Your SlideShare is downloading. ×
artesanato
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

artesanato

2,759
views

Published on

artesanato

artesanato

Published in: Education, Travel, Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,759
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
77
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CATEGORIAS E TIPOLOGIAS SECRETARIA DE ASSISTENCIA SOCIAL TANGARA DA SERRA POLITICAS PUBLICAS PARA AS MULHERES
  • 2. CATEGORIAS
  • 3.
    • Primeiramente definem-se categorias
    • dos produtos artesanais, de acordo com
    • sua origem, uso e destino:
  • 4. Arte popular
    • Conjunto de atividades poéticas, musicais, plásticas e expressivas, que demonstram o modo de ser e de viver de uma população. O produto é representativo da realidade do artista que o criou e pode servir de inspiração e modelo para a criação de produtos artesanais.
  • 5. Artesanato
    • O Conselho Mundial do Artesanato define como artesanato toda atividade produtiva que resulte em objetos e artefatos acabados, feitos manualmente ou com a utilização de meios tradicionais ou rudimentares, com habilidade, destreza, qualidade e criatividade. A produção consiste em pequenas séries, oferecidas ao mercado com regularidade.
  • 6. Trabalhos Manuais
    • Os trabalhos manuais exigem destreza e habilidade, porém utilizam moldes e padrões pré-definidos , resultando em produtos de estética pouco elaborada . Não são resultantes de processo criativo efetivo. É, em geral, uma ocupação secundária sendo utilizado o tempo disponível das tarefas domésticas para a complementação da renda familiar ou mesmo como passatempo.
  • 7. Produtos semi-industriais e industriais ("industrianato")
    • Produção em grande escala , em série, com utilização de moldes e fôrmas, máquinas e equipamentos de reprodução, com pessoas envolvidas e conhecedoras apenas de partes do processo.
  • 8. Artesanato Indígena
    • São os objetos produzidos no seio de uma comunidade indígena, por seus próprios membros. São, em sua maioria, resultante de uma produção coletiva, incorporada ao cotidiano da vida tribal.
  • 9. Artesanato tradicional
    • Conjunto de artefatos mais expressivos da cultura de um determinado grupo, representativo de suas tradições , porém, incorporados à sua vida cotidiana. Sua produção é, em geral, de origem familiar ou de pequenos grupos vizinhos, o que possibilita e favorece a transferência de conhecimentos sobre técnicas, processos e desenhos originais. Sua importância e seu valor cultural decorrem do fato de ser depositária de um passado, de acompanhar histórias transmitidas de geração em geração, e de ser parte integrante e indissociável dos usos e costumes de um determinado grupo.
  • 10. Artesanato de referência cultural
    • São produtos que têm como característica a incorporação de elementos culturais tradicionais da região onde são produzidos. São, em geral, resultantes de uma intervenção planejada de artistas e designers, em parceria com os artesãos, com o objetivo de diversificar os produtos, porém preservando seus traços culturais mais representativos.
  • 11. Artesanato conceitual
    • Objetos produzidos por pessoas com alguma formação artística, de nível educacional e cultural mais elevado, geralmente de origem urbana, resultante de um projeto deliberado de afirmação de um estilo de vida ou afinidade cultural. A inovação é o elemento principal que distingue esse artesanato das demais categorias. Por trás desses produtos existe sempre uma proposta, uma afirmação sobre estilos de vida e de valores, muitas vezes explícitos nos sistemas de promoção utilizados, sobretudo aqueles ligados ao movimento ecológico e naturalista.
  • 12. Os produtos artesanais também são classificados segundo o seu uso. Assim temos:
  • 13. Adornos e acessórios
    • Objetos de uso pessoal, como jóias, bijuterias, cintos, bolsas, peças para vestuário etc.
  • 14. Decorativo
    • Objetos produzidos para ornamentar e decorar ambientes.
  • 15. Educativo
    • Objetos destinados às práticas pedagógicas
  • 16. Lúdico
    • Objetos produzidos para o entretenimento e para representação do imaginário popular. Exemplos: jogos, bonecos e brinquedos, entre outros.
  • 17. Religioso
    • Peças destinadas aos usos ritualísticos ou para demonstração das crenças e da fé. Exemplos: amuletos, imagens, adornos, altares e oratórios, entre outros.
  • 18. Utilitário
    • Peças produzidas para satisfazer às necessidades de trabalho das pessoas, seja no campo ou na atividade doméstica. Peças de grande simplicidade formal, seu valor é determinado pela importância funcional, e não por seu valor simbólico.
  • 19. Tipologia
  • 20.
    • Outra forma de classificar o artesanato é em função da matéria-prima utilizada :
  • 21.
    • As matérias-primas podem ser de origem mineral, vegetal ou animal, podendo ser utilizadas em seu estado natural, depois de processadas artesanalmente ou industrialmente ou, ainda, serem decorrentes de processos de reciclagem ou reaproveitamento. Para cada matéria-prima principal derivam práticas profissionais que resultam em tipologias de produtos específicas, com suas respectivas técnicas, ferramentas e destinações.
  • 22. Matéria prima natural
  • 23. Mineral
  • 24. Argila ( cerâmica, porcelana e mosaicos)
  • 25. Pedra (santeria, movelaria, joalheria, cantaria )
  • 26. Vegetal
  • 27. Fibras (tapeçaria, movelaria, cestaria)
  • 28. Madeiras ( marchetaria, carpintaria, escultura, marcenaria)
  • 29. Cascas e sementes ( práticas diversas)
  • 30. Animal
  • 31. Couro ( sapataria, celaria e malas )
  • 32. Chifre e osso ( práticas diversas)
  • 33. Conchas e corais ( entalhes e esculturas)
  • 34. Lã ( tecelagem)
  • 35. Penas e plumas ( práticas diversas )
  • 36. Matéria prima processada
  • 37. Mineral
  • 38. Metal (ferraria, utensílios, joalheria e serraria)
  • 39. Vidro ( vitrais, mosaicos, embalagens)
  • 40. Gesso (modelagem)
  • 41. Parafina (modelagem)
  • 42. Vegetal
  • 43. Fio (tecelagem, rendas e bordados)
  • 44. Tecido ( costura, bordado)
  • 45. Borracha ( práticas diversas)
  • 46. Animal
  • 47. Couro ( calçados, celaria e malas )
  • 48. Fio de seda (tecelagem e bordados)
  • 49. Lã ( tecelagem)
  • 50. Matéria prima reciclável/aproveitada
  • 51. Mineral
  • 52. Metal (ferraria, utensílios, joalheria e serraria)
  • 53. Vidro ( vitrais, mosaicos, embalagens)
  • 54. Plástico ( práticas diversas)
  • 55. Vegetal
  • 56. Madeira ( marchetaria, escultura, marcenaria)
  • 57. Papel ( práticas diversas)
  • 58. Tecido ( costura, bordado, fuxico)
  • 59. Animal :Couro ( calçados, celaria e malas )
  • 60. Lã ( tecelagem, tapeçaria e bordados)
  • 61.
    • Além das práticas artesanais citadas existem as que misturam materiais de origem diversas ( mineral, vegetal e animal). Classificação segundo a forma de organização do trabalho que executam Os artesãos ou grupos de artesãos recebem uma classificação segundo a forma de organização do trabalho que executam. São identificadas as seguintes funções e estruturas organizacionais
  • 62.
    • Mestre artesão Indivíduo que se destacou em seu ofício, conquistando admiração e respeito não somente de seus aprendizes e auxiliares artesãos, como também dos clientes e consumidores. Sua maior contribuição é repassar, para as novas gerações, técnicas artesanais e experiências fundamentais de sua atividade.
  • 63.
    • Artesão É o que detém conhecimentos técnicos sobre os materiais, ferramentas e processos de sua especialidade, dominando todo o processo produtivo.
  • 64.
    • Aprendiz É o auxiliar das oficinas de produção artesanal, encarregado de elaborar partes do trabalho e que se encontra em processo de capacitação.
  • 65.
    • Artista Todo artista deve ser, antes de tudo, um artesão, no sentido de dominar o "saber fazer" de sua área de atuação. Desenvolve em seu trabalho uma coerência temática demonstradas em seu compromisso de criar sempre coisas novas e ir além do já conhecido.
  • 66.
    • Núcleo de produção familiar A força de trabalho é constituída por membros de uma mesma família, alguns com dedicação integral e outros com dedicação parcial ou temporária. A direção dos trabalhos é exercida pelo pai ou pela mãe (dependendo do tipo de artesanato que se produza), que organizam os trabalhos de filhos, sobrinhos e outros parentes. Em geral não existe um sistema de pagamentos pré-fixados, sendo as pessoas remuneradas de acordo com suas necessidades e disponibilidade de um caixa único.
  • 67.
    • Grupos de produção artesanal Agrupamentos de artesãos atuando no mesmo segmento artesanal ou em segmentos diversos e que se valem de acordos informais, como aquisição de matéria-prima e/ou de estratégias promocionais conjuntas e produção coletiva.
  • 68.
    • Empresa artesanal São núcleos de produção que evoluíram para a forma de micro ou pequenas empresas, com personalidade jurídica, regida por um contrato social. Como quaisquer empresas privadas, buscam vantagens comerciais para continuar a existir. Empregam artesãos e aprendizes encarregados da produção e remunerados, em geral, com um salário fixo ou uma pequena comissão sobre as unidades vendidas.
  • 69.
    • Associação Uma associação é uma instituição de direito privado sem fins lucrativos, constituída com o objetivo de defender e zelar pelos interesses de seus associados. São regidas também por estatutos sociais, com uma diretoria eleita em assembléia para períodos regulares.
  • 70.
    • Cooperativa As cooperativas são associações de pessoas de número variável (não inferior a 20 participantes) que se unem para alcançar benefícios comuns, em geral, para organizar e normalizar atividades de interesse comum. O objetivo essencial de uma cooperativa na área do artesanato é a busca de maior eficiência na produção com ganho de qualidade e de competitividade em virtude da redução de custos na aquisição de matéria-prima, no beneficiamento, no transporte, na distribuição e venda dos produtos.
  • 71. Estratégias de apoio e produção
  • 72.
    • A utilização dos critérios "valor cultural" e "volume de produção", permite uma avaliação para diferenciar os distintos tipos de produtos, contribuir para perceber que para cada grupo deverá ser definida uma estratégia de apoio e promoção diferenciada. Desse modo, observa-se que quanto menor for a escala de produção, tendendo a peças únicas ou exclusivas, maior tende a ser seu valor nominal econômico - valor este que cresce na mesma proporção de seu valor cultural. Por isso, o direcionamento das políticas para o artesanato deve considerar as especificidades dos produtos com a capacidade econômica dos consumidores visados.
    • Para que a inspiração criadora do artesão se transforme em renda, ampliação de oportunidades de trabalho e melhoria de qualidade de vida ele necessita de apoio e de estratégias diferenciadas que sejam coerentes com a pluralidade da produção artesanal brasileira.
  • 73. SECRETARIA DE ASSISTENCIA SOCIAL
    • [email_address]
    • http://amarartesanato.blospot.com
    • orkut-amar artesanato
    • 65 -9642 8734
    • VANIA JANONES
    • POLITICAS PUBLICAS PARA AS MULHERES