Your SlideShare is downloading. ×
Aula 15
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Aula 15

5,828
views

Published on

Published in: Technology, Education

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,828
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
258
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sintaxe II Período Composto
  • 2. Orações coordenadas I) Assindéticas: as que não são introduzidas por uma conjunção. Ex.: Assisti ao filme e fiz os comentários. II) Sindéticas: as que se introduzem por uma conjunção, chamada coordenativa. Ex.: Trabalhei bastante, logo estou cansado.
  • 3. Classificação As coordenadas sindéticas recebem, de acordo com o sentido e o valor das conjunções, cinco classificações. Veja, a seguir. 1) Coordenadas sindéticas aditivas : as que indicam uma simples soma, adição. Ex.: Ele vendeu as mercadorias e voltou ao escritório. Não só estuda, mas também trabalha. (ou seja: estuda e trabalha) Principais conjunções coordenativas aditivas: e, nem, não só...mas também (e semelhantes).
  • 4. 2) Coordenadas sindéticas adversativas : as que expressam uma idéia contrária, adversa. Ex.: Trabalhei bem, mas fui rejeitado. Principais conjunções coordenativas adversativas: mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto, e (equivalendo a mas). 3) Coordenadas sindéticas conclusivas : as que exprimem uma conclusão. Ex.: Analisei o material, portanto posso falar sobre ele. Principais conjunções coordenativas conclusivas: portanto, logo, por isso, por conseguinte, pois (entre vírgulas).
  • 5. 4) Coordenadas sindéticas alternativas : as que expressam uma alternativa; a conjunção normalmente é repetida, considerando-se, nesse caso, alternativas as duas orações. Principais conjunções coordenativas alternativas: ou, ou...ou, ora...ora, já...já, quer...quer, nem...nem Ex.: Ora lê, ora escreve. 5) Coordenadas sindéticas explicativas : as que exprimem uma explicação, uma justificativa; aparecem, com mais freqüência, depois de imperativo. Principais conjunções coordenativas explicativas: porque, que, pois. Ex.: Choveu muito, porque o chão está alagado. Volte logo, que vai chover.
  • 6. Observações a) Terminologia X sentido das orações. ● A análise sintática nos ajuda a raciocinar, a entender a língua como um todo, favorecendo o aprendizado de outros assuntos. ● Há bancas que ainda cobram, vez por outra, a terminologia. Devemos estar preparados para isso.
  • 7. b) Às vezes o período é formado só por orações assindéticas. Em estilística, isso é conhecido como assíndeto. Ex.: “Vim, vi, venci.”
  • 8. Orações subordinadas As orações subordinadas se distribuem em três grupos distintos: adjetivas, substantivas e adverbiais, cada qual com suas características. I) Subordinadas adjetivas: representam o adjunto adnominal da oração principal; começam, normalmente, por um pronome relativo (que, o qual, quem, cujo, onde, como, quanto, quando). Ex.: A pessoa que estuda abre novos horizontes.
  • 9. Classificação 1) Restritivas : as que limitam, restringem o significado do antecedente; na prática, são as que não admitem vírgula antes do pronome relativo, preposicionado ou não. Ex.: O livro que ganhei é ótimo. A pessoa de quem lhe falei vai viajar. 2) Explicativas : as que explicam algo a respeito do antecedente; lembram um aposto e exigem vírgula antes do pronome relativo. Ex.: O homem, que é mortal, precisa evoluir. Paulo, a cujo pai me referi, não virá ao encontro.
  • 10. II) Subordinadas substantivas : as que equivalem a termos sintáticos normalmente representados por substantivo (sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, predicativo e aposto). São iniciadas, geralmente, por uma conjunção integrante (que e se); às vezes, por um advérbio (onde, como etc.) ou pronome (quem, qual etc.). Ex.: O rapaz falou que estava desconfiado. Não sei onde ficou o material.
  • 11. Classificação 1) Objetiva direta : a que funciona como objeto direto da principal. Ex.: O funcionário pediu que todos entrassem. 2) Objetiva indireta : a que funciona como objeto indireto da principal. Ex.: Esqueceu-se de que ia viajar.
  • 12. 3) Subjetiva : a que funciona como sujeito da principal; há vários tipos. a) Com verbo de ligação e um adjetivo na principal. Ex.: É necessário que estudem bastante. b) Com verbos unipessoais (parece, urge, basta, convém, consta etc.) na principal. Ex.: Basta que digam uma palavra.
  • 13. c) Com a partícula apassivadora (se) na principal. Ex.: Explicou-se que haveria alterações. d) Com a palavra quem na subordinada. Ex.: Quem trabalha progride.
  • 14. 4) Predicativa : a que funciona como predicativo da oração principal; só ocorre depois do verbo ser. Ex.: A verdade é que ele não quer nada. 5) Completiva nominal : a que funciona como complemento nominal da principal. Ex.: Tinha certeza de que conseguiria. 6) Apositiva : a que funciona como aposto; geralmente aparece depois de dois-pontos. Ex.: Só queria uma coisa: que o compreendessem.
  • 15. Observações a) Existe ainda a oração subordinada substantiva agente da passiva, que não consta da Nomenclatura Gramatical Brasileira, o órgão que dá os nomes oficiais no que toca aos fatos gramaticais. Por isso, não pode ser cobrada em prova, pelo menos a classificação. Ex.: O trabalho foi feito por quem entende do assunto.
  • 16. b) Em orações substantivas iniciadas por advérbio ou pronome, há uma tendência inadequada de considerar essas palavras conjunções integrantes. Nunca faça isso. As integrantes são apenas que e se. Ex.: Ignoro quando será o jogo. Quando: advérbio interrogativo de tempo.
  • 17. III) Subordinadas adverbiais: as que exercem a função de adjunto adverbial da oração principal. São iniciadas por uma conjunção subordinativa que tem o mesmo nome da oração. Ex.: Os problema apareceram quando chegamos à fazenda. quando chegamos à fazenda: oração subordinada adverbial temporal. quando: conjunção subordinativa temporal
  • 18. Classificação 1) Causal : a que funciona como adjunto adverbial de causa da oração principal. Principais conjunções subordinativas causais: porque, pois, que, como, já que, uma vez que, porquanto. Ex.: A mulher gritou porque teve medo. Como fazia frio, fechou as janelas.
  • 19. Observações a) A palavra como pode iniciar outras orações, como veremos adiante. b) As conjunções que, porque e pois podem ser subordinativas causais ou coordenativas explicativas. Veja os exemplos abaixo. Escrevi a carta porque precisava de orientação. Ele chorou, porque os olhos estão inchados. Volte cedo, porque vai chover.
  • 20. 2) Concessiva : a que funciona como adjunto adverbial de concessão da oração principal, ou seja, uma idéia contrária ao que se diz na oração principal. Principais conjunções subordinativas concessivas: embora, mesmo que, ainda que, apesar de que. Ex.: Embora tenha corrido muito, não ficou suado. Ainda que gritássemos, ninguém atenderia. 3) Condicional : a que funciona como adjunto adverbial de condição da oração principal. Principais conjunções subordinativas condicionais: se, caso, sem que. Ex.: Apresentarei o projeto se me derem oportunidade. Sem que haja determinação, isso é impossível.
  • 21. 4) Conformativa : a que indica conformidade, acordo. Principais conjunções subordinativas conformativas: conforme, como, segundo, consoante. Ex.: Conforme nos informaram, faltou energia no bairro. Fiz tudo como estava combinado. 5) Comparativa : a que indica comparação. Principais conjunções subordinativas comparativas: como, que (ou do que), quanto. Ex.: Falava alto como o irmão. Ela é mais delicada que a prima.
  • 22. 6) Consecutiva : indica consecução, conseqüência. Principal conjunção: que (precedida de tal, tão, tanto, tamanho). Ex.: Falou tão alto que a família acordou.
  • 23. Observações a) Às vezes, as palavras tal, tão, tanto e tamanho ficam subentendidas. Ex.:Chora, que todos ficam pesarosos. (Chora tanto...) b) Uma coisa muito importante para você, que faz concursos públicos: onde há conseqüência, há causa. Assim, se temos uma oração consecutiva (que expressa uma conseqüência), a principal, necessariamente, expressa uma causa. Considera-se subordinada aquela que apresenta a conjunção. Ex.: Estudou tanto que foi aprovado. (subordinada adverbial consecutiva) Foi aprovado porque estudou tanto. (subordinada adverbial causal)
  • 24. 7) Final : a que indica finalidade.Principais conjunções subordinativas finais: para que, a fim de que. Ex.: Abriu a porta para que o cachorro saísse. Foi para a cabana a fim de que ninguém o incomodasse. 8) Proporcional : a que indica proporção. Principais conjunções subordinativas proporcionais: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais...mais, quanto menos...menos. Ex.: Seremos felizes à medida que nos tornarmos bons. Quanto mais leio, mais aprendo.
  • 25. 9) Temporal : a que indica tempo. Principais conjunções subordinativas temporais: quando, assim que, depois que, antes que, enquanto, mal. Ex.: Só voltou a jogar quando se sentiu bem. Ex.: Assim que chegou, foi para a cozinha.
  • 26. Orações reduzidas 1) Reduzidas de gerúndio a) Vi um homem correndo na calçada. (que corria na calçada) Oração subordinada adjetiva restritiva b) Chegando cedo, ele pôde assistir ao jogo. (Porque chegou cedo) Oração subordinada adverbial temporal
  • 27. c) Estudando mais, você teria sido aprovado. (Se estudasse mais) Oração subordinada adverbial condicional d) Preparou o relatório, deixando-o no armário. (e o deixou no armário) Oração coordenada aditiva
  • 28. 2) Reduzidas de infinitivo a) É necessário pensar sobre o assunto. (que se pense) Oração subordinada substantiva subjetiva b) Deixei sair o funcionário. (que o funcionário saísse) Oração subordinada substantiva objetiva direta c) Estava certo de ser o escolhido. (de que seria o escolhido) Oração subordinada substantiva completiva nominal.
  • 29. d) Ao sair, registre seu nome. (Quando sair) Oração subordinada adverbial temporal e) Sem melhorar, ele será demitido. (Caso não melhore) Oração subordinada adverbial condicional f) Apesar de vender pouco, ele foi promovido. (Embora vendesse pouco) Oração subordinada adverbial concessiva g) Por ser alto, alcançou a última prateleira. (Por que é alto) Oração subordinada adverbial causal
  • 30. 3) Reduzidas de particípio a) Terminada a prova, todos saíram. (Assim que a prova terminou) Oração subordinada adverbial temporal b) Aborrecido com o chefe, abandonou a reunião. (Porque se aborreceu com o colega) Oração subordinada adverbial causal c) Carla, deixada de lado, sentiu-se humilhada. (que se deixou de lado) Oração subordinada adjetiva explicativa
  • 31. Observações finais a) Existem duas orações adverbiais que não constam da Nomenclatura Gramatical Brasileira: locativas e modais , esta última sempre reduzida de gerúndio. São cobradas pelo sentido, não pela classificação. Ex.: Trabalho onde me sinto bem. (subordinada adverbial locativa) Costuma ser analisada como adjetiva, por estar subentendido um antecedente de onde: no local onde me sinto bem. Salvou-se fazendo dieta. (subordinada adverbial modal) Costuma ser classificada como conformativa.
  • 32. b) As orações reduzidas de gerúndio às vezes admitem mais de uma classificação. Ex.: Estudando com cuidado, aprendi a matéria. Pode-se entender de duas formas e, conseqüentemente, classificar a oração reduzida de duas maneiras. ● Quando estudei com cuidado, aprendi a matéria. (subordinada adverbial temporal reduzida de gerúndio) ● Porque estudei com cuidado, aprendi a matéria. (subordinada adverbial causal reduzida de gerúndio)
  • 33. c) Existem conectivos com mais de um valor. Só o sentido da oração vai determinar sua classificação. Veja alguns importantes. ● Como Ex.: Como estava com sono, parou o carro. (subordinada adverbial causal) Sou forte como um touro. (subordinada adverbial comparativa) Agi como a situação pedia. (subordinada adverbial conformativa) Alegrou-me o modo como ele encarou a situação. (subordinada adjetiva restritiva)
  • 34. ● Desde que Ex. Admiro meu amigo desde que o conheço. (subordinada adverbial temporal) Acharei a rua, desde que consulte o mapa. (subordinada adverbial condicional) ● Se Ex.: Se pedirem, eu tocarei. (subordinada adverbial condicional) Veja se o carro está funcionando. (subordinada substantiva objetiva direta)
  • 35. ● Quanto Ex.: Tudo quanto disse é verdadeiro. (subordinada adjetiva restritiva) Sou tão carente quanto você. (subordinada adverbial comparativa) Quanto mais trabalha, mais se desenvolve. (subordinada adverbial proporcional) ● Uma vez que Ex.: Uma vez que faça a sua parte, será aceito. (subordinada adverbial condicional) Uma vez que tenho dinheiro, vou ajudar. (subordinada adverbial causal)
  • 36. ● E Ex.: Estudou e foi para o colégio. (coordenada sindética aditiva) Abriu o coco e não bebeu a água. (coordenada sindética adversativa) ● Porque Ex.: O gato miou porque pisei seu rabo. (subordinada adverbial causal) Fez muito calor, porque as folhas estão secas. (coordenada sindética explicativa) Estudou muito porque o pai ficasse feliz. (subordinada adverbial final)
  • 37. ● Que Esta é uma palavra especial, sem dúvida a que tem mais valores em português. Pode iniciar inúmeras orações. Ex.: Encontrei a jóia que você me deu. (subordinada adjetiva restritiva) Espero que seja suficiente. (subordinada substantiva objetiva direta). Parece que ele se perdeu. (subordinada substantiva subjetiva) Tinha tanto medo que correu. (subordinada adverbial consecutiva) Sou mais alto que ele. (subordinada adverbial comparativa) Fale baixo, que não sou surdo. (coordenada sindética explicativa)