A População  Distribuição da População   2º Ano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

A População Distribuição da População 2º Ano

on

  • 35,441 views

 

Statistics

Views

Total Views
35,441
Views on SlideShare
35,217
Embed Views
224

Actions

Likes
6
Downloads
514
Comments
0

4 Embeds 224

http://www.slideshare.net 214
http://moodle.esseomaracostaprimo.ccems.pt 4
http://esseomaracostaprimo.malha.eu 3
http://esseomaracostaprimo.ccems.pt 3

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A População Distribuição da População 2º Ano Presentation Transcript

  • 1. ESCOLA PROFISSIONAL DO INFANTE CURSO DE TURISMO 2º ANO
  • 2. DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO PORTUGUESA
  • 3. O conhecimento da população portuguesa absoluta de 10 356 mil habitantes, em 2001, não é suficiente para conhecermos a sua repartição, desta forma é necessário conhecermos a sua distribuição espacial, através da densidade populacional, a qual em 2001 era em média de 112,4 habitantes por km ² , o que denota uma fraca concentração populacional.
  • 4.
    • Portugal, é um país marcado por características assimétricas na variação da população.
    • A análise do mapa permite verificar que as densidades mais elevadas se verificam na região do litoral, em especial, as situadas entre Setúbal e Viana do Castelo.
    • Destacam-se ainda duas regiões específicas em volta das duas grandes cidades do país: Lisboa e Porto.
    • Em oposição, verificam-se densidades menos elevadas no interior norte e Alentejo.
  • 5.
    • Pode-se destacar, assim, três grandes tendências :
    • Litoralização , pela grande concentração da população na faixa litoral que se situa entre Viana do Castelo e Setúbal;
    • Despovoamento do interior;
    • Bipolarização em torno das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto que exercem a sua atracção sob a população e as actividades económicas, sociais e culturais.
    Litoralização Despovoamento Bipolarização
  • 6.
    • Atracção que o litoral sempre exerceu sobre as populações e ao carácter progressivamente repulsivo do interior.
    • Temos já cidades de média dimensão no interior do país capazes de fixar população, é o caso de algumas capitais de Distrito e também algumas cidades médias como Chaves, Mirandela, Covilhã. Mas, os ganhos destas cidades de média dimensão devem-se, sobretudo, ao facto de esvaziarem as áreas rurais que estão sob a sua influência .
  • 7.
    • Movimentos pendulares por parte de muita população que reside próximo das cidades de Lisboa e Porto, devido ao elevado preço da habitação
  • 8.
    • Nas regiões autónomas, a população concentra-se sobretudo no litoral, sendo de destacar:
    • A vertente sul da ilha da Madeira pelos seus valores mais elevados (especialmente o Funchal);
    • As ilhas de S. Miguel e Terceira nos Açores
  • 9. LITORALIZAÇÃO: Processo de progressiva concentração de actividades e de pessoas ao longo da faixa litoral, sem que o interior acompanhe esse ritmo ou mesmo com o recuo da importância em termos absolutos. DESPOVOAMENTO: Declínio do número de pessoas que vive numa determinada área, devido mais a perdas por migrações do que a uma mortalidade excessivamente alta. Em áreas campestres, a estas perdas dá-se o nome de despovoamento rural. BIPOLARIZAÇÃO: Crescente centralização do desenvolvimento em dois aglomerados urbanos, baseada na concentração de actividades comerciais, industriais e de serviços.
  • 10. Os contrastes regionais da repartição da população no território português são bem marcados e perpetuam as diferenças reveladas desde o início da sua ocupação. O corte fundamental corresponde ao curso do rio Tejo, que separa um Portugal densamente povoado das terras montanhosas, húmidas, dominadas pela influência do Oceano Atlântico – o Norte – de um Portugal quase vazio nas regiões secas, quentes e planas, de características mediterrâneas – o Sul. Por outro lado, ao norte do Tejo aparece claramente um outro corte que coincide mais ou menos com o dispositivo em «arco» das serras que circundam a Meseta Ibérica: às áreas fortemente ocupadas a Oeste, húmidas e frescas, submetidas à acção constante dos ventos oceânicos, opõem-se os sectores fracamente povoados das montanhas e planaltos do leste; os solos são aí medíocres e o clima apresenta-se já de carácter continental. Fonte: Adaptado de BRITO, Raquel Soeiro, Portugal Perfil Geográfico, 1994. FACTORES EXPLICATIVOS DA DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
  • 11. FACTORES NATURAIS FACTORES HUMANOS
    • Relevo
    • Clima
    • Fertilidade dos solos
    • Recursos hídricas
    • Características da estrutura agrária;
    • Factores históricos
    • Localização das actividades económicas
    • Distribuição dos centros urbanos
    • Distribuição das redes de comunicações
    • Movimentos migratórios
    • Características demográficas.
  • 12. FACTORES NATURAIS
    • RELEVO
    Áreas de Montanha – repulsivas à fixação da população Áreas de Planície – áreas atractivas Desta forma, o facto de termos um relevo mais plano (planície litoral) na faixa litoral entre Minho-Lima, na Península de Setúbal e na faixa algarvia explica em parte a maior concentração de população, porque: - melhores condições para a actividade agrícola; - maior facilidade de construção; - melhor acessibilidade - maior ligação ao mar e ao mundo
  • 13.
    • CLIMA/DISPONIBILIDADES HÍDRICAS
  • 14. Áreas repulsivas INTERIOR
    • Invernos mais frios e com menor precipitação
    • Verões mais quentes
    • Menores disponibilidades hídricas
    LITORAL
    • Menores amplitudes térmicas
    • Precipitações mais elevadas (favorecem a
    • agro-pecuária)
    • Maiores disponibilidades hídricas
    Áreas atractivas
  • 15.
    • FERTILIDADE DOS SOLOS
    Características propícias: - solos profundos; - mais ou menos planos; - próximos dos cursos de água; Litoral Norte – solos mais férteis Interior Norte e Sul do país – solos menos férteis
  • 16.
    • CARACTERÍSTICAS DA ESTRUTURA AGRÁRIA
    FACTORES HUMANOS
    • NOROESTE E LITORAL DE PORTUGAL CONTINENTAL :
    • Pequenas propriedades, cultivadas em regime intensivo
    • Densidade populacional mais elevada
    • INTERIOR E SUL:
    • Propriedades de grandes dimensões, exploradas de forma descontínua
    • Densidade populacional mais baixa
  • 17.
    • FACTORES HISTÓRICOS
    - Reconquista da Península Ibérica aos Muçulmanos O domínio árabe fazia-se sobretudo a sul do rio Douro, daí que a reconquista cristã se fizesse de Norte para Sul, como estas eram áreas de fronteira, o perigo era maior, daí a densidade populacional destas áreas ter sido sempre historicamente inferior.
  • 18.
    • DISTRIBUIÇÃO DOS CENTROS URBANOS / LOCALIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS
    • Os centros urbanos concentram-se sobretudo na faixa litoral, acentuando-se a litoralização. (75% das cidades localizam-se a norte do rio Sado)
    • A concentração de população no litoral está também relacionada com factores competitivos da economia, como o emprego, as actividades económicas e serviços.
    • Isto leva a que a população se concentre nestas áreas atraídas pelo dinamismo económico e emprego.
    • No interior, as cidades de média dimensão são em número reduzido e as capitais de distrito acumulam as principais funções e serviços.
  • 19.
    • DISTRIBUIÇÃO DAS REDES DE COMUNICAÇÕES
  • 20.
    • As principais redes rodoviárias e ferroviárias localizam-se no litoral o que acentua os factores antes enunciados e proporciona uma cada vez maior concentração da população nestas áreas.
    • É ainda no litoral que se encontram os portos de mar e os aeroportos , o que influencia a localização de muitas empresas que se dedicam a actividades cuja matéria-prima é importada ou relacionadas com a importação e exportação de produtos.
    • A existência de boas vias de comunicação que encurtam distâncias e facilitam a mobilidade de pessoas e bens e potenciam actividades económicas é um factor determinante na fixação de população, bem como para a localização da indústria e das actividades terciárias porque geram emprego e riqueza.
  • 21.
    • MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS
    MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNOS O termo êxodo rural sintetiza as profundas assimetrias que, de forma simplificada, se traduzem, de longa data, na cumulativa fixação de gente na faixa litoral e, principalmente, em torno das duas grandes cidades e respectivas áreas circundantes: Lisboa e, a alguma distância, Porto. Ao longo das últimas décadas, estas cidades foram crescendo e, com elas, a ritmo mais acelerado desde os anos 50 do século XX, cresceram também, em população e diversificação de actividades económicas, os municípios vizinhos, eles próprios a contemplarem no interior das suas fronteiras espaços de carácter urbano, principalmente a partir dos anos 80 do século XX. Relativamente à fixação de habitantes, à medida que os grandes centros urbanos se especializam, os espaços para habitação tornam-se aí mais onerosos, aumentando a procura nos concelhos próximos. O lento progresso dos meios de comunicação entre o litoral e o interior, a par da existência de obstáculos naturais, do meio físico, só a muito custo vencidos, explica grande parte das diferenças entre espaços e, por outro lado, explica muito da necessidade de êxodo rural para todos aqueles que não encontraram nos espaços rurais a que pertencem condições para uma sobrevivência condigna. Estes obstáculos naturais constituem-se, aliás, como factores de manutenção de estruturas desiguais entre espaços, que, "recortando" o país, o continuam a definir.
  • 22.
    • Êxodo rural muito elevado dos anos 60 e 70.
    • Depois de uma acalmia durante a década de 80 , actualmente, os problemas da agricultura têm acentuado o fenómeno do êxodo rural
    • Tem-se assistido a alguns movimentos contrários a esta tendência, devido a questões de ordem social face à vida citadina, existe uma percentagem de população considerável que opta por residir em concelhos limítrofes das grandes cidades, enquanto outros optam por ter uma segunda residência em espaço rural – êxodo urbano
  • 23.
    • CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS
    Taxa de Natalidade Taxa de Mortalidade Taxa de Mortalidade Infantil
  • 24.
    • Os valores mais elevados de TAXA DE NATALIDADE verificam-se no litoral.
    • Norte, Braga, Porto, Aveiro, Lisboa, Açores e Madeira com valores superiores a 12,1 ‰ .
    • Pelo contrário, os valores menos elevados, inferiores a 10,2‰, verificam-se no interior e Sul (Alentejo) de Portugal.
    • Em relação à distribuição da TAXA DE MORTALIDADE verifica-se a situação inversa, isto é, os valores mais elevados, superiores a 12‰, verificam-se no interior e Alentejo, enquanto os valores menos elevados verificam-se nas áreas com valores mais elevados de natalidade, muito em especial, nos distritos de Braga, Porto, Aveiro e Setúbal (valores inferiores ou iguais a 8‰).
    • Em relação à distribuição da TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL , os valores mais elevados, superiores a 14,1‰ verificam-se, muito em especial, no interior norte.
  • 25. RESULTADO: Taxas de crescimento natural bastante diferenciadas. Litoral – valores de taxas de crescimento natural positivos ou nulos. Interior – Valores de taxas de crescimento natural negativas. CONSEQUÊNCIA: acentuar das assimetrias que se verificam em Portugal.
  • 26. FACTORES RESPONSÁVEIS PELA DIMINUIÇÃO DA TAXA DE NATALIDADE
    • Desenvolvimento do planeamento familiar e a generalização da utilização de métodos contraceptivos;
    • A crescente entrada da mulher no mercado de trabalho, o que traduz uma menor disponibilidade para cuidar e educar os filhos;
    • O aumento das despesas com os filhos, na saúde, na alimentação, na educação, etc.;