Your SlideShare is downloading. ×
0
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
AvaliaçãO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

AvaliaçãO

2,707

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,707
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
66
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Transcript

    • 1. AVALIAR É um desafio
    • 2. AVALIAR É: <ul><li>Uma função desempenhada pelos professores, de forma fidedigna e de qualidade, que lhes permite recolher a informação necessária para se tomar decisões correctas em relação ao aluno e às metodologias do professor; </li></ul>
    • 3. AVALIAÇÃO TERÁ DE SER: <ul><li>Um reajustamento de tipo interventivo ; </li></ul><ul><li>Uma interpelação às actividades a desenvolver; </li></ul><ul><li>Um repensar de estratégias e atitudes; </li></ul><ul><li>Uma procura de novas metodologias; </li></ul><ul><li>Uma busca de interesses para o aluno conseguir ultrapassar as suas dificuldades. </li></ul>
    • 4. TIPOS DE AVALIAÇÃO <ul><li>Avaliação Formativa: É a informação recolhida antes ou durante o acto de ensinar e pretende esclarecer o professor acerca dos conhecimentos e competências anteriores dos alunos; </li></ul><ul><li>Avaliação Sumativa: é a informação recolhida após o acto de ensinar e é utilizada para saber o desempenho dos alunos e determinar classificações. </li></ul>
    • 5. QUALIDADE DA INFORMAÇÃO <ul><li>Garantia </li></ul><ul><li>Refere-se à capacidade </li></ul><ul><li>que um teste ou um </li></ul><ul><li>instrumento de medida </li></ul><ul><li>apresenta para produzir </li></ul><ul><li>resultados ou informações </li></ul><ul><li>consistentes em relação às </li></ul><ul><li>pessoas testadas mais do </li></ul><ul><li>que uma vez durante um </li></ul><ul><li>determinado período de </li></ul><ul><li>tempo. </li></ul><ul><li>Validade </li></ul><ul><li>Refere-se à capacidade de </li></ul><ul><li>um teste ou outro </li></ul><ul><li>instrumento medir aquilo </li></ul><ul><li>a que se propõe . </li></ul>
    • 6. OS REFORÇOS E A AVALIAÇÃO <ul><li>Negativos: quando as tarefas são especialmente interessantes para os alunos ; </li></ul><ul><li>Positivos:quando o reforço extrínseco e as classificações servem de incentivo para as aprendizagens positivas e progressivas do aluno </li></ul>
    • 7. PRECONCEITOS DO PROFESSOR NA AVALIAÇÃO E ATRIBUIÇÃO DE NOTAS <ul><li>Justo, Imparcial e Isento </li></ul><ul><li>( porque avaliar é um acto subjectivo onde está subjacente a personalidade de cada professor) </li></ul><ul><li>Os professores utilizam critérios diferentes para os mesmos trabalhos; </li></ul><ul><li>Os docentes são influenciados por uma série de factores subjectivos :a caligrafia, a opinião expressa estar ou não de acordo com a sua e as expectativas em relação a determinado aluno. </li></ul>
    • 8. A IMPORTÂNCIA DAS NOTAS PARA OS PAIS <ul><li>A escola é selectiva: </li></ul><ul><li>A imagem que os pais tiveram da sua vida académica repercutiu-se na sua vida e na vida dos filhos; </li></ul><ul><li>As preocupações dos pais podem ser benéficas para melhorar a aprendizagem dos alunos e as metodologias do professor; </li></ul>
    • 9. PROGRAMAS DE AVALIAÇÃO AO NÍVEL DA ESCOLA <ul><li>Testes Estandardizados : </li></ul><ul><li>1 – Testes referidos a uma norma </li></ul><ul><li>2 - Testes referidos a um critério </li></ul><ul><li>( concebidos e validados por psicometristas). </li></ul><ul><li>Os resultados devem ser comunicados de forma: </li></ul><ul><li>Honesta </li></ul><ul><li>Directa </li></ul>
    • 10. TESTES REFERIDOS A UMA NORMA Relativamente à norma avaliam um grupo particular comparando-o com o desempenho que outro grupo bem definido de alunos teve no mesmo teste. Resultado Bruto Percentil Consiste no nº de itens É um instrumento estatís- do teste que são respon- tico que mostra a forma didos correctamente. como o aluno se compara com os outros.
    • 11. TESTES REFERIDOS A UMA NORMA <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>Permite comparar </li></ul><ul><li>alunos de diferentes </li></ul><ul><li>regiões ou escolas </li></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>Não especifica como se atingiram os objectivos </li></ul><ul><li>Não proporciona </li></ul><ul><li>informação sobre o </li></ul><ul><li>sucesso dos alunos </li></ul>
    • 12. TESTES REFERIDOS A UM CRITÉRIO <ul><li>Referente ao critério medem e desempenho em relação a um nível ou um critério de desempenho pré-estabelecido. </li></ul>Vantagens: Proporcionam informação sobre o nível de desempenho do aluno. Desvantagens: Não permitem comparar os alunos de diferentes regiões ou escolas.
    • 13. PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR <ul><li>Diagnosticar </li></ul><ul><li>Os conhecimentos prévios e competências existentes </li></ul><ul><li>Proporcionar </li></ul><ul><li>Uma avaliação correctiva </li></ul><ul><li>Julgar e classificar </li></ul><ul><li>O desempenho dos alunos </li></ul>
    • 14. PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR <ul><li>Diagnóstico dos conhecimentos anteriores </li></ul><ul><li>Testes referidos a uma norma ou a um critério </li></ul><ul><li>Perguntas/ respostas verbais </li></ul><ul><li>Perguntas e respostas não verbais </li></ul><ul><li>Entrevistas em pequenos grupos </li></ul><ul><li>Avaliação Correctiva </li></ul><ul><li>Feedback correctivo – imediato/frequente/comunicado sem juízos de valor </li></ul><ul><li>Testes e relatórios de Avaliação Sumativa </li></ul><ul><li>Determinar o progresso do aluno </li></ul><ul><li>Classificá-lo em termo de notas </li></ul><ul><li>Relatar essa apreciação </li></ul>
    • 15. ESPECIFIDADES DOS TESTES E DAS CLASSIFICAÇÕES <ul><li>Medir todos os objectivos da instrução </li></ul><ul><li>Cobertura de todas as tarefas de aprendizagem </li></ul><ul><li>Utilizar itens de testes apropriados </li></ul><ul><li>Tornar os testes válidos e fidedignos </li></ul><ul><li>Utilizar testes para melhorar a aprendizagem </li></ul><ul><li>Gronlund (1982) </li></ul>
    • 16. ESPECIFIDADES DOS TESTES E DAS CLASSIFICAÇÕES <ul><li>Elaboração de testes: </li></ul><ul><li>testes objectivos – são mais abrangentes e mais fáceis de classificar ( itens verdadeiro/falso; emparelhamento/preencher espaços vazios/ escolha múltipla) em contrapartida são difíceis de redigir, morosos na sua construção, adivinhação, medem pouco as competências </li></ul><ul><li>testes de ensaio – conseguem explorar melhor os processos de pensamento e a criatividade e demoram menos tempo a elaborar. Por sua vez são mais difíceis de classificar com critérios objectivos </li></ul>
    • 17. ESPECIFIDADES DOS TESTES E DAS CLASSIFICAÇÕES <ul><li>REALIZAÇÃO DO TESTE </li></ul><ul><li>Como lidar com a ansiedade: humor, relaxamento, ajudar a gerir o tempo </li></ul><ul><li>Ambiente físico: sala espaçosa, ambiente clamo e livre de distracções </li></ul><ul><li>Hábitos e instruções: dar instruções claras e iniciar os testes sempre da mesma forma </li></ul><ul><li>Dar tempo suficiente para que o aluno não sinta pressão </li></ul><ul><li>Evitar: competição indevida e pressões de tempo assim, deve ser atribuída a nota não apenas de um ou dois testes mas sim tendo em conta os vários trabalhos realizados e tentar promover discussões abertas sobre a competitividade </li></ul>
    • 18. ESPECIFIDADES DOS TESTES E DAS CLASSIFICAÇÕES <ul><li>Directrizes para a elaboração de testes e </li></ul><ul><li>Atribuição de notas: </li></ul><ul><li>Avaliar a todos os níveis </li></ul><ul><li>Comunicar claramente aos alunos o conteúdo sobre o qual vão ser avaliados </li></ul><ul><li>Fazer testes com frequência </li></ul><ul><li>Explicitar os procedimentos da atribuição de classificações </li></ul>
    • 19. ANTEVISÃO DO FUTURO <ul><li>Novas abordagens na avaliação do aluno: </li></ul><ul><li>Avaliação de desempenho </li></ul><ul><li>Avaliação autêntica </li></ul><ul><li>Dossiers/portefólios </li></ul><ul><li>Avaliação do esforço em grupo e o trabalho individual </li></ul>
    • 20. ANTEVISÃO DO FUTURO <ul><li>Avaliação de desempenho </li></ul><ul><li>Pede aos alunos que demonstrem determinados comportamentos ou competências numa situação de teste </li></ul><ul><li>Dá-se mais importância à avaliação do conhecimento procedimental do que ao conhecimento declarativo </li></ul><ul><li>É feita em vários dias </li></ul><ul><li>Tenta medir o desempenho não só em termos dos resultados mas também em termos de processos científicos </li></ul><ul><li>Representa esforços para medir competências e processos intelectuais complexos </li></ul>
    • 21. ANTEVISÃO DO FUTURO <ul><li>Avaliação autêntica </li></ul><ul><li>Pretende-se que a avaliação seja feita num contexto de vida real </li></ul>
    • 22. ANTEVISÃO DO FUTURO <ul><li>Portefólios </li></ul><ul><li>É um conjunto de trabalhos que podem ser utilizados para demonstrar as capacidades dos alunos </li></ul><ul><li>Estimulam os alunos a desenvolver um conjunto de textos para avaliarem e relatarem o seu desempenho </li></ul><ul><li>Os professores juntam os arquivos de trabalhos, reflexões dos alunos e os seus próprios julgamentos </li></ul>
    • 23. ANTEVISÃO DO FUTURO <ul><li>Avaliação do esforço em grupo e do trabalho individual </li></ul><ul><li>Aprendizagem cooperativa em que se atribuem pontos ou classificações aos alunos pelo trabalho que realizam em equipa ou individualmente </li></ul><ul><li>Estas formas de avaliações são sólidas para poderem minimizar o processo destrutivo de comparar os alunos aos seus colegas e reduzir a competição em excesso </li></ul>
    • 24. CONCLUSÃO <ul><li>A avaliação é uma realidade omnipresente no dia-a-dia daqueles que, em circunstâncias diversas, assumem papéis e responsabilidades que são inerentes à própria condição de seres humanos que interagem em projectos e programas de índole socio-cultural. </li></ul><ul><li>A importância da avaliação é reforçada se a assumirmos como uma “metodologia de investigação”, no sentido de criar um “instrumento” ao serviço da construção de um novo conhecimento. </li></ul>
    • 25. CONCLUSÃO <ul><li>Ao pensarmos em avaliação, reduzimo-la erradamente à “avaliação dos alunos”. </li></ul><ul><li>Esquecemo-nos, então, de que somos permanentemente sujeitos a processos de auto-avaliação e heteroavaliação. </li></ul><ul><li>Esquecemo-nos que, para além de avaliarmos a aprendizagem dos alunos, avaliamos a nossa competência e a dos colegas, a estrutura escolar, os órgãos de gestão, os programas… </li></ul>
    • 26. CONCLUSÃO <ul><li>A avaliação dos alunos sempre constituiu um problema já que nos dá poder e, simultaneamente, nos enfraquece. </li></ul><ul><li>Assim, nada melhor do que a comunicação para o fazer: </li></ul><ul><li>Entender os outros e fazermo-nos entender pode ser o melhor caminho. </li></ul><ul><li>Escutar atentamente </li></ul><ul><li>Acolher e educar o desejo </li></ul><ul><li>Confirmar mais do que reprovar </li></ul><ul><li>Esclarecer o que se diz </li></ul><ul><li>Ser autêntico e disponível </li></ul><ul><li>Partilhar os objectivos e os critérios de avaliação </li></ul><ul><li>Discutir soluções e decisões </li></ul><ul><li>Ter consciência do lugar de cada um… </li></ul>
    • 27. AVALIAR É… <ul><li>um conjunto de atitudes que permitem </li></ul><ul><li>valorizar as potencialidades de cada um e </li></ul><ul><li>deve servir para guiar o Homem nas suas </li></ul><ul><li>aprendizagens, ou seja, deverá ser um </li></ul><ul><li>enriquecimento sistematicamente orientado </li></ul>

    ×