Your SlideShare is downloading. ×
Introducao Base Dados Ii
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Introducao Base Dados Ii

2,886
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,886
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
151
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Introdução às Bases de Dados MÓDULO II
  • 2. Sumário
    • Modelos de Bases de Dados
    • Modelo Entidade-Relação (ER)
    • Entidades
    • Relacionamentos
    • Atributos e Ocorrências
    • Valores e domínio dos atributos
    • Tipos de atributos
  • 3. Sumário
    • Atributo identificador
    • Chave primária
    • Chave estrangeira ou externa
    • Relacionamentos entre entidades
    • Grau de relacionamento
    • Exercícios
  • 4. 1 – Modelos de Bases de Dados
  • 5. 1 – Modelos de Bases de Dados
    • O esquema de uma base de dados consiste no desenho, ou estrutura lógica, com que a mesma é definida.
  • 6. 1 – Modelos de Bases de Dados
    • O desenvolvimento de uma base de dados pode ser realizado segundo diferentes modelos conceptuais.
  • 7. 1 – Modelos de Bases de Dados
    • Os modelos conceptuais são conjuntos de ferramentas que descrevem os dados, a sua semântica e restrições.
  • 8. 1 – Modelos de Bases de Dados
    • Existem muitos modelos de bases de dados mas, o mais conhecido e mais utilizado, é o modelo Entidade – Relação, também conhecido por Entidade – Relacionamento ou, simplesmente, modelo ER.
  • 9. 2 – Modelo Entidade - Relação
  • 10. 2 – Modelo Entidade - Relação
    • O modelo ER especifica o esquema da base de dados através da identificação dos grandes objectos informacionais com interesse para o sistema a informatizar e nas relações entre estes.
  • 11. 2 – Modelo Entidade - Relação
    • Este modelo baseia-se na percepção de que o mundo real é constituído por dois objectos:
      • Entidades
      • Relacionamentos
  • 12. 3 – Entidades
  • 13. 3 – Entidades
    • As entidades são elementos relevantes, abstractos ou concretos, sobre os quais é necessário guardar informação.
  • 14. 3 – Entidades
    • Pessoas (Fornecedores, Empregados, Clientes, ...)
    • Organizações (Empresas, Hospitais, Escolas, ...)
    • Objectos (Carro, Factura, Produtos, Livros, ...)
  • 15. 4 – Relacionamentos
  • 16. 4 – Relacionamentos
    • Após a identificação das entidades e dos repectivos atributos, é necessário perceber o modo como estas entidades se relacionam entre si.
  • 17. 4 – Relacionamentos
    • Assim, um relacionamento é uma associação existente entre entidades.
  • 18. 5– Atributos e Ocorrências
  • 19. 5 – Atributos e Ocorrências
    • Uma entidade é definida por um conjunto de dados que de alguma forma se encontram relacionados.
  • 20. 5 – Atributos e Ocorrências
    • Os dados numa entidade encontram-se divididos em campos ou atributos que são os elementos que a caracterizam.
  • 21. 5 – Atributos e Ocorrências
    • A cada ocorrência relativa a uma entidade dá-se o nome de registo.
  • 22. 5 – Atributos e Ocorrências
  • 23. 5 – Atributos e Ocorrências
    • Podemos então dizer que:
      • Uma entidade é representada por uma tabela ;
      • Os campos são as colunas dessa tabela;
      • Às linhas da tabela dá-se o nome de registos .
  • 24. 6 – Valores e domínio dos atributos
  • 25. 6 – Valores e domínio dos atributos
    • Os atributos das entidades são preenchidos com valores . São estes valores que caracterizam e identificam cada entidade.
    • Exemplo:
      • Nome de uma pessoa: Ana, Maria, João, ...
      • Estado civil: Solteiro, casado, divorciado,...
  • 26. 6 – Valores e domínio dos atributos
    • Cada atributo de uma entidade pode tomar os seus valores dentro de um determinado conjunto – Domínio – que não é mais do que um conjunto de todos os valores que esse atributo pode assumir.
  • 27. 6 – Valores e domínio dos atributos
    • Exemplo:
      • Os valores para a idade de uma pessoa só podem ser numéricos, nunca valores alfanuméricos. Assim, o seu domínio será o dos números inteiros.
  • 28. 7 – Tipos de atributos
  • 29. 7 – Tipos de atributos
    • Os atributos de uma entidade podem ser de dois tipos:
      • Atómicos
      • Compostos
  • 30. 7 – Tipos de atributos
    • Atómicos – Não é possível decompor esses atributos em unidades mais elementares.
    • Exemplo:
      • N.º de aluno, idade, nome próprio...
  • 31. 7 – Tipos de atributos
    • Compostos – São atributos que podem ser decompostos em unidades mais elementares.
    • Exemplo:
      • O nome completo de uma pessoa pode ser decomposto em nome próprio e sobrenome.
  • 32. 8 – Atributo Identificador
  • 33. 8 – Atributo identificador
    • Entre os diversos atributos que definem uma entidade deve existir um ou mais campos que identifiquem inequivocamente cada registo.
  • 34. 8 – Atributo identificador
    • A esse(s) atributo(s) dá-se o nome de Atributo Identificador .
  • 35. 8 – Atributo identificador
    • O atributo identificador é o atributo que deve identificar sem ambiguidades cada entidade concreta.
  • 36. 8 – Atributo identificador
    • Para cada entidade deve existir sempre um atributo deste tipo. Geralmente, este atributo desempenha o papel de chave numa entidade ou tabela.
  • 37. 8 – Atributo identificador
    • Exemplo:
      • FILMES (N.º Filme, Título, Actor, Duração)
    • O campo N.ºFilme é um atributo identificador pelo facto de identificar inequivocamente cada ocorrência (filme) da entidade.
  • 38. 9 – Chave Primária
  • 39. 9 – Chave Primária
    • A chave primária é um atributo identificador que representa univocamente cada ocorrência ou registo de uma tabela.
  • 40. 9 – Chave Primária
    • Existem dois tipos de chave primária:
      • Simples – constituída apenas por um atributo.
      • Composta - constituída por dois ou mais atributos.
  • 41. 9 – Chave Primária
    • Uma chave primária deve ser:
      • Unívoca – O valor da chave primária deve ser único para todos os registos.
      • Não nula - nenhum dos valores que compõem a chave primária pode conter valores nulos.
  • 42. 9 – Chave Primária
    • Exemplo:
      • Aluno ( N.º Aluno , Nome, Idade)
    • O atributo que identifica univocamente cada aluno é o N.º de aluno , visto não existirem dois alunos com o mesmo número.
  • 43. 10 – Chave Estrangeira ou Externa
  • 44. 10 – Chave estrangeira ou externa
    • É um atributo que definido como chave primária de uma tabela é incluído na estrutura de uma outra tabela.
  • 45. 10 – Chave estrangeira ou externa
    • Exemplo:
      • Aluno ( N.º Aluno , Nome, Idade)
      • Turma ( Código da Turma , N.º Aluno )
  • 46. 11 – Relacionamentos entre entidades.
  • 47. 11 – Relacionamentos entre entidades
    • O relacionamento entre entidades é um dos propósitos das bases de dados relacionais, daí a importância dada à selecção da chave primária, pois é através destas qie são estabelecidas as relações entre as diferenças entidades.
  • 48. 11 – Relacionamentos entre entidades
    • Os símbolos convencionados para se representar estes relacionamentos são em número reduzido, com significados específicos e fáceis de distinguir.
  • 49. 11 – Relacionamentos entre entidades
      • Aluno ( N.º Aluno , Nome, Idade)
      • Turma ( Código da Turma , N.º Aluno)
    Turma e Código Turma N.º Aluno Contém Aluno N.º Aluno Nome Idade
  • 50. 12 – Grau de relacionamento
  • 51. 12 – Grau de relacionamento
  • 52. 12 – Grau de relacionamento
  • 53. 12 – Grau de relacionamento

×