• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
0 B Trabalho Envoldendo Alta TensãO. (10 7 A 10 7 9)
 

0 B Trabalho Envoldendo Alta TensãO. (10 7 A 10 7 9)

on

  • 12,240 views

 

Statistics

Views

Total Views
12,240
Views on SlideShare
12,229
Embed Views
11

Actions

Likes
2
Downloads
177
Comments
0

1 Embed 11

http://santos-linhaviva.blogspot.com 11

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    0 B Trabalho Envoldendo Alta TensãO. (10 7 A 10 7 9) 0 B Trabalho Envoldendo Alta TensãO. (10 7 A 10 7 9) Document Transcript

    • 10.7 - TRABALHOS ENVOLVENDO ALTA TENSÃO (AT) 10.7.1 Os trabalhadores que intervenham em instalações elétricas energizadas com alta tensão, que exerçam suas atividades dentro dos limites estabelecidos como zonas controladas e de risco, conforme Anexo I, devem atender ao disposto no item 10.8 desta NR. Zona Controlada: entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados. Zona de Risco: entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível inclusive acidentalmente, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados e com a adoção de técnicas e instrumentos apropriados de trabalho. 10.7.2 Os trabalhadores de que trata o item 10.7.1 devem receber treinamento de segurança, específico em segurança no Sistema Elétrico de Potência (SEP) e em suas proximidades, com currículo mínimo, carga horária e demais determinações estabelecidas no Anexo II desta NR. Sistema Elétrico de Potência (SEP): conjunto das instalações e equipamentos destinados à geração, transmissão e distribuição de energia elétrica até a medição, inclusive. Anexo II Curso complementar - Segurança no sistema elétrico de potência (SEP) e em suas proximidades. É pré-requisito para freqüentar este curso complementar, ter participado, com aproveitamento satisfatório, do curso básico da nova NR-10 de no mínimo 40 horas. Carga horária mínima - 40h (*) Estes tópicos deverão ser desenvolvidos e dirigidos especificamente para as condições de trabalho características de cada ramo, padrão de operação, de nível de tensão e de outras peculiaridades específicas ao tipo ou condição especial de atividade, sendo obedecida a hierarquia no aperfeiçoamento técnico do trabalhador. I - Programação Mínima: 1 - Organização do Sistema Elétrico de Potencia - SEP. 2 - Organização do trabalho: a) programação e planejamento dos serviços; b) trabalho em equipe; c) prontuário e cadastro das instalações; d) métodos de trabalho; e e) comunicação. 3. Aspectos comportamentais. 4. Condições impeditivas para serviços. 5. Riscos típicos no SEP e sua prevenção (*):
    • a) proximidade e contatos com partes energizadas; b) indução; c) descargas atmosféricas; d) estática; e) campos elétricos e magnéticos; f) comunicação e identificação; e g) trabalhos em altura, máquinas e equipamentos especiais. 6. Técnicas de análise de Risco no S E P (*) 7. Procedimentos de trabalho - análise e discussão. (*) 8. Técnicas de trabalho sob tensão: (*) a) em linha viva; b) ao potencial; c) em áreas internas; d) trabalho a distância; d) trabalhos noturnos; e e) ambientes subterrâneos. 9. Equipamentos e ferramentas de trabalho (escolha, uso, conservação, verificação, ensaios) (*). 10. Sistemas de proteção coletiva (*). 11. Equipamentos de proteção individual (*). 12. Posturas e vestuários de trabalho (*). 13. Segurança com veículos e transporte de pessoas, materiais e equipamentos(*). 14. Sinalização e isolamento de áreas de trabalho(*). 15. Liberação de instalação para serviço e para operação e uso (*). 16. Treinamento em técnicas de remoção, atendimento, transporte de acidentados (*). 17. Acidentes típicos (*) - Análise, discussão, medidas de proteção. 18. Responsabilidades 10.7.3 Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aqueles executados no Sistema Elétrico de Potência -SEP, não podem ser realizados individualmente. Sempre são executados por equipes de 3, 4 ou 5 profissionais devidamente treinanados 10.7.4 Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aquelas que interajam com o SEP, somente pode ser realizado mediante ordem de serviço específica para data e local, assinada por superior responsável pela área. 10.7.5 Antes de iniciar trabalhos em circuitos energizados em AT, o superior imediato e a equipe, responsáveis pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança em eletricidade aplicáveis ao serviço. "O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes" - PETER DRUCKER
    • 10.7.6 Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT somente podem ser realizados quando houver procedimentos específicos, detalhados e assinados por profissional autorizado. 10.7.7 A intervenção em instalações elétricas energizadas em AT dentro dos limites estabelecidos como zona de risco, conforme Anexo I desta NR, somente pode ser realizada mediante a desativação, também conhecida como bloqueio, dos conjuntos e dispositivos de religamento automático do circuito, sistema ou equipamento. Zona de Risco: entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível inclusive acidentalmente, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados e com a adoção de técnicas e instrumentos apropriados de trabalho. Tabela de raios de delimitação de zonas de risco, controlada e livre. Rr - Raio de Faixa de tensão Nominal Rc - Raio de delimitação da instalação elétrica em delimitação entre zona de kV entre zona risco e controlada e controlada em livre em metros metros <1 0,20 0,70 >1 e <3 0,22 1,22 >3 e <6 0,25 1,25 >6 e <10 0,35 1,35 >10 e <15 0,38 1,38 >15 e <20 0,40 1,40 >20 e <30 0,56 1,56 >30 e <36 0,58 1,58 >36 e <45 0,63 1,63 >45 e <60 0,83 1,83 >60 e <70 0,90 1,90 >70 e <110 1,00 2,00 >110 e <132 1,10 3,10 >132 e <150 1,20 3,20 >150 e <220 1,60 3,60 >220 e <275 1,80 3,80 >275 e <380 2,50 4,50 >380 e <480 3,20 5,20 >480 e <700 5,20 7,20
    • Figura 1 - Distâncias no ar que delimitam radialmente as zonas de risco, controlada e livre
    • Figura 2 - Distâncias no ar que delimitam radialmente as zonas de risco, controlada e livre, com interposição de superfície de separação física adequada. ZL = Zona livre. ZC = Zona controlada, restrita a trabalhadores autorizados. ZR = Zona de risco, restrita a trabalhadores autorizados e com a adoção de técnicas, instrumentos e equipamentos apropriados ao trabalho. PE = Ponto da instalação energizado. SI = Superfície isolante construída com material resistente e dotada de todos dispositivos de segurança. POSIÇÃO DE TRABALHO A posição de trabalho deve ser pré- estabelecida, o profissional, deve permanecer abaixo da linha na qual estiver trabalhando. Distancia de segurança Distância livre (dl).
    • É aquela que deve existir entre o ponto de alcance do empregado e os pontos energizados. A distância livre é determinada em função da tensão elétrica existente, de acordo com a tabela a seguir. Alcance do empregado (d2) É a distancia máxima que o empregado consegue alcançar, na posição de trabalho considerando inclusive o comprimento da ferramenta que tiver nas mãos. Distância de segurança (D) Entende como “distância de segurança” o resultado da soma da distância livre com a distância de alcance do eletricista. d1 = Distância livre. d2 = Alcance do trabalhador. D = d1 + d2 = Distância de Segurança VEJA DESENHO PAGINA SEGUINTE
    • 10.7.7.1 Os equipamentos e dispositivos desativados devem ser sinalizados com identificação da condição de desativação, conforme procedimento de trabalho específico padronizado. 10.7.8 Os equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes ou equipados com materiais isolantes, destinados ao trabalho em alta tensão, devem ser submetidos a testes elétricos ou ensaios de laboratório periódicos, obedecendo-se as especificações do fabricante, os procedimentos da empresa e na ausência desses, anualmente. 10.7.8 Os equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes ou equipados com materiais isolantes, destinados ao trabalho em alta tensão, devem ser submetidos a testes elétricos ou ensaios de laboratório periódicos, obedecendo-se as especificações do fabricante, os procedimentos da empresa e na ausência desses, anualmente. . ANEXO V TESTE DE ISOLAÇÃO DE EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS Fig. 1 – Montagem do teste de isolação total do equipamento HOTSTIK TENSÃO DE TESTE 100 kV DURANTE 3 Minutos CORRENTE DE FUGA NÃO DEVE ULTRAPASSAR 1 mA
    • Fig. 2 – Montagem do teste de isolação da lança superior do equipamento HOTSTIK TENSÃO DE TESTE 100 kV DURANTE 3 Minutos CORRENTE DE FUGA NÃO DEVE ULTRAPASSAR 1 mA Fig. 3 - Montagem do teste de isolação da lança inferior do equipamento HOTSTIK TENSÃO DE TESTE 50 kV DURANTE 3 Minutos TESTES DE BASTÕES ENSAIADOR ELÉTRICO PORTÁTIL DE BASTÕES ISOLANTES (RITZ – TESTER)
    • O RITZ-TESTER é um aparelho portátil que detecta corrente de fuga oriunda de umidade e impurezas de varas de manobra e tubos isolantes fornecendo indicação direta de APROVADO ou REPROVADO, correspondendo os valores e uma tensão de 100 kV a cada 300 mm. Existem hoje dois modelos de aparelhos, o NORMAL e o REDUZIDO, sendo que ambos são próprios para os ensaios elétricos de: Varas de Manobras Bastões de Manobras Bastões de Linha Viva Escadas de Linha Viva Andaime Modular Isolado Procedimento de Operação: 1. LIGAÇÃO: O aparelho opera nas tensões de 110 ou 220 V, 50/60 Hz, conforme o modelo. Antes de conectá-lo à rede certifique se a tensão da rede é compatível com a do aparelho. Se possível aterre o aparelho através do plug à tomada, o que proporcionará maior estabilidade de leitura. 2. CALIBRAGEM: Não calibre o aparelho com ferramentas ou outro material próximo dos eletrodos. Coloque o instrumento em uma superfície plana ou segure-o pela alça. Gire o knob de “zero” até que o ponteiro esteja sobre a “linha de zero” do mostrador. 3. TESTE: Acompanha o aparelho um bastão de teste para determinar se o mesmo está funcionando corretamente. Após zerar o galvanômetro introduza o “bastão de teste” entre os eletrodos e em bom contato com eles (o bastão de teste deve ser mantido limpo e seco), o galvanômetro deve indicar final de escala. 4. UTILIZAÇÃO: Sustente em ambas as extremidades o bastão a ser testado e apóie com firmeza o aparelho sobre o mesmo. Repita esta operação ao longo de todo o bastão, porém sem desligar o aparelho em sua superfície, tire e recoloque o aparelho ao ensaiar cada seção. Bastões com diâmetro igual a 51 mm (2”) deverão ser girados 90 em torno de seu eixo e repetido o ensaio em cada seção.
    • 5. LEITURAS DE GALVANÔMETRO: 5.1 – Leitura na faixa verde: À direita de “linha de zerar”, bastão em bom estado. À esquerda da “linha de zerar”, bastão em bom estado. 5.2 – Leituras na faixa vermelha podem ser causadas por problemas como: Trincas, contaminação do bastão, umidade ou filete de carvão na superfície ou na parede. Qualquer bastão que registre esse tipo de leitura deve ser removido do serviço até que o problema seja sanado e o mesmo consiga ser aprovado no ensaio. A não uniformidade de leituras tomadas em várias seções ao longo de um mesmo bastão. Este procedimento não poderá indicar que o bastão está reprovado, enquanto não houver nenhuma indicação na faixa vermelha. A não uniformidade indica apenas uma área de concentração não prejudicial. Em qualquer caso, a não uniformidade deve ser inspecionada quanto a contaminações superficiais, trincas e outros danos no bastão. ATENÇÃO:
    • Para manter a integridade de suas características, bem como o seu perfeito e confiável funcionamento ao longo de sua vida útil, o RITZ – TESTER deve ser armazenado em lugar limpo, seco e isento de atmosfera poluída merecendo ainda cuidado especial quanto ao seu transporte e manuseio no sentido de se evitar trepidações ou baques violentos do mesmo. TESTE DE CARGA EM BASTÕES