• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
6ª Sessão (2ª Parte) - Análise e Comentário crítico à presença de referências a respeito da BE, nos Relatórios de Avaliação Externa das Escolas (IGE)
 

6ª Sessão (2ª Parte) - Análise e Comentário crítico à presença de referências a respeito da BE, nos Relatórios de Avaliação Externa das Escolas (IGE)

on

  • 606 views

 

Statistics

Views

Total Views
606
Views on SlideShare
605
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    6ª Sessão (2ª Parte) - Análise e Comentário crítico à presença de referências a respeito da BE, nos Relatórios de Avaliação Externa das Escolas (IGE) 6ª Sessão (2ª Parte) - Análise e Comentário crítico à presença de referências a respeito da BE, nos Relatórios de Avaliação Externa das Escolas (IGE) Presentation Transcript

    • Auto- O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão) Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos relatórios da Inspecção Geral da Educação (IGE) José A Formanda: Maria José Carvalho Passeira Peredo
    • Após, a leitura atenta e análise dos relatórios de avaliação externa de seis escolas, Agrupamento de Escolas de Freixo – S. Julião de Freixo – Ponte de Lima; Agrupamento Vertical de Escolas de Dr. Bento da Cruz – Montalegre; Agrupamento de Escolas de Nogueira – Braga; Agrupamento de Escolas André Soares – Braga; Agrupamento de Escolas de Ribamar – Lourinhã, o comentário crítico a apresentar, reflecte a análise a escolas diferentes, umas próximas, caso das duas de Braga e, duas mais afastadas, Lourinhã e Montalegre, com características diferenciadas, desde o público, com características sócio económicas e culturais diferentes, localizadas em pontos geograficamente diferentes/opostos, o que faz com que a amostra escolhida, seja suficientemente representativa do universo de escolas submetidas à Avaliação Externa. O quadro de referência para a avaliação de Escolas/Agrupamento, utilizado pela IGE , tem por base cinco domínios, a saber: I - Domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação e melhoria da escola Pág. 2
    • II – Factores que contribuem para estes domínios 1. Resultados 1.1 Sucesso académico 1.2 Participação e desenvolvimento cívico 1.3 Comportamento e disciplina 1.4 Valorização e impacto das aprendizagens 2. Prestação do serviço educativo 2.1 Articulação e sequencialidade 2.2 Acompanhamento da prática lectiva em sala de aula 2.3 Diferenciação e apoios 2.4 Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem 3. Organização e gestão escolar 3.1 Concepção, planeamento e desenvolvimento da actividade 3.2 Gestão dos recursos humanos 3.3 Gestão dos recursos materiais e financeiros 3.4 Participação dos pais e outros elementos da comunidade educativa 3.5 Equidade e justiça 4. Liderança Pág. 3
    • 4.1 Visão e estratégia 4.2 Motivação e empenho 4.3 Abertura à inovação 4.4 Parcerias, protocolos e projectos 5. Capacidade de auto-regulação e melhoria da escola 5.1 Auto-avaliação 5.2 Sustentabilidade do progresso Agrupamento Domínios Agrupamento de Vertical de Agrupamento de Agrupamento de Campos de análise Agrupamento Escolas e JI de Escolas Dr. Escolas de Escolas André Ribamar – de desempenho da Escolas de Freixo Bento Cruz - Nogueira - Braga Soares - Braga Escola/Agrupamento Lourinhã (1) Montalegre 1. Resultados 1.1.Sucesso académico 1.2.Participação e desenvolvimento cívico 1.3.Comportamento e disciplina Pág. 4
    • 1.4.Valorização e impacto das aprendizagens 2.Prestação do serviço educativo 2.1. Articulação e sequencialidade - formação aos professores da 2.2. equipa da Acompanhamento da biblioteca e de prática lectiva em professores para sala de aula desenvolvimento das BE 2.3.Diferenciação e apoios - ligação da - bibliotecas - biblioteca como 2.4.Abrangência do biblioteca a proporcionam dinamizadora de currículo e actividades de um conjunto actividades do valorização dos enriquecimento diversificado de PNL e outras saberes e da curricular actividades, em iniciativas aprendizagem articulação com a BM - biblioteca 3.Organização e espaço de uso gestão escolar comum com Pág. 5
    • condições de higiene e limpeza - biblioteca unidade bem equipada - biblioteca local de 3.1.Concepção, encaminhamento planeamento e dos alunos, desenvolvimento da aquando da falta actividade imprevista, do professor. 3.2.Gestão dos recursos humanos 3.3.Gestão dos - referência à - referência à recursos materiais e existência da ampliação da financeiros biblioteca biblioteca 3.4.Participação dos pais e outros elementos da comunidade educativa 3.5.Equidade e justiça - referência à 4.Liderança biblioteca na participação em Pág. 6
    • projectos de sua iniciativa 4.1.Visão e estratégia 4.2.Motivação e empenho - envolvência do agrupamento na 4.3.Abertura à criação e inovação dinamização da biblioteca - protocolo com a - protocolos com - protocolos com 4.4.Parcerias, RBE a BM e a RBE a RBE protocolos e projectos 5.Capacidadede auto-regulação e melhoria da escola 5.1.Auto-Avaliação 5.2.Sustentabilidade (1) Referência à existência de uma biblioteca integrada na RBE. Pág. 7
    • Como facilmente se pode constatar, as referências à biblioteca nos cinco relatórios da IGE, são muito similares e escassas e incipientes, com excepção à referência da existência do serviço (biblioteca). Em nenhum dos relatórios analisados, a biblioteca é referida como um ponto forte da escola/agrupamento. Para além das escassas referências, é negligenciado o valor da BE, para a escola/agrupamento e para a comunidade educativa. O impacto que as actividades realizadas pela e com a BE vão tendo no processo de ensino e aprendizagem e sucessos educativo, bem como no grau de eficiência e de eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE, são, em todos os relatórios, esquecidas. O mais comum em todos os relatórios são as referências à existência do serviço, os protocolos com a RBE, a criação e dinamização da biblioteca (caso do Agrupamento de Escolas de Nogueira – Braga, local de encaminhamento de alunos, na ausência de professor, espaço de uso comum com condições de higiene e limpeza e, ainda, como dinamizadora de algumas actividades. Da análise e reflexão atentas conclui-se que a importância da biblioteca na vida da escola, a sua missão e objectivos, a promoção da leitura e das literacias, a qualidade da aprendizagem e na promoção do sucesso educativo, entre outros aspectos, são omitidas/esquecidas nos relatórios analisados. A biblioteca não é um item avaliado pela IGE e a sua mais – valia não é mencionada. Contudo ela insere-se em muitas das boas práticas que são referidas nos relatórios da IGE, embora de uma forma pouco visível. “Vários estudos internacionais mostram de forma inequívoca, que as bibliotecas escolares podem contribuir positivamente para o ensino aprendizagem, podendo-se estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a BE e os resultados escolares dos alunos” (Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar, RBE, 2009, pág.1). Pág. 8
    • A biblioteca não é “a biblioteca na escola, mas toda a escola é uma biblioteca”. Ross, Todd (2005) É de toda a equidade e justiça que a biblioteca possa, num futuro muito próximo, obter maior prestígio dentro da escola/agrupamento. A Formanda: Maria José Peredo Pág. 9