O Modelo De Auto Ana Soares
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

O Modelo De Auto Ana Soares

on

  • 662 views

 

Statistics

Views

Total Views
662
Views on SlideShare
661
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 1

http://leituraseaventuras.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O Modelo De Auto Ana Soares Presentation Transcript

  • 1. Avaliação Externa das Escolas /IGEAuto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresCampos de análise de desempenho Tópicos descritores dos campos de análiseIndicadoresDomínios/Subdomínios Contexto e caracterização geral da escolaContexto físico e social®Qual o impacto, no funcionamento da escola, das características sociológicas dos diferentes núcleos populacionais onde se insere?®No caso, de Agrupamentos, existem diferenças relevantes para cada um dos estabelecimentos?Dimensão e condições físicas da escola®Como avalia a escola ou agrupamento a dispersão/concentração dos seus espaços escolares?(Nem sempre o professor bibliotecário está a tempo inteiro numa escola, o que traz implicações no trabalho do professor e para a BE)®Qual o impacto da diversidade de níveis de educação e de ensino ministrados, bem como do número de crianças/alunos e de grupos/turmas?®As instalações da escola apresentam um nível de qualidade e segurança adequado?®Há uma adequada diversidade dos espaços específicos?Caracterização da população discente®Como avalia o impacto do nível socioeconómico das famílias dos alunos (escolaridade e áreas profissionais predominantes nos encarregados de educação) no seu percurso escolar?Pessoal não docente®O número de funcionários não docentes e a sua distribuição por nível de ensino são adequados? E o seu vínculo?®Como estão organizadas as áreas funcionais administrativas e de suporte ao ensino e qual é a sua capacidade de resposta?®Que impacto têm os níveis de assiduidade dos funcionários não docentes na organização das actividades da escola?(nem sempre os níveis de assiduidade são positivos, os funcionários faltam bastante e não têm tarefas bem definidas)Recursos financeiros®O financiamento da escola é adequado? A escola tem sido capaz de, autonomamente, mobilizar recursos?®Como e quem ,na escola, define as opções orçamentais?D. Gestão da BED.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de direcção, administração e gestão da escola/agrupamento.D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.2.2. Adequação dos recursos humanos às necessidades de funcionamento da BE na escola/agrupamento.D.2.3 Adequação às necessidades de funcionamento da BE na Escola/Agrupamento, em termos de espaço.D.3. Gestão da colecção/da informaçãoD.3.1. Planeamento/gestão da colecção de acordo com a inventariação das necessidades curriculares e dos utilizadores da escola/agrupamento.2. O PROJECTO EDUCATIVO2.1. Prioridades e objectivos®Que prioridades estão subjacentes ao projecto educativo?®Que objectivos estabelece para as áreas mais relevantes?2.2. Estratégias e planos de acção®Que áreas priviligia a escola para o desenvolvimento educativo?®Que acções são desencadeadas e que relação têm com as prioridades do projecto educativo?®Como são envolvidas as diferentes estruturas e órgãos de administração e gestão e como são distribuídas responsabilidades?®Qual é a estratégia da escola para a formação contínua de docentes e não docentes em função do projecto educativo? A BE deverá colaborar com o Conselho Pedagógico, de forma, a se integrar no Projecto Educativo, regulamento interno e plano anual valorizando a sua articulação para que todos os docentes a valorizem, também.A leitura e a literacia deverão constar no Projecto Educativo e curricular, em articulação com a BE.O Projecto Educativo deverá valorizar a BE, anteriormente referido, o seu papel e estabelecendo estratégias e prioridades, de forma a colmatar dificuldades existentes.A Escola encontra na BE um recurso importante no gosto e desenvolvimento da leitura e aquisição de literacias, para a progressão nas aprendizagens e sucesso escolar.Os recursos e serviços da BE deverão dar resposta às metas e estratégias contempladas no Projecto Educativo.Apoio ao Desenvolvimento CurricularA.1.Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes.A.1.1. Cooperação da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica da escola/agrupamento.A.2. Promoção da Literacia da Informação, Tecnológica e DigitalA.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de informação da escola/agrupamento.B. Leitura e LiteraciaB.2. Integração da BE nas estratégias e programas de leitura ao nível da escola/agrupamento.B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias.D. Gestão da BED.1.1. Integração/acção da BE na escola/agrupamento.D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de direcção, administração e gestão da escola/agrupamento.D.1.3. Resposta da BE às necessidades da escola/agrupamento.3. A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA ESCOLA3.1. Estruturas de gestão®Como caracteriza o funcionamento das várias estruturas e órgãos da escola e o seu relacionamento?®Como caracteriza o funcionamento das estruturas de orientação e a abrangência da sua acção?Os órgãos de administração , gestão e departamentos curriculares deverão estabelecer estratégias que visem a articulação entre a BE e envolvem-se na procura de soluções que promovam o seu funcionamento.3.2. Gestão Pedagógica®Quais as opções de gestão pedagógica para a construção da equidade e da justiça, assegurando a integração de todos na comunidade educativa?®Como é feita a supervisão pedagógica e monitorizada dos resultados?®Como é assegurada a qualidade científica e pedagógica da actividade lectiva?®Como são apoiados os professores com dificuldades no desempenho das suas funções?3.3. Procedimentos de auto-avaliação institucional®Como é que a escola monitoriza e avalia a sua actividade e resultados?®Que agentes internos e apoios externos são envolvidos nos procedimentos de auto-avaliação institucional?Os resultados da auto-avaliação deverão ser divulgados junto dos órgãos de direcção, administração e gestão (conselho geral, director, conselho pedagógico), estruturas de coordenação educativa e de supervisão pedagógica, e da restante comunidade, com o objectivo de promover e valorizar as mais-valias da BE e de alertar para os pontos fracos do seu funcionamento. A auto-avaliação da escola deverá integrar os resultados da auto-avaliação da BE. D. Gestão da BED.1.1. Integração/acção da BE na escola/agrupamento.D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de direcção, administração e gestão da escola/agrupamento.D.1.4. Avaliação da BE na escola/agrupamento.4. LIGAÇÃO À COMUNIDADE4.1. Articulação e participação dos pais e encarregados de educação na vida da escola.®Que acolhimento e incentivo são proporcionados à participação dos pais e encarregados de educação na vida da escola e ao acompanhamento dos educandos?®Como caracteriza os índices de participação dos pais e encarregados de educação?A BE deverá promover a articulação da leitura com os diversos domínios curriculares, docentes , BM, pais e encarregados de educação.4.2.Articulação e participação das autarquias®Qual o nível de participação das autarquias na vida da escola?®Quais as áreas principais de cooperação?4.3.Articulação e participação das instituições locais – empresas, instituições sociais e culturais.®Qual o nível de participação das instituições locais na vida da escola?®Que áreas de cooperação são mais frequentes?As parcerias dentro e fora da escola seriam sempre de importância fulcral para o desenvolvimento e funcionamento da BE.Leitura e LiteraciaB.2. Integração da BE nas estratégias e programas de leitura ao nível da escola/agrupamentoProjectos Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à ComunidadeC.1. Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular.C.2.1. Envolvimento da BE em projectos da respectiva escola/agrupamento ou desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo.C.2.4. Estímulo à participação e mobilização dos pais/encarregados de educação no domínio da promoção da leitura e do desenvolvimento de competências das crianças e jovens que frequentam a escola/agrupamento.C.2.5. Abertura da BE à comunidade local.5. CLIMA E AMBIENTE EDUCATIVOS5.1. Disciplina e comportamento cívico®Que importância é atribuída à educação para a cidadania no projecto educativo?®Há situações graves de indisciplina ou violência? Como é que a escola as enfrenta?5.2. Motivação e empenho®Que formas de recepção e acolhimento dos alunos tem a escola instituídas?®Qual a estratégia de integração dos novos docentes?®De que meios de informação e comunicação dispõe a escola para a integração e o envolvimento da comunidade escolar?A BE deverá ser rentabilizada pelos docentes em todas as actividades de ensino, em parceria ou autonomamente.Deverá colaborar e produzir materiais de apoio a diferentes actividades( páginas de internet, guiões de pesquisa, …), assim como, divulgar materiais através de sites, blogs, plataformas…A BE deverá incluir actividades de formação de utilizadores no sentido de promover o seu valor e a sua importância para o sucesso educativo.Colaborar com os docentes nos guiões de pesquisa e outros materiais de apoio, informativos e de apoio à utilização adequada da internet.Os alunos deverão demonstrar compreensão pelos problemas éticos, legais e de responsabilidade social, no que diz respeito ao acesso, avaliação e uso da informação e das novas tecnologias.Os alunos poderão encontrar na BE um conjunto de propostas de actividades que visam a utilização criativa dos seus tempos livres, desenvolvendo o sentido estético, o gosto pelas artes, ciências e humanidades.Os alunos poderão usufruir da BE livremente adquirindo hábitos da sua utilização num clima de respeito e descontracção. Poderão utilizá-la individualmente ou em pequenos grupos.Apoio ao Desenvolvimento CurricularA.1. Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes.A.1.4. Ligação da BE ao Plano Tecnológico da Educação (PTE) e a outros programas e projectos curriculares de acção, inovação pedagógica e formação existentes na escola/agrupamento.A.1.6. Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares desenvolvidas no espaço da BE ou tendo por base os seus recursos.A.2. Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital.A.2.1. Organização de actividades de formação de utilizadores na escola/agrupamento.A.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de informação da escola/agrupamento.A.2.3. Promoção do ensino em contexto de competências tecnológicas e digitais na escola/agrupamento.A.2.4. Impacto da BE nas competências tecnológicas, digitais e de informação dos alunos na escola/agrupamento.A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à ComunidadeC.1. Apoio a actividades livres extra-curriculares e de enriquecimento curricular.C.1.2. Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural na escola/agrupamento.C.1.3. Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre fruição de recursos6. RESULTADOS6.1 Resultados académicosOs alunos poderão manifestar progressos ao nível das competências da leitura.6.2. Resultados sociais da educaçãoOs alunos poderão desenvolver hábitos de trabalho e a organizar a sua aprendizagem de forma mais autónoma. B. Leitura e LiteraciaB.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia.C.1.1. Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e de estudo autónomos.