• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Gênero e Diversidade na Escola
 

Gênero e Diversidade na Escola

on

  • 14,391 views

 

Statistics

Views

Total Views
14,391
Views on SlideShare
14,151
Embed Views
240

Actions

Likes
5
Downloads
342
Comments
0

12 Embeds 240

http://bernardescomunicacao.blogspot.com.br 92
http://bernardescomunicacao.blogspot.com 68
http://pipemfoco.blogspot.com.br 31
http://www.slideshare.net 12
https://www.xn--cursosonlinedaeducao-7yb1g.com.br 9
https://cursosrapidosonline.com.br 8
https://cesbonline.com.br 7
https://www.cursosonlinecursos.com.br 4
http://dianacostaeduhistoria.blogspot.com 3
http://bernardescomunicacao.blogspot.pt 2
http://iavelcr19.wikispaces.com 2
http://dianacostaeduhistoria.blogspot.com.br 2
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

Gênero e Diversidade na Escola Gênero e Diversidade na Escola Presentation Transcript

  • APOIO: UFRPE
  • SEXUALIDADE E ORIENTAÇÃO SEXUAL
  • A situação das mulheres é preocupante em todo o mundo. Em todas as classes sociais há mulheres ... Vítimas de violência Enfrentando dificuldade de acesso ao trabalho e à geração de renda; à escolarização, e à participação na vida pública. No Brasil, as mulheres são 41% da força de trabalho, mas ocupam somente 24% dos cargos de gerência. No geral, entretanto, as mulheres brasileiras recebem, em média, o correspondente a 71% do salário dos homens. Essa diferença é mais gritante nas funções menos qualificadas.
  • Os estudos mostram que no universo do trabalho as mulheres são ainda preferidas para as funções de rotina. De cada dez pessoas afetadas pelas lesões por esforço repetitivo (LER), oito são mulheres. As mulheres sofrem mais do que os homens com o estresse de uma carreira, pois as pressões do trabalho fora de casa se duplicaram. As mulheres dedicam-se tanto ao trabalho quanto o homem e, quando voltam para casa, dedicam-se com a mesma intensidade ao trabalho doméstico. Embora alguns homens ajudem em casa, não chegam nem perto da energia que a mulher tende a dar.
  • Muitas mulheres além de sofrerem a discriminação de gênero, ainda enfrentam preconceitos por serem pobres, negras, indígenas e, algumas, também pela preferência sexual. Porém não apenas as mulheres sofrem com esses problemas. Grande parte da população sofre discriminação de gênero, sexual, etnia e racial. No Brasil tais desigualdades são produzidas, e reproduzidas, no âmbito das diversidades regionais e culturais.
  • A Revolução Francesa é um marco na luta pela igualdade de direitos, mas apenas a partir do séc. XIX é que as manifestações públicas pela igualdade de direitos entre homens e mulheres obtiveram uma maior visibilidade. Inicialmente se buscava igualdade de acesso E para muitos analistas sociais isso é fruto da luta do movimento feminista que questionou: Desde o século XX já é possível observarmos mudanças sociais, no que se refere a discriminação da mulher. a submissão da mulher à autoridade masculina; a divisão sexual do trabalho; e consequentemente, a divisão de poder entre homens e mulheres. à educação, ao mercado de trabalho, e ao voto
  • Assim o movimento feminista expôs as desigualdades de gênero: Quanto a representação políticas o Brasil ocupa a 107ª colocação no ranking de participação de mulheres nas câmaras de deputados, em uma lista de 187 países . A ciência também não foi neutra nas questões de gênero e raça. Não podemos esquecer as mulheres que muitos anos antes da década de 60 e 70 já lutavam pelos seus direitos. no mercado de trabalho; na organização da vida política; no ordenamento jurídico da sociedade; na produção de conhecimentos científicos
  • VIOLÊNCIA DE GÊNERO Apesar de já se perceber algumas mudanças na sociedade brasileira, no que se refere as mulheres, ainda é comum a vitima de violência ser culpabilizada, seja por discriminação de gênero ou de orientação sexual. Para muitos, os valores hegemônicos não devem ser questionados /”transgredidos” A violência pode se manifestar de diversas formas, entre elas: ameaças, agressões físicas, abusos sexuais, estupros, assedio moral e sexual.
  • Segundo estudos do Observatório da Violência Contra as Mulheres, do Instituto Feminista para a Democracia (SOS Corpo), 95% dos agressores são homens, e companheiros e ex-companheiros respon-dem por quase 70% dos casos de violência letal contra as mulheres em Pernambuco. ( JC Online, 24/11/08 .)
  • No Brasil, o ciúme desponta como a principal causa aparente da violência, assim como o alcoolismo ou o fato de estar alcoolizado no momento da agressão (mencionadas por 21%, ambas). Essas razões se destacam em respostas espontâneas sobre o que as mulheres acreditam ter causado a violência sofrida. (Fundação Perseu Abramo 2001 e revisão 2002).
  • O risco de uma mulher ser agredida em sua própria casa pelo pai de seus filhos, ex-marido ou atual companheiro é nove vezes maior que sofrer algum ataque violento na rua ou no local de trabalho (BID – Banco de Desenvolvimento/98).
  • Você sabia que .... A data é uma homenagem às irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), assassinadas violentamente no dia 25 de novembro de 1960, pelo ditador Rafael Trujilo, na República Dominicana. O dia 25 de novembro foi escolhido como Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres em 1981. A Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu a data em 1999. ( JC On - line , 24/11/08 .)
  • A violência doméstica contra as mulheres não atinge apenas a elas, mas a toda a família, principalmente as crianças. Um dos instrumentos legais que combate a violência doméstica contra as crianças e adolescentes é o Estatuto da Criança e do Adolescente
  • Visando o combate a violência de gênero foi criada a Lei Maria da Penha (Lei No. 11.340/2006). Também devemos lembrar que outros grupos são discriminados também são alvos de violência, como por exemplo os homossexuais e afro-descendentes. De acordo com o Grupo Gay da Bahia (GBB), Pernambuco é o estado brasileiro com maior número de assassinatos de homossexuais com motivação homofóbica, 27 assassinatos em 2008.