Tarefa 3 Da Isabel

  • 130 views
Uploaded on

 

More in: Technology , Travel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
130
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE NO CONTEXTO DA NOSSA ESCOLA Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 2. Conceitos Essenciais “A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nos alunos competências para a aprendizagem ao longo da vida e estimula a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos responsáveis.” (Manifesto IFLA/UNESCO para Bibliotecas Escolares) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 3. Conceitos Essenciais  “A biblioteca escolar constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino e para a aprendizagem”. (Modelo de Auto-Avaliação)  “A ligação entre BE, escola e sucesso educativo (…) definem-na como núcleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola.” (Katherine Mansfield) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 4. Conceitos Essenciais “Está comprovado que quando os bibliotecários e os professores trabalham em conjunto, os estudantes alcançam níveis mais elevados de literacia, leitura, aprendizagem, resolução de problemas e competências no domínio das tecnologias de informação e comunicação”. (IFLA/UNESCO, 1999) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 5. Espaço privilegiado de construção de conhecimento e de aprendizagem Instrumento Fundamental no essencial ao desenvolvimento desenvolvimento das literacias dos currículos Recurso fundamental para o sucesso educativo Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 6. Constrangimentos  O currículo e a forma como está organizado;  Os valores;  Os modelos;  As práticas de transmissão/apropriação do conhecimento  Falta de apoio do Director, professores e restante comunidade educativa Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 7. O sucesso da missão depende:  Atitude e reconhecimento do Director  Níveis de colaboração  na identificação e obtenção de recursos  na planificação e desenvolvimento de actividades  A acessibilidade e a qualidade dos serviços prestados;  A adequação da colecção e dos recursos tecnológicos. Relação entre a qualidade do trabalho da BE e os resultados escolares dos alunos Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 8. Desafios à BE/Escola  Saber gerir as mudanças :  na forma de acesso, produção e comunicação da informação;  nas novas estruturas e novos espaços de aprendizagem  No processo ensino/aprendizagem  Na atitude perante o saber  Conseguir alterar a cultura de escola:  Aberta à inovação, à mudança, à colaboração/partilha, à construção de valores e de conhecimentos e à avaliação do trabalho desenvolvido Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 9. Integrar a BE na escola e no processo de ensino/aprendizagem através de: Afectação de um professor bibliotecário qualificado e de uma equipa; Integração institucional e programática, de acordo com os objectivos educacionais programáticos da escola; Desenvolvimento de estratégias de gestão e de integração da BE na escola e no desenvolvimento curricular. Desenvolvimento de competências de leitura e de um programa de Literacia de Informação, integrado no desenvolvimento curricular; Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 10. Integrar a BE na escola e no processo de ensino/aprendizagem através de:  Disponibilização de um conjunto de recursos de informação, em diferentes ambientes e suportes, actualizado e em extensão e qualidade adequadas às necessidades dos utilizadores.  Articulação com as várias estruturas pedagógicas e alunos na planificação e desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 11. Pressupostos  Se a BE contribui para o sucesso educativo, então, todo o Agrupamento tem que colaborar para garantir a sua eficácia  A eficácia implica análise do processo e dos resultados.  Os resultados só são verificáveis através da recolha contínua de evidências  As evidências servem para avaliar objectivamente o impacto do trabalho desenvolvido Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 12. Impõe-se, assim, avaliar a forma como se está a concretizar o trabalho da biblioteca escolar, analisando o seu contributo para o ensino - aprendizagem e os objectivos/missão da escola. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 13. “Ser um instrumento pedagógico e de melhoria contínua que permita aos órgãos directivos e aos coordenadores avaliar o trabalho da BE e o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos e identificar as áreas de sucesso e aquelas que, por apresentarem resultados menores, requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas.” (texto da sessão) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 14. Objectivos/Conceitos Essenciais  Facultar um instrumento pedagógico que:  permita à Escola avaliar objectivamente o trabalho da Biblioteca Escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da Escola e nas aprendizagens dos alunos.  identifique áreas de sucesso e áreas mais fracas.  permita uma melhoria contínua da qualidade. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 15. Avaliar sobretudo a qualidade dos serviços ao nível das mudanças de:  conhecimento,  competências,  atitudes,  valores,  níveis de sucesso,  bem-estar  inclusão. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 16. Avaliar para quê? Para:  “validar o que fazemos,  como fazemos,  onde estamos e  até onde podemos ir.” Avaliar permite:  Analisar o grau de eficiência dos serviços;  demonstrar à Comunidade Escolar, através da apresentação de evidências:  a importância da biblioteca na escola  o seu contributo para o sucesso dos alunos. Avaliar permitirá aferir as melhores práticas e apontar caminhos… Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 17. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes. A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B. Leitura e Literacias C. Projectos. Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção/da informação Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 18.  O Modelo orienta o trabalho da e com a biblioteca, apresentando áreas nucleares de intervenção, exemplos e sugestões que permitem melhorar o trabalho, através de Indicadores, Factores críticos de sucesso, Evidências e Acções para melhoria. Indicadores Factores críticos de Evidências Acções para sucesso melhoria/Exemplos Apontam para as Exemplos de Exemplos para Sugestões de acções zonas nucleares de situações, ocorrências possíveis a implementar com intervenção em cada e acções que instrumentos de vista à melhoraria do domínio. operacionalizam o recolha de desempenho da BE indicador evidências para o no indicador apresentado. indicador apresentado. apresentado. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 19. NÍVEIS DESCRIÇÂO Nível 4 | Excelente A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo. Nível 3 | Bom A BE desenvolve um trabalho de qualidade, mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. Nível 2 | A BE começou a desenvolver trabalho neste Satisfatório domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. Nível 1 | Fraco A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio. O seu impacto é bastante reduzido. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 20. 1. Estabelecimento de prioridades; 2. Escolha do domínio a avaliar (A, B, C ou D), tendo em conta o contexto da escola; 3. Definição e aplicação de instrumentos de recolha; 4. Gestão de evidências (Recolha e Tratamento da Informação/análise dos resultados); 5. Registo de pontos fortes e pontos fracos 6. Identificar o perfil da Biblioteca 7. Elaboração do relatório da auto-avaliação 8. Comunicação dos Resultados (à escola e à RBE) 9. Elaboração do Plano de Acção, com base nos pontos fracos e fortes identificados, definindo acções de melhoria Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 21. “A auto-avaliação deve ser encarada como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE“ (Modelo de Auto-Avaliação) A auto-avaliação das Bibliotecas escolares é parte integrante do ciclo de planeamento e desenvolvimento, porque contribui para definir prioridades e começa a transformar boas ideias em boas práticas. O processo de auto-avaliação deve enquadrar-se no contexto escola e ter em conta as diferentes estruturas com as quais é necessário interagir. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 22. A auto-avaliação da BE é parte essencial da avaliação interna da escola e base para a avaliação externa realizada pela Inspecção Geral de Educação. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 23. A Auto-avaliação permite encontrar caminhos… […] - Podes dizer-me, por favor, como hei-de sair daqui? - Isso depende muito do sítio para onde quiseres ir! - respondeu o Gato. - Não interessa muito para onde … - disse Alice. Nesse caso, podes ir por um lado qualquer. - respondeu o Gato. […] CARROL, Lewis - Alice no país das maravilhas Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 24. E esperamos também ser seguidos… O coelho estava muito apressado e ela só tinha uma vontade: segui- lo… Assim fez…” No instante seguinte, Alice entrou atrás dele, sem pensar como faria para sair dali depois…”. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 25. Finalmente cheguei ao fim! IH!IH!IH! Por agora… Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 26.  Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005  Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August.  Todd, Ross (2002) “School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice”. 68th IFLA Council and General Conference August.  Todd, Ross, School Libraries and Evidence-Based Practice: Dynamic Strategies and Outcomes (2003)  IFLA/UNESCO – Manifesto da Biblioteca Escolar . Lisboa: Ministério da Educação – Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares, 1999  Bibliotecas escolares: Modelo de Auto-Avaliação, RBE  Texto da sessão Isabel Santos Silva-Nov.2009