Your SlideShare is downloading. ×
0
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Paral rectas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Paral rectas

1,000

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,000
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Rita p11
  • Exercício com alunos
  • Exercício para os alunos
  • Exercício para os alunos Pode ser resolvida com a mudança de diedro de projecção
  • Transcript

    • 1. GEOMETRIA DESCRITIVA A 11.º Ano Paralelismo entre Rectas © antónio de campos, 2009
    • 2. No espaço, duas rectas são paralelas se são complanares ( estritamente paralelas ) e não têm nenhum ponto em comum, ou se são rectas coincidentes. O presente estudo debruça-se sobre todas as situações de paralelismo estrito entre rectas.
    • 3. As rectas a e b são paralelas entre si no espaço. As suas projecções horizontais a 1 e b 1 são paralelas entre si. As suas projecções frontais a 2 e b 2 são paralelas entre si. Em geral é assim.
    • 4. Com as rectas de perfil, não basta verificar se as projecções frontais e horizontais são paralelas, é necessário confirmar, por exemplo, com rectas auxiliares . Em baixo, duas rectas de perfil que não são paralelas, apesar das suas projecções frontais e horizontais serem paralelas.
    • 5. Neste exemplo, duas rectas auxiliares r e s são paralelas, pelo que são complanares. Assim sendo, as rectas p e p’ são complanares, e como não são concorrentes, são paralelas.
    • 6. Neste exemplo, duas rectas auxiliares r e s não são paralelas, mas são complanares com as rectas p e p’ . Assim sendo, as rectas p e p’ são complanares, e como não são concorrentes, são paralelas.
    • 7. A recta de perfil p está definida pelos pontos A (1; 1; 5) e B (4; 2). A recta de perfil p ’ está definida pelos pontos C (-3; 4; 3) e D (1; 4). Averigúa a posição relativa das duas rectas. r 2 s 2 s 1 r 1 x y ≡ z p 1 ≡ p 2 A 1 A 2 B 1 B 2 p’ 1 ≡ p’ 2 C 1 C 2 D 1 D 2
    • 8. p 1 ≡ p 2 p’ 1 ≡ p’ 2 r 2 s 2 s 1 r 1 Sobre a posição relativa das duas rectas, sabe-se imediatamente que não são concorrentes – podem ser paralelas ou enviesadas. Se forem paralelas, então são complanares, pelo que quaisquer duas rectas concorrentes com p e p’ serão, também elas, complanares. Recorreu-se a duas rectas auxiliares, as rectas r e s . A recta r é c oncorrente com p em A e com p' em D (está definida por dois pontos). A recta s é concorrente com p em B e com p' em C (está definida por dois pontos). As rectas r e s não são complanares (não são paralelas nem concorrentes), pelo que p e p' não são complanares – logo, não são paralelas. x y ≡ z A 1 A 2 B 1 B 2 C 1 C 2 D 1 D 2
    • 9. A mesma recta de perfil p definida pelos pontos A (1; 1; 5) e B (4; 2). Desenha as projecções de uma recta de perfil p ’, paralela à recta p e passando pelo ponto M (-2; 3; 4). r 2 s 2 s 1 r 1 A recta auxiliar s paralela à recta r (derivada dos pontos A e M conhecidos e concorrentes com p e p’) localiza o ponto N, definindo a recta de perfil p’ paralela à recta de perfil p. p’ 1 ≡ p’ 2 x y ≡ z N 2 M 1 M 2 N 1 A 1 A 2 B 1 B 2 p 1 ≡ p 2
    • 10. Averigúa se as rectas de perfil p e p ’ são ou não paralelas. Ambas as rectas estão contidas no plano de perfil π. A recta p está definida pelos pontos E (3; 1) e F (1; 2). A recta p’ está definida pelos pontos M (6; 2) e N (4; 3). (e 1 ) F r Utilizou-se o rebatimento para o Plano Frontal de Projecção, obtendo-se a recta p r e p’ r , que são paralelas, e por tanto as rectas p e p ’ são também necessariamente paralelas. ≡ f π ≡ h π ≡ e 2 ≡ f πr ≡ h πr E r N r M r p r p’ r x p 1 ≡ p 2 ≡ p’ 1 ≡ p’ 2 E 1 E 2 F 1 F 2 ≡ M 2 N 1 M 1 N 2

    ×