Migracoes1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
9,937
On Slideshare
9,659
From Embeds
278
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
371
Comments
0
Likes
6

Embeds 278

http://hgprecursos.no.sapo.pt 235
http://www.slideshare.net 42
http://lumeear.blogspot.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MIGRAÇÕES
  • 2. CANTAR DE EMIGRAÇÃO Este parte Aquele parte E todos, todos se vão. Galiza, ficas sem homens Que possam cortar teu pão Tens em troca Órfãos e órfãs Tens campos de solidão Tens mães que não têm filhos Filhos que não têm pais Coração Que tens e sofre Longas horas mortais Viúvas de vivos mortos Que ninguém consolará Adriano Correia de Oliveira A História da emigração portuguesa acompanha a História de Portugal a partir do século XV. No início dos anos 60, em especial a partir de1962/ 1963, a emigração começa a dirigir-se para a Europa, com grandes repercussões nos domínios social, económico e demográfico da sociedade portuguesa.
  • 3. A França e a Alemanha passaram a constituir o destino prioritário dos emigran-tes portugueses. Factores como o fraco nível de vida, as situações de desemprego e subemprego, a repulsa sentida por muitos jovens, sujeitos ao serviço militar obrigatório, em irem para a guerra colonial, a falta de liberdade de expressão (Portugal vivia, então, numa ditadura) fizeram com que muitos se vissem obrigados a deixar os seus familiares e partir.   Dos anos 60 aos 70 grande parte dos emigrantes abandonava o país clandestinamente. Por exemplo, cerca de 50% dos emigrantes entrados em França eram clandestinos. A viagem clandestina fazia-se muitas vezes ao cair da noite, a sonhar com o paraíso em França. Era preciso ultrapassar montanhas, rios... Com muito esforço, lá continua-vam.
  • 4. Em 1990 registavam-se em França um total de 798.837 pessoas de origem portuguesa (603 686 mil haviam nascido em Portugal  e 195 151 em França). A maioria destes emigrantes está hoje bem integrada na sociedade francesa, tendo uma crescente influência política.   Todavia, nem sempre foi assim. Em 1967, os portugueses viviam, nos arredores de Paris, nos chamados bidonvilles (bairros de lata). No mais famoso destes bairros, Champigny, residiam aproxima-damente 14.025 portugueses. Foi, durante cerca de 10 anos, centro de distribuição destes trabalhadores para toda a França. Por esta razão também se chamou a este bairro (hoje quase desaparecido), “a Capital dos portugueses em França".
  • 5. Actualmente, Portugal também é país de acolhimento, de imigrantes. Estima-se que, dos estrangeiros residentes em Portugal, cerca de 55% tenham origem em países da Comunidade de Países da Língua Portuguesa (CPLP), 28% em países da União Europeia e 11% em países da América do Sul. Ainda que a imigração proveniente de países asiáticos e de países europeus não comunitários tenha crescido de forma expressiva, o seu peso no total da população estrangeira legalmente residente em Portugal aproxima-se, respectivamente, de 5 e de 4%. Portugal também é país de acolhimento
  • 6. Imigrantes em Lisboa estabelecem em plena rua, os seus "contratos" de trabalho com exploradores de mão-de-obra clandestina.  As condições de vida de muitos imigrantes, residentes, hoje, em Portugal, não são melhores do que as dos nossos emigrantes em vários países europeus. Muitos também cá chegam clandes-tinamente.   Afinal, todos somos imigrantes!
  • 7.
    • Aos movimentos de pessoas de uma região para outra chamamos MIGRAÇÕES . São internas quando ocorrem dentro de um mesmo país e externas quando se dão de um país para outro; daí o facto de existir:
    • - emigração: a saída da população de um lugar;
    • - imigração: a entrada ou chegada de estrangeiros num lugar.
  • 8.
    • As migrações podem ter diversas causas:
    • Naturais: devido à ocorrência de catástrofes naturais (sismos, vulcões, …) muitas pessoas deslocam-se para outros países.
  • 9. Económicas: As razões económicas são as que levam um maior número de pessoas a emigrar. Taxas de desemprego elevadas conduzidas pela forte pressão demográfica nos países mais pobres. Políticas: A falta de liberdade e a repressão de alguns regimes políticos levaram (e levam) também algumas pessoas a abandonarem os seus países. São muitos os cubanos que querem sair do seu país em busca de uma vida melhor.
  • 10. R eligiosas: Apesar de na actualidade não serem muito frequentes as perse-guições religiosas são uma realidade em alguns países provocando emigra-ções em massa. Étnicas: Por último as rivalidades étnicas são outra das causas da emigra-ção. Bósnia-Herzegovina
  • 11. Consequências das migrações Consequências negativas para os países de chegada: Consequências negativas para os países de partida:
    • Aumento da criminalidade e da delinquência.
    • Problemas habitacionais que levam à proliferação de bairros de lata e de bairros clandes-tinos.
    • Aumento das taxas de desem-prego.
    • Problemas agravados de racismo, xenofobia e discrimi-nação.
    • Perda de mão-de-obra com plena capacidade produtiva.
    • Diminuição das taxas de natali-dade.
    • Desequilíbrio entre os sexos, já que a maior parte dos emigrantes é formada por homens.
    • Envelhecimento da população.
    Consequências negativas
  • 12. Consequências positivas das migrações Consequências positivas para os países de chegada:
    • Rejuvenescimento da população
    • Aumento da natalidade
    • Aumento da disponibilidade de mão-de-obra.
    • Aumento dos salários
    • Difusão de novas ideias
    • Entrada de divisas
    • Concentração fundiária, porque os agricultores que migram acabam por vender as suas explorações agrícolas.
    Consequências positivas para os países de partida:
  • 13. Referências:
    • www.museu-emigrantes.org/viagem-franca.htm
    • http://imigrantes.no.sapo.pt/
    • http://www.presidencia.pt/?id_categoria=24&id_item=1743
    Trabalho realizado por João Pessoa e Silva, 8º E