A Bela História de  Cristovam
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A Bela História de Cristovam

on

  • 835 views

O discurso de um ex-Ministro da Educação na ONU sobre a Amazônia

O discurso de um ex-Ministro da Educação na ONU sobre a Amazônia

Statistics

Views

Total Views
835
Views on SlideShare
835
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A Bela História de  Cristovam A Bela História de Cristovam Presentation Transcript

  • A bela história de Cristovam
  • Cristovam Buarque teve menos de 3% dos votos válidos, o que deveria colocá-lo na condição de um inexpressivo candidato. Mas é um vencedor.
  • Venceu, inicialmente, porque foi o primeiro candidato presidencial em toda a história do Brasil a colocar a educação como a prioridade das prioridades.
  • Durante toda a campanha, bateu na mesma tecla, apesar de saber que isso lhe faria parecer chato.
  • Disse o que acreditava; e, diga-se, não é uma invenção de campanha, afinal ele sempre acreditou na educação como uma chave para o desenvolvimento nacional.
  • Está na sua biografia ter sido um dos principais criadores de uma das melhores idéias sociais brasileiras, a bolsa-escola.
  • Venceu, também, porque ele está navegando em uma onda contemporânea, que, com a eleição, lhe deu visibilidade e o fez recuperar o desgaste de ter sido ministro de Lula, demitido por telefone.
  • Cristovam se apresentou como defensor de um projeto não apenas viável mas indispensável para o país.
  • Com seus 3%, que significam cerca de 2,5 milhões de votos, ele apenas adiantou o que, mais cedo ou mais tarde, um presidente terá de fazer se quiser mesmo tirar o Brasil da indigência mental e da pobreza material.
  • Ter idéias, e lutar, e ficar sozinho por elas talvez não renda votos.
  • Mas dá uma bela história.
  • Já é uma coisa neste país de gente com muitos votos, poucas idéias --e quase nenhuma história.
  • Texto de Gilberto Dimenstein
  • Apresentação por Renato Cardoso
  • www.vivendobauru.com.br