Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>Arranjo Físico Celular:  </li></ul><ul><li>Flexibilidade d...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>PORTE E NATUREZA DAS CÉLULAS:  </li></ul><ul><li>A Naturez...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular Célula Pura Completam toda transformação Todos os Recursos estão n...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>Alocação de Recursos nas Células: </li></ul><ul><li>Dificu...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>Técnicas de Alocação de Recursos nas Células: </li></ul><u...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Envolve o arranjo de recursos de modo a conforma-se às necess...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><ul><li>Que tempo de ciclo será necessário? </li></ul></ul><ul><u...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Motivos para variação de tempos de tarefa: </li></ul><ul><ul>...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><ul><li>Como balancear o arranjo Físico? </li></ul></ul><ul><li>T...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>A questão chave é: Como selecionar um elemento a ser alocado ...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Como arranjar os estágios? </li></ul><ul><li>Ver Fig. 7.25 </...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>O Arranjo curto-gordo: </li></ul><ul><ul><li>Vantagens: </li>...
Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Qual a forma mais adequada para a linha? </li></ul><ul><ul><l...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aula 10 Arranjo FíSico ContinuaçãO

6,135

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
6,135
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
75
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 10 Arranjo FíSico ContinuaçãO

  1. 1. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>Arranjo Físico Celular: </li></ul><ul><li>Flexibilidade do AF por Processo </li></ul><ul><li>Simplicidade do AF por produto </li></ul><ul><li>Ver Figura 7.19 – Processo de Família de Peças </li></ul><ul><li>Decisões a ser tomadas: </li></ul><ul><li>Qual o PORTE da célula? </li></ul><ul><li>Qual a NATUREZA das Células? </li></ul><ul><li>Quais RECURSOS ALOCAR por célula? </li></ul>
  2. 2. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>PORTE E NATUREZA DAS CÉLULAS: </li></ul><ul><li>A Natureza das células vai depender de: </li></ul><ul><li>Quantidade de Recursos DIRETOS e INDIRETOS alocados dentro da célula. </li></ul><ul><ul><li>Recursos Diretos – Os que transformam materiais, informações, clientes, e </li></ul></ul><ul><ul><li>Recursos Indiretos – Os que apóiam os Recursos Diretos nas atividades de transformação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ver Figura 7.20 – Classificação de Células </li></ul></ul>
  3. 3. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular Célula Pura Completam toda transformação Todos os Recursos estão na Célula Ex.: Célula de Produção de Produto Completo - Produtos para lanches e salgadinhos em supermercados. Quantidade de Recurso Indiretos na Célula Alto Baixo Alto <ul><li>Baixo </li></ul>Célula Auto-suficiente Todos os Recursos Indiretos estão na Célula São Chamadas: “Fábricas-dentro-da-fábrica” Ex.: Maternidade completa em um Hospital Recursos localizados Juntos Necessários na mesma parte do Processo Ex.: Máquinas que são usadas uma após a outra Possuem Recursos Diretos para parte do processo Semelhantes a Est. de trab. do AF por processo Possuem todos os recursos indiretos necessários Podem ser auto-suficientes em relação ao restante Da Operação . Ex.: Auditoria de um Banco Fig. 7.20 <ul><li>Recursos Diretos </li></ul>
  4. 4. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>Alocação de Recursos nas Células: </li></ul><ul><li>Dificuldade: </li></ul><ul><li>Conciliar características de: </li></ul><ul><li>AF por Processo – Vários recursos localizados dentro da operação, e </li></ul><ul><li>AF por Produto – Foco nos requisitos do produto. </li></ul><ul><li>Optando pela Ênfase nos Processos – Usar Cluster de Analysis – Descobrir processos que podem ser agrupados; </li></ul><ul><li>Optando pela Ênfase nos Requisitos do Produto – Uso de Sistemas de Codificação/Classificação de Peças que informem: forma, tamanho, material usado nas peças, etc., por produto. </li></ul><ul><li>Sistemas de Classificação: Brisch, Opitz, MICLASS – Fazer Pesquisa. </li></ul>
  5. 5. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo Físico Celular <ul><li>Técnicas de Alocação de Recursos nas Células: </li></ul><ul><li>Análise do Fluxo de Produção (Production Flow Analysis – PFA): </li></ul><ul><li>Analise simultânea dos Requisitos do Produto e dos Agrupamentos de Processo; </li></ul><ul><ul><li>Ver Figura 7.21 (a) </li></ul></ul><ul><ul><li>Mudando-se a ordem das linhas e colunas – Ver Fig 4.21 (b) – Padrão de máquinas que poderiam ser agrupadas nas células A, B e C </li></ul></ul><ul><ul><li>Problema; Componente 8 necessita de processamento na máquina 3, mas ela foi alocada na célula B; </li></ul></ul><ul><ul><li>Formas de Resolução: 1) Instalar Máquina igual na célula A; 2) Mandar componentes 8 para serem processados na célula B; Conceber uma “célula especial” ou “célula remanescente” para processar componentes com este problema. </li></ul></ul>
  6. 6. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Envolve o arranjo de recursos de modo a conforma-se às necessidades de processamento do produto ou serviço. </li></ul><ul><li>As características do produto/serviço dominam o projeto. </li></ul><ul><li>Envolve decidir: “O que localizar onde” – Ou seja, a decisão de localização está tomada, porém, as tarefas devem ser alocadas à localização decidida. </li></ul><ul><li>Este tipo de decisão é denominado BALANCEAMENTO DE LINHA e envolve a resolução das seguintes questões: </li></ul><ul><ul><li>Que tempo de ciclo será necessário? </li></ul></ul><ul><ul><li>Quantos Estágios serão necessários? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como lidar com as variações no tempo para cada tarefa? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como balancear o arranjo Físico? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como arranjar os estágios? </li></ul></ul>
  7. 7. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><ul><li>Que tempo de ciclo será necessário? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tempo de ciclo é o tempo que decorre entre a finalização de dois produtos, elementos de informações ou clientes pela operação. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>É calculado considerando-se a demanda de tempo provável dos produtos/serviços e a quantidade de tempo disponível para a produção durante o mesmo intervalo. Ver exemplo dos Empréstimos hipotecados do Banco X. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Tempo de Ciclo = Tempo Disponível / Quantidade a ser processada. </li></ul></ul><ul><ul><li>Quantos Estágios serão necessários? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Vai depender do tempo de ciclo e da quantidade de trabalho necessário para completar cada produto/serviço. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Número de Estágios = Quantidade de Trabalho / Tempo de Ciclo </li></ul></ul><ul><ul><li>Observação: Se os tempos de cada tarefa variarem em cada estágio será necessário BALANCEAR a alocação de tempos de trabalho. </li></ul></ul>
  8. 8. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Motivos para variação de tempos de tarefa: </li></ul><ul><ul><li>Processamento de modelos diferentes de automóveis em uma mesma linha; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pequenas diferenças de tratamentos entre produtos; Ex.; Influencia do cliente na apresentação de documentos para a hipoteca. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ligeiras variações de coordenação física e no esforço da pessoa que executa a tarefa. Ex.: caixa de banco </li></ul></ul><ul><li>Como lidar com as variações no tempo para cada tarefa? </li></ul><ul><li>BALANCEAMENTO DA ALOCAÇÃO DE TEMPO DE TRABALHO </li></ul><ul><ul><li>Objetivo – encontrar uma alocação equânime de trabalho para cada estágio – Ponto de Equilíbrio. </li></ul></ul><ul><ul><li>A eficácia da atividade de BALANCEAMENTO DE LINHA é medida pela PERDA DE BALANCEAMENTOS = Tempo desperdiçado por meio da alocação desigual de trabalho como uma percentagem do tempo total investido no processamento de um produto/serviço. </li></ul></ul>
  9. 9. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><ul><li>Como balancear o arranjo Físico? </li></ul></ul><ul><li>TÉCNIDAS DE BALANCEAMENTO DA ALOCAÇÃO DE TEMPO DE TRABALHO </li></ul><ul><ul><li>DIAGRAMA DE PRECEDÊNCIA </li></ul></ul><ul><ul><li>É uma representação do ordenamento dos elementos que compõem o conteúdo do trabalho total do produto/serviço. </li></ul></ul><ul><ul><li>Forma de representação: São círculos conectados por setas obedecendo-se duas regras básicas: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Os círculos são desenhados o mais possível à esquerda; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>As setas que representam as relações de precedência não devem ser desenhadas no sentido vertical. Ver Fig. 7.23 </li></ul></ul></ul>
  10. 10. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>A questão chave é: Como selecionar um elemento a ser alocado a um estágio quando mais de um elemento pode ser escolhido? </li></ul><ul><ul><li>Resposta: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Escolha o maior que ‘caiba’ no tempo remanescente daquele estágio; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Escolha o elemento com o maior número de atividades subseqüentes, ou seja, aquele com o maior número de elementos que só podem ser alocados depois que ele o for. Ver exemplo da Fig 7.23 </li></ul></ul></ul>
  11. 11. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Como arranjar os estágios? </li></ul><ul><li>Ver Fig. 7.25 </li></ul><ul><li>O Arranjo LONGO-MAGRO e o Arranjo CURTO-GORDO </li></ul><ul><ul><li>O Arranjo longo-magro: </li></ul></ul><ul><ul><li>Vantagens: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fluxo controlado de materiais e clientes – Mais fácil de gerenciar; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Manuseio simples de materiais – mais adequado para produtos pesados e difíceis de mover; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Requisito de capital mais moderado – apenas uma unidade necessita ser comprada; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Operação mais eficiente – se cada estágio faz uma pequena parte do trabalho, em tese, pode fazer melhor. </li></ul></ul></ul>
  12. 12. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>O Arranjo curto-gordo: </li></ul><ul><ul><li>Vantagens: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior flexibilidade de Mix – Se há necessidade de produzir vários tipos de produtos diferentes este arranjo é mais adequado; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior Flexibilidade de Volume – À medida que os volumes variam os estágios podem ser eliminados ou formados; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior Robustez – Se um estágio quebra ou pára os demais não são afetados; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Trabalho Menos monótono – a repetição das tarefas têm intervalos mais longos. </li></ul></ul></ul>
  13. 13. Capítulo 7: Projeto Detalhado de Arranjo por Produto <ul><li>Qual a forma mais adequada para a linha? </li></ul><ul><ul><li>Reta ou Curva? </li></ul></ul><ul><li>Vantagens das Linhas tipo Serpentinas e em forma de “U” – Ver Fig. 7.26 </li></ul><ul><ul><li>Flexibilidade e Balanceamento da Mão-de-obra – Permite que uma pessoa trabalhe em várias estações; </li></ul></ul><ul><ul><li>Necessitando RETRABALHO é mais fácil retornar na linha; </li></ul></ul><ul><ul><li>Manuseio simplificado de materiais e ferramentas por meio de robôs, talhas ou empilhadeiras; </li></ul></ul><ul><ul><li>Passagem – linhas longas e retas interferem mais no fluxo cruzado do resto da operação. Ex.: Gôndolas de Supermercado longas e Rodovias que dividem cidades em duas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilitam trabalhos em grupo. </li></ul></ul>
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×