Todos Os Pratos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Todos Os Pratos

on

  • 708 views

 

Statistics

Views

Total Views
708
Views on SlideShare
708
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Todos Os Pratos Todos Os Pratos Document Transcript

  • ENERGIA NUCLEAR A energia nuclear é a energia libertada durante a fusão ou fissão do núcleo atómico. A quantidade de energia que pode ser obtida através destes processos excede largamente aquela que pode ser obtida através de processos químicos que envolvem apenas as regiões externas dos núcleos, ou seja, envolvem apenas as ligações intermoleculares e não as intramoleculares. Um átomo de um elemento é dividido produzindo dois átomos de menores dimensões de elementos diferentes. Dois átomos de pequenas dimensões combinam-se originando um átomo de maiores dimensões, constituindo um elemento diferente. Em ambos os processos, a massa dos produtos (elementos finais) é inferior à massa dos elementos iniciais, sendo a diferença convertida em energia. A fissão de 1 Kg de urânio 235 liberta uma média de 2,5 neutrões por cada núcleo dividido. Por sua vez, estes neutrões vão rapidamente causar a fissão de mais átomos, que irão libertar mais neutrões e assim sucessivamente, iniciando uma auto-sustentada série de fissões nucleares, que se dá o nome de reacção em cadeia, que resulta na libertação contínua de energia. O potencial, quer da fissão, quer da fusão, é tão grande que da reacção espontânea deste mesmo 1 Kg de material, resulta a devastosa explosão de energia de uma bomba atómica. O ritmo de desintegração é mais rápido quando há uma grande quantidade de material presente, e o tempo que metade do material leva a desintegrar-se radioactivamente é conhecido por “meia-vida”. Metade do restante material desintegrar-se-á durante outra meia-vida, 50 por cento do restante noutra meia-vida e assim sucessivamente. Os materiais intensamente radioactivos tendem a ter meias-vidas curtas, enquanto os menos radioactivos podem ter meias-vidas de milhares de anos. Uma das leis da natureza é que a energia não pode ser criada nem destruída, mas apenas mudar a forma. A massa dos corpos pode ser transformada em energia, com diz o famoso cientista Albert Einstein que criou a seguinte fórmula matemática: E=mc2, significa que a energia (E) é igual á massa (m) vezes a velocidade da luz (c) ao quadrado. Os cientistas usaram a fórmula de Einstein para descobrir a energia nuclear e construir bombas atómicas. Segundo os antepassados gregos a partícula mais da natureza era o átomo. Eles não chegaram a conhecer a natureza das partículas que constituem o átomo. Tal como os átomos são constituídos por um núcleo (que contém neutrões e protões) cercado de electrões que giram à volta deste tal como a terra gira à volta do sol. FISSÃO NUCLEAR: A fissão nuclear significa separar o núcleo dos átomos. Quando isto acontece dá-se uma tremenda reacção química libertando grande quantidade de energia luminosa e calorífica. Quando o núcleo do átomo é separado lentamente, a energia gerada pode ser transformada em energia eléctrica. Se a fissão nuclear for brusca dá-se uma explosão criando-se assim a bomba atómica. Numa centra nuclear os átomos do urânio são separados. Este metal raro é extraído do subsolo através de minas. O urânio é trabalhado e repartido por pequenas balas colocadas num longo varão. O varão esta dentro de um reactor que controla a separação atómica e a sua reacção. Geralmente, a radiação refere-se a ondas ou partículas de alta energia emitidas por fontes naturais ou artificiais (geradas pelo homem). As lesões dos tecidos podem ser provocadas por uma breve exposição a altos valores de radiação ou então por uma exposição prolongada a baixos níveis. Alguns efeitos adversos da radiação duram pouco tempo. Outros provocam doenças crónicas. Os primeiros efeitos de doses elevadas tornam-se óbvios em questão de minutos ou nos dias posteriores à exposição. Outros efeitos só são evidentes semanas, meses e até anos depois. As mutações do material genético celular dos órgãos sexuais só se podem tornar evidentes se a pessoa exposta à radiação tiver filhos. Essas crianças podem nascer com defeitos genéticos. Causas: No passado, as fontes prejudiciais de radiação incluíam só os raios X e os materiais radioactivos naturais, como o urânio e o rádio. Os raios X, que actualmente se utilizam para os testes de diagnóstico, provocam muito menos efeitos radioactivos do que os utilizados no passado. As fontes mais comuns de exposição a altos valores de radiação são os materiais radioactivos elaborados pelo homem, que se utilizam em diversos tratamentos médicos, laboratórios científicos, 2
  • indústrias e reactores de energia nuclear. Escaparam, acidentalmente, grandes quantidades de radiação das centrais de energia nuclear, como a de Three Mile Island, na Pensilvânia (EUA), em 1979, e a de Chernobyl (Ucrânia), em 1986. O acidente de Three Mile Island não provocou uma grande exposição radioactiva. De facto, as pessoas que viviam a uma distância aproximadamente de 1,5 km da central receberam menos radiação do que a quantidade de raios X que qualquer pessoa, em média, recebe num ano. No entanto, as pessoas que viviam perto da central de Chernobyl foram expostas a muito mais radioactividade. Mais de 30 afectados morreram e muitos outros sofreram ferimentos. A radiação desse acidente chegou à Europa, à Ásia e aos Estados Unidos. Radioactividade é um fenómeno natural ou artificial, pelo qual algumas substâncias ou elementos químicos, chamados radioactivos, são capazes de emitir radiações, as quais têm a propriedade de impressionar placas fotográficas, ionizar gases, produzir fluorescência, atravessar corpos opacos à luz ordinária, etc. As radiações emitidas pelas substâncias radioactivas são principalmente partículas alfa, partículas beta e raios gama. APLICAÇÃO DA ENERGIA NUCLEAR: NA SAÚDE A radioactividade é uma forma de energia nuclear, usada em medicina (radioterapia), e consiste no fato de alguns átomos como os do urânio, rádio e tório serem “instáveis”, perdendo constantemente partículas alfa, beta e gama. Uma ferramenta importante no tratamento e diagnóstico de doenças são os radiofármacos, que são obtidos a partir de radioisótopos produzidos em reatores nucleares ou em aceleradores de partículas. Esses radioisótopos são, em geral, associados a substâncias químicas (fármacos) que se associam a órgãos ou tecidos específicos do corpo humano. Na medicina nuclear, os radiofármacos são injectados no paciente, concentrando- se no local a ser examinado e emitindo radiação, que, por sua vez, é detectada no exterior do corpo por um detector apropriado, que pode transformar essa informação em imagens, permitindo ao médico observar o funcionamento daqueles órgãos. APLICAÇÕES NUCLEARES NA INDÚSTRIA, AGRICULTURA E ALIMENTOS É muito variada e extensa a gama de aplicações da radiação e dos radioisótopos na indústria. Destacam-se, principalmente, a esterilização de produtos farmacêuticos, beneficiamento de materiais poliméricos, melhorando as suas propriedades, o controle de processo industriais (utilização de traçadores e utilização de fontes seladas), a cura de tintas e vernizes, o beneficiamento de gemas e outras. A irradiação de alimentos vem emergindo como uma técnica altamente viável para o tratamento sanitário e fitossanitário de vários produtos agrícolas, tais como, carnes, frutas frescas, especiarias e vegetais. RISCOS E BENEFICIOS DO USO DA ENERGIE NUCLEAR O conceito de agricultura sustentável envolve o manejo adequado dos recursos naturais, evitando a degradação do ambiente de forma a permitir a satisfação das necessidades humanas das gerações actuais e futuras. Ultimamente, a preocupação da sociedade com o impacto da agricultura no ambiente e a contaminação da cadeia alimentar com pesticidas vem alterando esse cenário, expressando-se pela presença de segmentos de mercado ávidos por produtos agrícolas diferenciados, tanto aqueles produzidos sem uso de pesticidas como por aqueles portadores de selos informando de que os pesticidas foram utilizados adequadamente. Como bem dizia o físico Robert Oppenheimer, diretor do projeto Manhattan, que deu origem à primeira bomba atômica do mundo, “não existe uma energia nuclear para a paz e outra para a guerra, as duas saem da mesma fonte”. No entanto, esses mecanismos nem sempre funcionam – vide os inúmeros acidentes que já aconteceram com reatores nucleares. É justamente aí que mora o perigo. 2
  • Opinião: A produção de energia eléctrica em centrais nucleares é mais rentável do que nas térmicas, mas não tão rentável assim. O investimento numa central nuclear é enorme porque, além dos requisitos inerentes à produção, a segurança é importantíssima. Só muitos anos depois é que o investimento tem retorno. Depois, o principal problema da energia nuclear (além da segurança) é os resíduos, para os quais ainda não há uma solução. Os resíduos mantêm-se radioactivos por milhares de anos. FORMADOR: Rodrigo Anacleto FORMANDO: Anisabel santos N: 5 Turma: EFA: 3 S ÁREA DE FORMAÇÃO: STcCien. – 2 (t) Saúde e bem estar Degradação Catástrofe 2
  • 2