Módulo 3 (Educação 3)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Módulo 3 (Educação 3)

on

  • 6,751 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,751
Views on SlideShare
6,534
Embed Views
217

Actions

Likes
0
Downloads
29
Comments
0

9 Embeds 217

http://g2025.blogspot.com 145
http://g2025.blogspot.com.br 54
http://www.slideshare.net 12
https://www.mturk.com 1
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://www.blogger.com 1
http://g2025.blogspot.pt 1
http://g2025.blogspot.it 1
http://g2025.blogspot.fr 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Módulo 3 (Educação 3) Presentation Transcript

  • 1. Taxa de matrícula e de escolarização
    • A taxa de matrícula permite relacionar o número de matriculados e a população. É mais usada para países. Em municípios (e também em Estados), pode acabar distorcida por pessoas que moram em uma cidade, mas estão matriculadas em outra.
    • Para municípios e unidades da Federação, usa-se mais a taxa de escolarização (ou de frequência) , que leva em conta o número de moradores que estudam, independentemente do local.
    • Há dois tipos: taxa bruta (usada para o cálculo do subíndice de educação do IDH e do IDH-M) e taxa líquida (principal indicador do segundo Objetivo do Milênio).
  • 2. Taxa líquida
    • Taxa líquida de matrícula (ou taxa de frequência líquida): indica qual proporção de pessoas de uma determinada faixa etária estuda no nível de ensino oficialmente correspondente a essa faixa etária. Por exemplo: percentual de pessoas de 15 a 17 anos estudando no ensino médio, em relação à população nessa faixa etária.
  • 3. Taxa bruta
    • Taxa bruta de matrícula (ou taxa de freqüência bruta): mede o total de estudantes em determinado nível de ensino, independentemente da idade, em relação à população na faixa etária oficialmente correspondente a esse nível. Por exemplo: total de estudantes no ensino fundamental como porcentagem da população de 6 a 14 anos.
  • 4. Atendimento População determinada (7 a 14 anos) Nível de ensino indeterminado (todos os níveis) Atendimento População determinada (7 a 14 anos) Nível de ensino indeterminado (todos os níveis) Matrícula bruta População indeterminada (todas as idades) Nível de ensino determinado (ensino fundamental) Atendimento População determinada (7 a 14 anos) Nível de ensino indeterminado (todos os níveis) Matrícula bruta População indeterminada (todas as idades) Nível de ensino determinado (ensino fundamental) Matrícula líquida População determinada (7 a 14) Nível ensino determinado (EF) Matrícula líquida População determinada (7 a 14) Nível ensino determinado (EF) Atendimento População determinada (7 a 14 anos) Nível de ensino indeterminado (todos os níveis) Matrícula bruta População indeterminada (todas as idades) Nível de ensino determinado (ensino fundamental) 7 a 14 anos População - todas as idades Matrículas - todos os níveis EF EF População - todas as idades 7 a 14 anos Matrículas - todos os níveis EF 7 a 14 anos População - todas as idades Matrículas - todos os níveis 7 a 14 anos População - todas as idades EF Matrículas - todos os níveis 7 a 14 anos EF Ensino fundamental 7 a 14 anos Matrículas - todos os níveis População - todas as idades
  • 5. Atendimento menos Matrícula líquida = 6,6% das crianças de 7 a 14 anos está fora do nível adequado Atendimento menos Matrícula líquida = 6,6% das crianças de 7 a 14 anos está fora do nível adequado Matrícula líquida = 89,8% (PNUD/IBGE 2000) População de 7 a 14 anos que está matriculada no ensino fundamental Matrícula bruta = 124,6% (PNUD/IBGE 2000) População de todas as idades matriculada no ensino fundamental Atendimento = 94,5% (PNUD/IBGE 2000) População de 7 a 14 anos que está matriculada em qualquer nível de ensino Atendimento = 94,5% (PNUD/IBGE 2000) População de 7 a 14 anos que está matriculada em qualquer nível de ensino EXEMPLO Atendimento = 96,4% (INEP/IBGE 2000) População de 7 a 14 anos que está matriculada em qualquer nível de ensino Atendimento menos Matrícula líquida = 6,6% das crianças de 7 a 14 anos está fora do nível adequado Matrícula bruta menos Matrícula líquida = 34,8% dos alunos do ensino fundamental está fora da idade adequada
  • 6. Taxa bruta – Atenção
    • A taxa bruta pode ser maior que 100%, pois o total de estudantes pode superar a população com idade adequada a determinado nível de ensino.
    • Isso ocorre quando há alunos mais velhos cursando um nível de ensino inferior – um aluno de 16 anos freqüentando a 7 a série, por exemplo.
    • Ou seja, uma taxa superior a 100% indica um problema, não um bom resultado.
  • 7. Taxa de freqüência – onde buscar dados
    • Os dados de 1991 e 2000 (para municípios, unidades da Federação e país) podem ser encontrados no Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil.
    • A Pnad traz informações mais novas sobre taxa líquida de freqüência do país, das Grandes Regiões e dos Estados.
  • 8. No site do IBGE, clique em “População” e, depois, “Síntese dos Indicadores Sociais”.
  • 9. Em seguida, vá em “Tabelas (em formato zip)”.
  • 10. Clique em “Educação.zip” e abra a pasta.
  • 11. As informações sobre taxa de frequência líquida estão na tabela 208.
  • 12. Há informações apenas para ensino fundamental e médio.
  • 13. Fluxo escolar
    • As taxas de matrícula ou de escolarização retratam uma situação estanque. Vamos verificar alguns indicadores que refletem o avanço do aluno ao longo do período escolar.
  • 14. Taxas de rendimento
    • Os indicadores de rendimento mostram o que aconteceu com um aluno no ano letivo.
    • Aprovação : indica que o aluno está apto a cursar a série seguinte
    • Reprovação : indica que o aluno não está apto a cursar a série seguinte
    • Abandono : indica que o aluno deixou de ir à aula durante o ano letivo.
    • As três taxas, somadas, devem ser igual a 100%.
  • 15. Taxas de transição
    • As taxas de transição levam em conta o destino do aluno no ano seguinte.
    • Taxa de promoção : percentual de alunos que, após serem aprovados, matricularam-se na série seguinte.
    • Repetência : percentual de alunos que se matricularam na mesma série em que estavam no ano letivo anterior.
    • Evasão : percentual de alunos que estavam matriculados no início do ano anterior mas que não se matricularam em série alguma no ano seguinte.
    • As três taxas, somadas, devem ser iguais a 100%.
  • 16. As taxas de rendimento e de transição estão no Edudata. No menu à esquerda, clique em “Indicadores”. Depois, em “Eficiência e Rendimento Escolar”; em seguida, em “Taxas de Rendimento” ou “Taxas de transição”. Vamos fazer o exercício para as de rendimento.
  • 17. Na tabela, você pode selecionar os indicadores (taxa de aprovação, de reprovação e de abandono) e outras especificações. Neste exercício, vamos verificar o desempenho nos três indicadores, desde 2000, dos alunos do fundamental. Após a seleção, clique em “Abrangência Geográfica”.
  • 18. É possível obter indicadores para o Brasil, por região, unidade da Federação ou, em uma aba à parte, por município. Vamos obter as informações por unidade da Federação, selecionando todas elas. Clique em seguida em “Gerar Relatório”.
  • 19. Os dados podem ser vistos no próprio site ou em planilha eletrônica.
  • 20. Os dados são apresentados por ordem de ano.
  • 21. Defasagem escolar
    • As reprovações (por desempenho ou por abandono) ou a entrada tardia na escola acabam fazendo com que alguns alunos estudem em séries não adequadas para sua faixa etária. A isso se chama de distorção idade-série.
  • 22. Defasagem escolar
    • Para o ciclo de 1ª a 4ª série do ensino fundamental, a idade esperada é de 7 a 10 anos (com as 9 séries, o primeiro ciclo vai abrigar alunos com idade esperada de 6 a 10 anos).
    • Para o ciclo entre a 5ª e a 8ª série, a idade esperada é 11 a 14 anos.
    • Para o ensino médio, de 15 a 17 anos.
  • 23. Defasagem escolar – onde buscar dados
    • As informações podem ser encontradas no Edudata.
    • http://www.edudatabrasil.inep.gov.br/
  • 24. Clique em “Indicadores”, depois “Eficiência e Rendimento Escolar”, depois “Distorção idade-série”.
  • 25. Vamos selecionar todos os anos e ensino médio.
  • 26. Em “Abrangência Geográfica”, vamos desta vez ficar apenas com Brasil. Essa opção já vem pré-selecionada. Basta, portanto, clicar em “Gerar Relatório”.
  • 27. Escolha obter os dados em html ou Excel.
  • 28. É possível verificar que a distorção tem diminuído. Em 2006, por exemplo, 44,9% dos alunos do ensino médio estavam numa série não adequada a sua idade.
  • 29. Evasão
    • O indicador de defasagem aborda as pessoas que permanecem na escola.
    • Também é importante levar em conta os que desistiram de estudar. Uma variável nessa área é a taxa esperada de conclusão – quantas pessoas se matriculam na 1 a série e conseguem chegar até a 8 a , por exemplo, e quantas saem da escola antes. O Edudata também tem essa informação.
  • 30. O caminho é semelhante ao dos indicadores anteriores. É preciso selecionar “Produtividade – Fluxo Escolar” e “Taxa média esp de conclusão”.
  • 31. Tempo de conclusão
    • Outro indicador nessa área é o tempo que o estudante leva para concluir determinado curso. No melhor cenário, esse tempo seria igual ao número de séries: oito anos no ensino fundamental (nove, com a mudança da idade de início do ensino fundamental) e três no ensino médio. Mas não é o que acontece.
    • Os indicadores estão no Edudata.
  • 32. O caminho é o mesmo. Neste exercício, vamos selecionar ensino fundamental e os anos de 2000 a 2005. A abrangência geográfica será o Brasil.
  • 33. Pode-se verificar que, nas condições vigentes em 2005, um aluno matriculado naquele ano na 1 a série do fundamental demoraria, em média, 10 anos para concluir esse nível de ensino.