Your SlideShare is downloading. ×
0
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Armazenagem de cargas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Armazenagem de cargas

9,766

Published on

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,766
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
352
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ARMAZENAGEM E EMBALAGENS DE MATERIAS RESUMO GERAL
  • 2. RECEBIMENTO
  • 3. <ul><ul><li>REGISTROS </li></ul></ul><ul><ul><li>ONDE ESTACIONAR </li></ul></ul><ul><ul><li>HORÁRIO PARA DESCARREGAR – JANELAS DE ENTREGA </li></ul></ul><ul><ul><li>CARGAS PERECÍVEIS </li></ul></ul><ul><ul><li>O QUE CONFERIR? QUAIS INFORMAÇÕES VERIFICAR? </li></ul></ul><ul><ul><li>O QUE FAZER PARA EVITAR QUE VEÍCULOS FIQUEM MUITO TEMPO AGUARDANDO? </li></ul></ul>
  • 4. ARMAZENAGEM
  • 5. <ul><ul><li>MONTAGEM DOS “KITS”. </li></ul></ul><ul><ul><li>EMBALAGEM – CARREGADOR – MANUAL – APARELHO E SUPORTE. </li></ul></ul><ul><ul><li>QUAL A MELHOR FORMA DE COLETAR? </li></ul></ul><ul><ul><li>PRÉ-SELEÇÃO? </li></ul></ul><ul><ul><li>COMO UTILIZAR O MÍNIMO DE MÃO DE OBRA X TEMPO. </li></ul></ul>
  • 6. SISTEMA DE PICKING
  • 7. Esse sistema (pré-separação) considera a coleta e a separação de produtos / pedidos de acordo com a necessidade de um cliente.
  • 8. Muito utilizado em um CD Centro de Distribuição – garante precisão no processo de movimentação de mercadorias e agilidade no atendimento integral de um pedido.
  • 9. PICKING - SELEÇÃO DE PEDIDOS
  • 10. PICKING DISCRETO: é aquele no qual o operador coleta um pedido por vez, coletando linha a linha do pedido.
  • 11. PICKING DISCRETO Vantagens = Possibilidade de erros é pequena. Desvantagem= baixa produtividade decorrente do tempo excessivo gasto com o deslocamento do operador.
  • 12. Com base numa lista o operador caminha ao longo da linha selecionando os produtos que constam do pedido...
  • 13. PICKING POR ZONA: é aquele no qual o operador coleta os pedidos em uma área do armazém, deixando-os em uma área de consolidação para composição do pedido original.
  • 14. PICKING POR ZONA Vantagens = várias ações ao mesmo tempo (seleção de itens + seleção de caixas). Desvantagem = necessidade de coordenar as atividades por zona ). Balanceamento atividades ( nº itens = nº caixas)
  • 15. PICKING POR LOTE: é aquele no qual o operador coleta um grupo de pedidos de maneira conjunta por vez. Ao se dirigir ao local de estocagem, o operador coleta um nº de itens que atenda um grupo de pedidos.
  • 16. PICKING POR LOTE Vantagens = alta produtividade, quando os pedidos possuem pouca variedade de itens (até 04 itens) e são pequenos em termos de volume. * Minimiza o tempo de deslocamento do operador. Desvantagem = elevado risco de erros na separação e ordenação dos pedidos.
  • 17. PICKING POR ONDA Diversas programações por turno = os pedidos são coletados em períodos específicos do turno. É utilizado em conjunto com os anteriores, sendo mais aceito no picking discreto.
  • 18. PICKING POR ONDA Vantagens = maior integração do picking com a área de expedição, com a programação de área de coleta e embarque do pedido.
  • 19. EQUIPAMENTOS NA OPERAÇÃO DE PICKING
  • 20. Picking com Rádio Freqüência O terminal de rádio freqüência indica os produtos que devem ser coletados e faz a a comprovação ....
  • 21. PICKING POR RÁDIO FREQUENCIA Esse tipo de sistema se apóia na comunicação por rádio freqüência para auxiliar o operador na coleta dos itens. É utilizado um terminal de mão que indica o endereço do próximo produto-item a ser coletado.
  • 22. PICKING POR RÁDIO FREQUENCIA Ao realizar a coleta dos itens, o operador faz a leitura do código de barras do produto no terminal portátil que confere a coleta e indica o endereço do próximo item a ser coletado. Desvantagem: Tempo do deslocamento do operador.
  • 23. PICKING BY LIGHT VISTA DE UMA ESTAÇÃO DE TRABALHO
  • 24. PICKING BY LIGHT Pode ser integrado a um sistema de esteiras rolantes, leitores ópticos e/ou sensores de presença. Vantagens: Agilidade. O agrupamento dos produtos ao lado do operador, que não precisa se locomover.
  • 25. PICKING BY LIGHT O indicador digital com luz, indica qual produto e a quantidade a ser coletada....
  • 26. Nota: Considerar o tempo de retirada do produto da área de armazenagem para o dimensionamento da operação.
  • 27. EXPEDIÇÃO
  • 28. <ul><ul><li>SEPARAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>DESTINOS/CLIENTES </li></ul></ul><ul><ul><li>ORGANIZAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>MONTAGEM </li></ul></ul><ul><ul><li>EXPEDIÇÃO POR DESTINO </li></ul></ul><ul><ul><li>DOCUMENTOS </li></ul></ul>
  • 29. EMBALAGENS E FLUXOS NA OPERAÇÃO
  • 30. EMPRESA FABRICANTE DE MÁQUINAS 1º SEMESTRE 2008 ECONOMIA AQUECIDA
  • 31.  
  • 32.  
  • 33. ANÁLISE DE UM PROCESSO – SITUAÇÃO ATUAL ARMAZÉM GERAL – TERMINAL DE CARGAS QUE RECEBE DIFERENTES TIPOS DE CARGA 24 HORAS POR DIA; NECESSIDADE DE VÁRIOS SETORES DE ARMAZENAGEM VERTICALIZADOS; TODA A CARGA DEVE EM PRINCÍPIO, SAIR POR UM ÚNICO LOCAL.
  • 34. ANÁLISE DE UM PROCESSO NÃO EXISTE A POSSIBILIDADE DE PADRONIZAR AS EMBALAGENS; AS CARGAS SÃO ARMAZENADAS DE ACORDO COM PESO E CUBAGEM – A MAIORIA EM PORTA PALETES OU CANTILEVER; O ARMAZÉM POSSUI SISTEMA DE CONTROLE PARA MOVIMENTAÇÃO DA CARGA.
  • 35. ANÁLISE DE UM PROCESSO SETOR DE RECEBIMENTO: FUNCIONA 24 HORAS POR DIA - RECEBE DIFERENTES TIPOS DE CARGAS; RECEBIMENTO SIMULTÂNEO DE CARGAS DE EMPRESAS DIFERENTES; ESPAÇO LIMITADO, OU SEJA, A OPERAÇÃO DEVE OCORRER SEM FOLGA.
  • 36. ANÁLISE DE UM PROCESSO SETOR DE ARMAZENAGEM: ARMAZENAMENTO DE ACORDO COM PESO E CUBAGEM - FUNCIONA 24 HORAS POR DIA ; CARGAS DE UM MESMO LOTE, PODE OCUPAR ARMAZÉNS DIFERENTES; TODAS AS CARGAS, DEVEM SER LEVADAS PARA A EXPEDIÇÃO-LIBERAÇÃO SE POSSÍVEL AO MESMO TEMPO, O QUE É QUASE IMPOSSÍVEL.
  • 37. ANÁLISE DE UM PROCESSO SETOR DE LIBERAÇÃO-EXPEDIÇÃO: ANTES DA SAÍDA, AS CARGAS DEVEM TER O LOTE TOTAL CONFERIDO – FUNCIONA DAS 06:00 AS 18:00h ; O ESPAÇO É LIMITADO E TODOS AGUARDAM SAIR AS “SUAS” CARGAS; NÃO HÁ CONDIÇÕES DE CARREGAR COM VEÍCULOS PELA LATERAL - SIDER.
  • 38. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 1 1 RECEBIMENTO
  • 39. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 2 ARMAZENAGEM
  • 40. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 3 3 LIBERAÇÃO
  • 41. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 1
  • 42. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 2
  • 43. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 3 3
  • 44. SAÍDA DOCA NA EXPEDIÇÃO CAMINHÕES SÓ COM CRREGAMENTO PELA PORTA TRASEIRA
  • 45. POSSÍVEL SOLUÇÃO: RECEBIMENTO :PADRONIZAR EMBALAGEM OU UTILIZAR IDENTIFICAÇÃO EXTERNA; TREINAR AS EQUIPES PARA QUE DIRECIO- NEM AS CARGAS PARA O ARMAZÉM Nº 4
  • 46.  
  • 47.  
  • 48.  
  • 49.  
  • 50. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 1
  • 51. POSSÍVEL SOLUÇÃO: ARMAZENAGEM: ARMAZENAR AS CARGAS EM UM ÚNICO ARMAZEM. NÃO PODERÁ HAVER VERTICALIZAÇÃO. LEMBRAR QUE AS CARGAS CHEGAM DURANTE 24 HORAS MAS SOMENTE SÃO LIBERADAS DAS 06:00 AS 18:00h.
  • 52. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 2
  • 53. POSSÍVEL SOLUÇÃO: ARMAZENAGEM: CONCENTRAR TODAS AS CARGAS NO ARMAZÉM Nº 4. VANTAGENS: POSSIBILIDADE DE ARMA-ZENAR CARGAS DE TODOS TIPOS; PROXIMIDADE COM ÁREA PARA CARREGAMENTO DOS CAMINHÕES SIDER .
  • 54. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 4 2 1
  • 55. POSSÍVEL SOLUÇÃO: LIBERAÇÃO: MUDAR O SETOR DE LIBERAÇÃO E DEFINIR ÁREA PARA CARREGAMENTO COM CAMINHÃO SIDER ; LEMBRAR DE CONFERIR OS LOTES ANTES DA ENTRADA.
  • 56. SAÍDA SAÍDA 3 3
  • 57. NOVA OPERAÇÃO
  • 58. SAÍDA SAÍDA 3 3 ENTRADA 1
  • 59. OPERAÇÃO ANTERIOR
  • 60. ENTRADA SAÍDA ARMAZÉM 1 ARMAZÉM 2 ARMAZÉM 3 ARMAZÉM 4 1 2 3
  • 61. SAÍDA SAÍDA 3 3 ENTRADA 1
  • 62. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS: RECEBIMENTO: CARGAS E EMBALAGENS SEM PADRONIZAÇÃO; TREINAMENTO DAS EQUIPES; GARANTIR O NOVO FLUXO DA CARGA.
  • 63. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS: ARMAZENAGEM: ENDEREÇAMENTO DAS CARGAS; LOTES INCOMPLETOS; CARGAS DO DIA ANTERIOR; POSSÍVEL SOLUÇÃO: ORGANIZAR AS CARGAS PELO FINAL DO Nº CONTROLE.
  • 64. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS: LIBERAÇÃO:CONFERIR TODOS OS LOTES; EXIGIR DAS EQUIPES DA ARMAZENAGEM A SEPARAÇÃO DOS LOTES; PROGRAMAÇÃO DOS VEÍCULOS PRECISA, SEM ATRASOS. Helio Souto Dapena
  • 65. CONCLUSÃO: EMBALAGEM PADRONIZADA = VANTAGENS ARMAZENAGEM VERTICALIZADA E SOBRE O PISO X TIPO DE CARGAS E EMBALAGENS. Helio Souto Dapena
  • 66. Helio Souto Dapena <ul><ul><li>1. Quais os problemas verificados no setor de recebimento, ocasionados pela falta de padronização das embalagens e das cargas recebidas e quais soluções foram adotadas, para o caso em análise? </li></ul></ul><ul><ul><li>2. Na operação inicial, havia a necessidade de se trabalhar com quatro setores de armazenagem. Essa necessidade pode ser relacionado a falta de padronização das embalagens, uma vez que no armazém geral eram recebidas cargas de diversos tipos? </li></ul></ul><ul><ul><li>3. Ao mudar a forma de operação, concentrando todas as cargas da empresa no armazém 4, que era uma área sem verticalização, quais as dificuldades com relação à localização dos lotes? Com relação às cargas que estavam chegando, elas atrapalhavam as cargas que estavam sendo liberadas? Qual a vantagem de organizar as cargas pelo final no número de controle? </li></ul></ul>
  • 67. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS: RECEBIMENTO: CARGAS E EMBALAGENS SEM PADRONIZAÇÃO; TREINAMENTO DAS EQUIPES; GARANTIR O NOVO FLUXO DA CARGA. Helio Souto Dapena
  • 68. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS: ARMAZENAGEM: ENDEREÇAMENTO DAS CARGAS; LOTES INCOMPLETOS; CARGAS DO DIA ANTERIOR; POSSÍVEL SOLUÇÃO: ORGANIZAR AS CARGAS PELO FINAL DO Nº CONTROLE.
  • 69. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS: LIBERAÇÃO:CONFERIR TODOS OS LOTES; EXIGIR DAS EQUIPES DA ARMAZENAGEM A SEPARAÇÃO DOS LOTES; PROGRAMAÇÃO DOS VEÍCULOS PRECISA, SEM ATRASOS.
  • 70. CUSTOMIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO
  • 71. CUSTOMIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO: PROJETO – FABRICAÇÃO – MONTAGEM - DISTRIBUIÇÃO Padronização Pura Padronização Segmentada Padronização Customizada Customização sob Medida Customização Pura
  • 72. CUSTOMIZAÇÃO X PADRONIZAÇÃO Distribu. Distribu. Distribu. Distribu. Distribu. Montag. Montag. Montag. Montag. Montag. Fabrica. Fabrica. Fabrica. Fabrica. Fabrica. Projeto Projeto Projeto Projeto Projeto CUST PURA CUST S MED PAD CUST PAD SEG PAD PURA
  • 73. SISTEMA DE CROSS DOCKING
  • 74. Essa técnica é empregada na movimentação e materiais onde há possibilidade de efetuar as AÇÕES DE RECEBIMENTO E EXPEDIÇÃO SEM ARMAZENAR
  • 75.  
  • 76.  
  • 77. CROSS DOCKING Local de destino do produto precisa ser conhecido no momento do recebimento. Cliente precisa estar em condições de receber o material expedido imediatamente.
  • 78. CROSS DOCKING O USO DA TÉCNICA DE CROSS DOCKING POSSIBILITA UMA OPERAÇÃO DE INVENTÁRIO ZERO.
  • 79. CROSS DOCKING QUANDO UTILIZAR: Grande movimentação para diversos destinos; Dificuldade de consolidação de cargas; Área de armazenagem no limite da capacidade ou inexistente.
  • 80. CROSS DOCKING IMPACTOS DO CROSS DOCKING: Se for utilizado uma área combinada com recebimento e picking, a operação pode apresentar perda de produtividade.
  • 81. GERAL
  • 82. INTEGRAÇÃO COM A ATIVIDADE DE COMPRAS
  • 83. ARMAZENAGEM DEVE CONSIDERAR: EMBALAGEM INTEGRAÇÃO COMPRAS E PRODUÇÃO ESTOQUE BAIXO NÃO COMPROMETER A ENTREGA AO CIENTE
  • 84. CONSTRUÇÃO-PLANEJAMENTO ARMAZÉM
  • 85. RECEBER CONFERIR ARMAZENAGEM/ESTOQUE PRÉ-SEPARAÇÃO EXPEDIÇÃO
  • 86. METODOLOGIA PARA DEFINIR PROCESSO DE ARMAZENAGEM
  • 87. CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO DURABILIDADE QUANTIDADE ÁREA DISPONÍVEL GIRO DOS PRODUTOS CUSTOS NÍVEL DO SERVIÇO PROJETADO
  • 88. REPOSIÇÃO DE PRODUTOS EM UMA GÔNDOLA
  • 89. ESTIMAR O VOLUME DE ITENS ATÉ PX REPOSIÇÃO REPOSIÇÃO COM BASE PROGRAMAÇÃO CONTROLAR SAÍDA DE ITENS GÔNDOLA ORGANIZAÇÃO E CONTROLE DO ESTOQUE DE REPOSIÇÃO CONTROLE RIGOROSO PERDAS (PERECÍVEIS, ROUBOS e FURTOS).
  • 90. INTEGRAÇÃO ERP X WMS
  • 91. AQUISIÇÃO POR PESSOAS QUE ENTENDAM OS PROCESSOS FOCAR FLUXO INFORMAÇÕES E DEFINIÇÃO DE RESPONSABILIDADES (QUEM FAZ) PARTICIPAÇÃO DAS EQUIPES OPERACIONAIS REALIZAR TESTES E ATENTAR P/ EXCEÇÕES WMS CONTROLA ESTOQUE EM LOCAIS, MERCADORIAS E CLIENTES DIFERENTES, ALÉM DAS ATIVIDADES DE COLETA-PRÉ-SEPARAÇAO...
  • 92. SISTEMA DE ARMAZENAGEM
  • 93. PORTA-PALETES (com posições de armazenagem uma sobre a outra) ORGANIZAÇÃO LOCALIZAÇÃO RÁPIDA POSIÇOES POR “RUAS” – CORREDORES “ NÚMEROS” INDICAM A POSIÇÃO CORRETA DO PRODUTO EMPILHADEIRAS DE ARMAZENAGEM ELÉTRICAS – RETRATÉIS CORREDORES ESTREITOS ALCANÇE POSIÇÕES ALTAS POUCO POLUENTE
  • 94. CONTÂINERS E CONSOLIDAÇÃO
  • 95. CONTAINER <ul><li>PRIMEIRA EXPERIÊNCIA COM TRANSPORTE CONTAINERIZADO </li></ul><ul><li>FINAL DÉCADA DE 50; </li></ul><ul><li>MALCOM MACLEAN – PROPRIETÁRIO DE EMPRESA CAMINHÕES; </li></ul><ul><li>CONTRATO REGULAR ENTRE USA E PORTO RICO NAVIO TANQUE; </li></ul><ul><li>CARGAS SOBRE OS NAVIOS NOS CAMINHÕES BAÚ; </li></ul><ul><li>VEÍCULO FICAVA “PRESO”; </li></ul><ul><li>SEPARAR O BAÚ DO VEÍCULO. </li></ul><ul><li>DEPOIS FORAM PADRONIZADOS PELA ISO - INTERNATIONAL </li></ul><ul><li>STANDARD ORGANIZATION PARA FACILITAR MANUSEIO E </li></ul><ul><li>TRANSPORTE. </li></ul>
  • 96. O CONTAINER TROUXE VANTAGENS AO TRANSPORTE, COMO SEGURANÇA, FACILIDADE NO MANUSEIO E RAPIDEZ NAS OPERAÇÕES.
  • 97. CARGA CONSOLIDADA
  • 98. Origem das exportações 266 <ul><li>430 Cidades </li></ul><ul><ul><ul><li>Sudeste - 61,9% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sul - 30,2% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Nordeste - 5,6% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Centro-Oeste - 1,4% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Norte - 0,9% </li></ul></ul></ul>6 24 130 4
  • 99. Principais Destinos da carga exportada 60 32 8 400 70 130 50 47 91 42 43 5 VCP 130 900 40 50 37 5 4 8
  • 100. LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO Produto acabado Linha de produção Brasil Fábrica Distribuição (Miami) 1 2 3 4 5 Fornecedores América do N. (Miami)
  • 101. CARGA CONSOLIDADA
  • 102.  
  • 103.  
  • 104. FACILITA MOVIMENTAÇÃO
  • 105.  
  • 106.  
  • 107. AGILIDADE E SEGURANÇA = MENOR TEMPO NA OPERAÇÃO
  • 108.  
  • 109. POSSIBILITA MOVIMENTAÇÃO RÁPIDA
  • 110.  
  • 111.  
  • 112. FACILITA A ORGANIZAÇÃO
  • 113.  
  • 114.  
  • 115. CONFERÊNCIA

×