• Like
Paralrectasplanos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Paralrectasplanos

  • 1,445 views
Uploaded on

 

More in: Technology , Sports
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,445
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
54
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. GEOMETRIA DESCRITIVA A 11.º Ano Paralelismo entre Rectas e Planos © antónio de campos, 2009
  • 2. O paralelismo entre uma recta e um plano é semelhante ao paralelismo entre rectas. Uma recta é paralela a um plano se não estiver contida nesse plano e for paralela a uma recta desse plano.
  • 3. Recta paralela a um plano O seguinte plano oblíquo α é paralelo a uma recta r , que passa pelo ponto P . A projecção horizontal da recta r faz 30º (a.e.) com o eixo x .
  • 4. A projecção horizontal da recta, r 1 , passa por P 1 , e faz com o eixo x o ângulo pretendido. Depois, uma recta s que pertence ao plano α , estabelece o paralelismo na projecção horizontal.
  • 5. A projecção frontal da recta r , r 2 , terá que ser paralela à projecção frontal da recta s , s 2 . A recta r é paralela ao plano α , pois não está contida no plano α e é paralela a uma recta do plano α , a recta s .
  • 6. Um plano de rampa, ρ , tem os traços horizontal e frontal com 4 cm de afastamento e 3 cm de cota, respectivamente. É dado um ponto P (5; 2). Determina as projecções de uma recta r , passando pelo ponto P , sabendo que a recta r é paralela ao plano ρ e que a sua projecção frontal faz, com o eixo x , um ângulo de 45º (a.d.). r 1 h ρ r 2 f ρ s 2 s 1 x P 1 P 2 F 1 F 2 H 2 H 1
  • 7. Os traços de um plano oblíquo α são concorrentes num ponto com 2 cm de abcissa e fazem, com o eixo x , ângulos de 30º (a.d.) e 45º (a.d.), respectivamente o traço frontal e o traço horizontal. Desenha as projecções de uma recta horizontal (de nível) h , paralela ao plano α e passando pelo ponto P , sabendo que as coordenadas do ponto P são (1; 4; 3) h 2 h 1 h α f α x y ≡ z P 2 P 1
  • 8. Plano paralelo a uma recta Quando é conhecido os dados de uma recta oblíqua r , e um ponto P exterior à recta r , pretendem-se os traços de um plano α , paralelo à recta r e contendo o ponto P . O traço frontal do plano α faz, com o eixo x , um ângulo de 45º (a.d.).
  • 9. Para que o plano α seja paralelo è recta r , tem que conter uma recta paralela (recta s ) à recta r , aonde o ponto P se situa.
  • 10. Qualquer plano que contenha a recta s será necessariamente paralelo à recta r . Assim, o traço frontal (F) e traço horizontal (H) da recta s , vêm auxiliar a definição da condição paralela entre o plano α e a recta r . O traço frontal do plano α , f α contém F e faz com o eixo x um ângulo de 45º (a.d.). O traço horizontal do plano α , h α contém H e é concorrente com f α no eixo x .
  • 11. Uma recta r é definida pelos pontos A (-2; 1; 3) e B (-5; 4; 1). É dado um ponto C com as seguintes coordenadas (1; 2; 2). Determina os traços de um plano α , oblíquo, contendo o ponto C e paralelo à recta r , sabendo que f α faz, com o eixo x , um ângulo de 60º (a.d.). r 2 r 1 f α s 2 s 1 F 1 F 2 H 1 H 2 h α x y ≡ z A 1 A 2 B 1 B 2 C 1 C 2
  • 12. A mesma recta r é definida pelos mesmos pontos A (-2; 1; 3) e B (-5; 4; 1). É dado o mesmo um ponto C com as mesmas coordenadas (1; 2; 2). Determina os traços de um plano de rampa ρ , paralelo à recta r e contendo o ponto C . r 2 r 1 f ρ s 2 s 1 F 1 F 2 H 1 H 2 h ρ x y ≡ z A 1 A 2 B 1 B 2 C 1 C 2
  • 13. Rectas paralelas aos planos bissectores Para que uma recta seja paralela ao β 1,3 terá que ser paralela a uma recta do bissector. Como o bissector é um plano passante (de rampa), rectas fronto-horizontais e rectas passantes (oblíquoas ou de perfil) estão contidas no bissector β 1,3 . Logo, uma recta não contida no bissector, mas que seja fronto-horizontal ou passantes (oblíqua ou de perfil) é paralela ao bissector β 1,3 . Pretende-se as projecções de uma recta s oblíqua passante pelo ponto M , que seja paralela ao bissector β 1,3 . A recta b e uma recta oblíqua passante.
  • 14. As projecções da recta s são paralelas à recta b , possibilitando ser paralela ao bissector β 1,3 .
  • 15. Para que uma recta seja paralela ao β 2,4 terá que ser paralela a uma recta do bissector. Como o bissector é um plano passante (de rampa), rectas fronto-horizontais e rectas passantes (oblíquoas ou de perfil) estão contidas no bissector β 2,4 . Logo, uma recta não contida no bissector, mas seja fronto-horizontal ou passantes (oblíquoa ou de perfil) é paralela ao bissector β 2,4 . É dado um ponto P , não contido no β 2,4 . Pretendem-se as projecções de uma recta r , oblíqua, passando pelo ponto P e paralela ao β 2,4 . A recta r terá de ser paralela a uma recta do β 2,4 , a recta a .
  • 16. As projecções das rectas r e a são paralelas entre si, portanto as rectas r e s são paralelas, e a recta r é paralela ao β 2,4 , via a sua recta a .
  • 17. Um plano de rampa, ρ , têm 3cm de cota e 4 cm de afastamento. Uma recta oblíqua, a , é paralela ao β 1,3 e contém o ponto P (3; 2). A recta a faz a sua projecção horizontal com o eixo x num ângulo de 50º (a.d.). Determina as projecções do ponto de intersecção da recta a com o plano ρ . a 1 a 2 f α ≡ h α ≡ i 1 i 2 A projecção frontal da recta a tem que ter o mesmo ângulo de 50º, pois é paralela ao β 1,3 . Para obter o ponto I (ponto de intersecção da recta a com o plano ρ ), recorre-se ao método de intersecções entre rectas e planos: 1. conduzir, pela recta, um plano auxiliar (o plano α é um plano vertical que contém a recta); 2. determinar a recta de intersecção dos dois planos (a recta i , definida pelos seus traços, é a recta de intersecção do plano α com o plano ρ); 3. o ponto de intersecção das duas rectas (recta a e recta i ) é o ponto I . x P 1 P 2 f ρ h ρ F 1 F 2 H 1 H 2 I 2 I 1
  • 18. Duas rectas h e r , são concorrentes no ponto P (3; 2). A recta h é horizontal (ou de nível) e faz com o Plano Frontal de Projecção xz um ângulo de 45º (a.d.). A recta r é paralela ao β 2,4 e a sua projecção horizontal é perpendicular à projecção horizontal de h . Determina os traços do plano definido pelas suas rectas. r 1 h 2 h 1 r 2 Porque a recta r é paralela ao β 2,4 , as suas projecções são paralelas entre si. A seguir vêm os traços das duas rectas (os traços frontais F e F ’, e horizontal h ) para definir os traços do plano α (h α é concorrente com f α no eixo x . f α h α O h α é paralelo a h (rectas horizontais de um plano são paralelas entre si) e contém H (o traço horizontal da recta r ). x P 1 P 2 F 1 F 2 F’ 1 F’ 2 H 1 H 2
  • 19. Com rectas de perfil, é necessário a utilização de rectas auxiliares, para desenhar as projecções paralelas da recta p em relação ao β 1,3 . A recta p’ é uma recta de perfil do β 1,3 . Um ponto M não contido no β 1,3 . Pretendem-se as projecções de uma recta p , de perfil, paralela ao β 1,3 e passando pelo ponto M .
  • 20. Rebatendo o plano α , para ver os traços paralelos da recta p , de perfil, com o β 2,4 . Um ponto A não contido no β 2,4 . Pretendem-se as projecções de uma recta p , de perfil, paralela ao β 2,4 e passando pelo ponto A . Rebatimento do plano de perfil π , juntamente com a recta de perfil p ; utilizando uma recta i , de intersecção do plano π com o β 2,4 e um ponto B da recta p , para obter a relação de paralelismo entre a recta de perfil p e o β 2,4 .
  • 21. Uma recta h , horizontal (de nível), com 2 cm de cota, faz com o Plano Frontal de Projecção, um ângulo de 45º (a.e.). Uma recta de perfil p é paralela ao β 1,3 e concorrente com a recta h num ponto com 4 cm de afastamento. Determina os traços do plano θ definido pelas duas rectas. h 2 h 1 p 1 ≡ p 2 Para se conseguir ver a situação de paralelismo, recorre-se a uma recta de perfil p ’, contido no β 1,3 . Localiza-se dois pontos auxiliares da recta p ’ e do β 1,3 , A e B . Depois vêm as rectas r e s , paralelas entre si, obtendo um segundo ponto da recta p , o ponto S . p’ 1 ≡ p’ 2 r 1 r 2 s 1 s 2 Para determinar os traços do plano θ , recorre-se a uma outra recta horizontal (de nível), h’ , paralela a h e concorrente com a recta p em S . h’ 2 h’ 1 f θ ≡ h θ A partir desse raciocínio, o exercício resultou na determinação dos traços de um plano definido por duas rectas horizontais paralelas – f θ fica definido por F e F’ (os traços frontais das rectas h e h’ ) e h θ é concorrente com f θ no eixo X e paralelo a h e h’ (rectas horizontais de um plano são paralelas entre si). Nota que os traços de θ ficam coincidentes. Uma outra forma de resolver o problema seria através do rebatimento do plano de perfil que contém a recta p , o que nos permitiria obter em rebatimento, e de forma simultânea, a recta p , paralela ao β 1 ,3 , e os traços de p nos planos de projecção. x R 1 R 2 A 1 A 2 B 2 B 1 S 1 S 2 F 1 F 2 F’ 1 F’ 2