Teorias da psicologia

  • 78,172 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
78,172
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4

Actions

Shares
Downloads
1,079
Comments
0
Likes
12

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2. CONCEITO
    • A palavra psicologia é formada de duas palavras gregas: psique que significa alma e logos que significa estudo, ciência.
    • Portanto, etimologicamente, psicologia significa estudo da alma.
    • Com o passar do tempo, a palavra psicologia tem sido usada para indicar o estudo da alma, da mente e/ou comportamento.
  • 3.
    • Desde Platão e Aristóteles, tem aparecido estudos e teorias sobre a mente humana, mas a Psicologia só foi considerada ciência no fim do séc. XIX, quando os estudiosos empregaram métodos de observações cuidadosos e sistemáticos
    CONCEITO
  • 4. MÉTODOS
    • Introspecção, ou observação interna.
    • Extropecção, ou observação externa.
  • 5. APLICAÇÕES
    • Planejamentos de meios de aumentar a eficiência no trabalho, de colocar a pessoa adequada nos cargos, de aliviar desajustamentos e ansiedades pessoais e de melhorar métodos educacionais.
  • 6. ESCOLAS PSICOLÓGICAS
    • BEHAVIORISTA
    • PSICANALÍTICA
    • GESTALTISTA
    • São algumas delas
  • 7. ESCOLA BEHAVIORISTA - O comportamento
    • Os estudiosos do comportamento tem sido chamados de comportamentalistas ou behavioristas, porque em inglês a palavra comportamento é behavior, o primeiro psicólogo a trabalhar o comportamento foi John Broadus Watson, em 1912.
  • 8.
    • A vida mental das pessoas (seus sentimentos, aspirações, interesses, decisões, etc) se manifesta por seus atos, gestos, palavras, expressões fisionômicas, realizações exteriores da vida mental, é que devem ser observadas pelos psicólogos. Esse método é chamado extropecção
    ESCOLA BEHAVIORISTA - O comportamento
  • 9. CONCEITO
    • Comportamento: conjunto de reações ou respostas que um organismo apresenta às estimulações do ambiente.
    • Recebemos inúmeras estimulações do ambiente e reagimos a eles.
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13. FÓRMULA OU ESQUEMA DO COMPORTAMENTO
    • E____R : Um estímulo elicia uma resposta
    • Estímulo: qualquer modificação do ambiente que provoque a atividade do organismo, assim a luz é um estímulo aos olhos.
    • Reação: ou resposta, é qualquer alteração do organismo, eliciada pelos estimulos.
  • 14. CLASSIFICAÇÃO DO COMPORTAMENTO
    • Inato : reações que apresentam seres da mesma espécie ao receberem mesmo estímulo.
    • Adquirido : Há reações que alguns apresentam e outros, embora da mesma espécie, não apresentam ao receberem determinada estimulação. São reações que requerem aprendizado
  • 15. REFLEXOS
    • Certas respostas que nosso organismo apresenta a determinados estímulos, não dependem da nossa vontade.
    • Reflexo condicionado : respostas musculares que foram adquiridas ou aprendidas.
  • 16. IVAN PETROVICH PAVLOV
    • 1901, com o apoio do governo russo, e realizados em laboratórios especializados.
    • Constituia na observação do reflexo salivar nos cães.
    • Em 1920 na Universidade de Washington, sugeriu-se “resposta condicionada”
  • 17. ESCOLA BEHAVIORISTA II Skinner e o Condicionamento operante
    • Experimentos com ratos brancos em uma caixa.
    • Dois tipos de condionamento: respondente (Pavlov) e operante (Skinner).
    • Teoria do reforço: todo organismo tende a repetir situações agradáveis.
  • 18. CLASSIFICAÇÃO DOS REFORÇOS
    • Skinner classifica os reforços de positivos e negativos.
    • Alguns reforços consistem na apresentação de estímulos como acréscimo de alguma coisa, (positivos) e outros na remoção de alguma coisa da situação (negativos)
    • Os neo-behavioristas chamam de punição o reforço negativo.
  • 19.
    • Reforço primário: apresentação de estímulos de óbvia importância biológica, como alimento.
    • Reforço secundário:apresentação de um estímulo, anteriormente neutro, que foi associado a estímulos de óbvia importância biológica. Sua propriedade reforçadora foi adquirida. O dinheiro, o sorriso, o elogio, etc.
    CLASSIFICAÇÃO DOS REFORÇOS
  • 20. PAPEL DO REFORÇO
    • O papel do reforço é tornar uma resposta freqüente no comportamento do indivíduo.
    • Extinção : remoção de um comportamento, ex o rato deixa de pressionar a barra se não receber mais comida.
    • Vida diária: deixamos de telefonar a um amigo depois de várias chamadas sem respostas
    • Manutenção : Preservação do comportamento pelo estímulo
  • 21. CONCLUSÕES
    • Desde 1950 tem-se expandido muito o estudo do condicionamento operante, não apenas em animais.
    • A aplicação prática, é baseada na eficácia. sistemática do método de reforço. Controlamos as reações utilizando as conseqüências reforçadoras: educação, governo, família, indústria, etc.
  • 22. SENSAÇÃO E PERCEPÇÃO
    • Sensação: fenômeno psicológico produzido por estimulação do nosso organismo.
    • Podem ser externas ou sensoriais e internas ou orgânicas.
    • Externas: Órgãos dos sentidos
    • Internas :fome, sede, sono, fadiga etc.
  • 23. ELEMENTOS DA SENSAÇÃO
    • Excitação : modificação nas células dos orgãos sensoriais quando estimulados.
    • Impressão : fenômeno orgânico realizados pelas fibras nervosas.
    • Sensação : resultante dos processos anteriores
  • 24. PERCEPÇÃO
    • Fenômeno que consiste em reconhecermos qual o estímulo que produziu em nós determinada sensação. É a interpretação da sensação como sinal de um objeto exterior.
    • A percepção abrange a sensação, mas inclui também o conhecimento.
    • Um certo estímulo produz a sensação de cor vermelha, forma arredondada e odor agradável. Mas o que percebemos é a rosa.
  • 25. ILUSÕES
    • Erro ao interpretarmos uma percepção.
    • Ex: a noite de longe vemos uma cortina sendo agitada pelo vento, podemos ter a ilusão de que é uma pessoa acenando.
  • 26. PSICOLOGIA DA GESTALT
    • Escola que surgiu na Alemanha em 1910, com os trabalhos científicos de Max Wertheimer, Wolfgang Köhler e Kurt Kofka.
    • Para o português gestalt significa forma, figura, estrutura, todo, padrão, configuração, etc.
  • 27. TEORIA GESTALTISTA DA PERCEPÇÃO
    • Para os psicólogos gestaltistas, toda a percepção é uma gestalt um todo que não pode ser compreendido pela separação das partes.
    • Esse todo depende do relacionamento, especial que existe entre as partes.
    • Toda atividade pedagógica deve começar com a apresentação do objeto ou matéria em situações totais.
  • 28. Busca da unidade Fechamento Similaridade Continuidade
  • 29. Movimento
  • 30. Volume e Profundidade
  • 31. Reversão de fundo
  • 32. Inversão de perspectiva
  • 33. Familiaridade
  • 34. Ambigüidade
  • 35. Ambigüidade
  • 36. Ambigüidade
  • 37.  
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41.  
  • 42.  
  • 43.  
  • 44. PSICANÁLISE
    • Fundada por Sigmund Freud, nascido em Freiberg, Morávia, (antiga Checoslováquia)em 1856.Mudou-se aos 4 anos para Viena.
    • Médico neurologista, foi para Paris e estudou com Dr. Charcot (que usava hipnose), voltando para Viena associa-se a Breuer, e começaram a utilizar os método de Charcot, fazendo os pacientes falarem sobre a infancia, fornecendo aos médicos os diagnosticos das doenças e aliviando os pacientes ao mesmo tempo.
    • Freud e Breuer chamaram esse de método catártico.
  • 45.
    • Contudo notaram que a cura era transitória, e logo apareciam outros sintomas.
    • Logo os dois passaram a utilizar o método com os pacientes em estado normal, e notaram que ocorria o fenômeno da transferência afetiva.
    • Trabalharam juntos mais algum tempo e logo se separaram por divergência de idéias.
  • 46. MÉTODO PSICANALÍTICO
    • Freud começou a trabalhar sozinho criando um método chamado Psico-análise (ou análise da mente).
    • Composto por três técnicas: associação livre, análise dos sonhos e análise dos atos falhos.
  • 47. ESCOLA PSICANALÍTICA
    • Durante 12 anos Freud trabalhou sozinho, e sua obra passou desapercebida até que aos poucos Freud viu-se rodeado de pessoas interessadas em suas descobertas, fundando-se a Fundação psicanalítica
  • 48. DOUTRINA FREUDIANA
    • Libido : Freud- “o comportamento humano é orientado pelo impulso sexual” vem do instinto que para Freud era melhor representado por pulsão
    • Mais adiante Freud ampliou o significado da libido, abrangendo também o impulso de agressão (instinto de morte thanatos).interna- masoquismo, suicídio, externa- ódio, agressão.
  • 49. ELEMENTOS DA PERSONALIDADE
    • ID : Na nossa personalidade, há uma parte irracional ou animal, que procura satisfazer nossa libido.(Princípio do prazer)
    • Superego : Vivemos em um grupo social desde que nascemos do qual recebemos influências.
    • Ego : procura manter o equilibrio entre os dois, é nossa inteligencia.(princípio da realidade)
  • 50. DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE
    • Período Narcisista : No início da vida, a criança dirige a libido para o próprio corpo. Ama a si mesmo. É egocêntrica. Fase auto-erótica.(estágio oral, anal )
    • Período Edipiano : (estágio fálico). Dirige sua libido para o progenitor do sexo oposto, manifestando hostilidade com o genitor do mesmo sexo. Ainda a criança se identifica com o progenitor do mesmo sexo.
  • 51.
    • Período de latência sexual : Corresponde aos anos de escola quando a criança dirige sua libido para a aprendizagem. As barreiras mentais são a repugnância, vergonha e moralidade.
    • Período da Puberdade ( estágio genital) grandes modificações físicas. Libertação emocional dos progenitores.
    • Também chamada fase homossexual.
    • Adolescência : libido dirigida a adolescente do sexo oposto.
    • Separação emocional ocasiona ressentimento e hostilidade para com os pais.
  • 52. Problemas na normalidade evolutiva
    • Ansiedade; advertência de que o ego está sendo ameaçado.três tipos:
    • Ansiedade real
    • Ansiedade neurótica
    • Ansiedade moral
  • 53. MECANISMOS DE DEFESA
    • Protetores do Ego contra a ansiedade
    • Identificação
    • Repressão
    • Sublimação
    • Projeção
    • Formação Reativa
    • Fixação
    • Regressão
  • 54. PSICANÁLISE: DISCIDENTES E DESCENDENTES
    • Depois da fundação, o monopólio de Freud se dividiu em facções concorrentes, que discordavam de Freud em pontos específicos. Entre eles, Karl Jung, Alfred Adler e karen Horney.
    • Contudo nem todos sairam entre eles Anna Freud.(1895-1982)
  • 55. CARL JUNG (1875-1961)
    • Freud o chamava de “meu sucessor e príncipe herdeiro”
    • Com a publicação do livro Psicologia do Inconsciente, houve uma ruptura de idéias, principalmente porque Jung reduziu a importância do sexo e propõe uma concepção distinta de libido.
    • Freud via as pessoas como vítimas de sua infância e Jung julgava que somos moldados por nossa metas, esperanças em relação ao futuro e ao passado.
  • 56.
    • Uma outra importante diferença é a relevância que Jung atribuia ao inconsciente.
    • Acrescentou uma nova dimensão: as experiências herdadas (inconsciente coletivo).
    • Psique- consciência, inconsciente pessoal e inconsciente coletivo.
    • Arquétipos; tendência herdadas contidas no incons. Coletivo.
  • 57.
    • Arquetipos principais;
    • Persona
    • Anima e animus
    • Sombra
    • Self
  • 58.
    • Ao contrário de Freud que considerava a infância o período mais importante da vida Jung julgava a meia idade como fator decisivo para a integração do self.
    • Trabalhou sobre as questões de introversão e extroversão.
  • 59. ALFRED ADLER
    • Foi filho de uma família abastada, rejeitado pela mãe por ser feio, odiava o irmão mais velho. Formou-se em medicina. Desenvolveu o sistema de psicologia individual, que afirmava mais a questão social e não a biológica.
    • Enfatizava a busca por superar dificuldades
  • 60. KAREN HORNEY
    • Médica. Feminista, não concordava com Freud sobre as forças biológicas, contestava a a teoria edipiana
    • Opunha-se a crença de que a mulher tem inveja do pênis e postulava que o homem tinha inveja do útero
  • 61. DESCENDENTES
    • Gordon Allport(1897-1967)
    • Henry Murray (1893-1988)
    • Erik Erikson (1902-
  • 62. PSICOLOGIA HUMANISTA
    • Ênfase na experiência consciente
    • Crença na integralidade da natureza e da conduta do ser humano
    • Concentração no livre-arbítrio, na espontaneidade e no poder de criação do indivíduo
    • Estudo de tudo que tenha relevância para a condição humana
    • Abraham Maslow e Carl Rogers
  • 63. PSICOLOGIA COGNITIVA
    • Ênfase na consciência
    • George Miller
    • Ulric Neisser
    • Jean Piaget.
  • 64.  
  • 65. Transformações Bio-Psico-Econômico- Culturais
    • É impossível separar o indivíduo dos grupos e da sociedade nas quais ele estiver inserido.
    • Evolução Histórica – Transformações biológicas, científicas, psicológicas, sociais, econômicas, culturais e espirituais – acarretam problemas de adaptabilidade aos novos padrões emergentes onde tudo e todos estão relacionados- globalização.
  • 66. Visão Sistêmica
    • Visão Sistêmica do Mundo: Sempre existem múltiplos elementos que estão arranjados e combinados em determinadas formas, nas quais a maneira como as diversas partes estão integradas e estruturadas no todo é mais importante do que cada uma delas isoladamente, por mais importante que elas possam ser.
  • 67. Estruturas:
    • Arranjos de distintos elementos, onde cada um procura um determinado lugar e função, sendo que todas estão sempre inter-relacionados num permanente movimento e interação, de modo que a modificação de qualquer um inevitavelmente provocará modificações nos demais e toda a estrutura sofrerá uma transformação em busca da harmonia.
  • 68. Família
    • Modificação na família nuclear.
    • Mudança de papéis.
    • Crise de Identidade : Com a vertiginosa mudança de valores éticos, morais, ideológicos – ansiedade-
    • Necessidade de exitismo.
    • Crescente globalização- diminuição das “diferenças” entre os indivíduos, sendo que a manutenção das diferenças representa mátéria-prima para sentimento de identidade .
  • 69. Valores
    • Há poucas décadas – valores de certeza.
    • Atualmente – incerteza, negatividade, paradoxalidade, relatividade.
  • 70. Globalização
    • Poderosa rede de comunicação – Midiologia, influência no psiquismo – ideologia política, estilo de viver, apologia ao consumismo, culto a estética, hábitos de alimentação, internet, clonagem, projeto genoma eta.
  • 71. Pós-Modernismo
    • Progressiva introdução da imagem no lugar do pensamento e da palavra.
    • Virtualidade cria uma confusão entre o real e o imaginário- gera busca de ilusão, simulacro fetichismo.
    • Pós moderno tende a repudiar a lógica da casualidade, fazendo apologia à casualidade, do ilógico, do intuicionismo,incerteza, relativismo.
    • Positivos: incremento da criatividade,ingresso do indivíduo em planos mais profundos e diversificados do espírito humano, nas dimensões estéticas,místicas e espiritual.
  • 72. A Cultura do narcisismo
    • O indivíduo debate-se numa acirrada competição para ter direito a “lugar ao sol”, lei do mais capaz, ou do que aparente ser mais bem sucedido, gera um desgaste resultante das necessidades de atingir as metas da família, sociedade, cultura e por si próprio.
    • Dificuldade de admitir limitações, ou diferenças com os demais.
    • Aumento significativo de pessoas com carências emocionais, faltas, buracos negros interiores, gerando sintomatologias.
  • 73. O Vínculo do Reconhecimento
    • Segundo Zimmermann,1999, desde que o dia em que nasce até o dia em que morre todo ser humano tem necessidade vital de ser reconhecido e aceito pelos demais, valorizado e amado. Neste caldo a busca por soluções mágicas e ilusórias a um consumismo exagerado, adições bem como a ilusória conquista da liberdade e licenciosidade, levando a uma subversão da necessária colocação de limites e definição de papéis da família. Falta de continência, aliada a uma prematura emancipação num mundo competitivo contribui para o desamparo e violência urbana
  • 74. Incremento da violência
    • Manifesta-se em todos os níveis, não só sob a forma da cotidiana violência urbana, mas também em injustiças sociais, desemprego, precária assistência à saúde, poluição, etc. Cria meios de auto-preservação que prejudicam a espontaneidade.
  • 75. Perfil do Paciente
    • A cultura imprime as características específicas sobre as diferentes configurações psicopatológicas dos indivíduos.
    • Início- histeria, fobias e obssessões, anos 40 , estruturas borderline, psicóticos. Atualmente baixa auto-estima, depressão narcisismo, transtornos do corpo, síndrome de pânico, drogadição, perversão e psicopatias
  • 76. Interação da psicanálise com as demais Ciências
    • Se nós trabalhadores da alma, tivermos olhos para enxergar, ouvidos para ouvir e uma mente não saturada que possibilite tolerância, provindas de outras fontes, para um aprendizagem daquilo que não nos é familiar, que difere de nossos valores habituais, ficaremos estupefatos diante da riqueza que está ao nosso alcance e que constitui um dos maiores desafios deste novo milênio
  • 77. Características clínicas das Diversas patologias
    • Psicoses “qualquer paciente de natureza psicótica está sempre cheio de...vazios”
    • Processo deteriorante das funções do ego, a tal ponto que haja, em graus variáveis, algum sério prejuízo de contato com a realidade
  • 78. BORDERLINE
    • Apresentam os critérios a parte psicótica da personalidade
    • No entanto conservam um juizo crítico e senso da realidade
    • Estranheza em relação ao meio, e despersonalização
    • Deixa uma impressão de esquisitice
    • Ambígüa, instável e compartimentada
    • Ansiedade difusa
  • 79.
    • Freqüentemente atuam (actings), por ex sexualidade sadomasoquista e perversa.
    • Em casos mais graves podem aparecer manifestações pré-psicóticas, como personalidade paranóide, hipomaniaca, neuroses impulsivas, transtornos alimentares graves, drogadição, psicopatias.
  • 80. Transtornos Narcisistas
    • “ o homem ideal deveria ser tão bonito quanto sua mãe pensa que ele é; tão rico quanto seu filho pensa que ele seja; ter tantas amantes quantas sua mulher pensa que ele tem e ser tão bom de cama quanto ele próprio pensa que é”
    • anedotário popular
  • 81.
    • Certo estado de indiferenciação.
    • Estado de uma ilusão buscando completude.
    • Negação das diferenças
    • Núcleo de simbiose e ambiguidade
    • Lógica binária
    • Escala de valores centrada no ego ideal e no ideal de ego
    • Desesperada necessidade de reconhecimento
    • Escolha de pessoas reforçadoras da ilusão narcisista.
    • Narcisismo de pele fina e de pele grossa
  • 82. PERVERSÕES
    • O vínculo de perversão somente se realiza quando o manifesto perverso se encontra e se completa com um “partnaire”, que por mais dissimulado ou oculto que esse pareça ser. Assim, muitas pessoas exercem o papel de servir como simples cenário de palco, no qual um outro representa eternamente o seu drama, e vice versa”
  • 83.
    • O vocábulo hoje, designa o ato de o sujeito perturbar o estado natural das coisas, de modo que, com sua conduta, oposta a normal, desafia as leis habituais, consciente de que seus atos ultraja seus pares e a ordem social a qual está inserido.
    • Morais( proxenetas)
    • Sociais.(psicopatias)
    • Perversões alimentares
    • Institucionais
    • Para Freud inclui apenas as questões sexuais.
  • 84. A Clínica do Vazio
    • “ essas crianças autistas não estão fugindo ou escondendo-se, elas de fato estão perdidas, a espera de que alguém vá ao seu alcance”
  • 85. Transtornos Ansiosos
    • Algum grau de sofrimento e de adaptação em alguma, ou mais área importante de sua vida.
    • Neurose de angustia: expressa-se por equivalentes somáticos (taquicardia, dispinéia suspirosa, sensação de bola no peito)
    • Neurose atual
  • 86. Estados Depressivos
    • Muito aumentada no mundo contemporâneo.
    • Entre 10, 5 são psiquiátricas
    • As atuas condições competitivas produzem maior sensação de fracasso, afetando severamente a auto-estima
    • Casos sub-clínicos: hipocondria, alcoolismo, transtornos alimentares.
  • 87. Tipos de Depressão
    • Atípica: crise existencial
    • Endógena:causas orgânicas
    • Distimia:
    • Diagnóstico diferencial:
    • Tristeza, luto, melancolia, posição depressiva,
  • 88. Sintomatologia
    • Com graus variáveis de gravidade.
    • Sentimentos culposos
    • Exacerbada intolerância a perdas e frustrações, alto nível de exigência consigo
    • Extrema submissão ao julgamento alheio
    • Baixa auto-estima, auto denegrimento
    • Sentimento de falta de amor por parte dos outros
    • Sensação de ser fracassado
  • 89.
    • Pseudo-depressão: é comum verem-se pessoas que atravessam a vida aparentando desvalia e pobreza que não correspondem a sua realidade, procedem assim por: medo de atrair a inveja retaliadora, receio de provocar uma depressão naqueles que o invejam, medo de de ser considerado pelos outros como fonte inesgotável de provimento, e medo de ser exigido, cobrado, sugado., forma de parecer um sacrificado, para merecer o amor dos outros.
  • 90. Fobias
    • Comum e multi-determinada variando de pessoa para pessoa.
    • Neurose fóbica: angústia original delocada para pessoas, coisas, situações
    • Pessoas fóbicas apresentam terror, quase irracional- excessivo e persistente de objetos, etc, que lhe causem sofrimento, utilizam a técnica da evitação.
    • Ocorre de virem acompanhados de manifestações paranóides e obssessivas
    • As vezes contrafobia
    • Fobia social
    • Identificação da criança com a fobia dos pais
  • 91. Diagnóstico diferencial
    • Fobias propriamente ditas, acompanhadas por angústia-pânico e os casos de doença de pânico.
    • Não é fácil distinguir mas um dos critérios é que na fobia existe a presença de uma circunstância; objeto, cena, pessoa, local. Bastando evitá-la para que a angustia passe. E no Pânico, não há claramente uma origem desencadeadora, muito embora o pavor de sofrer crises de pânico leve o sujeito a evitações emergindo secundariamente um estado de fobia
  • 92. Transtornos Obsessivos-compulsivos (toc)
    • É útil esclarecer que a caracterologia obsessiva implica a presença dos traços de meticulosidade sem prejuízo ao indivíduo.Pessoa portadora de um caráter obsessivo, é a que reúne os aspectos sadios de uma necessária disciplina, método,ordem, respeito, moral e ética.
    • O TOC, ao contrário, implica em grau de sofrimento
    • Também obsessivo não define uma única caracterologia; tanto podem se indivíduos passivos que tomam excessivo cuidado e deixam-se subjugar , quanto aqueles nos quais predomina uma atitude agressiva, e se tornam intolerantes aos mínimos erros , déspostas e tirânicos
  • 93. Histerias
    • Tolerância a frustração é baixa
    • Mecanismo de defesa é a repressão
    • Supervalorização do corpo ( tanto estéticos, quanto de conversões)
    • Discurso entremeado de queixas e demandas insaciáveis, enquanto o estilo de comunicação é superlativo, dramático, mais baseados em sensações do que em reflexões
    • Ânsia por obter alguma forma de reconhecimento, expresso por uma excessiva demanda por sucessivos reasseguramentos de que é amada
    • Habilidade na técnica da provocação, para maltratos
    • Inconstância e labilidade, oscilam de uma tristeza a alegria, do riso ao choro
    • Coexistência de uma representação de uma criança se debatendo no corpo de um adulto.
  • 94. Pacientes Somatizadores
    • “ Quando o sofrimento não pode expressar-se pelo pranto, ele faz chorarem os outros órgãos.”(W. Motsloy- médico)
    • Se você pensa positivamente, o seu sistema imunológico também responde positivamente.
    • A somatização como resposta a dor mental é muito comum, e vice versa
    • Psiquismo e soma são indissociáveis
  • 95. Campo Grupal: Ansiedades, defesas e identificações
    • Três aspectos constituem a coluna-mestra na formação dos processos inconscientes que gravitam no campo grupal:
    • 1- Ansiedades: angústia (angor-estreitamento) se manifesta por sintomatologia somatiforme, ansiedade “ânsia” um desejo impossível, sinalizar perigo.
  • 96. Uma Revisão sobre as Principais Síndromes clínicas
    • Sintoma : estado de sofrimento que o paciente acusa e do qual está querendo se ver livre
    • Caráter : estado organizado da mente e da conduta que por mais que cause sofrimento aos outros e prejuízo a si, é sintônico.
    • Inibição: sintoma ou traço de caráter.
  • 97.
    • Neuroses : algum grau de sofrimento e de desadaptação em alguma ou mais de uma área da vida. Entretanto mantém adaptação à realidade e juízo crítico.
    • Cinco estruturas neuróticas: angústia, obssessivo-compulsivo, fobia e depressão .
  • 98.
    • Neurose de Angústia : manifesta-se através de uma angústia livre, quer permanente ou em crise. Equivalentes somáticos.
    • Na maioria das vezes ocorre falha no mecanismo de repressão diante de um traumático. Reconhecer a síndrome de pânico.
  • 99.
    • Neurose de histeria : o termo histeria abarca um largo espectro que vai desde a baixa tolerância a frustração, até o pólo de uma grave crise psicótica.
    • Em termos clínicos dividi-se em dois tipos:
    • Dissociativas (sonambulismo,personalidade múltipla, estados de transe ou de belle indiference , etc).
    • Conversivas : cegueira, surdez histérica, parestesia ou paralisia histérica.
  • 100.
    • O caráter histérico
    • fundamenta-se em um tipo de comportamento que lembra o de uma criança insegura e cheia de caprichos habitando um corpo de adulto.
    • Mecanismo de defesa é a repressão.
    • Usa recursos da sedução e persuasão
    • Influência de uma mãe histerogênica, no caso da mulher também um pai sedutor.
    • Manipulação do meio
    • tratamento utiliza superlativos
  • 101.
    • Neurose Fóbica :
    • desde traços de caráter até síndromes.
    • No mínimo um dos pais de alguma forma foi fóbico.
    • Relação simbiótica com a mãe,geralmente exclusão do pai.
    • Ansiedade de aniquilamento
    • Psicosomática
    • Acompanha paranóia e obsessão
    • Técnica de evitação e regulação afetiva.
    • Controle mútuo entre famílias
    • Faltam tratamento.
  • 102.
    • Neurose Obsessivo-Compulsiva :
    • pensamentos que como corpos estranhos atormentam o indivíduo. E compulsão, atos motores
    • preocupação demasiada com limpeza, disciplina.
    • Obsessivos-passivos - agradar, dúvida diante de qualquer decisão.
    • Obsessivos ativos - domínio tirânico, com intolerância á falhas. Em ambos um super ego rígido e um ideal de ego cheio de expectativas.
  • 103.
    • Neurose Depressiva :
    • Em algum grau apresentam sentimento de desvalia, desânimo, sensação de vazio, fácil auto-recriminação. Baixa auto-estima.
    • Muitas vezes o estado depressivo não se manifesta na tristeza e apresentam fugas maníacas, adicção, somatização conduta masoquista.
    • De forma geral há situações de perda real ou fantasiadas.
    • Ganho secundário- atenção
  • 104.
    • Psicoses:
    • Em algum grau rompimento com a realidade.
    • Estados psicóticos: estados de pacientes que não são francamente psicóticos mas apresentam relativo nível de regressividade. Nos estados borderline, nas personalidades paranóides, narcisitas, perversões, psicopatias, drogadição, hipocondria grave.
    • Psicoses propriamente ditas : juízo crítico e senso de realidade seriamente prejudicados. Esquizofrenia, psicoses afetivas, psicoses orgânicas.
  • 105.
    • Transtornos da Conduta: Psicopatias e perversões
    • Psicopatias: (sociopatias) Conduta anti- social. Características básicas: impulsividade, repetitividade, uso de actings de natureza malígna, acompanhada por uma aparente falta de culpa.
    • Perverversões : Condutas sexuais que a sociedade considera como desvios da normalidade. Mas também desvios da finalidade de uma função:
    • homossexualismo *, fetichismo*, travestismo, voyerismo, exibicionismo, pedofilia, prosmicuidade,sadomasoquismo etc
  • 106.
    • Doenças Psicosomáticas :
    • Fenômeno conversivo : hipocondria, somatização ( úlceras, retocolite, eczema etc)
    • Transtornos Alimentares : Bulimia, anorexia, obesidade.
    • Patologias do Vazio (das carências)
    • Muitas pessoas sofrem de primitivas carências afetivas básicas (crianças autistas e adultos neuróticos com desligamentos)