Your SlideShare is downloading. ×
Mp Marcasportuguesas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Mp Marcasportuguesas

1,628
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,628
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 22 PORTUGAL À MESA 16 DE NOVEMBRO DE 2007 portugueses Produtos por tugueses O prestígio que alcaçou como marca de qualidade junto dos consumidorem, fez com que recentemente fosse introduzido a bordo dos aviões da TAP e nas à sua mesa salas VIP nos aeroportos nacionais VINHO TINTO MONSARAZ O sector alimentar tem no A marca que tornou a qualidade acessível conjunto das exportações Quando muito se discute sobre onde abre de par em par as portas dos está colacada fasquia do preço para grandes vinhos portugueses. portuguesas um peso muito um bom vinho, a CARMIM surpreendeu MONSARAZ é o equilíbrio perfeito entre importante. o mercado com este genuino alenteja- a simplicidade de um alentejano e Os portugueses sempre re- no, provando aquela empresa de uma certa sofisticação de aromas, que Reguengos que é bem possível fazer conferem aos apreciadores um final velaram uma tradicional ca- um vinho de altissima qualidade por de boca muito interessante e normal- pacidade neste tipo de in- um preço acessível a todas as mente só encontrado em “vinhos bolsas. muito caros”. dústria, sobretudo no que Não é por acaso pois que seja um De facto quando se identificam no refere à qualidade que os mercado vinhos correntes a 1,5 euros dos ELEITOS DO PÚBLICO que o produtos portugueses hoje e até mais, este MONSARAZ que a consagrou actualmente como o líder empresa que o produz aconselha a de vendas no canal Horeca (Hotéis e já têm como imagem. que seja vendido por 2,59 euros Restaurantes) O próprio Secretário de Es- tado da Agricultura afirmou na última edição do SISAB O relacionamento entre a DELTA e os seus clientes é em tudo idêntico ao por a evidência o con- ao do homem do balcão e do seu cliente de todas as manhãs, que tributo que este certame aprenderam juntos a partilhar a vida no aroma e sabor de uma cháve- na de café deu para o desenvolvimen- to das exportações neste CAFÉS DELTA sector que o sector alimen- tar tinha significado mais de 2000 milhões de euros Uma marca de rosto humano em exportações e que Grande conhecedor do mercado do café havia crescido 11 por cento no ano e por natureza um empreendedor, Rui cas notáveis que diariamente estão Nabeiro decide em 1961 criar a sua anterior o que comparado com o à nossa mesa em qualquer ponto própria marca de café num pequeno crescimento da economia nacional do mundo. armazém de Campo Maior onde tinha duas bolas para torra de 30 Kg cada no mesmo período (entre 0 e 1%) Este trabalho que apresentamos uma. não deixa de ser um número impres- hoje (e que será continuado em A conjuntura sócio-política era adversa e sionante. edições futuras) é precisamente os tempos difíceis, por isso a DELTA cresceu com recurso ao “rosto humano” Tudo isto fica a dever-se ao “saber” a homenagem a essas marcas que fazendo amigos que recomendavam a e à “vontade” de muito empreende- apesar de oriundas de um país pe- marca e assim ganhacva clientes fiéis fidelizados. dor anónimo, ao esforço de muitas queno são suficientemente grandes A DELTA foi a pouco e pouco tornando- tiplica em formas de intervenção activa empresas, que ao longo dos anos para terem conquistado o mundo e se uma grande família em termos na sociedade apoiando diversas Institui- souberam consolidar o seu trabalho estarem diariamente à sua mesa. empresariais que transmitia também na ções Sociais, Coporações de Bombeiros, relação com os clientes. Foi com base Escolas de Ensino Especial, Juntas de e as suas experiências criando mar- Bom proveito então... nesta filosofia do “Cada cliente um Freguesia, associações Desportivas e amigo” que Manuel Rui Azinhais Nabeiro iniviativas de solidariedade social como criou um império de dimensão Ibérica foi o caso de Timor são actividade que é hoje a DELTA. constante desta empresa que se tornou Esta é uma das “velhas glórias” das marcas em Portugal. Uma No entanto a empresa nunca perdeu a assim, e por isso, uma das marcas de das primeiras a usar à época um moderno e inovador acção de dimensão humana de um rosto e por referência que mais enche de orgulho marketing, ciência que até então o comércio desconhecia quase isso, ainda hoje Rui Nabeiro se desmul- Portugal. por completo. LICOR BEIRÃO Nasceu há mais de 40 anos como óleo de amendoim puríssimo. “O Licor de Portugal” Veio da Guiné e por isso o seu nome está ligado a uma homenagem que se entendeu prestar aos “fulas” - uma das mais nobres tribos guineenses O licor beirão é um licor típico de Portugal. A sua produção teve alcoólicas preparadas com ingredientes naturais, segundo receitas ÓLEO FULA início no século XIX, na vila da Lousã. É preparado com diversas secretas ancestrais. Entretanto, foi publicada uma lei que proibia a Nascido na Guiné há mais de 40 anos plantas (entre as quais o atribuição de efeitos medicinais às Foi a SOVENA que assegurou o forneci- comercializado em embalagem de eucalipto, a canela, o alecrim e a bebidas alcoólicas. Este acontecimento mento exclusivo do óleo de amendoim plástico e em garrafas de meio litro. Até alfazema) e sementes obrigou o jovem a começar a produção para o território nacional. Nasce assim hoje o óleo FULA permanece uma aromáticas, que são submetidas dos licores numa pequena fábrica a marca “FULA”, comercializada numa referência e uma marca de grande a um processo de dupla separada da farmácia. Foi neste local primeira fase a granel, em camiões, e sucesso que inspira muita confiança nos destilação. Apresenta uma que foi sendo produzido o licor que viria depois vendida avulso nas mercearias consumidores numa área tão sensível tonalidade de topázio a ser baptizado como licor beirão, em da época, equipadas com como são actualmente os transparente. O sabor é doce. A 1929, em homenagem a um uma bomba manual que “óleos de fritura” em que a vila da Lousã viu nascer a congresso beirão realizado em extraía o óleo dos bidões marca continua a ser líder produção de licor beirão no Castelo Branco nessa data. Em para os recipientes tanto no plano da inovação século XIX, numa farmácia. Reza 1940, devido a dificuldades levados pelas donas de gráfica e de embalagem, a história que um caixeiro impostas pela segunda guerra casa. como na certificação de viajante, oriundo do Porto, mundial, a fábrica e a receita FULA é também a primei- qualidade, pelo que passando pela vila para a venda secreta foram vendidas ao jovem ra marca de óleos alimen- conseguiu recentemente a de vinho do Porto, se apaixonou José Carranca Redondo, natural tares distinção da Fundação pela filha de um farmacêutico da Lousã. A produção do licor a ser embalada. Entra no Portuguesa de Cardiologia local e com ela se casou, lá passou a estar a cargo da mulher mercado nas velhas como “escolha saudável”, permanecendo. A farmácia do deste. Desde então, o licor beirão garrafas de vidro de um alcançando recentemente seu sogro vendia, para além dos tornou-se um dos mais populares litro. Mais tarde é tam- sucessivbos recordes de produtos medicinais, bebidas em Portugal. bém o primeiro óleo a ser vendas
  • 2. 16 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTUGAL À MESA 23 PUB Nasceu há mais de 40 anos como óleo de amendoim puríssimo. Veio da Guiné e por isso o seu nome está ligado a uma homenagem que se entendeu prestar aos “fulas” - uma das mais nobres tribos guineenses BACALHAU ALTA QUALIDADE O Bacalhau que todos querem imitar... Há já muitos anos que o bacalhau – Master of Business Leadership e o entrou fortemente na dieta portu- Master of Business Management. Justino’s Madeira guesa e de muitos outros povos, A importância deste reconhecimento mas a empresa RUI COSTA SOUSA internacional, pela primeira vez uma Especial para a sobremesa. Espectacular como aperitivo. E IRMÃO com a sua marca ALTA empresa portuguesa recebe esta Se procura algo diferente, o Justino’s Madeira foi feito para si. QIALIDADE criou um novo conceito distinção, reforça a linha estratégica Podendo ser apreciado antes ou depois das refeições, é uma especialidade com para o produto e por isso divulgou o da Rui Costa e Sousa & Irmão, séculos de tradição, de sabor e aromas inigualáveis. slogan “UM DIA TODOS OS BACA- que há anos a esta parte tem Justino’s Madeira: As boas sensações estão de volta. LHAUS QUERERÃO SER COMO vindo a apostar na racionalização ESTE”... Não foi por acaso que foi dos seus recursos, na valoriza- premiada pela World Confederati- ção dos produtos que coloca no on Of Bussinesses com o mercado e, na melhoria dos prémio The Bizz Awards 2006. seus resultados operacionais. Pela primeira vez uma Junta igualmente uma preocu- empresa nacional recebeu pação constante na Inovação, esta distinção, que tem que levaram a que tenha como critérios de avalia- desenvolvido a sua activida- ção a Liderança, os de para outros sectores que Resultados e o Sistema não apenas a transformação de Gestão. A Rui Costa e e comercialização de baca- Sousa & Irmão trouxe de lhau seco. Nova Iorque dois galardões Diga-se o que se disser a ÁGUA DE LUSO será sempre a definição de água mineral. Foi a primeira e foi sobretudo aquela que criou o mercado, ou seja a apetência dos consumidores para o consumo de uma água boa e digestiva. A Rainha das águas minerais A água mineral de Luso é um recurso aliada à grande espessura da série, envol- de excepção. Nasce a 28ºC de temperatu- vida por rochas praticamente estanques, ra na povoação de Luso. explica o fluxo concentrado de notáveis re- Tem origem na água da chuva infiltrada cursos hídricos subterrâneos. Seja responsável. Beba com moderação na Serra do Buçaco, em rochas formadas, Após a infiltração, a água faz um circu- quase exclusivamente, por quartzo, desig- íto profundo, estimando-se que atinja mais nadas quartzitos. A topografia cimeira dos de 500 metros de profundidade provovan- quartzitos permite-lhes beneficiar de eleva- do um aquecimento da água bem acima da pluviosidade orográfica. dos 30ºC . A este circuíto chamamos aquí- Nestas rochas, muito compactas aquan- fero e corresponde à circulação profunda do da sua formação – há mais de 400 da Água Mineral Natural de Luso. milhões de anos – desenvolveu-se uma Este Aquífero termina na povoação de densa rede de fracturas, intercomunicadas, Luso, por interposição de uma barreira que permitem o armazenamento e circula- geológica impermeável que obriga à as- ção da água. Esta vocação hidrogeológica, cenção concentrada das águas. Nasceu há mais de 40 anos como óleo de amendoim puríssimo. Veio da Guiné e por isso o seu nome está ligado a uma homenagem que se entendeu prestar aos “fulas” - uma das mais nobres tribos guineenses ATUM RAMIREZ A mais antiga conserveira na Europa Há muito que as conservas ultrapassaram o na Europa e numa das mais antigas do simples atum e sardinhas enlatado, tornan- mundo. Apesar da sua antiguidade, a marca do-se um produto alimentar nobre e saudá- soube renovar-se de forma exemplar, para vel bastante apreciado em muitas partes do produzir de acordo com as modernas regras mundo. As origens da RA- do sector alimentar e con- MIREZ remontam a 1853, tinuar assim a pôr na SARAIVA ENTERPRISES, INC. HGC IMPORTS, INC. e as suas primeiras fábri- mesa dos portugueses cas localizadas em Vila muito mais do que sardi- 74, Conway Street 1045 Pepitone Avenue Real de Santo António, nhas e atum, tornando as New Bedford, MA 02740, USA San José, Califórnia 95110 - USA Olhão, Albufeira e Setúbal, conservas um produto ali- Tel: 508-992-3263 • Fax: 508-992-3364 Tel: 408-947-8511 • Fax: 408-940-0675 tornaram-na a mais antiga mentar apreciado e respei- E-mail: info@saraivaenterprises.com produtora e exportadora tado em muitos países do www.saraivaenterprises.com de conservas em Portugal mundo.
  • 3. 24 PORTUGAL À MESA 16 DE NOVEMBRO DE 2007 A marca Sagres nasceu em 1940, como cerveja de prestígio, Em Reguengos de Monsaraz, as condições climatéricas criada para representar a Sociedade Central de Cervejas na e uma combinação geológica excepcional, permitem que Exposição do Mundo Português, inaugurada em Maio de 1940. as castas regionais alentejanas oferençam vinhos como o Monte Velho Tinto CERVEJA SAGRES MONTE VELHO Uma marca além fronteiras Aroma intenso... A cerveja Sagres marca o início No seu fabrico , como Em Reguengos de Monsaraz, em para produzir uma da exportação de cerveja, aportando destaca a Central de pleno coração do Alentejo, a Herdade variedade de vinhos. primeiramente Gibraltar, continuando Cervejas, não são do Esporão foi adquirida pela Finagra É o caso do Monte Velho para os Açores e para os então utilizados quaisquer em 1973 com o principal objectivo Tinto. Territórios Ultramarinos de Angola, aditivos ou conservan- de produzir vinhos de grande Com aspecto límpido, cor Cabo Verde, Guiné, São Tomé e tes. qualidade. rubi intenso, possui um Príncipe, Timor, Goa, Macau e Moçam- Do portfolio da marca Ali, condições climatéricas e uma sabor a fruta madura, bique. Sagres fazem parte a combinação geológica excepcional, arredondado pelo estágio A Cerveja Sagres é 100 por cento Sagres Branca, a Sagres permitem que nos seus 550 hectares em madeira. Uma marca natural, produzida segundo métodos Preta, a Sagres Bohemia de vinha, as castas regionais portuguesa que já tradicionais exclusivos a partir de (cerveja ruiva) e a alentejanas ofereçam o seu melhor atravessou fronteiras… água, malte, cereais não maltados Sagres Zer0% (sem e uma rigorosa selecção de lúpulos. álcool). O Regional Saloio homenageia os genuínos queijos regionais portugueses. É um queijo curado com uma O Compal Clássico é o produto mais conhecido da textura macia e casca amarelo palha. Compal. Pêra, pêssego, tutti-fruti, ananás, alperce… a escolha fica ao critério da preferência de cada um. COMPAL CLÁSSICO REGIONAL SALOIO Produto líder da empresa Um regional genuino É o produto líder da Compal tem em comum a doçura A Queijo Saloio nasceu em 1968, SA, uma empresa com mais e o sabor concentrado que pelas mãos de Victório Alves. de 50 anos de existência. o consumidor associa ao Da actividade inicial - o fabrico de Apesar das muitas outras Clássico. pequenas quantidade de queijo regio- marcar que produz e Em Novembro de 2005, nal através de métodos artesanais e comercializa, em mercados a empresa lançou um sabor com o leite proveniente da exploração variados, desde os sumos, que era também uma agrícola do fundador - a empresa néctares e refrigerantes aos referência a um fruto cem por cresceu e com ela, as várias marcas vegetais preparados cento portuguesa: o Clássico que foram sendo criadas. e derivados de tomate Maçã Bravo Dentre essas, o Regional Saloio e às águas com gás, de Esmolfe (originária da homenageia os genuínos queijos a empresa tem no Compal aldeia de Esmolfe, concelho regionais portugueses. Clássico o seu produto de Penalva do Castelo). É um queijo curado de mistura de mais conhecido. Uma edição que deveria leites de vaca, cabra e ovelha, com Pêra, pêssego, tutti-fruti, ter sido limitada - até ao uma textura macia e casca amarelo ananás, alperce… a escolha final daquele ano - regressou palha. para gratinar. da fruta fica ao critério da em 2006, dado o sucesso Na referência a este produto, a empre- Para que é «fã» deste queijo, ele preferência de cada um. que alcançou junto dos sa explica que deve ser servido como deve ser degustado sempre que Mas qualquer desses clássicos consumidores. entrada, numa tábua de queijos ou houver vontade… Uma das últimas novidades deste café foi a distribuição A água natural sem gás (Lisa) Vimeiro, é uma de embalagens com a imagem dos clubes de Portugal, «velha» conhecida dos portugueses. Porto, Sporting e Benfica, com distribuição garantida a nível mundial. ÁGUA DO VIMEIRO 50 anos no mercado... Para toda a família CAFÉS SILVEIRA A Empresa das Águas do (Lisa) é uma «velha» Vimeiro, remonta ao século conhecida dos portugueses. XIX e nasceu com a função Rica em minerais (cálcio, A comemorar Hotelaria, o Descafeinado e o de ser utilizada fins magnésio, bicarbonato) cinquenta anos Universo. terapêuticos. e pH neutro, o seu no mercado nacional, Uma das últimas novidades deste Em 1895 as águas consumo regular os cafés Silveira café foi a distribuição de foram vistoriadas, é indicado, como já ultrapassaram embalagens com a imagem tendo em vista frisa a Empresa as fronteiras dos clubes de Portugal, Porto, a sua concessão de Águas do do país sendo Sporting e Benfica, com distribuição e o alvará de licença Vimeiro, para saboreados em garantida a nível foi emitido em 30 toda a família Espanha, França, mundial. de Janeiro de 1896, e em particular Luxemburgo, Fundada em 1957, por tempo ilimitado. para grávidas, Suiça, Canadá a empresa mantém A gama de águas bebés, crianças, e Coreia do Sul. o carácter familiar. do Vimeiro divide-se desportistas Às marcas À frente dos em Lisa (natural e pessoas de Imperador, destinos está sem gás), idade, onde Timor, Brasil, Manuel Silveira, Gaseificada e a necessidade Familiar, Galáxia, fundador, Extragaseificada. destes minerais junta-se um lote apoiado pelos Destas, a água assume a maior especial para seus familiares. natural sem gás importância.
  • 4. 16 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTUGAL À MESA 25 33 O Azal DOP do Norte Alentejano foi O Sumol foi o primeiro refrigerante de sumo de fruta distinguido com a Medalha de Bronze – pasteurizado em Portugal. Ao pioneiro sabor laranja, Azeites Virgens, no Concurso Nacional de juntaram-se ananás, maracujá e manga Azeites Virgens da Olivomoura 2006 AZEITE AZAL DOP REFRIGERANTE SUMOL Refinadamente alentejano O primeiro refrigerante de fruta A Azal, Azeites do Alentejo SA, é uma durante a Feira Nacional português Empresa recém constituída, de capitais de Olivicultura. Este é A origem do Grupo Sumol remonta a pasteurizado em Portugal. Ao totalmente nacionais, a Azal, Azeites um azeite «Premium», 1945. Mas foi em meados da década de pioneiro sabor laranja, do Alentejo iniciou a sua actividade que nasce de lotes 50, que a empresa começou a produzir juntaram-se outros três, com a compra das instalações da seleccionados de uma "laranjada natural, uma laranjada ananás, maracujá e manga. Cooperativa dos Olivicultores do azeitonas frescas. de laranjas". Sendo mesmo de laranja, Cinquenta anos depois o Redondo. “Elegante para molher logo chamou a atenção do consumidor Sumol continua a ser uma O Azal DOP do Norte Alentejano foi o pão e inebriar os nacional. O resultado final foi o Sumol, o referência no mercado distinguido com a Medalha de Bronze sentidos, é também primeiro refrigerante de sumo de fruta português de refrigerantes de sumo. – Azeites Virgens, no Concurso Nacio- delicioso para temperar nal de Azeites Virgens da Olivomoura a mais refinada refeição”, 2006, que decorreu refere a Azal. Há um produto alimentar que na Páscoa saborosamente «invade» Portugal e outros países: as amêndoas Ferbar. A imagem de marca - o famoso frei AMÊNDOAS FERBAR da história de Robin Hood - é reconhecida onde quer que se veja e sinónimo de qualidade. Doces amêndoas... A Ferbar foi fundada em 1971 e iniciou países: as amêndoas Ferbar. Cobertas a sua actividade como uma pequena com açúcar e chocolate chegam com FREI TUCK empresa regional, operando no Norte de uma variedade de sabores, que ofere- Portugal. A gama de produtos é numero- cem ao consumidor uma múltipla esco- Saborosa qualidade sa e variada, desde legumes e vegetais em conserva, molhos e condimentos, lha tanto para consumo, como para oferta. confeitaria encontra-se marmeladas e doces, tostas, bolachas e A oferta é variada, a gama de produtos muito diversa mas a qualidade está o pão tradicional de biscoito, a chocolates e confeites e frutos trigo, centeio e milho secos e cristalizados, entre outros. presente em todos eles. A imagem de marca - o famoso frei da história de cozido em forno de Mas há um que na Páscoa saborosa- mente «invade» Portugal e outros Robin Hood - é reconhecida onde quer lenha. Fidalguinhos, que se veja e sinónimo de qualidade. almendrados, letras, PUB Entre os produtos de pão, pastelaria e milhos, cavacas são alguns dos biscoitos comercializados pela marca. Croissants, queques, pastelaria variada, pastelaria-fina, mini-pastelaria, além de merendas, salgadi- nhos e sopas, comple- tam a gama. Fundada em 1952, a Adega Cooperativa de Favaios produz e comercializa uma das marcas portuguesas que já ultrapassou fronteiras: o Moscatel de Favaios. MOSCATEL DE FAVAIOS Sabor internacional... Não foi um puro acaso que o Moscatel não é de Favaios ganhou essa fama: um micro preciso clima que contribui para óptimas matura- dizer que ções da Casta Moscatel Galego, adapta- quer da na perfeição aos beber um terrenos. Para completar vinho de a receita, junta-se a Moscatel. experiência vinícola da O Mosca- gente do Douro, que tem tel de vindo a ser actualizada Favaios com as técnicas mais ganhou a sua glória modernas, mas salva- acumulando medalhas guardando os segredos e prestígio, nos qualitativos duma tradi- numerosos concursos ção secular. A fama que nacionais e internacio- o nome granjeou é tal nais, onde a qualidade que quando um consumi- foi reconhecida pelos dor pede um Favaios, já especialistas.
  • 5. 26 PORTUGAL À MESA 16 DE NOVEMBRO DE 2007 A Imperial, o maior operador português no Documentos históricos comprovam mercado de chocolates, é detentora de um porte- que desde sempre houve vinhas na fólio de marcas de reconhecida notoriedade e com quinta, como por exemplo a discrição uma forte imagem de qualidade: Jubileu, Regina, da doação feita em 1426 por D. Duar- Pintarolas, Allegro, Pantagruel, Fantasias, entre te, filho de D. João I, Rei de Portugal, ao seu irmão Infante D. João de outras. toda a Quinta da Bacalhôa, que vem descrita com “todos os seus paços, REGINA casas, adegas, lagares, terras de pão, VINHAS”. Regina o seu chocolate de sempre BACALHÔA VINHOS No final do ano 2000, a Regina foi adquirida pela Imperial nalização da empre- sa faz parte da Vinho nasce na terra que apostou no relança- estratégia de Em 1972, a pedido de Thomas (90%) e Merlot (10%). Os mento de uma nova crescimento Scoville, então dono da Quinta da vinhos elementares são geração de produtos adoptada, Bacalhôa, António d’Avillez instalou uma fermentados, sem engaços, Regina na Páscoa de tendo como vinha a fim de produzir um vinho com a temperatura controlada 2002, apresentando-se, objectivo a um encepamento semelhante ao que é (25º C), durante cerca de hoje, como uma marca expansão nos conti- usado em Bordéus, nomeadamente no uma semana. Segue-se um mais moderna, bem adapta- nentes europeu, americano e Médoc. As castas escolhidas foram período de “cuvaison” da às exigências e expectati- asiático. Actualmente, a exportação Cabernet Sauvignon e Merlot. O primeiro (maceração pelicular pós- vas do mercado e com uma gama representa cerca de 25% das vendas da vinho com esta marca foi o da colheita fermentiva) de 4 a 6 variada de produtos bem posicionados empresa. de 1979, sendo o primeiro Cabernet semanas, que promove nos diversos segmentos. Apresentando Através de uma outra área de Sauvignon de fama no país. A Quinta tanto uma maior extracção dos elemen- elevados níveis de notoriedade, a negócio, o Contract Manufacturing, a está localizada nas meias-encostas de tos nobres das películas como a subse- Regina é uma das marcas históricas Imperial possibilita aos seus clientes a Azeitão viradas a Noroeste. O clima é quente fermentação maloláctica. Final- portuguesas, fazendo parte do imaginário subcontratação do desenvolvimento e da ameno devido à forte influência Atlântica. mente separam-se os vinhos das partes do consumidor português de chocolates. produção dos seus produtos, colocando A vinha foi plantada em 1972, em solos sólidas, elaborando-se o lote final. O Notabilizou-se através de alguns à sua disposição todo o conhecimento calcários vermelhos e bem drenados, vinho estagia durante 9 a 14 meses em produtos, como por exemplo, os bom- adquirido e desenvolvido ao longo de com as castas Cabernet Sauvignon barricas de carvalho. bons, o chocolate de leite extrafino, a mais de 70 anos a produzir chocolates. barra de chocolate de leite com pedaços Especialista na produção de dragei- Com quase um século de história, o Azeite Gallo de amêndoa, o Floc Choc, as Sombri- as, a Imperial desenvolveu uma gama marca a diferença em termos gastronómicos mas nhas e as barras de aromas de diversificada de amêndoas, avelãs e não é apenas neste sentido que o seu significado fruta.Para além destas marcas, a Imperial outras variedades cobertas com chocola- e influência se esgotam. Tradicional e genuíno, comercializa e distribui produtos de te, que estão disponíveis para todos os apela a toda a tradição secular portuguesa e prestigiados fabricantes internacionais, seus clientes de Contract Manufacturing. preserva na sua marca e no imaginário que evoca como é o caso dos bombons Duc d’O. A Imperial produz ainda uma vasta gama o que de melhor há na cultura portuguesa e nas Sedeada em Vila do Conde, a de produtos com formulações costumiza- gentes do nosso País. A memória do Azeite Gallo Imperial é a única empresa portuguesa das, destinados à indústria de confeitaria encontra origem nos finais do século XIX, inician- presente em todos os canais de distribui- e pastelaria, como coberturas de choco- do-se em 1860, data da fundação em Abrantes . ção e em todos os segmentos do late, chocolate e cacau em pó, crocante GALLO mercado, distribuindo os seus produtos de nougat e fondant. Azeite Gallo a cantar desde 1860 por mais de 30.000 pontos de venda a nível nacional. O processo de internacio- Com características que o tornam único, MATEUS Com quase um século de história, o estabelecimento pertencendo Rosé pode afirmar-se como um cidadão do mundo, Azeite Gallo marca a diferença em à “União Industrial, Lda.”. sendo reconhecido e apreciado nos sítios mais termos gastronómicos mas não é apenas Conta a lenda que o remotos, adaptando-se aos distintos gostos e neste sentido que o seu significado e Senhor Victor Guedes terá culturas. A história de MATEUS Rosé remonta a influência se esgotam. Tradicional e decidido dar o nome 1942, quando Fernando Van Zeller Guedes, genuíno, apela a toda a tradição secular Gallo ao azeite numa fundador da SOGRAPE, cria e lança um conceito portuguesa e preserva na sua marca e manhã em que, depois altamente diferenciador, combinando elementos no imaginário que evoca o que de de acordar e abrindo de par em par as inovadores ao nível das diferentes variáveis do melhor há na cultura portuguesa e nas janelas do seu quarto, ouviu um galo a MATEUS marketing mix. gentes do nosso País. A memória do cantar. Porque era de origem galega, Azeite Gallo encontra origem nos finais registou o nome da marca com um duplo Vinho MATEUS o caminho do sucesso do século XIX, iniciando-se em 1860, “l”, nome que até hoje foi preservado data da fundação em Abrantes de um pela sua graça e originalidade. O verdadeiro segredo de MATEUS leves combinam Em 1918, a abertura de um talho marca o Rosé – aquele que lhe confere a sua particularmente nascimento da Nobre. O primeiro complexo fabril é distinta cor rosa e que lhe assegura uma bem com MA- inaugurado em 1957, em Rio Maior. Devido ao enorme versatilidade – está no cuidado TEUS. Quanto à sucesso alcançado pelos seus produtos de charcu- enológico da sua produção. Produzido embalagem para taria, a Nobre ampliou a sua gama de produtos, exclusivamente a partir de castas portu- um tal vinho, atingindo a liderança do mercado nas várias cate- guesas de uva preta, nomeadamente originalidade era gorias – cozidos, fumados, curados, salsichas e Baga, Rufete, Tinta Barroca e Touriga a palavra-chave: NOBRE refeições prontas. Franca, o processo de vinificação, que a decisão recai envolve um longo período de fermenta- sobre uma ção a temperaturas controladas, socorre- garrafa baixa e se de técnicas idênticas às utilizadas na bojuda, inspirada produção de vinho branco. Evitando um nos cantis A Nobre é especialista numa vasta colocar no contacto prolongado entre o sumo da utilizados pelos gama de produtos, que incluem salsi- mercado os uva ou mosto e a película das uvas, o soldados durante chas, fumados, curados, cozidos e produtos mais vinho ganha a sua cor rosada tão a Primeira Guerra Mundial, cuja forma refeições prontas. Opera em todas as diversificados. distinta, mantendo um estilo suave e se distinguia das restantes, mais altas, áreas de mercearia e charcutaria e a Conheça-os nas frutado. em prateleira; o rótulo, nobre e inovador sua qualidade é altamente reconhecida. secções que Leve, jovem, fresco e ligeiramente para a época, retratava a imagem do É a única empresa na área de charcuta- apresentamos aqui. A competência da “pétillant”, este vinho oferece uma Palácio de Mateus, uma casa fidalga e ria que obteve a Certificação do Sistema Nobre é também reconhecida pelos seus enorme versatilidade de momentos de de arquitectura barroca, fazendo a da Qualidade pela norma ISO 9001. A clientes, pois, desde 1993, já recebeu 13 consumo, constituindo uma excelente ligação entre o produto e a terra de Nobre distingue-se pela qualidade e Prémios Masters de Distribuição. Assim, alternativa a uma taça de champagne origem. A marca MATEUS rapidamente inovação dos seus produtos, pois há a Nobre apresenta-se como uma empre- ou, simplesmente, a uma cerveja. À tornou-se numa marca mundialmente uma constante preocupação em respei- sa dinâmica, que assenta em valores mesa, o marisco, o peixe, a cozinha conhecida e apreciada. tar toda a riqueza gastronómica do país como a Qualidade, a Competência e a chinesa e a generalidade das refeições e em Inovação.
  • 6. 16 DE NOVEMBRO DE 2007 A empresa “Vinhos Justino Henriques, Cerca do final do século, em 1890, as sete fábricas exis- Filhos, Lda.” foi constituída com esta tentes no Porto foram integradas numa única Empresa, a designação em 1953, embora, na forma Companhia União Fabril Portuense, que se manteve em labo- de empresa familiar, já se encontrasse ração até finais de 1977, ou seja, por quase um século. A estabelecida na Ilha da Madeira desde Companhia União Fabril Portuense veio a constituir a Unicer - 1870, pelo que é uma das mais antigas União Cervejeira, E.P., conjuntamente com a Companhia empresas produtoras e exportadoras de Portuguesa de Cervejas e a União Cervejeira de Portugal. Vinho da Madeira, ocupando uma posição de destaque nos mercados internacionais pela reconhecida qualidade dos seus vi- SUPER BOCK nhos. JUSTINO´S MADEIRA Sabor autêntico Da Madeira para o mundo Super Bock é a cerveja líder mente nas embalagens reutilizá- Madeira Justino’s 10 Anos cascos de carvalho para de mercado nacional. Foi também veis como a garrafa 33 cl e o Reserva Velha-Os Madeiras obterem as característi- a primeira cerveja portuguesa a Barril de 30 e 50 litros. Para o Justino’s Reserva Velha 10 anos cas tonalidades do Ma- receber o Certificado de Qualida- canal alimentar (hipermercados, são produzidos a partir da mistu- deira, decidiu-se comer- de da SGS ICS (Serviços Interna- supermercados, mercearias), pro- ra de castas regionais tintas, sen- cializar estes vinhos cionais de Certificação). Única duzem-se também embalagens do predominante a casta Negra só no estilo reservas marca no mercado a ganhar 28 que propiciam maior comodidade Mole. São obtidos a partir de um velhas ou colheitas. medalhas de ouro no concurso para os consumidores: packs de lote de vinhos que apresentavam Obtido a partir de um internacional Monde Selection da garrafas com 6 e 10 unidades e quando jovens muito bom poten- lote de vinhos todos la Qualité, Super Bock é produzi- packs de latas com 6 unidades. cial de envelhecimento e que à eles produzidos a par- da a partir de matérias-primas O Grupo Unicer e Super Bock data de engarrafamento estagia- tir da vinificação em seleccionadas e de elevada qua- têm estado associadas a grandes separado de castas lidade, que lhe conferem um con- eventos, dos quais é de destacar A marca tem, também, um ram, pelo menos, 10 anos em junto de características de cor, o Festival Super Bock Super site com diversas informações e pas- cascos de carvalho. São generi- brancas e que à data do seu engarrafamento tinham, no sabor, espuma e corpo que a di- Rock, Fantasporto, Grito Acadé- satempos em www.superbock.pt camente identificados pelo seu ferenciam das restantes cervejas mico, as Festas da Cerveja e o Consumidores; grau de doçura, apresentados nos mínimo, um estágio de 10 anos em cascos de carvalho. A empre- no mercado e que a tornam numa Festival Vilar de Mouros. » É a marca preferida para quatro estilos: Seco, Meio-Seco, cerveja apetecível e largamente A Unicer e, consigo, a sua 51% dos Consumidores; Meio-Doce e Doce. sa Justino & Henriques foi ad- quirida em 1981 por Sigfredo Cos- apreciada. marca Super Bock, orgulha-se de » É também a marca que re- NOTAS DE PROVA Com um teor alcoólico de ter sido a primeira empresa de gista maior índice de fidelidade. Malvasia, Boal, Verdelho, Ser- ta Campos, a empresa internaci- onalizou-se, tendo-se associado 5,6%, Super Bock está inserida capital português a ser patrocina- Ou seja... cial e Terrantez no grupo das cervejas conheci- dora de um dos maiores eventos Em cada 10 Consumidores de São vinhos obtidos a partir de em 1993 a um dos maiores gru- pos franceses de distribuição de das como Lagers (cervejas de jamais realizados em Portugal - a cerveja, 5 citam Super Bock em castas de uvas produzidas na ilha fermentação baixa). No canal Expo 98. primeiro lugar, 7 consomem a que, por razões diversas, têm bebidas alcoólicas. Actualmente, são detentores do seu capital HORECA (Hotéis, Restaurantes, A partir de 2004, Super Bock marca normalmente, e para 5 é a pequenas produções. Na sua to- Cafés), a marca demonstra a sua é a Cerveja Oficial dos principais marca preferida. Super Bock é o talidade representam cerca de social a empresa Gran Cruz Por- to, Sigfredo Costa Campos e a força de distribuição essencial- Festivais de Verão. padrão em sabor e em imagem. 10% da produção total da vindi- ma. Como tal e tratando-se de sociedade francesa C.O.F.E.P.P., uvas brancas que necessitam de outrora designada por La Martini- muitos mais anos de estágio em quaise. Estamos em 1900; Jorge de Almeida Lima adquire as suas primeiras colmeias, que explorará na Quinta do Lamei- ro, em São Domingos de Benfica, Lisboa. Em 1974, os seus trinetos iniciam-se na actividade apícola quando decidem recuperar as velhas colmeias. Primeiro, na Quinta do Lameiro e, a partir de 1979, na Serra da Malcata, ficando a empresa sedeada em Penama- cor. MEL SERRA DA MALCATA A escolha da Serra da Malcata, cristais. uma reserva natural com 21000 O mel fica hectares, deve-se ao seu isolamen- opaco e to e riqueza em flores silvestres - tende a so- urzes e rosmaninho - das quais as lidificar. Diz- abelhas extraem méis de grande se, então, qualidade. SERRAMEL produz o que o mel seu mel e pólen nesta zona privile- “cristalizou”. Conforme a sua ori- giada, onde a natureza ainda se gem floral, há méis que cristalizam encontra intacta e admirável. É em poucos meses e outros que de- daqui que os trazemos até si…Este moram um ano ou mais a cristali- mel cremoso (cristalização extra zar. As abelhas produzem, para fina) foi sujeito, após embalamen- além do precioso mel, outros pro- to, a temperaturas controladas, in- dutos que a Serramel procura levar feriores à temperatura ambiente, até si. Pólen, Própolis e Geleia Real que provocaram uma cristalização são os componentes da nossa li- rápida e muito fina. Tem uma con- nha de produtos dietéticos. Pólen sistência ideal para barrar. de Flores da Serra da Malcata; Mel Dos dois principais açúcares do com Pólen da Serra da Malcata; mel – glucose e frutose – a gluco- Mel com Própolis da Serra da Mal- se, menos solúvel que a frutose, cata; Mel com Geleia Real da Ser- tende a precipitar sob a forma de ra da Malcata
  • 7. 28 28 PORTUGAL À MESA 33 16 DE NOVEMBRO DE 2007 Em 2004, a Organização Superbrands distinguiu o Porta da Ravessa como A Sociedade dos Vinhos Borges tem uma das 50 grandes marcas de Portugal. investido no desenvolvimento do Gatão, um vinho verde cujo nome já há muito atravessou fronteiras PORTA DA RAVESSA Em mais de 50 países Uma marca do Redondo Em 2004, a Organiza- significativa, acima da sua mais optimistas ção Superbrands concorrência, vantagem essa poderiam imaginar VINHO GATÃO distinguiu o Porta que é desejada pelos seus que, em apenas da Ravessa como clientes, que a reconhecem e uma década, o Produzido desde os anos 30 do século XX, o uma das 50 estão dispostos a pagar por Porta da Ravessa Gatão é um dos vinhos mais emblemáticos da grandes marcas ela”. passaria para uma Região dos Vinhos Verdes, e uma das de Portugal. O Porta da Ravessa (tinto, produção superior marcas portuguesas mais conhecidas. Para tal, baseou- branco e rosé) tem uma boa aos sete milhões Presente em mais de 50 países dos se no pressuposto imagem junto de um universo e meio de garra- cinco continentes, o Gatão - produzido de que “uma alargado de consumidores. O fas. Na base deste pela Sociedade de vinhos Borges - supermarca é lançamento deste vinho da sucesso, está a representa o equilíbrio entre a aquela que Adega Cooperativa do Redon- relação preço- frescura, a leveza e o sabor frutado oferece aos seus do, Alentejo, remonta a 1990 e qualidade e o de um vinho verde. consumidores quando entrou no mercado permanente Há vários anos no mercado, o uma vantagem com uma produção na ordem trabalho de Gatão continua a ser um êxito de emocional e física das 130 mil garrafas, nem os promoção da vendas e uma referência no merca- marca. do interno e estrangeiro, nomeada- mente União Europeia, Estados Unidos, África e Brasil. Em 2004, a Organização Superbrands distinguiu o Porta da Ravessa como uma das 50 grandes marcas de Portugal. Com o nome consolidado a nível nacional, REAL COMPANHIA VELHA a marca aposta na exportação. Portos de eleição... ARROZ SALUDÃES A Companhia Geral da Agricul- tura das Vinhas do Alto-Douro, De entre as muitas marcas produzidas e Forte cultura gastronómica também denominada Real comercializadas pela Produto Companhia Velha, foi fundada empresa, os vinhos com forte há 251 anos, por Alvará Régio do Porto têm lugar cultura de D. José I, com o apoio do de destaque. gastronó- Marquês de Pombal. Formada Aliás, a Real mica, o pelos “principais lavradores do Companhia Velha arroz Alto-Douro e homens Bons da está intimamente Saludães Cidade do Porto, à Companhia ligada à história é marca foi confiada a missão de do Vinho do Porto líder no sustentar a cultura das vinhas, e do próprio país. ces para uma política que muito segmento conservar a produção delas na “A linha de actuação da Com- prestigiou o Vinho do Porto”, «carolino». sua pureza natural, em benefí- panhia, caracterizada por uma pode ler-se na página da “Somos a cio da Lavoura, do Comércio e legislação de grande rigor e empresa na internet. empresa de Saúde Pública”. controlo, lançou sólidos alicer- que mais arroz compra de produção PUB nacional”, garante António Costa, administrador da Saludães. Com o nome consolidado a nível nacional, a marca aposta na exportação. Ao arroz tradicional - carolino e agulha – juntam-se os segmen- tos exóticos, como o basmati, o selva- gem, integral ou os aromáti- cos e o vaporiza- do. Além destes, o consumi- dor tem à disposição outras novidades: o arroz pronto num minuto e os Sabores Saludães - arroz com legumes, em receitas variadas, e com tempo de preparação igualmente reduzi- d o.