O Alcoolismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O Alcoolismo

on

  • 9,807 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,807
Views on SlideShare
9,762
Embed Views
45

Actions

Likes
0
Downloads
119
Comments
0

5 Embeds 45

http://www.slideshare.net 27
http://comeandoaeducar.blogspot.com 12
http://comeandoaeducar.blogspot.pt 4
http://www.google.pt 1
http://comeandoaeducar.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O Alcoolismo O Alcoolismo Presentation Transcript

    • Francisco da Graça O ALCOOLISMO Noções gerais
    • Introdução
      • Foi a pensar nos jovens de hoje - homens de amanhã – que o Francisco da Graça (alcoólico recuperado há 30 anos) se propôs fazer o que aqui apresenta.
      • Juntou os livros técnicos ao saber prático, para te ajudar a ti, jovem, a pensar, a observar, a descobrir o mundo que te rodeia.
      • Quando chegar a hora de tomares nas tuas mãos o teu mundo, constrói um mundo novo, sem amarras nem cadeias ao alcoolismo, que tem reduzido muito boas pessoas a caricaturas de gente.
    • O que é o alcoolismo?
      • É uma intoxicação progressiva do organismo, derivada do consumo de doses elevadas de bebidas alcoólicas.
      • A doença do alcoolismo consiste na incapacidade
      • do lesado abandonar o consumo de bebidas alcoolizadas, ainda que as queira evitar, por impedimento da força de vontade e respectiva capacidade de decisão.
    • Existem dois tipos de alcoolismo
      • agudo – confunde-se com a embriaguês;
      • crónico – caracteriza-se pela perda de apetite, sensação de queimaduras no esófago, vómitos pela manhã, etc.
      • Os prejuízos económicos causados pelo alcoolismo são maiores do que os lucros que a sociedade recebe da produção e comercialização das bebidas alcoolizadas.
      • O alcoolismo alastrou a partir do séc. XIX, com a industrialização do álcool, espalhando-se largamente por todo o mundo.
      • Tornou-se um flagelo social e marginalizou os indivíduos incapazes de controlar o consumo da bebida, cuja sociedade os incrimina e enjeita.
      • Em 1951 o alcoolismo foi cientificamente reconhecido pela O.M.S. como uma doença que é urgente combater e tratar, pois toda a sociedade é vítima dos seus efeitos ruinosos.
      • Em Portugal a mentalidade permanece no milénio anterior: um alcoólico é um “deficiente” e, como tal, por comodidade e egoísmo, ignora-se e rejeita-se.
      O alcoolismo é uma doença ? Um vício?
    • Como se chega a alcoólico?
      • Tipos de bebedor:
      • Ocasionais;
      • Esporádicos;
      • Regulares;
      • De consumo fraco e de
      • consumo elevado;
      • Grande parte dos alcoólicos procede do grupo de bebedores de consumo elevado, cujo hábito é de origem familiar e/ou social.
    • Muitos percorrem este caminho...
      • Fase pré-alcoólica :
      • Habituação
      • Perda de memória
      • Perda de controle
      • Tentativa de abstinência
      • Fase crucial :
      • Pretextos para beber sem medida
      • Beber isolado de forma anti-social
      • Consumo pela manhã
      • Sentimento de culpa
      • Saúde precária
      • Perda do emprego.
    • fazem figuras como esta
    • como esta
    • como esta
    • como esta
    • como esta
    • ...e acabaram aqui!
      • Fase crónica :
      • O alcoólico bebe dias a fio. A cisma não o deixa parar. Torna-se prisioneiro e só se vai libertar da amarra se, quando, como e onde pedir ajuda;
      • A vida deixa de ter horizontes, a única ocupação é beber, não há outra ocupação. Cai-se no fosso do qual nunca se sai sozinho.
    • O que é o alcoolismo??
      • . É uma doença progressiva do bebedor excessivo que perde o controlo dos consumos;
      • Doença – porquanto não é um vício, nem uma fraqueza mental; a O.M.S. reconheceu o alcoolismo como doença há mais de 50 anos;
      • Progressiva – porque de dia para dia cada vez é mais difícil ao bebedor viver sem álcool;
      • Excessiva – a liberdade de saber beber desapareceu; o que se bebe não é considerado bebida, mas uma necessidade;
      • Descontrolada – de uma vez por todas, o alcoólico perde a capacidade de decisão de consumo de bebidas alcoólicas.
    • Causas
      • Relações sociais
      • A oferta de bebidas é uma constante. Quando alguém as recusa, é alvo de comentários irónicos e até ofensivos.
    • Tensões internas
      • Refúgio para vários problemas pessoais, grupais, sociais.
    • Consumo ao ritmo do dia a dia
      • O bebedor excessivo ingere a qualquer hora, a toda a hora e toda e qualquer hora é boa hora.
    • Más condições de trabalho
      • Frequentes nas grandes cidades são um convite a quem depois de um dia de trabalho, procura na taberna a evasão do desconforto em que vive e o desgosto do regresso à casa-martírio.
    • A dureza de certas profissões
      • O trabalho na fábrica, na oficina ou na mina, são um incentivo à embriaguês;
      • Os pintores de construção civil e naval bebem com frequência, parece que devido à acção incentivadora das tintas e vernizes na mucosa bucal.
    • Consequências fisiológicas do alcoolismo
      • Danos nos órgãos vitais
      • O alcoolismo é uma doença progressiva ou definitiva .
      • Enfraquece e altera o funcionamento dos órgãos essenciais: cérebro, estômago, intestinos, coração, fígado, entre outros;
      • Devido ao estado frágil do organismo, potencia doenças graves: cancro, tuberculose, pneumonia, terminando numa cirrose que, detectada a tempo, tem cura.
    • Cirrose hepática
      • As células do fígado vão desaparecendo, não se renovam, sendo substituídas por um tecido cicatrizado e fibroso;
      • O fígado é um alambique, que precisa de descanso. O uso abusivo do álcool provoca o desgaste irreversível da maquinaria.
    • O «delirium tremens»
      • É uma doença que tem algo de sinistro. O doente revela angústia, agitação, tremura. Entra em fase de delírio, imaginando catástrofes, começando com ciúme sexual, tendo alucinações visuais e tácteis (sente correr insectos na pele ou deslizar répteis na parede);
      • Pode tornar-se agressivo para as pessoas que o rodeiam, principalmente para esposa.
    • Consequências sociais do alcoolismo
      • Miséria no lar
      • A vida no dia a dia com um doente alcoólico é penosa; ele é visto como um indivíduo sem personalidade, sem moral, inconsciente, gastando quase tudo com a bebida; só sabendo fazer ameaças, bater na mulher e nos filhos, nos quais provoca para sempre perturbações físicas e psíquicas;
      • Uma elevada % de divórcios deve-se ao alcoolismo.
    • Alienação mental e degeneração da raça
      • O álcool não só atinge a pessoa no que possui de mais nobre - a integridade mental – como também altera as células sexuais;
      • Quando não morrem, os descendentes de um alcoólico são mal constituídos, de altura reduzida, cérebro sem vontade própria; correm o risco de debilidade mental, surdês-mudês, epilepsia, demência, vadiagem, prostituição, criminalidade;
      • Disse alguém que “O alcoólico está para a loucura como os descendentes estão para a tuberculose”.
    • Acidentes no trabalho e perda do mesmo
      • Falta de atenção, pouca agilidade, medo doentio, alucinações (numa fase adiantada da doença), conduzem o doente a trabalhar mal, a cometer erros que constituem grave risco para ele e para os outros;
      • A falta de diálogo coerente na profissão, a irritação, o mau humor e o mau comportamento, levam-no ao despedimento.
    • Acidentes na circulação rodoviária
      • Actualmente, mais de 50% dos acidentes rodoviários são atribuídos ao alcoolismo;
      • O álcool actua no cérebro, nos órgãos dos sentidos e no sistema nervoso, perturba a atenção, provoca euforia, o prazer pelo risco, que se traduz no excesso de velocidade.
    • A maior toxicodependência em Portugal chama-se alcoolismo
      • Cerca de 10% da população portuguesa tem problemas com o álcool.
      • Esta é a bebida mais solicitada pela juventude nas discotecas.
    • As bebidas destiladas são as de maior consumo entre os jovens.
    • Sumos alcoolizados ao dispor da juventude.
      • As bebidas intencionalmente projectadas e conhecidas por “alcopops”, são uma mistura de leite ou sumo fortemente adocicado, para neutralizar o sabor do álcool e estão à venda em qualquer supermercado.
    • A alcoolemia taxa de 0,2 g/litro de sangue
      • É a razão entre o grau de álcool consumido e o peso, vezes um coeficiente dado.
      • Álcool puro (gramas)
      • _______________ X coeficiente
      • Peso (quilos)
      • Coeficiente:
      • 0,6 para a mulher
      • 0,7 para o homem
      • 1,1 à refeição
      • Ex. _40 g__ = 1,42 (mulher)
      • 47 x 0,6
      • _40 g__ = 0,71 (homem)
      • 80 x 0,7
    • Um doente alcoólico pode curar-se?
      • SIM – se entendermos por cura a livre vontade de deixar de beber, depois de um tratamento com ou sem internamento;
      • NÃO – se entendermos por cura a ilusão de voltar a beber, depois de ter sido tratado; (todo o doente alcoólico – sem excepção - alimenta este sonho).
      • Nota : o doente está curado, se não voltar a beber, se voltar, regressará à doença;
      • Uma recaída é tanto maior quanto maior for o tempo de abstinência.
    • Notícia publicada no jornal “24 horas”, de 23 de Maio de 2006
      • Jovens a beber - com o auxílio de uma palhinha - a poção mais solicitada nas discotecas.
      • Por ser uma bebida quente, não se pode pegar no copo, ao mesmo tempo que é extremamente alcoólica.
    • Adeus às dores de cabeça depois de uma noite de copos. Como passar o Verão sem ressacas. (24H, de 23/05/06)
      • Os portugueses já podem apanhar uma bebedeira sem se preocuparem com a ressaca. A partir de 25 de Maio de 2006 passou a estar disponível no mercado um novo suplemento alimentar, que acaba com as dores de cabeça, as náuseas e os vómitos, tão comuns depois de uma noite de copos.
      • O produto chama-se, nada mais nada menos, que KGB. Foi desenvolvido por cientistas russos nos anos 70, durante a Guerra Fria, para manter sóbrios os espiões quando bebiam com o inimigo. O objectivo principal da fórmula era funcionar como um antídoto para o álcool, para que os espiões conseguissem embriagar os seus inimigos e roubar-lhes as informações pretendidas. Apesar de a embriaguês se verificar, o efeito de ressaca não se manifestava.
      • O suplemento é composto por duas cápsulas – uma vermelha e outra preta. O Dr. João Rolo Garcia, especialista em medicina interna do Hospital dos Capuchos, explica como estas substâncias actuam no organismo: “A vermelha é para tomar antes de começar a beber e é composta por substâncias que se encontram naturalmente no organismo e que ajudam a metabolizar o álcool mais depressa”. É que, de acordo com este médico, o metabolismo do ser humano funciona sempre à mesma velocidade, independentemente da quantidade de álcool que se ingere.
      • “ Quando se acaba de beber, deve tomar-se a cápsula preta, que é composta por carvão activado e funciona como uma espécie de mata-borrão, ou seja, absorve o álcool do organismo e as outras substâncias químicas que fazem parte da composição das bebidas alcoólicas.”
      • Outra das vantagens da fórmula KGB, além de minimizar os efeitos mais imediatos do álcool, é evitar os danos a longo prazo que podem ocorrer no organismo. Estas substâncias protegem o fígado e diminuem os riscos de doenças associadas ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas.
      • Aquele médico garante que esta nova substância não tem qualquer efeito secundário para o ser humano, uma vez que é constituída apenas por produtos naturais. “Por isso, as pessoas podem tomar várias vezes, não lhes faz mal nenhum”, concluiu aquele médico.
    • Medida preventiva do alcoolismo
      • A educação do cidadão
      • Só devidamente esclarecidos os jovens podem recusar seguir o caminho dos adultos que enveredaram pela dependência do álcool;
      • As medidas preventivas são as únicas eficazes.
    • Pensando bem...
      • * Embrutece
      • * Faz do Rei um escravo
      • * Faz do rico um mendigo
      • * Faz do atleta um trémulo velhinho
      • * Apaga a luz da inteligência
      • * Enfraquece a memória
      • * Diminui a força de vontade
      • * Encurta a existência
      • * Envenena as fontes da vida
      • * Semeia a desunião na família
      • * Converte o lar numa prisão de tortura
      • * Rouba o pão aos filhos
      • * Extingue a alegria
      • * Semeia lágrimas
      • * Arruína fortunas
      • * Desfaz reputações
      • * Põe nas Escolas crianças falhadas
      • * Inunda de doentes os hospitais
      • * Atira para a cadeia homens e mulheres
      • * Provoca acidentes no trabalho e nas estradas
      • * Abre as portas a todos os vícios
      • * É inimigo do Homem, da Família e da Sociedade
      • * Faz do Homem – Obra-prima da Natureza – uma grotesca criatura !
    • VALSA TRISTE Posto que o alcoolismo qualquer rei torna escravo, o amigo cai no abismo, o rico fica sem chavo, a família é hospital, a escola é um vazio, a estrada é letal, o patrão fica na cama, o operário é vadio, a vida fica pela rama, presa por um frágil fio, e nem Deus está seguro, por causa do sacristão, que, com o copo em riste, vê tudo ficar escuro e dança na confusão que acaba em valsa triste, em jeito de conclusão aqui vai a descrição deste vero cataclismo, que é o vício do alcoolismo.