<ul><li>VIVEIRO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES COMERCIAIS </li></ul>
ESPÉCIES   ESCOLHIDAS ACACIA MANGIUM – espécie exótica GUANANDI / JACAREUBA – espécie nativa
ACACIA MANGIUM  Família:  Mimosaceae Espécie:  Acacia mangium Sinonímia botânica:  Racosperma mangium Willd Outros nomes (...
SEMENTES DE ACACIA MANGIUM
Com aproximadamente 2 cm de comprimento e 1 cm de largura , as sementes de Acacia M. possuem uma membrana de coloração ama...
Florada da Acacia M. Vagem das sementes Na região Sudeste do Brasil a florada  começa no mês  de Março
GERMINAÇÃO E RAIZES
 
3 MESES PLANTIO
6 MESES
1 ANO
1 ANO E 3 MESES FUSTE DE 10cm 4 m altura
<ul><li>Crescimento e Produção Em plantios silviculturais de excelente manejo, pode alcançar 15m de altura e 40cm de diâme...
FLORESTA DE ACACIA COM 7 A 8 ANOS A PONTO DE CORTE
PRODUTOS “NOBRES” DA MADEIRA DE ACACIA M.
 
CASA CONSTRUIDA COM MADEIRA DE ACACIA MANGIUM NA INDONÉSIA
Produtos Não-Madeireiros APICULTURA
Produtos Não-Madeireiros Como as flores da espécie são melíferas (BALIEIRO et al.,2004), o néctar extrafloral pode produzi...
Da casca da árvore pode-se explorar o tanino para indústrias de couro, fabricação de colas e adesivos, branqueamento de aç...
GUANANDI / JACAREUBA
HISTORIA DO GUANANDI O guanandi, durante o período regencial, tornou-se monopólio do Estado Brasileiro e, em 1835, passou ...
Família:  Clusiaceae. Espécie:  Calophyllum brasiliense Cambessèdes. Sinonímia botânica:  Calophyllum antillanum Brit. Sta...
SEMENTES   FRUTOS Os frutos do guanandi possuem uma polpa que envolvem a casca e a semente é a castanha que fica dentro da...
Qualidade das sementes
FLORAÇÃO: Na região Sudeste do Brasil o Guanandi começa a florir a  partir do mês de Maio
GERMINAÇÃO E RAIZES
Mudas prontas para plantio
Aspectos ecológicos O guanandi é uma espécie pertencente ao grupo sucessional secundária/intermediária tardia (Durigan & N...
ASPECTOS FISICOS Quando adulta, a árvore pode atingir até 20m de altura e diâmetro (DAP) entre 20 a 50 cm. Na região amazô...
Crescimento e produção  O guanandi é uma espécie de crescimento lento a moderado. Em Manaus-AM, apresentou incremento médi...
Plantio de Guanandi em várzeas (Vale do Paraiba)  As árvore de guanandi foram plantadas em várzeas onde antes era planado ...
PREPARO DO SOLO IRRIGAÇÃO DO PLANTIO NA VARZEA
Alguns produtos feitos com madeira  de guanandi
MERCADO
MADEIRA: Brasil tem déficit de 8,7 mi de hectares de madeira   Fonte: Diário Net/Painel Florestal A demanda de madeira no ...
ESTIMATIVA DA DEMANDA MUNDIAL DE MADEIRA !!!!   Estima-se que em 2020 a demanda mundial potencial por madeira atinja o pat...
SETOR FLORESTAL: Estrangeiro investe em plantio de florestas   O investimento estrangeiro em florestas sempre foi tímido n...
EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE PRODUTOS FLORESTAIS  No mês de abril, as exportações brasileiras de madeira, celulose e papel t...
CERTIFICAÇÃO FSC (CERTIFICADO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL) <ul><li>Para se obter o selo FSC, no que se diz respeito a ...
OS 9 PRINCIPIOS DO FSC <ul><li>Garantia sobre posse e uso da terra; </li></ul><ul><li>Respeito aos direitos dos povos indi...
MERCADO DE CARBONO  O metano é um dos gases mais nocivos ao planeta, com capacidade 23 vezes maior do que o carbono em seg...
Existem Projetos para redução da emissão de metano na atmosfera em granjas de porcos e criadouros confinados , assim como ...
Patrick Assumpção  [email_address] 12-3643-2666
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

ApresentaçãO Univap Reflo. E Viveiro

3,566 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,566
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
161
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ApresentaçãO Univap Reflo. E Viveiro

  1. 1. <ul><li>VIVEIRO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES COMERCIAIS </li></ul>
  2. 2. ESPÉCIES ESCOLHIDAS ACACIA MANGIUM – espécie exótica GUANANDI / JACAREUBA – espécie nativa
  3. 3. ACACIA MANGIUM Família: Mimosaceae Espécie: Acacia mangium Sinonímia botânica: Racosperma mangium Willd Outros nomes (vulgares): acácia-australiana, acácia, cássia . aproximadamente 2.000.000 ha plantados em todo o mundo, produções direcionadas para polpa de celulose, madeira para movelaria e construção, matéria-prima para compensados, combustível, controle de erosão, quebra-vento e sombreamento (MARSARO JR,s.d.). A espécie é uma leguminosa pioneira e vem despertando a atenção dos técnicos e pesquisadores pela rusticidade, rapidez de crescimento e, principalmente, por ser espécie nitrificadora (VEIGA et al.,2000). O interesse também parte por ela apresentar significativa capacidade de adaptação às condições edafoclimáticas brasileiras (ANDRADE et al., 2000), sobretudo em solos pobres, ácidos e degradados produzindo elevada quantidade de madeira com baixa acumulação de nutrientes. Assim, a espécie destaca-se em programas de recuperação de áreas degradadas (RAD) e representa uma opção silvicultural para o Brasil (BALIEIRO et al.,2004). A acácia é uma espécie nativa da parte noroeste da Austrália, de Papua Nova-Guiné e do oeste da Indonésia. (SMIDERLE,2005).
  4. 4. SEMENTES DE ACACIA MANGIUM
  5. 5. Com aproximadamente 2 cm de comprimento e 1 cm de largura , as sementes de Acacia M. possuem uma membrana de coloração amarela que é oxidante e em condições naturais auxilia na dispersão das sementes . Aproximadamente 60.000 sementes por Kg
  6. 6. Florada da Acacia M. Vagem das sementes Na região Sudeste do Brasil a florada começa no mês de Março
  7. 7. GERMINAÇÃO E RAIZES
  8. 9. 3 MESES PLANTIO
  9. 10. 6 MESES
  10. 11. 1 ANO
  11. 12. 1 ANO E 3 MESES FUSTE DE 10cm 4 m altura
  12. 13. <ul><li>Crescimento e Produção Em plantios silviculturais de excelente manejo, pode alcançar 15m de altura e 40cm de diâmetro a altura do peito (DAP) em apenas 3 anos, apresentando incremento médio anual em volume de 45m³/ha/ano (SOUZA et al., 2004). </li></ul>2 ANOS
  13. 14. FLORESTA DE ACACIA COM 7 A 8 ANOS A PONTO DE CORTE
  14. 15. PRODUTOS “NOBRES” DA MADEIRA DE ACACIA M.
  15. 17. CASA CONSTRUIDA COM MADEIRA DE ACACIA MANGIUM NA INDONÉSIA
  16. 18. Produtos Não-Madeireiros APICULTURA
  17. 19. Produtos Não-Madeireiros Como as flores da espécie são melíferas (BALIEIRO et al.,2004), o néctar extrafloral pode produzir mel por abelhas do gênero Apis (BARBOSA,2002). A apicultura em povoamentos de Acácia mangium é uma atividade altamente lucrativa porque o néctar é produzido em nectários extraflorais existentes nas folhas e que produzem néctar durante toda época do ano, constituindo excelente pasto para as abelhas, principalmente na Ásia (Vietnam, Tailândia, Austrália) onde a espécie é cultivada em extensas áreas (CASTRO e CIA,s.d.).
  18. 20. Da casca da árvore pode-se explorar o tanino para indústrias de couro, fabricação de colas e adesivos, branqueamento de açúcar e purificação de água (floculante), cujo tanino poderá ser comercializado junto aos curtumes, empresas fabricantes de colas; usinas açucareiras e empresas de tratamento de água e esgoto, resultando em rendas adicionais e benefícios ambientais. (Flávio Pereira Silva Eng. Florestal- D.Sc. em Silvicultura) TANINO
  19. 21. GUANANDI / JACAREUBA
  20. 22. HISTORIA DO GUANANDI O guanandi, durante o período regencial, tornou-se monopólio do Estado Brasileiro e, em 1835, passou a ser a primeira &quot;Madeira de Lei&quot; do país. Desde então, a intensa exploração quase o extinguiu. Atualmente, as populações de guanandi estão expostas à devastação, tanto pela extração ilegal de madeira, quanto pela pressão de ocupação nas áreas de ocorrência.
  21. 23. Família: Clusiaceae. Espécie: Calophyllum brasiliense Cambessèdes. Sinonímia botânica: Calophyllum antillanum Brit. Standl.; Calophyllum ellipticum Rusby; Calophyllum rekoi Standl. Nomes vulgares: bálsamo-jacareúba, beleza, cedro-mangue, cedro-do-pântano, guanandi-amarelo, guanandi-carvalho, guanandi-poca, guanandi-cedro, guanandi-jaca, guanandi-landim, guanandi-lombriga, guanandi-piolho, guanandi-rosa, guanandi-vermelho, guanantim, guanandi-da-praia, guanandirana, gulanvin-carvalho, inglês, jacaríuba, jacareaba, jacareíba, jacareúba, landinho, lantim, landi-carvalho, landi, landim, lanfim, mangue, mangue-seco, olandi-carvalho, oanandí, oonandi, olandí, olandim, pau-de-maria, pau-de-azeite, pau-de-santa-maria, pau-sândalo, pindaíva, uá-iandi (fruta oleosa).
  22. 24. SEMENTES FRUTOS Os frutos do guanandi possuem uma polpa que envolvem a casca e a semente é a castanha que fica dentro da casca A colheita é feita quando os morcegos começam a comer a polpa dos frutos do guanandi, nesse momento as castanhas já estão maduras e prontas para serem despolpadas.
  23. 25. Qualidade das sementes
  24. 26. FLORAÇÃO: Na região Sudeste do Brasil o Guanandi começa a florir a partir do mês de Maio
  25. 27. GERMINAÇÃO E RAIZES
  26. 28. Mudas prontas para plantio
  27. 29. Aspectos ecológicos O guanandi é uma espécie pertencente ao grupo sucessional secundária/intermediária tardia (Durigan & Nogueira, 1990), porém ocorrem guanandizais quase puros, em condições pioneiras, no litoral paranaense (Carvalho, 1996). A espécie ocorre em todas as bacias brasileiras, sobretudo em planícies temporariamente inundadas. Observa-se, nessas condições, que mesmo submersas as sementes mantêm a viabilidade, bem como as plantas crescem normalmente em solo encharcado (Marques & Joly, 2000).
  28. 30. ASPECTOS FISICOS Quando adulta, a árvore pode atingir até 20m de altura e diâmetro (DAP) entre 20 a 50 cm. Na região amazônica pode atingir 40 m de altura e 150 cm de DAP. Seu tronco é geralmente reto e cilíndrico, apresentando fuste de até 15 m de altura. O guanandi é uma espécie de folhas perenes, com copa larga e arredondada, densa e de coloração verde-escuro. Guanandi serrado (Costa Rica) Peça de Guanandi trabalhada
  29. 31. Crescimento e produção O guanandi é uma espécie de crescimento lento a moderado. Em Manaus-AM, apresentou incremento médio anual de 8,40 m³/ha/ano, (Schimidt & Volpato, 1972).
  30. 32. Plantio de Guanandi em várzeas (Vale do Paraiba) As árvore de guanandi foram plantadas em várzeas onde antes era planado arroz . É mais uma opção para o produtor rural
  31. 33. PREPARO DO SOLO IRRIGAÇÃO DO PLANTIO NA VARZEA
  32. 34. Alguns produtos feitos com madeira de guanandi
  33. 35. MERCADO
  34. 36. MADEIRA: Brasil tem déficit de 8,7 mi de hectares de madeira Fonte: Diário Net/Painel Florestal A demanda de madeira no Brasil é estimada em 350 milhões de metros cúbicos por ano e os plantios florestais conseguem suprir apenas 90 milhões de m³/ano, equivalentes à exploração de 600 mil hectares/ano. A diferença vem das florestas nativas. Sem considerar planos de manejo, que preconizam a sustentabilidade e contribuem para a redução deste déficit, os 260 milhões de m³ para serem supridos integralmente por florestas plantadas demandariam mais 8,7 milhões de hectares, o equivalente 0,9% do território nacional, elevando o percentual de área com plantios florestais de 0,6% para 1,5%, o que seria muito inferior à área ocupada com outras culturas. Assim, caso não haja oferta de energia que substitua a madeira e sem uma política de estímulo ao plantio, se a demanda atual se mantiver, fatalmente a pressão sobre os remanescentes de florestas nativas será grande e com conseqüências indesejáveis. A previsão realista e pouco animadora é do chefe-geral, Helton Damin da Silva, e da pesquisadora Rosana Higa, da Embrapa Florestas. MADEIRA: Brasil tem déficit de 8,7 mi de hectares de madeira
  35. 37. ESTIMATIVA DA DEMANDA MUNDIAL DE MADEIRA !!!!   Estima-se que em 2020 a demanda mundial potencial por madeira atinja o patamar de 4,0 bilhões de metros cúbicos, sendo 51,8% de madeira para fins energéticos e 48,2% de madeira para usos industriais. No entanto, os níveis de produção mundial de produtos florestais estarão muito aquém do aumento da demanda. No passado, a resposta à procura crescente por produtos madeireiros foi o estabelecimento de plantios florestais de baixo custo nos trópicos. Mas, a emergente realidade social e econômica irá dificultar expansões significativas do uso das terras para o plantio florestais, principalmente em países com restrições territoriais. Nesse contexto, é provável que o mundo priorize o Brasil, com vistas ao abastecimento de produtos florestais que sejam produzidos de forma sustentável. Fonte: Radar Silviconsult.
  36. 38. SETOR FLORESTAL: Estrangeiro investe em plantio de florestas O investimento estrangeiro em florestas sempre foi tímido no Brasil. Nos anos 1990, uma ou outra iniciativa de capital de risco chegou a apostar no manejo florestal sustentável na Amazônia. Mas, nos últimos anos, o País começou a atrair aportes de grandes fundos florestais interessados em investimentos de longo prazo. Esses investidores querem distância da Amazônia e do risco que a região oferece. Passaram a investir em florestas plantadas principalmente depois da conquista da maior estabilidade econômica do Brasil nos últimos anos, apesar de já conhecerem o grande potencial do País em termos de produtividade. &quot;Após o investment grade, se abriu um leque para os fundos americanos que antes, por estatuto, não poderiam investir aqui&quot;, diz John Forgach, presidente do Fundo Equator, que investe em projetos ambientais. A nova tendência começou a se desenhar a partir de 2001, quando a Global Forest Partners (GFP) iniciou o investimento no Brasil com a compra de 60 mil hectares de pinus no Paraná. &quot;Esse é até hoje um dos maiores maciços florestais sob propriedade de um fundo no Brasil&quot;, diz o economista da consultoria florestal Consufor, Ederson Almeida. Em 2002, foi a vez da Hancock Timber Resource Group, outra gigante norte-americana, vir para o País. De 2005 a 2008, outros oito fundos internacionais fizeram o mesmo caminho. De acordo com levantamento da Consufor, eles investiram R$ 2 bilhões no Brasil até o ano passado. O número ainda é tímido, se comparado ao que elas têm investido em outros países. Neste ano, a única negociação conhecida foi a compra de 10 mil hectares, em Mato Grosso, pela Phaunos Timber Fund Limited. O investimento total no projeto deve chegar a US$ 150 milhões. Até o fim de abril, o fundo havia desembolsado US$ 47,5 milhões.
  37. 39. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE PRODUTOS FLORESTAIS No mês de abril, as exportações brasileiras de madeira, celulose e papel totalizaram US$ 545,86 milhões. Este cenário caracteriza aumento de 8,12% em relação ao mês de março, quando o valor exportado de tais produtos foi de US$ 504,88 milhões. As exportações de celulose e papel somaram, em abril, US$ 408,56 milhões, caracterizando acréscimo expressivo de 15,65% em relação ao mês de março, quando as exportações desses produtos somaram US$ 353,28 milhões. Em relação às exportações brasileiras de madeira, o total exportado, em abril, foi de US$ 137,3 milhões, enquanto que este montante em março foi de US$ 151,60 milhões. Fonte: CEPEA.
  38. 40. CERTIFICAÇÃO FSC (CERTIFICADO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL) <ul><li>Para se obter o selo FSC, no que se diz respeito a área física onde será implantado o reflorestamento, deve-se respeitar e averbar no DEPRN (como reza o cod. Florestal e a Legislação de Reserva Legal ) as áreas destinadas aos 20% de Reserva Legal e APPs. </li></ul><ul><li>NÃO É OBRIGATÓRIO ENTRAR COMO O PROJETO DE REFLORESTAMENTO ANTES DE SER IMPLEMENTADO, PARA SE OBTER O SELO FSC. </li></ul><ul><li>Todas as áreas PLANTADAS, MANTIDAS E PRESERVADAS devem ser geo-referenciadas para monitoramento e adequação às normas da certificação FSC. </li></ul>
  39. 41. OS 9 PRINCIPIOS DO FSC <ul><li>Garantia sobre posse e uso da terra; </li></ul><ul><li>Respeito aos direitos dos povos indiginas e tradicionais; </li></ul><ul><li>Manutenção ou ampliação do bem-estar de comunidades e trabalhadores </li></ul><ul><li>Uso múltiplo dos produtos e serviços florestais; </li></ul><ul><li>Manutenção das funções ecológicas e integridade das florestas; </li></ul><ul><li>Elaboração do Plano de Manejo apropriado a escala e intensidade das operações propostas; </li></ul><ul><li>Monitoramento e Avaliação do manejo florestal e seus impactos; </li></ul><ul><li>Florestas plantadas devem complementar o manejo, reduzir a pressão e promover a conservação de florestas naturais. </li></ul>
  40. 42. MERCADO DE CARBONO  O metano é um dos gases mais nocivos ao planeta, com capacidade 23 vezes maior do que o carbono em segurar calor na atmosfera. O gado das fazendas industriais representam 18% do total desses gases emitidos no mundo, de acordo com o relatório de 2006 da Food and Agriculture Organization.
  41. 43. Existem Projetos para redução da emissão de metano na atmosfera em granjas de porcos e criadouros confinados , assim como em aterros sanitários . Dessa forma pode-se reduzir as emissões em até 21 vezes , pois o Metano será transformado em CO2. Essa redução pode ser negociado em Bolsas de Valores especificas para esse tipo de ação, como a CCX de Chicago – EUA. Os compradores dessas ações são as Grandes Empresas poluidoras , como a automobilística, prolífica, entre outras . Fazem isso para mitigar / compensar as emissões lançadas na atmosfera causadas pelas suas empresas.
  42. 44. Patrick Assumpção [email_address] 12-3643-2666

×