As Cartas Pastorais<br />1 Timóteo<br />2 Timóteo<br />Tito<br />Por João Paulo Veloso<br />twitter.com/veloso_JP<br />ale...
Introdução<br />As cartas a Timóteo e a Tito são chamadas “Pastorais” desde o século XVIII. O título é perfeitamente justi...
Problema da autenticidade Paulina<br />O problema surgiu no século XIX com a crítica racionalista. Em 1804, J. E. C. Schmi...
Objeções e respostas<br />Vocabulário diferente das outras cartas<br />Resposta: Nem o estilo, nem o vocabulário são decis...
Objeções e respostas<br />A doutrina: é mais normativa-jurídica. Insiste-se na fidelidade à “verdade”. A fé é vista como u...
Objeções e respostas<br />Os erros combatidos seria o gnosticismo na forma que assumiu no século II.<br />Resposta: Os err...
Objeções e respostas<br />A organização eclesiástica seria muito desenvolvida. Prevalece a Igreja das estruturas no lugar ...
Objeções e respostas<br />Nas Pastorais, ainda há muita confusão: presbíteros e epíscopos são, praticamente, sinônimos; Ti...
Timóteo<br />
Timóteo<br />Era originário da cidade de Listra na Licaônia. Seu pai era grego e sua mãe judia (At 16,1). Não se fala nada...
Timóteo<br />Tornou-se conhecido da comunidade cristã e gozava de grande estima. Foi durante a segunda viagem missionária,...
Timóteo<br />Timóteo tinha uma saúde delicada (1Tm 5,23) e um caráter tímido e indeciso (1Cor 4,17; 16,10-11; 1Tm 4,12) ta...
Tito<br />
Tito<br />Tudo o que sabemos de Tito provém dos poucos dados fornecidos pelas cartas paulinas. Não é mencionado nos Atos d...
Tito<br />Após a libertação da sua primeira prisão romana, Paulo o encarregou do governo da Igreja de Creta (Tt 1,5). Depo...
Pontos de destaque das cartas<br />
1 Tm 1,4<br />As “genealogias intermináveis” não são as encontradas em Gn, Nm e Cr, mas sim as toledot apócrifas. Quando s...
1 Tm 1,9b-11<br />A “sã doutrina” é especialidade dessas cartas. Apresenta uma lista de quatorze categorias, muito semelha...
1 Tm 1,20<br />“Entregar a Satanás” equivale a excomungar temporariamente para provocar a emenda.<br />
1 Tm 2,1-15<br />É significativo que conceda o primeiro lugar às reuniões de oração, talvez por considerá-las centro da vi...
1 Tm 3,1-12<br />Encontramos aqui duas categorias que possuem a autoridade e exercem a administração na comunidade: os bis...
2 Tm, 1-2<br />Ao passar da primeira para a segunda carta, escutamos um tom diferente: mais pessoal nas recordações, mais ...
2 Tm 1,10<br />O termo parusia, tradicional no corpo paulino, é substituído por epifania para indicar a volta do Senhor.<b...
2 Tm 3,14-17<br />Este é um dos textos em que a Escritura atesta sobre si mesma; o outro é 2 Pd 1,1-21.<br />
Tt 1,1-4<br />Para uma carta muito breve, uma saudação muito longa.<br />
Tt 1,16<br />É a fé sem obras, que Tiago condena (2,17-26). A preocupação de Paulo era antes de tudo a salvação pela fé, i...
Tt 2,11-14<br />Primeira síntese doutrinal da carta. Um dos títulos clássicos de Yhwh no AT é hanun (clemente), que outorg...
Tt 3,4-7<br />Segunda síntese doutrinal, com algo de hino. Da “bondade” de Deus falam vários salmos (25,7; 27,13; 31,20; 1...
Bibliografia<br />CNBB. Bíblia Sagrada: tradução da CNBB. Brasília: Edições CNBB, 2008. 7ª ed.<br />PERONDI, Ildo. Cartas ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

As cartas pastorais

15,605

Published on

Estudo das cartas pastorais de são Paulo: 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
15,605
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
415
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

As cartas pastorais

  1. 1. As Cartas Pastorais<br />1 Timóteo<br />2 Timóteo<br />Tito<br />Por João Paulo Veloso<br />twitter.com/veloso_JP<br />alegriaesantidade.blogspot.com<br />
  2. 2. Introdução<br />As cartas a Timóteo e a Tito são chamadas “Pastorais” desde o século XVIII. O título é perfeitamente justificado porque são endereçadas a pastores das Igrejas, amigos e colaboradores de Paulo, e porque contém conselhos e deveres de caráter pastoral dos dirigentes de comunidades.<br />As “Pastorais”, além de fornecer um interessante panorama de organização das comunidades, apresentam, também, uma preciosa documentação da catequese primitiva. A grande preocupação dessas cartas é “conservar e transmitir fielmente o ‘depósito da fé’”.<br />
  3. 3. Problema da autenticidade Paulina<br />O problema surgiu no século XIX com a crítica racionalista. Em 1804, J. E. C. Schmidt negou a autenticidade de Primeira Timóteo. Aos poucos a negação atingiu também as outras duas cartas que foram atribuídas a um falsário do século II, o qual teria usado o nome de Paulo para combater o gnosticismo e dar crédito à doutrina do episcopado monárquico na Igreja. Outros autores, menos radicais, atribuíram as cartas a um discípulo de Paulo ou a São Policarpo de Esmirna ou a um membro do seu clero.<br />
  4. 4. Objeções e respostas<br />Vocabulário diferente das outras cartas<br />Resposta: Nem o estilo, nem o vocabulário são decisivos para negar a autoria paulina, sobretudo se tomarmos em consideração a participação ativa dos secretários (Rm 16,22) que não eram simples copistas. Também, o estilo e o vocabulário são normalmente condicionados pelo argumento tratado, pelo estado de espírito do autor e pelos destinatários diretos dos escritos. Paulo, nas Pastorais, usa um tom familiar e simples porque se dirige, como pai, a filhos responsáveis por comunidades.<br />
  5. 5. Objeções e respostas<br />A doutrina: é mais normativa-jurídica. Insiste-se na fidelidade à “verdade”. A fé é vista como um conjunto de verdades a qual se deve crer, e não como adesão à pessoa de Cristo.<br />Resposta: Sem dúvida, a doutrina das pastorais é muito mais pobre e ao tipo prático-normativo. Mas, isso depende do objetivo que o autor quer alcançar e das circunstâncias históricas em que escreve.<br />
  6. 6. Objeções e respostas<br />Os erros combatidos seria o gnosticismo na forma que assumiu no século II.<br />Resposta: Os erros combatidos nas Pastorais, não se apresentam como um sistema doutrinal bem definido como o gnosticismo do século II. Talvez se tratasse do início da gnose ou de alguma tendência gnóstica do próprio judaísmo (Tt 1,14 fala de fábulas judaicas). Note-se, também, que enquanto o gnosticismo de Marcião e Valentino rejeitava o Antigo Testamento em bloco, as Pastorais o supervalorizam.<br />
  7. 7. Objeções e respostas<br />A organização eclesiástica seria muito desenvolvida. Prevalece a Igreja das estruturas no lugar da Igreja Carismática. Já aparecem bem delineados os membros de uma hierarquia interna na Igreja (epíscopos, presbíteros, diáconos.<br />Resposta: Dizer que não existe nenhum interesse pela hierarquia nos escritos do Novo Testamento anteriores às Pastorais é um juízo falso, pois nota-se certos graus de hierarquia em algumas comunidades: os Atos dos Apóstolos falam de “epíscopos e presbíteros”; “epíscopos e diáconos” em Fl 1,1; são mencionados os chefes de Igrejas em 1Ts 5,12; 1Cor 16,16; Rm12,8. As Pastorais apresentam, apenas, uma maior preocupação pela organização das comunidades, daí a maior insistência nesses termos.<br />
  8. 8. Objeções e respostas<br />Nas Pastorais, ainda há muita confusão: presbíteros e epíscopos são, praticamente, sinônimos; Tito Timóteo não são bispos residenciais, mas itinerantes à disposição do único chefe de todas as comunidades. As notícias pessoais de Paulo não se enquadram no que sabemos do Apóstolo sobretudo através dos Atos.<br />Resposta: Certamente os dados biográficos e cronológicos das Pastorais não se enquadram na vida de Paulo até o ano de 63. É certo, também, que o autor dos Atos dos Apóstolos não tencionava fazer uma biografia de Paulo. Seu objetivo era outro (At 1,8). Nem sempre Atos e Paulo coincidem, e nestes casos sempre devemos dar mais razão aos escritos paulinos.<br />
  9. 9. Timóteo<br />
  10. 10. Timóteo<br />Era originário da cidade de Listra na Licaônia. Seu pai era grego e sua mãe judia (At 16,1). Não se fala nada sobre seu pai, talvez já morto quando conheceu Paulo. Foi educado por sua mãe Eunice e por sua avó Lóide que lhe transmitiram a fé judaica e o conhecimento da Lei de Moisés (2Tm 3,15). Mas por ser filho de pai gentio não foi circuncidado ao oitavo dia. Provavelmente conheceu Paulo por ocasião da segunda viagem missionária. <br />
  11. 11. Timóteo<br />Tornou-se conhecido da comunidade cristã e gozava de grande estima. Foi durante a segunda viagem missionária, ao passar novamente por Listra que Paulo batizou-o e o tomou como seu colaborador. E para facilitar seu contato com os judeus, Paulo fez com que Timóteo fosse circuncidado (At 16,1). Desde então, tornou-se o colaborador fiel do Apóstolo. Esteve com Paulo no momento em que foram escritas as cartas: 1-2 Tessalonicenses (1Ts 1,1; 2Ts 1,1); 2 Coríntios (2Cor 1,1); Romanos (Rm 16,21); Filipenses (Fl 1,1); Colossenses (Cl 1,1) e Filemon (Fm 1). Acompanha Paulo na Macedônia (At 17,14-15); a Corinto (At 18,5) e a Éfeso (At 19,22). Desempenhou várias tarefas de confiança de Paulo e muitas vezes difíceis (1Ts 3,1-2.5-6; 1Cor 4,17; 15,10; Fl 2,19-24; Rm 16,21).<br />
  12. 12. Timóteo<br />Timóteo tinha uma saúde delicada (1Tm 5,23) e um caráter tímido e indeciso (1Cor 4,17; 16,10-11; 1Tm 4,12) talvez reflexo de sua educação familiar e da personalidade de Paulo com quem conviveu.<br />Não sabemos quando recebeu a imposição das mãos (1Tm 4,14; 2Tm 1,6). A primeira carta a ele destinada apresenta-o como responsável da Igreja de Éfeso. Paulo escreve para encorajá-lo e alertá-lo contra os falsos doutores (1,3-20; 4,1-5; 6,3-10).<br />Esteve, provavelmente, com Paulo na época de seu martírio. Depois deve ter retornado a Éfeso onde, segundo a tradição, morreu mártir no ano de 97.<br />
  13. 13. Tito<br />
  14. 14. Tito<br />Tudo o que sabemos de Tito provém dos poucos dados fornecidos pelas cartas paulinas. Não é mencionado nos Atos dos Apóstolos. Era filho de pais gregos (Gl 2,3). Foi convertido ao cristianismo pelo próprio Paulo (Tt 1,4; 1Tm 1,2; 2Tm 1,2) que o chama de “filho”. Não foi circuncidado, como Timóteo. Sua conversão deve ter ocorrido na primeira viagem missionária, pois no final dessa foi com Paulo e Barnabé à Jerusalém para a assembléia em 49/50 (Gl 2,1-5; At 15,2).<br />Acompanhou Paulo a Éfeso durante a terceira viagem missionária. Dali foi enviado por Paulo para Corinto (2Cor 2,12ss; 7,6ss; 12,18) e mais tarde, outra vez para organizar a coleta em Corinto e nas Igrejas da Acaia (2Cor 8,6.23; At 20,4; Rm 15,26). Foi provavelmente ele que levou a perdida “Carta em lágrimas” até Corinto. <br />
  15. 15. Tito<br />Após a libertação da sua primeira prisão romana, Paulo o encarregou do governo da Igreja de Creta (Tt 1,5). Depois foi encontrar-se com Paulo em Nicópolis no Épiro, sendo substituído em Creta por Artemas e Tíquico (Tt 3,12). Não sabemos se de Nicópolis ou de Roma, Paulo enviou-o para evangelizar a Dalmácia (2Tm 4,10) onde seu culto é muito difundido ainda hoje.<br />Tito parece ter sido um homem forte, de intuito rápido e ótimo organizador. É provável que após a morte de Paulo, tenha voltado para Creta. Segundo uma antiga tradição, Tito morreu em Creta com 93 anos de idade.<br />
  16. 16. Pontos de destaque das cartas<br />
  17. 17. 1 Tm 1,4<br />As “genealogias intermináveis” não são as encontradas em Gn, Nm e Cr, mas sim as toledot apócrifas. Quando se entra no mundo de tais especulações, brotam controvérsias opostas ao plano ou administração de Deus.<br />
  18. 18. 1 Tm 1,9b-11<br />A “sã doutrina” é especialidade dessas cartas. Apresenta uma lista de quatorze categorias, muito semelhante à doutrina estóica corrente. Na linguagem da época, qualificava-se de “sã” uma doutrina razoável, plausível; bem distante da loucura da cruz que pregava Paulo (1Cor 1).<br />No entanto, essa “sã doutrina” deve ajustar-se ao evangelho, e não o contrário.<br />
  19. 19. 1 Tm 1,20<br />“Entregar a Satanás” equivale a excomungar temporariamente para provocar a emenda.<br />
  20. 20. 1 Tm 2,1-15<br />É significativo que conceda o primeiro lugar às reuniões de oração, talvez por considerá-las centro da vida comunitária. Por isso, é mais notável que nenhuma das cartas mencione a eucaristia. <br />A instrução parece dominada pelo desejo de corrigir abusos internos e externos. O tom é de autoridade.<br />
  21. 21. 1 Tm 3,1-12<br />Encontramos aqui duas categorias que possuem a autoridade e exercem a administração na comunidade: os bispos e os diáconos. Originalmente o primeiro significa vigilante, o segundo, servente.<br />Dos bispos fala no singular, dos diáconos, no plural.<br />
  22. 22. 2 Tm, 1-2<br />Ao passar da primeira para a segunda carta, escutamos um tom diferente: mais pessoal nas recordações, mais cordial nos conselhos e avisos.<br />
  23. 23. 2 Tm 1,10<br />O termo parusia, tradicional no corpo paulino, é substituído por epifania para indicar a volta do Senhor.<br />
  24. 24. 2 Tm 3,14-17<br />Este é um dos textos em que a Escritura atesta sobre si mesma; o outro é 2 Pd 1,1-21.<br />
  25. 25. Tt 1,1-4<br />Para uma carta muito breve, uma saudação muito longa.<br />
  26. 26. Tt 1,16<br />É a fé sem obras, que Tiago condena (2,17-26). A preocupação de Paulo era antes de tudo a salvação pela fé, independente das obras da lei; a preocupação da nova geração cristã são as obras que brotam da fé.<br />
  27. 27. Tt 2,11-14<br />Primeira síntese doutrinal da carta. Um dos títulos clássicos de Yhwh no AT é hanun (clemente), que outorga seu favor, que concede graça. Agora a “graça” ou favor de Deus se manifestou na encarnação para a salvação de todos, na morte de Cristo como “resgate”, no anúncio da parusia, que funda a esperança e será “manifestação da glória”. Assim as duas “epifanias” delimitam o arco inteiro da salvação.<br />
  28. 28. Tt 3,4-7<br />Segunda síntese doutrinal, com algo de hino. Da “bondade” de Deus falam vários salmos (25,7; 27,13; 31,20; 145,7); mas Deus já revelou sua bondade a Moisés (Ex 33,19). Agora essa bondade se manifestou definitivamente em Cristo. <br />O “amor ao homem” (philanthropia) é atributo divino único no NT.<br />
  29. 29. Bibliografia<br />CNBB. Bíblia Sagrada: tradução da CNBB. Brasília: Edições CNBB, 2008. 7ª ed.<br />PERONDI, Ildo. Cartas Paulinas. Diocese de Apucarana. Trabalho não publicado.<br />SCHÖKEL, Luís Alonso. Bíblia do Peregrino: Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2000.<br />alegriaesantidade.blogspot.com<br />
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×