• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Introducao Base Dados Ii
 

Introducao Base Dados Ii

on

  • 13,037 views

 

Statistics

Views

Total Views
13,037
Views on SlideShare
13,018
Embed Views
19

Actions

Likes
1
Downloads
379
Comments
0

1 Embed 19

http://www.slideshare.net 19

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Introducao Base Dados Ii Introducao Base Dados Ii Presentation Transcript

    • Introdução às Bases de Dados MÓDULO II
    • Sumário
      • Modelos de Bases de Dados
      • Modelo Entidade-Relação (ER)
      • Entidades
      • Relacionamentos
      • Atributos e Ocorrências
      • Valores e domínio dos atributos
      • Tipos de atributos
    • Sumário
      • Atributo identificador
      • Chave primária
      • Chave estrangeira ou externa
      • Relacionamentos entre entidades
      • Grau de relacionamento
      • Exercícios
    • 1 – Modelos de Bases de Dados
    • 1 – Modelos de Bases de Dados
      • O esquema de uma base de dados consiste no desenho, ou estrutura lógica, com que a mesma é definida.
    • 1 – Modelos de Bases de Dados
      • O desenvolvimento de uma base de dados pode ser realizado segundo diferentes modelos conceptuais.
    • 1 – Modelos de Bases de Dados
      • Os modelos conceptuais são conjuntos de ferramentas que descrevem os dados, a sua semântica e restrições.
    • 1 – Modelos de Bases de Dados
      • Existem muitos modelos de bases de dados mas, o mais conhecido e mais utilizado, é o modelo Entidade – Relação, também conhecido por Entidade – Relacionamento ou, simplesmente, modelo ER.
    • 2 – Modelo Entidade - Relação
    • 2 – Modelo Entidade - Relação
      • O modelo ER especifica o esquema da base de dados através da identificação dos grandes objectos informacionais com interesse para o sistema a informatizar e nas relações entre estes.
    • 2 – Modelo Entidade - Relação
      • Este modelo baseia-se na percepção de que o mundo real é constituído por dois objectos:
        • Entidades
        • Relacionamentos
    • 3 – Entidades
    • 3 – Entidades
      • As entidades são elementos relevantes, abstractos ou concretos, sobre os quais é necessário guardar informação.
    • 3 – Entidades
      • Pessoas (Fornecedores, Empregados, Clientes, ...)
      • Organizações (Empresas, Hospitais, Escolas, ...)
      • Objectos (Carro, Factura, Produtos, Livros, ...)
    • 4 – Relacionamentos
    • 4 – Relacionamentos
      • Após a identificação das entidades e dos repectivos atributos, é necessário perceber o modo como estas entidades se relacionam entre si.
    • 4 – Relacionamentos
      • Assim, um relacionamento é uma associação existente entre entidades.
    • 5– Atributos e Ocorrências
    • 5 – Atributos e Ocorrências
      • Uma entidade é definida por um conjunto de dados que de alguma forma se encontram relacionados.
    • 5 – Atributos e Ocorrências
      • Os dados numa entidade encontram-se divididos em campos ou atributos que são os elementos que a caracterizam.
    • 5 – Atributos e Ocorrências
      • A cada ocorrência relativa a uma entidade dá-se o nome de registo.
    • 5 – Atributos e Ocorrências
    • 5 – Atributos e Ocorrências
      • Podemos então dizer que:
        • Uma entidade é representada por uma tabela ;
        • Os campos são as colunas dessa tabela;
        • Às linhas da tabela dá-se o nome de registos .
    • 6 – Valores e domínio dos atributos
    • 6 – Valores e domínio dos atributos
      • Os atributos das entidades são preenchidos com valores . São estes valores que caracterizam e identificam cada entidade.
      • Exemplo:
        • Nome de uma pessoa: Ana, Maria, João, ...
        • Estado civil: Solteiro, casado, divorciado,...
    • 6 – Valores e domínio dos atributos
      • Cada atributo de uma entidade pode tomar os seus valores dentro de um determinado conjunto – Domínio – que não é mais do que um conjunto de todos os valores que esse atributo pode assumir.
    • 6 – Valores e domínio dos atributos
      • Exemplo:
        • Os valores para a idade de uma pessoa só podem ser numéricos, nunca valores alfanuméricos. Assim, o seu domínio será o dos números inteiros.
    • 7 – Tipos de atributos
    • 7 – Tipos de atributos
      • Os atributos de uma entidade podem ser de dois tipos:
        • Atómicos
        • Compostos
    • 7 – Tipos de atributos
      • Atómicos – Não é possível decompor esses atributos em unidades mais elementares.
      • Exemplo:
        • N.º de aluno, idade, nome próprio...
    • 7 – Tipos de atributos
      • Compostos – São atributos que podem ser decompostos em unidades mais elementares.
      • Exemplo:
        • O nome completo de uma pessoa pode ser decomposto em nome próprio e sobrenome.
    • 8 – Atributo Identificador
    • 8 – Atributo identificador
      • Entre os diversos atributos que definem uma entidade deve existir um ou mais campos que identifiquem inequivocamente cada registo.
    • 8 – Atributo identificador
      • A esse(s) atributo(s) dá-se o nome de Atributo Identificador .
    • 8 – Atributo identificador
      • O atributo identificador é o atributo que deve identificar sem ambiguidades cada entidade concreta.
    • 8 – Atributo identificador
      • Para cada entidade deve existir sempre um atributo deste tipo. Geralmente, este atributo desempenha o papel de chave numa entidade ou tabela.
    • 8 – Atributo identificador
      • Exemplo:
        • FILMES (N.º Filme, Título, Actor, Duração)
      • O campo N.ºFilme é um atributo identificador pelo facto de identificar inequivocamente cada ocorrência (filme) da entidade.
    • 9 – Chave Primária
    • 9 – Chave Primária
      • A chave primária é um atributo identificador que representa univocamente cada ocorrência ou registo de uma tabela.
    • 9 – Chave Primária
      • Existem dois tipos de chave primária:
        • Simples – constituída apenas por um atributo.
        • Composta - constituída por dois ou mais atributos.
    • 9 – Chave Primária
      • Uma chave primária deve ser:
        • Unívoca – O valor da chave primária deve ser único para todos os registos.
        • Não nula - nenhum dos valores que compõem a chave primária pode conter valores nulos.
    • 9 – Chave Primária
      • Exemplo:
        • Aluno ( N.º Aluno , Nome, Idade)
      • O atributo que identifica univocamente cada aluno é o N.º de aluno , visto não existirem dois alunos com o mesmo número.
    • 10 – Chave Estrangeira ou Externa
    • 10 – Chave estrangeira ou externa
      • É um atributo que definido como chave primária de uma tabela é incluído na estrutura de uma outra tabela.
    • 10 – Chave estrangeira ou externa
      • Exemplo:
        • Aluno ( N.º Aluno , Nome, Idade)
        • Turma ( Código da Turma , N.º Aluno )
    • 11 – Relacionamentos entre entidades.
    • 11 – Relacionamentos entre entidades
      • O relacionamento entre entidades é um dos propósitos das bases de dados relacionais, daí a importância dada à selecção da chave primária, pois é através destas qie são estabelecidas as relações entre as diferenças entidades.
    • 11 – Relacionamentos entre entidades
      • Os símbolos convencionados para se representar estes relacionamentos são em número reduzido, com significados específicos e fáceis de distinguir.
    • 11 – Relacionamentos entre entidades
        • Aluno ( N.º Aluno , Nome, Idade)
        • Turma ( Código da Turma , N.º Aluno)
      Turma e Código Turma N.º Aluno Contém Aluno N.º Aluno Nome Idade
    • 12 – Grau de relacionamento
    • 12 – Grau de relacionamento
    • 12 – Grau de relacionamento
    • 12 – Grau de relacionamento