Concurso poesia na corda 2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Concurso poesia na corda 2010

on

  • 832 views

 

Statistics

Views

Total Views
832
Views on SlideShare
828
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideshare.net 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Concurso poesia na corda 2010 Concurso poesia na corda 2010 Presentation Transcript

  • Vamos salvar o mundo Com as minhas mãos Uma bolota eu apanhei E com muito carinho Num vasinho a coloquei! Com as minhas mãos Eu a reguei E num belo dia Um rebento encontrei! Com as minhas mãos Eu quero um dia abraçar Um sobreiro alto e forte Para o Mundo salvar! Poesia colectiva – Alunos do 1º Ano, EB1 de Casaldelo
  • Natureza A natureza é muito bela Bela é a terra quando está verde Verde estão as àrvores na Primavera Primavera é uma estação do ano Ano é um período de doze meses Meses de Outono são meses de colheitas Colheitas fazem-se às uvas, castanhas, nozes Nozes são os frutos da nogueira Nogueira é uma das plantas que enriquece a natureza Natureza convida as pessoas a passear Passear pelos campos da saúde Saúde é um bem precioso Precioso é o mar que nos dá peixes Peixe é apanhado pelos corajosos pescadores Pescadores arriscam a vida para que possam comer Inês Raquel C.F.M. Silva
  • O Amor O Amor é O melhor, Há em todo o Meu redor. O Amor é Muito profundo, E há em todo O Mundo. O Amor não Se consegue parar, Pois ele está sempre A aumentar. O Amor passa por tudo, Até por um Homem mudo. O Amor nasce no Coração e até Amor há num Ladrão. O Amor está Espalhado pelo ar E ninguém o Consegue apanhar. O Amor não Tem fim e a Poesia acaba Aqui. Rafael Ferreira
  • A procura O menino triste e infeliz Para fugir da solidão Procura alguém especial Para o seu coração. Estende a sua frágil mão Para conquistar um amigo E eu com ternura Levo-o comigo. De mãos dadas e juntos O mundo vamos conquistar. Somos agora bem fortes Nada nos vai separar! Maria Inês Leal
  • Sentimentos O amor é uma panela O amor é uma colher de pau O amor é uma mistura De batatas com bacalhau. Amizade a somar Inimigos a subtrair Alegrias a multiplicar Tristezas a dividir. Tiago André Oliveira Resende
  • A Amizade A amizade está em todas as crianças está nos livros nas histórias na poesia até no coração dos que precisam de uma mão. A amizade não tem género número idade é um sentimento alegre e de pura sinceridade. A amizade é uma casa cheia de sons que se transforme numa suave melodia umas vezes palavras simples, outras gestos carinhosos. Umas vezes tristes, outras manhosos, mas quando é verdadeira é como a pedra e cal. Nuno Francisco Lima Gomes
  • O chapéu Todos os dias ao acordar Olho sempre para o céu Para ver se posso usar O meu bonito chapéu Afonso Alves Cunha
  • Na minha escola Toca a levantar, Toca a apressar, Um novo dia, Está a começar! Logo de manhã cedinho, Pegamos na cartola, Toca a campainha, Vamos para a Escola… Chega a professora, Fica tudo curtido, aprendemos a brincar, Foi um dia DIVERTIDO!... Filipa Carvalho Sousa Pinto
  • Os livros Sou bonito e variado Todos me adoram Gostam de me ler Folha, a folha me exploram. Quem sou, quem sou Tu vais adivinhar É muito fácil Não tem nada que enganar. Sou feito de uma árvore Mas com sabedoria Universal Sou aquele que se procura Na Biblioteca Municipal. Dou para rir e para chorar E também para adormecer Mas em todas as situações Tens interesse em me ver. Tenho tamanhos diversos Dou sempre algo para aprender Posso falar-vos em versos E em prosa também podia ser Já descobriste? Sim, sou o livro! Tenho boas instruções E vou estar sempre contigo. Beatriz Pinho Pereira
  • Teces a minha imagem com esse olhar abstracto Não me reconheço nessa figura que desenhas de mim Exibes-me em miragens que plantas em cada pedaço de terra que pisas Em cada pedaço de céu que deslumbras… Que seja tua essa figura e as tantas outras que crias Que sejam teus os toques de voracidade Os lábios de sede e envoltos do sangue que me sugaste Num beijo que não conseguias mais conter… Que seja tua a humidade que transpiro de prazer Cada vez que intimamente te refugias dentro de mim Sem me pedir permissão Compreendes aquilo que meus olhos consomem Aquilo que o meu interior deseja e flameja Eu pulso e expulso e absorvo tudo o que é prazer Que existe neste ar saturado de respiração e suor Saturado de um exorcismo de gritos ofegantes… Concede-me, dá-me à luz nesta cama Nestes lençóis molhados Nas paredes marcadas No chão que parece que não existe mais… Expõe o meu corpo para o teu Tortura-o com as tuas fantasias e os teus instintos Despe-o e observa-o com todos os sentidos Vem e pertence aos meus seios, às minhas coxas Aos meus lábios, ao meu ponto G
  • E despe-me dos limites, das noções, dos pudores… Possuis-me de repente E de repente me olhas Observas a minha vontade de chegar a ti A minha vontade de te tocar A minha volúpia em vulcão nos poros da minha pele E controlas-me com o teu olhar Atento nas minhas vontades Desnorteado para satisfazê-las. Abraças todo o meu corpo num beijo E percorres todos os seus caminhos Como se o viajasses pela primeira vez. Tu percorres-me, quase sem me tocar, Com um beijo lento e subtil Fico embebida na minha respiração Nos meus arrepios que tornas insaciáveis E depois desse instante que se Percorreu numa eternidade extasiante Tu agarraste o meu corpo E devoraste todo o meu ser como um lobo faminto Eu adorava cada pedaço carnal que saboreavas em mim… Senti-me a tua felina Nos gemidos, no toque, nos beijos selvagens e sensuais Cátia Freitas
  • Olhos negros Negros são teus olhos Pelos quais me apaixonei São presença nos meus sonhos Segredos que a ninguém contei. Passo noites a sonhar Nessa densa imensidão Envolto no teu negro olhar Guardado no meu coração. Não ocultes que me amas Sabes que todos o sentem No escuro por mim chamas Teus olhos negros não mentem. Tudo pode acontecer Ao embrenhar nessa escuridão Se teus olhos não puder ver De tão negros que são. Joaquim de Almeida
  • As Prateleiras Tudo parece estar certo, Arrumou-se a vida em prateleiras Cada coisa no seu devido lugar. Parece ou será realidade? A reflexão ausentou-se uns minutos E no íntimo uma satisfação incontida Deseja espraiar-se abundantemente Mas p’ra ti, que és Tu Gostaria de me revelar, De me dar Tu que ainda não estás em prateleira alguma Eu gostaria que nunca a tivesses E simultaneamente dar-te a melhor que arranjar Mas quando olho p’ra ti Tu és Tu quando não tens prateleira Quando o silêncio e um olhar são tudo. E as prateleiras?... A vida e a morte Nada e tudo, tudo e nada. Heini Bernmat
  • Fim de dia Fim de um dia atarefado Vou de regresso ao lar No autocarro apinhado Na hora de regressar Ainda que distraída Aprecio a paisagem Que aparece de fugida Na minha curta viagem De um alto da cidade Vislumbro longe o mar Reflectindo a claridade Do sol cadente a brilhar Quedo os olhos no poente E uma onda de calma Envolvo-me lentamente Dando paz à minha alma E fico, embevecida, Serena, a imaginar Como será outra vida Vivida p’ra além do mar. Lizete Gomes
  • Grandes obras O poder de Deus é impressionante; Homens e Mulheres têm levantado; Para sua obra constante; Dando conta do recado. Heróis de muitas maneiras; Deixam suas terras e lares; Partindo para terras estrangeiras; Fazendo as obras aos pares. Enfrentando, tempestades e marés; Sem nunca baixar os braços; Passando sempre através; Vencendo todos fracassos. Tomando grandes encargos; Contando com ajuda dos seus; Avançam a passos largos; Fazendo a obra de Deus. Atravessam montes e vales; Nada há que os impeça; Suportando todos os males; Até cumprir a promessa. Olhando estes gigantes; Me alegro em suas obras; Em apenas uns instantes; Dá para ver que não há sobras. Não somos todos iguais; Mas fazemos com amor; Uns menos, outros, mais; Para a Glória do Senhor. A cada um nos é dado; Uma tarefa diferente; Estamos do mesmo lado; Por isso vamos em frente. O que importa é cumprir a missão; É essa a vontade de Deus; Façamo-lo com gratidão; Porque Ele ama os filhos Seus. António Augusto de Almeida