Your SlideShare is downloading. ×
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O empirismo e o racionalismo

35,982

Published on

Contém um texto de OLga Pombo sobre o empirismo e o racionalismo

Contém um texto de OLga Pombo sobre o empirismo e o racionalismo

Published in: Education
1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
35,982
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
302
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Filosofia Ano Lectivo: 2007/2008 Ano: 11º Turma: ______ 1. Descrição e interpretação da actividade Unidade IV cognoscitiva 1.2. Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento: O empirismo e o racionalismo Prof. Joaquim Melro Documento 1 Assunto: O empirismo e o racionalismo “O homem sentiu, desde sempre, necessidade de explicar o mundo que o rodeia. Por isso, o problema do conhecimento foi colocado logo desde o início da filosofia grega. Embora o conhecimento seja, não um estado mas sim um processo e, como tal, necessariamente relacionado com a actividade prática do homem (conhecer não é só possuir uma representação mental do mundo, é também actuar no mundo a partir da representação que dele temos), tradicionalmente, o conhecimento foi descrito como uma relação entre um sujeito, enquanto agente conhecedor, e um objecto, enquanto coisa conhecida. [Um] grande problema se coloca: 1. Qual a origem do conhecimento? Será que todo o conhecimento procede apenas da experiência? Será que alguns dos nossos conhecimentos têm a sua origem na razão? Ou será que todo o conhecimento resulta de uma elaboração racional a partir dos dados da experiência? São várias as respostas filosóficas a este problema. Centremos a nossa reflexão em duas delas: são possíveis a esta questão: o empirismo 1 , o racionalismo 2 . 1 EMPIRISMO- Corrente filosófica que considera a experiência sensível externa (as sensações) e interna (os nossos sentimentos tal como são vividos) como fonte única, directa ou indirecta, do conhecimento. 2 RACIONALISMO - Os filósofos racionalistas atribuem à razão um papel determinante na construção do conhecimento. Os grandes filósofos racionalistas (Platão, Descartes, Leibniz) procuram explicar o conhecimento (que só merece este nome quando é logicamente necessário e universalmente válido) como resultado exclusivo da razão. 1
  • 2. O empirismo O empirismo considera como fonte de todas as nossas representações os dados fornecidos pelos sentidos. Assim, todo o conhecimento é «a posteriori», isto é, provém da experiência e à experiência se reduz. Segundo os empiristas, inclusivamente as noções matemáticas seriam cópias mentais estilizadas das figuras e objectos que se apresentam à percepção. quot; Os pontos, as linhas, os círculos que cada um tem no espírito são simples cópias dos pontos, linhas e círculos que conheceu na experiênciaquot; Stuart Mill Assim, quot;a linha recta seria uma simples cópia do fio de prumo, como o plano, simples cópia da superfície do lago, o círculo da lua ou do sol, o cilindro do tronco de árvore e a noção de número deriva da percepção empírica de colecções de objectos.quot; (Ribeiro e Silva, 1973, p. 390). O racionalismo Os racionalistas consideram que só é verdadeiro conhecimento aquele que for logicamente necessário e universalmente válido, isto é, o conhecimento matemático é o próprio modelo do conhecimento. Assim sendo, o racionalismo tem que admitir que há determinados tipos de conhecimento, em especial as noções matemáticas, que têm origem na razão. Não quer isso dizer que neguem a existência do conhecimento empírico. Admitem-no. Consideram-no porém como simples opinião, desprovido de qualquer valor científico. O conhecimento, assim entendido, supõe a existência de ideias ou essências anteriores e independentes de toda a experiência (ideias inatas). Descartes defende uma particular posição no interior do racionalismo: o racionalismo inatista”. Adaptação feita a partir de Pombo, O. (s/d). O conhecimento. Retirado em Janeiro 25, 2009 de http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/seminario/descartes/conhecimento.htm 2

×