Episódio do gigante adamastor

  • 16,258 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
16,258
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
9

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O Gigante Adamastor de Os Lusíadas, de Camões “ O MOSTRENGO” da Mensagem de Fernando Pessoa
  • 2. Canto V, episódio do Gigante Adamastor O episódio do Gigante Adamastor encerra 2 narrativas: 1ª - Vasco da Gama narra ao rei de Melinde o encontro com o Adamastor. 2ª - O Adamastor narra a Vasco da Gama o seu desgosto de amor (narrativa encaixada). Narrativa principal Narrativa secundária Viagem de Vasco da Gama  Os amores infelizes de Adamastor e encontro com o Gigante e Tétis Narrador: Vasco da Gama  Narrador: Gigante Adamastor Narratário: Rei de Melinde  Narratário: Vasco da Gama
  • 3. Canto V, episódio do Gigante Adamastor
  • 4. Canto V, episódio do Gigante Adamastor Introdução – (37, 38) - Preparação do ambiente para o aparecimento do Gigante. Depois de cinco dias claros, surge uma nuvem tão carregada que “põe nos corações grande medo” e leva Vasco da Gama a interpelar Deus. Aparição do monstro –(39, 40) – caracterização direta e indireta do monstro; adjetivação sugestiva e abundante a conotar a imponência da figura e o temor e a estupefação de Vasco da Gama e de seus companheiros.
  • 5. Canto V, episódio do Gigante Adamastor Discurso do Gigante de caráter profético e ameaçador. (41 a 48) Adamastor enuncia os perigos e castigos e os danos por si reservados para aquela gente que ousa invadir os seus domínios: Naufrágio da armada de Pedro Álvares Cabral Naufrágio do navio de Bartolomeu Dias Morte de D. Francisco de Almeida, 1º vice-rei da Índia Naufrágio e morte da família Sepúlveda
  • 6. Canto V, episódio do Gigante Adamastor Interpelação de Vasco da Gama – (49) Gama, incomodado com todas aquelas profecias de desgraça, interroga o monstro sobre a sua identidade. Autobiografia do gigante – (50) Viragem no discurso de Adamastor, fazendo-o recordar a sua frustração amorosa passada e a sua atual condição, solitário e petrificado: Vítima de amor não correspondido, apaixona-se por Tétis que o rejeita. Decide, então, conquistá-la à força. (53) Revela o seu segredo a Dóris, mãe de Tétis, que o engana. (55) Quando julgava abraçar Tétis, achou-se abraçado a um monte. Os Deuses transformaram-no em cabo, sempre rodeado por Tétis (o mar), mas sem lhe poder tocar. (56- 59)
  • 7. Canto V, episódio do Gigante Adamastor Epílogo – (60) - súbito desaparecimento do gigante, agora choroso pela evocação do seu passado triste, levando consigo a nuvem negra e o bramido do mar com que aparecera. Vasco da Gama pede a Deus que remova as profecias de desgraça.
  • 8. Canto V, episódio do Gigante Adamastor O Adamastor é uma figura mitológica criada por Camões para significar todos os perigos, as tempestades, os naufrágios e “perdições de toda a sorte” que os Portugueses terão de enfrentar e transpor nas suas viagens. O Adamastor simboliza a força dos elementos naturais dominados pelos portugueses e, simultaneamente, identifica- se com o destino pessoal do Poeta, ao narrar um drama lírico semelhante ao que obrigou Camões a abandonar a Pátria.
  • 9. O Gigante Adamastor d’ Os Lusíadas, de Camões: Refere-se à viagem de Vasco da Gama, em 1497, quando os navegantes passaram o Cabo da Boa Esperança; Figura enorme, disforme, mas com aspeto e atitudes humanas, surge numa noite escura e tempestuosa; Inspira medo, que, mais tarde, irá ser superado; Relação de desigualdade; Exalta e elogia o povo português; Desaparece subitamente, Conhece bem os feitos dos portugueses; Representa o cabo da Boa Esperança ou das Tormentas; as tempestades, os naufrágios, as mortes e todos os perigos que os portugueses enfrentarão e simboliza a excelência do homem em relação aos deuses.
  • 10. “O Mostrengo” da Mensagem , de Fernando Pessoa
  • 11. “O Mostrengo” da Mensagem , de Fernando Pessoa: Refere-se à viagem de Bartolomeu Dias, em 1487, quando foi dobrado o Cabo da Boa Esperança; O Mostrengo, semelhante a um animal, voa e chia e surge na noite escura; Inspira medo através de movimentos circulares, ameaçadores e opressivos; mais tarde, esse medo irá ser superado; Relação de desigualdade; Reconhece a coragem do marinheiro, representante da vontade do Rei e do povo português; Simboliza todos os perigos que advêm da navegação por mares desconhecidos.
  • 12. “O Mostrengo” da Mensagem , de Fernando Pessoa A acção deste poema é passada numa viagem de nau, no Cabo das Tormentas, durante uma noite escura. Nessa viagem os tripulantes são confrontados por um Mostrengo que está no fim do mar e pretende atemorizar os portugueses para que não continuem a sua viagem. O monstro questiona a sua tripulação, ficando assim a saber que aqueles eram portugueses e vinham para conquistar os mares, não abdicando da sua missão. O Mostrengo é caracterizado diretamente por dois adjetivos “imundo e grosso”; indiretamente pelas suas ações, pois realiza movimentos circulares intimidadores e sitiantes; também sabemos que vive em cavernas que ninguém conhece.
  • 13. “O Mostrengo” da Mensagem , de Fernando Pessoa A palavra Mostrengo é uma palavra composta por sufixação monstro + engo (radical + sufixo)este sufixo tem um valor pejorativo. Mostrengo significa então uma pessoa muito feia desajeitada, inútil ou estafermo. Às interpelações do Mostrengo (1º e 2º estrofe), o homem do leme começa por responder assustado, intimidado pelo tom aterrador das palavras do Mostrengo e pelo ambiente que o circunda, apenas com uma frase que invoca a autoridade do rei. Porém no 3º vez consciencializando- se que não é apenas ele “homem do leme” que ali está, assume-se como símbolo do povo e responde em 6 versos com convicção e força.
  • 14.  O Mostrengo simboliza os medos dos navegadores que enfrentam o desconhecido. O homem do leme é a figura do herói mítico, símbolo de um povo e que, portanto, passa de herói individual a directivo com uma missão a cumprir. O número 3 é um número da perfeição, da unidade divina; a totalidade que nada mais pode ser adicionado. Neste poema as frases declarativas estão ao serviço da narração e em parte do discurso do “homem do leme” as frases interrogativas estão presentes no discurso do Mostrengo e a frase exclamativa constam no discurso do “homem do leme” Existem neste poema várias anáforas que pretendem reforçar o que é dito. O hipérbato do verso 26 reforça o sentido simbólico do “homem do leme”.
  • 15. Características que fazem deste poema um dos mais marcadamente épicos da Mensagem.“Aqui ao leme sou mais do que eu: sou um povo que quer um mar que é teu;” Três foram os heterónimos principais, três são as estrofes do poema e três um número que paira sobre o poema, como uma sombra de misticismo, como que dizendo que mesmo nas puras acções de coragem há a presença do divino ou pelo menos do conhecimento oculto. Isto significa que mesmo na mais simples das ações há destino, que nunca pode ser negado, quer no homem, quer na natureza. O pobre homem do leme ou o Mostrengo são armas de um poder maior do que eles mesmos, ou até do que o destino de ambos.  http://3pc.blogs.sapo.pt/2836.html