Uploaded on

Unidade um

Unidade um

More in: Travel , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
124
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Biblioteca escolar. Desafios e oportunidades no contexto da mudança Comentário Olá, Ana! Acabo de ler a tua muito cuidada matriz, de leitura muito fácil. Penso que estamos de acordo na maioria dos aspectos, tendo tu ,sem dúvida, uma visão mais alargada e informada . Quanto aos aspectos críticos que a Literatura identifica, penso que estamos em total acordo. Com efeito, a expansão das tecnologias da informação e da comunicação impõe mudanças no que diz respeito ao processo de ensino/aprendizagem e cria a necessidade de desen- volvimento de destrezas e competências para gerir as quantidades massivas de informação a que se tem o objectivo de construir conhe- cimento. As bibliotecas, que existiram durante séculos como espaços silenciosos e organizados, onde eram disponibilizados documentos , são agora por- tais de acesso a informação virtual e tangível e os PBs, com a coadju- vância das suas equipas , serão os pivots da mudança, sempre em colaboração com os professores de sala de aula e sempre alinhados com as metas dos documentos estruturantes da acção pedagógica da escola. Quando Brian Kenney (2006) questiona Ross Todd sobre as conclusões dos estudos de Ohio, este responde que se concluiu que há uma rela- ção positiva entre as bibliotecas e os resultados dos alunos. Acrescenta que a, já longa, investigação de Keith [Curry Lance] identificou algumas dessas dimensões, a saber: colecções de qualidade, professores biblio- tecários certificados [com formação especializada], infra-estruturas tec- nológicas e um programa de literacia da informação. Recentrando a questão na realidade que é a nossa, a qualidade da BE e a sua sobrevivência passa pela ligação ao currículo e ao sucesso educativo dos alunos ,o que pressupõe que: O projecto da biblioteca esteja integrado nos documentos norteado- res da acção educativa da escola. Maria Elisa Almeida Práticas e Modelos de Auto-avaliação em Bibliotecas Escolares 2ª Tarefa – 31 Outubro,2009
  • 2. Seja feito um reforço progressivo das actividades de co- planificação/ensino/avaliação com os professores de diferentes discipli- nas e das ACND. O professor bibliotecário seja capaz de articular, colaborar e comuni- car em permanência na escola e com outros stakeholders. O professor bibliotecário desenvolva em colaboração com os profes- sores de sala de aula um programa de desenvolvimento das diferentes literacias, nomeadamente a literacia digital e da informação integrada no desenvolvimento do currículo. O professor bibliotecário seja capaz de promover e viabilizar metodo- logias de aprendizagem activas (resource-based learning), em colabo- ração com os outros professores.. O professor bibliotecário assuma um papel de liderança demonstran- do o valor da BE , identificando , recolhendo e comunicando evidên- cias do impacto da BE nas aprendizagens. O professor bibliotecário interprete as evidências recolhidas no senti- do de, em colaboração com as estruturas pedagógicas, melhorar as práticas. Também tenho a percepção que, o enquadramento legal da figura do PB e especificamente, o bom desempenho do conteúdo fun- cional, vem colocar novas exigências em termos de qualificação do professor bibliotecário, bem como da equipa. Da minha pouca expe- riência de CIBE, tenho vindo a verificar que há muitos Pbs e membros da s equipas que desejam essa formação. O facto de todos os PBs da minha área se terem candidatado a esta formação, é disso uma prova evidente. Então, temos que considerar que temos aqui um ponto forte. Indicas, como fraqueza, no domínio Organização e Gestão da BE - «a bilioteca encarada como um recurso ao ensino aprendizagem», o que reforça a ideia de que é preciso identificar e analisar aquilo que Todd designa por Evidence OF Practice – impactos das nossas bibliotecas nas aprendizagens dos alunos; reunir as evidências locais e todas as outras onde quer que elas se encontrem. Analisando os resultados de estudos já realizados é possível provar que as bibliotecas estão a organizar-se para a mudança e para o Maria Elisa Almeida Práticas e Modelos de Auto-avaliação em Bibliotecas Escolares 2ª Tarefa – 31 Outubro,2009
  • 3. sucesso e que estão a produzir impacto nas aprendizagens. Se não veja-se como se pode desdobrar a sua acção: 1. As bibliotecas apoiam os alunos na procura e localização da informa- ção: (i) conhecem as diferentes etapas da pesquisa; (ii) desenvolvem as perguntas chave para investigarem sobre um tópico; (iii) procuram dife- rentes fontes para questões de pesquisa; (iv) encontram diferentes pon- tos de vista sobre a mesma questão; tornam-se mais confiantes na pes- quisa. 2. As bibliotecas escolares apoiam os alunos na compreensão e na utiliza- ção da informação para que: (i) saibam usar diferentes fontes e forma- tos de informação; (ii) identifiquem as ideias chave; (iii) se tornem mais capazes de analisar e sintetizar a informação; (iv) escrevam por pala- vras próprias; (v) aprendam a lidar com o êxito e o fracasso nas pesqui- sas; (vi) percebam que a pesquisa pode custar tempo e esforço mas que melhoram com a prática; (vii) se sintam mais motivados nas aprendizagens. 3. As bibliotecas escolares apoiam os alunos na construção de novos entendimentos: resultados do conhecimento para que (i) se recordem do conteúdo das aulas: (ii) construam conhecimento de background e de detalhe sobre o tópico; (iii) clarifiquem ideias confusas; (iv) esclare- çam dúvidas; (v) decidam sobre ideias certas e erradas; (vi) desenvol- vam as suas próprias ideias e tomadas de posição sobre problemas; (vii) façam a ligação entre as ideias; (viii) elaborem opiniões informadas que lhes permitam contribuir para debates e discussões. 4. As bibliotecas ajudam os alunos nas suas aprendizagens fora da escola: (i) aprendem sobre outros assuntos interessantes para além dos leccio- nados na sala de aula; (ii) estudam melhor em casa; (iii) organizam melhor o estudo e o trabalho de casa; (iv) tornam-se mais competentes a resolver problemas; (v) dão ajuda na resolução de problemas pes- soais; (vi) compreendem a importância de possuírem a informação rigo- rosa, quando têm que tomar decisões 5. As bibliotecas escolares ajudam os alunos a melhorar as suas compe- tências tecnológicas: (i) executam as tarefas escolares usando o com- putador; (ii) aumentam o interesse pela tecnologia da informação; (iii) localizam informação dentro e fora da escola; (iv) fazem melhores pes- quisas na Internet; (v) avaliam melhor a informação na Internet; (vi) usam melhor as tecnologias para fazer as tarefas; (vii) tornam-se mais confiantes na utilização dos computadores para pesquisar. Maria Elisa Almeida Práticas e Modelos de Auto-avaliação em Bibliotecas Escolares 2ª Tarefa – 31 Outubro,2009
  • 4. 6. As bibliotecas escolares apoiam os alunos na leitura: (i) lêem mais; (ii) encontram os autores de que gostam; (iii) tornam-se melhores leitores; (iv) lêem com mais prazer; (v) descobrem novos interesses; (vi) escrevem melhor. (Todd, 2003:27-33, tradução minha) Kenny, Brian (2006). Ross to the Rescue! Rutgers’ Ross Todd’s quest to renew school libraries. In School Library Journal, 31|10|09. [Disponível em] http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA6320013.html[23|02|09] Todd, Ross (2001). Transitions for preferred futures of school libraries. Keynote Paper. The 2001 IASL Conference. Auckland, New Zealand, 9-12 July. <http://www.iasl-online.org/events/conf/virtualpaper2001.html> (27|10|09) Todd, Ross (2003). Irrefutable evidence. How to prove you boost student achievement. School Library Journal. [Disponível em]: http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA287119.html [21|02|09] Ross, Todd (2008). Evidence-based Practice: Building the Future of school Libraries. http://linhadeleitura.wordpress.com/2008/11/05/comunicacoes -de-ross-todd-na-torre-do-tombo-3-de-novembro-de-2008/ (31|10|09) Zmuda, A& Harada, V. (2008). Reframing the Library Media Specialist as a Learning Specialist. Disponível em: http://www.schoollibrarymedia.Com/Zmuda&Harada2008v24nn8p42.html. Texto da Sessão: “A Biblioteca Escolar: desafios e oportunidades no contexto da mudança, Disponível na plataforma. Maria Elisa Almeida Maria Elisa Almeida Práticas e Modelos de Auto-avaliação em Bibliotecas Escolares 2ª Tarefa – 31 Outubro,2009