Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Informativo Hipasiano 01    MatemáTica  E  Teatro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Informativo Hipasiano 01 MatemáTica E Teatro

  • 2,211 views
Published

ih

ih

Published in Technology , Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,211
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
30
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ¸˜ ATUALIZACAO: JUN/2009 Por: NASCIMENTO, J. B http://lattes.cnpq.br/5423496151598527 www.cultura.ufpa.br/matematica/?pagina=jbn jbn@ufpa.br, joaobatistanascimento@yahoo.com.br HOMENAGENS ´ UBIRATAN D’AMBROSIO Prˆmio Felix Klein, 2005. e (www.pucsp.br/pos/edmat/memubiratan.html ) RODRIGUEZ NETO Assassinado em 18/04/2008-Ananindeua-Pa ´ CONTEUDO1 ´ ´ FUNDAMENTO HISTORICO E ASPECTOS METODOLOGICOS PARA O USO P´g.2 a DO TEATRO NO ENSINO DE MATEMATICA´ UMA PROPOSTA DE PECA¸ P´g. 2 a MONTAGENS ˆ A - CLUBE DE CIENCIAS/ NPADC/ UFPA P´g. 5 a B - CUBT/CURSO DE PEDAGOGIA /ABAETETUBA / UFPA P´g.5 a ´ C - UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU /ITAITUBA-PA P´g.6 a ¸˜ PUBLICACOES NO TEMA P´g. 7 a INFORMES NO TEMA - Uma breve descri¸ao de alguns trabalhos/propostas. c˜ P´g. 12 a ˆ ˆ OUTRAS REFERENCIAS EM TEATRO & CIENCIA & ARTES P´g. 20 a AVISO: ´ ESTE E APENAS UM INFORMATIVO, PORTANTO, NAO GERA ˜ DIREITO. CONSULTE OS AUTORES. No meu caso todos podem fazer contato para orienta¸oes, j´ que fa¸o parte de uma universidade p´ blica e, desde de j´, ser´ um c˜ a c u a a prazer. JBN 1 Inclui-se na Proposta de livro do mesmo autor Matem´tica para Aprender e Ensinar, Vol. I. a
  • 2. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 2 Fundamento Hist´rico e Aspecto Metodol´gico do Uso do Teatro o o no Ensino da Matem´tica a Nem s´ semelhan¸a f´ o c ısica guarda o teatro e a sala de aula. De fato, a aula nasceu bem antes deste aprisionamento e quase confinamento que hoje esta encerra, nos palcos da mais remota antig¨idade. u N˜o existe nenhum ind´ a ıcio s´rio que aponte qualquer defasagem, guardando-se as devidas pro- e ` por¸oes, e isto exige um bom conhecimento matem´tico, em termos de eficiˆncia educacional, entre c˜ a e a forma inicial de ensino, a teatral, e a atual. Por ser a aula ao ar livre, s´ assistia quem quisesse aprender, enquanto hoje s˜o gastos recursos o a preciosos para obrigar. Assim, sacrificamos a liberdade das nossas crian¸as em troca de quase nada. ` c E mesmo que fosse por tudo, nunca deveria ocorrer: educa¸ao s´ come¸a quando a plenitude da c˜ o c liberdade ´ conquistada. e O registro que dispomos do uso do cˆnico no ensino da matem´tica, ap´s consolidar-se na e a o hist´ria da educa¸ao esta diferencia¸ao entre teatro e sala de aula, ´ o trabalho da monja Rosvita o c˜ c˜ e de Gandersheim, do s´c. X , ao produzir e montar a pe¸a Sabedoria, a qual foi traduzida no e c trabalho do Professor da USP Luiz Jean Lauand2 . A nossa metodologia consiste em trabalhar e pesquisar em grupo para identificar, entender e pro- mover a aprendizagem dos elementos e conceitos de matem´tica, bem como os temas transversais. ` a Realiza-se simultaneamente, sess˜es de leitura, exposi¸oes, discuss˜es, socializa¸oes dos saberes, re- o c˜ o c˜ constru¸oes de di´logos e adapta¸oes, que levar´ em conta o contexto do educando, o p´blico alvo c˜ a c˜ a u da apresenta¸ao, o rigor dos conceitos matem´ticos e o aprofundamento da aprendizagem. Al´m c˜ a e da pesquisa em matem´tica para amplia¸oes e generaliza¸oes. a c˜ c˜ UMA PROPOSTA DE PECA ¸ Autor: Nascimento, J. B. T´ıtulo: De Ponto em Ponto Formamos... Tema - Elementos da Geometria Plana. Objetivos - Disseminar os conceitos b´sicos da geometria plana e temas transversais. a ATOS 01 - OH! SUJEITO QUADRADO; ˆ 02 - TRIANGULO AMOROSO; 03 - UM C´ IRCULO VICIOSO; 04 - TEM QUE ANDAR NA LINHA; 05 - PONTO FINALM E N T E; IN´ICIO Narrador - No reino da matem´tica, l´ no canto da geometria, moram numa folha de papel, a a muitas figuras interessantes. Algumas delas vieram se apresentar, brincar e conversar. Come¸ando c com o Quadril´tero! a ATO 1 - Aparece a faixa com os dizeres: OH! SUJEITO QUADRADO! Entra o quadril´tero, explica quem ´ ele( fig.1), falando dos seus elementos principais (v´rtices, a e e lados, angulo, diagonais), de alguns membros da fam´ ( Retˆngulo, Losango, Quadrado, Trap´zio, ˆ ılia a e Dardo e Cometa - fig. 1, 2, 3 e 4 ) e suas caracter´ ısticas particulares (por exemplo, um quadrado pos- sui todos os lados congruentes e todo o angulo interno reto). Mostra que todo quadrado ´ retˆngulo, ˆ e a mas existem retˆngulos que n˜o s˜o quadrados. O que ´ per´ a a a e ımetro, area e como calcul´-los. ´ a Apresenta os jogos que tiver, tipo quebra-cabe¸a, feito de quadril´teros, TANGRAN, por ex- c a emplo. Faz com que a plateia leia a frase ¨OH! SUJEITO QUADRADO¨ e discute o sentido. Diz que n˜o concorda, pois, dentre todos da fam´ o quadrado ´ o mais ¨certinho¨. a ılia e - Minha fam´ j´ foi muito importante - diz emocionado acariciando e exibindo a fig. 5 - os ılia a carros de hoje bem que poderiam ser de outra forma. Pelo menos, n˜o haveria tanto engarrafamento! a Fala que o processo de reprodu¸ao tamb´m est´ presente na geometria, pega um quadril´tero, c˜ e a a dobra-o pela diagonal ( certamente j´ picotado nesta ) e rasgando exibe dois triˆngulos. apresenta-o a a e o faz entrar no palco. 2 LAUAND, L.J. - Educa¸ao, Teatro e Matem´tica Medievais, ed. Perspectiva/ 1986 c˜ a
  • 3. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 3 ˆ ATO 2: Aparece a faixa com do dizeres: TRIANGULO AMOROSO - Depois vamos conversar direitinho desse neg´cio de que somos um dos seus ¨rasgado¨ - diz o o triˆngulo ao quadril´tero. E, dirigindo-se para a plateia ( o quadril´tero continua em cena, in- a a a clusive ajudando o triˆngulo. E assim ser´ com todos os outros), explica o que ´ triˆngulo e seus a a e a membros quanto aos lados ( Equil´tero, Is´sceles e Escaleno ) e angulos ( Retˆngulo, acutˆngulo a o ˆ a a e obtusˆngulo ). Exibe casos de triˆngulos retˆngulo, is´sceles e escalenos e fala que n˜o existe a a a o a nenhum triˆngulo retˆngulo equil´tero, pelo fato de que um equil´tero possui todos os angulos a a a a ˆ iguais a 60o , portanto n˜o podendo ter nenhum igual a 90o para ser retˆngulo. a a - Vou lhe mostrar um membro da fam´ que ´ ¨brilhante¨, principalmente a noite - diz o ılia e ` triˆngulo ao quadril´tero e exibindo um triˆngulo luminoso, fig. 6. a a a - Para que serve isso! - Exclama o quadril´tero. a - J´ deu pra vermos que de carro tu n˜o entendes nada quadril´tero - Diz o triˆngulo - Oh! a a a a bicho quadrado! - N˜o ofende - diz o quadril´tero. a a - Venha c´ - diz o triˆngulo - vou te ensinar. Fa¸a de conta que vocˆ ´ um carro - e colocando o a a c ee triˆngulo luminoso no bolso traseiro do quadril´tero - e eu o motorista - coloca as m˜os nos ombros a a a do quadril´tero. Os dois andam pelo palco, com o quadril´tero fazendo o som de carro e o triˆngulo a a a como estivesse dirigindo. - Deu o prego! N˜o se mexa - Diz o triˆngulo, fazendo o gesto de descer do carro e ficando atr´s a a a do quadril´tero. a - N˜o pode se mexer - diz o triˆngulo insinuando para a plateia que ir´ mexer no traseiro do a a a quadril´tero. a - Olha o que tu vai fazer! - Diz o quadril´tero. a - Ora essa! - diz o triˆngulo - eu tenho que abrir a traseira do carro para tirar o triˆngulo. a a - Se vocˆ meter a chave - diz o quadril´tero - eu lhe dou umas ”bolachas”. e a - T´ bom! - diz o triˆngulo tirando o triˆngulo, se afastando e abanando o nariz - Tu imitas a a a muito bem um carro. Mas, precisava ser a alcool? ´ - Quando o carro ¨d´ o prego¨ - diz o triˆngulo - coloca-se o triˆngulo longe da traseira do a a a carro para que os outros motoristas percebam com bastante antecedˆncia que o carro est´ no prego e a ou se houve algum acidente. Devendo o motorista que vier na estrada diminuir a velocidade, pois outro pode est´ atrapalhando o trˆnsito ou precisando de ajuda. a a - Pelo que contam meus ancestrais - diz o triˆngulo dirigindo-se ao quadril´tero - foram dois a a triˆngulos que se juntaram formando um quadril´tero e da´ sua fam´ (faz o movimento de juntar a a ı ılia dois triˆngulos formando um quadril´tero). a a - Posso ver, amigo quadril´tero - continua o triˆngulo irˆnico - o retrato da carrocinha que vocˆ a a o e guarda com tanto carinho. E mostrando as ¨rodas¨ da carro¸a, fala que ir´ trazer ao palco o sujeito c a que ¨desempregou¨ a familia dele e apresenta o C´ IRCULO. ATO 3 - Aparece a faixa: C´ IRCULO VICIOSO (estudar um gesto vicioso circular para a personagem. Pode ser ficar circulando o dedo como es- tivesse discando) O c´ırculo apresenta-se e define o que ´ centro, raio e diˆmetro. Explica que n˜o tem lado como e a a os outros e que na fam´ todos tˆm a mesma aparˆncia s´ mudando o centro e o raio, o que ´ ılia e e o e disco, o Pi, como calcular per´ ımetro e area de c´ ´ ırculo, o que s˜o c´ a ırculos concˆntricos e alguma e hist´ria envolvendo o c´ o ırculo. - Ou quadril´tero - diz o c´ a ırculo dirigindo-se a este - poderias nos mostrar novamente a carro¸a. c - Estou come¸ando a desconfiar que eles estejam fazendo ¨hora¨ comigo - fala o quadril´tero c a para a plateia, exibindo a figura, enquanto o triˆngulo rir. a - Veja - diz o c´ırculo - como uma viagem numa carro¸a desta demorava muito, sobrava muito c tempo para ficar olhando o sol... a lua... tudo redondo. Para tirar vocˆ da´ n˜o custou muito. e ı a - E por falar em sol... lua..- diz o c´ ırculo - eles nunca vˆm at´ n´s. Mandam seus raios. Isto e e o lembra o nosso amigo SEGMENTO. Nisto entra a personagem.
  • 4. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 4 ATO 4 - Aparece a faixa: TEM QUE ANDAR NA LINHA (A personagem tem que andar reto) Define o que ´ reta, semi-reta e segmento. Diz que os outros e s˜o na verdade irm˜o seus que se uniram. Faz o triˆngulo e quadril´tero com segmentos. a a a a - Ah! Mas n˜o eu! - Diz o c´ a ırculo. - Eu n˜o vou fazer aqui, compadre c´ a ırculo - diz o segmento, como fosse dobrar-se - por est´ a muito velho. Veja! Dobrando um segmento de material flex´ e formando um arco. ıvel - Quando nos entortamos na forma de c´ ırculo - diz o segmento - recebemos o nome de arco. E inclusive temos muitas aplica¸oes - exibindo um ”arco”de flecha e mostrando o arco e segmento. c˜ - Se juntarmos membros de minha fam´ - fala o segmento e pedindo um dardo (fig.2) ao ılia quadril´tero - com arcos da fam´ do c´ a ılia ırculo e membros da fam´ do quadril´tero, teremos um ılia a arco e uma flecha. Uma arma poderosa dos nossos ind´ ıgenas. (sai correndo atr´s dos demais como a fosse ”flech´-los”). a - Veja - continua o segmento - que o triˆngulo tem trˆs cantinhos e o quadril´tero quatro e eu a e a dois (mostrando). Eles chamam os seus cantinhos de v´rtices e eu de v´rtice ou extremos. E, Por e e falar deles, eu apresento o amigo PONTO. Nisto entra a personagem. ATO 5 - Faixa: PONTO FINAL M E N T E Enquanto a personagem ponto adentra, percebe-se que o quadril´tero movimenta-se como es- a tivesse indo embora. - Onde estais indo? - diz o triˆngulo ao quadril´tero. - Num j´ ´ ponto final - diz o quadril´tero. a a ae a - Oh! Sujeito quadrado! - diz o c´ ırculo e puxando o quadril´tero de volta. a - Nisto, o c´ırculo deixa cair do bolso, desenhos de figuras inscritas no c´ ırculo (dentro do c´ ırculo fig.7) para que o triˆngulo veja. a - Compadre triˆngulo! - fala o quadril´tero em pˆnico, acusando o c´ a a a ırculo e escondendo-se por tr´s do triˆngulo - ele engoliu nossos irm˜os! a a a - Calma l´ amigo quadril´tero - Diz o triˆngulo, tentando acalm´-lo - que isto n˜o ´ nada es- a a a a a e tranho. Veja! (mostrando a fig. 8 - figuras circunscritas ao c´ ırculo/ o c´ırculo por dentro da figura ) - Valei- me compadre - fala o quadril´tero, mais assustado ainda - somos n´s agora que estamos a o comendo o c´ ırculo! Este canibalismo vai acabar com todos n´s. o - Nada disso - diz o ponto e explica o que ´ inscrito e circunscrito e fala que em alguns casos ´ e e preciso haver certa rela¸oes para que isto ocorra. Menos para o triˆngulo, o qual sempre ter´ um c˜ a a c´ ırculo que o inscreve e um outro que o circunscreve. - Oh! Amigo quadril´tero! Somos de paz - diz o c´ a ırculo. Veja, (mostra-lhe a fig.9 ) nossas fam´ ılias unidas formando um importante sinal de trˆnsito: PERMITIDO ESTACIONAR. a ´ - E mesmo - diz o triˆngulo e mostrando fig. 10 - e com o segmento o sinal de PROIBIDO a ESTACIONAR. - E, tamb´m este - diz o segmento, mostrando fig. 11 - de PROIBIDO PARAR E e ESTACIONAR. - Calma l´ segmento - diz o quadril´tero - tu parece mais um pol´ a a ıtico, empregando toda tua fam´ılia. - Amigos! - diz o ponto explicando o significado de cada uma das placas de trˆnsito. a - o segmento tem raz˜o. Terminada a explana¸ao, as cortinas come¸am a descer e todos cantam. a c˜ c ´ MUSICA DE PONTO EM PONTO FORMAMOS SEGMENTOS, QUE FORMARAM FIGURAS E QUERO LHE DIZER... ˜ QUE TODAS SAO IMPORTANTE ´ BOM VOCE CONHECER. E QUE E ˆ FIM
  • 5. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 5 MONTAGENS DA PECA PROPOSTA ¸ ´ ˆ A - DEP. MATEMATICA / CLUBE DE CIENCIAS (NPADC) / UFPA Crian¸as integrantes do projeto de extens˜o ATIVIDADES DE c a ´ ´ MATEMATICA PARA 3o E 4o SERIES. Uma realiza¸ao do c˜ Clube de Ciˆncias/ NPADC e o Dep.Mat. UFPA, em 2003, e e desenvolvido pelos licenciandos em Matem´tica da UFPa: a ALDENORA PERRONE AMADOR; ´ FATIMA CRISTINA COSTA DE ALMEIDA; LUCIANA SAYURI TSUCHIYA MASUDA; ´ JOSE MARCOS NUNES DO AMARANTE; E do curso de Forma¸ao de Professores da UEPA: c˜ DIENE ELLEN AMADOR. Orientador do Projeto: Prof. Msc. J.B. Nascimento - Dep. Mat - UFPA Coord. Clube de Ciˆncia: Doutorando Jesus Cardoso Brabo (SEDUC / Pa) e Coord. NPADC/UFPA: Profa. Dra. Terezinha Valim Oliver Gon¸alves c ´ B - CAMPUS UNIVERSITARIO DO BAIXO TOCANTINS / UFPA Licenciandos(as) de Pedagogia, Turma 2000, do CUBT em Abaetetuba-Pa, na disci- plina Fundamentos Te´ricos e Metodol´gicos para o Ensino de Matem´tica, ministrada pelo Prof. o o a AUBEDIR SEIXAS COSTAS, docente efetivo do Colegiado de Matem´tica do CUBT / UFPA, a que tamb´m desenvolveu apresenta¸oes com turmas de Breves-Pa, Tailˆndia-Pa e Conc´rdia e c˜ a o do Par´.a
  • 6. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 6 ´ C - UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU ´ CURSO DE MATEMATICA / ITAITUBA-Pa Prof. Paulo Cleber Mendon¸a c clebermt@uft.edu.br Recebi DVD repassado pelo Prof. Paulo Cleber, onde foi documentado a ex- periˆncia. O objetivo mais consequente na forma¸˜o foi atingido: unirem-se profissional- e ca mente em torno de uma a¸ao. Depois disto, tudo o mais que ´ necess´rio trabalhar na c˜ e a melhoria da educa¸˜o das nossas crian¸as, que ´ uma imensa trag´dia, pode ser cons- ca c e e tru´ıdo. Desejo que ajudem seus educandos a chegar at´ esta alegria que ficou imor- e talizada no cora¸˜o de cada um de vocˆs. Pesquisem, reformulem, ensinem e deixem, ca e assim como aconteceu com vocˆs, que suas crian¸as assumam o palco por completo, se e c tornem donas do saber. Nos colocamos ao dispor, n´s que fazemos o Departamento de o Matem´tica da UFPa, de todos nesta longa, e agora menos penosa, jornada por meio a do ensino da matem´tica. a Prof. Jo˜o Batista do Nascimento - Dep. Mat. UFPa a
  • 7. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 7 ¸˜ PUBLICACOES NO TEMA. Com di´logo entre os personagens, a alunos fixam melhor os conceitos das aulas Da reportagem Imagine uma pe¸a de teatro em cada ato c tenha nomes nada convencional como Oh! Sujeito quadrado; Triˆngulo Amoroso; Um C´ a ırculo vicioso; Tem que andar na linha e Ponto Finalmente. Qualquer semelhan¸a com aulas de matem´tica c a n˜o ´ mera coincidˆncia. Os atos com nomes a e e estranhos fazem parte da pe¸a De ponto em ponto c formamos... do Projeto Matem´tica & Teatro - da a Constru¸ao L´cida a Formaliza¸ao, criado pelo pro- c˜ u ` c˜ fessor Jo˜o Batista do Nascimento da Universidade a Federal do Par´ (UFPA) a A pe¸a ´ a segunda produ¸ao realizada no pa´ c e c˜ ıs, atr´s somente a obra do Professor da USP L.J. a Projeto de extens˜o da UFPA obteve a Laund[++]. A ideia surgiu exatamente porque Nasci- mento percebeu a possibilidade de abordar conceitos resultados animadores (Foto: Licenc. da disciplina de forma menos burocr´tica e chata. a Pedag. UFPA/Abaet.PA) Por conta disso, a solu¸ao encontrada foi adequar os conceitos da disciplina com uma forma l´dica de c˜ u ´ aprender. ¨E inconceb´ que uma crian¸a estude Matem´tica durante 12 anos e ainda se sinta amedrontada ıvel c a diante de uma raiz quadrada¨, explica, refor¸ando a necessidade de implanta¸ao de sua ideia: ¨um dos erros c c˜ cometidos pelos educadores ´ n˜o pensar em adequar os conte´dos a uma forma mais simples da crian¸a e a u c aprender. Por isso, ´ que cada teatro ´ essencialmente constru´ pelo aluno. Eu os considero portadores e e e ıda executores natos do l´dico¨. u Os participantes e personagens da (de uma montagem, e.n) pe¸a forma alunos da 4 a s´rie do Ensino c e Fundamental , participantes do projeto de extens˜o da UFPA. Os resultados observados foram forma ani- a madores, o que confirma a facilidade das crian¸as aprender por meio de brincadeiras. ¨As crian¸as nunca c c tˆm problemas de absolver as novidades. N´s ´ que, muitas das vezes, n˜o nos preocupamos em inventar e o e a novos m´todos¨ e Elabora¸˜o da Pe¸a ca c Para criar uma pe¸a de teatro dentro dos conceitos da disciplina, Nascimento explica que ´ necess´rio c e a que os alunos pesquisem, estudem e se identifiquem com o tema. Depois, com o aux´ do professor, se r˜o ılio a elaborados os di´logos. Ao final de cada apresenta¸ao, ´ poss´ constatar uma mudan¸a positiva nos estu- a c˜ e ıvel c dantes. ¨No final a crian¸a n˜o vai apenas repassar os conhecimentos para um papel frio de prova, mas ir´ c a a defender o seu saber com todos os recursos e emo¸oes que estejam dispon´ c˜ ıveis¨ Os educadores interessados em conhecer os trabalho do professor Jo˜o Batista do Nascimento po- a dem obter informa¸oes por meio do site http://www.cultura.ufpa.br/matematica/?pagina=jbn. O e-mail c˜ para contado com o professor ´ jbn@ufpa.br. e ´ AGRADECEMOS AO JORNAL A TRIBUNA DE SANTOS, ATRAV ES DAS JORNALIS- ´ TAS QUE FIZERAM A MATERIA, S´ ILVIA COSTA E TATIANA AUDE. acesso direto: http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?opr=77&cod=170669# [++] Corre¸˜o: O professor da USP LUIZ JEAN LAUAND no seu livro Educa¸ao, Teatro e Matem´tica ca c˜ a Medieval, Ed.Perspectiva, 1986, traduziu a pe¸a ¨SABEDORIA¨, de autoria da professora ROSVITA DE c GANDERSHEIM, S´c. X, na qual s˜o abordados conceitos da matem´tica. e a a
  • 8. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 8 SBPCNET 08-SET-2004,http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=21324 ´ ´ TEATRO FAVORECE APRENDIZAGEM DE MATEMATICA NO PARA Segundo o pesquisador, a utiliza¸ao dos recursos da linguagem teatral possui alto poder de c˜ fixa¸ao de conceitos e grande teor l´dico, contribui para atrair o interesse e curiosidade dos alunos e c˜ u criar um ambiente favor´vel a aprendizagem, e supera o temor comum que as opera¸oes matem´ticas a ` c˜ a costumam registrar nas hist´rias escolares de muita gente. o Mestre pela Universidade Federal do Cear´, pesquisador de Matem´tica Pura e Metodolo- a a gias de Ensino Matem´tico,Jo˜o Batista Nascimento acredita que as metodologias tradicionais, a a utilizadas em muitas salas de aulas, geram verdadeiro temor nos alunos em rela¸ao a mat´ria. c˜ ` e ”Nossa experiˆncia de trabalho e pesquisas provam que a aprendizagem da matem´tica pode ser e a prazerosa. As crian¸as nunca tˆm problemas em absorver as novidades. N´s ´ que, na maioria das c e o e vezes, n˜o nos preocupamos em inventar novos m´todos”, diz Nascimento. a e ¨De forma resumida, a nossa metodologia consiste em identificar, pesquisar e estudar os ele- mentos e conceitos de matem´tica e os temas transversais envolvidos na pe¸a. Depois disto, s˜o a c a definidas sess˜es de leitura e de constru¸ao do texto, das falas, dos di´logos e adapta¸oes, que levar˜o o c˜ a c˜ a em conta o p´blico-alvo da apresenta¸ao, o rigor dos conceitos matem´ticos, aprofundamentos da u c˜ a aprendizagem, conceitos e pesquisa matem´tica, inclusive para amplia¸oes e generaliza¸oes, afirma a c˜ c˜ Jo˜o Batista. a Participa¸˜o ca - Pelos registros hist´ricos, antigamente a aprendizagem era em escala reduzida e n˜o havia salas de o a aula como hoje conhecemos. Chegava a ser semelhante as apresenta¸oes teatrais, com professores ` c˜ perform´ticos e alunos participativos. ”Sendo ao ar livre, s´ assistia a aula quem quisesse aprender. a o Hoje, gastamos recursos para obrigar a assistˆncia dos alunos e, depois de quatro ou cinco anos de e estudos, registramos uma aprendizagem p´ ıfia. Logo, sacrificamos a liberdade das nossas crian¸as c em troca de quase nada e mesmo que fosse por tudo, nunca deveria ocorrer. Educa¸ao s´ come¸a c˜ o c quando a plenitude da liberdade ´ conquistada”, acredita o pesquisador. e Parte das pesquisas do professor Jo˜o Batista foi realizada com crian¸as carentes do Bairro a c Guam´, em Bel´m. Foi poss´ registrar o n´ de alegria e participa¸ao espontˆneas dos alunos a e ıvel ıvel c˜ a nas atividades da metodologia desenvolvida. ”Nossa expectativa ´ a de que o ensino de matem´tica e a possa ser feito com alunos sorridentes e felizes. A escola n˜o tem s´ que ensinar. Tem que ajudar a o na felicidade dos alunos”, acredita o professor. A pe¸a intitulada ”De ponto em ponto formamos...”possui atos com nomes como Oh! Sujeito c quadrado; Triˆngulo Amoroso; Um C´ a ırculo Vicioso; Tem que andar na linha e Ponto Finalmente. Ela faz parte do projeto Matem´tica & Teatro - da constru¸˜o l´ dica ` formaliza¸˜o, a ca u a ca ´ criado pelo professor. ”E inconceb´ que uma crian¸a estude matem´tica durante 12 anos e ainda ıvel c a se sinta amedrontada diante de uma raiz quadrada”, explica Jo˜o Batista. E acrescenta: ”Um dos a erros cometidos pelos educadores ´ n˜o pensar em adequar os conte´dos a uma forma mais simples e a u da crian¸a aprender. Por isso ´ que cada apresenta¸ao da pe¸a ´ essencialmente constru´ pelo c e c˜ c e ıda aluno. Eu os considero portadores e executores natos do l´dico”. Mais informa¸oes sobre o projeto u c˜ podem ser conseguidas no site: www.cultura.ufpa.br/matematica/?pagina=jbn (Jos´ Leit˜o, da e a assessoria de comunica¸ao do MEC). c˜
  • 9. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 9 ´ ´ JORNAL DIARIO DO PARA (www.diariodopara.com.br), 13/09/2004 Mestre pela Universidade Federal do Cear´, pesquisador de Matem´tica Pura e Metodologias a a de Ensino Matem´tico e professor da UFPA, Jo˜o Batista Nascimento acredita que as metodologias a a tradicionais, utilizadas em muitas salas de aulas, geram verdadeiro temor nos alunos em rela¸ao c˜ a Matem´tica. Segundo o pesquisador, a utiliza¸ao de recursos da linguagem teatral possui alto ` a c˜ poder de fixa¸ao de conceitos e grande teor l´dico, contribui para atrair o interesse e curiosidade dos c˜ u alunos e criar um ambiente favor´vel a aprendizagem, e supera o temor comum que as opera¸oes a ` c˜ matem´ticas costumam registrar nos boletins escolares de muita gente. a METODOLOGIA A metodologia consiste em identificar, pesquisar e estudar os elementos e conceitos de Matem´tica a e os temas transversais envolvidos numa pe¸a, intitulada ”De ponto em ponto formamos....”, ide- c alizada por Jo˜o Batista. Depois, s˜o definidas sess˜es de leitura e de constru¸ao do texto, das a a o c˜ falas, dos di´logos e adapta¸oes, que levar˜o em conta o p´blico da apresenta¸ao, o rigor dos con- a c˜ a u c˜ ceitos matem´ticos, aprofundamentos da aprendizagem, conceitos e pesquisa matem´tica, inclusive a a para amplia¸oes e generaliza¸oes. Parte das pesquisas do professor Jo˜o Batista foi realizada com c˜ c˜ a crian¸as carentes do Bairro Guam´. c a Portal da Universidade Federal do Par´, www.ufpa.br em 16/09/2004 a ´ ´ MATEMATICA E ENSINADA POR MEIO DO TEATRO a ´ Uma nova metodologia para o ensino de matem´tica. E o que prop˜e o grupo de professores do o projeto de extens˜o Matem´tica e Teatro - da Constru¸ao L´dica a Formaliza¸ao, do Departamento a a c˜ u ` c˜ de Matem´tica da UFPA. Criado pelo professor Jo˜o Batista do Nascimento, que trabalha nessa a a area h´ cinco anos, o projeto esteve ”em turnˆ”pelo interior do Par´ com a pe¸a ”De ponto em ´ a e a c ponto formamos...”. Em Abaetetuba, por exemplo, o projeto recebeu grande aceita¸ao por parte c˜ de professores e alunos. A equipe j´ planeja a publica¸ao de um livro sobre o assunto. a c˜ O professor Jo˜o Nascimento percebeu que havia um abismo entre a produ¸ao cient´ a c˜ ıfica dos p´los o de pesquisa no pa´ e a matem´tica ensinada nas salas de aula do ensino b´sico. ”A universidade ıs a a faz um trabalho de ponta, mas que n˜o chega ao povo”, afirma ele, ”o professor das s´ries iniciais a e n˜o sabe matem´tica”. Segundo o professor, isso ocorre porque os educadores, geralmente formados a a em pedagogia, sempre tiveram medo da disciplina. Ele ainda critica os livros did´ticos por serem a obscuros e terem abordagens confusas. Como uma prova incontest´vel de que a metodologia de a ensino convencional est´ equivocada, Jo˜o Nascimento resgata os n´meros de uma recente pesquisa a a u do Ibope: 79% dos brasileiros s˜o analfabetos em matem´tica. ”O problema ´ metodol´gico, afinal, a a e o as pessoas n˜o s˜o burras”. a a O coordenador do projeto garante que a linguagem do teatro ´ mais agrad´vel tanto para o e a educador quanto para o aluno. Mas isso n˜o significa que h´ simplifica¸ao dos conceitos. ”Pelo a a c˜ contr´rio, ´ amplia¸ao. Tudo que est´ escrito nos livros n´s ensinamos, s´ que a crian¸a aprende”, a e c˜ a o o c explica. Apesar dos bons resultados, o projeto ainda encontra muita resistˆncia. ”Principalmente e no interior, aonde alguns diretores chegam a impedir nossa atividade”, o lamenta e, que atribui isso ao imp´rio da ”matem´tica terrorista”. e a Mesmo entre os professores que j´ utilizam o m´todo proposto por Jo˜o Nascimento, n˜o houve a e a a um rompimento completo com o tradicional. ”H´ pessoas que querem usar a pe¸a para que as a c crian¸as decorem”, critica. ”Cada apresenta¸ao deve ser uma experiˆncia diferente, porque as in- c c˜ e terpreta¸oes poss´ c˜ ıveis s˜o muitas”. a
  • 10. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 10 O livro que a equipe formada por professores e estudantes da universidade est´ escrevendo ´ a e direcionado aos educadores do ensino b´sico, no qual apresentam a nova metodologia, que engloba a n˜o s´ o teatro, mas a produ¸ao de jornais, jogos e outras dinˆmicas. Eles procuram uma editora a o c˜ a que se interesse pelo projeto. ”O movimento ´ incipiente, mas tem for¸as. Precisamos mobilizar os e c professores de matem´tica”, conclui. No momento eles escrevem mais duas pe¸as. a c Nota de esclarecimentos (Reportagem anterior) I - DIRECAO¸ ˜ ESCOLAR & NOVOS METODOS ´ O problema que n´s acusamos na rela¸ao Dire¸ao escolar & novas metodologias ´ o seguinte: o c˜ c˜ e se um professor de matem´tica deseja implantar na escola uma nova metodologia, este fica depen- a dendo, em essˆncia, da aprova¸ao ou n˜o da Dire¸ao, quando esta n˜o possui meios t´cnicos para e c˜ a c˜ a e tomar uma decis˜o. Assim decide, j´ que tem mesmo que fazˆ-lo, pelo sim ou pelo n˜o, correndo a a e a riscos de toda ordem. De fato quem deveria respaldar/participar da nova metodologia deveria ser o centro que formou o professor. E, se o resultado for certo, que todos fossem laureados e publique-se. E, pelo contr´rio, a que se apontem as falhas, os respons´veis e o mecanismo de corre¸ao imediata e publique-se, at´ ` a c˜ e para prevenir novos erros. ´ II - ASPECTOS DA ¨MATEMATICA TERRORISTA¨ A) NO ENSINO: propostas metodol´gicas, como a que sugere para a crian¸a JOGAR UM o c ´ GATINHO DO SETIMO ANDAR PARA APRENDER O NUMERO SETE. ´ ¸˜ B) NA AVALIACAO: org˜os p´blicos, como o INEP, aplicam provas de matem´tica e n˜o d˜o ´ a u a a a conhecimento p´blico de todas as provas e as resolu¸oes que acham ter cada quesito. Este fato u c˜ encobre erros [ at´ o mais terrorista, como constar na prova conceito ou fato que o aluno n˜o e a poderia jamais saber, mesmo se houvesse aprendido toda bibliografia do certame], incompetˆncias e e permite transferir para os educandos toda culpa. Ass: Professor Jo˜o Batista do Nascimento - Dep. Mat.- UFPA. a
  • 11. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 11 EM PORTUGAL http://www.educacao.te.pt/geral/index.jsp?p=16&idNoticia=3425, 2004-09-06 ´ TEATRO PODE INOVAR ENSINO DA MATEMATICA Imagine uma pe¸a de teatro em que cada acto tenha nomes nada convencionais, como ¨Oh! Su- c jeito Quadrado¨, ¨Triˆngulo Amoroso¨, ¨Um C´ a ırculo Vicioso¨, ¨Tem que andar na linha¨ e ¨Ponto Finalmente¨. Qualquer semelhan¸a com as aulas de Matem´tica n˜o ´ mera coincidˆncia. Os actos com c a a e e nomes estranhos fazem parte da pe¸a ”De ponto em ponto formamos...”, concebida pelo Projeto c Matem´tica & Teatro - da Constru¸ao L´dica a Formaliza¸ao, criado pelo professor Jo˜o Batista a c˜ u ` c˜ a do Nascimento, da Universidade Federal do Par´ (UFPA). a A ideia surgiu porque Jo˜o do Nascimento percebeu a possibilidade de abordar conceitos da a disciplina de forma menos burocr´tica e enfadonha. Assim, a solu¸ao encontrada foi adequar os a c˜ conceitos da disciplina a uma forma l´dica de aprender. u Em declara¸oes ao jornal brasileiro Tribuna de S˜o Paulo, Jo˜o do Nascimento afirma que ”´ c˜ a a e inconceb´ que uma crian¸a estude Matem´tica durante doze anos e ainda se sinta amedrontada ıvel c a diante de uma raiz quadrada”, refor¸ando a necessidade de implanta¸ao de sua ideia: ”um dos erros c c˜ cometidos pelos educadores ´ n˜o pensar em adequar os conte´dos a uma forma mais simples da e a u crian¸a aprender. Por isso ´ que cada espect´culo ´ essencialmente constru´ pelo aluno. Eu os c e a e ıdo considero portadores e executores natos do l´dico”. u Os participantes e personagens da pe¸a foram alunos da 4.a s´rie do Ensino Fundamental, par- c e ticipantes do projecto de extens˜o da UFPA. Os resultados observados foram animadores, o que a confirma a facilidade das crian¸as em aprender atrav´s de brincadeiras. Segundo o professor, ”as c e crian¸as nunca tˆm problemas em absorver as novidades. N´s ´ que, na maioria das vezes, n˜o nos c e o e a preocupamos em inventar novos m´todos”. e Para criar uma pe¸a de teatro dentro dos conceitos da disciplina, o professor explica que ´ c e necess´rio que os alunos pesquisem, estudem e se identifiquem com o tema. Depois, com o aux´ a ılio do professor, ser˜o elaborados os di´logos. Ao final de cada apresenta¸ao, ´ poss´ constatar uma a a c˜ e ıvel mudan¸a positiva nos estudantes. Segundo o professor Nascimento, ”no final a crian¸a n˜o vai c c a apenas repassar os conhecimentos para um papel frio de prova, mas ir´ defender o seu saber com a todos os recursos e emo¸oes que estejam dispon´ c˜ ıveis”.
  • 12. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 12 INFORMES NO TEMA 1 - PALESTRA DO PROFESSOR AUBEDIR SEIXAS, do Campus Univer- sit´rio do Baixo Tocantins da UFPA / Regional da SBPC /Bel´m -PA a e ´ CAMPUS UNIVERSITARIO DO B. TOCANTINS / UFPA ˆ CONVITE PARA CONFERENCIA ˆ CO-013- EXPERIENCIA: O USO DO TEATRO NA FORMACAO DO¸˜ ´ ´ PROF. DE MATEMATICA DAS SERIES INICIAIS PROF. ESP. AUBEDIR SEIXAS COSTA, auseixas@ufpa.br (CUBT/UFPA) ´ 2 - A PROPOSTA DE OTAVIO CABRAL, da Universidade Federal de Alagoas, www.ufal.br. No endere¸o eletrˆnico http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=17943, consta o c o artigo ¨ Teatro na sala de aula: uma proposta de aprendizagem¨ de sua autoria. Os que desejarem mais referˆncias, no sistema Lattes (www.cnpq.br) constam todos os dados do professor. e 3 - A PROPOSTA DE SALVIANO DE CAMPOS, salvicampos@ube.org.br Salviano de Campo, natural de Brejo Santos (Ce), atualmente reside em S˜o Paulo, Capital. Vez a v´rios cursos na area de dramaturgia, dire¸ao e a ´ c˜ c˜ ´ atua¸ao teatral. E autor de mais de quarenta pe¸as c Editora Paulinas teatrais, em algumas das quais atuou. ¨A matem´tica da educa¸˜o aborda o trabalho de um professor de matem´tica em uma a ca a classe de adolescentes. Com base no respeito pelas diferen¸as, di´logo e muita criatividade, ele con- c a segue fazer que adolescentes rebeldes se transformem em alunos aplicados. Contraria, num primeiro momento, as orienta¸oes pedag´gicas da escola, mas a coordena¸ao pedag´gica finalmente se rende c˜ o c˜ o ao sucesso obtido, gra¸as ao seu ”modo afetivo e solid´rio”de lidar com a classe. c a ´ E importante citar que instru¸oes detalhadas sobre ambienta¸ao, personagens, objetos de cena, c˜ c˜ figurino, cen´rio, ilumina¸ao e sonoplastia s˜o feitas ao longo da a¸ao de cada um deles, sem que a c˜ a c˜ se tolha a liberdade de exercer a criatividade aqueles que j´ disp˜e de uma experiˆncia pr´pria na ` a o e o montagem de pe¸as escolares.¨ c Texto em www.paulinas.org.br/loja/DetalheProduto.aspx?idProduto=7463#Detalhes
  • 13. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 13 4 - A PROPOSTA DE VILMABEL SOARES GIBON, vilmabel@comexsystem.com.br ¸˜ ´ APRESENTACAO - LIVRO TEATRO PEDAGOGICO Trago a vocˆs a minha preocupa¸ao com a educa¸ao que temos nas escolas hoje. Segundo e c˜ c˜ o psiquiatra Roberto Shinyashiki numa entrevista com Vanucci, disse: ¨o que as escolas deveriam fazer ´ ajudar o aluno a desenvolverem suas pr´prias potencialidades...¨. e o No meu ver, esse depoimento ´ a chave para a revolu¸ao educacional. Por quˆ? Porque a e c˜ e solu¸ao est´ no exerc´ da voca¸ao - chamamento, no desenvolvimento das habilidades inatas. E c˜ a ıcio c˜ ´ atrav´s do brincar, do teatro que despertamos para as nossas potencialidades. At´ mesmo porque e e e o teatro ´ a maior forma de expressar o ser humano num todo. e Acredito, que todo educador deveria ter espirito brincalh˜o, empatia e principalmente voca¸ao a c˜ para ensinar/ orientar facilitando ao indiv´ıduo suas pr´prias descobertas, o mundo m´gico que o a habita dentro de cada ser. Por isso me preocupei em escrever o livro sobre a importˆncia do teatro na educa¸ao, o a c˜ qual aborda o despertar das Inteligˆncias M´ltiplas (estuda as habilidades inatas) e a Educa¸ao e u c˜ Formativa Comportamental (estuda valores e atitudes - linguagem do afeto) objetivando o auto- conhecimento t˜o indispens´vel para nossa realiza¸ao pessoal e profissional. a a c˜ Este livro ´ dinˆmico e pr´tico. Neste est´ escrito um programa de 16 encontros, passo a e a a a passo cada encontro com mais de 80 dinˆmicas entre exerc´ a ıcios teatrais, exerc´ ıcios em dinˆmicas a de grupo, textos reflexivos como met´foras educacionais entre outros. a Todo educador independente do grau de forma¸ao acadˆmico deveria ser um mero orienta- c˜ e dor/ facilitador do processo ensino-aprendizagem, porque o aprendizado ´ um desabrochar. Como e descreve Humberto Maturana, bi´logo e cr´ o ıtico do realismo Matem´tico: Aprender ´ uma decis˜o a e a ¨de dentro para fora¨ Texto com direitos autorais reservados de Vilmabel soares Gibon - professora - brinquedista - orientadora vocacional - atriz em forma¸ao c˜ Fonte: http://www.comexsystem.com.br/vilmabel/textos/teatroped04.htm ´ 5 - ESPANHA - A PROPOSTA DE ISMAEL ROLDAN CASTRO ´ Autor do livro TEATROMATICO, editado pela editora Nivola (www.nivola.com/framelibro.asp?ref=40), e nos informa que ´ composto por diversas pe¸as. Na p´gina eletrˆnica e c a o www.cica.es/aliens/gittcus/roldan.html encontramos maiores de- talhes deste autor e quem quiser adquirir o livro pode fazˆ-lo pelo e site da editora ou diversas outras, que pode ser localizada atrav´s e de busca.
  • 14. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 14 ´ 6 - ITALIA - A PROPOSTA DE MARIA ROSA MENZIO DADOS PESSOAIS E DE CONTATO Maria Rosa Menzio C. Galileo Ferraris 144 10129 Torino-Italy sito www.teatroescienza.it - Torinese, laureata in Matematica (con lode). - Lavora sulla Meccanica Simplettica all’Universit` di Torino e scopre il teorema di Menzio- a Tulczjew. - Si specializza in Filosofia della Scienza. - Si dedica quindi al teatro in specie come autrice PROGETTO ¨TEATRO E SCIENZA¨ Suoi testi gi` rappresentati a 1999-2000: ”Mangiare il mondo”, teatro Juvarra (Torino), regia di Beppe Navello, TEMA della MEDI- CINA 2002: ”Padre Saccheri”teatro Gobetti di Torino, segnalato al concorso F.-la Pastora 1998. Regia di Gabriele Vacis, con Laura Curino e Michele di Mauro, TEMA della GEOMETRIA 2003: ”Fibonacci”teatro Gobetti di Torino, testo finalista al premio Fondi 2003. Regia di Beppe Navello, con Milvia Marigliano e Tommaso Amodio, TEMA dei NUMERI 2004: teatro Gobetti di Torino: Senza fine, su Ipazia, fra le prime matematiche della storia. Regia di Michele di Mauro, con Lucilla Giagnoni, TEMA del TEMPO. 2004: Unione Culturale di Torino, suo collage Galileo a teatro, regia di Oreste Valente, con Maria Rosa Menzio e Oreste Valente 2005: Venezia, Convegno ”Matematica e cultura”diretto da Michele Emmer, recita con Oreste Valente in ”Maat e Talia”selezione di suoi testi 2005; Unione Culturale di Torino, lettura de ”Il Mulino” 2005: Montalto di Ivrea, (TO) ”Inchiesta assurda su Cardano,”segnalato a Portovenere Teatro Donna 2005, regia di Oreste Valente, con Daniela Fazzolari, Tino Danesi, Oreste Valente, TEMA delle EQUAZIONI 2006: teatro Gobetti di Torino, spettacolo ”Il Mulino”, selezionato per ”Science on Stage”on Stage”2005, Fiera della Parola 2006, regia di Oreste Valente, TEMA dell’ASTRONOMIA 2006: Atrium, Torino, suo intervento al convegno ”Respiro”per il centenario della nascita di Samuel Beckett, sezione ”Beckett e il tempo” 2006: Montalto di Ivrea, (TO) ”Carteggio celeste”, regia di Oreste Valente, con Simona Sola, Alex Botta, Pamela Guglielmetti, Maria Rosa Menzio e Oreste Valente, TEMA della FISICA Apresento uma vers˜o de informe da Professora Maria Rosa Menzio de set/2007, feita pela a da Coordenada Casa de Estudos Italianos da UFPA, Helo´ Bellini, www.ufpa.br/arni/casas.htm, ısa assim como originais.
  • 15. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 15 ˜ ˆ UNIAO COLLINA DE TURIM PARA O PROJETO ¨TEATRO & CIENCIA¨ APRESENTA A ´ ˆ RESENHA ¨CLASSICA & CIENCIA¨ Ap´s o sucesso dos seus dois ultimos livros, um de dramas teatrais e o outro um ensaio com fi- o ´ nalidades did´ticas, Maria Rosa Menzio prossegue o Projeto ¨Teatro & Ciˆncia¨ que tem este ano uma a e particularidade: o acompanhamento musical. M´sica para o Teatro e a Ciˆncia: Maria Rosa Menzio prop˜e este ano uma corajosa resenha u e o com uma interface expressiva entre teatro, m´sica e ciˆncia. u e Teremos ent˜o vozes recitantes, m´sica cl´ssica ao vivo, e ciˆncia. No caso de ¨Correspondˆncia a u a e e celeste¨, texto principal da Resenha, nos valemos tamb´m de cantores l´ e ıricos e de um coral. Colocamos no palco a difus˜o da ciˆncia, a voz humana e aquela dos instrumentos ao vivo: guitarra com m´sicas originais a e u para o texto sobre a F´ ısica as part´ ıculas elementares, instrumentos que exigem o uso do arco ( violino, vio- loncelo, viola, etc) com m´sica de Mozart e outros para o texto sobre Matem´tica e ainda arcos com m´sicas u a u de Pergolesi para ¨Correspondˆncia celeste¨ que aborda tamb´m o tema da Revolu¸ao Galileiana, violoncelo e e c˜ com m´sicas de Verdi, Rossini, Leoncavallo para o texto (¨Luziam as estrelas¨) sobre a mulher de Galileo. u A Resenha, inicia, portanto com Galileu segundo a filha (cartas, verdadeiras ou pensadas, entre o grande cientista e sua filha, com a condena¸ao e a abjura¸ao) e termina com Galileu segundo a sua mulher c˜ c˜ (e a difus˜o do telesc´pio), no meio est˜o os textos sobre os constituintes elementares do pensamento e do a o a mundo: os n´meros primos (constituintes basilares da Aritm´tica) e as parcelas ou part´ u e ıculas elementares (constituintes basilares da Mat´ria) e Gostar´ıamos de precisar isto: como se diz Chopin repetisse aos seus alunos a frase ¨com facilidade¨ porque o artista n˜o deve mostrar ao mundo a fadiga que lhe custa tocar, pois bem, n´s queremos que o a o grande trabalho feito para unir campos t˜o (aparentemente) distantes n˜o fosse percebido pelos espectadores, a a mas que estes experimentassem somente a harmonia, mas com...leveza. Achamos que a difus˜o da ciˆncia passa por diversas modalidades de express˜es, e que a crise de a e o voca¸oes cient´ c˜ ıficas em curso em toda a Europa seja tamb´m devido ao modo arido e cansativo com que os e ´ docentes, as vezes, empregam para ensin´-la. Gostar´ ` a ıamos de dar uma alternativa que se imprimisse de modo indel´vel na mente dos espectadores. Fa¸amos s´ um exemplo: a simplic´ e c o ıssima frase ¨a Terra n˜o gira¨ dita a pelo inquisitor a Galileu parece banal se lida friamente, em um tratado, mas se a imaginamos dita em uma cena teatral, ainda por cima acompanhada de m´sica cl´ssica, eis ent˜o que se pode propor para o ¨teatro u a a cient´ ıfico¨ aquilo que acontecia um s´culo atr´s com a L´ e a ırica, quando at´ as costureiras e os oper´rios iam e a ao teatro e saindo cantavam as arias apenas escutadas. ´ Eis agora o resumo dos quatro espet´culos teatrais. a Sexta-feira 5 de outubro, hora 21, teatro de Pino Torinese ˆ CORRESPONDENCIA CELESTE - De Maria Rosa Menzio - Vozes recitantes: Nino Bernardini, Eleonora Binando - Canto: Caterina Borruso, Roberta Garelli - Quinteto de arcos: Mihai Vuluta, Enrico Luxardo, Giulio Arpinati, Franco Mori, Michele Lipani - Coro do Teatro Po´tico Sinfˆnico de Mauro Ginestrone sob seq¨ˆncia do ¨Stabat Mater¨ de e o ue Jacopone da Todi musicado por Pergolesi - Regˆncia de Mauro Ginestrone e
  • 16. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 16 O texto retira passagens das cartas de Irm˜ Maria Celeste ao Padre Galileu e do dif´ trabalho a ıcil cient´ ıfico do grande astrˆnomo. Fala-se de Galileu e da terra que se move, do nosso mundo que n˜o ´ o o a e centro do universo, mas tamb´m da dificuldade que tˆm os pioneiros do livre pensamento em afirmar-se. e e Recordamos a figura da filha de Galileu, que o ajudou com o seu apoio nos momentos mais atormen- tados da existˆncia do pai. e Narramos nos seus particulares cotidianos a vicissitude de uma monja que foi sempre um degrau a mais sobre as outras: filha de tal pai, o compreende, e ainda que respeitasse a vida religiosa, o defende Falamos da abjura¸ao com a qual teve que sustentar um gˆnio como Galileu, de descobertas t´cnico- c˜ e e cient´ ıficas. Com um particular a mais: os pensamentos secretos de Irm˜ Maria Celeste, que deveria ter casado a e n˜o pode, porque era filha ileg´ a ` ıtima. As vezes retoma a raiva pelo pai, mas temperado por afeto e admira¸ao. c˜ Em todo caso, Galileu cientista permanece sempre homem, e como tal fal´ ıvel. S´bado 13 de outubro 21 hora, sala do conselho em Marentino a ARLEQUIM E A COR DO QUARK - De Marco Monteno - Com Oreste Valente, Simona Sola, Fanny Oliva. - m´sicas originais compostas e executadas por Gianni Santoro. u - Regˆncia de Maria Rosa Menzio e Haver´ uma festa em pal´cio, e a Rainha acabou de descobrir que os quark , componentes elementares a a da mat´ria, podem ser de v´rias cores. Ent˜o pede que Arlequim procure-lhe cores diferentes para pˆ-las em e a a o um vestido com o qual ela quer presentear sua filha a Princesa, por quem Arlequim est´ apaixonado, e que a quer ser sempre a mais elegante e fascinante. Arlequim vai ao mercado para comprar os quarks coloridos em uma vendedora de frutas que ´ tamb´m e e uma estudante de F´ısica e descobre que na realidade as ¨cores¨ dos quarks s˜o muito diferentes das cores que a vemos hoje em dia. Mas gra¸as a alguns cientistas do CERN Arlequim conseguir´ seu intento de contentar c a a Rainha pelo presente. Na festa, depois, Arlequim descobre que a vendedora de frutas est´ entre as convidadas e inicia a a cortej´-la. a S´bado, 20 de outubro, as 21hs, Igreja dos Bat` de Pecetto a ` u FICASTE LOUCO - De Roberta Decio. - Vozes recitantes: Oreste Valente, Simona Sola, Maria Rosa Menzio - Arcos: Marco Mosca, Gualtiero Marangoni - M´sicas de Mozart, Eccles, Bach, Bizet, Saint-Saens. u - Regˆncia de Maria Rosa Menzio e O n´mero dez vai ao analista porque sofre pelas cont´ u ınuas brigas entre as cifras que o comp˜em: o o zero e o um. Um texto que faz as contas com o infinito e a teoria dos n´meros: sob a aparente facilidade u de escritura que mant´m acesa, al´m da matem´tica, tamb´m a chama de ciˆncias menos duras como a e e a e e psicologia ou at´ mesmo a filosofia, do ¨C´digo de Salem¨ do s´culo XII, com os seus sacros mist´rios. e o e e E depois existem a senhora 13 e o senhor 17 do consultor matrimonial, com toda uma s´rie de ane- e dotas sobre estes n´meros, e os seus filhos 2 e 3 e os gˆmeos 5 e 7. Um texto hilariante, que ajuda a uma u e melhor compreens˜o da aritm´tica em veste culta e cˆmica juntas. a e o S´bado 27 de outubro as 21h00, Planet´rio de Pino Torinese a a LUZIAM AS ESTRELAS - De Maria Rosa Pant´ e - Voz de Lina Bernardi, dire¸ao musical Claudio Fenoglio c˜ - M´sicas de Verdi, Rossini, Leoncavallo u - Regˆncia de Mauro Ginestrone e
  • 17. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 17 Marina Gamba, a mulher que amou Galileu nos anos Padovanos (passados na cidade de P´dua), a aqueles que ele definiu os mais belos da sua vida, conta a sua est´ria de amor. Ao enamorar-se subitamente o pelo jovem cientista, o seguiu na vida e nos estudos, deu-lhe juventude, amor e trˆs filhos, sem, por´m con- e e seguir casar com ele. Assim quando ele decidiu voltar a Floren¸a ela parou de segui-lo. ¨Tudo come¸ou com a luneta e ` c c tudo acabou com a luneta¨. O grande cientista ´ retratado pela otica particular da sua mulher, bel´ e ´ ıssima, mas iletrada, que, concreta e ligada a terra, n˜o obstante tudo, pelo amor dele, se apaixonou por astronomia. a A mulher que foi a Musa de Galileu, de quem ningu´m soube mais nada. e (*) Os textos sobre N´meros e Quark s˜o publicados no apˆndice de ¨Tigres e Teoremas¨ de u a e M.Rosa Menzio, editor Springer-Verlag, o texto ¨Luziam as estrelas¨ foi publicado por Manni em ¨N´s que n˜o fomos Musas¨. o a UNIONE COLLINA TORINESE Per il PROGETTO ¨TEATRO & SCIENZA¨ Presenta la RASSEGNA ¨CLASSICA & SCIENZA¨ Dopo il successo dei suoi due ultimi libri, uno di drammi teatrali e l´altro un saggio con finalit` a didattiche,MARIA ROSA MENZIO prosegue il Progetto ¨Teatro & Scienza¨ che ha quest´anno una particolarit`: l´accompagnamento musicale. a Musica per il Teatro e la Scienza: Maria Rosa Menzio propone quest´anno un´ardita Rassegna come crocevia espressivo fra teatro, musica e scienza. Avremo quindi voci recitanti, musica classica dal vivo, e scienza. Nel caso di ¨Carteggio celeste¨, testo di punta della Rassega, ci avvaliamo anche di cantanti lirici e di un coro. Mettiamo sul palcoscenico la diffusione della scienza, la voce umana e quella degli strumenti dal vivo: chitarra con musiche originali per il testo sulla Fisica delle particelle elementari, archi con musiche di Mozart e altri per il testo sulla Matematica e ancora archi con musiche di Pergolesi per ¨Carteggio celeste¨ che affronta anche il tema della Rivoluzione Galileiana, violoncello con musiche di Verdi, Rossini, Leoncavallo per il testo ¨Lucean le stelle¨ sulla donna di Galileo. La Rassegna inizia quindi con Galileo secondo la figlia (lettere, vere o pensate, fra il grande scien- ziato e sua figlia, con la condanna e l´abiura) e termina con Galileo secondo la sua donna (e la diffusione del telescopio), in mezzo vi sono i testi sui costituenti elementari del pensiero e del mondo: i numeri primi (costituenti basilari dell´Aritmetica) e le particelle elementari (costituenti basilari della Materia). Ci teniamo a precisare questo: come si dice che Chopin ripetesse ai suoi allievi la frase ¨con facilit`¨ a perch´ l´ artista non deve mostrare al mondo la fatica che gli costa suonare, ebbene noi vorremmo che il e grande lavoro fatto per unire insieme campi cos` (apparentemente) distanti non fosse percepito dagli spetta- ı tori, ma che essi ne gustassero solo l´armonia, appunto, con... lievit`. a Riteniamo che la diffusione della scienza passi attraverso modalit` espressive diverse, e che la crisi a di vocazioni scientifiche in atto in tutta Europa sia anche dovuta al modo arido e faticoso che i docenti a volte impiegano per insegnarla. Vorremmo dare una svolta che si imprimesse in modo indelebile nella mente degli spettatori. Facciamo solo un esempio: la semplicissima frase ¨la Terra non gira¨ detta dall´Inquisitore a Galileo pare banale se letta a freddo, in un trattato, ma se la si immagina detta su una scena teatrale, per di pi` accompagnata da musica classica, ecco allora che si pu` riproporre per il ¨teatro scientifico¨ quello u o che accadeva un secolo fa per la Lirica, quando anche le sartine e gli operai andavano a teatro e uscendo cantavano le arie appena udite. Ecco ora il sunto dei quattro spettacoli teatrali.
  • 18. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 18 Venerd` 5 ottobre, ore 21, teatro di Pino Torinese ı CARTEGGIO CELESTE Di Maria Rosa Menzio Voci recitanti: Nino Bernardini, Eleonora Binando, Canto: Caterina Borruso, Roberta Garelli Quintetto d´archi: Mihai Vuluta, Enrico Luxardo, Giulio Arpinati, Franco Mori, Michele Lipani Koro del Teatro Poetico Sinfonico di Mauro Ginestrone su sequenze dello ¨Stabat Mater¨ di Jacopone da Todi musicato da Pergolesi Regia di Mauro Ginestrone Il testo trae spunto dalle lettere di Suor Maria Celeste al padre Galileo e dal difficile iter scientifico del grande astronomo. Si parla di Galileo e della terra che si muove, del nostro mondo che non ` il centro e dell´universo, ma anche della difficolt` che hanno i pionieri del libero pensiero ad affermarsi. Ricordiamo la a figura della figlia di Galileo, che lo aiut` col suo appoggio nei momenti pi` travagliati dell´esistenza del padre. o u Narriamo nei particolari quotidiani la vicenda di una monaca che fu sempre un gradino pi` su delle u altre: figlia di tale padre, lo comprese, e pur nel rispetto della vita religiosa, lo difese. Parliamo dell´abiura cui dovette sottostare un genio come Galileo, di scoperte tecnico-scientifiche. Con un particolare in pi`: i u pensieri segreti di Suor Maria Celeste, che avrebbe voluto sposarsi e non pot´, perch´ figlia illegittima. A e e volte torna l´astio per il padre, ma temperato da affetto e ammirazione. In ogni caso, Galileo scienziato resta sempre uomo, e come tale fallibile. Sabato 13 ottobre ore 21, sala consiliare a Marentino ARLECCHINO e il COLORE DEI QUARK Di Marco Monteno con Oreste Valente, Simona Sola, Fanny Oliva. musiche originali composte ed eseguite da Gianni Santoro Regia di Maria Rosa Menzio Ci sar` una festa a palazzo, e la Regina ha appena scoperto che i quark, componenti elementari a della materia, possono essere di vari colori. Allora chiede ad Arlecchino di procurargliene di colori diversi per metterli su un abito che vuol regalare a sua figlia, la Principessa, di cui Arlecchino ` innamorato, e che vuol e sempre essere la pi` elegante e fascinosa. Arlecchino va al mercato per comprare i quark colorati, li chiede a u una fruttivendola che ` anche una studentessa di Fisica e scopre che in realt` i ¨colori¨ dei quark sono assai e a diversi dai colori che vediamo ogni giorno. Ma grazie ad alcuni scienziati del CERN Arlecchino riuscir` lo a stesso ad accontentare la Regina per il regalo. Alla festa, poi, Arlecchino scopre che la Fruttivendola ` fra le e invitate e inizia a corteggiarla... Sabato 20 ottobre, ore 21, Chiesa dei Bat` di Pecetto u DIAMO I NUMERI Di Roberta Decio Voci recitanti: Oreste Valente, Simona Sola, Maria Rosa Menzio. Archi Marco Mosca, Gualtiero Marangoni Comparse Marco Ba` , Serena Mazzarello, Giuseppina Mittica, Camilla Belliti u Musiche di Mozart, Eccles, Bach, Bizet, Saint-Saens Regia di Maria Rosa Menzio Il numero dieci va in analisi perch´ soffre per i continui litigi fra le cifre che lo compongono: lo zero e e l´uno. Un testo che fa i conti con l´infinito e la teoria dei numeri: sotto l´apparente facilit` di scrittura a cova, oltre alla matematica, anche il fuoco di scienze meno dure come la psicologia o addirittura la filosofia, dal ¨Codice di Salem¨ del secolo XII, con i suoi sacri misteri. E poi ci sono la signora 13 e il signor 17 dal consulente matrimoniale, con tutta una serie di aneddoti sui numeri, e i loro figli 2 e 3 e i gemelli 5 e 7... un testo esilarante, che aiuta a una migliore comprensione dell´aritmetica in veste colta e comica insieme.
  • 19. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 19 Sabato 27 ottobre ore 21, Planetario di Pino Torinese LUCEAN LE STELLE Di Maria Rosa Pant` e Voce di Lina Bernardi, direzione musicale Claudio Fenoglio Musiche di Verdi, Rossini, Leoncavallo Regia di Mauro Ginestrone Marina Gamba, la donna che am` Galileo negli anni padovani, quelli che lui defin` i pi` belli della sua o ı u vita, racconta la sua storia d´amore. Innamoratasi subito del giovane scienziato, lo segu` nella vita e negli ı studi, gli diede giovent`, amore e tre figli, senza per` riuscire a farsi sposare. Cos` quando lui decise di tornare u o ı a Firenze lei smise di seguirlo. ¨Tutto inizi` con il cannocchiale e tutto fin` con il cannocchiale¨. Viene ritratto o ı il grande scienziato dall´ottica particolare della sua donna, bellissima ma illetterata, che, concreta e legata alla terra, nonostante tutto, per amore di lui, si appassion` all´astronomia. La donna che fu la Musa di Galileo, di o cui nessuno seppe pi` nulla. u I testi su Numeri e Quark sono pubblicati in appendice a ¨Tigri e Teoremi¨ di M. Rosa Menzio, editore Springer-Verlag, il testo ¨Lucean le stelle¨ ` pubblicato da Manni in ¨Noi che e non fummo Muse¨
  • 20. Proposta: O Uso do Teatro na Aula de Matem´tica, Nascimento, J.B, Universidade Federal do Par´ a a 20 RODRIGUEZ NETO ˆ A VIOLENCIA TRAGA UMA ESPERANCA ¸ ¨E ovento vai levando tudo embora¨ Legi˜o Urbana(Grupo musical), Vento no Litoral a Era assim que Benedito Lima Rodrigues Neto, assassinado em 18/04/2008, Ananindeua-Pa, assinava os seus trabalhos cˆnicos. Mais sempre o chamamos, quando aluno e do curso de matem´tica da UFPa, de NETO. E, parafraseando dito j´ bem comum nessa a a ´poca t˜o cruenta, tempos terr´ e a ıveis passa o educacional quando os mestres sepultam os seus ex-alunos. Preciso ainda dizer que universidade p´blica, falo pelas que conhe¸o, ´ uma maravilhosa u c e festa. Mais ainda para quem apenas fica sentado e come o bolo do jeito que for servido. J´ a para quem sentir algum gosto de terra e/ou um pouco de sujeira no fundo do prato, nada ser´ simpl´rio. Mesmo que s´ deseje lavar um pouco algum prato para o pr´ximo convidado a o o o ser um pouco melhor servido. Neto n˜o ficou sentado. Pelo contr´rio, levantou-se, encenou, deu vida e gritou como a a jamais soube ter ocorrido no curso de matem´tica. O que disso assimilaram ´ uma hist´ria a e o da educa¸ao com poucas letras ainda. c˜ Seguramente, registro, ´ desse momento que veio a primeira ideia de alinhar, de fato e realinhar, posto que teatro sempre foi um grande instrumento de educa¸ao, o teatro dentro c˜ de uma metodologia do ensino da matem´tica. Porquanto, tempos depois produzi e muitos a aperfei¸oaram, como constam em www.cultura.ufpa.br/matematica/?pagina=jbn, o embri˜o c a do projeto, que ´ p´blico e dispon´ no link: O uso do Teatro na Aula de Matem´tica. Esse ´ e u ıvel a e a parte mais simples de tudo. Nisso, n˜o quero dizer que tudo j´ feito ´ pouco, pelo contr´rio, a a e a ´ imenso, mas s˜o os problemas que assolam o ensino da matem´tica no Brail quem s˜o e a a a assustadoramente dram´ticos. a Entretanto, a parte mais vigorosa na consolida¸ao do projeto ainda ´ sonho por precisar c˜ e quebrar preconceitos, transpor para dentro das salas de aulas e referenciar melhoras signi- ficativas. Para tanto, sempre prescindiu de um talento do n´ que Neto sempre teve, e de ıvel sobra. Sua dupla forma¸ao, graduado em matem´tica e p´s-graduado em teatro, sempre o fez c˜ a o uma esperan¸a s´lida. Afinal, foi ele mesmo quando de passagem pelo curso de matem´tica c o a da UFPa quem fomentou tudo. E, finalmente, espero que essa trag´dia que atingiu Rodriguez Neto sirva para todos e refletirem o quanto violˆncia, venha de onde vier, pessoal ou institucional, ´ uma praga que e e infesta mentes e cora¸oes, destr´i vidas, sonhos, faz da loucura uma bela normalidade e do c˜ o normal a mais patente loucura. S´ que assim, nossas vidas n˜o s˜o mais que sopros de ventos, o a a formando tempestade que vare e apaga todo tra¸o de hist´ria; faz-nos entes ocos apenas. c o Assina: Prof. Jo˜o Batista do Nascimento- Inst. Mat. UFPa a ˆ ˆ OUTRAS REFERENCIAS EM TEATRO & CIENCIA & ARTES - www.seara.ufc.br/atividades.htm - www.arteciencianopalco.com.br/ - www.ciafabuladafibula.com.br/monocordio/ - http://teatrotrindade.inatel.pt/html/progrm.html - www.ouroboros.rg3.net - http://membros.aveiro-digital.net/pinto/ - www.rc.unesp.br/igce/pgem/gpimem.html - www.fe.usp.br/laboratorios/labrimp/cullt.htm - www.tvcultura.com.br/artematematica/home.html - www.artenaescola.org.br/index.php - www.cotas.net/aprendizaje/default.asp - IMPAES - Instituto Minidi Pedroso de Arte e Educa¸ao Social, http://www.impaes.org/ c˜ - http://www.teatrodetabuas.com.br/teste/index teatro.html - www.art-bonobo.com/peticov/antoniopeticov.html - V´ a ¨Brasil e a sua Arte¨ em http://blogarte2008.wordpress.com/2009/02/04/arte-brasileira/#comment-1645 ıdeo - Prof . Jurema Sampaio - http://www.jurema-sampaio.pro.br/segunda.htm - METODOLOGIAS DO ENSINO DE TEATRO, Ricardo Ottoni Vaz Japiassu, www.educacaoonline.pro.br/ in- dex.php?option=com content&view=article&id=24:metodologias-do-ensino-de-teatro&catid=4:educacao&Itemid=15