Your SlideShare is downloading. ×
0
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Tarefa 3 Da Isabel
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tarefa 3 Da Isabel

139

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
139
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE NO CONTEXTO DA NOSSA ESCOLA Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 2. Conceitos Essenciais “A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nos alunos competências para a aprendizagem ao longo da vida e estimula a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos responsáveis.” (Manifesto IFLA/UNESCO para Bibliotecas Escolares) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 3. Conceitos Essenciais  “A biblioteca escolar constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino e para a aprendizagem”. (Modelo de Auto-Avaliação)  “A ligação entre BE, escola e sucesso educativo (…) definem-na como núcleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola.” (Katherine Mansfield) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 4. Conceitos Essenciais “Está comprovado que quando os bibliotecários e os professores trabalham em conjunto, os estudantes alcançam níveis mais elevados de literacia, leitura, aprendizagem, resolução de problemas e competências no domínio das tecnologias de informação e comunicação”. (IFLA/UNESCO, 1999) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 5. Espaço privilegiado de construção de conhecimento e de aprendizagem Instrumento Fundamental no essencial ao desenvolvimento desenvolvimento das literacias dos currículos Recurso fundamental para o sucesso educativo Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 6. Constrangimentos  O currículo e a forma como está organizado;  Os valores;  Os modelos;  As práticas de transmissão/apropriação do conhecimento  Falta de apoio do Director, professores e restante comunidade educativa Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 7. O sucesso da missão depende:  Atitude e reconhecimento do Director  Níveis de colaboração  na identificação e obtenção de recursos  na planificação e desenvolvimento de actividades  A acessibilidade e a qualidade dos serviços prestados;  A adequação da colecção e dos recursos tecnológicos. Relação entre a qualidade do trabalho da BE e os resultados escolares dos alunos Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 8. Desafios à BE/Escola  Saber gerir as mudanças :  na forma de acesso, produção e comunicação da informação;  nas novas estruturas e novos espaços de aprendizagem  No processo ensino/aprendizagem  Na atitude perante o saber  Conseguir alterar a cultura de escola:  Aberta à inovação, à mudança, à colaboração/partilha, à construção de valores e de conhecimentos e à avaliação do trabalho desenvolvido Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 9. Integrar a BE na escola e no processo de ensino/aprendizagem através de: Afectação de um professor bibliotecário qualificado e de uma equipa; Integração institucional e programática, de acordo com os objectivos educacionais programáticos da escola; Desenvolvimento de estratégias de gestão e de integração da BE na escola e no desenvolvimento curricular. Desenvolvimento de competências de leitura e de um programa de Literacia de Informação, integrado no desenvolvimento curricular; Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 10. Integrar a BE na escola e no processo de ensino/aprendizagem através de:  Disponibilização de um conjunto de recursos de informação, em diferentes ambientes e suportes, actualizado e em extensão e qualidade adequadas às necessidades dos utilizadores.  Articulação com as várias estruturas pedagógicas e alunos na planificação e desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 11. Pressupostos  Se a BE contribui para o sucesso educativo, então, todo o Agrupamento tem que colaborar para garantir a sua eficácia  A eficácia implica análise do processo e dos resultados.  Os resultados só são verificáveis através da recolha contínua de evidências  As evidências servem para avaliar objectivamente o impacto do trabalho desenvolvido Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 12. Impõe-se, assim, avaliar a forma como se está a concretizar o trabalho da biblioteca escolar, analisando o seu contributo para o ensino - aprendizagem e os objectivos/missão da escola. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 13. “Ser um instrumento pedagógico e de melhoria contínua que permita aos órgãos directivos e aos coordenadores avaliar o trabalho da BE e o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos e identificar as áreas de sucesso e aquelas que, por apresentarem resultados menores, requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas.” (texto da sessão) Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 14. Objectivos/Conceitos Essenciais  Facultar um instrumento pedagógico que:  permita à Escola avaliar objectivamente o trabalho da Biblioteca Escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da Escola e nas aprendizagens dos alunos.  identifique áreas de sucesso e áreas mais fracas.  permita uma melhoria contínua da qualidade. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 15. Avaliar sobretudo a qualidade dos serviços ao nível das mudanças de:  conhecimento,  competências,  atitudes,  valores,  níveis de sucesso,  bem-estar  inclusão. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 16. Avaliar para quê? Para:  “validar o que fazemos,  como fazemos,  onde estamos e  até onde podemos ir.” Avaliar permite:  Analisar o grau de eficiência dos serviços;  demonstrar à Comunidade Escolar, através da apresentação de evidências:  a importância da biblioteca na escola  o seu contributo para o sucesso dos alunos. Avaliar permitirá aferir as melhores práticas e apontar caminhos… Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 17. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes. A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B. Leitura e Literacias C. Projectos. Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção/da informação Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 18.  O Modelo orienta o trabalho da e com a biblioteca, apresentando áreas nucleares de intervenção, exemplos e sugestões que permitem melhorar o trabalho, através de Indicadores, Factores críticos de sucesso, Evidências e Acções para melhoria. Indicadores Factores críticos de Evidências Acções para sucesso melhoria/Exemplos Apontam para as Exemplos de Exemplos para Sugestões de acções zonas nucleares de situações, ocorrências possíveis a implementar com intervenção em cada e acções que instrumentos de vista à melhoraria do domínio. operacionalizam o recolha de desempenho da BE indicador evidências para o no indicador apresentado. indicador apresentado. apresentado. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 19. NÍVEIS DESCRIÇÂO Nível 4 | Excelente A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo. Nível 3 | Bom A BE desenvolve um trabalho de qualidade, mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. Nível 2 | A BE começou a desenvolver trabalho neste Satisfatório domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. Nível 1 | Fraco A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio. O seu impacto é bastante reduzido. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 20. 1. Estabelecimento de prioridades; 2. Escolha do domínio a avaliar (A, B, C ou D), tendo em conta o contexto da escola; 3. Definição e aplicação de instrumentos de recolha; 4. Gestão de evidências (Recolha e Tratamento da Informação/análise dos resultados); 5. Registo de pontos fortes e pontos fracos 6. Identificar o perfil da Biblioteca 7. Elaboração do relatório da auto-avaliação 8. Comunicação dos Resultados (à escola e à RBE) 9. Elaboração do Plano de Acção, com base nos pontos fracos e fortes identificados, definindo acções de melhoria Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 21. “A auto-avaliação deve ser encarada como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE“ (Modelo de Auto-Avaliação) A auto-avaliação das Bibliotecas escolares é parte integrante do ciclo de planeamento e desenvolvimento, porque contribui para definir prioridades e começa a transformar boas ideias em boas práticas. O processo de auto-avaliação deve enquadrar-se no contexto escola e ter em conta as diferentes estruturas com as quais é necessário interagir. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 22. A auto-avaliação da BE é parte essencial da avaliação interna da escola e base para a avaliação externa realizada pela Inspecção Geral de Educação. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 23. A Auto-avaliação permite encontrar caminhos… […] - Podes dizer-me, por favor, como hei-de sair daqui? - Isso depende muito do sítio para onde quiseres ir! - respondeu o Gato. - Não interessa muito para onde … - disse Alice. Nesse caso, podes ir por um lado qualquer. - respondeu o Gato. […] CARROL, Lewis - Alice no país das maravilhas Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 24. E esperamos também ser seguidos… O coelho estava muito apressado e ela só tinha uma vontade: segui- lo… Assim fez…” No instante seguinte, Alice entrou atrás dele, sem pensar como faria para sair dali depois…”. Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 25. Finalmente cheguei ao fim! IH!IH!IH! Por agora… Isabel Santos Silva-Nov.2009
  • 26.  Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005  Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August.  Todd, Ross (2002) “School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice”. 68th IFLA Council and General Conference August.  Todd, Ross, School Libraries and Evidence-Based Practice: Dynamic Strategies and Outcomes (2003)  IFLA/UNESCO – Manifesto da Biblioteca Escolar . Lisboa: Ministério da Educação – Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares, 1999  Bibliotecas escolares: Modelo de Auto-Avaliação, RBE  Texto da sessão Isabel Santos Silva-Nov.2009

×