pela aplicação de um questionário desenvolvido especialmente para a realização de um levantamento diagnóstico, e por entrevistas semi-estruturadas. Observações e análise documental serviram como meios subsidiários e complementares de obtenção de dados. A partir da análise desses dados, foram avaliados os níveis de desenvolvimento na GERH da “Empresa Brasileira de Energia”, com base no modelo de maturidade proposto pelo autor (ver item 3.6.).
  • 61. 61 4.2. A Empresa Escolhida Eisenhardt (1989) afirmou que a escolha do caso é essencial para o sucesso do estudo, por isso a empresa selecionada para a pesquisa foi a “Empresa Brasileira de Energia”. O nome da empresa é fictício; sua identidade foi resguardada, por solicitação da mesma, de forma a assegurar a não utilização de informações estratégicas em situações fora do âmbito corporativo. A empresa escolhida é uma organização brasileira, bem posicionada no cenário global, que reconhece o valor das pessoas na estrutura do negócio, a partir da inserção de políticas de desenvolvimento e formação de competências em seu plano estratégico. Possui uma área de recursos humanos altamente qualificada e atenta a novas tecnologias nos processos de GRH. Preocupa-se com a gestão do conhecimento, produz ações inovadoras com o desenvolvimento de ensino e pesquisa, e reconhece sua força de trabalho de forma diferenciada por meio de um plano de remuneração alinhado às exigências do ramo de negócio. Desta forma, esta empresa foi escolhida por acreditar-se que se posicione num estágio mais avançado na GERH do que outras empresas brasileiras, tornando-se assim uma referência no cenário nacional no que tange ao desenvolvimento da gestão estratégica de recursos humanos.
  • 62. 62 A “Empresa Brasileira de Energia” é uma sociedade anônima de capital aberto, que atua de forma integrada e especializada nos segmentos relacionados à indústria de energia. Criada em 1953, é hoje a 15º maior companhia do mundo na sua área de atuação, segundo os critérios de uma revista especializada em seu segmento, sendo assim reconhecida internacionalmente. Alguns dados relevantes sobre a empresa: − É uma empresa de energia com grandes investimentos na área de responsabilidade social e preservação do meio ambiente; − É uma companhia premiada por inúmeros recordes e internacionalmente reconhecida; − É sediada na cidade do Rio de Janeiro, mas possui escritórios e gerências administrativas em importantes cidades brasileiras, tais como Salvador; Brasília e São Paulo; − Atua num cenário altamente competitivo; − Possui uma gestão moderna: modificou recentemente sua estrutura com vistas a maior rentabilidade e produtividade; seu Plano Estratégico, firmado até 2010, engloba metas estratégicas arrojadas de expansão e internacionalização. − Desenvolveu um centro de pesquisas reconhecido internacionalmente pela sua grande competência.
  • 63. 63 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL * Área de Área de Área de Área de Negócio Negócio Negócio Negócio 1 2 3 4 Figura 6 – Organograma da Empresa Brasileira de Energia
  • 64. 64 De acordo com o novo modelo de estrutura organizacional, implantado em 1999, a Companhia passou a funcionar com quatro áreas de negócio, duas de apoio, (Financeira e Serviços), e as unidades corporativas ligadas diretamente ao Presidente. Além de melhorar todo aspecto operacional e os resultados da empresa, a nova estrutura abriu espaço para que os empregados desenvolvessem seu potencial e se beneficiassem do valor agregado ao negócio, a partir da reestruturação da área de RH, com a criação da Universidade Corporativa e uma política de remuneração e reconhecimento diferenciada, que será detalhada nos próximos capítulos. Além das atividades da holding, a “Empresa Brasileira de Energia” inclui subsidiárias - empresas independentes com diretorias próprias, interligadas à Sede. A “Empresa Brasileira de Energia” desenvolve diversas atividades no exterior, mantendo unidades internacionais que atuam em áreas diversas, tais como: compra e venda de tecnologias, equipamentos, materiais e serviços; acompanhamento do desenvolvimento da economia americana e européia; operações financeiras com bancos e bolsas de valores; apoio para eventos internacionais, entre outros. Além de estar presente em países como Angola, Argentina, Bolívia, Colômbia, Estados Unidos e Nigéria, a “Empresa Brasileira de Energia” conta ainda com o apoio de seus escritórios em Nova Iorque e no Japão.
  • 65. 65 4.3. Coleta dos Dados Das seis fontes de evidência usualmente aplicadas em estudos de caso (Yin, 2001, p.107-119), três foram utilizadas nesta pesquisa: 1) documentação e registros em arquivo; 2) entrevistas e, 3) aplicação de um questionário para avaliação do grau de desenvolvimento da GERH. 4.3.1. Dados Quantitativos Com base nos critérios de avaliação de gestão do PNQ, foi desenvolvido um questionário para realizar um levantamento diagnóstico da área de RH da empresa abrangendo quatro temas centrais: a) Sistemas de Trabalho, b) Capacitação de Desenvolvimento de Pessoas, c) Qualidade de Vida, e d) Resultado Relativo as Pessoas. O questionário desenvolvido foi aplicado em duas turmas do curso de pós- graduação em Gestão de Pessoas, organizado pela Universidade Corporativa da Empresa. A coordenação da Universidade Corporativa emitiu um convite para os alunos, pelo correio eletrônico, que apresentava a pesquisa e o pesquisador, e solicitava a participação dos alunos respondendo ao questionário. As turmas de alunos eram compostas por 60 funcionários do setor de RH da empresa, lotados em vários estados do Brasil. Os alunos
  • 66. 66 responderam ao questionário desenvolvido (anexo 2), informando sua percepção sobre o grau de importância e o desenvolvimento de cada um dos temas centrais da pesquisa. A aplicação dos questionários aconteceu nos dias 17 de fevereiro e 2 de março de 2004, no hotel South América, em Copacabana, no Rio de Janeiro, local onde as turmas realizavam o curso. O questionário foi aplicado de forma presencial e anônima, sendo garantida a confidencialidade dos resultados. Para análise e avaliação dos resultados, foram calculadas médias, desvios padrão e moda de cada item com relação aos dois aspectos investigados (grau de importância e desenvolvimento), sendo posteriormente realizado um diagnóstico detalhado sobre as quatro áreas propostas (Sistemas de Trabalho, Capacitação e Desenvolvimento, Qualidade de Vida e Resultado Relativo às Pessoas). Os dados foram posteriormente consolidados em um total geral, para uma avaliação preliminar global do grau de desenvolvimento da Gestão Estratégica de Recursos Humanos na empresa. 4.3.1.1.Perfil da Amostra Quantitativa PERFIL SEXO Masc Fem 21 39 IDADE Média Desv Min Máx < 30 30-50 >50 40 5,49 26 58 1 55 4 TEMPO TRABALHO Média Desv Min Máx <10 10 - 20 >20 19 6,37 1 32 4 34 22 TEMPO RH Média Desv Min Máx <10 10 - 20 >20 15 7,15 0,7 32 18 33 9 REGIÃO QUE TRABALHA Sudeste Sul Norte Nordeste 43 6 2 9 NÍVEL HIERARQUICO Func Supervisão Gerencia Assessoria Direção 32 17 8 2 1 Figura 7 – Quadro demonstrativo do perfil da amostra estudada
  • 67. 67 Participaram do levantamento diagnóstico 60 funcionários de diversos níveis hierárquicos, entre eles 21 homens e 39 mulheres. A idade média dos respondentes foi de 40 anos. A média de tempo de trabalho na empresa, nesta amostra, foi de 19 anos, e de 15 anos trabalhando na área de recursos humanos. Dos participantes, 43 são funcionários que atuam na região Sudeste, 6 na região Sul, 2 na região Norte e 9 na região Nordeste. Representações gráficas desses dados demográficos aparecem nas figuras a seguir. Perfil da Amostra por sexo Masc 35% Fem 65% Figura 8 – Gráfico referente ao perfil por sexo Distribuição da Amostra por Faixa Etária 55 60 50 40 Anos 30 20 10 1 4 0 < 30 30-50 >50 Faixas Figura 9 – Gráfico referente à distribuição da amostra por faixa etária
  • 68. 68 Perfil da Amostra por Região 15% Sudeste 3% Sul 10% Norte Nordeste 72% Figura 10 – Gráfico referente ao perfil da amostra por região Distribuição da Amostra por Nivel Hierárquico Direção Assessoria Gerencia 2% 3% 13% Func 54% Supervisão 28% Figura 11 – Gráfico referente à distribuição da amostra por nível hierárquico 4.3.2. Dados Qualitativos 4.3.2.1.Entrevistas Considerando que seria necessário comparar os resultados da pesquisa quantitativa com evidências das práticas de RH para construção de um estudo de caso, foram entrevistados cinco coordenadores das principais áreas do RH (Planejamento e Avaliação de RH; Ambiência Organizacional; Universidade Corporativa; Gestão de
  • 69. 69 Competências; e Compensação), o Assistente da Gerência de RH, a Gerência de Desenvolvimento de Sistemas de Gestão (área responsável pela avaliação da gestão), e três funcionários da área de RH, das áreas de Planejamento e Avaliação de RH; Ambiência Organizacional e Universidade Corporativa respectivamente. As entrevistas foram semidirigidas, baseadas num roteiro (anexo 1) criado a partir dos itens pesquisados no questionário, e com base em questões estratégicas de RH propostas por Snell et al. (2001). Foram realizadas entrevistas individuais, e sempre que possível as entrevistas foram gravadas e posteriormente transcritas. Os preparativos para a realização das entrevistas foi similar à aplicação dos questionários. A coordenação da Universidade Corporativa formalizou um convite, pelo correio eletrônico, para cada um dos entrevistados, no qual apresentava a pesquisa e o pesquisador. Em seguida, o pesquisador agendou as entrevistas por telefone. No total, foram realizadas 10 entrevistas. As entrevistas foram realizadas de acordo com o calendário abaixo: 1. Planejamento e Avaliação de RH – no dia 22 de março de 2004 às 10:00h. 2. Ambiência Organizacional – no dia 18 de março de 2004 às 16:00h. 3. Universidade Corporativa – no dia 27 de fevereiro de 2004 às 9:00 horas. 4. Gestão de Competências – no dia 22 de março de 2004 às 15:00h. 5. Compensação – no dia 25 de março de 2004 às 10:00h. 6. Assistente de RH - no dia 15 de março de 2004 às 9:00 horas. 7. Área de Desenvolvimento de Sistemas de Gestão - no dia 22 de março de 2004 às 13:00h. 4.3.2.2.Documentação Pesquisada
  • 70. 70 Foram utilizados diversos documentos disponibilizados pela empresa, embora alguns deles, por solicitação da própria empresa, tenham sido utilizados com muita reserva, impossibilitando sua descrição mais detalhada e o uso de referências. Dos documentos utilizados, cinco merecem destaque: 1. Relatório de Avaliação de Gestão. Este relatório foi cedido pela área que desenvolve projetos relativos à Gestão do Conhecimento e Avaliação da Gestão da unidade – centro de pesquisa, onde as práticas relativas aos temas pesquisados são tratadas de forma detalhada, e que contribuíram para a descrição de cada um dos processos de RH. 2. Dicionário de Competências Este documento explica o desdobramento das estratégias corporativas e o desenvolvimento de competências para o atendimento dessas mesmas estratégias a longo prazo. Descreve cada competência chave da empresa, as competências individuais e as condutas relevantes. 3. Cartilha sobre Competência e Reconhecimento Este documento descreve, sinteticamente, a política de reconhecimento da empresa e os mecanismos de ascensão na carreira, assim como os prêmios relativos ao desempenho distribuídos na empresa. 4. Manual do Coordenador para Ambiência Organizacional Este documento explica os procedimentos adotados pela empresa para aplicação da pesquisa de clima, assim como o detalhamento de seu tratamento estatístico, sua análise e divulgação. 5. CD do Fórum de Recursos Humanos
  • 71. 71 Este CD integra um conjunto de textos, escritos e organizados por funcionários do quadro de RH, sobre os principais projetos e programas de RH desenvolvidos pela empresa. 4.3.2.3.Registros em arquivo Os registros pesquisados foram relativos a indicadores dos processos de RH, (por exemplo, resultados de pesquisas de clima nos três últimos ciclos, quantidade de horas de treinamento por área, documentos relativos aos sindicatos, indicadores e mapas do Balance ScordCard – BSC relativos às pessoas). A empresa não autorizou a utilização dos dados levantados nesses documentos, por se tratarem de matéria estratégica ao negócio, no cenário interno e externo à empresa. 5. Estudo e Descrição do Caso de uma Empresa Brasileira de Energia Este capítulo apresentará a análise sobre os níveis de desenvolvimento da GERH da “Empresa Brasileira de Energia”. A apresentação dos resultados está organizada por tema investigado: (1) Sistemas de Trabalho, (2) Capacitação e Desenvolvimento, (3) Qualidade de Vida e (4) Resultado Relativo às Pessoas. O estudo e a descrição de cada uma destas áreas está organizado da seguinte forma: inicialmente, foram relacionados todos os documentos pesquisados, tanto na página da empresa na Internet, como adquiridos durante as visitas à empresa. Em seguida, foram tratados os dados relativos ao levantamento diagnóstico, a partir da tabulação e análise dos resultados do questionário avaliando as práticas de RH. Posteriormente, foram tratadas as informações coletadas nas entrevistas, para descrição dessas mesmas práticas. Finalmente, a partir do modelo de desenvolvimento proposto pelo pesquisador, foi realizada uma análise
  • 72. 72 comparativa/triangulação dos dados quantitativos e qualitativos, sugerindo o nível de desenvolvimento para as principais práticas de RH desta empresa. 5.1. Análise do Tema Central - Sistemas de Trabalho Neste capítulo, procurou-se avaliar questões sobre a arquitetura organizacional, a estrutura de cargos, os métodos de seleção e contratação de pessoas, as práticas de avaliação de desempenho e de remuneração, reconhecimento e incentivos. 5.1.1.Documentos Pesquisados As práticas, rotinas, programas e projetos relativos ao tema Sistemas de Trabalho, foram levantadas com base, principalmente, nos textos produzidos por funcionários da empresa, por ocasião de um Fórum Interno de RH, realizado em 2003. Entre os temas disponíveis no material distribuído aos participantes e apresentado no Fórum, estavam:
  • 73. 73 1. A Função Especialista; 2. Admissão de Novos Empregado: o uso da simbologia no Programa de Treinees; 3. Gestão de Competências. Caso Prático de uma Unidade de Negócio; 4. O Gerenciamento de Desempenho do Líder como Ponto de Partida para o Desenvolvimento; 5. Programa de Excelência na Movimentação de Pessoas; 6. Redes de Gestão: Interatividade para Alavancagem e Disseminação do Modelo de Gestão de Pessoas. Foram consultados também a Cartilha de Competência e Reconhecimento, disponibilizada aos funcionários em abril de 2001, e o Relatório de Gestão do Centro de Pesquisa em 2002. O Organograma e as Políticas e Diretrizes da área de RH foram extraídos da página da empresa na Internet. As informações relevantes, obtidas nestes documentos, serão apresentadas na seção de análise qualitativa, em conjunto com os dados obtidos nas entrevistas. Antes, porém, serão apresentados os dados quantitativos relativos ao tema Sistemas de Trabalho. 5.1.2.Análise Quantitativa A análise quantitativa retrata a percepção da amostra pesquisada durante a etapa de aplicação do questionário no levantamento diagnóstico. Foi analisado o grau de desenvolvimento e importância percebido pelos respondentes para cada sistema de trabalho investigado, com base nos escores obtidos nos indicadores de cada sistema incluídos no questionário e as medidas descritivas obtidas na amostra (média e moda), que aparecem na tabela abaixo. As médias obtidas em cada sistema foram posteriormente consolidadas no total geral para o tema Sistemas de Trabalho.
  • 74. 74 SISTEMAS DE TRABALHO Grau de Grau de Questões Desenvolvimento Importância Moda Média Moda Média Estrutura Organizacional 5 4,13 5 4,59 Estrutura de Cargos 3 3,16 5 4,46 Recrutamento e Seleção 4 3,30 5 4,27 Comunicação e Integração 4 3,91 5 4,54 Remuneração, Recompensa e Desenvolvimento de Carreira 4 3,79 5 4,45 Avaliação de Desempenho 5 3,93 5 4,58 Total Sistemas de Trabalho 4 3,74 5 4,49 Figura 12 – Quadro relativos à Sistema de Trabalho Sistemas de Trabalho (Média) Ava ç o deDe m n o lia ã se pe h Re u e ç o, Re m n ra ã com nsa e pe De nvolvim n deCa ira se e to rre Com nic çã e In gra ã u a o te ç o Re ru m n e Se ç o c ta e to le ã Estru ra de Ca tu rgos Estrutu Orga iza ion l ra n c a - 1 2 3 4 5 Grau de Importância Grau de Desenvolvimento
  • 75. 75 Figura 13 – Gráfico relativos à Sistema de Trabalho Nas questões relacionadas à Estrutura Organizacional, a média dos respondentes foi de 4,13 para o grau de desenvolvimento, e o grau de importância foi 4,59. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a empresa possui uma estrutura formal clara, onde estão representadas as responsabilidades e atribuições dos cargos e das áreas. Consideraram ainda que a área de recursos humanos participa da formulação do Plano Estratégico da empresa, e que estes são periodicamente reavaliados por toda equipe, incluindo a Gerência Executiva. Segundo os respondentes, a empresa utiliza indicadores na revisão do Plano Estratégico de RH, e que estes estão baseados em modelos de excelência. De acordo com o modelo proposto pela pesquisa, o resultado indica que as atividades relacionadas a esse item poderiam ser classificadas como sistêmicas. Para as questões relacionadas à Estrutura de Cargos, a média dos respondentes foi de 3,16 para o grau de desenvolvimento e de 4,46 para o grau de importância. O resultado demonstra que as atividades relacionadas a esse item estão em vias de sistematização. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a Estrutura de Cargos encontra-se num processo de definição, e que os processos implementados estão em busca de aperfeiçoamento. Nas questões relacionadas a Recrutamento e Seleção, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi 3,30, para um grau de importância de 4,27. O resultado indica que as atividades relacionadas a esse item também estão em vias de sistematização. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização possui métodos de seleção e contratação, tanto interna quanto externa, que levam em conta os requisitos de desempenho e práticas de igualdade e justiça. Consideraram ainda que o
  • 76. 76 processo de Recrutamento e Seleção vem sendo desenvolvido com base nas competências essenciais previamente definidas pela empresa que, da mesma forma, estabelece e mantém uma política documentada na condução dessas atividades. Consideraram ainda que o impacto do processo de Recrutamento e Seleção na empresa é regularmente avaliado. Em relação ao processo de busca direta de candidatos no mercado (hunting) para posições de alta gestão, ficou evidente que a prática não existe, por se tratar de uma organização onde o quadro funcional é formado apenas por candidatos concursados. Embora o processo de captação da força de trabalho se restrinja a concurso público, os entrevistados consideraram importante o mecanismo de busca direta de novos colaboradores (hunting), nos casos de notoriedade e especialidade nas áreas fins. A única forma alternativa de contratação na empresa, além dos concursos, fica por conta da busca de mão de obra externa nos casos de assessoria, consultoria e para trabalhos temporários. Nas questões relacionadas à Comunicação e Integração, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi de 3,91 para um grau de importância 4,54, ou seja, o resultado indica que as atividades relacionadas a este item podem ser classificadas como sistêmicas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que há o estímulo à cooperação, flexibilidade, comunicação eficaz, e compartilhamento de conhecimentos e habilidades entre as pessoas de diferentes localidades, setores e unidades. Consideraram ainda que a empresa possui um programa especial de integração de novos colaboradores, além de enfatizar o trabalho em equipe. Segundo os respondentes, a empresa possui veículos eficientes de comunicação interna, e estabelece e mantém uma política documentada nessas áreas, com o objetivo de ouvir e responder às dúvidas de seus colaboradores. Existem ainda grupos de trabalho refletindo e avaliando o impacto das atividades de comunicação na consecução das estratégias organizacionais.
  • 77. 77 Nas questões relacionadas à Remuneração, Recompensa e Desenvolvimento de Carreira, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi de 3,79, para um grau de importância 4,45, ou seja, o resultado indica que as atividades relacionadas a este item podem ser classificadas como sistêmicas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização possui formas de remuneração e reconhecimento, que estimulam o alcance de metas de alto desempenho e promovem a cultura da excelência. Dentre os mecanismos existentes na empresa estão: plano formal de administração de cargos e salários; metodologia definida para alinhar o sistema de remuneração ao sistema de avaliação de desempenho, favorecendo aumentos salariais (méritos, promoções, enquadramentos, incentivos, bonificações e premiações); programa de remuneração variável e de distribuição de bônus; e métodos de rotação no trabalho e progressão na carreira para o desenvolvimento pessoal e profissional. Segundo os respondentes, o corpo gerencial está devidamente informado sobre os conceitos e mecanismos internos da administração salarial, além de existirem grupos de trabalho refletindo e avaliando o impacto das atividades de Remuneração, Recompensa e Desenvolvimento de Carreira na consecução das estratégias da organização. Nas questões relacionadas à Avaliação de Desempenho, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi de 3,93, para um grau de importância 4,58, ou seja, o resultado indica, mais uma vez, que as atividades relacionadas a este item podem ser classificadas como sistêmicas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização avalia o desempenho da sua força de trabalho, e que este processo está plenamente divulgado entre os funcionários. Consideram, ainda, que o processo está alinhado às metas e aos resultados qualitativos e quantitativos, baseados em um rol de competências. A metodologia 360° é ainda aplicada, e o sistema inclui feedback regular com vistas à inclusão em programas de capacitação e desenvolvimento. Segundo os
  • 78. 78 respondentes, há grupos de trabalho na empresa refletindo e avaliando o impacto das atividades de avaliação de desempenho na consecução das estratégias organizacionais. 5.1.3.Análise Qualitativa A análise qualitativa foi realizada a partir das entrevistas e dos documentos disponíveis relativos ao tema central – Sistemas de Trabalho. − Estrutura Organizacional A Estrutura Organizacional da empresa foi revista em 1999, com objetivo de dotar a companhia de modernos instrumentos de gestão, tornando-a mais ágil, transparente e eficiente. (ver organograma, item 4.2)
  • 79. 79 Da mesma forma, segundo o entrevistado, representante da área de Planejamento e Avaliação de RH, a arquitetura de RH também foi redesenhada para atender ao contexto de modernização e competitividade, e hoje, tem o seguinte formato: GERENTE EXECUTIVO Assistente Planejamento e Ambiência Universidade Gestão de Avaliação de Organizacional Corporativa Competências Compensação RH Figura 14 – Organograma referente à área de Recursos Humanos A “Empresa Brasileira de Energia” organiza seu trabalho de forma matricial, permitindo atuar simultaneamente por programas/projetos e por funções. Segundo consta no Relatório de Avaliação da Gestão, esse tipo de estrutura permite flexibilidade e rapidez no atendimento aos clientes e às oportunidades de aprendizado. Acredita-se que a estrutura matricial possibilita maior flexibilidade na alocação de recursos, resposta rápida às necessidades emergenciais, cooperação entre setores, compartilhamento de conhecimentos e adequação às prioridades do cliente. Como exemplo, existem vários casos de criação de grupos de trabalho, compostos por representantes de várias áreas, para a solução de problemas específicos. Essa estrutura permite, também, a conservação e a melhoria das competências técnicas. A estrutura gerencial possui três níveis hierárquicos para a administração vertical e coordenadores de programas/projetos para uma atuação matricial nas áreas
  • 80. 80 tecnológicas. A empresa acredita que a quantidade reduzida de níveis hierárquicos permite conceder mais poder de decisão a um número maior de Gerentes, ampliando a iniciativa gerencial, segundo o entrevistado, representante da área de Compensação. A empresa está intensificando a realização de encontros gerenciais para avaliação e planejamento, por meio de Fóruns e Comitês, o que tem gerado grande oportunidade de aproximação entre as pessoas e as equipes, criando sinergia capaz de promover condições para um trabalho mais participativo e criativo. A existência de objetivos estratégicos com indicadores e metas criou oportunidade para o desenvolvimento da iniciativa, criatividade e inovação, e possibilitou a implementação de mecanismos de reconhecimento e premiação por resultados, além da concessão de prêmios simbólicos e pecuniários, bem como o desenvolvimento de carreira, segundo o entrevistado, Assistente da Gerência Executiva de RH. − Estrutura de Cargos Segundo o entrevistado, representante da área de Compensação, a estrutura de cargos da empresa é definida pelo de Plano Classificação e Avaliação de Cargos - PCAC. Os empregados de nível superior são distribuídos em três níveis: Sênior, Pleno e Júnior. Os empregados de nível médio são classificados entre as seguintes especialidades: cargos técnicos, apoio operacional e apoio administrativo. Para cada cargo, é estabelecido um conjunto de atribuições principais e complementares, bem como as exigências de conhecimentos escolares e específicos, inclusive as legais, tais como: registro nos órgãos de classe, certificações, habilitação para dirigir, etc.
  • 81. 81 As admissões são efetivadas após a seleção feita por meio de processos seletivos públicos, realizados, em geral, para os cargos iniciais das carreiras, possibilitando, assim, a ascensão profissional por processos internos de promoção, nos quais são considerados, em especial, as competências, o tempo de exercício no cargo, e os resultados alcançados pelos empregados. As promoções podem ser realizadas horizontalmente, pelo avanço de níveis dentro de um mesmo cargo, e verticalmente pela mudança para o cargo imediatamente superior. As Funções Gerenciais são hierarquicamente divididas da seguinte forma: Gerência Executiva, Gerências Gerais e Gerências de Áreas, Coordenadores de Programas e Supervisores. Os empregados terceirizados são enquadrados nos cargos das empresas contratadas, e as suas gerências imediatas fazem a gestão de suas atividades e carreiras. − Recrutamento e Seleção A seleção de recursos humanos obedece ao Artigo 37 da Constituição Federal do país. O ingresso de pessoas na empresa está condicionado à aprovação em Processo Seletivo Público, respeitadas as necessidades específicas, como consta em seu site na Internet. A quantidade e a qualificação da força de trabalho a ser selecionada são estabelecidas com base nas necessidades de competências, definidas nos Mapas de Competências de cada unidade da empresa, segundo os entrevistados, representantes das áreas de Planejamento e Avaliação de RH, Compensação e Competências. Os requisitos de desempenho e as práticas de igualdade e justiça perante à força de trabalho se justificam pelo fato de que os empregados e candidatos externos
  • 82. 82 concorrem em igualdade de condições para o preenchimento das vagas disponíveis. A empresa mantém uma reserva 5% das vagas exigidas por Lei para deficientes físicos. A força de trabalho terceirizada é selecionada pelas empresas vencedoras de processos licitatórios, de acordo com as exigências de qualificação previamente estabelecidas. Também são contratados profissionais de comprovado e notório saber técnico e científico. Os profissionais admitidos em cargos de nível superior participam do "Programa Trainees", com o objetivo de aprimorar competências técnicas e adquirir conhecimentos organizacionais, contextuais e vivenciais (estágios práticos), no que tange à empresa e à indústria que está inserida, de acordo com o estudo intitulado: Admissão de Novos Empregados: o Uso da Simbologia no Programa de Treinees, escrito por funcionários da empresa. − Comunicação e Integração O atendimento aos requisitos de cooperação, comunicação e compartilhamento de conhecimentos e habilidades entre as pessoas é facilitado pela gestão matricial, por meio de equipes multidisciplinares, bem como por grupos de trabalho e comitês. Mecanismos como a participação em comitês de outras áreas tecnológicas e programas estratégicos, e a realização de projetos com outras unidades, contribuem para o compartilhamento de conhecimentos entre as pessoas, como descreve o Relatório de Avaliação da Gestão.
  • 83. 83 Os sistemas de gestão, por meio de seus padrões de gestão, de processos e de execução, constituem mecanismos de compartilhamento de conhecimentos relativos aos processos de produção. Segundo o Assistente da Gerencia Executiva de RH, a realização de reuniões periódicas com empregados, Gerentes e Alta Administração, aliada aos mecanismos de correio eletrônico e estações de trabalho também contribuem para uma comunicação eficaz. O Jornal da empresa, assim como o Informe, a Intranet e os murais, vêm complementar os meios de comunicação. Além disso, existe uma TV própria, onde que cada empregado, diretamente de seu computador, pode assistir e participar de palestras no auditório, e assistir a vídeos institucionais. Desta forma, a comunicação passa a ser transmitida em tempo real. Os empregados têm acesso on-line a diversas informações pessoais e da Companhia, tais como: correio eletrônico; Internet/Intranet; Sistema de Gestão de Pessoal; informações dos sistemas de gestão e apoio; planejamento e realização orçamentária; cadastro de materiais; situação dos processos de compra; informações gerenciais de contratos e outros. Nos últimos anos, segundo o entrevistado, responsável pelo acompanhamento da pesquisa de ambiência organizacional, houve uma evolução sensível na comunicação interna. A tecnologia aperfeiçoou o acesso, aumentando o volume de informações transmitidas e a velocidade de resposta nos processos internos, como por exemplo, a implantação do módulo de RH do sistema SAP, as práticas de e-learning e educação à distância e as referências já descritas acima. − Remuneração, Recompensa e Desenvolvimento de Carreira
  • 84. 84 Para estimular a obtenção de metas de alto desempenho e a promoção da cultura de excelência, são adotados mecanismos de reconhecimento e recompensa vinculados ao cumprimento de metas, negociadas por ocasião do planejamento do gerenciamento do Desempenho de Pessoas (GDP). Segundo o entrevistado, representante da área de Compensação, o processo de reconhecimento e incentivos às pessoas, consideram: Avanço de nível; promoção; carreira de nível superior e função supervisor; bônus por desempenho; o Prêmio Destaque e o Prêmio Inventor. O mecanismo de Avanço de Nível consiste em tornar mais ágil a evolução funcional. O objetivo de sua criação foi alinhar a valorização do cargo às práticas de mercado, além de proporcionar uma forma diferenciada de reconhecimento da contribuição individual para o alcance de resultados organizacionais. Com esse mecanismo, é possível avançar em até 3 níveis por ano, dentro de um mesmo cargo. No mecanismo de Promoção, acontece a passagem de um cargo para outro, na mesma carreira. A distribuição das verbas destinadas ao bônus, ao avanço de nível e à promoção é realizada em função do alcance de metas. O mecanismo de Careiras de Nível Superior classifica os cargos em três níveis: Sênior, Pleno e Júnior. O mecanismo Supervisores foi criado a fim de possibilitar formas diferenciadas de remuneração para técnicos com alto grau de especialização. Dessa forma, foi criada uma tabela específica para a Função Supervisão, como mecanismo de retenção do quadro técnico mais especializado. O Prêmio Destaque foi criado como um mecanismo de valorização da força de trabalho. Cada unidade de negócio é responsável por sua condução, com autonomia para escolher os trabalhos concorrentes, sempre de acordo com a área de negócio. Os prêmios geralmente são utilitários ou viagens, a critério do premiado, e de
  • 85. 85 acordo com os valores estabelecidos pela unidade. O prêmio é entregue pelo Presidente da Companhia, em solenidade, juntamente com uma placa de prata alusiva ao prêmio. Os empregados escolhidos têm direito a passagem com acompanhante, hospedagem e diárias no Rio de Janeiro, local de entrega dos prêmios. Já o Prêmio Inventor é concedido a funcionários responsáveis por projetos que tenham merecido pedidos de concessão de patentes junto ao Instituto de Propriedade Intelectual, o INPI, no ano anterior. Também são premiados os inventos já patenteados e comercializados pela empresa. Segundo o entrevistado, representante da área de Ambiência Organizacional, como mecanismos de reconhecimento, há os elogios por escrito, que visam a reconhecer e a recompensar o desempenho de nível superior de um empregado ou uma equipe na execução das suas atividades. Esses são avaliados pelos clientes, pares e/ou Gerentes, e representam recompensas não-financeiras, como registro do elogio no currículo do empregado no Sistema de Gestão de Pessoal. A empresa estimula ainda a divulgação de trabalhos relacionados ao desenvolvimento acadêmico e profissional, interna e externamente, em congressos e publicações. − Avaliação de Desempenho Segundo o entrevistado, representante da área de Competências, o gerenciamento do Desempenho de Pessoas e Equipes na empresa é denominado GDP, e é realizado em três etapas: 1ª Etapa - Planejamento: Momento em que as metas das unidades são desdobradas para empregados e equipes, considerando os desafios profissionais e a cultura pela busca da excelência. Os empregados negociam com seus gerentes imediatos as tarefas e recursos
  • 86. 86 necessários para o alcance de suas metas atreladas ao Planejamento Estratégico do Órgão, e estabelecem os níveis de habilidades nas competências pessoais e técnicas que servirão de base para a definição das necessidades de treinamento. 2ª Etapa - Acompanhamento: Fase em que são realizados ajustes no processo, nesta fase as metas podem ser aumentadas, reduzidas, eliminadas ou acrescentadas, depois de negociadas. Nessa fase ainda, pode haver o desenvolvimento de competências técnicas, se for o caso. 3ª Etapa - Avaliação Final: Etapa na qual o gerente imediato avalia formalmente os resultados de indivíduos e equipes, atribuindo notas a cada meta, para apuração da pontuação alcançada pelo empregado, que toma conhecimento do resultado e dá sua opinião sobre o processo. Os resultados do GDP são considerados na concessão de todas as formas de reconhecimento e recompensa da empresa, sendo, pois, um balizador para o desenvolvimento da carreira dos empregados. Os empregados contratados são avaliados pelos gerentes das empresas contratadas que, por sua vez, são avaliados pelo Fiscal do Contrato. Os Gerentes realizam o Gerenciamento de Desenvolvimento do Líder - GDL, no qual são identificadas individualmente as necessidades de desenvolvimento de competências individuais. Em seguida, o Plano de Desenvolvimento do Líder é elaborado com o objetivo de capacitar o Gerente nas competências identificadas no perfil da função.
  • 87. 87 5.1.4.Sumário - Sistemas de Trabalho Nas questões relacionadas ao tema central - Sistemas de Trabalho, a média dos respondentes para o nível de desenvolvimento foi de 3,74 para um grau de importância 4,49, ou seja, de forma geral, o resultado sugere que as atividades relacionadas a este tema são desenvolvidas de forma sistêmica. A partir do modelo de desenvolvimento proposto pela pesquisa, esta empresa, de acordo com suas práticas relacionadas a Sistemas de Trabalho levantados quantitativa e qualitativamente, parece estar muito próxima do Nível 4 de desenvolvimento do modelo de referência proposto, o Nível Sistematizado. Nesse nível, a maioria das
  • 88. 88 atividades críticas já estão implantadas e ocorrem regularmente. Isoladamente, os processos pesquisados demonstram os seguintes resultados: Processo Nível de Desenvolvimento 1. Estrutura Organizacional Nível 4 2. Estrutura de Cargos Nível 3 3. Recrutamento e Seleção Nível 3 4. Comunicação e Integração Nível 4 5. Remuneração, Recompensa e Desenvolv. de Carreira Nível 4 6. Avaliação de Desempenho Nível 4 Figura 15 – Quadro Sumário relativo a Sistema de Trabalho As atividades relacionadas à Estrutura de Cargos obtiveram um posicionamento diferenciado, muito provavelmente por se encontrarem em fase de reestruturação. Durante a etapa de entrevista com o representante da área de Compensação, foi relatada a existência de grupos de trabalho repensando a estrutura de cargos, com vistas à maior flexibilidade e à cooperação entre os membros da organização. Já em relação às atividades de Recrutamento e Seleção, duas atividades obtiveram pontuação menor. A primeira, avalia se o processo está estruturado com base nas competências essenciais previamente definidas pela organização. O fato que parece influenciar esse resultado é que a etapa de Recrutamento e Seleção, por ser via concurso público, eventualmente pode engessar o processo, na medida em que o conceito de competência engloba uma série de requisitos que não o geralmente utilizado para avaliação num concurso público. (ex. prova de conhecimentos específicos e gerais, onde aspectos relacionados a comportamentos, tais como liderança, espírito de equipe e foco em resultados, são pouco ou nada evidenciáveis). Ainda nesse item, a questão relacionada à prática de busca direta de candidatos no mercado (hunting) foi desconsiderada na análise, por não ser uma prática adotada pela empresa, devido à restrições legais.
  • 89. 89 5.2. Análise do Tema Central - Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas Neste capítulo, procurou-se avaliar como as necessidades de capacitação e de desenvolvimento da força de trabalho são identificadas, e como os métodos utilizados apóiam o alcance das estratégias da organização, criando competências, e contribuindo para a melhoria do desempenho das pessoas e da empresa. 5.2.1.Documentos Pesquisados As práticas, rotinas, programas e projetos, relativos ao tema central Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas, foram consultados nos textos produzidos por funcionários da empresa, por ocasião de um Fórum Interno de RH, realizado em 2003.
  • 90. 90 Entre os temas disponíveis no material distribuído aos participantes, e apresentados no Fórum, estavam: 1. O Desafio de Preparar um Programa de Capacitação em Gestão de Recursos Humanos: Um Estudo de Caso; 2. Projeto Corporativo de Qualificação e Certificação em SMS de Terceirizados; 3. Projeto de Mãos Dadas com o Saber; 4. Português no Pé da Sonda; 5. Desenvolvimento de Pessoas. “Da Imagem à Ação: Uma Prática Reconhecida”. As informações relevantes obtidas nesses documentos serão apresentadas na seção de análise qualitativa, em conjunto com os dados obtidos nas entrevistas. Antes, porém, serão apresentados os dados quantitativos relativos ao tema Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas. 5.2.2.Análise Quantitativa A análise quantitativa retrata a percepção da amostra pesquisada durante a etapa de aplicação do questionário no levantamento diagnóstico. Foi analisado o grau de desenvolvimento e importância percebido pelos respondentes para o tema Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas, com base nos escores obtidos nos indicadores incluídos no questionário e nas medidas descritivas obtidas na amostra (média e moda), que aparecem na tabela abaixo. As médias obtidas em cada sistema foram posteriormente consolidadas no total geral para o tema Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas. CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS Grau de Grau de Questões Desenvolvimento Importância Moda Média Moda Média
  • 91. 91 Levantamento e Identificação das Necessidades de Capacitação 4 4,35 5 4,45 Planejamento e Desenvolvimento de Capacitação 4 3,89 5 4,50 Avaliação e Análise da Eficácia dos Proc. de Desenv. e Capacitação 3 3,13 5 4,40 Aconselhamento de Carreira 3 2,88 5 4,23 Cultura pela Excelência 4 3,77 5 4,28 Gestão do Conhecimento 5 3,99 5 4,46 Total Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas 4 3,69 5 4,41 Figura 16 – Quadro que relativos à Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas (Média) G tãodoConhecim es ento CulturapelaExcelência AconselhamentodeCarreira AvaliaçãoeAnális daEficáciados e Proc. deDesenv. eCapacitação PlanejamentoeDesenvolvimentode Capacitação LevantamentoeIdentificaçãodas Neces idadesdeCapacitação s - 1 2 3 4 5 Grau de Importância Grau de Desenvolvimento
  • 92. 92 Figura 17 – Gráfico relativo à Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas Nas questões relacionadas ao Levantamento e à Identificação das Necessidades de Capacitação, a média dos respondentes foi de 4,35 para o grau de desenvolvimento, com um grau de importância de 4,45, ou seja, o resultado indicou que as atividades relacionadas a este item podem ser descritas como sistêmicas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização, de fato, identifica as necessidades de capacitação e desenvolvimento das pessoas. Nas questões relacionadas ao Planejamento e Desenvolvimento de Capacitação a média dos respondentes foi de 3,89 para o grau de desenvolvimento, para um grau de importância 4,50, ou seja, o resultado indica que as atividades relacionadas a este item podem ser descritas como sistêmicas. Para os respondentes, os métodos de capacitação e desenvolvimento atendem às necessidades da organização, e sempre que necessário, profissionais experientes, com expertise em métodos e procedimentos em atividades de capacitação e desenvolvimento são disponibilizados para guiar o processo. Consideram ainda que esse processo leva em consideração as estratégias e planos da empresa, sendo mantida uma política documentada na condução das atividades de treinamento e desenvolvimento. Nas questões relacionadas à Avaliação e Análise da Eficácia dos Processos de Desenvolvimento e Capacitação, a média dos respondentes foi 3,13 para o grau de desenvolvimento, e 4,40 para o grau de importância, ou seja, o resultado sugere que as atividades relacionadas a este item estão ainda em desenvolvimento, com vistas à sistematização. O indicador diz respeito à avaliação dos métodos de capacitação e desenvolvimento de pessoas, com relação à sua utilidade e eficácia no apoio ao alcance das estratégias da organização.
  • 93. 93 Nas questões relacionadas ao Aconselhamento de Carreira, a média dos respondentes foi 2,88 para o desenvolvimento, e 4,23 para o grau de importância. O resultado sugere que as atividades relacionadas a este item ainda não estão plenamente sistematizadas. A empresa está começando a desenvolver atividades de “coaching” para suas lideranças. Na questão relacionada a “mentoring”, ficou evidente que a empresa não desenvolve esta prática. Nas questões relacionadas à Cultura pela Excelência, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi 3,77, e para o grau de importância foi 4,28, ou seja, o resultado indica que as atividades relacionadas a este item podem ser classificadas como sistêmicas. Os respondentes consideraram que os planos de capacitação abordam temas relacionados à cultura para excelência, (como por exemplo: o uso de indicadores de desempenho; dos padrões de trabalho; das informações comparativas e dos métodos de controle e aprendizado). Nas questões relacionadas à Gestão do Conhecimento, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi 3,99, e para o grau de importância 4,46, sugerindo que as atividades de gestão do conhecimento são sistematicamente desenvolvidas na empresa. Segundo os respondentes, existem áreas e grupos de trabalho ativamente envolvidos com gestão do conhecimento. Existe também um acervo automatizado de Centros de Documentação, Biblioteca, Base de Conhecimentos e publicações eletrônicas para disseminação via Internet, Intranet e CD-ROM, além da prática do e-learning. Para a maioria dos respondentes, a prática de Gestão do Conhecimento parece permear toda a organização.
  • 94. 94 5.2.3.Análise Qualitativa A análise qualitativa foi realizada a partir das entrevistas e dos documentos disponíveis relativos ao tema central – Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas. − Levantamento e Identificação das Necessidades de Capacitação Segundo o entrevistado, representante da Universidade Corporativa, a Gerência imediata é responsável pela identificação das necessidades (IN) de capacitação e desenvolvimento de cada componente de sua equipe. No caso dos empregados, a IN é realizada no GDP, que representa o desdobramento do Plano Estratégico da Companhia a nível individual. Por essa ocasião, são observadas as orientações corporativas, os objetivos empresariais, o perfil do posto de trabalho, os requisitos do cargo, as atividades a serem
  • 95. 95 desenvolvidas em função dos objetivos setoriais e as necessidades institucionais de desenvolvimento de competências estratégicas. A força de trabalho contratada é recebida pela área contratante, já com a qualificação necessária ao desempenho de suas tarefas, cabendo à contratada manter atualizadas sua competência técnica. A Alta Administração, os demais níveis de liderança, equipes e empregados participam de negociações de metas para a melhoria de atitudes e comportamentos corporativos, bem como da identificação do desenvolvimento de competências pessoais e profissionais de cada empregado. Já os gerentes são acompanhados de forma diferenciada pelo Gerenciamento do Desempenho do Líder - GDL, que tem como um dos produtos o Plano de Desenvolvimento do Líder – PDL, no qual são identificadas as necessidades de desenvolvimento nas competências individuais. As necessidades da Força de Trabalho são identificadas pelo Gerente imediato e informadas à Área de Recursos Humanos. De acordo com o Relatório de Avaliação da Gestão, existem padrões de trabalho definidos, com alguns registros também relatados pelo entrevistado, responsável pela Universidade Corporativa, tais como: Formulário de Identificação de Necessidades no País - IN, Formulário de Identificação de Necessidades no Exterior, Correio Eletrônico, Registros no Sistema Gestão de Pessoal. A Periodicidade de realização das INs é anual, com flexibilidades para inclusões excepcionais. O GDP é aplicado desde 1996, sendo informatizado a partir de junho de 2001, e o GDL foi implantado em 2001, de acordo com o material cedido na entrevista com o representante da área de Competências. − Planejamento e Desenvolvimento de Capacitação
  • 96. 96 As necessidades de capacitação e desenvolvimento de empregados são identificadas, por meio das Ins, pelo Gerente imediato e encaminhadas para a Área de RH, que elabora o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos - PDRH e o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Exterior – PDRHE, consolidando, assim, o planejamento dos projetos de capacitação e desenvolvimento dos empregados, no país e no exterior. Essa iniciativa visa a atender às necessidades institucionais e individuais de equipes e empregados, com flexibilidade de inclusão de necessidades ocasionais, segundo o entrevistado, representante da Universidade Corporativa. O PDRH e o PDRHE mostram todos os projetos de capacitação e desenvolvimento dos empregados, envolvendo educação e treinamento pessoal, profissional e sobre a gestão organizacional, que são consolidados na Gerência de RH em função das identificações de necessidades negociadas por Gerências, e empregados no processo de GDP. As necessidades gerenciais referentes ao desenvolvimento de competências individuais são consolidadas e planejadas no Plano de Desenvolvimento de Líderes - PDL. O investimento a ser realizado nessa área é aprovado pela empresa por proposição do Gerente Executivo, bem como a adequação dos planos e projetos para o atendimento às necessidades estratégicas, gerais e individuais da organização. Os empregados de empresas contratadas têm suas qualificações exigidas no próprio contrato de prestação de serviço, sendo que necessidades geradas pelo Sistema Integrado de Gestão - SGI, pelo Sistema de Qualidade de Engenharia Básica e de procedimentos de segurança industrial são mapeadas pelos gerentes de contratos e atendidas internamente pela Gerência de RH. Existem padrões de trabalho definidos, com alguns registros relatados pelos entrevistados, tais como: PDRH, PDRHE, PDL, Matriz de Acompanhamento de
  • 97. 97 Treinamento em SGI - Empregados Contratados, Listas de Presença e Programa do Curso de Integração e Ambientação a empresa. A periodicidade de realização do Plano de Desenvolvimento de RH é anual, com flexibilidade para inclusões excepcionais. − Avaliação e Análise da Eficácia dos Processos de Desenvolvimento e Capacitação Segundo o entrevistado, representante da Universidade Corporativa, para a realização de programas de capacitação e desenvolvimento, a área de RH é acionada pelo Gerente imediato, para a realização dos projetos de capacitação e desenvolvimento previstos no PDRH, e no PDRHE, ou os relacionados com necessidades eventuais. Esses projetos podem ser realizados internamente na Unidade, na Universidade Corporativa, nos Serviços Compartilhados ou em instituições externas localizadas no país e no exterior. O aprendizado pode ocorrer em salas de aula, no local de trabalho e no Campus Virtual disponível na Intranet. A relevância e a aplicabilidade do conteúdo programático, assim como o instrutor e a metodologia utilizada são avaliados, imediatamente após o encerramento do curso, por meio da Avaliação de Reação. Conhecimentos e habilidades recém-adquiridos são avaliados pela Gerência imediata, por ocasião da avaliação do GDP. A periodicidade de realização das avaliações sobre os projetos de treinamento são realizados conforme as solicitações das Gerências e disponibilidades dos empregados e das instituições ou profissionais, e de acordo com o cronograma de realização da Universidade Corporativa. A avaliação é realizada ao final de cada curso e durante a realização do GDP. − Cultura Pela Excelência
  • 98. 98 Desde 1993, a empresa vem realizando avaliações segundo os critérios de excelência do PNQ, com participação de todos os Gerentes e empregados nesse esforço para alcançar a excelência. Sua missão e valores decorrentes do Planejamento Estratégico sempre nortearam os rumos à excelência, desde a implantação da Gestão pela Qualidade Total, em 1993, até o objetivo estratégico de "Atingir a excelência na gestão", constante do Mapa Estratégico em vigor, sempre definindo e divulgando seus valores e comportamentos, assim como estabelecendo diretrizes de Gestão rumo à excelência. Os Planos de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Brasil e no exterior, incluindo os cursos de mestrado e doutorado, assim como a exigência de todos os seus gerentes serem pós-graduados lato sensu em Administração de Negócios (MBA), reforçam fortemente os fundamentos do aprendizado e da melhoria contínua. A participação de técnicos nos cursos da FPNQ e em auditorias internas e externas, segundo os critérios de excelência, reforça a cultura e a disseminação desses valores. As competências individuais dos líderes, estabelecidas pela corporação, e os comportamentos éticos a serem praticados por todos os empregados são também referenciais balizadores para a elaboração de projetos de capacitação com o objetivo de promover a cultura para a excelência. No caso de empregados de empresas terceirizadas, a cultura para a excelência é alcançada por exigências contratuais e por necessidades do SGI, identificadas pelos gerentes de contrato e atendidas pela Gerência de RH. Existem padrões de trabalho definidos, com alguns registros relatados pelos entrevistados, tais como: PDRHE, PDRH, Relatórios da Pesquisa de Ambiência Organizacional. A cultura para a excelência teve início na empresa em 1993, com a realização de cursos de sensibilização para a GQT, envolvendo todos os empregados.
  • 99. 99 5.2.4. Sumário – Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas Nos indicadores relacionados ao tema Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi 3,69, e o grau de importância 4,49. O resultado indicou que, tomadas de maneira global, as atividades relacionadas à capacitação e do desenvolvimento de pessoas estavam em fase de desenvolvimento, com vistas à sistematização, embora algumas atividades já estejam plenamente sistematizadas (por exemplo, levantamento de necessidades e planejamento e desenvolvimento). As atividades analisadas neste tema, de acordo com o levantamento quantitativo, estão relativamente menos avançadas do que as atividades avaliadas no núcleo sistemas de trabalho. De acordo com os estágios de desenvolvimento propostos pela pesquisa, no que tange às práticas relacionadas à Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas, a empresa se posiciona no limite superior do Nível 3
  • 100. 100 (desenvolvimento com vistas à sistematização), mas muito próxima do nível 4 de desenvolvimento, onde as atividades são sistematicamente realizadas. A seguir, serão apresentados exemplos de projetos relevantes que a empresa vem implementando nos últimos anos, e que poderão gerar avanços ainda maiores na área temática de capacitação e desenvolvimento no futuro. Um dos projetos mais interessantes nesta área é a própria Universidade Corporativa, que se consolidou em 2002. O "Programa Trainee", uma das principais inovações, atingiu 813 novos empregados de nível superior. Em cursos com duração de seis meses a um ano, os alunos recebem a formação inicial necessária ao desempenho de suas atividades, o que inclui, além de disciplinas técnicas, aulas de gestão de negócios. A especialização do pessoal teve desenvolvimento expressivo, sobretudo nas áreas de gestão empresarial. Quinze programas de especialização foram implementados em 2003, em parcerias com universidades brasileiras, entre eles Marketing, Gestão Estratégica de Negócios, Finanças, Direito, Negócios Internacionais, Mercado e Gestão de Riscos e Gestão de Ativos e Parcerias. Na educação à distância, foi consolidado o e-learning pelo campus virtual. Com mais de 48 mil matrículas de quase 12 mil empregados participantes dos 184 cursos ativos, a educação via intranet confirmou a empresa como referência também neste campo. Outro projeto pioneiro no Brasil, a TV Universitária lançou quatro canais, um deles produzido internamente, com 72 horas diárias de programação educativa disponível em todas as Unidades. O canal Universidade, com programação variada divulga, valores, competências e estratégias da Empresa. A empresa investiu R$ 86,5 milhões no desenvolvimento de pessoal, conforme publica em seu site, tanto no Brasil como no exterior, com a realização de 23.573
  • 101. 101 turmas, gerando o equivalente a 3 milhões de homens-horas em treinamento. Foi apurada uma média de 92 horas de treinamento por empregado. Embora o resultado da pesquisa tenha demonstrado que as práticas relativas a Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas estejam entre o nível 3, muito próximo do nível 4, os investimentos feitos recentemente demonstram a direção e a evolução crescente de seu nível de desenvolvimento. 5.3. Análise do Tema Central - Qualidade de Vida Neste capítulo, procurou-se avaliar como os fatores relativos ao ambiente de trabalho e ao clima organizacional são identificados, avaliados e utilizados a fim de assegurar o bem-estar, a satisfação e a motivação das pessoas que compõem a força de trabalho. 5.3.1.Documentos Pesquisados As práticas, rotinas, programas e projetos, relativos ao tema central Qualidade de Vida, foram consultados nos textos produzidos por funcionários da empresa, por ocasião de um Fórum Interno de RH, realizado em 2003. Entre os temas disponíveis no material distribuído aos participantes e apresentado no Fórum, estavam:
  • 102. 102 1. Estudo Comparativo entre o Resultado Quantitativo de Ambiência Organizacional e os Mapas Cognitivos dos Comentários dos Respondentes. 2. “Queremos Acessar sua Opinião:” Modificações na Pesquisa de Ambiência Organizacional em 2002. 3. Terceirização e Ambiência: Análise Crítica. 4. Ouvidoria e a Gestão de Pessoas 5. Monitorando a Ambiência Organizacional – Práticas de uma Organização que Aprende. 6. “É Possível Transformar Drogas em Girassóis”. Fertilize esta Idéia. 5.3.2.Análise Quantitativa A análise quantitativa retrata a percepção da amostra pesquisada durante a etapa de aplicação do questionário no levantamento diagnóstico. Foi analisado o grau de desenvolvimento e importância percebido pelos respondentes para o tema Qualidade de Vida, com base nos escores obtidos nos indicadores incluídos no questionário e nas medidas descritivas obtidas na amostra (média e moda), que aparecem na tabela abaixo. As médias obtidas em cada sistema foram posteriormente consolidadas no total geral para o tema Qualidade de Vida. CULTURA ORGANIZACIONAL E QUALIDADE DE VIDA Grau de Grau de Desenvolvimento Questões Importância Moda Média Moda Média Política de Saúde e Segurança do Trabalhador 5 4,62 5 4,87 Avaliação do Clima Organizacional 5 4,52 5 4,79 Política de Benefícios 5 4,28 5 4,70 Total Cultura Organizacional e Qualidade de Vida 5 4,46 5 4,77
  • 103. 103 Figura 18 – Quadro relativos à Cultura Organizacional e Qualidade de Vida Cultura Organizacional e Qualidade de Vida (Média) Política de Benefícios Avaliação do Clima Organizacional Política de Saúde e Segurança do Trabalhador - 1 2 3 4 5 Grau de Importância Grau de Desenvolvimento Figura 19 – Gráfico à Cultura Organizacional e Qualidade de Vida Nas questões relacionadas à Política de Saúde e Segurança do Trabalhador, a média dos respondentes para desenvolvimento foi 4,62 para um grau de importância de 4,87, ou seja, o resultado indica que as atividades relacionadas a este item podem ser classificadas como sistêmicas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização, com a participação de sua força de trabalho, identifica e trata os perigos e riscos relacionados à saúde, à segurança e à ergonomia. Nas questões relacionadas ao Clima Organizacional, a média dos respondentes para o grau de desenvolvimento foi de 4,52 para um grau de importância 4,79, ou seja, o resultado sugere que as atividades relacionadas a este item também são sistematicamente realizadas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização freqüentemente mede e avalia o bem estar, a satisfação e a motivação dos diversos tipos de pessoas que compõem sua força de trabalho. Consideram também que a
  • 104. 104 organização mantém o clima organizacional ideal ao bem-estar, satisfação e motivação das pessoas, por meio de seus serviços, benefícios, programas e políticas assistenciais. Segundo os respondentes, os métodos utilizados para promover e medir o bem-estar e a satisfação dos membros da força de trabalho são reavaliados e revistos periodicamente. Nas questões relacionadas à Política de Benefícios, a média para desenvolvimento foi 4,28 para um grau de importância de 4,70, ou seja, o resultado demonstra que as atividades relacionadas a este item são também sistematicamente desenvolvidas. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização possui uma política de benefícios estruturada, que inclui o acompanhamento sistemático do índice de satisfação dos colaboradores em relação aos benefícios concedidos, e que há também a preocupação em avaliar e melhorar as práticas de gestão e os respectivos padrões de trabalho relativos à qualidade de vida. 5.3.3.Análise Qualitativa A análise qualitativa foi realizada a partir das entrevistas e dos documentos disponíveis relativos ao tema central – Qualidade de Vida. − Política de Saúde e Segurança do Trabalhador A Gerência de Política de Segurança, Meio Ambiente e Saúde – SMS, atua de modo integrado na identificação, avaliação, qualificação, quantificação e controle dos riscos, documentando e divulgando informações por meio do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA, promovendo treinamento, elaborando plano de contingência e
  • 105. 105 disponibilizando informações na sua homepage, segundo relatou o entrevistado, representante da área de Ambiência Organizacional. Segundo o mesmo entrevistado, a identificação e a avaliação de riscos e perigos é um processo dinâmico e contínuo, constituído de etapas complementares e simultâneas. As Gerências das Unidades identificam e monitoram os empregados e contratados expostos aos riscos apontados pelo PPRA. Qualquer empregado da empresa pode registrar uma anomalia no Sistema Integrado de Gestão de Anomalia - SIGA, e participar ativamente da identificação e tratamento dos riscos associados ao seu próprio trabalho. A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA elabora os mapas de risco, realiza inspeções, dissemina informações para a força de trabalho e participa da investigação de acidentes. A Área Médica atua de forma integrada, apoiando tecnicamente as ações desenvolvidas pelas demais Gerências. A Tecnologia de Informação disponibiliza bases de dados e acesso às informações. As atividade e responsabilidades de cada Gerência neste processo estão detalhadas nos seguintes padrões: 1. Os contratos de prestação de serviços estabelecem, em anexo específico, as exigências de Segurança, Meio Ambiente e Saúde – SMS, que as empresas contratadas devem satisfazer para poderem iniciar suas atividades. E, por sua vez, a Gerência de SMS informa às empresas contratadas os riscos e perigos existentes no local onde suas atividades serão desenvolvidas, bem como assessora na realização do seu Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO. 2. A Gerência de RH, em conjunto com a Gerência de SMS, identifica os profissionais especialistas na atividade e atendem às necessidades de treinamento e desenvolvimento negociadas entre empregados e Gerentes imediatos. Os
  • 106. 106 contratados de terceiros são absorvidos com as qualificações necessárias exigidas no contrato de prestação de serviço. O Programa de Excelência em Gestão Ambiental e Segurança Operacional - PEGASO, desenvolvido sob a coordenação da empresa, e a implantação do Sistema Integrado de Gestão – SGI, propiciaram um conjunto integrado de medidas, que promoveu a revisão dos processos e rotinas de trabalho, adoção de medidas de avaliação e controle, melhorias nas instalações e capacitação da força de trabalho. Na homepage do SMS, constam os objetivos, metas e programas detalhados por Unidade responsável pela execução de suas etapas, com o objetivo de eliminar ou minimizar os riscos identificados. São exemplos: 1. Programa de Promoção da Saúde: Condicionamento Físico, Antitabagismo e Antiestresse; 2. Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional; 3. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; 4. Programas de Ergonomia; 5. Prevenção e Recuperação de Dependência Química; 6. Programa de Readaptação Profissional; 7. Espaço Bem-estar (aulas de alongamento, Shiatsu e ginástica laboral); 8. Semana do Meio Ambiente; 9. Semana da Saúde, 10. Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT). Existem padrões de trabalho, tais como: SIGA; homepage da SMS; PCMSO; Relatórios Anuais de Realização; Programa Anual de Inspeção de Segurança; Resultados das inspeções de segurança; Cronograma de Inspeção de Segurança; Modelo de Relatório de Inspeção; Empregados sob monitoração biológica; Realização de exames
  • 107. 107 médicos periódicos; Anexo - Requisitos de Contratação SMS; Padrões mínimos de segurança para diversas atividades; Fichas de Segurança de Produtos; Instruções para Desocupação da Área; PPRA; Planos e Programas relacionados; e Projetos e Relatórios do PEGASO. O controle é realizado por Auditorias internas e externas, inspeções e monitoração gerencial. Os responsáveis são as Gerências das Unidades, o Gerente de SMS, Médicos do Trabalho e Engenheiros de Segurança. A Periodicidade é um processo contínuo, com emissão sistemática de relatórios. A Disseminação atinge a todos os empregados da empresa. Continuidade - Desde 1992. Certificação pelas Normas ISO 14001 e BS 8800 em 2001. − Avaliação do Clima Organizacional A área de Recursos Humanos, corporativamente, vem identificando os principais fatores que influenciam as pessoas, por meio de uma pesquisa de ambiência organizacional, realizada desde 1994. Complementarmente, a empresa identifica fatores específicos relativos a Ambiência, por meio dos vários mecanismos, tais como: 1. Reuniões com o Gerente de RH; 2. Reuniões quinzenais com o Sindicato; 3. Reuniões "Fale com o Gerente Executivo"; 4. Homepage da empresa;
  • 108. 108 5. Entrevistas de desligamento; e 6. Assistência psicológica. De acordo com um dos representantes da área de Ambiência, além do questionário de Ambiência, a empresa disponibiliza ainda, na pesquisa, o espaço "Palavra Livre", onde os empregados podem fazer críticas e sugestões sobre qualquer assunto de seu interesse. O questionário é informatizado e disponibilizado em rede para todos os empregados, e em locais estratégicos da empresa, de forma que todos possam participar da pesquisa de forma sigilosa. É possível, ainda, o preenchimento do questionário em papel, não sendo necessária a identificação do respondente. São investigadas t rês dimensões da ambiência organizacional: − Dimensão Clima: aborda a satisfação dos empregados em relação a 46 itens reunidos, por similaridade temática, em 9 variáveis: (1) Benefícios; (2) Comunicação; (3) Espírito de Equipe; (4) Liderança; (5) Reconhecimento e Recompensa; (6) Relação com o Trabalho; (7) Remuneração; (8) Saúde, Segurança e Meio Ambiente e (9) Treinamento e Desenvolvimento. − Dimensão Valores e Comportamentos: aborda as percepções dos empregados em relação aos valores e comportamentos apresentados no Plano Estratégico da empresa como desejáveis para o desenvolvimento da Companhia e para o alcance de seus objetivos e metas. − Dimensão Comprometimento com a Empresa: inclui 6 itens utilizados para se avaliar em que medida os empregados se mostram empenhados em contribuir para o sucesso da Empresa, se sentem valorizados por ela, identificam boas oportunidades para si mesmos por trabalharem e por permanecerem trabalhando na
  • 109. 109 Companhia, e acreditam que, trabalhando nesta empresa, contribuem de forma importante para o desenvolvimento da sociedade. No questionário, após a dimensão clima, há um bloco de 5 itens denominado Opinião Geral. Esse bloco não é exatamente uma dimensão, mas apenas a reunião de questões relevantes que, por diversas razões, não podem ser incluídas em outras dimensões, como por exemplo: “Item 3: Estou bem informado sobre o Plano Estratégico da empresa. Este item foi utilizado numa Dimensão intitulado Condições de Mudança, que esteve presente nas pesquisas de 2000 e 2002, mas não está presente na pesquisa de 2003. Ele foi mantido, porque se considera que é importante saber o nível em que os empregados estão informados sobre o Plano Estratégico da Empresa. Contudo, ele não foi incluído no questionário de Clima porque é discutível se aborda, de fato, um tema que envolve a satisfação dos empregados e o Clima mede satisfação. (Parte de uma apresentação a funcionários cedida pela área de Ambiência Organizacional)”. A expressão Ambiência Organizacional é utilizada para designar, de forma resumida, o conjunto dos elementos que dizem respeito ao Clima, ao Nível de Comprometimento dos Empregados com a Empresa e aos Valores e Comportamentos descritos no Plano Estratégico como desejáveis para o desenvolvimento da Companhia. Nesse sentido a expressão Pesquisa de Ambiência Organizacional é, então, uma forma econômica e abrangente de se referir à Pesquisa que investiga seqüencialmente três Dimensões: (1) O Clima, (2) As percepções dos empregados em relação aos Valores e Comportamentos desejáveis pela Empresa e (3) O Nível de Comprometimento dos Empregados com a Empresa. Na empresa, a Pesquisa de Clima é um importante instrumento de apoio à gestão e tem o objetivo de identificar o nível de satisfação dos empregados em relação aos recursos, processos e práticas da Companhia e de subsidiar a administração com
  • 110. 110 informações sobre os pontos positivos e as possibilidades ou necessidades de melhoria nas relações de trabalho. Uma vez feito o diagnóstico, há um comitê que decide as ações de melhoria que deverão ser desenvolvidas. O mesmo procedimento é empregado com relação ao diagnóstico de cada Unidade apresentado à Gerência e sua equipe. Segundo o representante da área de Ambiência Organizacional, os resultados e ações priorizadas são amplamente divulgados para toda a força de trabalho em reuniões do Gerente Executivo com os empregados. A implementação das ações é feita segundo os planos de ação elaborados. De acordo com uma apresentação cedida pela área de Ambiência Organizacional, utilizada para explicação, internamente, do processo de aplicação da pesquisa, pôde-se extrair algumas informações relevantes sobre a Pesquisa de Ambiência: − A empresa tem, em seus três níveis hierárquicos, empregados de mesmo padrão social e cultural, não havendo necessidade de distinção de categorias. − O preenchimento é voluntário, e a identidade dos respondentes é preservada. − Até 1998, abordava somente o clima de trabalho. A partir de 2000, passou a incluir as três dimensões consideradas até a aplicação de 2002: Clima, Cultura e Mudança. − Até 2000, era realizada a cada dois anos. A partir de 2002, torna-se anual. − A partir de 2002, passaram a ser aferidos indicadores do Balanced Scorecard (BSC) da empresa. − Instrumento valorizado pelos empregados – 76% de respondentes em 2002; − Possui grande complexidade, abordando aspectos do clima de trabalho, da cultura organizacional e do alinhamento com a orientação estratégica da empresa; − Tem grande abrangência, incluindo: − Empregados da Empresa no Brasil e exterior;
  • 111. 111 − Requisitados de subsidiárias lotados na empresa; − Em 2002, passou por um amplo processo de revisão, cujos pontos principais foram: − Melhorias no questionário; − Implantação do sistema on-line de aplicação da pesquisa; − Modificações no sistema de análise de dados; − Melhoria no processo de divulgação da Pesquisa e de seus resultados. − Política de Benefícios Segundo o entrevistado, representante da área de Compensação, este requisito é atendido por meio de diversas atividades, programas e serviços disponibilizados pela área de apoio da empresa. Dentre os serviços colocados à disposição da força de trabalho destacam-se os seguintes: 1. Transporte, restaurante e postos bancários; 2. Atividades desportivas e sociais por intermédio do Clube de Empregados; 3. Atendimento médico; 4. Avaliação e encaminhamento psicológico e social. Na área de benefícios, além dos corporativos (Assistência Médica, Programa Próprio de Previdência da Empresa, Benefícios Educacionais, Programa de Assistência Especial), são oferecidos programas específicos da empresa, visando à melhoria do bem-estar e motivação, a saber: 1. Espaço Bem-Estar (aulas de alongamento, Shiatsu e ginástica laboral); 2. Coral, Teatro, Grupo de Artes; 3. Programa Vida (grupo voluntário, criado com o objetivo de ajudar instituições carentes). 4. Comemoração do Dia do Trabalhador;
  • 112. 112 5. Confraternização de Final de Ano; 6. Festa do Dia da Criança e Colônia de Férias para filhos de empregados. 7. Ciclo de Palestras que objetiva promover debates sobre diversos temas, possibilitando reflexões que contribuam para o desenvolvimento e motivação das pessoas, tendo como tema as Prioridades Vitais. Os empregados de empresas contratadas utilizam transporte, restaurante, atendimento médico, postos bancários, clube de empregados e atividades coletivas dos programas de bem-estar. 5.3.4.Sumário – Cultura Organizacional e Qualidade de Vida Nas questões relacionadas ao tema central – Cultura Organizacional e Qualidade de Vida, a média dos respondentes para o nível de desenvolvimento foi 4,46, para um grau de importância de 4,77. De forma geral, o resultado demonstra que as atividades relacionadas a este tema são desenvolvidas de forma sistêmica. De acordo com o modelo de desenvolvimento proposto pela pesquisa, essa empresa, no que tange às práticas relacionadas à Cultura Organizacional e Qualidade de Vida, está no Nível 4 de desenvolvimento, o Nível Sistematizado. Esse nível
  • 113. 113 indica que as atividades neste tema já estão plenamente implantadas e que acontecem regularmente, buscando seu aperfeiçoamento e melhorias constantes. 5.4. Análise do Tema Central - Resultados Relativos às Pessoas Neste capítulo, procurou-se avaliar se existem indicadores relativos à pessoas, e se estes são analisados, comparados, e servem de referência para busca de melhorias. 5.4.1.Documentos Pesquisados
  • 114. 114 Os documentos relativos ao tema central – Resultados das Pessoas, não puderam ser mencionados, pois tratam de informações consideradas sigilosas pela empresa. 5.4.2. Análise Quantitativa RESULTADOS RELATIVOS A PESSOAS Grau de Grau de Desenvolvimento Questões Importância Moda Média Moda Média Resultados relativos às Pessoas 4 3,70 5 4,53 Total Resultado relativo às Pessoas 4 3,70 5 4,53 Figura 20 – Quadro referente a Resultados Relativos às Pessoas Resultados Relativos às Pessoas (Média) Resultados relativos às Pessoas 0 1 2 3 4 5 Grau de Importância Grau de Desenvolvimento Figura 21 – Gráfico referente a Resultados Relativos às Pessoas Nas questões relacionadas ao tema central, Resultados Relativos às Pessoas, a média dos respondentes foi de 3,70 para um grau de importância 4,53, ou seja, de forma geral, o resultado demonstra que as atividades relacionadas a este tema estão em fase de desenvolvimento com vistas à sistematização. De acordo com o modelo de desenvolvimento proposto pela pesquisa, a empresa estaria posicionada no Nível 3, no que tange às suas práticas
  • 115. 115 relacionadas ao acompanhamento de resultados de seus investimentos em pessoas, mas estaria próxima do Nível 4 de desenvolvimento, o Nível Sistematizado. Os respondentes, na sua maioria, consideraram que a organização mantém um processo de medição da eficácia dos processos de sistemas de trabalho, capacitação e desenvolvimento e qualidade de vida, e que os resultados relativos às pessoas são favoráveis, demonstrando bons níveis de desempenho em relação às informações comparativas. Existiriam, ainda, grupos de trabalho refletindo e avaliando o impacto dos resultados globais da gestão de recursos humanos na consecução das estratégias organizacionais. 5.3.5.Análise Qualitativa Não foi possível realizar a análise qualitativa dos resultados relativos às pessoas, pois não foi autorizado o acesso às informações desta ordem. 5.3.6.Sumário – Resultados Relativos às Pessoas De acordo com o modelo de desenvolvimento proposto pela pesquisa, a empresa estaria posicionada no Nível 3, que demonstra que as atividades relacionadas a este tema estão em fase de desenvolvimento com vistas à sistematização.
  • 116. 116 Durante as entrevistas, todos os representantes das áreas foram questionados sobre esse tema, e fizeram referência à metodologia selecionada para a avaliação do desempenho empresarial - Balanced Scorecard (BSC). Segundo os dados disponíveis na homepage da empresa, dois parceiros foram escolhidos para dar suporte a empresa neste processo: a Symnetics Business Transformation, consultoria que representa Kaplan e Norton na América Latina, responsável pela aplicação e desenvolvimento da metodologia; e a Hyperion Solutions, fornecedora da aplicação Hyperion Performance Scorecard (HPS), tecnologia que serviu de base para todo o projeto. Segundo os representantes das principais áreas de RH que foram entrevistados, o Balanced Scorecard tem abrangência em toda a companhia. Do Presidente à cada área e unidade, todos dispõem de painel de desempenho com mapa estratégico, indicadores, metas e iniciativas. Segundo o representante da área de Planejamento e Avaliação de RH, a área de RH fornece indicadores para o mapa estratégico, tais como: ISE - Índice de satisfação dos empregados: Média global do Clima (média das médias das nove variáveis do Clima), Nível de comprometimento com a Empresa; Média global dos seis itens da Dimensão Comprometimento com a Empresa. Tais índices dão apoio à Alta Direção na tomada de decisões estratégicas, permitindo previsionar impactos sobre cenários críticos e de mudanças. 5.5. Análise da Direção Estratégica Neste capítulo, procurou-se avaliar como a organização articula as ações da área de RH com os objetivos organizacionais.
  • 117. 117 5.5.1.Documentos Pesquisados Para análise deste capítulo, foram utilizados todos os documentos já mencionados nos capítulos anteriores, relativos aos temas centrais da pesquisa. Esses documentos relatam como a empresa procurou alinhar suas práticas de RH às estratégias organizacionais. 5.5.2.O Delineamento Estratégico A empresa estabeleceu, em outubro de 1999, seu Plano Estratégico 2000-2010, que representou um referencial para a inserção da empresa num ambiente competitivo, pautado numa profunda análise das oportunidades de negócios no Brasil e no exterior. Nele foram definidas as diretrizes de negócios e de gestão que nortearão as atividades da empresa até o ano 2010, objetivando seu crescimento, maior rentabilidade, consolidação da posição de liderança no Brasil e ampliação de sua presença no mercado internacional. O Plano abrangeria, ainda, uma agenda de mudanças na empresa, para a concretização de sua visão, constituída por 12 projetos orientados por quatro diretrizes gerenciais, a saber: − Rentabilidade: desenvolver e implantar um processo de avaliação empresarial; − Produtividade: buscar a elevação da eficiência organizacional; − Recursos Humanos: assegurar o envolvimento e comprometimento das pessoas com as novas diretrizes da Empresa; − Clientes: orientar os esforços da Empresa para a busca e atendimento de seus clientes.
  • 118. 118 Por meio do desdobramento desse Plano, a empresa pretenderia atingir seu objetivo de tornar-se uma empresa de energia com marcante presença internacional e liderança na América Latina, e valorizar ao máximo os ativos de seus acionistas e suas fontes de receita. A Visão de 2010 estimulou o redesenho da área de RH e criou espaço na agenda de mudanças para ênfase na captação, desenvolvimento e retenção de talentos e competência, além de reforçar a importância de se vincular o desempenho aos sistemas de conseqüência, de forma que os desdobramentos das metas fossem realizados via processo GDP – Gestão do Desempenho, possibilitando um acompanhamento rigoroso dos Recursos Humanos resultados. Dentro desse escopo de mudanças, a área de recursos humanos assumiu Promover uma cultura empresarial que enfatize Vincular as práticas de função estratégica, um dos pilares fundamentais Recursos Humanos com desempenho2010 de para o atendimento da visão de resultados de equipes e Rever a estrutura remuneratória indivíduos ser uma empresa de energia com atuação internacional e líder na América Latina, com grande foco em serviços e aFortalecer a de atuação técnica, um dos pontos de referência quadro liberdade capacitação de corporação internacional. No da Preservar e aprimorar as empresa. competências técnicas abaixo, é demonstrado comoConectar bônus com desempenho individual o setor de RH. foi definido a Agenda de Mudanças para Mobilizar talentos e Criar mecanismos de gerenciamento de desempenho da liderança desenvolver Intensificar a capacitação e recrutamento para redução do hiato de competências gerenciais competências Praticar um processo de comunicação interativo, estruturado e sistemático entre a empresa e seus empregados, fortalecendo as Promover práticas de relações no trabalho Utilizar o gerenciamento de desempenho para desdobramento dos gestão que fortaleçam a Agenda de Mudanças: e motivação, satisfação objetivos e metas da empresa em compromissos de trabalho de equipes e pessoas comprometimento dos Reconhecer a contribuição das pessoas e equipes na concretização dos empregados. objetivos da empresa Unificar as políticas de recursos humanos no país e no exterior Implantar uma política de admissão sistemática Elaborar uma política de incentivo à permanência (retenção de competência) Treinar e recrutar profissionais e gerentes para atuação internacional Adequar os efetivos às Elaborar planos de incentivos para os casos específicos de exigências das desmobilização estratégias e objetivos Implantar instrumentos de gestão facilitadores da mobilização interna dos negócios Aprimorar as práticas de mobilidade interna (transferência) de pessoal
  • 119. 119 Figura 22 – Agenda de mudanças da área de RH da Empresa Brasileira de Energia Para garantir o alinhamento organizacional, a empresa definiu também um conjunto de Comportamentos e Valores que dariam sustentação ao atendimento de suas metas. Tais como: Comportamentos − Acompanhamento rigoroso dos resultados;
  • 120. 120 − Transparência nas relações com o Governo, comunidade e com os públicos de interesse da empresa; − Ênfase na integração e no desenvolvimento do trabalho de equipe; − Liderar pelo exemplo; − Ética nos negócios. Valores − Valorização dos principais públicos de interesse: acionistas, clientes, empregados, sociedade, Governo e as comunidades em que a empresa atua; − Valorização das competências tecnológicas e aprimoramento contínuo dos produtos e serviços; − Respeito e preservação do meio ambiente; − Busca permanente da excelência empresarial; − Foco na obtenção dos resultados; − Espírito empreendedor e de superar desafios. A empresa atualizou também suas políticas corporativas para orientar suas estratégias de negócios, dando destaque para a manutenção das práticas de governança corporativa, disciplina de capital e responsabilidade social.
  • 121. 121 Da mesma forma, a Política Corporativa de Recursos Humanos também foi redefinida para atender ao Plano 2010. Conforme demonstra uma apresentação cedida pelo representante da área de competências. Esse processo culminou em novo modelo de gestão e no desenvolvimento de programas de adequação e retenção de talentos, abrindo espaço para os empregados desenvolverem seu potencial e criatividade e, conseqüentemente, beneficiarem-se dos resultados da empresa. Entre os principais programas na área de RH estaria a Gestão de Competências. A implantação do plano estratégico exigiu uma série de ajustes, entre eles a adequação e retenção de competências-chave, identificadas como aquelas de alto impacto no mercado e elevado grau de influência na conquista da liderança competitiva. Com o Projeto - Gestão de Competências, a adequação foi inicialmente focada em diretores, gerentes-executivos e gerentes, grupo em que a empresa vinha apresentando maior perda de profissionais para o mercado. Também foi criada a função de consultor técnico, importante instrumento de gestão para reconhecer e recompensar os empregados que se destacam por sua capacidade técnica. Inicialmente, foram designados 349 empregados para a função - aproximadamente 1,0% do quadro de pessoal. Além disso, foi iniciada a revisão das práticas de recursos humanos nas áreas de Gerenciamento de Desempenho, Educação Empresarial, Recrutamento e Seleção, e Recompensa, destinada a reduzir os hiatos entre o perfil atual da gerência e as competências necessárias à realização dos objetivos traçados no plano estratégico. Ainda no campo de reconhecimento e recompensa, a empresa instituiu, em 2000, o bônus por desempenho, cujo objetivo seria distinguir empregados com alto desempenho, e que tenham contribuído de forma diferenciada para o alcance de resultados.
  • 122. 122 A nova Política de Recursos Humanos e os Princípios de RH, foram extraídos da homepage da empresa: Política de RH − Atrair, mobilizar, desenvolver e reter pessoas, investindo em seus talentos e aprimorando as competências; − Adequar efetivos e praticas de compensação às estratégias e objetivos do negócio; − Promover um processo permanente de negociação com os representantes da força de trabalho; − Promover práticas de gestão que estimulem a motivação e a satisfação no trabalho, que fortaleçam o comprometimento de todos os empregados com as metas corporativas e com os princípios estabelecidos no Código de Ética da empresa; − Estimular e reconhecer o exercício da cidadania por todos os empregados e as iniciativas vinculadas à responsabilidade social da empresa; − Promover uma cultura empresarial única que respeite os valores locais e priorize o reconhecimento e a recompensa pelos resultados das equipes e dos indivíduos; − Compatibilizar as práticas de terceirização com as Políticas de RH e de Segurança de Informação e com a gestão do conhecimento sobre o core business da empresa. Princípios de RH − Desenvolvimento de RH O Desenvolvimento de Recursos Humanos deve ser um processo planejado, com a finalidade de proporcionar o contínuo aprimoramento a todos os empregados, e deve estar orientado tanto para a realização dos objetivos da Companhia, quanto para o crescimento individual.
  • 123. 123 Cabe ao gerente facilitar o desenvolvimento de sua equipe, e ao empregado a busca do constante autodesenvolvimento. O Desenvolvimento de Recursos Humanos deve, mais do que ensinar, levar os empregados a aprenderem a aprender, e a assumirem o compromisso de transferência da experiência e dos conhecimentos. − Desenvolvimento Gerencial O desenvolvimento gerencial deve ser um processo permanente e sistemático, consistente com o modelo de Gestão da Companhia, que contemple a identificação, o desenvolvimento, preferencialmente nas situações de trabalho, a avaliação e a movimentação de empregados para constituir o quadro gerencial, com objetivo de constante aprimoramento da ação gerencial. − Relações no Trabalho Deve-se buscar permanentemente a melhoria da qualidade de vida no trabalho, fortalecendo as relações com os empregados, melhorando os processos de comunicação institucionais e interpessoais, estimulando a relação de parceria entre gerentes e equipes e mútuo comprometimento com os objetivos organizacionais. Deve-se estabelecer uma interação construtiva e de respeito mútuo com os sindicatos e entidades de classe, na medida que estes representem os interesses dos empregados. − Remuneração A estrutura de Remuneração deve refletir as exigências e responsabilidades dos cargos e funções, assegurada a consistência interna e a competitividade de mercado.
  • 124. 124 Além disso, deve considerar a contribuição individual, as condições de trabalho, as peculiaridades regionais, a capacidade financeira da Companhia, bem como os resultados por ela alcançados. A estrutura de cargos deve ser dinâmica, flexível, compreender cargos amplos e encarreirados, objetivando o melhor aproveitamento da força de trabalho, e permitindo a progressão funcional / salarial dos empregados. − Gerenciamento de Desempenho O Gerenciamento de Desempenho de Pessoal deve ser um processo participativo e de permanente de melhoria de resultados, que implique negociação, fixação e avaliação de compromissos entre gerentes, equipes e empregados. O gerente imediato deve ser o responsável direto pela condução do processo de Gerenciamento de Desempenho de Pessoal, valendo-se deste para desenvolver empregados e equipes, reconhecer e recompensar diferencialmente os vários desempenhos, identificar potenciais e melhorar a qualidade da ação gerencial. − Força de Trabalho O ingresso na Companhia deve se dar por processo seletivo competitivo, com condições e critérios divulgados de forma ampla e transparente. A progressão funcional do empregado nas carreiras e funções deve ser condicionada ao potencial e ao desempenho individual, entendido este como contribuição efetiva para resultados. O fluxo de empregados, envolvendo ingressos, movimentações e saídas, deve ocorrer dentro da condição de preservação da experiência, competência e memória da Companhia.
  • 125. 125 − Benefícios Os programas de Benefícios devem ser direcionados para o atendimento de necessidades básicas, bem-estar físico e social, contribuindo para a qualidade de vida dos empregados, aposentados e dependentes. A participação do beneficiário no custeio é indispensável, e os programas devem ter caráter supletivo, utilizando-se prioritariamente dos recursos da comunidade. − Saúde As atividades de Saúde Ocupacional devem visar à obtenção de níveis elevados de saúde, entendida como bem-estar e plena capacidade do indivíduo de usufruir uma vida social e economicamente produtiva. Devem concentrar-se na prevenção e controle de riscos à saúde, relacionados aos ambientes e condições de trabalho e se orientar para a proteção da saúde dos empregados de forma integral. 6. Avaliação dos Resultados
  • 126. 126 Neste capítulo, procurou-se avaliar os índices totais dos Temas Centrais: a) Sistemas de Trabalho; b)Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas; c)Cultura Organizacional e Qualidade de Vida; e, d) Resultados Relativos a Pessoas. SUMÁRIO TOTAL GERAL Grau de Grau de Importância Questões Desenvolvimento Moda Média Moda Média Estrutura Organizacional 5 4,13 5 4,59 Estrutura de Cargos 3 3,16 5 4,46 Recrutamento e Seleção 4 3,30 5 4,27 Comunicação e Integração 4 3,91 5 4,54 Remuneração, Recompensa e Desenvolvimento de Carreira 4 3,79 5 4,45 Avaliação de Desempenho 5 3,93 5 4,58 Total Sistema de Trabalho 4 3,74 5 4,49 Levantamento e Identificação das Necessidades de Capacitação 4 4,35 5 4,45 Planejamento e Desenvolvimento de Capacitação 4 3,89 5 4,50 Avaliação e Análise da Eficácia dos Proc. de Desenv. e Capacitação 3 3,13 5 4,40 Aconselhamento de Carreira 3 2,88 5 4,23 Cultura pela Excelência 4 3,77 5 4,28 Gestão do Conhecimento 5 3,99 5 4,46 Total Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas 4 3,69 5 4,41 Política de Saúde e Segurança do Trabalhador 5 4,62 5 4,87 Avaliação do Clima Organizacional 5 4,52 5 4,79 Política de Benefícios 5 4,28 5 4,70 Total Cultura Organizacional e Qualidade de Vida 5 4,46 5 4,77 Resultados relativos às Pessoas 4 3,70 5 4,53 Total Resultados relativos às Pessoas 4 3,70 5 4,53 Figura 23 – Quadro Sumário Geral Nas questões relacionadas ao tema Sistemas de Trabalho, a média no grau de desenvolvimento foi 3,74 para um grau de importância de 4,49. Nas questões relacionadas ao tema Capacitação e Desenvolvimento das Pessoas, a média no grau de desenvolvimento foi 3,69 para um grau de importância de 4,49. Nas questões relacionadas ao tema Cultura Organizacional e Qualidade de Vida, a média dos respondentes foi de 4,46 para um grau de importância 4,77. Essa foi a área temática considerada mais importante pelos respondentes de modo geral, e segundo eles, é também
  • 127. 127 aquela onde o nível de desenvolvimento está mais próximo ao nível de importância na empresa estudada. Nas questões relacionadas ao tema Resultados Relativos às Pessoas, a média no grau de desenvolvimento foi 3,70 para um grau de importância 4,53. Embora essa seja a segunda área mais importante para os respondentes, também parece ser aquela onde há maior discrepância entre o nível de importância e o desenvolvimento observado na empresa. No total geral, a média para grau de desenvolvimento geral da GRH na empresa, segundo os participantes, foi 3,90. De forma geral, o resultado demonstra que as principais atividades de RH estão sistematizadas, com algumas atividades em desenvolvimento com vistas à sistematização, conforme analisado anteriormente. De acordo com o modelo de desenvolvimento proposto pela pesquisa, esta empresa, se posiciona no terço superior do Nível 3, já bem próxima do Nível 4 de desenvolvimento, denominado Nível Sistematizado. Grau de Importância x Grau de Desenvolvimento (Média) Total Sistema de Trabalho 5 4 3 2 1 Total Resultados relativos às Total Capacitação e Pessoas Desenvolvimento das Pessoas Total Cultura Organizacional e Qualidade de Vida Grau de Desenvolvimento Grau de Importância
  • 128. 128 Figura 24 – Gráfico comparativo entre o grau de desenvolvimento e o grau de importância dos itens pesquisados 7. Limitação do Método Por se tratar de um levantamento diagnóstico em uma empresa específica, os resultados deste estudo não permitem uma generalização, na verdade, fornece informações específicas para o contexto da empresa pesquisada. A impossibilidade de uso de informações a respeito dos processos, métodos e ferramentas utilizados pela empresa foi a maior limitação, já que impediu maior aprofundamento na descrição de suas melhores práticas, o que poderia servir de referências a outras empresas, já que na área de RH há uma grande carência de modelos eficientes e referências de excelência na administração da GERH. A dificuldade se estendeu durante todo o processo da pesquisa de campo, uma vez que todos os entrevistados, por exemplo, demonstravam querer resguardar, ao máximo, as informações durante a entrevista, dificultando o detalhamento de cada processo, o que fez com que esta etapa da pesquisa ultrapassasse o tempo do cronograma planejado. É preciso ressaltar também o interesse dos membros da empresa em passar a melhor imagem possível, o que pode ter causado um certo víeis positivo nas informações prestadas. O instrumento utilizado para avaliação dos níveis de desenvolvimento da GERH está em fase de construção, e a versão utilizada nesta pesquisa será aperfeiçoada, no futuro, para aplicação em outras empresas, por isso, esta versão pode ter deixado de fora algumas questões relevantes para um mapeamento desta natureza. E aumentar o número de questões neste instrumento (anexo 2) poderia levar à fadiga dos respondentes. No universo
  • 129. 129 de aproximadamente 100 funcionários lotados na área de RH em todo o Brasil, responderam ao questionário 6% deste mesmo universo. 7. Conclusões e Recomendações De acordo com o estudo realizado, verificou-se que a empresa pesquisada, posiciona-se, numa escala de 1 a 5 de desenvolvimento na Gestão Estratégica de RH, muito próxima do nível 4, o Nível Sistematizado, onde a maioria das atividades de RH estão implantadas, e acontecem regularmente de forma sistêmica. As empresas desse nível possuem as seguintes características: − Estrutura de cargos que proporcione flexibilidade, resposta rápida, aprendizado e cooperação entre os membros e a organização; − Processo de recrutamento e seleção que leve em conta os requisitos de desempenho e práticas de igualdade e justiça, e tenha como base as competências essenciais da organização; − Possui um programa especial de integração de novos colaboradores; − Utiliza a metodologia de trabalho em equipe; − Possua iniciativas que alinhem o sistema de remuneração ao sistema de avaliação de desempenho; − Avalie o desempenho da sua força de trabalho regularmente baseado num rol de competências; − Identifique as necessidades de capacitação e desenvolvimento das pessoas; − Possua áreas, grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo sobre a gestão do conhecimento;
  • 130. 130 − Mantêm um clima organizacional propício ao bem-estar; à satisfação e à motivação das pessoas; − Realiza a avaliação e monitoramento do clima organizacional; − Construa uma política de benefícios e de qualidade de vida; e, − Mensura os resultados relativo às pessoas no que se refere as atividades vinculadas à Sistemas de Trabalho, Capacitação e Desenvolvimento e Qualidade de Vida. De acordo com os estudos de Snell at al. (2001), o 3º Estágio de Recursos Humanos Estratégico, denominado, Potencial Competitivo, que representa o nível 5 de desenvolvimento, proposto pela presente pesquisa, possui as seguintes características: Direção Estratégica − Competição baseada no conhecimento − Inovação e mudança − Fonte de informação e alianças − Rede de organizações Estratégia de RH − Formação de Estratégias − Competências − Conhecimento (aprendizagem organizacional) e cultura organizacional (valores) Parâmetros Fundamentais − O valor estratégico do capital − Especialidade
  • 131. 131 − Criação, transferência e integração de Conhecimento. − Agilidade (flexibilidade e ajuste) − Múltiplos Sistemas de RH − Capital Intelectual − Competências − Balance Scoredcard Logo, uma empresa que esteja próxima desta perspectiva, apontada por Snell. at al., poderia ser classificada num estágio mais avançado de Gestão de Recursos Humanos. Observa-se, então, pela análise das práticas da Empresa Brasileira de Energia, que essa empresa está de fato trilhando um caminho, cujo resultado será de uma empresa potencializada e competitiva, como demonstrou a análise dos resultados desta pesquisa. Segundo Snell at al., o paradigma de RH que está emergindo hoje reflete uma tendência da administração estratégica que valoriza o conhecimento baseado na competição. Os sistemas de RH estão começando a projetar, desenvolver e reforçar idéias relativas a capital intelectual e à gestão do conhecimento que vão ao encontro da formação de estratégias. Da mesma maneira que as empresas estão estabelecendo redes de alianças e parcerias para complementar suas competências essenciais, a arquitetura de RH passa a tratar das diferentes possibilidades de relações com os colaboradores, além de apoiar a gestão do conhecimento, a agilidade e flexibilidade organizacional. A Empresa Brasileira de Energia parece estar de fato participando de uma parcela de empresas Brasileiras que, para se tornarem competitivas e potencializadas, decidiram pela modernização de sua gestão de pessoas, repensando sua estrutura e sintonizando suas práticas de GRH às exigências de um mercado que, cada vez mais,
  • 132. 132 reconhece e valoriza a produção de conhecimento. Tais empresas estão se preparando para enfrentar esses desafios cientes de que para isso precisam preparar seu ambiente interno, da captação de novos talentos, criação de instrumentos de desenvolvimento, até o foco em mecanismos de retenção de sua força de trabalho, que favoreçam a níveis crescentes de excelência organizacional. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE, L. “O papel estratégico de Recursos Humanos”. Tese de Livre docência. Fea-USP, 1987. ALMEIDA, M.I.R, TEIXEIRA, M.L.M., MARTINELLI, D.P. “Por que administrar estrategicamente recursos humanos?” Revista de Administração de Empresas, v.33, n.2, p.12-24, mar/abr 1993. BARNEY, J.B. 1995. Looking inside for competitive advantage. Academy of Management Executive, 9 (4): 49- 61. BARON, J.N., DAVIS-BLAKE, A. & BIELBY, W.T. 1986. The structure of opportunity: How promotion ladders vary within and among organizations. Administrative Science Quarterly, 31: 248-273. BARON, J.N., DOBBIN, F. R. JENNINGS, P.D. 1986. “War and Peace: The evolution of modern personnel administration in U.S. industry”. American Journal of Sociology, vol. 92, number 2, p:350-383. BARTLETT, C. GHOSHAL, S. Managing across borders. Cambridge: Harvard Business School Press, 1987. BECKER, G.S. 1964. Human capital . New York: Columbia University Press. BOOG, G. “Os novos paradigmas do mundo dos negócios”, in Boog, G. (coord) Manual de Treinamento e Desenvolvimento, São Paulo, Makron Books, 1994. BOOG, G. “Os novos paradigmas do mundo dos negócios”, in Boog, G. (coord) Manual de Treinamento e Desenvolvimento, São Paulo, Makron Books, 1994. CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. Rio de Janeiro : Campus, 1999. CONNER, K.R. & PRAHALAD, C.K. 1996. A resource-based theory of the firm: Knowledge versus opportunism. Organization Science, 7(5): 477-501 CURADO, I. B., Perfil da Gestão de Recursos Humanos na Grande São Paulo, São Paulo, 1999. SENAC. CURADO, I., WOOD, T., LINS, J., 1995 Perfil da Gestão de Recursos Humanos na Grande São Paulo, São Paulo, SENAC.
  • 133. 133 DYER, L. 1983. Bringing human resources into the strategy formulation process. Human Resource Management, 22: 257-271. EISENHARDT KM. 1989. Making fast strategic decisions in high-velocity environments. Academy of Management Journal 32(3): 543–576. FAMULARO, Joseph J. 1972. Handbook of modern personnel administration. New York: McGraw-Hill. FISCHER, R. A construção do modelo competitivo de gestão de pessoas no Brasil: um estudo sobre as empresas consideradas exemplares. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo: FEA – USP, 1998. FLEURY, A. & FLEURY, M. T. L. Estratégias empresariais e formação de competências – um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Atlas, 2001. GUEST, D.E. 1999. Human resource management and performance: a review and research agenda. In R.S. Schuler & S.E. Jackson (Eds.) Strategic human resource GUEST, DAVID E. Human Resource Management and Industrial Relations. London School of Economics and Political Science, London. V. 24, n. 5. Sept. 1988. HAMEL, G. e PRAHALAD, C. 1995. Competindo pelo Futuro. RJ: Editora Campus. KAPLAN, R.S. & NORTON, D.P. 1996. The balanced scorecard: translating strategy LEVITT, B. & MARCH, J.G. 1988. Organizational learning. Annual Review of Sociology, 14: 319-340. LINS, Carlos R. G. & ZÚNIGA, M. “Administração de recursos humanos: teoria geral e prática em empresas mineiras” in Anais do 21º ENANPAD, Angra dos Reis, 1996. MCGREW, A. Globalization and the nation states. Cambridge: Polity Press, 1992 MINER, J. B. & CRANE, D. P. Human Resource Management: the strategic perpective. New York, HaperCollins, 1995. OLIVEIRA, H. C, 2004. O jogo da malha: recursos humanos e conectividade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003. PARRY, S.B. The quest for competencies. Training, p.48-56, julho de 1996. PETERAF, M.A. 1993. The cornerstones of competitive advantage: A resource-based view. Strategic Management Journal, 14: 179-191. PFEFFER, J. 1994. Competitive advantage through people: Unleashing the power of the work force. Boston: Harvard Business School Press. PORTER, M. - Competitive Strategy. New York: Free Press, 1980.
  • 134. 134 PORTER, M.E. 1985. Competitive advantage: Creating and sustaining superior performance. New York: Free Press. PRAHALAD, C.K. & HAMEL, G. 1990. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, May-June, 68(3): 79-91. PRAHALAD, C.K. 1983. Developing strategic capability: An agenda for to works. Chicago. Cambridge: Harvard University Press. RODRIGUEZ, M. Gestão empresarial. Organizações que aprendem. Rio de Janeiro: Qualitymark: Petrobrás, 2002. SCHULTZ, D. D.; SCHULTZ, S.E. 1994. História da psicologia moderna. São Paulo: Cultrix, 6ª edição. SILVA, Fernando Antônio da. Administrando pessoas: reflexões do cotidiano de um executivo de recursos humanos. São Paulo, negócio Editora, 1996. SNELL, S.A, SHADUR, M. A, WRIGHT P. M., 2001. Human Resources Strategy: The Era of Our Ways. Handbook of Strategic Management, Blackwell Publishers. CAHRS / Cornell University. SNELL, S.A. & DEAN, J.W. 1992. Integrated manufacturing and human resource management: A human capital perspective. Academy of Management Journal, 35(3): 467-504. SNELL, S.A. & DEAN, J.W. 1992. Integrated manufacturing and human resource management: A human capital perspective. Academy of Management Journal, 35(3): 467-504. SNELL, S.A., & YOUNDT, M.A. 1995. Human resource management and firm performance: Testing a contingency model of executive controls. Journal of Management, 21(4): 711-737. SNELL, S.A., PEDIGO, P.R. & KRAWIEC, G.M. 1995. In G.R. Ferris, S.D. Rosen, and D.T. Barnum(Eds.) Handbook of Human Resources Management. Oxford, UK: Blackwell Publishers. SNELL, YOUNDT, M.A., S.A. DEAN, J.W., JR. & LEPAK, D.P. 1996. Human resource management, manufacturing strategy, and firm performance. Academy of Management Journal, Special Issue, 39(4): 836-866. SNOW, C.C. & HREBINIAK, L.G. 1980. Strategy, distinctive competence, and organizational performance. Administrative Science Quarterly, 25, 317-336. SNOW, C.C. & SNELL, S.A. 1993. Staffing as strategy. In N. Schmitt, W.C. Borman, and Associates. STATA, R. 1989. Organizational learning - The key to management innovation. Sloan Management Review, Spring, 63-74.
  • 135. 135 STEWART, T.A. 1991. Brain power. Fortune, June 3, pp. 44-60. STEWART, T.A. 1994. Your company's most valuable asset: Intellectual capital. Fortune, October 3, 68-74. STEWART, Thomas A. A riqueza do conhecimento: o capital intelectual e a nova organização do século XXI. Rio de Janeiro: Campus, 2002. TAYLOR, F. 1987. Princípios da administração científica. São Paulo: Ed. Atlas. (Edição original em inglês de 1911). TEIXEIRA, Rivanda M. ; ANDRADE Jr., Alexandre L. & BANANGA, Sebastião F. “recursos humanos nas pequenas e médias empresas: um enfoque dos anos 90” in Anais do 22º ENANPAD, Foz do Iguaçu, 1997. THOMPSON, P.; MCHUGH, D. 1995. Work organization – a critical introduction. London: MacMillan. TOLEDO, FLAVIO DE. Recursos humanos: crise e mudança. São Paulo, Atlas, 1986. TONELLI, M.J., LACOMBE, B.M.B.,CALDAS, M.P. , 2002 “Desenvolvimento histórico do RH no Brasil e no mundo”, in Boog, G. (coord) Manual de Gestão de Pessoas e equipes: Estratégias e Tendências, v. 1. São Paulo, Editora Gente. ULRICH, D. & LAKE, D. 1991. Organizational capability: Creating competitive advantage. Academy of Management Executive, 5(1), 77-92. ULRICH, D. 1997. Measuring human resources: an overview of practice and a prescription for results. Human Resource Management, 36(3): 303-320. ULRICH, DAVE.(1998) Os Campeões de Recursos Humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura, 1998. p. 340. ULRICH, Dave.(1998) Os Campeões de Recursos Humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura, 1998. p. 340. ULRICH, DAVE.(2000) Recursos Humanos Estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura. 2000 WOOD JR, T. “Mudança organizacional e transformação da função recursos humanos”, in (coord.) Mudança Organizacional São Paulo, Ed. Atlas, 1995. WRIGHT, P.M. & MCMAHAN, G.C. 1992. Theoretical perspectives for strategic human resource management. Journal of Management, 18(2), 295-320. WRIGHT, P.M. & SNELL, S.A. 1991. Toward an integrative view of strategic human resource management. Human Resource Management Review, 1, 203-225. WRIGHT, P.M. & SNELL, S.A. 1991. Toward an integrative view of strategic human resource management. Human Resource Management Review, 1, 203-225.
  • 136. 136 WRIGHT, P.M., MCMAHAN, G.C. & MCWILLIAMS, A. 1994. Human resources and sustained competitive advantage: A resource-based perspective. International Journal of Human Resource Management, 5(2), 301-326. YIN, ROBERT K. 2001. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos –. 2. ed. – Porto Alegre: Bookman. YOUNDT, M.A., SNELL, S.A. DEAN, J.W., JR. & LEPAK, D.P. 1996. Human resource management, manufacturing strategy, and firm performance. Academy of Management Journal, Special Issue, 39(4): 836-866. ZARIFFIAN, P. A gestão da e pela competência. Rio de Janeiro: CIET, 1996 (seminário internacional)
  • 137. 137 Anexo 1 Questionário qualitativo utilizado pelo pesquisador nas entrevistas semidirigidas. Composição da força de trabalho: 1. As estratégias de recursos humanos da empresa consideram em suas decisões os diferentes tipos de capital humano necessários ao negócio? (ex: expectativas sobre cada grupo; desenvolvimento de cada grupo, etc..) 2. Avaliam e consideram em suas decisões que trabalho deve ser feito internamente, pelo seu quadro próprio e que trabalho pode ser terceirizado? Ela assegura a integração destes trabalhos? Cultura e controle da força de trabalho: 3. As políticas e os sistemas de RH levam em consideração diferentes sub-culturas (seus valores, ética de trabalho, etc) dos diferentes níveis (por exemplo, trabalhadores do conhecimento versus trabalhadores em posições tradicionais)? Competências da força de trabalho: 4. São definidos e avaliados periodicamente que grupos de habilidades contribuem para as competências centrais da empresa? 5. Existem estratégias de RH para alavancar estas competências? 6. A empresa se preocupa em transferir e integrar conhecimento entre trabalhadores? Sistemas de Trabalho: 7. Como se estruturam e se organizam os processos relativos aos Sistemas de Trabalho? 7.1.Estrutura Organizacional 7.2.Estrutura de Cargos 7.3.Desenvolvimento de Carreira 7.4.Comunicação 7.5.Recrutamento e Seleção 7.6.Avaliação de Desempenho
  • 138. 138 7.7.Cultura Organizacional 7.8.Remuneração e Recompensa Capacitação e Desenvolvimento: 8. Como se estruturam e se organizam processos relativos à Capacitação e Desenvolvimento? 8.1.Levantamento e identificação das necessidades de Capacitação 8.2.Integração de novos membros 8.3.Planejamento e Desenvolvimento de Capacitação 8.4.Avaliação e análise da eficácia de capacitação e desenvolvimento 8.5.Desenvolvimento individual 8.6.Coaching 8.7.Mentoring 8.8.Cultura pela Excelência Qualidade de Vida: 9. Como se estruturam e se organizam os processos relativos à Qualidade de Vida? 9.1.Política de saúde e segurança do trabalhador 9.2.Avaliação do Clima Organizacional 9.3.Políticas de benefícios 9.4.Responsabilidade Social Resultados de Recursos Humanos: 10. Como se estruturam e se organizam os processos relativos à Resultados de Recursos Humanos ? 10.1.Há indicadores de eficácia dos sistemas de trabalho? 10.2.Há indicadores de capacitação e de desenvolvimento das pessoas? 10.3.Há indicadores de qualidade de vida? 10.4.Há indicadores que demonstrem bons níveis de desempenho em relação às informações comparativas?
  • 139. 139 Anexo 2 QUESTIONÁRIO Prezado Colaborador, Esta pesquisa tem o objetivo de avaliar as práticas de Gestão de Recursos Humanos na empresa onde você atua. Não será necessário se identificar, porém para uma melhor análise sobre o assunto, solicitamos que as perguntas abaixo sejam respondidas. Sexo: Idade: Função: Tempo de trabalho na empresa: Tempo de trabalho na área de RH nesta empresa: Região do país onde trabalha: Área da empresa onde atua (ex: departamento/divisão): Nível de atuação (ex: direção; gerência média; supervisão; funcionário): Analise os itens a seguir, considerando dois aspectos: grau de aplicação na empresa e grau de importância de cada item. Utilize as escalas abaixo: GRAU GRAU DE DE APLICAÇÃO IMPORTÂNCIA SIGNIFICADO SIGNIFICADO 1. Não é realizado. 1. Nada importante Não é realizado mas está 2. em estudo para 2. Pouco importante implantação. 3. Está em implantação. 3. Importante
  • 140. 140 Está implantado e 4. 4. Muito importante acontece regularmente. Está implantado e é 5. 5. Imprescindível regularmente revisto.
  • 141. Intensidade de Importância para SISTEMAS DE TRABALHO Aplicação a estratégia 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 Estrutura Organizacional 1. Há um organograma formal onde estão representadas as responsabilidades e atribuições dos cargos e das áreas. 2. A área de recursos humanos participa da formulação dos planos estratégicos da organização. As estratégias estabelecidas para área de recursos humanos são desenvolvidas e periodicamente reavaliadas por toda 3. equipe incluindo a gerencia executiva. 4. Há um orçamento definido para que a área de recursos humanos possa planejar suas ações com autonomia. 5. As estratégias de recursos humanos estabelecidas tomam como referência modelos de excelência. 6. Indicadores são utilizados na revisão dos planos estratégicos de RH e na tomada de decisão dos gestores. Estrutura de Cargos 7. Os cargos são definidos e implementados para proporcionar flexibilidade, resposta rápida, aprendizado e cooperação. Existem grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo e avaliando os impactos da estrutura de cargos na consecução 8. das estratégias. Recrutamento e Seleção A organização possui métodos de seleção e contratação, interna e externa, que levam em conta os requisitos de 9. desempenho e práticas de igualdade e justiça. 10 . O Recrutamento e Seleção têm como base às competências essenciais previamente definidas pela empresa. 11 . Existe o processo de busca direta de candidatos no mercado (hunting). 12 . A organização estabelece e mantém uma política documentada na condução das atividades de Recrutamento e Seleção. 13 Existem grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo e avaliando os impactos da estrutura de Recrutamento e . Seleção na consecução das estratégias. Comunicação e Integração 14 Há estímulo à cooperação, flexibilidade, comunicação eficaz e compartilhamento de conhecimentos e habilidades entre . as pessoas de diferentes localidades, setores e unidades. 15 . A empresa tem programa especial de integração de novos colaboradores. 16 . A empresa utiliza a metodologia do trabalho em equipe. 17 . A empresa possui veículos eficientes de comunicação interna. 18 A organização estabelece e mantém uma política documentada com o objetivo de ouvir e responder às dúvidas de seus . colaboradores. 19 Existem grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo e avaliando os impactos das atividades de comunicação . interna e integração na consecução das estratégias.
  • 142. 142 Intensidade de Importância para SISTEMAS DE TRABALHO Aplicação a estratégia 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 Remuneração, Recompensa e Desenvolvimento de Carreira 20 A organização possui formas de remuneração e reconhecimento que estimulam o alcance de metas de alto desempenho . e promovem a cultura da excelência. 21 . A empresa possui um plano formal de administração de cargos e salários. 22 A organização possui formas de alinhar o sistema de remuneração ao sistema de avaliação de desempenho favorecendo . aumentos salariais (méritos, promoções, enquadramentos, incentivos, bonificações e premiações). 23 . O corpo gerencial está devidamente informado sobre os conceitos e mecanismos internos da administração salarial. 24 . A empresa possui um Programa de Remuneração Variável e de Distribuição de Bônus. 25 A organização possui métodos de rotação no trabalho e progressão na carreira para o desenvolvimento pessoal e . profissional das pessoas. 26 Existem grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo e avaliando os impactos das atividades de Remuneração, . Recompensa e Desenvolvimento de Carreira na consecução das estratégias. Avaliação de Desempenho 27 . A organização avalia o desempenho da sua força de trabalho regularmente. 28 . O processo está totalmente divulgado e os funcionários estão conscientes de seus mecanismos. 29 . O processo está alinhado e enfoca os programas de capacitação e desenvolvimento. 30 . O sistema aborda conceitos de metas e resultados qualitativos e quantitativos. 31 . O processo é baseado em rol de competências. 32 . A empresa aplica a metodologia 360° e Feedback. 33 Existem grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo e avaliando os impactos das atividades de Avaliação de . Desempenho na consecução das estratégias.
  • 143. 143 Intensidade de Importância para CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS Aplicação a estratégia 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 Levantamento e identificação das necessidades de capacitação 34 . A organização identifica as necessidades de capacitação e desenvolvimento das pessoas. Planejamento e Desenvolvimento de Capacitação 35 . Os métodos de capacitação e desenvolvimento atendem às necessidades da organização. 36 O processo de capacitação e o desenvolvimento das pessoas levam em consideração às estratégias e planos da . empresa. 37 A organização estabelece e mantém uma política documentada na condução das atividades de treinamento e . desenvolvimento. 38 Profissionais experientes, que tem expertise em métodos e procedimentos em atividades de capacitação e . desenvolvimento, são disponibilizados para guiar todo o processo. Avaliação e análise da eficácia dos processos de desenvolvimento e capacitação 39 Os métodos de capacitação e desenvolvimento das pessoas são avaliados em relação à sua utilidade de sua eficácia no . apoio à obtenção das estratégias da organização. Aconselhamento de Carreira 40 . A empresa adota a prática de coaching para desenvolvimento de suas lideranças. 41 . O processo de coaching abrange os níveis intermediários da organização (Supervisão/Coordenação e Lideranças) 42 . A empresa adota a prática de Mentoring para desenvolvimento de suas lideranças. Cultura pela Excelência Os planos de capacitação abordam temas relacionados à cultura para excelência, (como por exemplo: o uso de 43 . indicadores de desempenho; dos padrões de trabalho; das informações comparativas e dos métodos de controle e aprendizado). Gestão do Conhecimento 44 . Existem áreas, grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo sobre a gestão do conhecimento. 45 . Existe acervo automatizado de Centros de Documentação e Biblioteca.
  • 144. 144 46 . Existe base de Conhecimentos e Publicações Eletrônicas para disseminação via Internet, Intranet ou CD-ROM. 47 . A prática de Gestão do Conhecimento permeia toda a organização. 48 . A empresa utiliza a prática do e-learning. Intensidade de Importância para CULTURA ORGANIZACIONAL E QUALIDADE DE VIDA Aplicação a estratégia 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 Política de saúde e segurança do trabalhador 49 A organização, com a participação das pessoas da força de trabalho, identifica e trata os perigos e riscos relacionados à . saúde, à segurança e à ergonomia. Avaliação do Clima Organizacional 50 A organização possui métodos para medir e avaliar o grau de bem estar, satisfação e motivação dos diversos tipos de . pessoas da força de trabalho. 51 A organização mantém o clima organizacional propício ao bem-estar, satisfação e à motivação das pessoas por meio de . serviços, benefícios, programas e políticas. 52 Os métodos utilizados para promover e medir o bem-estar e a satisfação dos membros da força de trabalho são . reavaliados e revistos periodicamente.. Política de benefícios 53 A organização possui uma política de benefícios estruturada que inclua o acompanhamento sistemático do índice de . satisfação dos colaboradores em relação aos benefícios concedidos. 54 . A organização avalia e melhora as práticas de gestão e os respectivos padrões de trabalho relativos à qualidade de vida. Intensidade de Importância para RESULTADOS RELATIVOS ÀS PESSOAS Aplicação a estratégia 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 Resultados Relativos às Pessoas 55 . A organização mensura os indicadores da eficácia dos sistemas de trabalho, incluindo suas metas. 56 A organização mensura os indicadores da capacitação e do desenvolvimento das pessoas que compõe a força de . trabalho, incluindo suas metas. 57 A organização mensura os indicadores a qualidade de vida das pessoas que compõe a força de trabalho, incluindo suas . metas. 58 Os resultados dos indicadores relativos às pessoas são favoráveis e demonstram bons níveis de desempenho em relação . às informações comparativas.
  • 145. 145 59 Existem grupos de trabalho, comitês ou equipes refletindo e avaliando os impactos dos resultados globais da gestão de . recursos humanos na consecução das estratégias.
  • 146. Atuação Corporati va