ApresentaçãO2 Susi

184 views
151 views

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
184
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ApresentaçãO2 Susi

  1. 1. Agrupamento Vertical de Escolas Jacinto Correia – Lagoa<br />O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresINTEGRAÇÃO DO PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO NA ESCOLA/AGRUPAMENTO A professora bibliotecária: Susana Frikh 15/11/2009<br />
  2. 2. Sumário<br /> - O Papel e MaisValias da Auto-avaliação da BE; <br /> - O Processo e o Necessário Envolvimento da Escola/Agrupamento; <br /> - A Relação com o Processo de Planeamento; <br /> - A Integração dos Resultados na Auto-avaliação da Escola;<br /> - Bibliografia.<br />
  3. 3. O Papel e Mais Valias da Auto-avaliação da BE<br />“As Bibliotecas enfrentam, neste novo contexto e na sua relação com a escola, novos desafios que obrigam à redefinição de práticas e a uma liderança e demonstração de valor que as integrem na estratégia de ensino/ aprendizagem da escola e nas práticas de alunos e professores.<br /> Um dos desafios actuais para a equipa é ultrapassar o modelo de biblioteca escolar centrado na oferta de um espaço equipado, a que é possível aceder e onde é possível aceder a um conjunto de equipamentos e de recursos de informação.” in texto da sessão <br />
  4. 4. O Papel e Mais valias da Auto-avaliação da BE <br />Para demonstrar a sua importância nas aprendizagens é necessário que a biblioteca:<br />- investigue os resultados da sua acção; - analise o sucesso e o impacto dos seus serviços; - preste contas à escola e todos os que estão ligados ao seu funcionamento do impacto das suas acções. <br />
  5. 5. O Papel e mais valias da auto-avaliação da BEA avaliação é também um elemento fundamental no processo de gestão da biblioteca porque permite: - Aferir a eficácia dos serviços que presta, identificando sucessos e insucessos, e as condicionantes da qualidade e eficiência do serviço;- Aferir o impacto que tem nas atitudes, comportamento e competências dos utilizadores;-Tomar decisões baseadas em evidências. <br />
  6. 6. O Papel e Mais Valias da Auto-avaliação da BE; <br />O Processo de auto-avaliação pretende :<br />- Ser um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE; <br />- Avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do coordenador ou elementos da equipa da biblioteca; <br />- Ser capaz de mobilizar toda a escola, melhorando através da acção colectiva as possibilidades oferecidas pela BE; <br />- Não constitui um fim em si, devendo ser entendida como um processo que deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças concretas na prática. <br />
  7. 7. O Papel e Mais Valias da Auto-Avaliação da BE <br />Objectivos da auto-avaliação: <br />Contribuir para a afirmação e reconhecimento do papel da BE na escola; <br />Determinar até que ponto a missão e os objectivos estabelecidos para a BE estão ou não a ser alcançados; <br />Identificar práticas que têm sucesso e que deverão continuar; <br />Identificar pontos fracos que importa melhorar. <br />
  8. 8. O Processo e o Necessário Envolvimento da Escola/ Agrupamento <br />O Processo de avaliação deve:<br /> - Abranger a diversidade de alunos da escola: os vários níveis de escolaridade, as várias origens/nacionalidades; rapazes e raparigas; alunos com necessidades educativas, etc. <br /> -Abranger a diversidade de professores da escola: dos diversos níveis de ensino, professores mais antigos na escola, professores recém-chegados, etc. <br />
  9. 9. O Processo e o Necessário Envolvimento da Escola/ Agrupamento<br />Envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores <br />A avaliação da BE deve ser participada a nível da escola e ser conhecida e divulgada. <br />Professores: Divulgação, entrevistas, inquéritos, registos de observação. <br />Alunos: entrevistas, inquéritos, registos de observação <br />Conselho Pedagógico: Análise do relatório, recomendações.<br />Comunidade: divulgação dos resultados; sugestões .<br />
  10. 10. A Relação com o Processo dePlaneamento <br />O Programa da Biblioteca Escolar deve passar a estar integrado nos planos estratégicos e operacionais da escola e na visão e objectivos educativos da escola.<br />O papel do professor bibliotecário deve transitar de gestor da informação a interventor no percurso formativo e curricular dos alunos e no desenvolvimento curricular em cooperação com os professores. <br />
  11. 11. A Relação com o Processo de Planeamento<br />O Professor bibliotecário deve :<br />trabalhar no desenvolvimento das diferentes literacias, nomeadamente para as literacias digitais e para a Literacia da Informação, integrando e apoiando o desenvolvimento curricular;<br />planificar e trabalhar colaborativamente com os professores das diferentes disciplinas / níveis de ensino;<br />ter um papel activo no funcionamento e no sucesso (resultados) da escola que serve;<br />manter uma posição de inquirição constante acerca das práticas de gestão que desenvolve e do impacto que essas práticas têm na escola e no sucesso educativo dos alunos;<br />saber agir e ser líder, demonstrando o VALOR da BE através da demonstração de evidências e da comunicação contínua com os diferentes actores na escola.<br />
  12. 12. A Integração dos Resultados na Auto-Avaliação da Escola<br />Comunicação da informação obtida através do processo de avaliação, como agente de validação dos processos e das acções desenvolvidos e como impulsionadora dos serviços e da educação dos públicos para o papel da BE.<br />A avaliação da BE deve estabelecer ligações com a avaliação da escola.  <br />Do relatório de avaliação da BE deve transitar uma síntese que venha a integrar o relatório da escola. <br />A avaliação externa da escola pela Inspecção poderá, assim, avaliar o impacto da BE na escola, mencionando-a no relatório final de avaliação da escola. <br />
  13. 13. Bibliografia<br />- Texto da sessão, disponibilizado na Plataforma.<br />- Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares.<br />-Scott, Elspeth (2002) “Howgoodisyourschoollibraryresource centre? Anintrodution to performance measurement”. 68th IFLA CouncilandConferenceAugust.<br /> - McNicol, Sarah (2004) Incorporatinglibraryprovisioninschoolsel-evaluation. EducationalReview, 56 (3), 287-296.<br /> - Johnson, Doug (2005) “GettingtheMostfromYourSchoolLibrary Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005.<br />

×