Estudo do Capítulo 4 de Romanos

10,562 views
9,970 views

Published on

Estudo do capítulo 4 da Carta de São Paulo aos Romanos

Published in: Spiritual
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,562
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
383
Actions
Shares
0
Downloads
57
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Estudo do Capítulo 4 de Romanos

  1. 1. Estudo do capítulo 4 da carta de são paulo aos romanos<br />Por João Paulo Veloso<br />alegriaesantidade.blogspot.com<br />twitter.com/veloso_JP<br />
  2. 2. Assunto<br />Este capítulo tem 25 versículos<br />Fala do exemplo de Abraão e da promessa de descendência<br />
  3. 3. Pontos-chave<br />A salvação vem pela fé (3,21–4,25)<br />Leitura jurídica<br />Trinitariamente, está inserido no contexto referente ao PAI (1,18–4,25)<br />
  4. 4. 4,1-8<br />As obras da lei. Segundo textos tardios e a tradição rabínica, Abraão cumpriu toda a lei de antemão, séculos antes de ser promulgada (cf. Eclo 44,20).<br />O autor de 1Mc 2,52 faz o mérito de Abraão depender do sacrifício de seu filho.<br />Veja-se o que diz Gn 18,19 condicionando o cumprimento da promessa à prática “da justiça e do direito”.<br />Paulo é categórico: apoia-se em Gn 15,6, que se expressa em termos comerciais, “lançar algo no haver”; e continua no mesmo campo comercial falando de “salário” devido na justiça.<br />
  5. 5. 4,6-8<br />O que Gênesis ensina os Salmos o confirmam. Sl 32,1-2 se refere ao perdão não merecido do culpado.<br />“Não levar em conta” (= não imputar) é termo forense que corresponde ao termo comercial “lançar”.<br />Ser perdoado por Deus sem merecê-lo é para qualquer um bem-aventurança. Por sua composição, a palavra “perdão” é um intensivo ou superlativo de “dom”.<br />
  6. 6. 4,9-12<br />A circuncisão. De novo o Gênesis fornece a prova, já que 17,11 vem depois de 15,6 (doutrina da Antiguidade: quanto mais antigo for o argumento, mais valor ele terá sobre outros).<br />A circuncisão é uma marca corporal que sela o já realizado. Paulo muda “sinal de meu pacto” em “sinal da justiça”. Depois introduz outro tema do Gênesis, a promessa de descendência, alargando-a a uma dimensão nova.<br />A promessa de Gn 17,5 muda o nome do patriarca para que seja e se chame “pai de uma multidão”. Paulo interpreta: “pai de circuncisos e incircuncisos”, em virtude da sua fé.<br />“Nosso pai” é título que os judeus dão a Abraão.<br />
  7. 7. 4,13-16<br />O tema da paternidade se prolonga no tema da herança, com sentido polivalente: o herdeiro de Abraão (Gn 15; 21,10) e Abraão e o herdeiro. Herdeiro da terra e, segundo a tradição rabínica, de todas as famílias do mundo.<br />A Abraão sucedem seus herdeiros ou descendentes na herança ou posse da terra prometida (Gn 22,17).<br />Ora, se fossem herdeiros legais, teriam direito à herança, sem depender de promessas. Mas, passar ao terreno da legalidade é perigoso, fatal, porque legalmente se provarão transgressões que invalidam os direitos. <br />Delito supõe lei: transgressão supõe fronteira ou limite.<br />
  8. 8. 4,17-22<br />Da fé, pela confiança, chegamos à esperança (cf. Hb 11). Abraão creu em três coisas crendo numa pessoa: que Deus, perdoando, pode tornar justo um culpado (cf. em termos de pureza e impureza, Jó 14,4); que pode tornar fecundos dois anciãos já estéreis; que dá vida aos mortos (Dt 32,39) como deu existência do nada (Gn 1).<br />Os termos “criar” e “perdoar” se cruzam no Sl 51,12 e em 2Cor 5,17-21. Isto equivale associar a morte com o não-ser e a ressurreição com a criação.<br />Paulo, desta vez, passa por alto o riso incrédulo de Abraão e Sara (Gn 17,17; 18,12).<br />
  9. 9. 4,23-24<br />A figura de Abraão é exemplar, válida para quantos o imitam crendo em Deus e em Jesus Cristo.<br />O tema da ressurreição de Jesus Cristo, anunciado em 1,4, se afirma com força ao concluir esta seção.<br />
  10. 10. 4,25<br />O final é lapidar. Pela lei do paralelismo, o sentido é cumulativo: para livrar-nos do pecado e alcançar-nos a justificação, Jesus Cristo morreu e ressuscitou (Is 53,5-6).<br />
  11. 11. Bibliografia<br />CNBB. Bíblia Sagrada: tradução da CNBB. Brasília: Edições CNBB, 2008. 7ª ed.<br />PERONDI, Ildo. Cartas Paulinas. Diocese de Apucarana. Trabalho não publicado.<br />SCHÖKEL, Luís Alonso. Bíblia do Peregrino: Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2000.<br />alegriaesantidade.blogspot.com<br />

×