• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Medidas De Tempo
 

Medidas De Tempo

on

  • 4,319 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,319
Views on SlideShare
4,317
Embed Views
2

Actions

Likes
1
Downloads
38
Comments
0

1 Embed 2

http://www.slideshare.net 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Medidas De Tempo Medidas De Tempo Presentation Transcript

    • Medidas de tempo ESI – Colégio São Carlos Didática da Matemática Fernanda, 03 Natália, 05 Viviane, 08 2º Curso Normal
    • “ Foi por meio do desenvolvimento da memória e da comparação que o homem criou a noção de tempo, uma forma de adequar as tarefas necessárias aos períodos e ás condições da natureza”, explica explica Suzana Herculano, neurocientista e professora da UFRJ. Sobre o texto... Idade da Pedra Homem de Cro-Magnon Lua se modificava de modo previsível
    • “ O céu passou a ser o relógio da humanidade”, diz Renato Las Casas, professor de astronomia da UFRMG. Existem mais de 40 calendários Calendário Gregoriano a.C
    • Em 1542 surgiu o primeiro relógio, no início marcava apenas as horas. O ponteiro de minutos surgiu 100 anos depois. Produção Mundial = 252 milhões por ano “ Com o aparecimento do cronômetro, a contagem ficou ainda mais rígida. Criou-se a noção de que o tempo não pode ser desperdiçado.” Roseli Fontana, Unicamp.
    • “ Para os estudantes de 1ª a 4ª série, o ideal é abrir a discussão tentando quebrar a naturalização do tempo, ou seja, o sentimento de que ele é uma coisa concreta e imutável”, diz Roseli Fontana. Explique o que significa ONTEM, HOJE e AMANHÃ!
    • Músicas sobre tempo A Primavera – Eliana Respiramos Alegria - é a primavera É a primavera, é a primavera As flores se abrem perfumando o ar Tudo que é bonito sai prá se mostrar Cada novo dia é uma festa pra viver Uma poesia que o sol faz renascer Uma aquarela em todo lugar Toda a natureza quer se namorar É como se o mundo se enfeitasse de azul Ou de um arco-íris que ligasse o norte ao sul OHH Todas as pessoas na cidade respirando primavera (Nanana) Tudo que tem vida pelas matas respirando primavera (nanana) Um sorriso mostra como é fácil ser feliz Um show de alegria, todo mundo pede bis (Sim) É a estação dos namorados Tudo é lindo quando é primavera Uma borboleta vem anunciar
    • Que a estação das cores veio pra ficar É como se o sonho despertasse pra viver Uma poesia que o sol faz renascer Uma aquarela em todo lugar Toda natureza quer se namorar É como se o mundo se enfeitasse de azul Ou de um arco-íris que ligasse o norte ao sul Todas as pessoas na cidade respirando primavera Tudo que tem vida pelas matas respirando primavera Um sorriso mostra como é fácil ser feliz Um show de alegria, todo mundo pede bis (Sim) É a estação dos namorados Tudo é lindo quando é primavera Todas as pessoas nas cidades respirando primavera Tudo que tem vida pelas matas respirando primavera Eu sei que tudo nessa hora pode acontecer Só falta agora a primavera me trazer você
    • As estações - Eliana Cai,cai,cai chuvinha Molha uma plantinha Cai, cai, cai chuvinha Pra brotar a sementinha Cai, cai, cai chuvinha Pra molhar o chão Brota a esperança Como flor no coração Quem, quem é que vai chegar? É a primavera Com muitas flores pra alegrar E depois o que vai chegar? É o verão Muito sol, que calorzão Depois vem o outono Folhas pelo chão E depois o inverno Uhhhh, que frio nessa estação
    • > Vinícius De Moraes O Relógio > Caetano Veloso Oração ao tempo > Eliana Tic-tac
    • Histórias sobre tempo O Sol Era uma vez um rei chamado Sol. Todos o conhecem. Todos o estimam. Poderoso, os seus raios são espadas. Majestoso, os seus raios são de ouro e mais do que todo o ouro valem. Generoso, os seus raios são fios de vida. Poderoso, majestoso e generoso era este rei, mas tinha um grande desgosto – os seus quatro filhos davam-se muito mal uns com os outros. Chamavam-se os quatro irmãos, por ordem de idade, a começar pelo mais novo: Primavera, Verão, Outono e Inverno. Bulhavam constantemente, porque todos queriam, à uma, governar a Terra. Ora isto não podia ser. Assim pensando, o rei Sol decidiu que cada um deles governasse por sua vez, durante um certo tempo. As ordens de um pai, para mais rei, e ainda por cima Sol, têm de se cumprir. O Outono não gostava desta partilha. Queixava-se de que lhe não davam tempo… Ainda estava ele a arrumar e a alindar a casa, pintando tudo da cor púrpura, em tons e meios-tons amarelos doirados, e já o Inverno lhe batia à porta. Então o Outono tinha uma birra e arrancava as folhas das árvores, algumas ainda por pintar… Saía o Outono com lágrimas nos olhos e entrava o Inverno.
    • — Em que desordem isto está — exclamava ele, irritado. E punha-se a varrer. Varria com tanta força que fazia vento. Depois lavava, em grandes bátegas, caídas do céu… As sementes e os grãozinhos, que o Outono deitara à terra, assustavam-se: — Iremos nós também na cheia? — perguntavam uns para os outros. O Inverno ouvia-os e dizia-lhes: — Sosseguem! Durmam descansados. Vai tudo dormir um longo sono. Assim tem de ser. E tão carinhoso ele era que cobria os lugares mais desprotegidos da terra com um manto branco de neve. Lá fora, a Primavera impacientava-se. Não tinha feitio para suportar os vagares do irmão. Às vezes, não se continha que não perguntasse pela frincha da porta: — Já posso? Ainda era cedo, mas só de lhe ouvirem a voz, as primeiras flores rompiam a terra. Então, quando ela chegava, era uma festa. Corria a Primavera de lés a lés e não havia ervinha, folha, haste, flor que não quisesse dançar com ela. Era uma enorme roda de alegria.
    • Mas a folgança não podia continuar sempre. Cansada do bailarico, a Primavera dava de bom grado o seu lugar ao Verão. — Vamos trabalhar — dizia ele, assim que chegava. E trabalhava-se, pois então! Os grãos e os frutos amadureciam. As flores arrecadavam tesouros. Nas tocas, nos ninhos, nos cortiços e por toda a parte, as palavras de ordem eram: trabalhar, colher, guardar. Enquanto, nas praias, uns gozavam as férias, outros, no campo, não tinham descanso. — O essencial fica feito. Deixo os retoques ao cuidado do meu irmão Outono — dizia o Verão, à despedida. Lá vinha o Outono, com pincel e tintas apurar as cores. Achava sempre que merecia mais tempo. São tantas as tonalidades, do verde-escuro ao castanho, do laranja ao vermelho… Não se pode fazer obra asseada quando se sente os passos do Inverno a aproximarem-se. Que nervos! Sorrindo no seu trono, o Sol acompanhava a obra dos seus quatro filhos. Descansa. Eles estão a dar muito boa conta de si. E o Sol, risonho, ainda mais resplandece. António Torrado
    • Parlenda sem tempo O tempo perguntou pro tempo Quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu, com pressa, — Não posso falar com ninguém! Que não tenho tempo pra nada! E além disso, não te interessa! “Que grossura”, pensou o tempo, “Que resposta mal-educada!”. Tudo bem ser apressado, Mas pra que essa patada? — O tempo pede carinho — Disse o tempo, o educado. — Mas a mim só atrapalha! — Disse o outro, o estressado. Nisso teve um piripaque E caiu duro no chão! Ficou vesgo, verde, pirado! Um tempo sem coração. Contos Infantis: http://tempoesia.sites.uol.com.br/conto_infantil/menu/menu.htm